Sobre Imagens - VEJA.com

Fotojornalismo, história da fotografia e algumas ideias sobre a imagem fotográfica.
Editado por Alexandre Belém
Mulheres

Dorothea Lange

03/05/2011 às 13:11

Na história da fotografia, muitas mulheres foram pioneiras e uma das mais importantes foi a americana Dorothea Lange (1895-1965). Lange se notabilizou nos anos 1930, quando fez parte da equipe de fotógrafos da Farm Security Administration*.

A obra de Lange se confunde com o fotodocumentarismo social e uma de suas imagens, Mãe Migrante (1936), um ícone da Grande Depressão, sempre figura nas listas de mais importantes de todos os tempos.

Lange era filha de imigrantes alemães e nasceu em Nova York. Nos anos 1920, tinha um estúdio em São Francisco e uma vida estabilizada com marido e filhos. Com a Grande Depressão no auge, após a quebra das bolsas de valores de Nova York, Lange trocou o estúdio pela fotografia de rua e percorreu mais de 20 estados americanos registrando a pobreza que assolava o interior naquela época.

Nos anos 1940, ela documentou os campos de internação para japoneses nos Estados Unidos e continuou fazendo ensaios documentais para revistas como a Life e Aperture.

Este post do Sobre Imagens mostra fotos do Hulton Archive, da coleção Time & Life e da Biblioteca do Congresso Americano. Em especial, destaco algumas variações da clássica foto Mãe Migrante que nos fornecem mais informações sobre o ambiente em que vivia a família na cidade de Nipomo, Califórnia.

Em 2008, a rede de televisão CNN fez uma reportagem com Katherine McIntosh, a garota que descansa no ombro da mãe (Foto 8). Na época com 4 anos, Katherine ainda lembra de Dorothea Lange perguntando para sua mãe se poderia fotografar a família.

* Farm Security Administration = Orgão criado em 1935, pelo presidente americano Franklin Roosevelt, para ajudar a população de áreas rurais que foram afetadas pela Grande Depressão de 1929. A FSA existiu até 1949 e, para documentar a vida das famílias e cidades, teve uma divisão fotográfica onde se formaram alguns profissionais que se tornariam clássicos, como Walker Evans, Carl Mydans, Gordon Parks e a própria Dorothea Lange. O acervo da FSA é considerado um dos mais importantes registros da vida americana do começo do século XX.

Alexandre Belém

Confira posts com trabalhos de mulheres fotógrafas:

Gerda Taro

Lee Miller

Margaret Bourke-White

Maureen Bisilliat

1 Esposa de trabalhador imigrante no Texas – 1932. (Dorothea Lange/Hulton Archive/Getty Images)

2 Família saindo do Texas para a Califórnia – 1936. (Dorothea Lange/Hulton Archive/Getty Images)

3 Família de trabalhadores migrantes que fugiam da seca em Oklahoma – 1936. (Dorothea Lange/Hulton Archive/Getty Images)

4 Família de ex-fazendeiros na Califórnia – 1936. (Dorothea Lange/Hulton Archive/Getty Images)

5 Garota em acampamento na cidade de Oklahoma – 1936. (Dorothea Lange/Hulton Archive/Getty Images)

6 Agricultores na cidade de Oklahoma – 1936. (Dorothea Lange/Hulton Archive/Getty Images)

7 Imobiliária em Oakland, Califórnia – 1936. (Dorothea Lange/Library of American Congress)

8 Mãe migrante em Nipomo, Califórnia – 1936. (Dorothea Lange/Library of American Congress)

9 Mãe migrante em Nipomo, Califórnia – 1936. (Dorothea Lange/Library of American Congress)

10 Mãe migrante em Nipomo, Califórnia – 1936. (Dorothea Lange/Library of American Congress)

11 Mãe migrante em Nipomo, Califórnia – 1936. (Dorothea Lange/Library of American Congress)

12 Mãe migrante em Nipomo, Califórnia – 1936. (Dorothea Lange/Library of American Congress)

13 Trabalhadora das plantações de algodão no Mississipi – 1937. (Dorothea Lange/Hulton Archive/Getty Images)

14 Fazendeiro no estado da Georgia – 1937. (Dorothea Lange/Hulton Archive/Getty Images)

15 Homens indo para Los Angeles – 1937. (Dorothea Lange/Library of American Congress)

16 Fila em escritório de empregos na cidade de São Francisco – 1938. (Dorothea Lange/Hulton Archive/Getty Images)

17 Casal no escritório da Farm Security Administration – 1938. (Dorothea Lange/Hulton Archive/Getty Images)

18 Em Oklahoma, família abandona a fazenda por causa da seca – 1938. (Dorothea Lange/Hulton Archive/Getty Images)

19 Tribunal da cidade de Waco antes das eleições – 1938. (Dorothea Lange/Hulton Archive/Getty Images)

20 Fazendeiro menonita em Idaho – 1939. (Dorothea Lange/Hulton Archive/Getty Images)

21 Membro do Exército da Salvação em São Francisco – 1939. (Dorothea Lange/Hulton Archive/Getty Images)

22 Loja e posto de gasolina na Califórnia – 1940. (Dorothea Lange/Time & Life Pictures/Getty Images)

23 Cartaz com a frase “Eu sou americano” um dia após o ataque em Pearl Harbour, motivo que levou os Estados Unidos para a Segunda Guerra Mundial – 1941. (Dorothea Lange/Hulton Archive/Getty Images)

24 Grupo reunido em loja na Carolina do Norte – 1939. (Dorothea Lange/Hulton Archive/Getty Images)

25 Família Mochida antes de serem levados para campo de internamento durante a Segunda Guerra Mundial em Hayward, Califórnia – 1942. (Dorothea Lange/Hulton Archive/Getty Images)

26 Descendentes de japoneses são vacinados antes de serem levados para campo de internamento durante a Segunda Guerra Mundial em São Francisco, Califórnia – 1942. (Dorothea Lange/Library of American Congress)

27 Japoneses e descendentes são registrados, Califórnia – 1942. (Dorothea Lange/Time & Life Pictures/Getty Images)

28 Cartaz informando sobre os campos de internamento para japoneses e descendentes, Califórnia – 1942. (Dorothea Lange/Time & Life Pictures/Getty Images)

29 Japoneses e descendentes esperam para serem levados aos campos de internamento na Califórnia – 1942. (Dorothea Lange/Time & Life Pictures/Getty Images)

30 Dorothea Lange com sua câmera Graflex na Califórnia – 1936. (Dorothea Lange/Library of American Congress)

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário. » Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

19 Comentários

  1. Elio Rocha - 10/11/2013 às 23:28

    Belo acervo fotográfico.

  2. beatriz - 02/05/2013 às 23:03

    muito emacionante e duro tambem!!vendo essas pessoas passando por essas situacçoes

  3. Teresinha - 16/12/2011 às 17:47

    Recentemente vi um documentário sobre a depressão de 1929, e estas fotos também confirmam um sofrimento que não imaginávamos.
    Saudações a todos os fotógrafos que nos deixam informações tão valiosas, atravessando os tempos.

  4. Renato - 20/09/2011 às 20:05

    Na foto 30, uma WOODIE!

  5. ilse - 10/05/2011 às 13:25

    Lindas e nítidas fotos .Me fez voltar no tempo.E a coca cola sempre em evidencia.

  6. Adhemar Brandini - 09/05/2011 às 15:06

    Realmente,
    cada uma das fotografias vale por mais de mil palavras. O fotojornalismo sério deve ser respeitado e reverenciado.

  7. Tiago Veloso - 09/05/2011 às 11:09

    Retificando o meu comentário anterior, o grande W. Eugene Smith não poderia fotografar a Depressão de 29 porque estava com apenas 11 anos…
    Mas ele fez um trabalho muito bom sobre a cidade de Pitsburgh que vale a pena conhecer.

  8. Tiago Veloso - 09/05/2011 às 10:45

    Além da Dorothea Lange, não podemos nos esquecer do grande W. Eugene Smith, fotógrafo que trabalhou para a LIFE e que também retratou a depressão de 1929.

  9. Germano Izaú - 08/05/2011 às 17:35

    Belíssimas fotos! Deu para se emocionar e sentir a dura vida daquela época!

  10. Damião Santana - 08/05/2011 às 10:08

    Nunca vi a cara da Dorothea. Sempre acho que ela é a mulher triste de sua mais famosa foto.

  11. Douglas - 05/05/2011 às 16:23

    Sem dúvida alguma uma grande Retratista da História, a sensibilidade de suas fotodocumentais é a real arte e inspiração do fotojornalismo.

  12. Lizete Andrade - 04/05/2011 às 16:18

    Parabéns Alexandre, pela dedicação e os belos trabalhos que voce tem trazido para nós e assim aprendemos um pouco mais sobre esta grande fotógrafa.

  13. João Guilherme - 04/05/2011 às 16:02

    No fotojornalismo, diferente de outras modalidades da fotografia, é incrível como a qualidade está ligada a informação e não a imagem. Isso é mágico!

    Ah, pobre Dorothea. Que câmera enorme!

    Abraço!

  14. Mauricio Ferry - 03/05/2011 às 20:05

    Caro Belém estive em New York em Julho (2010) e ao visitar o Museu de Art uma sala me chamou atençao pela quantidade de pessoas enquanto outras estavam completamente vazias , claro que fui ver o que rolava e para minha felicidade era uma big exposição da Dorothea Lange , magnifico poder ver de perto fotos tão fantasticas e fazer uns click’s daquelas imagens que quardo com carinho , parabéns a vc que manda esse presente aqui pra quem gosta de apreciar boas fotos.

  15. eunice vaz - 03/05/2011 às 17:22

    Simplesmente maravilhosas, abrangentes, retratos de uma epoca dificil demais. Me lembrou cenas de As vinhas da Ira, pessoas miseraveis, buscando uma vida melhor

  16. Michel - 03/05/2011 às 17:05

    É sempre interessante observar as feições nas fotos. A foto da mãe migrante é de cortar o coração.

  17. Tatiane - 03/05/2011 às 16:37

    Dificil não se emocionar com o olhar triste de uma mãe com filhos pequenos para alimentar, sabendo que não há de onde tirar comida.

  18. Nilton - 03/05/2011 às 16:34

    Ótima seleção. Eu achava que a foto da mãe migrante era do Walker Evans.

  19. Indi - 03/05/2011 às 15:59

    Importante o registro de uma época que certamente forjou a américa de hoje. Parabéns a Dorothea Lange.