Blogs e Colunistas

HBO Brasil estreia ‘O Negócio’

Elenco de 'O Negócio' (Fotos: HBO Brasil)

Esta noite, às 21h, o canal HBO estreia sua mais nova série brasileira. O Negócio, criada por Luca Paiva Mello e Rodrigo Castilho, tem treze episódios produzidos para sua primeira temporada.

A história acompanha a vida de três prostitutas de luxo (ou garotas de programa, como queiram). Karin (Rafaela Mandelli) é uma mulher de 31 anos que já está cansada de ser ludibriada por seu cafetão (ou booker, como queiram), Ariel (Guilherme Weber). Embora ainda não saiba como resolver o problema, ela sonha em se tornar independente e capaz de agendar seus próprios encontros, para que possa garantir sua aposentadoria.

Karin é amiga de Luna (Juliana Schalch), uma jovem de família de classe média alta que sonha em encontrar um homem rico com quem possa se casar. Neste meio tempo, ela frequenta a faculdade e faz programas à noite, arranjando seus encontros em um clube noturno. Sua família desconhece suas atividades. Tentando evitar especulações, Luna costuma levar um amigo nos almoços com a família, que se faz passar por seu namorado. As duas conhecem Magali (Michelle Batista, que entra no segundo episódio), uma jovem que veio do interior. Ingênua e imatura, vivendo dificuldades financeiras, ela oferece sexo em troca de favores.

Buscando os mesmos objetivos, as três se unem para aplicar estratégias de marketing, que elas tiram de livros dos grandes teóricos da área, para divulgar seu produto e conseguir clientes. Entre as ações que serão aplicadas estão Venda Casada, Reposicionamento de Marca, Fidelização e Focus Group. Esta série parece trazer os mesmos princípios de outra da HBO Brasil exibida em 2012. Em Preamar, temos um empresário que, após perder o emprego, começa a aplicar seu conhecimento de estratégias de marketing e administração no negócio informal de venda de sanduíches nas praias do Rio de Janeiro.

Segundo representantes do canal HBO em coletiva com a imprensa, O Negócio foi produzido para atrair o público masculino interessado em dois temas básicos: negócios e prazeres. O resultado não gera grandes expectativas. Ainda de acordo com os envolvidos com a produção, não há qualquer interesse em trazer para a série conflitos pessoais, familiares ou morais (com exceção daqueles que resultam da aplicação de alguma ação de marketing). Também não há interesse em discutir as motivações das personagens, que se tornaram prostitutas por opção.

Exibido para a imprensa, o piloto (que geralmente serve como uma introdução do que será visto na série) apresenta personagens sem personalidades que possam identificá-las como indivíduos. Elas são tipos que seguem à risca o caminho traçado pelos roteiristas, ou seja, estão programadas para falar e agir de forma a conquistar seus objetivos. Os personagens masculinos que giram em torno das protagonistas são objetos que cumprem a função de clientes, ou obstáculos que têm a função de serem transpostos.

Eliminando os conflitos pessoais, a série limita o potencial de desenvolvimento dos personagens, correndo o risco de se tornar apenas um guia de estratégias de marketing, apresentando um estudo de case por episódio. Algo que pode até ser interessante de ver na primeira meia dúzia de episódios, mas tornando-se repetitiva com o passar do tempo.

A série é uma produção da HBO Latin America em parceria com a Mixer, com direção de Michel Tikhomiroff. No elenco também estão João Gabriel Vasconscellos, como Augusto, um advogado mulherengo amigo de Karin; Gabriel Godoy, como Oscar, um rapaz que Luna tenta conquistar quando frequenta um curso para herdeiros; e Milhem Cortaz, como Renan, dono do clube noturno onde Luna arranja seus clientes.

Para atrair o interesse do telespectador, a HBO está com o sinal aberto neste final de semana nas operadoras SKY, NET, ClaroTV e Vivo.

Esta é a oitava série nacional oferecida pelo canal HBO, entre elas Mandrake, Filhos do Carnaval, Alice, Mulher de Fases, (fdp), Preamar Destino: São Paulo. Destas, Mulher de Fases, (fdp) e Preamar não conseguiram chegar à segunda temporada. O canal também prepara Psi, que ainda não tem uma data de estreia anunciada.

Cliquem nas fotos para ampliar.

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

Envie um comentário

O seu endereço de email não será publicado

14 Comentários

  • Miséria

    -

    18/8/2013 às 20:52

    Não vi e achei uma bosta

  • Luiz

    -

    18/8/2013 às 21:56

    Vi e gostei .

  • Alexandre

    -

    18/8/2013 às 23:14

    Interessante……gostei!
    Marketing na veia, estratégia pura, empresários assistan!

  • vera simmons

    -

    19/8/2013 às 9:26

    O piloto é bem burocrático, serve mesmo para apresentar os personagens e a trama que virá a seguir. Achei os diálogos melhores do que a maioria das séries em cartaz ( Beleza S/A, é bem forçado) Mas Fernanda está certa na sua análise. Ontem, enquanto assistia, fiquei esperando quando iria entrar algum conflito pessoal de uma das personagens. Será que vão se apaixonar por alguém? Questão da maternidade? Se eles forem deixar os indíviduos de fora, a série vai beber do próprio veneno: será só uma sacada de marketing, cansando o telespectador ainda nos primeiros episódios.

  • Rodolfo

    -

    19/8/2013 às 11:26

    Eu gostei e acho que tem potencial para ficar ainda mais bacana. Me lembrou um pouco Secret Diary of a Call Girl, que eu adorava.

  • Andrea

    -

    19/8/2013 às 13:34

    Vi e gostei muito.
    Achei criativo, de bom gosto, gravação de qualidade e vocabulário apropriado em cada cena. A proposta é casar a história com jogadas maketeiras, achei interessante.
    Não acredito que o fato de ter um cunho corporativo, deixe-a sacal. Porém se houver a inserção de muitos dramas pessoais, parecerá mais com uma novela das 21h.

  • Diego

    -

    19/8/2013 às 18:45

    Achei o primeiro capítulo bem legal. Tem potencial!

  • MAYSA

    -

    19/8/2013 às 19:04

    Boa noite quer desabafa minha frustração, raiva por series true BLOOD tem tira Alixader que faz papel de Eric era vilão e viro protagonista mais importante series que Biil que estava com QUADEJUVANTE . Que morre é ERIC , UMA MOTE ridícula . Sensação que tenho é que tudo não passou de um paliativo, usaram Eric para nos manipular e deixar os 90% de quem assiste a série ligada na TV. Como a 7° provavelmente será a última temporada, eles não poderiam mais usá-lo, pois estragaria completamente os planos de Beeeal voltando como protagonista, Sookie renovando seu amor doentio por ele… e claro, isso não poderia faltar…. o novo triângulo DEPOIS TODO QUE ELE FEZ . Todo o ódio, decepção e sensação de perda que estou tendo nesse momento ESSO É DESREPETU FÃ.

  • Paulo

    -

    20/8/2013 às 7:13

    Do anyone know if there is a poster for the show? Where can I get more photos from the series?

    Resposta – Brazilian TV does not usually create posters for their series.

  • Fmaltie

    -

    20/8/2013 às 10:07

    A autora do texto diz que a série não tem conflito pessoal. Então não tem conflito nenhum? Porque conflito, por definição, é pessoal. Ou existe algum outro tipo de conflito? Conflito rochoso, talvez?

    A autora também diz que os personagens falam e agem “de forma a conquistar seus objetivos”. Dúvida: existe alguém, no mundo, que não faça isso? Até onde sei, ninguém dá um passo nem abre a boca a não ser para conquistar seus objetivos. Se você quer comer salame na padaria, você não vai até o açougue pedir um litro de leite. Você vai até a padaria pedir salame. Você vai atrás do seu objetivo.

    Outra da autora: “Algo que pode até ser interessante de ver na primeira meia dúzia de episódios, mas tornando-se repetitiva com o passar do tempo.”

    Se ela só viu o piloto, como afirma em outro trecho do texto, como sabe que a série se torna repetitiva com o tempo?

    Com todo respeito à autora, ela deveria fazer um curso de lógica antes de voltar a escrever. E seria adequado que aprendesse a escrever também. Porque seu texto é muito mal escrito, de uma debilidade gramatical inacreditável para uma jornalista.

    Resposta – Sério isso??? Bom, se você não conseguiu entender o texto, posso explicá-lo.

    Conflito pessoal significa problemas relacionados à vida pessoal, algo que os roteiristas optaram por não abordar, ficando apenas com os conflitos profissionais. Conflitos profissionais significa problemas relacionados ao trabalho que a pessoa exerce.

    Quando falo sobre personagem que age e fala visando apenas o objetivo que lhe foi dado, significa que é uma abordagem restrita e limitada de personagem, que não tem abertura para explorar outros aspectos de sua vida ou personalidade. Citando seu próprio exemplo, uma pessoa pode entrar em uma padaria sem o objetivo de comer. Decide fazer um pedido mas não sabe o que vai escolher. Enquanto isto olha para os lados e imagina o tipo de pessoa que é o sujeito que está sentado ao seu lado ou olha para o céu e imagina se vai chover, enquanto repassa em pensamento os problemas que precisam ser resolvidos ao longo do dia. É diferente da personagem que entra em uma padaria, pede um salame, come e vai embora sem olhar para os lados ou imaginar o que vai acontecer, seguindo em frente com seu dia.

    Sobre a repetição mencionada no texto. Na mesma frase, antes de ser dito que a série se torna repetitiva, foi dito que (com base no que foi divulgado pelos envolvidos na produção) ‘… a série limita o potencial de desenvolvimento dos personagens, correndo o risco de se tornar apenas um guia de estratégias de marketing, apresentando um estudo de case por episódio‘. Em seguida vem o comentário: ‘algo que pode até ser interessante de ver na primeira meia dúzia de episódios, mas tornando-se repetitiva com o passar do tempo’.

    Visando manter o respeito, não responderei o final de seu comentário. Abs.

  • Nilvia

    -

    28/8/2013 às 15:09

    Muito bacana a aplicação do marketing,mesmo num assunto “delicado”como este…Brasileira, a série nada deixa a desejar na qualidade das filmagens; um pouco na dinâmica e “conteúdo”emocional…

  • Maria José Speglich

    -

    15/9/2013 às 5:48

    Horrenda, uma chatice. Fraquíssima.

  • Ivana

    -

    23/10/2013 às 23:34

    Muuuuito boa a série. Estamos gravando e todos estão assistindo aqui em casa. Meus filhos, minha filha e o namorado e meu marido. Estamos adorando

  • jose augusto

    -

    25/8/2014 às 11:32

    Gostaria de comprar em DVD ESTA SERIE ,POIS FOI MUITO BEM BOLADA,O negocio. Prabéns para a HBO

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados