Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Aécio Neves: um obituário político

Após as denúncias da JBS, Aécio Neves morreu politicamente

O senador tucano nunca pareceu querer ser, de verdade, um político poderoso. Pouco antes da derrota nas eleições presidenciais de 2014, tratou com leveza a possibilidade de não ser alçado ao cargo: “Vamos fazer nossa caminhada. Ganhamos? Que bom para o Brasil. Perdermos? Vamos para Harvard, né?”.

Aécio perdeu e, pelo que foi noticiado, não viajou para a universidade norte-americana. Sorte de Harvard.

Começou sua trajetória política assessorando o avo, Tancredo Neves, durante seu périplo para a presidência, interrompido tragicamente. Nomearam-no (assim mesmo, sujeito oculto) diretor da Caixa Econômica Federal. Em 1986, foi eleito deputado federal e exerceu o cargo até 2002, quando elegeu-se governador de Minas Gerais. Após dois mandatos, sua aprovação no cargo era alta e foi facilmente eleito para uma das três vagas do estado no Senado Federal. Passou o mandato de senador, até agora, muito mais preocupado com a disputa interna no PSDB para a sucessão presidencial do que qualquer outra coisa.

Em sua campanha de 2014, recebeu doações de ao menos três empresas implicadíssimas pela Operação Lava Jato: as construtoras OAS e UTC e, é claro, a JBS. Claro que isso não é crime. Claro, também, que as relações corruptas entre empresários e políticos brasileiros se sustentam em doações legais e ilegais. As doações declaradas são (eram, certo?) uma maneira de sustentar o que Susan Stokes chamaria (em estudo sobre outro assunto) de “accountability perversa”. Eu, político corrupto, devo prestar contas a voce, empresário pilantra, porque temos uma relação formal consagrada nas contas de campanha. Você tem direito de me acessar e me pedir favores, mesmo que nem sempre eu possa te atender (alguns exemplos disso estão no depoimento de Cláudio Melo Filho, ex-Odebrecht).

Os donos da JBS tinham amplo acesso ao poder. Aécio era apenas um dos muitos contatos da empresa. Não deixa de ser irônico que o senador tucano tenha iniciado a carreira política na Caixa Econômica Federal. Pouco exposto pela Lava Jato até agora, esse banco foi usado por seu ex-vice-presidente, Fábio Cleto, para desviar recursos dos investimentos do FGTS. Eduardo Cunha seria o controlador disso e Joesley Batista, da JBS, um dos empresários que pagaria propina para Cunha liberar os recursos. Os pagamentos seriam feitos para o doleiro Lúcio Funaro.

Eduardo Cunha, Aécio Neves e Michel Temer estão igualmente – e para sempre – identificados como moleques da JBS e outras empresas. E assim morreu Aécio.

(Entre em contato pelo meu site pessoal, Facebook e Twitter)

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. PanamaConection

    Por favor PGR explicar como CEF emprestou mais de R$ 2 Bilhoes para JBS comprar Alpargartas quero dizer sandalias Havaianas da construtora Camargo Correa.

    Curtir

  2. meu Deus…. onde vamos parar, roubam demais este país, roubam aquele dinheiro que falta nos hospitais, crianças morrem de fome, miséria, doenças, e estes terroristas só comendo do bom e do melhor, assassinos, pena de morte já…. crimes hediondo e terrorismo….

    Curtir

  3. Fábio Luís Inaimo

    Assim como a de Lauro Jardim esta coluna sempre foi de viés PETRALHA !!!

    Curtir

  4. Fábio Luís Inaimo

    Sei , “companheiro” e onde é que esta toda grana arreganhada pelo BNDES na era lulopetralha !?

    Curtir

  5. O problema do Aecio é o vício em cocaína. Ele é como qualquer um na cracolandia, errante, alucinado, violento, sem energia para viver sem sua droga, mas é rico, está sob a proteção do poder, no entanto, agora que foi desmascarado e sabe que milhões de pessoas descobriram sua verdadeira personalidade, deve estar desolado. O melhor que tem a fazer é um tratamento, e para nós, que deixe a vida política para sempre.

    Curtir