Blogs e Colunistas

canal de transposição do rio São Francisco

27/06/2012

às 16:40 \ Política & Cia

Carlos Brickmann: Entregues as obras do primeiro trecho da transposição do São Francisco. Duas perguntas: 1) por que o Exército tocou as obras? 2) por que o Exército pagou passagens e hospedagens a jornalistas que foram cobrir o acontecimento?

Nessa quarta-feira (20), após terem sido investidos R$ 143,2 milhões, o Exército Brasileiro entregou as obras do Eixo Norte do Projeto de Integração do Rio São Francisco ao Ministério da Integração Nacional, em Cabrobó, no Sertão de Pernambuco.

Dia 20 de junho, após terem sido investidos 143,2 milhões de reais, o Exército Brasileiro entregou ao Ministério da Integração as obras do Eixo Norte do do canal de transposição do rio Rio São Francisco em Cabrobó (PE) (Foto: Exército Brasileiro)

Reproduzo nota publicada por Carlos Brickmann no Observatório da Imprensa.

Quem paga?

Grandes jornais cobrem a inauguração do primeiro trecho pronto do canal de transposição do rio São Francisco, entregue pelo Exército. Duas dúvidas

1. É missão do Exército supervisionar obras, exceto talvez em emergências? Certamente não falta competência às Forças Armadas, mas estará a construção civil entre suas atribuições específicas?

As obras começaram há cinco anos e foram executadas diretamente pelo 2º Batalhão de Engenharia de Construção pertencente ao 1º Grupamento de Engenharia do Comando Militar do Nordeste

As obras começaram há cinco anos e foram executadas diretamente pelo 2º Batalhão de Engenharia de Construção, subordinado ao Comando Militar do Nordeste (Foto: Exército Brasileiro)

 

2. Por que órgãos de imprensa são convidados (e, portanto, recebem passagem e hospedagem) do Exército?

É missão dos veículos de comunicação informar seu público quando uma obra importante é realizada, sem necessidade de pagamento extra para isso. Cabe aos meios de comunicação arcar com suas despesas.

Quanto às Forças Armadas, o que se sabe é que seus orçamentos são exíguos, insuficientes, inadequados. É correto transferir parte deles, mesmo pequena, para veículos economicamente saudáveis?

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados