Sobre Imagens - VEJA.com

Fotojornalismo, história da fotografia e algumas ideias sobre a imagem fotográfica.
Editado por Alexandre Belém
Fotojornalismo

Piratas da Somália

05/10/2010 às 0:01

Pautado pela Agence France Presse, o fotógrafo colombiano Roberto Schmidt, dono de prêmios World Press Photo, passou alguns dias na cidade portuária de Hobyo, a 700 quilômetros de Mogadíscio capital da Somália. Seu trabalho: registrar o cotidiano de um grupo de piratas somalis, que atuam na costa africana pilhando e sequestrando barcos.

Em outras palavras, tratava-se de registrar o cotidiano de foras-da-lei, com todos os riscos que isso envolve.

A Somália é um Estado falido, atolado em conflitos. Nesse cenário, a pirataria, incentivada por milícias e grupos islâmicos fundamentalistas, se torna um caminho para os jovens que não encontram trabalho. Em Hobyo, os piratas e as milícias, muitas vezes ligadas a um mesmo clã, trabalham juntos em ações violentas. A ação dos piratas na costa da África, no Oceano Índico, cresceu nos últimos anos e a comunidade internacional gasta milhões de dólares para combatê-la.

Nesse post, apresentamos um conjunto das imagens de Schmidt. Poucas foram publicadas. Divulgar reportagens fotográficas de alta qualidade, que acabam esquecidas nas agências, é uma das missões do Sobre Imagens.

Alexandre Belém

Saiba mais sobre as ações dos piratas na costa africana:

A nova era da pirataria

Tire suas dúvidas sobre a pirataria na costa da Somália

Tropa especial russa invade petroleiro tomado por piratas somalis

1 Mohamed Garfanji, chefe dos piratas somalis observa um navio sequestrado na costa de Hobyo, Somália, agosto de 2010. (Roberto Schmidt/AFP)

2 Membros de milícias armadas e piratas, que trabalham juntos, vigiam navio petroleiro sequestrado na costa de Hobyo, agosto de 2010. (Roberto Schmidt/AFP)

3 Somali faz ronda em praia de Hobyo, agosto de 2010. (Roberto Schmidt/AFP)

4 Integrantes de milícia armada em praia de Hobyo, agosto de 2010. (Roberto Schmidt/AFP)

5 integrantes de milícia armada deixam a cidade de Hobyo, agosto de 2010. (Roberto Schmidt/AFP)

6 Milícia armada faz patrulha em Hobyo, agosto de 2010. (Roberto Schmidt/AFP)

7 Integrantes de milícia fazem a segurança de uma autoridade de Galmudug, região somali auto-proclamada autônoma não reconhecida oficialmente, agosto de 2010. (Roberto Schmidt/AFP)

8 Integrantes de milícia fazem a segurança de uma autoridade de Galmudug, região somali auto-proclamada autônoma não reconhecida oficialmente, agosto de 2010. (Roberto Schmidt/AFP)

9 Integrantes de milícias armadas que cuidam da segurança de Galmudug, agosto de 2010. (Roberto Schmidt/AFP)

10 Integrantes de milícias armadas que cuidam da segurança de Galmudug, agosto de 2010. (Roberto Schmidt/AFP)

11 Somalis discutem os problemas da região de Hobyo. Eles alegam falta de investimentos no local e que a única alternativa para ganhar a vida é a pirataria, agosto de 2010. (Roberto Schmidt/AFP)

12 Piratas e milicianos na cidade de Wisil, região utilizada como base pirata, agosto de 2010. (Roberto Schmidt/AFP)

13 Milicianos consomem folha de khat, uma planta com efeitos estimulantes, agosto de 2010. (Roberto Schmidt/AFP)

14 Somali com rebanho de camelos em Wisil, cidade com pouco oferta de trabalho e que é base pirata, agosto de 2010. (Roberto Schmidt/AFP)

15 Mulheres somali se aglomeram para ouvir entrevista de uma autoridade local, agosto de 2010. (Roberto Schmidt/AFP)

16 Somalis posam para foto em Wisil, agosto de 2010. (Roberto Schmidt/AFP)

17 Pescadores em praia de Hobyo, agosto de 2010. (Roberto Schmidt/AFP)

18 Garoto somali perto de painel solar, que capta energia suficiente para carregar um aparelho de telefone celular em Wisil, agosto de 2010. (Roberto Schmidt/AFP)

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário. » Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

19 Comentários

  1. kelvin - 10/12/2012 às 10:10

    fotos interessates mas,no mapa mundial tem uma praia localizada com Costa de piratas e tamben a fotos de navios movidos a velas e com canhoes em guerra contra destroier russo

  2. Teresinha - 05/12/2011 às 22:53

    É um registro importante.
    Atualmente não vejo solução através do homem, parece que ela se fará sozinha e algum momento.

  3. Alexandre - 05/10/2010 às 18:55

    Excelentes as fotos que retratam o descaso das grandes potências frente aos problemas do continente Africano que em pleno século 21 ainda sofre com a miséria no sentido amplo da palavra, com as incoerências religiosas e com os interesses corruptos dos políticos e ditadores de governos e milícias. Até quando crianças morrerão de fome e desnutrição, por quanto tempo mais esse continente será assolado pela AIDS e por outras doenças até que a omissão de orgãos humanitários e ditos politicamente corretos tenha fim e estes se façam realmente presente para uma tentativa de salvar esse continente???

  4. Lellis - 05/10/2010 às 16:40

    Os milhões gastos pelas superpotências teriam melhor resultado se fossem utilizados para combater a fome e miséria daquele povo/continente, muito embora não é o que os europeus querem. Eles precisam daquelas “colonias” para continuarem a despejar lá seus lixos domésticos, tóxicos e radiativos e, acima de tudo, a apropriar-se indebitamente dos recursos naturais existentes em abundância por todo o continente, para manterem suas riquezas.

  5. Cardozo E. Ribeiro - 05/10/2010 às 16:14

    Muito interessante a publicação de fotos sobre a nova onda de pirataria, é importante lembrar que a combinação miséria, falta de trabalho, falta de desenvolvimento e extremismo religioso, apoiado em grupos que não reconhem democracia podem se utilizar de tal empreendimento para obter poder, alcançar lucro e criar um clico de medo e tensão. Enquanto percebemos a falta de recurso para aplicação no trabalho, vejo uma grande facilidade de compra de armamentos de guerra, artilharia pesada capaz de derrubar um avião.

    Como as autoridades irão se comportar diante dessa prática, fechar os olhos e esperar que esse conflito amenize? provocar uma reação utilizando os mesmos princípios de força e poder que eles conhecem? ignorar mais uma vez o país Somaliano e as inúmeras vidas que se perdem com as guerras civis e a falta de democracia? se não forem tomadas medidas urgentes esse episódio poderá se tornar comum em regiões como América Central caso do Haiti, ou Honduras, por que nao Belize, ou porque não na América do Sul, tanto na hidrografia amazônica como nas áreas de domínio e poder dos traficantes.

    Dura realidade esse povo enfrenta, esperam uma resolução para esse conflito, que pena que não há interesse por parte de outras nações.

  6. Antonio Domingos Pereira Reis - 05/10/2010 às 16:02

    Não quero afirmar, mas me parece que em algumas fotos, com alguns disfarces, aparecem alguns militantes do PT, que às vezes aparecem nos programs das TVs estatais, que nós pagamos com nosso pobre dinheirinho
    para fazer a campanha da Pupila do Sr. Presidente.

  7. cesar eduardo luziardi - 05/10/2010 às 15:32

    Sençacional essa foto reportagem…. mostra claramente o microcosmo de tudo que pode dar errado num país arrasado por guerras e pela miseria … o mundo gasta milhoes para tentar deter a pirataria mas será que não sairia bem mais barato se dirigissem o foco para melhorar a condição dessa população tão sofrida?….

  8. carlos - 05/10/2010 às 15:01

    Entendo que, os milhões gastos com a escolta de navios realizadas pelo eixo, isto é, países que usam aquela rota, poderia ser usado na divulgação e implantação de metodos contracepetivos a fim de dimunuir a natalidade a medio e longo prazo da população local.

  9. valtermir valle - 05/10/2010 às 14:59

    Uma homengem ao fotográfo,Colombiano pela sua ousadia o trabalho documental extremamente díficil,devido sua circunstãncia.
    Valeu conhecer seu trabalho.

  10. Julio - 05/10/2010 às 14:42

    Autoridades competentes das grandes potências, deveriam intervir nesta questão. A passagem de grandes petroleiros nesta região não pode ser interrompida pela “pirataria”

  11. sofia - 05/10/2010 às 14:33

    Humanidade perdida. Gerações desperdiçadas.

  12. Araken - 05/10/2010 às 14:14

    Piratas na Somália? Não precisa ir tão longe. Na Baía da Guanabara agem piratas tb, e passa governo entra governo e ninguém faz nada!

  13. Yohannã - 05/10/2010 às 14:07

    Muito show de bola… A pauta e as fotos principalmente… Pouca gente conhece a realidade do chifre da África. Eu tbm tenho um trampo com fotojornalismo http://www.tres16.com e http://www.tres16.com/blog vale a pena conferir

  14. Clécio Max - 05/10/2010 às 14:07

    Enquanto o mundo continuar ignorando a Áfria, com seus porblemas sociais e humanitários, grupos extremistas vão se apoderar de regiãoes como a Somália para destilar violência. Na verdade, as nações dominantes querem mesmo é varrer esse sofrido continente da face da terra.
    Ocorre que antes que isso ocorra eles conseguirão espalhar violência opr toda parte.

  15. Alex - 05/10/2010 às 13:37

    Vivemos numa era de extremos, homens num bote enfrentam as maiores forças belicas do mundo. Por que? Fome? miseria? Nada que a humanidade ja nao tinha visto.

  16. sidney - 05/10/2010 às 13:15

    Chega a parecer – brincadeira nao ??? -
    Horrivel !!!
    Como isso pode ainda acontecer ???
    Piores sao os – PIRATAS – ( nossos conhecidos com bandeiras e tudo … ) que ficam atras nos cargos/gabinetes/escritorios ETC ETC ETC ( botem etceteras nisso !!!! )
    Abracos

  17. Deivyson Teixeira - 05/10/2010 às 9:30

    Muito bom o trabalho.
    Agradeço o sobre imagens, que não deixa que fotos fenomenais dessa não se percam em agências.
    Abraço

  18. jaime - 05/10/2010 às 8:56

    Deveriam fazer fotos de nossos piratas tambem nas estradas do Sertao Nordestino que ha e ha muitos

  19. João Antonio - 05/10/2010 às 7:49

    Se o nosso embaixo xador Amorim descobrir estes piratas irá pedir asilo político com proteção da ONU para eles e argumentar que são um partido político em formação identico as FARCS ou PT.