Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Plebisul: Corrupção e crise motivam votos na consulta separatista

A votação informal sobre a criação de um novo país ocorre nesse sábado no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná

Duas amigas na faixa dos 50 anos se cruzam na calçada. “Chega ali e vota!”, convida uma delas. “É política? Tô fora”, responde a outra. “Nããão. É para separar o Sul do Brasil”, explica a primeira. “Ah, bom! Se é para separar, separemos”, diz a amiga já convencida. A cena acompanhada pela reportagem ocorreu em Porto Alegre, na manhã deste sábado, dia da votação informal para a separação do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná para a criação de um novo país. Chamada de Pleblisul, a consulta é promovida por voluntários do movimento “O Sul é meu país” em pelo menos 900 cidades dos três estados, com cerca de 3 mil urnas. A causa chegou a receber apoio dos separatistas de São Paulo. O Movimento República de São Paulo (MRSP) divulgou uma nota em apoio aos sulistas. A votação ocorre também na semana em que a tentativa de separação da Catalunha da Espanha ganhou atenção mundial.

Na urna acompanhada por VEJA, a maioria dos participantes tem como motivação para o voto pela separação a corrupção política e a crise econômica do país. “Nós somos constrangidos a viver nessa miséria. Estou muito insatisfeita com a administração de Brasília”, disse a dentista Denise Kaliolosly de Oliveira, de 58 anos. “A ideia é boa porque vai melhorar nossa economia, separando pode melhorar muito”, disse a estudante Cristine Fontana, de 18 anos. Além dos convictos pela separação dos três estados do Sul, há também quem ache a ideia de um novo país “radical”, mas ainda assim votou a favor para expressar sua indignação. “A ideia é um pouco radical, mas a separação dos governos me agradaria. A gente tem um país com pouca ética, um governo muito centralizado e pouco aberto. A administração fica descontrolada e acaba em corrupção. Sempre se teve a ideia de que o Rio Grande do Sul é próspero, mas o estado também está em crise”, disse o bancário Walter Germano Behz, que teme a privatização do Banrisul, onde trabalha.

O bancário Walter Germano Behz (de colete) marca na cédula seu voto no Plebisul, a consulta informal para a criação de um novo país (Paula Sperb/VEJA.com)

“Começou de novo essa ladainha?”, disse uma mulher contrária à separação que passou em frente ao local de votação. “Quem é contra também pode votar e optar pelo não. É uma consulta democrática”, explicou o voluntário Gilberto Amadeo Simon, de 50 anos. Das 8h até as 17h, “sem almoçar”, Simon será o responsável pela urna. O servidor público se voluntariou há seis meses e desde então tem ajudado o movimento. Por causa dele, Ronaldo Camboim Forcin, de 49 anos, também passou a militar pela causa. “Há algum tempo já pesquisava sobre o assunto. Tinha uma impressão errada, mas fui me aprofundando e entendi melhor a poposta”, explicou Forcin. A desigualdade entre o que os estados do Sul entregam à União em tributos e o que retorna como investimento é o que motiva os dois voluntários a divulgarem a ideia de um novo país. “É corrupção, mas não só. É a questão econômica”, disse Simon. Os dois discordam da ideia de que o separatismo é xenófobo, uma das principais críticas dos contrários ao grupo. “Quem pensa assim não está olhando para as nuances do movimento”, rebateu Simon.

A dentista Denise Kaliolosly de Oliveira, de 58 anos, reclama da economia e da corrupção (Paula Sperb/VEJA.com)

Segundo a coordenadora do grupo no Rio Grande do Sul, Anidria Rocha, a votação está sendo “pacífica e tranquila”. O único incidente, de acordo com ela, é o atarso de uma urna que não chegou a uma cidade distante. Moradora de São Jerônimo, a 70 km de Porto Alegre, Anidria relata que o movimento é intenso nas sete urnas da cidade. “Sempre tem gente votando, até um ônibus parou para o cobrador e o motorista votarem”, conta a coordenadora.

Quem chega em uma urna recebe uma cédula com as opções “sim” e “não”. Os voluntários ficam com um comprovante da cédula e o voto é depositado em uma urna. Em seguida, os participantes são convidados a assinarem o “Projeto de Lei de Iniciativa Popular” que será entregue às assembleias legislativas dos três estados para que um plebiscito formal possa ser convocado em 2018 simultaneamente às eleições de outubro do ano que vem. Para ser votado oficialmente, o projeto precisa ter assinaturas de no mínimo 1% dos eleitores de cada estado.

Cédula para a votação informal sobre a criação de um novo país com a separação do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná (Paula Sperb/VEJA.com)

Apesar do desejo de formar um novo país com os estados do Sul, o grupo esbarra no primeiro artigo da Constituição brasileira que determina que o país é formado “pela união indissolúvel dos estados”. Conscientes da barreira jurídica, os separatistas apelam para o direito internacional alegando que proibir a separação do Sul descumpre o princípio da “autodeterminação dos povos”. Para Luís Renato Vedovato, professor da Unicamp, entretanto, a situação do Sul não se encaixa nas prerrogativas reconhecidas internacionalmente. “O direito internacional só reconhece o direito à separação em três hipóteses: jugo colonial [quando o país é colônia de outro], dominação estrangeira [quando um país invade outro] e graves violações dos direitos humanos [como no caso do Kosovo, que foi separado da Iugoslávia]”, afirma.

O professor é autor de um artigo publicado em 2016 em um periódico científico da Universidade de Oxford, na Inglaterra, em conjunto com Alexandre Andrade Sampaio. No texto, os docentes analisam as particularidades do movimento separatista do Sul. “O que a gente percebeu é que o movimento brasileiro é o único do mundo que não tem como reivindicação a busca de mais direitos para aqueles que querem libertar. Eles têm como pauta que o restante do país passou a ganhar mais”, disse Vedovato a VEJA.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Que maravilha seria: do paraná para baixo e da bahia para cima. Só proponho , como castigo, o grupo que ficar por último na “decisão”, fica com o rio de janeiro

    Curtir

  2. José Vital Leite

    Ainda bem que a Bahia já se separou do Brasil. A única coisa que ficou foi o mapa, pois os brasileiros fazem questão de ter igual ao da Bahia.

    Curtir

  3. Luiz Chevelle

    Proponho a criação da República do Rio Grande do Norte.

    Curtir

  4. Adelar Bitencourt Rozin

    O direito internacional: O jugo colonial seria melhor, pois agora o quinto dos infernos que o império exigia( 1/5 ) foi inverntido e a republica fica com 4/5 e nos mais o 1/5 dos infernos apenas. ISSO é pior que jugo colonial ! Autodeterminação é um direito humano e quando um país não respeita essa vontade soberana deixa ser democratico e aí desrespeita os tratados internacionais. (OEA)https://blogdorozin.blogspot.com.br/2017/10/uniao-dissoluvel-ou-indissoluvel.html

    Curtir

  5. eduardo Souza

    Ja demorou… Estados que nem mesmo conseguem pagar os salarios do funcionalismo e vivem pedindo arrego para o governo federal!!
    separa logo.

    Curtir

  6. Paulo Roberto

    Será que nunca seremos originais em nossas ações? Parece uma cópia de mau gosto do Brexit e do movimento Catalão , com motivos mais complexos que os nossos. Afinal é mais fácil sair do barco do que tentar consertar os furos que o fazem afundar. Vão ajudar alguma asilo e idosos ou orfanato que estarão usando melhor o seu tempo do que esses arroubos de ignorância!

    Curtir

  7. Social Democrata Nem Direita Nem Esquerda

    Piada! E mais uma vez essa jornalista que apoia arte obscena, apoia essa palhaçada inconstitucional.

    Curtir

  8. Social Democrata Nem Direita Nem Esquerda

    Eu apoio. São Paulo e Minas agradecem três pesos a menos. Elejam Dilma presidente e Lula vice. Pra melhorar, Vaccari ministro da Fazenda, Zé Dirceu da Casa Civil, isso pra começar.

    Curtir

  9. Social Democrata Nem Direita Nem Esquerda

    Depois de separados, vão comprar do Brasil tudo que é produção industrial, minério de ferro, petróleo e etc, etc, etc, etc…vai ser ótimo.

    Curtir

  10. A insatisfação com situação política e econômica do país é compreensível, mas, acredito que separar não seja solução. Pagar altos impostos e não receber nada em troca, não é uma exclusividade do sul, todos os estados e regiões do Brasil sofrem com isso. E tamanho de território não influencia na ausência de corrupção e afins, haja vista o exemplo dos EUA. É uma questão de caráter e aplicação correta das leis e sua justiça, direitos e deveres.

    Curtir