Blogs e Colunistas

05/05/2013

às 13:16 \ Crônica

Português, a língua mais difícil do mundo? Conta outra

Alguns mitos resistentes rondam como mosquitos chatos a língua portuguesa falada no Brasil. Diante deles, argumentações fundadas em fatos e um mínimo de racionalidade são tão inúteis quanto tapas desferidos às cegas no escuro do quarto em pernilongos zumbidores. Os tapas acertam o vazio, os zumbidos continuam lá.

A lenda de que se fala no estado do Maranhão o português mais “correto” do Brasil é uma dessas balelas aceitas por aí como verdades reveladas – e nem os tristíssimos índices educacionais maranhenses, nem o domínio linguístico pomposamente medíocre exibido há décadas por José Sarney podem fazer nada contra isso. Tapas no vazio.

Outra bobagem de grande prestígio é aquela que sustenta ser o português “a língua mais difícil do mundo”. Baseada, talvez, na dor de cabeça real que acomete estrangeiros confrontados com a arquitetura barroca de nossos verbos, a afirmação é categórica o bastante para dispensar a necessidade de uma prova. O sujeito erra o gênero da palavra alface e pronto, lá vem a desculpa universal: “Ah, também, como é difícil a porcaria dessa língua! Ah, se tivéssemos sido colonizados pelos holandeses!”

Não, claro que isso não quer dizer que o queixoso saiba falar holandês. É justamente na imensa parcela monoglota da população que a crença na dificuldade insuperável da língua portuguesa encontra solo mais fértil. Não é uma conclusão a que se chegue depois de estudar judiciosamente latim, alemão, húngaro, russo e japonês. Ninguém precisa ter encarado um idioma em que se use declinação – vespeiro do qual a gramática portuguesa nos poupou – para sair deplorando em altos brados o desafio invencível da crase.

Não há dúvida de que o mito das agruras superlativas do português diz muito sobre a falência educacional brasileira, cupim que rói as fundações de qualquer projeto de desenvolvimento social que vá além da promoção de um maior acesso da população a shopping centers. Temo, porém, que suas raízes sejam mais profundas. Percebe-se aí uma mistura tóxica de autocomplacência, autodepreciação, ufanismo, fuga da realidade e desculpa esfarrapada que pode ser ainda mais difícil de derrotar do que nosso vicejante semianalfabetismo.

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

73 Comentários

  1. Mi Oliveira

    -

    28/07/2014 às 21:48

    Particularmente acho a gramática da língua portuguesa um pouco complexa sim !São regras e mais regras que, de tempos em tempos são inovadas por seus influentes.Estudo língua inglesa e não tenho dificuldades quanto a mesma, tem menos regras.

  2. Pedro

    -

    02/07/2014 às 14:54

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    O melhor de tudo é ver um bando de alienados defendendo portugual. A única coisa que nossos colonizadores nos deixaram de herança foi a corrupção e a má educação. O Brasil não se “unificou” por causa daquele país. Os próprios brasileiros foram que aos poucos “evoluíram” o nosso país para sua atual condição. É até uma falta de respeito querer comparar a França, Espanha e Holanda com Portugal

  3. Círio Silva

    -

    29/06/2014 às 21:26

    Sou estudante de Letras da Faculdade Santa Fé em São Luís do Maranhão. Eu concordo com o autor desta matéria ao dizer que não existe o Português correto. Verdade, não existe o estado brasileiro que fala o Português corretamente. Tudo bem que São Luís (capital do Maranhão), cidade onde nasci, seja conhecida como a “Atenas brasileira” por ser a cidade onde grande parte dos grandes poetas e escritores brasileiros moravam ou nasceram. O pronome “tu”, pouco utilizado na região Sudeste e muito utilizado na região Nordeste e Sul do Brasil, é oriundo do português europeu (ou seja, de Portugal), por esse motivo ficou essa ideia de que no Maranhão se fala o melhor português, quando na verdade a tese seria: “O português do Maranhão é o que mais se aproxima do português europeu” (grifo meu), pelo fato da cidade de São Luís ser construída pelos portugueses. Quem mora e/ou vem a São Luís tem como comprovar isso, basta ir ao Centro Histórico da cidade e observar a construção da cidade Antiga, cheia de casarões dos séculos XVI, XVII e XVIII. Posso afirmar, como cidadão ludovicense (pessoas que nascem em São Luís) que São Luís é uma das poucas cidades brasileiras que tem características europeias. Só afirmo uma coisa: não existe de fato o melhor português no Brasil, até porque vivemos em um país de miscigenação, tanto de um povo quanto de cultura e língua.

  4. Kertwonesty

    -

    29/05/2014 às 23:28

    Eu sou do Sul e, sinceramente, não sou fã dos sotaques nordestinos. Na verdade, tenho implicância com os povos que comem os R e S, acho que aprendi a anojar isso com as novelas da Globo e os filmes traduzidos no Rio de Janeiro. Me dá dor de barriga ouvir alguém dizer “mehmo” (mesmo) ou “pahtô” (pastor). Bom, uma vez pelo menos faziam um chiado no lugar dessas duas consoantes (R e S), mas agora tem uns caras de São Paulo pra cima que falam logo sem chiado nenhum. Falam “to pedido” no lugar de “estou perdido”.

  5. Kertwonesty

    -

    29/05/2014 às 23:15

    Eu não sei qual é o português mais correto do Brasil, mas o português mais bonito do Brasil é o de Caxias do Sul.

  6. Karla

    -

    02/03/2014 às 20:02

    Poderia resumir para mim o que significa uma língua declinada? O que [e exatamente declinação? Quais as principais línguas declinadas mortas e faladas hoje em dia?

  7. lucas

    -

    06/02/2014 às 12:21

    ei ,eu sou do sul(parana)e nos sulistas nao temos nenhum preconceito contra os nordestinos,sao muito simpaticos,eu so acho engraçado o jeito que eles falam,assim como a vez que eu fui ao rio grande do norte achavam engraçado como eu falava.Os nordestinos sao mais brasileiros do que nos do sul,que puxamos mais para os europeus(eu sou descendente de italiano).

  8. André de Brito

    -

    25/12/2013 às 9:40

    No Brasil não existe português CORRETO, Pois todos os estados tem seu sotaque, algumas pessoas, pois sou nordestino e não tenho esse sotaque. Se for para falar de quem obedece a pronunciação do português mesmo, é Portugal, pois todos no Brasil tem um sotaque deferente. Dizem que o Maranhão fala o português mais correto. Quem fala o português mais correto é Portugal, pois os estados não tem sotaque deferente

  9. Alex Ríbolli

    -

    20/12/2013 às 22:31

    Depois de ter digressionado por esses idiomas supracitados, concluo o seguinte: difícil é basco!

  10. -

    20/12/2013 às 13:49

    Michele, eu discordo de vc, porque no sudeste, pelo que vejo, é muito preconceituosos com os nordestinos sim, pois os mesmos são muito ingênuos, vivem de status, sudeste é uma bosta. Ps: eu moro nessa bosta…

  11. Michele

    -

    20/10/2013 às 20:59

    Por que os nordestinos teimam em pensar que o povo do sul tem preconceito com eles? Em todo país existem pessoas preconceituosas, mas eu penso que não se deve julgar todos os “sulistas” por causa de alguns.Eu por exemplo, não tenho nada contra, muito pelo contrário, acho que os nordestinos são muito mais simpáticos que nós aqui do sul, para mim são “mais brasileiros”. Só peço que não falem mal do sul só por causa de meia dúzia de alemães.

  12. Yllana

    -

    04/10/2013 às 19:10

    Sou maranhense e tenho muito orgulho de ser,é um lindo estado,tbm acho que quem fez essa materia foi alguem do sul já que as pessoas de lá tem preconceito por sermos nordestino,e sim é verdade termos o portugues mais bem falado

  13. Nathali

    -

    23/09/2013 às 18:52

    Pra mim o Português ñ é difícil na pronuncia mas sim na gramática

  14. Gabriel Maranhão

    -

    16/09/2013 às 14:43

    VENHAM CONHECER OS LENÇOIS MARANHENSES O DESERTO MAIS BONITO DO MUNDO, A CIDADE DE SÃO LUÍS ” A CIDADE NOVA E A CIDADE VELHA ” A LGOA…, O DELTA DO PARNAÍBA, AS CACHOEIRAS DA CIDADE DE CAROLINA E A SERRA DAS MESAS, A FLORESTA DOS GUARÁS AS DIVERSAS CIDADES HISTÓRICAS E OUTROS.
    SOU MARANHENSE E TENHO ORGULHO DO MEU ESTADO, É LINDO COMO NENHUM OUTRO VALE A PENA CONHECER
    !!!
    FICA A DICA…

  15. Gabriel Maranhão

    -

    16/09/2013 às 14:20

    Quem publicou essa crônica, deve ser de um dos estados do sul ou do sudeste, que não aceitam que o português seja falado de forma “correta”
    no MARANHÃO só porque fica no nordeste, até quando? Se a ” lenda ” (como voce disse) fosse no estado do Paraná por exemplo, a história seria outra.

  16. AlexSandro

    -

    10/09/2013 às 19:32

    As regras da língua portuguesa até que não são tão difíceis, contudo é mais fácil aprender a definição de todas as palavras da língua portuguesa que aprender suas milhares de regras e sub-regras.

  17. Felipe

    -

    05/09/2013 às 19:49

    Matéria cheia de linguiça

  18. Carlos

    -

    27/08/2013 às 7:38

    Logico que não , mas há muitos professores que ensinam errado.

  19. Francesco

    -

    26/08/2013 às 10:12

    Pode até ser a mais difícil, mas é a mais bonita, desde que respeitada e bem usada. Acho que uma grande base da língua é a concordância, que não está sendo usada corretamente. “A maioria vão” (porque não vai). “Alguns da nós sabemos” (por que não sabem). E assim, vai. Vai mas nem sei pra onde.

  20. Renata

    -

    13/08/2013 às 22:20

    Além do português, falo inglês, francês e italiano, e entendo um pouco de espanhol. Comecei a estudar alemão, mas abandonei. Gosto de línguas e de saber da história e evolução das línguas, e vejo pessoalmente o seguinte: o inglês tem a facilidade de não ter todas aquelas formas de conjugações verbais, mas aqueles “phrasal verbs” (os verbos seguidos de preposições que mudam completamente seu sentido original) são um cipoal intransponível, que só se aprende mesmo na decoreba e na prática do uso constante, porque não têm lógica nem regra nenhuma; além disso, nunca se sabe como pronunciar uma nova palavra: “i” ou “ai”? “a” ou “ei”? A ortografia do francês é de lascar; o italiano é dose na parte das consoantes duplas e na falta de acentos que nos orientem sobre a pronúncia certa de muitas palavras; e o alemão é famoso pelas declinações. Não falo russo, japonês, mandarim, cantonês nem finlandês, mas já li e ouvi sobre a fama de dificílimas que essas línguas têm. Nunca estudei latim, mas a geração anterior à minha que o estudou é unânime em reclamar da dificuldade dessa língua que, quando não está na origem dessas línguas todas, pelo menos exerceu alguma influência. Então, será que, no fundo, o que nos faz mais falta pra aprender outras línguas com facilidade não seria mesmo o latim?

  21. Renata

    -

    13/08/2013 às 22:03

    Já li que a língua mais difícil do mundo seria o basco.
    O chinês (na verdade, “os chineses”) parece que também não fica atrás.

  22. Marcos Cunha

    -

    02/07/2013 às 20:25

    O alemão é uma língua com apenas três declinações — forte, fraca e mista, com quatro casos cada uma, o nominativo, o acusativo, o dativo e o genitivo –, de modo que uma pessoa que aprenda as declinações forte e fraca aprenderá com facilidade a mista, que, obviamente, contém elementos das outras duas. Não julgo o alemão mais difícil do que o português. Não há em alemão o grau aumentativo, o sistema de conjugação verbal é mais simples, não existem verbos abundantes no particípio passado, não há o infinitivo pessoal, o grau diminutivo é menos usado do que no nosso idioma, o superlativo absoluto sintético também inexiste em alemão, entre outros fatos gramaticais de que não me lembro agora. O que se observa, hoje, na Alemanha é um avanço gradual, na linguagem falada, do dativo no lugar do genitivo, fenômenos do qual linguistas vêm se ocupando. Já existem livros com títulos como “O dativo é a morte do genitivo”. Uma dificuldade em alemão são os verbos com prefixo separável (“trennbare Verben”), que com frequência obrigam o ouvinte a esperar o fim da frase a fim de entender o que estão querendo dizer. Exemplos: Os verbos “einsteigen”, “umsteigen” e “aussteigen” têm o mesmo radical. Assim, se diz “Ich steige in den Bus jeden Morgen um sieben Uhr ein” (Embarco no ônibus todas as manhãs às sete horas). Isso é um tanto complicado aos ouvidos de um falante de uma língua neolatina, mas está a milhas e milhas de distância das complicações quase impossíveis de destrinçar de uma língua como o finlandês. Em comparação com esse idioma, o alemão é pinto. Enfim, cada língua tem suas “delicadezas” e “indelicadezas”.

  23. Guido Ferreira

    -

    01/07/2013 às 17:21

    Muito bem colocado,esses monoglotas que dizem ser o português a lingua mais difícil do mundo pois preferem usar isso como subterfúgio a ter que aprender mais sobre outras linguas, ou mesmo partem dos professores de português no Brasil para se alto valorizar,invéz de instruir nosso povo que até o nosso idioma vem dos outros,também nem sequer os portugueses a têm uma vez que nossa lingua não é nada mais do que praticamente galego falado na galícia, regiao da espanha que povoaram e separaram Portugal para não dizer Portugalo.
    Guido Ferreira,empresario de Comércio Exterior.

  24. chellobarbera@gmail.com

    -

    27/06/2013 às 11:26

    estou errado em usar a palavra corruptiveis sobre políticos e empresarios corruptores

  25. José Roberto

    -

    19/05/2013 às 2:59

    Semianalfabetismo. Sempre fico intrigado com o emprego dessa palavra. Tem o alfabeto. Quem o domina é alfabetizado. Quem o ignora é analfabeto. Quem domina um pouco é semialfabetizado. Mas se usa muito o semianalfabeto. Tem alguma história sobre isso?

    Outra dúvida é sobre Aquário e Piscina. Não tá trocado?

  26. J.Paulo

    -

    08/05/2013 às 1:37

    Achava que já tinha lido todas as m****** que podia na internet. E que nada mais me surpreenderia… eis que vejo alguém afirmando que a língua francesa vai morrer. Amigo, por incrível que pareça, muitos dos melhores livros ainda saem da França, os franceses ainda são dos mais inteligentes do mundo e, ao contrário do que pensa, a França, sim, resistirá. Se morrer a França e sua bela língua, morre-se boa parte da vida inteligente do mundo, especialmente ocidental.

    Quanto ao texto, o Sérgio foi brilhante.
    Aos curiosos: em polonês (língua em que esmero uma perfeita ignorância), 17 formas gramaticais para o número 2 (dois).
    http://www.polishforums.com/general-language-17/polish-was-chosen-hardest-language-world-learn-d-34156/

  27. Hamilton Mendes

    -

    06/05/2013 às 17:34

    Comentários da categoria da internauta “Cláudia” — impregnados de uma carga de preconceito abjeto — além de desnecessários denotam que Ela é justamente o exemplo de pessoa com baixo nível de formação que a leva a confundir Educação no sentido amplo com Educação formal, e ponto pacífico agride (de forma gratuita) a figura de nosso Ex-Presidente (o qual foi laureado com um incontável número de títulos Honoris Causas não de forma gratuita mas porque justamente não se enquadra no perfil que “insígne leitora busca lhe impingir). Mas voltando ao que interessa penso que o papel do Ensino Básico poderia ser objeto de reflexões por parte dos Especialistas e que esses venham a público esclarecer-nos de o porquê nessa fase não se priorizar o estudo do vernáculo e de matemática postergando para o Ensino Médio alguns dos temas são (a meu ver) precocemente abordados e de forma superficial.

  28. Papai Sabetudo

    -

    06/05/2013 às 17:23

    Faz tempo que no Maranhão deixou-se de falar o português “correto”. Não era propriamente “correto”, mas castiço. Os habitantes dali se orgulhavam disso. Diziam que o motivo se devia ao fato de terem sofrido a influência dos franceses na sua civilização.
    Hoje fala-se, não só no Maranhão, mas em todo o território nacional, uma língua maltratada! No passado, errar no tratamento e na concordância, era próprio do matuto ou caipira, e que lhe acrescentava um certo charme. Hoje, não!, é uma verdadeira praga. Procurei pesquisar por que se usa tanto orações com dois tratamentos? Com tristeza descobri que o fato se deve à dificuldade que a maioria das pessoas tem em usar o pronome oblíquo com o verbo na terceira pessoa. Assim, em vez de “Isso o ajuda!” numa oração na terceira pessoa, complementam: “Isso TE ajuda!” No início eram só “os adolescentes” nas suas tribos, mas o mal se propagou rapidamente…

  29. cristian silva

    -

    06/05/2013 às 16:20

    Quando me referir á questão de colonizaçao apenas disse que acho que seria melhor se fossémos colonizados por ingleses, franceses ou holandeses. É uma opinião. O Brasil foi uma colônia de exploraçao e na maioria das vezes toda riqueza da colônia ia justamente pra inglaterra. Mauricio de Nassau, por pouco tempo que ficou aqui construiram muito com relaçao a Portugal que tanto tempo ficou na terra das palmeiras. Mais isso é história e foco aqui é português. Mas penso que deveriamos sim ter o dominio do português, principalmente alunos de escolas públicas, onde sempre estudei, pois na verdade é ula lástima. Aprendemos o básico do básico!

  30. Luis Carlos Durans

    -

    06/05/2013 às 16:15

    Sou maranhense e desde criança ouço a conversa fiada de que o Maranhão tem o melhor português falado do Brasil. Sem fundamento, alguns sustentam essa tese no fato de que, por estas plagas, costuma-se (ou costumava-se) falar os verbos na 2ª pessoa, além de possuirmos a “prosódia limpa”. Aos ouvidos, usar expressões nessa clave pode soar como indício de bom domínio da língua, mas se consolida como argumento frívolo reduzir nosso idioma a mero produto de retórica. Outrossim, se a língua falada é uma segregadora social, pela lógica o Maranhão estaria à margem da flor do Lácio, visto ser o estado com os piores índices educacionais do país. Mas se o parâmetro for José Sarney – metonímia máxima do atraso nacional – e sua desenvoltura linguística, o Maranhão merece o pretenso título de “Meca lusófona brasileira”.

  31. Manuel

    -

    06/05/2013 às 15:21

    A prova de que o portugues falado no Brasil é díficil e a nossa “presidenta” que foi “estudanta” e até hoje não sabe falar, ou melhor nem raciocinar em portugues.

  32. Jaguar

    -

    06/05/2013 às 14:33

    diz a placa do cabeleleiro: CORTO CABELO E PINTO. – KAKAKAKA

  33. Angélika.

    -

    06/05/2013 às 14:33

    Não há um “acompanhamento” quanto as “legendas dos filmes”. O erro mais comum: amanhã nos vemos.
    Isso dói em meus ouvidos.
    Concordância é outro tópico que entrega a maioria de nós.
    Neste caso, sinto-me aliviada com a tal condescendência!
    Professores, jornalistas, colunistas, escritores(as)- teem dificuldades gritantes com a nossa gramática.

    Enquanto isso, digo a mim mesma: relaxa! é erro de “digitação”.

  34. Angélika.

    -

    06/05/2013 às 14:19

    A nossa gramática é complexa sim!.
    Análise; verbos e suas infinitas conjugações…só citando alguns.
    Minha filha estuda em um excelente colégio e não a vi estudando “verbos” como eu estudei no final da década de 60.
    Fazíamos redações, interpretação de textos, ditados e mais ditados. Líamos José de Alencar, Machado de Assis entre outros.
    Os livros de literatura hoje além de modernos não exigem concentração e muito menos “imaginação”.
    Lamentável.

  35. Paulo Grandits

    -

    06/05/2013 às 12:18

    Será que se estudássemos latim nas escolas, como disciplina obrigatória, isso não facilitaria o entendimento?

  36. Enoc

    -

    06/05/2013 às 12:17

    Nao existe comprovação científica que afirme que a língua portuguesa seja a mais difícil. Mas estatísticas sobre Educação no Brasil registram os mais altos indices de violência contra ela. Eis um exemplo prático: Trabalhei como Agente de Saúde em um interior e vi escrito em uma placa com letras garrafais: “AULAS DI REFOSSO: ENCINA-SI PORTUGÜÊS E VENDI-SI CALVÃO”. A culpa é de quem?

  37. Paulo Grandits

    -

    06/05/2013 às 12:16

    Uma coisa é saber se comunicar, o que a maioria sabe, outra coisa é saber escrever e falar corretamente, afinal com tantas regras, muitas sem explicação, até para professor da língua portuguesa, certas coisas, ficam difíceis de ensinar. Será que o português de Portugal sem tantas adaptações regionais e mais próximo ao latim não é mais fácil de entender ou estou errado??

  38. claudia

    -

    06/05/2013 às 11:34

    VOCE DISSE TUDO EM POUCAS PALAVRAS.
    TUDO COMEÇA COM OS PROFESSORES MEDIOCRE QUE TEMOS E OLHA QUE SÓ ESTUDEI EM COLÉGIO PARTICULAR. É TRISTE, MUITO TRISTE VER NOSSA LINGUÁ SENDO MASSACRADA POR ESSE POPULACHO QUE ACHA LINDO UMA CRIATURA COMO LULA E ENTRONA O MAIOR ANALFABETO DO BRASIL.

  39. Clayton Moreira

    -

    06/05/2013 às 11:22

    Para ensinar, o português é difícil com certeza.

  40. Delmar Fontoura

    -

    06/05/2013 às 11:06

    Por isso é que eu:

    Me” libertei da gramática.

    Pô! Chega de repreensões,
    De gramáticos opressores.
    Não quero mais ser vigiado
    Por Aurélios ou doutores!

    Não mais me submeterei
    Às conjunções aditivas,
    Muito menos às causais
    Nem às adversativas!

    Verbalizarei pronome,
    Adjetivarei substantivo,
    Pronominarei verbo e
    Substantivarei adjetivo!

    Se não vou ter compromisso,
    As prócli, mesócli e ênclises
    Dos pronomes, ipisis verbis,
    Não vão mais me sufocar!

    Como não sou um poeta,
    Não usarei mais simetrias,
    Não terei nenhum pudor
    Em usar torto assimétrico!

    Darei asas às locuções para,
    Intensificando a insanidade,
    Deixar voar tod’os advérbios
    Superlativos dessa liberdade!

    Parafrasearei os músicos,
    Pois escreverei de ouvido.
    Modificarei morfologias
    E solecizarei as sintaxes!

    Se nessa insubordinação
    Encontrar incoerências,
    Creiam não me avexarei
    Pontuarei as reticências!

    “Abro parêntese bem aparente,
    Para um restinho de sanidade,
    Não prosearei sobre causos,
    Com pretensão da verdade! ,,

    Delmar Fontoura .

  41. RONALDE

    -

    06/05/2013 às 10:42

    O que se observa é que o português falado em Portugal possui uma diferenciação na pronúncia, como exemplo, a palavra “bem” que na pronúncia em Portugal fica algo como “bäim”. Creio que o brasileiro fala tal como está escrito.

  42. Mestre Madeira

    -

    06/05/2013 às 10:32

    Está faltando uma crase na primeira frase do texto?
    Não.

  43. Thiago Moreira

    -

    06/05/2013 às 10:24

    Muito oportuno. Aliás, essa mistura tóxica de autocomplacência, autodepreciação, ufanismo, fuga da realidade se estende a praticamente todo o nosso comportamento. Está na nossa cultura e será necessário um movimento muito grande, por um longo tempo, para sairmos dessa situação.

  44. andré fernão martins de andrade

    -

    06/05/2013 às 10:00

    CENÇASSIONAL!!!!!!!!!!

  45. Bruno

    -

    06/05/2013 às 9:47

    Esqueci de um detalhe. O espanhol – na realidade é o castelhano – é a segunda lingua do mundo. Eu falo, leio e escrevo espanhol. E nunca estudei a lingua. Apenas vivi um tempo (1 ano) lá. Essa proximidade de linguas também poderia ser vista e aproveitada por ambos os lados (quem fala espanhol e quem fala portugues). É uma oportunidade.

  46. Bruno

    -

    06/05/2013 às 9:41

    Sendo eu luso-brasileiro, e tendo estudado em ambos os países, vou dar os meus 2 centimos para esta conversa.
    .
    Aos 13 anos tive nota maxima a portugues em Portugal. Aos 14 anos tive dificuldades a portugues quando estudava no Brasil. A forma de ensinar a lingua era bem diferente e eu senti muita dificuldade.
    .
    Considero que o Brasil por um lado “assassina” um pouco a lingua, por desleixo no uso diário de varias pessoas, mas por outro culturalmente dá um contributo de gigante para a vida dessa mesma lingua. A revista Veja é um exemplo da melhor produção escrita na nossa lingua. Sempre muito bem escrito. E temos livros, novelas, musicas, poesia, filmes, tudo muito bom. Contributo de elevada qualidade para uma lingua que cresce no mundo.
    .
    Li um comentário que me desagradou naturalmente. O francês é uma lingua destinada a morrer, passou de moda, mesmo com o esforço chauvinista dos franceses. O holandês não tem sequer expressão mundial. O português é a 6ª lingua do mundo (e a crescer). Tal como o Brasil é a 6ª economia do mundo. Isso deveria dar orgulho. Mas o Cristian preferia os holandeses ou franceses. Temos o caso das Guianas…lá é tudo o que ele menciona né ? A educação, a arquitetura, a cultura…
    .
    Sempre se nota por parte de algumas pessoas no Brasil um desprezo por este ter sido “achado” e colonizado por portugueses. Mas também é verdade que muitos e muitos brasileiros quando podem viajar para o exterior sempre visitam Portugal e gostam do que vem. Valha-nos isso.
    O portugues fala-se nos 4 cantos do mundo e todos juntos poderiam formar a maior potencia agricola mundial (que raciocinio estranho…falo em potencial, não é ainda uma realidade). Já é alguma coisa.

  47. Paulo Hora

    -

    06/05/2013 às 9:34

    Não tenho conhecimento de tantas línguas assim para fazer uma comparação. Mas é indiscutível que, em relação ao inglês, o português é muito mais complexo, o que não é bom nem ruim. Eu estou aprendendo alemão há uns 2 anos e, em muitos aspectos, dá para ver que é ainda mais difícil que o nosso idioma. São 3 gêneros, 4 declinações, mais verbos irregulares, verbos fortes e verbos fracos, 6 formas de plural, muitas exceções para todas as regras que um estudante pode tentar decorar, além de uma variação de dialetos muito maior que a do português, chegando, em alguns casos, a dificultar a compreensão, mudar a grafia de algumas palavras e de certos aspectos gramaticais.

  48. Jairo Araujo

    -

    06/05/2013 às 8:24

    Ora, não entendo mais. Os portugueses dizem que os brasileiros falam e escrevem a Límgua portuguesa errada, tanto pelos “sutacos” brasileiros, quanto por maioria dos significados das palavras, que são outrora, denominados a outros substantivos, outros nomes, com pronúncias e significados diferentes dos que proferimos aqui. Então, sendo assim, acho que a língua portuguesa não está sendo dita como bem disse os portugueses natos, aqui no Brasil. Como será a lingua mais dificil do mundo? Só porque não acompanhamos do jeito que nasceu em Portugal, do jeito que falamos no Brasil, que conjulgamos os verbos, mas não julgamos os seus sentidos? Esta reportagem pra mim esta corretíssima. Difícil é Inglês, que é uma lingua mundialmente falada hohe por varias nações do mundo. Aí todos esse povo deve aprendê-la não é verdade?

  49. Abraão Moraes

    -

    06/05/2013 às 8:22

    É possível que outra colonização nos fizesse um país mais culto, duvido que holandeses, franceses tivessem conseguido formar um continente deste, com uma língua praticamente uniforme. Vejam as republiquinhas castellanas!!! E o Suriname, tão desenvolvido!

  50. Laerte

    -

    06/05/2013 às 8:19

    Não há como discordar da análise, especialmente o último parágrafo. E quem acredita que outra colonização teria sido melhor para o Brasil, engana-se. Basta olhar para o mundo e constatar que somente os ingleses deixaram “boas colônias”. As ex-colônias espanholas, francesas e holandesas não fizeram pelos colonizados trabalho melhor que os portugueses.

  51. Lorenzo Berendsen

    -

    06/05/2013 às 8:18

    Esperava mais. Acreditei que você daria explicações que corroborassem suas afrimativas. Mas vi apenas um texto vazio e sensacionalista. Esperava mais…

  52. Milhomem

    -

    06/05/2013 às 5:07

    oh la la! Christian, pergunte aos que foram colonizados por holandeses, franceses (1/3 da África, Asia, etc.) e ingleses (quase a metade do mundo) se são tão melhores assim que nosso Brasil! Vá até o Burundi, ao Congo, ao Vietnam, ao Suriname… e veja como é a cultura, a arquitetura e tudo que engloba a “civilidade” do povo. Há dezenas de critérios para se analisar porque um país se desenvolveu mais ou menos que o outro. Reduzir o desenvolvimento de um país ao único critério de quem o colonizou é fácil, estreito e errôneo.

  53. Carla

    -

    06/05/2013 às 3:59

    Eu acho o português lindo, pena que estão destruindo a língua pátria, em nome de uma pseudo igualdade na sociedade, a da burrice.

  54. Roberto

    -

    06/05/2013 às 3:45

    Sobre a parte “língua mais difícil do mundo”, aqui no Japão as pessoas nativas menos letradas se utilizam da mesma desculpa quando se deparam com algum ideograma que não sabem ler ou escrever (sim, aqui também elas existem). Além de utilizar como comentário quando algum estrangeiro diz que é difícil aprender o idioma japonês. Fuga de diferentes realidades, porém fuga.

  55. Claudio

    -

    06/05/2013 às 2:16

    Polemizou desta vez, hein, Sérgio?! A minha sábia mãe já dizia que tem gente que é espírito de porco. O povo bate com porrete pesado. Na maioria das vezes o tom não é de levantar uma dúvida e pedir ou propor um esclarecimento, como muito bem fez o João – 05/05/2013 às 15:10. A moçada usa foice e trator por nada…

  56. cristian silva

    -

    05/05/2013 às 22:39

    Acho que se fossémos colonizados por holandeses, fraceses e ou ingleses, com certeza não só a língua seria melhor, a educaçao seria melhor, a cultura, a arquitetura seria melhor, acho que até as pessoas seriam melhores. Queria sim que todos os alunos de escolas públicas ao concluir o nível médio dominassem bem o português e também uma língua estrageira como o inglés ou espanhol, porém isso é um sonho distante; bem distante!

  57. Abraão Moraes

    -

    05/05/2013 às 21:42

    A gramática do português é difícil, como qualquer uma de qualquer língua. Porém, a escrita é fácil, a sonoridade é regular e, pelo menos no Português do Brasil, é muito musical.Tenta pronunciar e distinguir(sem trema) as palavras do inglês: route, couple,proud,soup,enough coffe, todas sem nexo na grafia.

  58. Wilson Bastos

    -

    05/05/2013 às 21:40

    Sou brasileirissimo, moro ha 14 anos nos EUA, e estou de mudanca para Portugal. Essa introducao foi para simplesmente manifestar minha decepcao com essa reportagem. No desenvolvidissimo pais norte americano, o povo fala tao errado como no tao criticado Brasil que o autor dessa reportagem depreciou fortemente. Os portugueses falam um portugues lindo, mas tambem nao espero achar perfeicao por la. Eu acho que o autor (ou autora) desse artigo seria o mais primeiro a ter que procurar escrever bem. Pra que tanto enfeite verbal para comunicar ideias tao simples. Seria uma arrogancia escondida? Arrogancia tal que e visivel no conteudo da reportagem. Revista Veja, ReVEJA seu quadro de escritores!
    Wilson, antes de se render à prática autoritária de pedir a cabeça do autor, você deveria tentar compreender o que lê. A depreciação só existe na sua cabeça.

  59. ADILIO BELMONTE

    -

    05/05/2013 às 20:46

    Realmente a Língua Portuguesa falada e escrita no BRASIL é um terror. E isso se deve ao próprio ensino do idioma, tarefa na qual não se busca a origem das próprias palavras. Se o professor fala e escreve mal o que se pode esperar do aluno? E a música, e o rádio e a televisão será que contribuem para o uso correto ou mesmo aceitável da Língua pátria? E os dicursos proferidos enfaticamente no Congresso Nacional será que obedecem ao artigo 13 da Constituição Federal que solenemente determina “A lingua portuguesa é o idioma oficial da República Federativa do Brasil”?

  60. Emilia Sampaio

    -

    05/05/2013 às 20:35

    Decerto é mais fácil reclamar do que estudar e os nativos/falantes da língua portuguesa que preferem se escudar na desculpa para aprimorar a própria incompetência, repercutem com maestria o mito da dificuldade!!!

  61. Carlos Magno

    -

    05/05/2013 às 20:13

    Qual o objetivo de uma matéria como essa? Depreciar o Brasil ou os brasileiros? Saiba que os ingleses tem o mesmo sentimento ufanista com relação ao seu idioma nativo.

  62. Observer

    -

    05/05/2013 às 19:10

    Sem duvida alguma é verdade e gostaria de saber,quantos brasileiros falam o portugues corretamente.

  63. Wilson

    -

    05/05/2013 às 18:42

    A ideia do artigo, em si, é interessante. Pena que tenha caído na mesma armadilha da superficialidade conceitual criticada. Diz que não, que o maranhês não é a mais bela e erudita pronúncia da última flor do lácio; que a nossa não é a língua mais indomável do mundo – e eu concordo, mas não fornece as “consistentes” razões de sua discordância. Mais argumentos, senhor, menos achismo.

  64. Claudio

    -

    05/05/2013 às 17:31

    Perfeito!

  65. jo lima

    -

    05/05/2013 às 17:04

    língua difícil é aquela que você não fala. Pergunte para um russo qual é a língua mais fácil do mundo e ele dirá que é – russo [rs]

  66. Victor

    -

    05/05/2013 às 16:17

    Acho o português mais difícil do que as outras línguas neolatinas, tanto na fonologia quanto na gramática. Se o francês e o italiano complicam mais nos pronomes – e quem já teve de aprender uma dessas duas línguas sabe o tempo que leva para se habituar aos pronomes adverbiais, por exemplo -, o português embola o meio de campo nos tempos verbais (que, à exceção do mais-que-perfeito, nós empregamos todos mesmo na fala, ao contrário do francês e do italiano, por exemplo, que reservam o passado simples à língua literária, salvo raras exceções) e no uso intenso do subjuntivo (em francês e italiano, só o presente do subjuntivo é realmente empregado, e só o português tem um futuro subjuntivo). Tem também o infinitivo pessoal, que as outras línguas neolatinas não conhecem. Mas o mais difícil mesmo, no que se refere ao português brasileiro, é a disparidade entre as línguas falada e escrita – o estrangeiro tem de aprender duas línguas quando chega no Brasil. Já passei pela experiência de ajudar estrangeiros a aprender português e ter de explicar que “falar certinho” é quase socialmente inaceitável, mesmo em meios os escolarizados, é complicado. O estrangeiro deve aprender que, na língua falada, as regras de emprego dos pronomes e a forma dos verbos no imperativo, por exemplo, são outras. Talvez essa percepção que os próprios brasileiros têm de que o português seja uma língua difícil tenha a ver, além da deficiência do ensino, também com o aprofundamento desse fenômeno de ‘diglossia’.

  67. FRANCISCO MEDEIROS

    -

    05/05/2013 às 15:46

    CLARO QUE NAO É A MAIS DIFICIL, MAS É MAIS RIDICULA EM SUAS REGRAS: EX: casa(porque nao com z), chapeu, (x), etc.

  68. João

    -

    05/05/2013 às 15:10

    Eu fiquei com uma dúvida, o texto diz que no nosso idioma não precisamos usar uma tal de “declinação”. Fiz uma pesquisa rápida na prestigiosa wikipédia e lá eles definiam a declinação como “flexão sofrida por nomes ou pronomes segundo os gêneros, números e casos”, ou seja, exatamente como ocorre no português (em que os nomes e pronomes são de fato flexionados em gênero, número etc.). Se me disserem que a wikipédia está errada, juro que não fico surpreso….
    João, a definição está errada. O português tem apenas flexões de número e gênero, não de caso gramatical (a não ser residualmente, em uns poucos pronomes). Ou seja, as palavras não mudam de forma segundo sua função sintática (sujeito, objeto direto etc.) como nas línguas declinadas. A própria Wikipedia tem um verbete bem melhor chamado “caso gramatical”.

  69. Alex

    -

    05/05/2013 às 15:08

    Concordo que a língua seja muito difícil, e não muito objetiva.
    ” De um povo heróico o brado retumbante, ”
    Quando você fala, isso atrapalha parte do raciocínio, por isso até o irã, tem mais tecnologia do que nós, a ciencia se desenvolve muito sem ficar se preocupando, com o sentido da palavra….o nvocábulo, tudo baboseira…

  70. klédina

    -

    05/05/2013 às 15:03

    Excelente! Toda vez que alguém afirma que a língua portuguesa é a mais difícil do mundo, logo pergunto se tal indivíduo sabe mandarin, alemão, francês, ou melhor, todas as línguas deste planeta para fazer comparação. Caso a resposta seja negativa, digo-lhe que tal afirmação é uma falácia.

  71. maira cantero

    -

    05/05/2013 às 15:01

    Um pouco de cada coisa.
    O nível dos que estão saindo do segundo grau prestes a encarar a faculdade É TERRÍVEL, fraco, risível,na verdade, de envergonhar.Dá uma volta pelas redes sociais, dá, mas vai pronto porque é bem pior do que supões.
    E é,sim DIFÍCIL, até para o que leem e estudam.Conteúdos imensos cheios de exceções,(por exemplo, pronomes relativos, funções da partícula “que”, e aquele dos vícios de linguagem……..hum, SIM É DIFÍCIL) e cheio de regras tão tolas quanto inúteis.Mas, é palatável, é bonito, e MUITO NECESSÁRIO, mesmo para os que são do ramos das exatas e biológicas.Para o que são do direito e do jornalismo, É OBRIGA\TÓRIO< imprescindível, porque FERRAMENTA DE TRABALHO( e os caras erram, MUITO, e no básico mesmo)

  72. Geisa

    -

    05/05/2013 às 14:59

    Dou aula de português pra estrangeiro aqui na Alemanha e estou certa de que português é uma língua possível! Língua difícil é pra quem tem preguiça de pensar! ;)

  73. Douglas

    -

    05/05/2013 às 14:43

    Falou e disse, Sergio. Quanto a declinação eu não sei, mas somos poupados de casos como os diferentes níveis de cortesia por status relativo entre falantes, discernimento entre os diferentes efeitos causados por uma ou outra escolha dos caracteres de escrita( não restringindo-se apenas ao uso do alfabeto romano) e outros.
    Para mim, cada língua tem seu próprio vespeiro. Autocomplacência caiu bem para descrever a persistência desse tipo de mito.

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados