Blogs e Colunistas

06/03/2012

às 19:16 \ Política & Cia

Suposto projeto protetor da mulher trabalhadora é demagógico e burro

O plenário do Senado (foto) ainda pode barrar o projeto que multa empresas que pagarem menos para mulheres que exercem a mesma função que homens, independentemente da experiência e do know-how destes (Foto: exame.abril.com.br)

O deputado Marçal Filho (PMDB-MS) nunca deve ter entrado em uma única empresa produtiva na vida.

Já o senador Paulo Paim (PT-RS) com certeza, sim — sobretudo para fazer greve, quando era sindicalista.

Os dois são os principais responsáveis pelo projeto burro e demagógico aprovado hoje no Senado — iniciativa do deputado, na Câmara, relatório favorável no Senado, do senador.

O projeto parece ótimo: pune, e com multas severíssimas, o empregador que pagar para a empregada mulher salário menor para o empregado homem que exercer a mesma função.

Beleza. Parece que o projeto é inteligente e benéfico, porque se destina a fazer valer os direitos da mulher, certo?

Não é bem isso.

É óbvio que toda pessoa de bem e minimamente preocupada com os direitos civis é favorável à igualdade de direitos entre homens e mulheres.

Ocorre que o projeto, da mesma forma que o senador Paim — que fez toda uma carreira política lutando por aumentos reais do salário mínimo, das aposentadorias e dos salários, mesmo quando a produtividade das empresas e do país e as contas públicas não permitiam –, ignoraram um fato da vida, para quem já pisou em uma empresa: os chamados valores agregados pela experiência e pelos conhecimentos adquiridos com a prática do empregado no exercício da função.

Teoricamente, se Albert Einstein tivesse um emprego de físico em uma empresa de tecnologia, uma garota recém-formada em Física pela universidade teria que receber o mesmo salário, desde que seu cargo fosse equivalente.

Ainda há esperanças de que o projeto não entre em vigor: como foi aprovado em caráter terminativo pela Comissão de Direitos Humanos, sem passar pelo plenário — hipótese prevista na Constituição –, se pelo menos oito senadores, ou 10% dos membros da Casa, solicitarem à mesa, todos os 81 senadores deverão votá-lo (é o que diz o artigo 58, inciso I da Constituição).

Espera-se que isso ocorra, para o bem da lógica e do prestígio do Congresso.

Se o projeto seguir dessa forma para a sanção da presidente Dilma, duvido que ela venha a vetá-lo.

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

Envie um comentário

O seu endereço de email não será publicado

40 Comentários

  • Cezar Ferreira

    -

    10/4/2012 às 13:13

    Crítica extremamente infeliz, acredito que se o povo tivesse mais coragem, melhor seria a sociedade, mais igualdade, mais distribuição de riqueza, menos diferenças, menos crimes, mais felicidade para todos. Estão de parabéns o nobre deputado e igualmente o Senador. Continuem, deixem que esperneiem e que soltem asneiras como estas.
    Quaisquer que seja a Empresa, meu caro, sempre dá seu jeito de diferenciar salários; estagiário,júnior, sênior, etc…não importa o nome do escalonamento na exploração laboral o julgo continua.

  • Marco

    -

    10/3/2012 às 8:54

    Amigo Setti: Meu Deus do Céu, q enganos de sentido, dessa Sra. Roberta, só pode ser uma espécie petista,q momento lúdico de fantasias, em sua volta,não sabe o q é um alerta corajoso e jurídico em favor da razão, q no minimo se deve avaliar severamente qualquer acontecimento do dia a dia com próprias experiência e não ser cobaias Ideológicas. No minimo com prudência e recusa, o argumento dessa Sra partidária q fala em melhorias é na verdade uma forma de punição e censura malandra e sombria de castigar e punir os outros, ultrapassa toda e qualquer tentativa de melhoria para todos, é apenas uma satisfação pessoal sem olhar para o outro lado. Q partidinho q gosta de inquetar e se ocupar da sociedade. Afirmo aqui a Sra Roberta, a ” Generosa”, com certeza ganha mais do q 90% dos Brasileiros. Gostaria de igualá-la ao Bolsa Familia e SM. Isso sim seria uma melhoria,de forma grandiosa e um bom exemplo, aliás para todos os petista humanos.
    Abs.
    Abs.

  • Roberta

    -

    8/3/2012 às 21:27

    Me surpreendi com a postura do colunista… não pelos argumentos, que são até razoáveis, mas pela dureza. No final das contas, todos nós, independentemente do gênero, somos suspeitos quando se trata de tema de tanto interesse e que toca tão intimamente nossa identidade. Eu, que nasci mulher, somente posso dizer que, do meu ponto de vista, qualquer passo, qualquer um mesmo, carrega uma semente de esperança de que as coisas mudem para melhor. Afinal, como disse Disraeli, “Em política, nada é desprezível.” Quanto ao aspecto legalista, que parece ser o argumento de fundo usado pelo colunista, o mesmo Disraeli também disse: Quando os homens são puros, as leis são desnecessárias; quando são corruptos, as leis são inúteis. O reconhecimento do próprio valor é um anseio universal e legítimo, mas depende do próximo… depende da gentileza, depende… de escolhermos tirar os olhos do próprio umbigo para ver o outro.

  • BETHS

    -

    8/3/2012 às 12:14

    Concordo em gênero, número e grau com o comentário da
    patricia m. – 07/03/2012 às 14:45.
    As empresas vão preferir contratar homens, simples. Depois disso, os nada nobres deputados vão querer instituir uma cota para mulheres, posso apostar. É uma miséria a classe política brasileira.
    Menos Estado e mais liberdade é do que estamos precisando.

  • Corinthians

    -

    7/3/2012 às 18:56

    Taí. Ví o comentário de Solange – 07/03/2012 às 5:55 e me ocorreu que se isso for aprovado vai acabar criando mais um custo Brasil, e mais salários baixos para todos.
    Minha empresa provavelmente terá para o mundo uma série de cargos de nível 1 à 15. Menos para o brasil. Aqui teremos provavelmente de 1 à 150. Assim cargos iguais poderão ter salários iguais.
    Isso vai estar direitinho na carteira de trabalho. Começa como Analista de Sistemas I, depois II, depois III… depois vai ter Analista de Sistemas Sênior I, II, III… não que estes venham a ter um trabalho diferente, vai ser só para justificar a equiparação salarial mesmo.
    Terão que ajustar as ferramentas de gerenciamento de pessoas e recursos só para atender à nomenclatura Brasil – ou seja, custos maiores, o que reduz o lucro e portanto os salários.
    Aí vamos nos perguntar o por que o iPhone é absurdamente mais caro aqui – e quem puder vai viajar (ou mandar trazer) o seu lá dos EUA que é mais barato – gerando empregos lá.

  • jeremias-no-deserto

    -

    7/3/2012 às 17:45

    Em tempo: lembrei-me de uma frase proferida pelo deputado (ou senador, sei lá!) petista Paulo Paim ontem, nos noticiários de TV: dizia ele que o projeto em pauta fazia justiça a um país ( como o Brasil, “governado por uma presidenta mulher” (sic!!!). É de pasmar, realmente, o nível ANTAlectual desses “legisladores”. Ao refletir sobre essa declaração concluimos que o projeto é digno do deputado, o fruto não caiu longe do pé, como se diz lá no Paraná.

  • fatima fontes

    -

    7/3/2012 às 16:50

    etores da mídia regional e nacional, internautas manifestam indignação com o caso nas redes sociais. No Twitter, Facebook e Orkut a prisão de Cachoeira e os desdobramentos da investigação do MPF geram comentários diversos, com desdobramentos nas ruas. Os professores em greve, indignados pelo corte na folha de pagamento e pela retirada de benefícios no Plano de Cargos e Salários, já ensaiaram um grito de guerra: “Marconi, bicheiro, devolve meu dinheiro”.

  • Marco

    -

    7/3/2012 às 16:20

    Amigo Setti: O Objetivos dessas 2 figuras é de criar mais um formulismo d insegurança juridica, isso é, só para favorecer advogados e familiares d ambos, para q possam cada vez mais alimentar seus Mostrengos Sindicais,são interesses, apenas para advogados ideológicos juridicos sindicais,q viram essa boa possibilidade d um nincho de doçura nos seios de Eva.
    Abs.

  • Clarimundo

    -

    7/3/2012 às 15:23

    Oi Ricardo :
    Os nossos políticos em Brasília ainda tem alma de vereadores. Legislam pensando na mídia e na próxima eleição.
    O que eles propõe na verdade já existe : o dever a que se iguale o salário dos profissionais de acordo com o tempo de experiência na função, a produtividade, a perfeição técnica, etc. sem distinção de sexo, nacionalidade ou idade.
    É o artigo 461 da CLT.
    Agora, a igualdade salarial simplesmente da mulher com o homem, , sem levar em consideração os requisitos da experiência e da produtividade e qualidade do trabalho é impossível de prosperar, a não ser que se revogue o referido artigo, o que seria uma aberração.
    Não falta só o que fazer aos políticos em Brasília. Falta inteligência também. Infelizmente estas bobagens acabam passando, pois quem tem que examinar, vetar, etc, não o faz. Estamos muito mal de governo. Onde isto vai parar ?

  • patricia m.

    -

    7/3/2012 às 14:45

    Essa lei eh ridicula, porem mais ridiculos sao os comentarios de algumas mulheres por aqui. Em primeiro lugar, a lei so vai tornar mais dificil a contratacao de mulheres. Ja era dificil antes ter que contratar mulher e pagar para ela sair de licenca por 4 meses (daqui a pouquinho 6 meses), agora entao… Basta contratar homens, oras, e seus problemas terminaram como diria o Caceta.
    .
    Eu sou mulher e executiva de banco. Vou dizer uma coisa, ja ganhei salarios e bonus bem maiores que de muito homem por ai. Vou citar um caso real: em um dos bancos em que trabalhei (meu terceiro banco na tenra idade de 30 anos), ganhava mais que todos os meus colegas homens (eu era a unica mulher) QUE OCUPAVAM O MESMO CARGO QUE EU (gerente de produtos senior). E por que? Por varios motivos: eu ja tinha passado por 3 bancos e um dos meus colegas estava a vida inteira no mesmo banco (tive mais experiencia do que ele), eu falava ingles e nenhum dos outros falava, eu fui correr atras do meu mestrado stricto sensu e meus colegas estavam parados, e por ai vai. ESSE TIPO DE COISA FAZ A DIFERENCA!!!!! E por ultimo, eu tinha a coragem de bater o pe e discutir com o meu chefe a questao financeira e os meus colegas abaixavam a cabeca e aceitavam… Querem nivelar todo mundo por baixo???

  • Eduardo

    -

    7/3/2012 às 14:22

    Olá Ricardo, isso é mais um reflexo do governo petista que somente beneficia as mulheres e a ala LGBT e esquecem os homens, Olavo de carvalho já tinha previsto isso.

    A presidente Dilma e suas ministras feminista, estão implantando no brasil um sistema que nos deixará ou já nos deixa totalmente vulneráveis a qualquer mulher, basta uma acusação para sermos investigados.

    O grande problema do feminismo é que ele consegue tudo na base do vitimismo, acusações falsas e calunias contra o sexo masculino e este não é diferente, os autores deste projeto, militam contra seu próprio gênero e posso dizer que são traidores.

  • Franco

    -

    7/3/2012 às 13:31

    Burro, demagógico e discriminatório!

    Cadê a multa para empresas que remunerarem as mulheres melhor do que os homens na mesma função? Falam em nome da igualdade e praticam exatamente o oposto! Se querem fazer besteira, que sejam ao menos coerentes.

    E por que só o critério do sexo? Quer dizer então que uma mulher experiente (e mais velha) pode ganhar mais que uma mulher principiante, mas um homem experiente não pode ser mais bem remunerado que uma mulher em início de carreira? A meritocracia só é jogada no lixo quando o gênero é o fator de distinção?

    Vai ficar caro contratar jovens do sexo feminino. Esse projeto é ruim para as mulheres!

  • Esron Vieira

    -

    7/3/2012 às 12:35

    Este é mais um projeto que a longo prazo reduzirá o numero de empregos para mulheres em determinadas situações. Em algumas áreas as mulheres por aceitarem receber menos, conquistam mais vagas. Agora com grade de salários compulsórios, na dúvida o empregador pensará duas vezes.
    Político demagogo só faz progeto visando retorno eleitoral.
    Como diz o velho ditado: o mercado é quem vai regular a situação.
    Com esta lei, creio que eles estarão é tirando empregos de muitas mulheres.

  • S8

    -

    7/3/2012 às 10:49

    Emoresa privada deve ter o direito de usar o critério que bem entender para remunerar seus funcionários.O estado não tem nada que se meter nisso.

  • Salgado Filho

    -

    7/3/2012 às 10:12

    Ricardo:

    O tiro pode sair pela culatra: para uma situação similar ao exemplo citado (Einstein), o patrão demitirá a mulher, pois será o único modo de manter um gênio prestando a colaboração para a emprêsa. Virou moda no PT: privilégios para as “minorias”, devendo ser anuladas as virtudes e a inteligência. Se uma mulher vier a merecer salário maior, o dilema é mantido: iguala-se ao salário do homem menos preparado. Não se trata neste projeto de fazer justiça, mas nivelar tudo e todos. Isto foi tentando pelo comunismo, mas …

  • Michelle

    -

    7/3/2012 às 9:22

    Eu não sei se é mais Burra e Demagógica as leis, ou os comentários. Vocês leram o que Ricardo Setti escreveu, ou é apenas desonestidade intelectual mesmo? O que Ricardo descreveu pode acontecer tanto com homens ou com mulheres, independe do sexo. Ou vocês acreditam mesmo que todos os jogadores de futebol ganham o mesmo, mesmo fazendo a mesma coisa. Ou que Marilena Chauí que é o que vocês devem conhecer, ganha a mesma coisa que um filósofo recém formado. Foi isso que ele quis dizer. Acordem prá vida e deixem de ser ignorantes. Estas leis só tendem a prejudicar as próprias mulheres, isto sim.

  • Felipe Lima

    -

    7/3/2012 às 9:22

    O Ricardo(20:35)realmente não entende nada de empresas, além de ser descortês, ignorante e raivoso… Típico de petralhas ! O projeto é, sim, demagógico e visa tão somente angariar os votos femininos para os proponentes. Qualquer pessoa com um mínimo de conhecimento de como funciona um empresa vê isto !

  • JT

    -

    7/3/2012 às 9:16

    Certas leis da natureza e do tempo, como a diferença entre sexos e a diferença de experiência, não podem ser compensadas com leis jurídicas, por mais boa vontade que se tenha na criação de leis jurídicas.
    Por isso, uma família com dois pais adotivos nunca será igual a uma família com um pai e uma mãe biológica: perante os juristas pode ser, mas na prática infelizmente não.
    Uma lei jurídica de efeito compensador a uma lei natural é aquela que diz que a mulher pode se aposentar no Brasil com 60 anos e o homem com 65. Será que agora todos vão ter que se aposentar com a mesma idade?

  • Mauricio (DF)

    -

    7/3/2012 às 8:39

    Ricardo, belo texto. As vezes eu fico muito confuso com os textos aqui aplicados em relação a compreensão dos visitantes e seus comentários. Nota-se com bastante clareza que alguns comentários vai literalmente contra o que foi escrito pelo sr.

  • Solange

    -

    7/3/2012 às 5:55

    Concordo com Rebeca e com Maria. Quem ocupa o mesmo cargo e exerce as mesmas funções é porque possue as mesmas qualificações. Portanto, o exemplo feito com Einstein e uma recém-formada não procede. A diferença de salário deve-se dar apenas por desempenho e este deve ser solucionado por escalas definidas pela área de cargos e salários. É preciso sim, acabar com esta maldita discriminação. Já está mais do que provado que competência não se mede por sexo. Por isto não sou contra o projeto de lei, mas sim por um ajuste talvez em seu conteúdo.

  • Jeremias-no-deserto

    -

    6/3/2012 às 23:46

    Concordo com você ipse litteris et verbis, Setti, além de deemagógico, o projeto é de uma burrice incomparável.Na cabeça da pelegada comuno-sindicalista, as mulheres ganham menos que os homens porque o empresariado brasileiro é machista e perverso e o quadro pode ser revertido apenas com uma penada, como tudo soe acontecer, aliás, nos regimens totalitários.Esses baba-ovos não sabem que salários e preços estão sujeitos às leis de oferta e procura em uma sociedade livre de mercado.E também do nível de formação profissional da mão de obra que disputa esse mercado.Históricamente, a mulher sempre levou desvantagem na competição com o homem devido às falhas de sua formação profissional e das pressões a que foi submetida na sociedade patriarcalista brasileira. A modernização da educação básica e profissional é uma imensa reforma que compete ao estado promover e com certeza não é com um projetinho demagógico como esse, o qual transfere a responsabilidade da situação da mulher no mercado aos empresários, que se vai corrigir o êrro de séculos.

  • ESTADO DE DIREITO, JÁ!!!!!!!!!!

    -

    6/3/2012 às 23:35

    Este é petista… ou menina disfarsada …..

    —————————————–
    RICARDO
    -
    06/03/2012 às 20:35

    Temos que respeitar a opiniao de cada pessoa, mas a do colunista em questao ricardo setti, com letra minuscula sim pois é uma pessoa um machista alienado, a quem ele chama de burro quando na verdade o burro deve ser ele mesmo, que esse por sua vez nao deve realmente ter trabalhado duro e visto as injustiças do mercado de trabalho como relamente é,deve ter lá uma empresinha de fundo de quintal ao qual quer pagar cada vez menos. Pois bem ja trabalhei em varias empresas que mulheres por ser mulher ganhavam menos nao por ter menos experiencia nao, algumas tinham ate mais e trabalhavam muito mais e ganhavam muito menos, faça um estudo e pesquise antes de dizer algo.

    Você acertou: sou o cara mais burro do mundo — tão burro quanto você escreve com clareza e correção.
    ================================
    ——–
    ——————-
    Prezado, via de regra, discordo de você, mas no caso, ESTOU COMPLETAMENTE DO SEU LADO… o seu chará ocm ahjam d ealienado, MAS ELE, SEM DÚVIDA, NÃOS ABE OQ EU DIZ, e deve sté acreditadr no Brasil Maravilha, registrado em Carótrio pelo Lula, nos projetos que o PT diz que fez, no Minha casa Minha vida nos milh~eos de casas qeu dizem que fizeram, NAS UPAS, NAS CRECHES DA DILMA,e tudo mais, sem falar na eduicação do Addad, na saude do Temoraão, do Lula , da Dilma… SUS saúde púbclçai de priemiro mundo…

    ELE ACREDITA EM TUDO ISSO, e até em papai Noel.
    -
    -
    ELE ACREDITA QUE A POPUPALRIDADE e aprovação DO LULA A DA DILAM são realemtne as mostradas nas pesquisas…..
    -
    repito….
    -

    MEU AVÔ, PORTUGUES, MAS AO CONTRÁRIO DO DITO POPULAR, NÃO ERA BURRO, apesar de analfabeto, ou quase….reclamava, do Salário Minimo ( metia opau no Gegê, de quem não gostava ), com os mesmos arguemntos do senhor…… DIZIA ELE QUE TINHA DE PAGAR O EMSMO PARA QUEME RA DIFERENTE, e assim, não poderia pagar amis aquem trabalhava melhor, proque tinha de sustentar os vagabundos….

    -
    APRENDI, NA 4ª SÉRIE PRIMÁRIA, QUE É MUITO MAIS FÁCIL ADERIR AOS COSIA RUINS DO QUE AS BOAS, DAI, O GRANDE NÚMERO DE … BAJUULADORES DOS DEMAGOGOS… a cantielna deels empolga e os alienados vão na nonde

    -
    fUI JOVEM, NSSCI NA DITADURA Vargas, nunc me deixei elvar pelos comunas da UNE, das universidades, da mídia. FUI CONVIDADO A ENTRAR PARA O GRUPRO DOS ONZE (Brizola), para a liga camponesa do julião, e outrso grupos…. fui burro, hoej, seria milhonario, teria penão e não pagaria IR…….e ainda seria considerado HERÓI…. e quem sabe, terai umac rgo comissioando em algum governo desses…. TERIA STATUS, como fui “burro”, … trabalhei e vivi a pagar impsotos, e os apgo até hoje, e assim o será até o fim…..

    -
    ”Assim como um camaleão muda de cor assumindo os tons do local onde está, os fracos se deixam moldar, modificando-se conforme a influência dos que os cercam.”
    (Shi-Fu Kleber Farache)
    -
    ”O maturo se modifica para evoluir, o imaturo, para agradar os outros.”
    (Shi-Fu Kleber Farache)
    -

  • ESTADO DE DIREITO, JÁ!!!!!!!!!!

    -

    6/3/2012 às 23:20

    PARABÉNS!!!!!!!!!!!!!!!!!
    -
    demagogia é o qeu impera desde o início ou implantação da NOVA REPUBLICA… e que nos 9 anos do LuloPetismo/Dilmês, só agravou se estado…….
    -
    -
    O POVO GOSTA DISSO – pãos (boslas e outros favores) – Circo.. palhaçada de graça, eé o qeu temos visto nso úlçtimso tempos, e em todos os setores…

    MEU AVÔ, PORTUGUES, MAS AO CONTRÁRIO DO DITO POPULAR, NÃO ERA BURRO, apesar de analfabeto, ou quase….reclamava, do Salário Minimo ( metia opau no Gegê, de quem não gostava ), com os mesmos arguemntos do senhor…… DIZIA ELE QUE TINHA DE PAGAR O EMSMO PARA QUEME RA DIFERENTE, e assim, não poderia pagar amis aquem trabalhava melhor, proque tinha de sustentar os vagabundos….

    -
    -
    A CULPA NÃO É DELES ( congresssitas ), MAS DE QUEM OS APOIOU E APROVOU, e do povo que os colocou lá……..

  • Ruy

    -

    6/3/2012 às 22:54

    Caro Ricardo,
    Há pessoas que,, à mingua de argumentos racionais, optam por agressões e ofensas pessoais aos que se atrevem a pensar (coisa de que se mostram incapazes).

    As “opiniões” desse tipo de gente não merece as honras de um debate.

    Quanto ao projeto, preocupa-me a tendência dos nossos legisladores de criar normas de proteção que em sentido oposto à realidade social.

    Especificamente no que se refere ao trabalho das mulheres (que, infelizmente, são mesmo vítimas de injusta discriminação no mercado de trabalho), temo chegarmos ao dia em que teremos legiōes de mulheres cheias de direitos… E sem emprego…

    A questão da desigualdade salarial entre homens e mulheres já tem tratamento adequado na legislação trabalhista desde que promulgada a CLT (em 1945).

    Trata-se do art. 461, da Consolidação: “Sendo idêntica a função, a todo trabalho de igual valor, prestado ao mesmo empregador, corresponderá igual salário, sem distinção de sexo, nacionalidade ou idade”.

    Observe que “trabalho de igual valor”, na acepção legal é o prestado na mesma localidade, com a mesma produtividade e perfeição técnica, por trabalhadores entre os quais não haja diferença de tempo de serviço superior a dois anos.

    O projeto, portanto, é mesmo demagógico e desnecessário, pois chove no molhado.

    Infelizmente grassa pelo Brasil a idéia de que lei é como “garrafada do sertão”: -cura tudo, de “mal triste” a “espinhela caída”…

    Querido amigo Ruy, brilhante advogado, você como sempre que comparece aqui contribui para o blog com ponderação, lucidez e pertinência.

    Um grande abraço!

  • Think thank

    -

    6/3/2012 às 22:43

    A natureza é mestre em criar desigualdades, e confere inteligência, habilidade, e competência independentemente do sexo ou etnia, portanto todas estas invencionices não passam de aberrações criadas por estes inúteis chupins da nação, ratazanas remando contra as regras da natureza, contra o progresso do país. É a mesma palhaçada das cotas para universidade, como são incompetentes para oferecer ensino público fundamental de qualidade que proporcione condições de igualdade para disputar os testes, criaram esta aberração que penalizam os mais aptos.
    O que precisa é criar igual condição de oportunidades a todos, aí quero ver se estes saqueadores da nação hoje no poder estariam ocupando o executivo, legislativo, e judiciário.

  • gil

    -

    6/3/2012 às 22:18

    caramba,com esses comentaristas ai em baixo,a coisa ta preta,parece q leem mas não entendem o que leem!!

  • Adelaide

    -

    6/3/2012 às 21:55

    Os comunistas não têm inteligência para perceberem a sua derrocada: Trabalhar prá que se posso ganhar igual ao outro que trabalha, basta estar no mesmo lugar.

  • Flavia

    -

    6/3/2012 às 21:44

    Os empregadores resolverão isso de uma forma bem simples: Entre um homem e uma mulher com a mesma qualificação ficam com o homem e evitam encrencas! Grande ajuda!

  • Corinthians

    -

    6/3/2012 às 21:38

    Setti,
    Concordo com você, e digo mais. Não é só isso, mas também a cegueira pública querendo se impor ao privado.
    A grande maioria das empresas privadas não paga X para o funcionário do cargo Y. Isso é estúpido. As empresas (as sérias pelo menos) tem uma banda de valores para o cargo X. Quem tem o cargo X ganha entre Y (menor valor) e Z (maior valor). Assim eles conseguem negociar aumentos, novas contratações, promoções…
    Todas as empresas que trabalhei usam o mesmo critério, independentemente de ser homem ou mulher (não há bandas de valores diferentes para cada um dos sexos – é a mesma banda). Como fica nesse caso ?
    Quer dizer que se houver um homem no cargo X ganhando o valor Z – seja por que ele teve coragem de pedir aumento, seja por competência, seja por negociação na hora da contratação – e uma mulher no mesmo cargo X, mas ganhando Y (menos que Z) – por que não teve coragem para pedir aumento, ou por que negociou mal sua contratação, ou ainda por que não consegue mostrar resultados – a empresa terá que pagar multa ?
    É muita falta de bom senso e para variar, só vai piorar o país – não agora, mas a longo prazo.

  • Eduardo

    -

    6/3/2012 às 21:33

    Se for aprovada dificultara empregos para as mulheres. Não demora muito vão fazer leis de cotas para elas. Se as propias ja conseguiram com esforço e competencia, elas que procurem seus direitos.

  • carolina

    -

    6/3/2012 às 21:20

    eu já achei sua coluna/comentário bem preconceituoso. e machista.

  • Marco

    -

    6/3/2012 às 21:11

    Amigo Setti: Aparece um desses sábios q se diz coroado de sucesso, e q vem aqui nos passar cahorro,como se tivesse sagamente experiência suficiente, esses tipicos defensores do Paim, mas ele disse q foi empregado, ele teria q ser empresário com essa crendice, e provavelmente um novo Eike, junto com o Paim q é de familia de advogados trabalhistas, ele Q está sendo machista afirmando q as mulheres não tem obstinação própria,precisam de resignação e q os outros precisam servi-las para realizarem e executarem seu trabalho. Por isso crê ser impossível para elas, talvez por achar q possuam estreiteza imbuidos em sua personalidade,teriam problemas de depressão e etc…
    É muita enganação dessa turma epistêmica sindical, invadem as areas administrativas, personalizam situações e enganam e iludem as pessoas com essas nefastas propostas contra trabalhadores de espiritos realmente capazes.
    Abs.

  • Bernadete Anjos

    -

    6/3/2012 às 21:06

    Por fim, lei não foi elaborada p agradar a todos… lei existe p regulamentar uma sociedade…

  • Bernadete Anjos

    -

    6/3/2012 às 21:04

    Não li o conteúdo do projeto, mas é público e notório, que FALSOS cargos de chefia, são criados p aumentar salários dos homens, enquanto mulheres cumprem uma carga horária e laboral maior e com mais competência. Não precisa de QI de Einsten p saber disso… só um alienado p não visualizar isto e criticar a lei.

  • Daniela

    -

    6/3/2012 às 21:03

    Atualmente existe um grande número de mulheres que lutam, batalham, estudam (sim, e muito!), e simplesmente não conseguem a mesma valorização salarial que um homem na mesma vaga de trabalho. A exemplo, cito minha própria experiência, faço vários cursos, já fiz pós e estou cursando um MBA, mas vejo homens com qualificação inferior a minha ganhando mais. Isso é muito injusto. Qdo leio o título desse artigo, realmente percebo que o autor não conhece a realidade prática de muitas trabalhadoras. Diga-se de passagem que a mulher estuda muito e se esforça bastante, mas ainda não há reconhecimento. Lamentável este artigo!

  • RICARDO

    -

    6/3/2012 às 20:35

    Temos que respeitar a opiniao de cada pessoa, mas a do colunista em questao ricardo setti, com letra minuscula sim pois é uma pessoa um machista alienado, a quem ele chama de burro quando na verdade o burro deve ser ele mesmo, que esse por sua vez nao deve realmente ter trabalhado duro e visto as injustiças do mercado de trabalho como relamente é,deve ter lá uma empresinha de fundo de quintal ao qual quer pagar cada vez menos. Pois bem ja trabalhei em varias empresas que mulheres por ser mulher ganhavam menos nao por ter menos experiencia nao, algumas tinham ate mais e trabalhavam muito mais e ganhavam muito menos, faça um estudo e pesquise antes de dizer algo.

    Você acertou: sou o cara mais burro do mundo — tão burro quanto você escreve com clareza e correção.

  • Rebecca

    -

    6/3/2012 às 20:33

    Existe uma contradição ai, se a pessoa ocupa o mesmo cargo que o ” Albert Einstein ” supoe que ela seja qualificada para isso,ou seja, qual o problema dela receber o mesmo salário?

  • Maria

    -

    6/3/2012 às 20:27

    Eu penso que não é demagógico porque empresas decentes têm cargos e salários. Dificilmente uma mulher recém-formada em física ganharia igual a uma pessoa experiente com o mesmo cargo, visto que ela entraria como profissional Junior. Eu penso que o projeto é sim benéfico e deve sim ser aprovado caro jornalista!

    O problema está justamente aí, Maria. O projeto NÃO leva em conta a experiência. Manda punir quem não paga igual, e pronto.

  • paulo barros

    -

    6/3/2012 às 20:00

    Haja D E M A G O G I A! Vão procurar uma lavagem de roupa.

  • Marco

    -

    6/3/2012 às 19:32

    Amigo Setti: Esse eu conheço bem, ele e o Marcos Maia, são responsável pelo maior declinio empresarial de Canoas, o espirito empresarial de Canoas foi violado e humilhado por esses dois,são verdadeiro exploradores dessas ocasiões, são peritos em asneiras, e fazer guerra com isso. Roubaram o enorme futuro dos custos e paz empresarial de Canoas. Com suas pestes ideológicas inúteis e aborrecedoras de bajulismo a tipos de empregados de má vontade adptos a preguiça e dissimulação. Canoas nunca mais vai ter oportunidades de ter grande empresas, vai continuar com sua classe C dormitória até no Trensurb.
    Abs.

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados