Blogs e Colunistas

Sandro Rosell

12/09/2013

às 17:12 \ Tema Livre

FUTEBOL: O grande Cruyff surpreende e diz que vai torcer contra seu time de coração — o Barça — na Copa dos Campeões

Cruyff diante de um cartaz de sua fundação: ocupando lugar de honra no panteão dos maiores de todos os tempos (Foto: Claudio Versiani)

Ele revolucionou, como jogador e como técnico, o jeito de jogar futebol do F. C. Barcelona, é considerado o grande criador e inspirador do estilo de jogo que fez do Barça o melhor time do mundo, vive na cidade de Barcelona há 40 anos, tem três filhos catalães e chegou a ser presidente de honra do clube — honraria que lhe foi vergonhosamente retirada pelo presidente do Barça, Sandro Rosell, pouco depois de assumir, em 2010.

Por isso, obteve enorme repercussão a entrevista que o grande Johann Cruyff — um dos gigantes definitivamente entronizado no panteão dos melhores da história — concedeu a uma emissora de TV de seu país, a Holanda.

Cruyff como jogador do Barça, saudando a torcida: carreira impressionante, com 22 titulos e 3 Bolas de Ouro (Foto: EFE)

Perguntado sobre para que time torceria no confronto que terão, na fase de grupos da Copa de Campeões da Europa, o Barça — clube central em sua vida — e o Ajax, time holandês em que se projetou, Cruyff surpreendeu ao responder:

– Pelo Ajax, claro.

O repórter perguntou:

– O senhor vai assistir à partida que os dois travarão no Camp Nou [campo do Barça]?

Cruyff respondeu:

– Não. Não piso no estádio enquanto Sandro Rosell for presidente do clube.

Homem de vida pessoal irrepreensível, financiador do próprio bolso de uma fundação que aos oucos se espalha pelo mundo e trabalha em prol da educação e do esporte, Cruyff não apenas ficou justamente chateado pela desfeita de Rosell em relação a seu título honorífico. Ele tem sérias reservas sobre a forma como o ex-alto executivo da Nike administra o Barça, embora evite comentar em detalhes o que sabe.

Para se compreender bem o que significa a entrevista de Cruyff e seu peso no futebol do Barça, da Espanha e da Europa, é preciso lembrar que, em sua trajetória como jogador, ele abocanhou 22 títulos, ganhou três Bolas de Ouro e fez 425 gols em partidas oficiais. Como treinador, foi 14 vezes campeão.

O grande Johann Cruyff, hoje com 65 anos, não apenas em seus primeiros anos colocou a Holanda no mapa do futebol ao ganhar incríveis e sucessivas três Copas dos Campeões da Europa (hoje Champions League) com o então pouco expressivo Ajax (1971, 72 e 73) como depois encabeçou a Laranja Mecânica, lendária seleção de seu país que encantou o mundo na Copa de 1974.

Contratado pelo FC Barcelona em 1973, seu futebol extraordinário foi decisivo para levar o clube, logo em 1974, a seu primeiro título de campeão da Liga Espanhola após uma dolorosa travessia do deserto que já durava 14 anos.

Após passagem pelo futebol norte-americano e um retorno à Holanda, voltaria ao Camp Nou para fazer história como técnico do fabuloso dream team do Barcelona no início dos anos 1990, faturando quase inacreditáveis quatro títulos espanhóis consecutivos e a primeira das três Copas da Europa ostentadas hoje pelo melhor time do mundo.

“Cruyff deixou no Barcelona um testamento ideológico, trabalhado sobre o gosto futebolístico do espectador, a quem ele educou”, disse certa vez o ex-craque argentino Jorge Valdano, ex-diretor de esportes do maior rival do Barcelona, o Real Madrid. “A ponto de que hoje é impossível triunfar no Barcelona sem jogar bem o futebol. Em Barcelona, ele é como o Oráculo”.

 

LEIAM TAMBÉM:

O grande Cruyff, um dos maiores craques da história, em entrevista: “Futebol é inteligência e qualidade, mas também um pouco de amor. Se não, só o dinheiro não funciona.”

Exceção entre ex-astros do esporte, Johan Cruyff mostra facetas humanitária e educativa com fundação e instituto em seu nome

05/03/2012

às 14:00 \ Política & Cia

Aldo Rebelo defende eleição direta para presidente do Palmeiras. Já para a UNE, dominada por picaretas de seu partido, o PC do B…

Aldo Rebelo, palmeirense de escol, quer eleições diretas para a presidência do clube. Já para... (Foto: exame.abril.com.br)

Está certo, certíssimo o ministro do Esporte, Aldo Rebelo — o principal quadro político do PC do B –, em defender que os sócios do Palmeiras, seu clube do coração, elejam diretamente o presidente, no começo de 2013.

Como a grande maioria dos clubes de futebol do Brasil, o Palmeiras é dirigido bionicamente por presidentes eleitos por algumas centenas de conselheiros que, estes sim, são eleitos pelos sócios. Excetuados, é claro, os vitalícios, cuja existência é prevista nos estatutos de muitosclubes.

Esse sistema atende com grande frequência a interesses particulares e políticos dos mesmos de sempre, que, ora na oposição, ora no poder, são os que conduzem os grandes clubes.

A eleição direta tem como grande exemplo internacional o Barcelona, por acaso o melhor time do mundo, que desde 1953 assim elege seu presidente. O atual, Sandro Rosell, foi legitimado por 61% do impressionante número de sócios que votaram — pouco mais de 60 mil –, em junho de 2010.

Congresso da UNE em Goiânia, em julho do ano passado: os picaretas não querem eleição direta de jeito nenhum (Foto: Agência Brasil)

No Brasil, entre outros, o Corinthians é um dos poucos times que, por milagre, se livraram das eleições biônicas.

Está tudo muito bem, está tudo muito bom. Rebelo é a favor de eleição direta no Palmeiras.

Mas por que ele também não estende essa sede de democracia para a União Nacional dos Estudantes (UNE), cujos picaretas mamadores nas tetas do governo são eleitos de forma biônica e se opõem com a energia de cães raivosos à menção de eleições livres ?

Por acaso, por mera coincidência, naturalmente, a UNE é há anos dominada por grupelhos do PC do B, partido do ministro.

17/02/2012

às 16:21 \ Tema Livre

Juca Kfouri mostra as estranhas relações do cartola Ricardo Teixeira com o presidente do Barça

O cartola Ricardo Teixeira: a conta da filha de 11 anos recebe dinheiro gordo do presidente do Barcelona (Foto: Wilton Junior / Agência Estado)

Amigos, o grande jornalista Juca Kfouri dá um grande furo hoje, em seu blog, sobre as cada vez maiores zonas de sombra do já quase ex-eterno presidente da CBF, Ricardo Teixeira, que, segundo reportagem de VEJA, está se desfazendo de sua fortuna, estimada em 50 milhões de reais — vindos de onde? — e mudando para o exterior, “para driblar futuros processos na Justiça”.

Mas a nota de Juca Kfouri, sob o título de “Sandro Rosell depositou na conta da filha de Ricardo Teixeira”, traz à tona algo pouco explorado pela nossa mídia: os cinzentos negócios e interesses de Sandro Rosell, ex-alto executivo da multinacional de artigos esportivos Nike e presidente do FC Barcelona, o melhor time do mundo.

Sandro Rosell depositou 3,8 milhões de reais na conta de Antônia Wigand Teixeira, numa agência do Bradesco, a de número 6592-7, na avenida América, Barra da Tijuca, no dia 22 de junho do ano passado.

Rosell é sócio da Alianto, a empresa que recebeu 9 milhões de reais do governo de Brasília, sem licitação, pelo amistoso da Seleção Brasileira contra Portugal, em 2008, evento que está sob investigação do Ministério Público e mais que suspeito de superfaturamento.

A Alianto foi também dona da VSV Agropecuária, que tinha sede na fazenda de Teixeira em Piraí, interior do Rio, e cuja sócia, a secretária de Rossel, Vanessa Precht, emitiu cheques em nome do cartola da CBF segundo apurou a Polícia Civil em Brasília.

O presidente do Barcelona, Sandro Rosell (Foto: guardian.co.uk)

Rosell (Alexandre Rosell i Feliu, CPF- 05X.8Y9.W47-62) é atual presidente do Barcelona e ex-homem forte no Brasil da Nike, fornecedora da CBF.

Uma das razões para anunciada saída de Teixeira da CBF e ida para Miami é exatamente a filha Antônia (CPF- 16X.5Y4.W17-11) que, aos 11 anos, tem ouvido comentários desagradáveis sobre o pai na escola, no Rio.

(As letras em ambos os CPFs correspondem, evidentemente, a números que o blog prefere não revelar).

Nota do blog, às 13h35: Não poucos leitores estranharam a publicação da foto em que Antonia aparece com os pais, sugerindo que fosse retirada para não expô-la.

Ao publicar a foto, de resto consentida pelos pais que nela aparecem com a filha, da revista IstoÉ Gente, e que está disponível nos sítios de procura da internet, não ocorreu ao blogueiro nenhum tipo de problema.

Mas diante das ponderações e por não ser a foto, neste caso, uma informação essencial, ela foi retirada.

27/05/2011

às 18:16 \ Tema Livre

Amigos, não gostei do novo uniforme do Barcelona, o melhor time de futebol do mundo

Amigos, vi de perto e não gostei do novo uniforme do melhor time do mundo, o Barcelona.

Começa que o único grande clube do planeta que não levava patrocínio comercial na camiseta agora rompeu  a tradição, imposta pelo balanço financeiro: o novo uniforme número 1 terá, na parte da frente, a marca da Catar Foundation, empresa do emirado onde se disputará a Copa do Mundo de 2022 e que está pagando 30 milhões de euros (cerca de 70 milhões de reais) por temporada — sim, por temporada! — para aparecer no peito dos craque do Barça nos próximos 4 anos.

O Barça, que levava orgulhosamente na parte anterior da camiseta a marca do Unicef — o Fundo das Nações Unidas para a Criança, a quem o clube ajuda com contribuições de vulto –, agora a relegou para a parte inferior traseira do uniforme, abaixo do números dos jogadores.

O novo presidente, Sandro Rosell, eleito no ano passado, resolveu que tanto dinheiro do Catar era irrecusável para um clube deficitário (explicarei em detalhes em um post próximo como é possível isso).

A camisa da última temporada tinha listras mais largas e cores mais brilhantes

Não foi só isso de que não gostei, não, amigos. As tradicionais listras azuis e grenás, que a Nike inventou de terem espessuras diferentes, que mudam, afinando, ao longo da camisa, me deram a impressão de pijama ou, pior ainda, de roupa de presidiário.

Além disso, achei as cores, tanto o azul como o grená, menos brilhantes e bonitas do que eram no uniforme usado na temporada que se encerra (veja a foto à direita). Finalmente, não entendi como um time que o símbolo do nacionalismo catalão retirou das golas das camisetas o amarelo da bandeira da Catalunha — a outra cor, em listras, é um vermelho alaranjado –, que sempre esteve ali.

Enfim, é só minha opinião. Muita gente deve ter achado lindo o novo uniforme. Eu, não.

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados