Blogs e Colunistas

06/02/2013

às 7:32 \ Treinamento

Em quanto tempo começamos a perder massa muscular?

Os frequentadores de academia sempre perguntam: “Em quanto tempo começarei a perder massa muscular se eu parar de treinar?”. Essa informação é importante porque nos ajuda a programar os períodos de descanso, seja pelo cansaço acumulado, por falta de tempo ou por imprevistos que possam nos afastar (temporariamente, espero) da atividade física.

Para responder a esta pergunta – que não é nada simples –, um grupo de pesquisadores reuniu pessoas dispostas a submeter-se a um treinamento para depois interrompê-lo, permitindo a realização de dolorosas e invasivas biópsias musculares. O estudo investigou a área de secção transversa dos músculos (massa muscular) antes (pré) do início dos treinos, e os efeitos sobre ela de treinamentos de musculação após trinta dias (T30) e após noventa dias (T90). Novas análises foram feitas três (D3), dez (D10) e trinta (D30) dias após a interrupção das atividades.

Abaixo, podemos visualizar os efeitos do Treinamento e Destreinamento.

O gráfico nos ajuda a constatar que os indivíduos submetidos ao treino de musculação foram aumentando a massa muscular após trinta (T30) e noventa (T90) dias de exercícios regulares. Por outro lado, após dez (D10) e trinta (D30) dias de repouso,  os ganhos foram sendo reduzidos, até que voltassem ao resultado inicial. O mais interessante foi notar que, após três dias de descanso, foram observados os maiores ganhos em termos de massa muscular.

O resultado pode indicar que sejam necessários períodos de descanso de dois ou três dias após uma sucessão de semanas em atividade intensa.

Outra descoberta interessante: mesmo após dez dias sem treinos, a quantidade de massa muscular adquirida ainda resiste. Essa notícia é animadora.

Em outras palavras, não há motivo para desanimar após uma semana parado, achando que todos os ganhos foram perdidos.  Só não dá para “esticar” o descanso para um mês, pois aí sim voltaremos ao estágio inicial.

Fonte: The effects of heavy resistance training and detraining on satellite cells in human skeletal muscles. Fawzi Kadi, Peter Schjerling, Lars L. Andersen, Nadia Charif, Jorgen L. Madsen, Lasse R. Christensen, Jesper L. Andersen. J. Physiol., 558.3 (2004), PP 1005-1012.

Por Renato Dutra

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

7 Comentários

  1. sandra

    -

    19/06/2013 às 10:20

    Malhava à dez anos parei de malhar tem 4 anos e perdi minha musculatura toda. Sera que voltando a malhar ganho ela de volta?

  2. JulioK

    -

    14/05/2013 às 7:40

    Boa matéria!!!
    Tenho 51 anos e comprovei, empiricamente, os resultados deste gráfico.
    Parei de treinar 30 dias e perdi 1/3 do meu avanço na carga de exercícios.
    Perdi 30 dias de treino, 30 dias parados e mais 30 dias para recuperar (30+30+30).

    Em resumo: Não pare!!! (máx. 1 semana como mostra o gráfico)

  3. Luiz Carlos de Moraes

    -

    08/02/2013 às 11:37

    Entre os marcadores fisiológicos no cardiovascular a perda é mais rápida que o muscular citado e isso interessa especialmente aos corredores e/ou quem prefere atividades aeróbias.
    Segundo Coyle 1994, os sistemas corporais regridem na mesma proporção da diminuição do estímulo. Ou seja, se a parada é repentina como nas lesões, a regressão é rápida. Convertino 1997, citado por Fabiana Evangelista e Patrícia Brum na Revista paulista de Educação Física mostrou que o débito cardíaco máximo sofreu uma redução de 26% após 21 dias de destreinamento. Em outro estudo realizado pelo mesmo pesquisador, a redução do débito cardíaco e volume sistólico foram de 23% em apenas 10 dias. Isso demonstra claramente que a queda cardiovascular é vertiginosa nos primeiros dias. Depois, a curva de perda é mais lenta. Menos mal. Afastamentos de 21 a 84 dias, a perda não é total e o retorno às atividades não partem do zero, além disso, a retomada costuma ser mais rápida. Prof. Moraes

  4. Hugo

    -

    07/02/2013 às 15:01

    E se pararmos por mais de de trinta dias por exemplo e os ganhos obtidos antes que se foram voltando a estaca zero ficam mais faceis de voltarem ?
    Por exemplo antes de treinar tinha 35cm de braço então passei a treinar e consegui 45cm de braço com muito esforço e por algum motivo fiquei 60 dias sem treinar , Voltei a ter 35cm de braço novamente , voltei a treinar e a partir dai terei a mesma dificuldade como da primeira vez em obter 45 de braço ?.
    Grato a quem puder ajudar .
    Hugo .

  5. william

    -

    06/02/2013 às 13:29

    Eu entendi certo, ou vale a pena descançar 3 dias após um treino?

  6. Ana vieira

    -

    06/02/2013 às 13:05

    Curti muito essa informação.valeu;-)

  7. marcos roberto

    -

    06/02/2013 às 10:04

    legal adorei esta materia

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados