Blogs e Colunistas

06/06/2011

às 10:23

Com a seleção no CT, Corinthians e CBF estreitam laços

Ronaldo, Rodrigo Paiva e Mano no CT (Foto: Danilo Verpa/Folhapress)

Ronaldo, Rodrigo Paiva e Mano no CT (Foto: Danilo Verpa/Folhapress)

“A República Popular do Corinthians saúda e dá boas-vindas à República Federativa do Brasil”. A faixa estendida na recepção à seleção brasileira, no domingo, em sua breve passagem pelo CT do Corinthians, reforça a ótima relação entre o clube e entidade que rege o futebol nacional. Em certo momento da atividade, o presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, reservou alguns minutos para apresentar as instalações do local ao chefe de comunicação da CBF, Rodrigo Paiva. O CT corintiano é um dos candidatos a abrigar seleções durante a Copa do Mundo de 2014. Horas depois, Mano Menezes não poupou elogios, em entrevista divulgada pelo site da entidade, à estrutura encontrada no local. Técnico do Corinthians antes de assumir a seleção, ele se disse “bastante contente com o esforço que a diretoria do Corinthians fez para conseguir a construção desse CT, algo importantíssimo para o futebol de hoje”.

O local, cuja construção ainda não está totalmente finalizada, recebeu retoques durante a última semana – em especial nas áreas de convívio dos jornalistas. A sala de entrevistas coletivas foi reformada e a entrada paralela reservada à imprensa teve sua inauguração antecipada. O bom relacionamento não é novidade. Andrés Sanchez chefiou a delegação brasileira no Mundial de 2010 e foi, na polêmica negociação dos direitos de transmissão do Campeonato Brasileiro, o primeiro dissidente do Clube dos 13 – entidade presidida por Fábio Koff, que nas últimas eleições venceu Kléber Leite, candidato de Ricardo Teixeira, mandatário da CBF. Fora isso, o Corinthians tem apoio de Teixeira para que seu futuro estádio, que começou a ser construído em Itaquera no início da semana passada, receba a abertura da Copa de 2014. Anteriormente, o local mais cotado era o Morumbi, do São Paulo, cujo presidente, Juvenal Juvêncio, tornou-se inimigo político do homem forte do futebol brasileiro.

(Com agência Gazeta Press)

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados