Blogs e Colunistas

Bengazi

16/01/2012

às 17:37 \ Vasto Mundo

Nada justifica o horror do linchamento de Kadafi, que deveria ser entregue a julgamento. Barbárie dá ideia do que pode ser a “nova” Líbia

Frame grab of former Libyan leader Muammar Gaddafi, covered in blood, being pushed to the ground by NTC fighters in Sirte

O ex-ditador Kadafi, já muito machucado pela turba: horrendos atos de barbárie que nada, nada justifica (Foto: tv líbia via Reuters TV)

Publicado originalmente em 28 de outubro de 2011

Amigos do blog, sei que entro tarde no assunto – o ditador Muamar Kadafi morreu linchado na quinta-feira, 20.

Campeões de Audiência

Campeões de Audiência

Mas preciso escrever o que se segue.

Fui dos que comemorei, um tanto precocemente, a queda de seu regime. Veja este post de 24 de agosto deste ano, que republiquei recentemente, em que celebrei, já no título: “Kadafi na Líbia: o fim de um déspota, assassino e ladrão é motivo para comemorar”.

Cenas pavorosas gravadas por celulares

Mas nada – nada – justifica a sucessão de horrendos atos de barbárie que levaram a seu massacre físico, em cenas pavorosas gravadas precariamente por telefones celulares.

“O que fizeram com Kadafi nos torna mais desumanos”, resumiu esse santo homem que é o Prêmio Nobel da Paz e arcebispo anglicano emérito da Cidade do Cabo, Desmond Tutu, herói na resistência pacífica mas implacável ao regime racista do apartheid na África do Sul, em magnífica entrevista que concedeu ao site de VEJA ao lado de Mary Robbins, ex-presidente da Irlanda e ex-Alta Comissária da ONU para Refugiados. “Espero que um dia possamos nos redimir.”

O arcebispo Tutu (à esquerda, Mary Robbins): "Espero que um dia possamos nos redimir" (Foto: Marcos Michael)

De fato.

Dificilmente se conhecerá em detalhes o que ocorreu com o ex-ditador, mas vou tentar um rápido resumo do que se sabe. » Clique para continuar lendo e deixe seu comentário

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados