Português, a língua mais difícil do mundo? Conta outra

De hoje até o primeiro dia do novo ano, tempo de festejar, recarregar baterias e – inevitável – elaborar retrospectivas e balanços, deixo os leitores do Sobre Palavras com uma seleção dos posts mais lidos de 2013, um tempo em que a audiência do blog dobrou de tamanho. No dia 2 de janeiro estaremos aqui para tratar de novas palavras. Muito obrigado pela leitura e um feliz 2014 a todos.

*

Alguns mitos resistentes rondam como mosquitos chatos a língua portuguesa falada no Brasil. Diante deles, argumentações fundadas em fatos e um mínimo de racionalidade são tão inúteis quanto tapas desferidos às cegas no escuro do quarto em pernilongos zumbidores. Os tapas acertam o vazio, os zumbidos continuam lá.

A lenda de que se fala no estado do Maranhão o português mais “correto” do Brasil é uma dessas balelas aceitas por aí como verdades reveladas – e nem os tristíssimos índices educacionais maranhenses, nem o domínio linguístico pomposamente medíocre exibido há décadas por José Sarney podem fazer nada contra isso. Tapas no vazio.

Outra bobagem de grande prestígio é aquela que sustenta ser o português “a língua mais difícil do mundo”. Baseada, talvez, na dor de cabeça real que acomete estrangeiros confrontados com a arquitetura barroca de nossos verbos, a afirmação é categórica o bastante para dispensar a necessidade de uma prova. O sujeito erra o gênero da palavra alface e pronto, lá vem a desculpa universal: “Ah, também, como é difícil a porcaria dessa língua! Ah, se tivéssemos sido colonizados pelos holandeses!”

Não, claro que isso não quer dizer que o queixoso saiba falar holandês. É justamente na imensa parcela monoglota da população que a crença na dificuldade insuperável da língua portuguesa encontra solo mais fértil. Não é uma conclusão a que se chegue depois de estudar judiciosamente latim, alemão, húngaro, russo e japonês. Ninguém precisa ter encarado um idioma em que se use declinação – vespeiro do qual a gramática portuguesa nos poupou – para sair deplorando em altos brados o desafio invencível da crase.

Não há dúvida de que o mito das agruras superlativas do português diz muito sobre a falência educacional brasileira, cupim que rói as fundações de qualquer projeto de desenvolvimento social que vá além da promoção de um maior acesso da população a shopping centers. Temo, porém, que suas raízes sejam mais profundas. Percebe-se aí uma mistura tóxica de autocomplacência, autodepreciação, ufanismo, fuga da realidade e desculpa esfarrapada que pode ser ainda mais difícil de derrotar do que nosso vicejante semianalfabetismo.

Publicado em 5/5/2013.

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Inah Cavalcante

    bem pelo eu sei português é a 3 palavra mais difícil do mundo

    Curtir

  2. Comentado por:

    Arnaldo

    A língua portuguesa é mesmo complicada.
    SEPARADO é escrito tudo junto, e TUDO JUNTO é escrito separado.

    Curtir

  3. Comentado por:

    Paulo Sergio de França

    É muito relativo. O aprendizado da língua portuguesa pode ser extremamente difícil para habitantes de países como China, Coréia, Japão, Tailândia, Finlândia, Arábia, etc…, assim como é bem complicado aprender idiomas dos países mencionados.
    Nossa gramática é muito rica no que se refere a expressões, substantivos, verbos, adjetivos, conjunções adverbiais.
    Em nosso idioma existem acentuação e pontuação ausentes em alguns outros idiomas. Somando-se tudo isso, o aprendizado se torna realmente muito difícil para pessoas de muitos outros países.
    Por exemplo: acentuações como crase, til, ponto agudo, etc., são omissos em vários idiomas como o inglês e outros.
    Entretanto, para brasileiros que falam apenas português, aprender certos idiomas como sueco, chinês, holandês, hebraico e outros, é tarefa que exige enorme dedicação.

    Curtir

  4. Comentado por:

    Vanduir

    Eu já achava o português horrível. Ler esse texto me fez odiar ainda mais essa língua: pomposamente, judiciosamente, ufanismo. Q desgraça é essa ? Já não basta essa (ou esta ?) merda d língua ser fresca e cheia de regras desnecessárias, ainda tem gente q “enfeita” ainda mais isso (ou isto ?).
    Simplicidade é td ! Não gosto dos norte-americanos, mas os ingleses deixaram um grande legado q foi disseminado pelo pessoal lá do USA.

    Curtir

  5. Comentado por:

    Joao Victor

    Eu diskordo… falo e excrevo portugues fluemente dês di peqeno… e num axo uma limgua deficil naum… tauvez sega pq eu sou muimto enteligente… de quauquer forma axo bem fasil… voces que deven ser ben burinhos

    Curtir