Blogs e Colunistas

05/05/2013

às 15:00 \ Tema Livre

FOTOS INÉDITAS: Winston Churchill, o mito, um dos colossos do século XX, em raras imagens da intimidade

Winston-Churchill-Life

Em imagem nunca antes publicada, Winston Churchill relaxa ao lado do fiel cão, Rufus, em sua casa em Chartwell, sudeste da Inglaterra, em 1950. (Foto: Mark Kauffman—Time & Life Pictures/Getty Images)

Um dos grandes estadistas do século XX — para muitos, o maior –, o ex-primeiro ministro britânico Winston Churchill (1874-1965) deixou sua marca na história da política internacional por, entre outros feitos, seu papel essencial na vitória dos Aliados na II Guerra Mundial.

Sob sua liderança e seu carisma, o Reino Unido aguentou praticamente sozinho o tranco da poderosíssima máquina bélica da Alemanha nazista desde a queda da França, em junho de 1940, até a entrada dos Estados Unidos e da União Soviética na guerra, em dezembro de 1941.

Soldado, diplomata, político, estadista, historiador e um dos maiores escritores em língua inglesa, Sir Winston ficou mundialmente conhecido pelo semblante de buldogue, os inseparáveis e gigantescos charutos e uma capacidade inesgotável de elaborar geniais frases de efeito.

Mas Churchill foi poucas vezes fotografado fora do âmbito político. E é justamente esta faceta mais humana do mito que a revista americana Life pretende mostrar com uma seleção de imagens recém-publicadas em seu site.

As imagens, em sua maioria, saíram em diferentes edições da publicação impressa ao longo dos anos. Algumas, porém, haviam permanecido nos arquivos.

Como diz o texto de apresentação do ensaio, não é porque os retratos flagram Churchill na intimidade que são “menos impressionantes ou menos formidáveis do que o homem que desafiou obstinadamente Hitler durante os dias mais negros da Inglaterra”.

Winston-churchill-Life

Em outra imagem inédita, Churchill alimenta cisnes negros; Chartwell, 1950 (Mark Kauffman—Time & Life Pictures/Getty Images)

 

churchill-Life

Em seu escritório na mesma casa, ostentando o famoso ar de buldogue e um dos gigantescos charutos, 1949 (Foto: William Sumits—Time & Life Pictures/Getty Images)

Churchill-Life

Dedicando-se a uma de suas paixões fora da política, a pintura (Foto: Hans Wild—Time & Life Pictures/Getty Images)

Churchill-Life

Chapéu e charuto em riste, Churchill pinta mais um quadro (Foto: Frank Scherschel—Time & Life Pictures/Getty Images)

Churchill-Life

Trabalhando em suas memórias da II Guerra, três anos após deixar a primeira de suas duas passagens pelo poder, 1948 (Foto: Nat Farbman—Time & Life Pictures/Getty Images)

Churchill-Life

Em outro registro inédito, ele mostra seus dotes artísticos em cidadezinha próxima a Aix-en-Provence, na França (Foto: Frank Scherschel—Time & Life Pictures/Getty Images)

churchill-Life

Novamente em Chartwell, 1950, com a potranca Darling (Foto: Mark Kauffman—Time & Life Pictures/Getty Images)

Churchill-Life

Fumando tranquilo sob o sol do campo inglês, 1947 (Foto: Hans Wild - Time & Life Pictures/Getty Images)

Churchill-Life

Com o cão Rufus novamente, em outra foto não publicada na edição impressa da "Life" (Foto: Hans Wild—Time & Life Pictures/Getty Images)

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

15 Comentários

  1. Verlaine

    -

    08/05/2013 às 13:08

    Quem diz que nuca tivemos um Churchill no Brsil, desconhece figuras como Tiradentes, Duque de Caxias, D. Pedro II, Ruy Barbosa…

  2. sidmar guimaraes

    -

    08/05/2013 às 10:45

    Setti , Caríssimo,
    Cada país tem o estadista que merece.

  3. Zaratrusta

    -

    07/05/2013 às 22:26

    Algumas passagens imperdíveis da presença de espírito desse estadista fenomenal para desopilar o fígado:
    .
    Quando Churchill fez 80 anos um repórter de menos de 30 foi fotografá-lo e disse:
    - Sir Winston, espero fotografá-lo novamente nos seus 90 anos…

    Resposta de Churchill:
    - Por que não? Você me parece bastante saudável…

    *****************************************

    Telegramas trocados entre o dramaturgo Bernard Shaw e Churchill, seu desafeto.
    Convite de Bernard Shaw para Churchill:
    “Tenho o prazer e a honra de convidar digno primeiro-ministro para primeira apresentação de minha peça Pigmaleão. Venha e traga um amigo, se tiver.”
    Bernard Shaw.
    Resposta de Churchill:
    “Agradeço ilustre escritor honroso convite… Infelizmente não poderei comparecer primeira apresentação.
    Irei à segunda, se houver.”
    Winston Churchill.

    *****************************************

    O General Montgomery estava sendo homenageado, por ter vencido o General von Rommel na batalha da África,
    durante a 2ª Guerra Mundial.
    Discurso do General Montgomery, espetando Churchill:
    “Não fumo, não bebo, não prevarico e sou herói”.
    Churchill ouviu o discurso e retrucou:
    “Eu fumo, bebo, prevarico e sou chefe dele”.

    *****************************************

    Bate-boca no Parlamento inglês !
    Aconteceu num dos discursos de Churchill em que estava uma deputada oposicionista, Lady Astor,
    uma chata do tipo Heloisa Helena do PSOL, que pediu um aparte.
    Todos sabiam que Churchill não gostava que interrompessem os seus discursos.
    Mas, concedeu a palavra à deputada.
    E ela disse em alto e bom tom:
    - Sr. Ministro, se Vossa Excelência fosse o meu marido, eu colocava veneno em seu chá!
    Churchill, lentamente, tirou os óculos, seu olhar astuto percorreu toda a platéia e,
    naquele silêncio em que todos aguardavam, lascou:
    - Nancy, se eu fosse o seu marido, eu tomaria esse chá com prazer!

  4. ricardo

    -

    07/05/2013 às 17:12

    Esse foi “O Cara”,durante a segunda guerra.Por falar em ” o cara”,com minúscula,claro!,o Lula como estadista,deve ter a altura da sola do sapato do Churchill.Como político,a espessura da aba do chapéu.Como escritor,vale o peso da fumaça do chatuto,após uma leve tragada.Como historiador que se apropria dos feitos alheios no passado,ele vale no máximo, aquela escarrada pós chatuto.
    Finalizando,é certeza que o Lula entregaria o país depois da primeira bomba.Como?,Será?Uai..,o Evo bateu o pé,lá se foi petrobras.O padre tarado do Paraguai ameaçou,Itaipú ficou por conta.O Chávez apertou,montamos uma refinaria que eles jamais pagarão e jamais vai funcionar.
    Que estadista foi o Lula,né petezada?Como ele é patriota,né?Ahaa,já sei!Tem uma coisa que ele não entrega,nem com um 38 na nuca,a Rose,kkkk.

  5. Zaratrusta

    -

    07/05/2013 às 11:47

    Apesar de indiscutivelmente ter sido um gigante da história universal, com tirocínio brilhante e tiradas colossais que se perpetuarão para sempre, aspectos obscuros de suas convicções são patrulhadamente suprimidas de sua biografia pela GRANDE MÍDIA, com o evidente propósito de não macular seus inquestionáveis feitos, através de suas convicções racistas eugenistas e algumas declarações que seguramente deixam rastros evidentes de suas contradições pessoais, tais como o surpreendente artigo, pouquíssimo divulgado, que publicou no jornal Sunday Herald Ilustrado, datado de 08 de fevereiro de 1920 em que dizia textualmente o seguinte a respeito da consolidação da Revolução Russa de 1917:
    “Desde os dias do líder dos Illuminati de Weishaupt, aos de Karl Marx, e aos de Trotsky, essa conspiração mundial só tem crescido”… “E agora, finalmente, esta gama de personalidades extraordinárias do submundo das grandes cidades da Europa e América, seguram o povo russo pelos cabelos de suas cabeças e se tornam os mestres indiscutíveis desse enorme império”.
    .
    Para os possíveis interessados de plantão, sugiro se informarem sobre o que foi de fato o EUGENISMO, e no que posteriormente se transformou, ao servir de embasamento teórico para o Darwinismo Social, que culminou em diversas concepções racistas com resultados genocidas em sua aplicação. Como consequência direta de sua aplicação na Índia-Paquistão pelos ingleses durante o século XIX (pouco divulgado) devido às mudanças do modelo de agricultura introduzidas pelos britânicos durante sua dominação e devido às consequências do fenômeno climático “El Niño”, (irresponsavelmente?) morreram de fome cerca de 60 milhões de indianos durante um período de secas das monsões no século XIX, que seria conhecido como “Holocausto Tardio da Era Vitoriana” em função da política Mercantilista Inglesa estabelecida na Índia-Paquistão daquela época.
    .
    Só para pontuarmos fatos de pouquíssima divulgação….. e começarmos a desanuviar nossa visão de mundo!

  6. Geraldo

    -

    07/05/2013 às 11:38

    Setti,
    Como diziam: “um país se faz com homens e livros”. A Grã-Bretanha teve os dois…

  7. Adilson Minossi

    -

    06/05/2013 às 23:04

    Lamentavelmente não temos e nunca tivemos homens desse quilate aqui no Brasil. Temos apenas um, ainda vivo, que bebe dez vezes mais do que o grande premiê inglês, mas que por outro lado não vale a unha do dedinho do pé do original.
    Churchill bebia mas não roubava.

  8. Luiz Pereira

    -

    06/05/2013 às 21:54

    Setti,
    Churchill havia dito que a Inglaterra declararia guerra ao Japão, de plano, se este atacasse os EUA. E assim foi feito após Pearl Harbor.
    A carta anunciando em “que há um estado de guerra entre nossos países”, termina com uma saudação de Churchill se colocando de modo humilde perante o Imperador do Japão.
    Seu secretário o advertiu dessa sua saudação final.
    Churchill fulminou: ora, se vamos matar um homem, não custa nada a ser gentil.
    abs

  9. carlos nascimento

    -

    06/05/2013 às 16:59

    Ok.
    Como se explica então o excesso de Black Label com soda, da Johnny Walker, que ele entornava desde muito tempo, alias, não tinha hora, dizem que já acordava buscando o black.

    Gostar de beber ou mesmo beber demais não está necessariamente ligado ao sentimento de solidão, caro Carlos.

  10. carlos nascimento

    -

    06/05/2013 às 15:22

    Ricardo,
    Me tire essa dúvida: seria Churcill um homem solitário ?
    Caso positivo, é quase certo afirmar, gênios quase sempre são pessoas que vivem em estado de introspecção ?

    Não me parece. Embora criado virtualmente pela governanta ou babá — seus pais eram distantes, como costume entre a elite briânica na época em que nasceu, nos anos 70 do século XIX –, ele teve uma vida escolar e acadêmica movimentada, muitos amigos e muitas namoradas. Como soldado, viveu suas aventuras e fez novos amigos. Casou-se com a futura “Lady” Clementine e tiveram 5 filhos — depois, um batalhão de netos.
    Churchill gostava muito de viajar, comer, fumar charutos, beber, conviver com mulheres bonitas. Não são características de um homem solitário, não.

  11. Corinthians

    -

    06/05/2013 às 6:48

    Inveja da Inglaterra.
    Churchill e Thatcher.
    Enquanto aqui….

  12. moacir

    -

    05/05/2013 às 20:36

    Setti,
    Aí está em belas fotos um dos maiores estadistas do século XX.Jamais enganou seu povo lhe afirmando que ganharia ,SIM, a guerra mas ao preço de sangue suor e lágrimas.Foi fundamental na condução e na vitória aliada,da Segunda Grande Guerra.
    Chamava a própria depressão de Black Dog.Bebia muuuito e lembro ter lido que, certa noite,assim respondeu às provocações de uma adversária política:
    “I may de drunk,Miss,but tomorrow I will be sober
    and you will still be ugly ”
    Grande Churchill
    Abraço

  13. Matheus

    -

    05/05/2013 às 18:28

    Pato x São Paulo. Pato, é claro !

  14. Verlaine

    -

    05/05/2013 às 15:16

    Esse cara tomava meia garrafa de Scotch por dia. Era notório. Reza a lenda que o Roosevelt queria que ele trocasse o scotch pelo bourbon. Uma questão de propaganda para os yankees. E advinha: O Churchill realmente preferia o bourbon. Mas por lealdade a Rainha e ao império, ele ficou com o scotch…

  15. Verlaine

    -

    05/05/2013 às 15:11

    Mestre Churchill! Esse cara era demais. De vez em quando escuto aquele discurso dele que inflamou a Grã-Betanha na segunda guerra. O do “we shall never surrender”. Emociona!

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados