Blogs e Colunistas

19/01/2014

às 17:32 \ Liberdade de Imprensa

Jornalistas do SBT têm vergonha de Rachel Sheherazade. Eu tenho vergonha dos jornalistas do SBT.

Segundo a colunista Fabíola Reipert, jornalistas da emissora têm comentado que sentem vergonha de trabalhar com ela. O problema seria o fato de Rachel ter uma postura muito opinativa, com pensamentos que nem todos concordam.

O jornalismo no SBT, que costumava ser mais imparcial, agora exibe as opiniões de direita da apresentadora. Recentemente, ela deu uma entrevista em que se mostrou a favor do deputado Feliciano e comentou sobre os “rolezinhos”.

É o sinal de que a direita começa a incomodar, por balançar a hegemonia de esquerda que já dura tantas décadas. Esses jornalistas não estão mais acostumados ao contraditório, a alguém com opinião firme diferente do que prega a cartilha politicamente correta do “mainstream”.

Quando aparece alguém com esse perfil, automaticamente cria-se grande desconforto entre o establishment jornalístico. Como assim, ela ousa criticar abertamente os “rolezinhos”, essa linda expressão popular dos abandonados da periferia?

Ao contrário dos jornalistas do SBT, eu tenho orgulho porque Rachel Sheherezade se tornou, recentemente, minha seguidora no Twitter:

Rachel Sheherazade

Então ficamos assim: jornalistas de esquerda do SBT têm vergonha de Rachel Sheherazade. E eu tenho vergonha dos jornalistas de esquerda do SBT (e de todos os demais canais).

Aprendam a viver com opiniões divergentes, meus caros! Coloquem em prática aquilo que sempre pregaram da boca para fora, e enalteçam a pluralidade de ideias. Ou será que todo jornalista “imparcial” precisa tomar o partido da esquerda como prova de sua “imparcialidade”?

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

Envie um comentário

O seu endereço de email não será publicado

357 Comentários

  • Betho Rodrigues

    -

    9/10/2014 às 18:14

    Deixo claro que sou de direita,concordo que na mídia atual atuam um bando de medíocres,que simplesmente como VACAS DE PRESÉPIO,sem ter opinião própria transcrevem apenas o que seus diretores cérebros de ostras,mandam. Então surge para minha alegria e de milhões de cidadãos e cidadãs Brasileiros,uma mulher de valor como à Raquel Sheherazade,que me representa e diz o que todos nós gostariamos de expressar,que é a total inconformidade de ver:A bandidagem deitar e rolar,matando,roubando estuprando e ainda debochando da nossa cara e da Policia,que bravamente faz a sua parte,mas nossas leis anacrônicas os liberta,e aí ficamos a merce dessa escória,isso tudo com o apoio do governo atual e dos Direitos Humanos.Viva Raquel,continua,estamos contigo.Deixo claro que chamo de escória,não o povo pobre decente digno e honesto que é todo cidadão que sofre na pele e no bolso,tudo o que esta CANALHA pratica,e ainda pagamos um belo salário para os vagabundos fazerem a Pós Graduação do crime,e depois ainda terem como paraninfos os grupos (supra citados que os defendem.

  • Marta

    -

    1/10/2014 às 11:16

    Desde quando falar a verdade e vergonha,sinto orgulho da Rachel Sheherazade,so lamento que nosso pais esteja vivendo um momento de delirio com esse governo do PT e o jornalismo tem que se calar e vira um bonequinho de fantoche como esta acontecendo no SBT.

  • Karollyn

    -

    23/7/2014 às 0:23

    Estes que sentem vergonha de trabalhar com ela deveriam dizer para ela mesmo dela e não pelas costas, pois ao contrario deles ela é sincera e fala a sua opinião doa a quem.E isso é admirável. É de pessoas assim que deveria ser feito o mundo. Eu não perco nenhum dia do sbt brasil, o trabalho dela é otimo. P.S EM VEZ DE VERGONHA TINHAM QUE ADMIRAR E O SE ORGULHAR POR SEREM “COLEGAS” DE TRABALHO DA MESMA.

  • Gilnani

    -

    27/6/2014 às 9:03

    Bom eu queria começar dizendo que você é orgulho dentro do jornalismo verdadeiramente serio que também da banho nas pessoas que pregam a imparcialidade que não passa de utopia, pois só agora que vejo o que é de verdade ser imparcial o resto é só hipocrisia fico revoltado também com estas pessoas que manchão o jornalismo serio,então é comprovações que estes são os oportunistas e parasitas anêmonas que ficam na boca dos políticos tubarões pra pegar as sobras. E a você é o ícone de garantia de ser nosso porta voz e que estais ao lado do povo e não de grupos que saqueiam esse país quero aqui deixar meu apoio e meus profundos sentimento de desabafo.(Sou Policial Militar e foi a unica que defendeu quando tinha que fazer e criticar quando tinha que criticar,pois só assim podemos tomar como uma critica construtiva para que melhoramos em nossas ações obrigado por tudo, pois é de pessoas comprometido com a seriedade que precisamos e não de falsos MORALISTAS e mais uma vez OBRIGADO!

  • Elza Maria de Brito Fernandes

    -

    6/6/2014 às 12:14

    Os jornalistas que sentem vergonha de Rachel, como vc, são hipócritas. Vocês fora dos microfones falam tudo que ela tem coragem de falar ao vivo. A maiorias dos tele jornais são de uma hipocrisia absurda, pensam que o povo brasileiro é “burro” e despreparado, mas enganam-se.Dizem que o povo brasileiro não sabe votar. Será???Será que as nossas urnas são confiáveis!!!!!! Por que será que os países desenvolvidos não possuem urna eletrônica?????

  • Sergio

    -

    21/5/2014 às 16:50

    Algumas pessoas têm vergonha por não terem coragem de falar o que ela fala e dar opiniões fortes e verdadeiras e por não praticar o “jornalismo de cabresto”. Parabéns Raquel.

  • Daniela

    -

    5/5/2014 às 12:41

    Vou comentar aqui com a sua frase, que destrói a sua “vergonha” dos jornalistas que sentem vergonha da Rachel: “Coloquem em prática aquilo que sempre pregaram da boca para fora, e enalteçam a pluralidade de ideias.”. É isso, antes de ensinar é preciso aprender…

  • salomão torrres

    -

    1/5/2014 às 14:48

    Muito obrigado Rodrigo. Valeu.

    abraços

  • Marcelo dos Santos

    -

    20/4/2014 às 19:03

    “O verbo discordar se refere ao ato de estar em discordância, ou seja, de não concordar ou não combinar. Pode significar também o ato de soar de forma desarmônica. O verbo descordar se refere ao ato de cortar a medula espinhal de um touro e é menos utilizado do que o verbo discordar. ”
    Pode descordar Clayton.

  • Clayton

    -

    19/4/2014 às 10:49

    Eu descordo desse camarada aí,Raquel é uma das poucas jornalistas deste país chamado Brasil, que tem opinião própria e expressa as suas opiniões com firmeza e postura,se eu trabalhasse com ela teria o maior orgulho. Parabéns Raquel, siga em frente,se o Sr:Silvio te apóia, o restante é lucro….

  • marcos

    -

    18/4/2014 às 3:32

    Muito bem Raquel Sheherazade apoio suas opiniões, temos que retomar o País democrático que este governo tenta nos tirar.

  • Cesar

    -

    15/4/2014 às 17:19

    Rachel, siga em frente e parabéns pelos milhões de manifestos pelo país e na grande rede, foi uma lavada !

  • Marcelo dos Santos

    -

    11/4/2014 às 8:37

    Caro João,
    Deixo claro que não sou seu. Graças aos Deuses.
    Nos EUA isso que você disse não ocorre. E em muitos outros países. Vou deixar como tarefa de casa pra você essa pesquisa de debates estrangeiros. Uma coisa é você se limitar ao mundo como ele é.
    Outra, é superar seus limites.
    Perguntas fora do contexto não são respostas diretas. Mais um “saber diferente”, e inútil para uma compreensão eficaz.

  • João Augusto

    -

    9/4/2014 às 17:25

    Meu caro Marcelo dos santos,
    Acho que você está fora de sintonia. Respostas mais diretas do que as que eu já te dei é impossível. Mas como esperança é a última que morre, tenho fé que um dia você compreenda o que para mim é muito óbvio.
    Você sabe quantos partidos políticos existem no Brasil? Sabe o que quer dizer a palavra ideologia? Pois é amigo, acredito que a luta de todos é por dias melhores, mas no meio disso tudo existe a questão dos interesses pessoais, que na grande maioria das vezes é colocado em primeiro lugar. É essa mesma política que controla tudo, inclusive o mundo corporativo. E sabe o que acontece, na política o que pode ser uma solução para você pode ser um grande problema para mim. Você sabe como se ganha uma campanha política? A estratégia é identificar os pontos fracos e, estes pontos fracos são justamente os problemas não resolvidos pela atual gestão, mas prometidos exaustivamente em campanha. Estes pontos vão ser sempre questionados como erros. No mundo corporativo também costumamos apontar erros e qualidade, isso sempre vai existir, faz parte do jogo.

  • EMANOELY

    -

    9/4/2014 às 15:38

    MUITO BEM RACHEL VC E UMA VERDADEIRA JORNALISTA, O BRASIL PRECISA DE PESSOA COMO VC QUE FALA A VERDADE.

  • Sônia Maria de Paiva

    -

    7/4/2014 às 18:09

    Onde está a liberdade de expressão? O jornal do SBT com RACHEL CHEHERAZADE era o único jornal televisivo que eu assistia. Que pena!!! Rachel, repórter e âncora inteligente, competente, quantas qualidades… Rachel era a minha voz, a nossa voz… Tenho certeza que Rachel voltará, afinal, vivemos em um País democrático não é mesmo? VOLTA RACHEL, PRECISAMOS DE VOCÊ!!!

  • Ana Paula Guidi da Silva

    -

    7/4/2014 às 17:16

    Infelizmente o que é bom dura pouco,Raquel é mulher de garra e não é covarde como vários homens por aí,fala com verdade e muita clareza o que é o certo,chega de tantos absurdos e as pessoas se acostumaram a serem cegas e não lutarem por um Brasil melhor.Pena que eu passei assistir o SBT jornal só por causa dela e agora nem tenho o trabalho de mudar o canal porque ela não aparece e fica aquele jornal copiado um do outro,sem graça e muito sem opinião.

  • hestia

    -

    6/4/2014 às 9:19

    Só ligava no jornal do sbt para ouvir as opiniões da Rachel. Espetacular jornalista, mas não duraria muito. Jornalista só pode ser engajado senão o poder cubano liquida logo com ele. Lamento. Ninguém quer ouvir a cintia. sbt agora só quando a Rachel voltar

  • oswaldo ruas

    -

    5/4/2014 às 11:39

    Estou maravilhado com a menina pois ela so fala a verdade.
    Pena que logo, logo o Silvio vai ser aperttado, pelo LULA
    para demiti-la.fizeram com o Boris, o pt não gosta de censura.

  • otávio galvao

    -

    4/4/2014 às 20:50

    Vamos trazer de volta nossa pora voz. vamos às ruas. amanha 9:00 praça da Sé. VOLTA RAQUEL. Divulguem.

  • Marcelo dos Santos

    -

    4/4/2014 às 17:12

    Caro João,
    É impressionante a sua falta de capacidade em responder perguntas diretamente. Pela terceira vez! :)
    Não é a mesma linha editorial que eu pedi, leigo em interpretação.
    A questão dos debates(mais uma pergunta que você não respondeu) é a proposição de soluções. E não simplesmente apontar os erros dos outros.

  • João Augusto

    -

    4/4/2014 às 9:37

    Caro Rodrigo,
    Ontem dia (03/04), postei uma mensagem em resposta ao comentário de Marcelo dos Santos. Como o mesmo não foi publicado, julgo que seria no mínimo elegante você justificar a razão da censura.Visto que no meu entendimento não usei nenhum termo inadequado, muito menos ofensivo.
    Certo de sua atenção, desde já agradeço!
    João Augusto

  • Francisco Morais

    -

    3/4/2014 às 20:56

    Sobre a Raquel uma òtima Jornalista que foi demitida porque falava a verdadeira noticia, lamentalvel…

  • João Augusto

    -

    3/4/2014 às 12:09

    Caro Marcelo,
    Detalhe: Citei a TV Cultura apenas como exemplo de um veículo que trabalha na disseminação da informação e cultura. ( você não acredita nisso)
    “Publicidade é uma forma de manter a revista”, sensacional! Você acaba de descobrir a pólvora. (rsrs…) Se você não considera a revista Veja um instrumento importante para o nosso país, a única coisa que posso fazer é lamentar. Agora me responda uma coisa sinceramente: em que mundo você vive? Você realmente acha que todos os veículos de comunicação do país deveriam adotar a mesma linha editorial? Acha mesmo? Acorde Amigo! vivemos num sistema capitalista de alta competitividade e com muitos interesses diferentes em jogo. Isso é democracia. Vivemos em uma sociedade capitalista! Você está confundindo alhos com bugalhos……

  • Delma

    -

    2/4/2014 às 21:39

    Eu gosto muito da Rachel ela é autentica e verdadeira isso incomoda os fracos.Quando alguém faz comentários negativos de outra pessoa e porque não consegue ser igual!!!

  • César Santos

    -

    2/4/2014 às 18:09

    Parabéns á Rachel Sheherazade e abaixo a ditadura criminosa do totalitários de esquerda que estamos vivendo e suas patrulhas do pensamento.

  • João Xavier

    -

    30/3/2014 às 23:16

    Raquel Sheherazade,fala bem, portuqes claro, bonito, verdades que doi à maoiria dos nossos políticos e autoridades que precsam ouvi-las. Se houvesse mais uma meia duzia com esta garra e caráter, talvez as coisas tomaraiam um rumo de un futuro bem melhor.

  • Marcelo dos Santos

    -

    26/3/2014 às 11:55

    Caro João.
    Sua frase sobre a revista é lamentável.
    Não citei a tv cultura como meio de comunicação ruim pois concordei com sua afirmação. Obviamente.
    Atiro com palavras, pois você pela segunda vez não respondeu minha pergunta. Não é assim que se cria um debate. É uma via de mão dupla.
    Publicidade é uma forma de manter a revista, e não há a importância citada por sua pessoa. Peço gentilmente dados, exemplos e não suas verdades infundadas.
    Já assistiu um debate nos EUA e outro aqui? É o mesmo estilo de revistas como veja e carta capital.
    Antagônicas, e apontam os defeitos do governo. Justamente quando o país precisa de união para resolver o problema.
    Siga a linha do debate. Peça ajuda ao Paulo Freire

  • saulo padilha

    -

    24/3/2014 às 20:12

    Rachel Sheherezade é um ‘oásis’ do telejornalismo, e os acomodados têm muito o que aprender com ela, ou: o limite entre o jornalismo e a militância.

  • João Augusto

    -

    24/3/2014 às 12:09

    Caro Marcelo,
    É difícil discutir com alguém que atira para tudo que é lado. Mas debate é assim mesmo. Engraçado que você esqueceu de citar o único veículo que eu fiz questão de citar, no caso a TV Cultura. Eu posso até não gostar de algumas matérias, do excesso de publicidade da revista Veja por exemplo, mas não reconhecer o seu valor( valor da revista Veja) e a sua importância para o Brasil seria no mínimo não conhecer um pouco da nossa história recente. O importante é saber extrair as coisas boas desses veículos.

  • Kathleen R. Scott

    -

    23/3/2014 às 12:21

    Ótimo, concordo. Atualmente, o Brasil vive atolado nessa imparcialidade da esquerda onde idéias contrárias são muito mal-vindas. Não devemos concordar na totalidade nem de um lado nem do outro, porém como nosso perfil da sociedade é democrático devemos respeitá-la. Infelizmente o governo, diga-se PT, destina 450 milhões para Globo, 150 para o SBT, para as todas demais outros tantos milhões por ano. Estranho né???

  • Marcelo dos Santos

    -

    21/3/2014 às 9:40

    Caro João,
    “Perfeito. Quem não quer acabar com a corrupção e fazer uma nova eleição com fichas limpas? Acho que todos desejam isso. Mas, será que uma intervenção militar é a melhor forma? A história nos mostra que não, visto que o período militar ficou marcado não só por retrocesso econômico, como por muita corrupção, torturas e os horrores que todos já sabem. Aliás, sem contar que outra forte crítica à nossa atual presidente é que a sua economia é tão fechada que nos faz lembrar o período militar, então não faz sentido tirá-la do poder para colocar militares, que promoverão um país ainda mais estatista.”
    Tá no site infomoney. Ache o erro.

  • Eliane

    -

    20/3/2014 às 3:17

    Parabéns Rachel!! Que Deus te proteja por que depois de ler tudo isso aqui, só Deus pra te guardar a partir de agora! pessoas que fazem e gostam de coisas erradas não gosta de ouvir a verdade e devido a isso gera grandes inimigos. um abraço e boa sorte!

  • VILEIDE DOS SANTOS FARIAS

    -

    19/3/2014 às 23:01

    O POVO BRASILEIRO É BURRO, BURRO, E BURRO, COMO ASSIM FICAR CONTRA A UMA MULHER GUERREIRA QUE É RACHEL, AMO ELA, NUNCA UMA MULHER TEVE TANTA CORAGEM DE FALAR O QUE PENSA, ACORDA BRASIL, CHEIO DE CORRUPÇÃO, ELA É INTELIGENTE, E FALA POR MIM, PORQUE AS VEZES EU GOSTARIA DE EXPOR TUDO O QUE PENSO…PARABÉNS

  • Helaine

    -

    19/3/2014 às 20:07

    A verdade e jornalistas bem informados é só isso que precisamos!

  • Marcelo dos Santos

    -

    19/3/2014 às 16:57

    Caro João.
    Infelizmente não pude registrar aqui os maus e pobres canais de conhecimento. Veja que contradição. O mesmo blog que permitiu esse nosso “debate” moderou meu último comentário.
    Comentário que por sinal, não tinha absolutamente nenhum palavrão ou ofensa. Apenas informações. Como podemos perceber, a lógica estabelecida no meu primeiro comentário é válida.
    Acredito que um dia talvez você possa mudar seu ponto de vista. E acreditar que saber mais ou menos português não é um saber diferente. E sim uma questão de inteligência, estudo e esforço. Inclusive, pode ser decisivo em um mundo competitivo.
    Fico triste com a citação ao final do comentário. E mais ainda por não ter respondido minha pergunta (“mais um sinal de saber diferente”?).
    Confie na Rachel, e no Papai Noel.

  • celia

    -

    18/3/2014 às 20:50

    Concordo plenamente com tudo que ela falou no jornal. Teve coragem e acerto em sua palavras. Poucos jornalistas tiveram coragem de fazer estas colocações. Parabéns, continue a fazer o jornalismo verdade.

  • Marcelo dos Santos

    -

    16/3/2014 às 14:13

    Caro João.
    Sendo bem direto.
    Canais pobres de conhecimento: comentários generalizadores e infundados(curiosamente alguns seus), revista veja, revista caros amigos, carta capital, o globo, g1. Canais ricos de conhecimento: Livros, documentários, gramáticas, etc.
    No bom português, o saber mais ou menos influencia. Tanto influencia que você não respondeu a minha pergunta do outro comentário. Repetindo novamente: “(…)Em momento algum mencionei que você tenha dito: “opiniões constroem conhecimento”. Por quê colocar isso no segundo texto?(…)”
    Ruídos criam debates sem fundamento. Paulo Freire estaria de acordo.

  • Jorge dos S. Rodrigues

    -

    14/3/2014 às 21:21

    ALERTA!!!… APOSTURA DA IMPRENSA BRASILEIRA HOJE, SÓ SERVE P/ DEFENDER BANDIDO.. VAMOS MUDAR DE LADO!…

  • Jorge dos S. Rodrigues

    -

    14/3/2014 às 21:07

    Seria muito não é ?… Ter uma imprensa no nosso pais que informasse ao povo o que é realmente interessa.PARABENIZO a Sra. Rachel !…. Bravo!..

  • Fernanda

    -

    12/3/2014 às 14:01

    A Raquel é 1000 está de Parabéns. Os jornalistas hipocritas, demagogos e comprados pela politica, apenas tenho pena… e nojo também.

  • João Augusto

    -

    10/3/2014 às 16:09

    Caro Marcelo,
    Lamento que não tenha entendido. Acho que você vive em outro planeta…será que você poderia citar alguns exemplos dos tais “canais pobres de conhecimento”? Na verdade a maioria dos veículos de comunicação manipulam o que vai ao ar, independente da qualidade do seu conteúdo. O que vai determinar a riqueza ou pobreza é a linha editorial e a forma de como a programação é construída e pautada. (ver o ótimo exemplo da Tv Cultura). Eu não conheço nenhum tipo de inovação científica que não tenha sido construída tendo com base o conhecimento. “A mídia, em sua maioria, não vende conhecimento. Ela vende “verdades frutos de opiniões.” Quando você caracteriza Jornalismo Imparcial(sem caps lock, de forma educada pois não lhe conheço) como interpretação pessoal, livre, e não influenciada, me pergunto no que mais você acredita” Esse texto não é seu?
    Me senti no dever de pedir desculpas pelo fato de não ter sabido respeitar o seu ponto de vista, afinal o fato de discordar de você não quer dizer que eu esteja correto e você errado, é apenas uma “opinião divergente”. Quanto a Rachel Sheherazade, estou certo sim de que sua voz(voz de Rachel) representa a grande maioria do povo brasileiro.
    Não mudei a minha forma de pensar em relação ao meu primeiro comentário, apenas tentei facilitar as coisas e lhe fazer compreender melhor o meu ponto de vista.
    Fique certo de que vou levar em consideração os seus conselhos. Afinal de contas “Não há saber mais ou saber menos: Há saberes diferentes.” Paulo Freire

  • Marcelo dos Santos

    -

    9/3/2014 às 19:27

    Caro João Augusto.
    É em canais pobres de conhecimento(mídia) que existe a manipulação. A “utopia” é composta por modelos que servem de exemplo. Assim como a Constituição é utópica(seguindo sua linha de utopia).
    A inovação científica que eu usei como argumento não foi no contexto do seu “nunca”, e sim de conhecimento. Em momento algum mencionei que você tenha dito: “opiniões constroem conhecimento”. Por quê colocar isso no segundo texto? Não entendi muito bem o que você quis com as desculpas e se você abandonou seu ponto de vista sobre a Rachel. Basta ler o primeiro texto e o segundo para notar a diferença de linha de raciocínio e argumentação. Gostaria de indicar sinceramente que pratique interpretação de textos e dissertação. Desculpe minha sinceridade, mas tenho certeza que sua argumentação desnecessária foi fundada em erros de interpretação e leitura.
    Sucesso

  • geraldo

    -

    6/3/2014 às 11:05

    Gostaria muito que alguém dessa justiça brasileira ou desses juristas e políticos que fazem leis nesse pais; me explicasse o que é pagar pena em liberdade. Se pena é pena como pode ser paga em liberdade. No Brasil todo cidadão tem o direito de matar o primeiro, só que eles continuam matando e fica tudo bem. Tenho vergonha de ser brasileiro:pais da corrupção, do crime sem pena,dos 10% mais ricos, ser politico no Brasil virou profissionalismo.

  • João Augusto

    -

    5/3/2014 às 16:40

    Caro Marcelo dos Santos,
    Na minha opinião a mídia é sim um canal indutor de conhecimento. Um veículo de comunicação que aborda temas das mais diferentes áreas do conhecimento é um instrumento importante para o conhecimento. O que não é o caso das opiniões pessoais deste ou daquele jornalista, afinal de contas não se pode comparar uma notícia(uma fato concreto), com uma opinião pessoal, muitas vezes fruto de crenças e preferências ideológicas. É difícil de verdade acreditar na imparcialidade tendo muitas vezes que ouvir o comercial ou mesmo outros interesses.. Que bom seria passar somente a notícia, mas você sabe que isso é uma utopia.
    É óbvio que as experiências são importantes!
    É claro que somente é possível construir um bom debate se houver alguma base no conhecimento, é fácil discordar de uma opinião, mas não é fácil discutir seja lá o que for sem embasamento. Afinal de contas opiniões mudam, enquanto o conhecimento você aprimora.
    Eu também acho que o Rodrigo Constantino, incentiva as pessoas a construirem o seu ponto de vista. E isso é muito bom!
    Não acredito sinceramente que seja possível construir uma nação melhor principalmente do ponto de vista social, se não oferecer ao seu povo uma condição mínima de acesso ao conhecimento. Portanto compartilho com aqueles que dizem que uma nação não será livre enquanto tiver que conviver com índices alarmantes de analfabetismo. Meu caro Marcelo, quando eu digo nunca, estou me referindo a mudanças nas redações, não estou falando de Inovação Científica. Afinal de contas as pesquisas estão ai justamente para inovar. Me perdoe mas em nenhum momento eu disse que opiniões constroem conhecimento, opiniões constroem debates apenas isso…Livros e professores, estes sim constroem conhecimento.
    Espero não ter sido contraditório, e antes que eu me esqueça me perdoe sinceramente por não ter sabido respeitar o seu ponto de vista.

  • wison antonio

    -

    4/3/2014 às 21:30

    não gosto de política nem tão pouco dos políticos,pois por causa deles vivemos na miséria e num país que não se cumpre as leis,sou a favor da pena de morte e de um regime que façam cumprir as leis,pois nem um político presta nem vai prestar.

  • Laura

    -

    4/3/2014 às 0:42

    Certamente estão indignados, porque a imprensa brasileira dos últimos 15 anos ficou caolha e enxerga com um olho só : o esquerdo! Se quer tiveram coragem de reagir à queda da obrigatoriedade do diploma, o Sindicato então, se calou. A maioria que se diz jornalista defendem o Comunismo mas desconhecem que se isso acontecer, serão eles os primeiros a serem calados. Parabéns Raquel.

  • paulo alencar

    -

    28/2/2014 às 11:26

    Precisamos de jornalistas que falem a verdade doa a quem doer vejo uma clara decadencia da imprensa que de modo estranho nao fala mais nada de interesse do povo apenas os enunciados de noticias e so, a imprensa e a boca do povo e tem que viver para o povo ja que ‘politicos so estao preocupados com seus partidos’e o povo e o ultimo da lista como aquele cachorro que espera cair da mesa de um banquete um osso pra roer, parabens estou contigo brava REPORTER!!!

  • tche mendes

    -

    27/2/2014 às 15:43

    se eventualmente eu puder adquirir um canal de tv, com certeza seria minha primeira contratada, o ,problema é que todas as fortes opiniões, são sempre analizadas sobre o prisma da politica, coisa de um pais com mais de 30 partidos, e 50 religiões. de toda a sorte viva a pseudo democracia;;;;;

  • Marcelo dos Santos

    -

    27/2/2014 às 13:43

    Ao João Augusto.
    Caro João Augusto,
    Lamento que meu comentário tenha parecido “sempre” contraditório. Espero que agora possa ao menos entender minha linha de raciocínio. Vamos por partes.
    Primeiro. A mídia, em sua maioria, não vende conhecimento. Ela vende “verdades frutos de opiniões.” Quando você caracteriza Jornalismo Imparcial(sem caps lock, de forma educada pois não lhe conheço) como interpretação pessoal, livre, e não influenciada, me pergunto no que mais você acredita. Nos conceitos básicos de Processo Decisório, estudamos que o mapa mental de qualquer pessoa muda com as experiências adquiridas. É trivial que afirmar que interpretação pessoal é subjetiva e não objetiva. Justamente por ser influenciada através de experiências pessoais. Logo, de acordo com sua frase, o jornalismo nunca será imparcial.
    Felizmente, o Rodrigo Constantino incentiva as pessoas a construírem a sua própria opinião. Um processo lento e embasado. Sujeito a mudanças que devem ser acompanhadas de leituras, e não de opiniões(que podem mudar diariamente, o vulgo “de lua”)
    Segundo. Acho no mínimo infeliz sua crítica ao meu comentário. Em momento algum fui contraditório. Já você, disse que vivemos numa democracia e necessitamos conviver com a multiplicidade de opiniões e conceitos. Talvez um pouco mais de conhecimento faria você entender e quem sabe conviver com minha crítica sem ter o dispêndio de me responder e dizer que minha confusão não leva a nada. Me desculpe, mas a confusão foi sua. A não ser que você pregue a bandeira do multiculturalismo e acredite que podemos conviver com a ignorância. A ignorância é gerada pelo multipensar, ou duplipensar. Vale a pena pesquisar o segundo termo no livro do Constantino.
    Terceiro. Não é a opinião do jornalista que não deve ser influenciada(coisa impossível, segundo o Processo Decisório). Ele como agente emissor deve ter a responsabilidade e cordialidade de somente passar a notícia. Concordo que emissoras selecionam e vetam coisas que possam prejudicar a si mesma. Ninguém quer se prejudicar. Mas você não sabe a confusão de conceitos gerada quando um jornalista “opina” sobre o PIB, por exemplo.
    Quarto. Não sou esquerdista, pelo contrário. Não prego o que não faço. Gostaria de terminar com essa frase sua: “No entanto nunca será possível ter conhecimento sem ouvir o que dizem os especialistas mesmo que sejam eles posicionamentos contraditórios ou reverso ao que acreditamos”. O conhecimento é condição necessária para a realização da sua frase. Porém, mesmo tentando complementar sua argumentação, é impossível dizer nunca. Uma prova? Leia os livros de economia de Gregory Mankiw, e Freakonomics. Pesquise sobre inovações científicas. Aí talvez você entenda que opiniões não constroem conhecimento, e sim o contrário. E é essa minha verdade às grandes mídias.
    Aguardo uma resposta que não seja contraditória.

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados