Blogs e Colunistas

27/07/2011

às 15:31 \ ComicCon

Comic Con 2011: Painel de Fringe

(E-D) Joshua Jackson, John Noble, Anna Torv

O texto abaixo pode conter Spoilers.

O painel da série “Fringe” foi realizado no último sábado, dia 23 de julho, contando com as presenças dos atores Anna Torv (Olivia), John Noble (Walter), Jasika Nicole (Astrid), Seth Gabel (Lincoln Lee), Blair Brown (Nina), Lance Reddick (Broyles) e dos produtores  J.H. Wyman e Jeff Pinkner.

Logo no início, John Noble pediu a palavra para agradecer aos fãs pelo apoio que vêm dando à série: “vocês são o melhor público que uma produção pode desejar”. A presença de Joshua Jackson (Peter) não tinha sido confirmada, o que fez surgir muitos comentários e brincadeiras relacionando o fato à situação de Peter, na série.

O moderador perguntou aos atores e produtores se eles não achavam que estava faltando alguém na cena. Um dos produtores pergunta: “Quem?”e alguém da platéia responde: “Pacey” (personagem de Joshua em “Dawson’s Creek”, que lançou a carreira do ator).

Logo em seguida, Pinkner explica para o público que a comunidade artística de Hollywood ficou sabendo que eles não tinham mais um ator para interpretar Peter. Por isso, vários se prontificaram para fazer testes para o papel. Assim, o produtor decidiu apresentar para o público alguns destes testes, que mostraram vários nomes conhecidos tentando conseguir o papel de Peter. É claro que tudo não passou de uma brincadeira, produzida especialmente para o evento. No final do vídeo, o próprio Joshua faz o teste, mas vestido de Observador/Watcher. E foi caracterizado como este personagem (ou quase) que Joshua entrou no palco para surpresa do público presente.

(E-D) Seth Gabel, Jasika Nicole e Blair Brown

Agradecendo ao público por comparecer ao Pacey Convention 2011, o ator demonstrou estar bem disposto após ter sido hospitalizado na noite de quinta-feira, 21 de julho. Segundo a imprensa americana, ele teve uma reação alérgica a algum alimento que ele ingeriu, o que o forçou a passar algumas horas no hospital.

Visivelmente ‘pisando em ovos’ para não revelar nenhum spoiler ou informações que poderiam levar a uma conclusão sobre o que está por vir, os atores e produtores se mantiveram tensos e ‘presos’ na primeira parte do painel. Momentos de silêncio, seguidos de hesitações e respostas incompletas.

Em vista da forma como a terceira temporada terminou, o moderador perguntou se a quarta temporada seguirá a linha narrativa do filme “A Felicidade não se Compra”, no qual James Stewart interpreta um homem que, por intervenção de um anjo, deixa de existir, passando a testemunhar como teriam sido as vidas de seus amigos e familiares caso ele nunca tivesse existido. Levando em consideração a tendência de “Fringe” de adaptar personagens e situações de filmes e outras obras, esta foi uma pergunta bastante pertinente.

Mas os produtores desconversaram, limitando-se a dizer apenas que a consciência de Peter não está em nenhum lugar. Ele simplesmente não existe. Algo que parece deixar Joshua preocupado. Pinkner disse que o ator costuma perguntar diariamente a eles o que será dele na série.

A situação de Peter levou à primeira pergunta feita por alguém na platéia. “Se Peter nunca existiu, como ele pode ser o pai do filho de Olivia 2?” A resposta partiu de Anna Torv que pergunta: “mas será que existe uma criança?”. O público ficou surpreso, alguns não gostaram do comentário da atriz, o que levou o moderador a perguntar: “será que este não é um caso típico de um pai tentando se desvencilhar das responsabilidades de ter um filho?”.

O foco das perguntas mudou para a personagem Olivia. Será que nessa quarta temporada ela conseguirá controlar seus poderes? Novamente gaguejando na resposta e explicando que não poderia adiantar informações sobre o que está por vir, prometendo que todas as perguntas serão respondidas em seu devido tempo, Wyman e Pinkner disseram que Olivia não demonstrou todos os seus poderes ainda.

Foi a vez de Anna Torv, intérprete da personagem, querer saber quais eram. Wyman disse que não era a habilidade de cozinhar e Pinkner respondeu que um deles é a capacidade de imitar Leonard Nimoy. Buscando animar a platéia, o ator Lance Reddick começou a fazer imitações de Anna personificando Leonard.

A partir desse momento os atores começaram a descontrair. Quando perguntaram a John como era interpretar dois personagens, um bom e um mau, ele respondeu que muitos atores adoram a oportunidade de interpretar um vilão e que ele não é diferente. Mas em sua opinião, o  ’Walternativo’ não é de fato uma má pessoa. Joshua interrompeu John dizendo que ele atirou em sua esposa na cabeça. A informação pegou John de surpresa: “ele fez isso?”. “Fez”, respondeu Joshua, “e isso é algo muito ruim”. John logo concluiu “bom, as pessoas mudam!”.

Seth Gabel aproveita o momento para explicar a opinião de John a respeito de seu personagem, dizendo que o ator tem a capacidade de entrar na mente de ‘Walternativo’, compreender e justificar seus atos. Pois, para ele, não se trata de um vilão, mas de uma pessoa. Por isso, ele é capaz de justificar as razões que levaram seu personagem a atirar na esposa ‘daquele homem que não existe’.

Anna Torv

Além de Peter, Nina também não tem um personagem na realidade alternativa. O que levou à próxima pergunta: “se a atriz pudesse decidir, como seria sua versão alternativa?”. Blair brincou, dizendo que sua personagem poderia até ser um objeto inanimado, como uma torradeira, por exemplo. O fato de Nina, em nossa realidade, ser tão controlada e controladora, leva a atriz a acreditar que em outro universo ela seria uma pessoa fora de controle. Podendo representar ‘a doença’ ou ‘a cura’.

Jasika Nicole tentou falar sobre o que acontecerá com Astrid nos próximos episódios, mas foi alertada por um dos produtores sobre spoilers. Assim, ela limitou-se a cantar: “ela tem uma arma”.

Sobre a quarta temporada, a única garantia que foi dada pelos produtores é a continuação de episódios que exploram a narrativa do flashback e do flashforwad para estabelecer situações e comportamentos de diversos personagens.

Mas as especulações continuaram. Depois de um episódio musical e de um outro parcialmente animado, os produtores planejam algo de especial para a nova temporada? “Todo mundo nu”, disse um dos produtores. Algo que deixou John Noble preocupado: “por que eu tenho que ficar nu, só para mostrar que Walter e Nina têm um caso?”. John brincou que só ‘veremos’ isso na quinta temporada, mas Joshua foi logo estendendo os braços para Blair, feliz por conhecer sua ‘mãe’.

O evento encerrou com uma declaração de Joshua dizendo que, como fã da série, ele gostaria de ver respondidas várias das questões levantadas nas últimas três temporadas. Entre elas, os motivos de Walter para conduzir as situações nas quais se envolveu, da forma como fez. Ao que Pinkner responde: “ele fará isso agora”.

Depois de um rápido jogo de ‘perguntas e respostas’ entre os fãs de “Fringe”, o painel sobre a série terminou. Na mesma noite, o produtor J.H. Wyman divulgou em seu Twitter o título do primeiro episódio da quarta temporada: “A Sort of Homecoming”, que será exibido nos EUA no dia 23 de setembro.

Abaixo, o início do painel, o restante está disponível no YouTube. Até o momento, não me foram liberadas imagens em alta definição do painel. Caso isso ocorra, substituirei as fotos publicadas nesta postagem.

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados