Abrupto ou ab-rupto? Uma polêmica bem brasileira

“Assistindo à transmissão de treinamento da F1, o comentarista pronunciou a palavra ‘abrupto’. Ocorre que já estudei uma doutrina que defendia a pronúncia dessa palavra como ‘ab-rupto’ e não ‘abru…’ como normalmente escutamos. Alguma saída?” (Gualter Sena de Medeiros)

Embora exista mesmo um vespeiro em torno desse adjetivo, a saída pela qual pergunta Gualter, em minha opinião, é bem simples: devemos ficar com a grafia “abrupto” e com a pronúncia que obrigatoriamente a acompanha, segundo as regras do português, com o br soando como em “abrir” e “abrigo”.

Em Portugal é assim, não existe discussão. É só no Brasil que se estabeleceu a polêmica, mas ela tem muito de artificial: simplesmente não existiria mais se alguns lexicógrafos e gramáticos não fossem tão apegados a um uso antigo, um tanto pedante e praticamente caído no esquecimento – o da pronúncia ab-rupto, que os portugueses chamam de brasileirismo. Mas quantos brasileiros você conhece que falam assim?

O Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa da Academia Brasileira de Letras reconhece como corretas as duas grafias (e supõe-se que as duas pronúncias): ab-rupto e abrupto. O dicionário Houaiss faz o mesmo, mas dá ab-rupto como forma preferencial (!), explicando que “manteve-se a grafia assim consagrada”, embora ela fira o acordo ortográfico, como forma de representar graficamente a pronúncia clássica ab-rupto.

É difícil entender essa opção ultraconservadora do melhor dicionário da língua portuguesa. Até um estudioso como Napoleão Mendes de Almeida, que não podia ser chamado de progressista, considerava absurda a grafia “ab-rupto” por se tratar de uma palavra que – diferente por exemplo de “sub-reitor” – não surgiu em português, mas veio formada do latim abruptus.

A maioria dos dicionários atuais não registra a forma ab-rupto – embora alguns continuem recomendando a pronúncia ab-rupto mesmo assim, numa incongruência entre letra e som. Pelo menos o Houaiss acrescenta em seu verbete a ressalva de que “a ABL aceita também a grafia sem hífen por sua pronúncia se ter popularizado na língua com o r do encontro br soando como uma vibrante alveolar”.

Ou seja, soando como em “abrir” e “abrigo”, exatamente como a (quase?) totalidade dos brasileiros fala e escreve na vida real. A língua já fez sua escolha no caso de abrupto. Só falta os lexicógrafos se emendarem, deixando de tratar como variante tolerada o que é hegemônico e consagrado dos dois lados do Atlântico.

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Beto

    Existe a mesma discussão com “sublinhar” (sub-linhar).

    Curtir

  2. Comentado por:

    Celso Coutinho

    Escrevo “abrupto” e pronuncio “ab-rupto”. Mas faço isso não para demonstrar falsa erudição, nem por arrogância de tolo. Mas, sim, porque pronuncio as palavras conforme sua separação silábica, que, neste caso, é “ab-rup-to”, conforme aprendi na escola. Consagrando-se a pronúncia “abrupto” (como em abrigo), como fica a separação silábica desse adjetivo?

    Curtir

  3. Comentado por:

    andre felix

    Será que o mesmo vale para rubrica,pois a norma culta aceita uma pronuncia como certa, enquanto a fala popular dita outra forma de pronunciar!? Enfim,qual das duas está correta, a norma culta ou a língua falada e viva que se modifica e se transforma na boca de seus usuários!?

    Curtir

  4. Comentado por:

    Pablo Sanchez

    A língua portuguesa tem ficado tão confusa e cheia de regras de grafia que a cada dia nós brasileiros fiquemos desgostosos dela.
    Infelizmente somos uma pais sub-desenvolvido que não tem a mínima capacidade de se recriar e ainda depende dos portugueses até para falar. Por isso sou a favor do aumento das horas de aprendizado de um segundo idioma nas escolas, assim haverá melhor comunicação nestes confins do mundo.

    Curtir

  5. Comentado por:

    Daniel MM

    Para mim, só há uma explicação para esta discussão. Ociosidade.

    Curtir

  6. Comentado por:

    Cláudio

    Um assunto de tal magnitude merece uma profunda reflexão.

    Curtir

  7. Comentado por:

    Clayton Moreira

    Convenhamos que “ab-rupto” é feio de lascar!

    Curtir

  8. Comentado por:

    CLAUDIO COSTA

    Endosso em gênero, número e grau o posicionamento de Celso Coutinho.

    Curtir

  9. Comentado por:

    MARCELO

    Todo prefixo “ab” deverá vir separado por hífen, consoante novo acordo ortográfico.

    Curtir

  10. Comentado por:

    sergiorodrigues

    Errado, Marcelo. De onde você tirou isso?

    Curtir

  11. Comentado por:

    Paschoal

    O meu professor de português do ginasial (anos 1950), o saudoso Miguel Queija Gomes, defendia a forma ab-rupto na pronúncia.

    Curtir

  12. Comentado por:

    Nina

    Explicação perfeita, Celso Coutinho! Também aprendi desta forma e, convenhamos, pronunciar “abrupto” dói nos ouvidos.

    Curtir

  13. Comentado por:

    James

    Fico com abrupto na escrita e pronúncia. E não se fala mais nisso.

    Curtir

  14. Comentado por:

    Nivaldo

    Se formos levar em conta a língua falada, teremos algumas grandes ameaças a nossa língua. O paulista, por exemplo, não nasaliza algumas vogais que venham acompanhadas de ‘m’ ou ‘n’, como no caso de ‘amor’ e ‘banana’. Já o carioca acrescenta um ‘x’ nos plurais. Temos que seguir as regras do acordo ortográfico que deve ser fiel à forma léxica.

    Curtir