Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Crianças da Rocinha que viram cadáveres aguardam protesto do MBL

O movimento, porém, ainda não conclamou o povo a lutar contra essa indecência, esse atentado à infância e à juventude

Na ida e na volta da escola, pequenos moradores da Rocinha passam por corpos de pessoas mortas na guerra do tráfico no Rio de Janeiro. Quando dão sorte, são vendadas pelas mães. O Movimento Brasil Livre (MBL), porém, ainda não conclamou o povo a lutar contra essa indecência, esse atentado à infância e à juventude brasileiras.

Para o sociólogo Antônio Martins, o fato de os cadáveres estarem cobertos — e não nus — talvez seja o motivo da falta de alarde por parte do movimento e de boa parte da classe média brasileira. “Se o corpo está vestido, está tudo bem, podem até mexer no pé que não há abuso ou trauma envolvidos”, analisa.

Publicado em VEJA de 18 de outubro de 2017, edição nº 2552

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Nossa! Que comparação mais nada a ver. Essas crianças já nasceram em campo de guerra, em território criminoso e isso não é de responsabilidade do MBL, mas sim dos políticos que a Veja bajula e defende.
    Vocês perderam a oportunidade de ficarem quietos.
    Abaixo a Globo e a essa revista tendenciosa.

    Curtir

  2. e defende.
    Vocês perderam a oportunidade de ficarem quietos.Nossa! Que comparação mais nada a ver. Essas crianças já nasceram em campo de guerra, em território criminoso e isso não é de responsabilidade do MBL, mas sim dos políticos que a Veja bajula
    Abaixo a Globo e a essa revista tendenciosa.

    Curtir