Sérgio Rodrigues Sobre Palavras

Sobre Palavras

Este blog tira dúvidas dos leitores sobre o português falado no Brasil. Atualizado de segunda a sexta, foge do ranço professoral e persegue o equilíbrio entre o tradicional e o novo.

sobre

Mineiro radicado no Rio de Janeiro, é escritor e jornalista. Tem diversos livros publicados, entre eles “What língua is esta?”, sobre o português brasileiro contemporâneo, e “O drible”, romance vencedor do prêmio Portugal Telecom 2014. Assina também a coluna Todoprosa de VEJA.com.

Por que ‘inato’ não é o contrário de ‘nato’?

Por: Sérgio Rodrigues

Ver comentários (8)

“Caro Sérgio, acho que só você pode me ajudar. Se inábil é o contrário de hábil, inválido o contrário de válido e infeliz o contrário de feliz, por que cargas d’água a palavra inato quer dizer a mesma coisa que nato? Eta língua sem lógica!” (Valdomiro Cardoso)

A impressão de “língua sem lógica” que Valdomiro tem é compreensível, mas deriva de duas suposições equivocadas.

A primeira é a de que o prefixo in-, que herdamos do latim, só possa ter o papel negativo que desempenha nos vocábulos inábil, inválido e infeliz. Na verdade, são duas as fontes latinas do prefixo. A segunda, que não indica negação, aparece em português com uma série de sentidos que o Houaiss resume assim: “em, a, sobre; superposição; aproximação; transformação”. Inato está neste segundo grupo.

O segundo erro – neste caso, um meio erro – é imaginar que os adjetivos nato e inato tenham exatamente a mesma carga semântica. Não têm, embora a diferença entre eles seja sutil. Nato veio do latim natus (“nascido”); inato, do latim innatus (“nascido em ou com”), quer dizer, “congênito, que nasceu com alguém”.

Embora haja casos em que as duas palavras são intercambiáveis, como veremos abaixo, o que se observa na maioria das ocorrências modernas é a aplicação de cada uma delas a um aspecto da mesma proposição. Imagine-se um pianista tão talentoso que desperte o seguinte comentário: “Esse nasceu para tocar piano”. Em outras palavras, é um pianista nato. Seu talento, que nasceu com ele, é inato.

Outra forma de compreender isso é considerar que nato qualifica em geral um ser vivo, tipicamente uma pessoa; inato, uma condição, faculdade ou característica. O raciocínio vale até para uma frase como “Fulano é um talento nato” – na qual a palavra talento ocupa, por metonímia, o lugar da própria pessoa talentosa.

A vida seria menos complicada se a coluna pudesse terminar aqui, mas não pode. É preciso registrar que nato tem também a acepção de… inato, pois é. Está correta uma frase como “Ele tem um dom nato para mentir”. A recíproca, porém, não vale: “Ele é um mentiroso inato” é erro mesmo.

Dito isso, e para embolar ainda mais a melodia, só falta acrescentar que existe também a palavra inato com prefixo negativo, cujo sentido é “não nascido”. Felizmente, esta é de uso bem mais raro.

*

Envie sua dúvida sobre palavra, expressão, dito popular, gramática etc. Às segundas e quintas-feiras o colunista responde ao leitor na seção Consultório. E-mail: sobrepalavras@todoprosa.com.br
Voltar para a home

Comentários

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

*

  1. Jorge Martins

    Olhando o novo dicionário Aurelio, o termo nato significa nascido e o termo inato significa não nascido.
    Então um é o contrario do outro.
    Como está dito no último parágrafo, existe também a palavra inato com o sentido de “não nascido”. No que diz respeito à dúvida do leitor, isso é irrelevante.

  2. reginaldo antonio maia

    Sérgio,
    Parabéns! Eu vejo sempre o seu blog Sobre Palavras o qual acho de uma utilidade fantástica. Quero te sugerir criar algo semelhante ao site http://www.visualthesaurus.com, que envia por email a palavra do dia com o significado e sua origem, de um modo agradável e muito criativo.
    Obrigado pela atenção.
    Reginaldo.

  3. vander

    Não concordo que nossa língua é sem lógica.
    Entendo que inato é exatamente o contrário de nato, em qualquer sentido.
    Exemplo:
    Algo nato é algo q1

  4. alan kevedo

    Nosso amigo aí, perdoe-nos, mas dizer que o mais belo idioma do Planeta é uma língua ilógica, foi uma declaração de nenhuma aplicação ao estudo lusófono. Volte sua atenção, mancebo, para um manual que há por aí chamado gramática, sem deixar de lado a leitura constante de um bom dicionário. Lembre-se, 50% do idioma inglês possui radical latino.

  5. Truco!!!

    A palavra “inflamável” significa “pode produzir flama”, apesar do prefixo “in” que parece dizer “não… pode produzir flama”. Seria o mesmo caso?

  6. Percival de Carvalho

    Excelente.

  7. biscoito

    Precisamos de uma reforma gramatical profunda e urgente!
    É inadmissível que uma pessoa tenha que deixar de estudar matérias verdadeiramente importantes com física, química, matemática, biologia ou geografia, pra gastar horas e horas rachando a cabeça com regrinhas ridículas e insignificantes de português. O Brasil é um dos países que valorizam mais exarcebadamente o direito nas faculdades, em vez de engenharias. Isso é um erro e esta tornando este pais altamente burocrático.

  8. alice cleyde colacioppo

    Olá….que interessante presenciar comentários!Como Titular em Língua Portuguesa…Vcs todos teriam que já ter aprendido que não podemos alterar nada de nossa Gramática. Só com o poderoso tempo, as coisas se alteram paulatinamente, no que concerne sobretudo à língua viva e falante, e seu uso desordenado pelo povo vigente.