Blogs e Colunistas

25/08/2011

às 17:45 \ Vasto Mundo

Os horrores que as mulheres vivem na Índia

Mulheres-indianas-barbaridades-horrores

Mulheres indianas: epidemia de Aids, discriminação, violência, escravidão... (foto: Exame)

Amigos do blog, muito tem se falado sobre o potencial econômico da Índia, um dos quatro países considerados “emergentes” (ou “mercados de crescimento”, segundo nova nomenclatura proposta pela gestora de ativos Goldman Sachs). De fato o gigante asiático se desenvolve em ritmo frenético, este ano tendendo a atingir 8,2% de crescimento.

Mas, como seus companheiros neste grupo – Brasil, China e Rússia –, a segunda nação mais populosa do mundo possui também seriíssimos problemas sociais. Entre os quais, saltam aos olhos primeiramente as colossais pobreza e desigualdade, acentuadas por uma cultura de corrupção que esta semana ganhou as manchetes com a greve de fome do ativista Anna Hazer, de 74 anos, em favor de leis mais severas contra a roubalheira.

Como se fosse pouco, a Índia também enfrenta uma crise extremamente grave envolvendo milhares de mulheres, da qual se fala pouco. Em entrevista publicada hoje (25) no jornal espanhol La Vanguardia (clique aqui para ler a íntegra, em espanhol), Parvinder Singh, 38, economista e diretor de comunicação da filial indiana da organização humanitária internacional Action Aid, revela detalhes pavorosos sobre o sofrimento feminino no país.

Parvinder-Singh-La-Vanguardia-Mulheres-na-Índia

Parvinder Singh: trazendo à tona o lado mais sinistro da Índia (foto: Xavier Cervera - La Vanguardia)

Singh denuncia, entre outras calamidades, a violência machista, a epidemia de Aids entre mulheres – que segundo ele atinge também nada menos que 400 mil crianças – e o consequente preconceito que a doença gera, além de alertar que o aborto seletivo por sexo é o principal culpado pela constante diminuição de mulheres nos informes demográficos do país. O censo indiano 2011 constatou que há 37 milhões de homens a mais do que mulheres, de uma população total superior a 1,2 bilhão.

De acordo com Singh, que vive na enorme metrópole Nova Déli, é muito comum, sobretudo nas castas mais baixas indianas, mulheres mal saídas da adolescência contraírem HIV de maridos com quem nem sequer desejavam se casar. Para completar, ainda sofrem forte discriminação e, não raro, são expulsas da família por causa da contaminação. “Os homens reagem à notícia rejeitando-as e fornicando com garotas, porque desta forma acreditam que se curarão da Aids”, acusa o ativista. Por outro lado, ele também é otimista ao elogiar a bravura das portadoras do vírus que viajam pelo país tentando convencer outras mulheres na mesma condição a procurarem centros de tratamento.

Singh destaca ainda que na sociedade indiana “o patriarcado é um estado mental” e que “os direitos das mulheres não são assunto entre homens, só aparecem quando as mulheres começam a reclamá-los. À medida em que mais mulheres expressam seu descontentamento, aumenta a violência”. O economista ilustra esta violência com números de um estudo no qual 44% das mulheres entrevistadas revelaram já terem sido espancadas por seus maridos, ao mesmo tempo em que 49% consideravam as agressões algo normal.

As barbaridades não param por aí. Aliás, pioram. A certeza de que muitas famílias indianas têm de que as mulheres devem ser menos valorizadas do que os homens, entre outros motivos, repercute assombrosamente no costume de “aborto seletivo”, muito em voga na Índia. Sobretudo, avisa Singh, nas castas mais altas. “Há mulheres que ficaram grávidas cinco ou seis vezes, e foram abortando até que nascesse o macho”, diz.

Existem dados que embasam a afirmação: de acordo com o diretor da Action Aid, nas zonas mais ricas do país nascem apenas 610 meninas para cada 1.000 meninos. As consequências são cada vez mais tenebrosas. “Já há uma geração de jovens adultos que não encontram mulheres para casar, o que está provocando um crescente descontentamento social e o tráfico de meninas de zonas pobres, que acabam como escravas sexuais”, afirma Singh.

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

13 Comentários

  1. EDILENE WOLOSKI

    -

    29/03/2014 às 11:31

    Mesmo sendo cultura, como pode um pais viver assim com tanto descontentamento feminino, muito triste

  2. Maria das Dores

    -

    13/02/2014 às 15:29

    E uma pena que a Índia não valorize a mulher porque o meu sonho e conhecer a Índia…

  3. Marcia

    -

    27/11/2013 às 17:53

    Puxa que pena, pois meu sonho é conhecer a India.

  4. ANA

    -

    25/01/2013 às 16:40

    Tomara que a India daqui uns tempos fiquem sem mulher assim como outros países machistas.E os outros países que tem mulheres deveriam proibir que os indianos,chineses casarem com as mulheres de seus respectivo países.Que eles fiquem sozinho sem mulher.

  5. bianca

    -

    31/10/2012 às 20:38

    oi, meu nome eh bianka, e sinceramente.. pra mim, isso n tem logika o cara se casar pra matratar, pow… mais deixaa, ki o inferno aguarda as pssoas ki n sao boas com o proximo! obg peol conteudo, vai ajudar na noite literaria

  6. elisângela

    -

    02/10/2012 às 8:28

    no nordeste não e assim não, nem todas as mulheres são maltratadas.isso acontece em todo lugar, porque ainda ha homem machista. o nordeste e muito discriminado, mais saibam que o nordeste e uma região que tem pessoas inteligentes não e só burra não, e nem são pobres de mais não. Do nordeste já saiu foi muita gente que hoje e reconhecido internacionalmente e nacionalmente!!!comprova que o nordeste tem potencial.

  7. zé manuel

    -

    27/08/2012 às 18:58

    tô achando engraçado brasileirinhos estarem indignados com o tratamento que dão às mulheres na india, e no brasil????? nos sertÕes do nordeste é diferente o tratamento????? são tratadas na base da chibata… em cada casebre sai o jagunço com a fila de quinze filhos e por último a mulher com mais um na barriga. É diferente da india????? já para o eixo rio-sampa-minas e porto alegre as “minas” comandam a “libertinagem geral”, quantas crianças abandonadas em sacolas ao deus-dará????? por isso digo= brasileirinhos, não queiram dar lição de moral, olhem para trás e verás a imoralidade, sacanagem,libertinagem nunca antes vista em lugar algum…

  8. marcia

    -

    01/04/2012 às 22:13

    eu acho estranho os homens indianos maltratarem tanto as mulheres de seu país.So a usam para reprodução ( como dizem)….só se ve homem junto com homem….estranho isso… ?????????????

  9. tico tico

    -

    27/08/2011 às 16:49

    Não nos esqeçamos das mulheres da idade média, das de um deserto fabricador de deuses com prepostos e tudo, das mulheres da maioria dos países africanos, das do Japão que jamais podiam andar à frente dos seus consortes, das chinesas e por aí vai. A quantidade de viados na terra é muito maior do que se imagina.

  10. Mari Labbate

    -

    26/08/2011 às 9:48

    NÃO é só, na ÍNDIA, que as mulheres vivem HORRORES! Quando o confronto ocorre, entre mulheres, o desespero é TOTAL! Sem falar no desencanto. Bem, eu não votei, porque não acreditei nas falsas promessas da “bela sereia”…

  11. G. Carvalho

    -

    25/08/2011 às 23:00

    Mas, registre-se, há um número crescente de indianas cansadas do status quo e dispostas a dar o troco. A preferência por filhos resulta, em certas regiões, em escassez de mulheres, que não relegam a lei da oferta e procura. Já existem homens desesperados na India, como na China e no Japão, porque mulheres mais educadas, ou de espírito empresarial, se recusam a casar-se nas presentes condições, deixando os caras… na mão. Veneno e antídoto correspondente.

  12. Paulo Bento Bandarra

    -

    25/08/2011 às 19:09

    uma população total superior a 1,2 bilhão. É, quantidade não trás felicidade!

  13. Miguxa

    -

    25/08/2011 às 18:44

    Cadê os direitos humanos internacionais para interferir nessa situação?
    E na China? O que eles fazem com as crianças de lá? Basta ver no youtube sobre orfanatos na China. Ninguém sabe ou ninguém viu?
    Ah, sei. China e Índia têm bomba atômica e um exército assombroso, né?
    Entendi…
    Enquanto isso ficam metendo o bico aqui no Brasil querendo dar ordens aos nossos governantes.

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados