Blogs e Colunistas

07/09/2011

às 14:27 \ Política & Cia

Professora da rede pública do Ceará relata uma dura rotina: ameaças, estudantes drogados, marginais que fazem baderna, alunos especiais sem acompanhamento — e salários baixos

Amigos, publico como Post do Leitor este relato curto, mas dramático, da professora da rede pública do Estado do Ceará que identificarei apenas como “Professora” para evitar represálias contra ela.

“Professora” enviou o texto como comentário ao post em que dei conta aos amigos do blog de desatinos praticados pelo governador do Ceará, Cid Gomes – do PSB, e, portanto, supostamente “socialista” –, que incluem menosprezo e até insultos aos professores estaduais em greve por direitos mínimos. A greve, iniciada há quatro semanas, foi declarada ilegal pela Justiça no dia 29 passado.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Greve-dos-professores-no-Ceará

Greve dos professores no Ceará: Justiça declarou o movimento ilegal

A realidade de um professor em sala de aula é muito mais grave do que se pensa tanto em escolas particulares como as públicas no Estado do Ceará.

Sofremos represálias por parte do núcleo gestor e dos alunos, e a coisa é mais grave na pública, porque estamos sendo alvo de ameaça por parte de pais que querem um bom rendimento dos alunos, mas não os acompanham em suas atividades.

Além disso, temos em nossa portas alunos drogados, marginais que pulam o muro e fazem baderna, alunos especiais que são jogados nas salas de aula sem nenhum acompanhamento com outro profissional.

Também somos obrigados a aprovar um educando mesmo que ele não saiba ler e escrever, uma vez que, de acordo com a lei, o aluno dispõe da vida escolar até o fim pra aprender a ler.

Sofremos igualmente a humilhação de não podermos comer da merenda fornecida pelo Estado, os outros funcionários nos recriminam e nos sonegam até um prato de comida e, não raro, ainda nos chamam de “porcos”.

É assim que professores são tratados…

Agora, se estamos nesta profissão é por que amamos e se queremos um aumento é porque merecemos.

Sugiro que o governador Cid Gomes, que nos aconselhou a trabalhar “por amor”, que pela mesma razão doe seu salário … aos pobres que confiaram nas suas palavras em campanha, já que sua obrigação é para com todo o povo do Ceará.

Governador, o senhor será cobrado pela justiça divina por suas pobres e infelizes palavras e ações.

LEIA TAMBÉM

“Vejam os desatinos que o governador do Ceará, Cid Gomes, tem cometido”

“Cid Gomes torce para o ditador Kadafi?”

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

Envie um comentário

O seu endereço de email não será publicado

29 Comentários

  • Renata

    -

    23/3/2012 às 20:15

    O aprendizado nunca sera melhor na rede publica. Faço meu trabalho com dedicaçao e esmero, mas no fim do ano, a lista enorme de crianças que tem deficit no aprendizado cada vez aumenta mais, e eu sou pressionada e obrigada a aprovar analfabetos para o ano seguinte, pq a escola precisa ter um indice bom pra receber verbas, pros diretores e outros embolsarem seus 10%…e assim vai, por isso cada vez mais o professor esta desmotivado, de q adianta trabalhar direito o ano inteiro se no fim nosso trabalho é jogado no lixo por interesses particulares, para falsear numeros pro governo?? É, cada vez mais a violencia no país aumentara, pq a educaçao é uma farsa.

  • Mario

    -

    4/10/2011 às 14:03

    jackson – 08/09/2011 às 10:35
    Ganância? Como assim? O senhor sabe quanto ganha um professor para fazer esta afirmação? O senhor sabe quantos alunos os professores enfrentam por turma e as estruturas da própria escola?
    O senhor chama de ganância querer ter o mínimo de dignidade para dar uma vida descente aos seus filhos. Qual o problema dos professores reclamarem seus direitos, como qualquer parcela da sociedade?

  • Professora de Sobral-CE

    -

    22/9/2011 às 16:25

    Por Jô Soares
    O material escolar mais barato que existe na praça é o professor!
    Se É jovem, não tem experiência.
    Se É velho, está superado.
    Se Não tem automóvel, é um pobre coitado.
    Se Tem automóvel, chora de “barriga cheia’.
    Se Fala em voz alta, vive gritando.
    Se Fala em tom normal, ninguém escuta.
    Se Não falta ao colégio, é um ‘caxias’.
    Se Precisa faltar, é um ‘turista’.
    Se Conversa com os outros professores, está ‘malhando’ os alunos.
    Se Não conversa, é um desligado.
    Se Dá muita matéria, não tem dó do aluno.
    Se Dá pouca matéria, não prepara os alunos.
    Se Brinca com a turma, é metido a engraçado.
    Se Não brinca com a turma, é um chato.
    Se Chama a atenção, é um grosso.
    Se Não chama a atenção, não sabe se impor.
    Se A prova é longa, não dá tempo.
    Se A prova é curta, tira as chances do aluno.
    Se Escreve muito, não explica.
    Se Explica muito, o caderno não tem nada.
    Se Fala corretamente, ninguém entende.
    Se Fala a ‘língua’ do aluno, não tem vocabulário.
    Se Exige, é rude.
    Se Elogia, é debochado.
    Se O aluno é reprovado, é perseguição.
    Se O aluno é aprovado, deu ‘mole’.
    É, o professor está sempre errado, mas, se conseguiu ler até aqui, agradeça a ele!

  • Professora de Sobral-CE

    -

    22/9/2011 às 0:05

    Vale conferir também:
    http://veja.abril.com.br/blog/augusto-nunes/feira-livre/educacao-reprovada-um-artigo-de-lya-luft/

  • Professora de Sobral-CE

    -

    13/9/2011 às 0:40

    Só para descontrair.
    Nem o Senhor Jesus aguentaria ser um professor nos dias de hoje…..
    O Sermão da montanha(versão para educadores)
    Naquele tempo, Jesus subiu a um monte seguido pela multidão e, sentado sobre uma grande pedra, deixou que os seus discípulos e seguidores se aproximassem.
    Ele os preparava para serem os educadores capazes de transmitir a lição da Boa Nova a todos os homens.
    Tomando a palavra, disse-lhes:
    - “Em verdade, em verdade vos digo:
    Felizes os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus.
    Felizes os que têm fome e sede de justiça, porque serão saciados.
    Felizes os misericordiosos, porque eles…”
    Pedro o interrompeu:
    - Mestre, vamos ter que saber isso de cor?
    André perguntou:
    - É pra copiar?
    Filipe lamentou-se:
    - Esqueci meu papiro!
    Bartolomeu quis saber:
    - Vai cair na prova?
    João levantou a mão:
    - Posso ir ao banheiro?
    Judas Iscariotes resmungou:
    - O que é que a gente vai ganhar com isso?
    Judas Tadeu defendeu-se:
    - Foi o outro Judas que perguntou!
    Tomé questionou:
    - Tem uma fórmula pra provar que isso tá certo?
    Tiago Maior indagou:
    - Vai valer nota?
    Tiago Menor reclamou:
    - Não ouvi nada, com esse grandão na minha frente.
    Simão Zelote gritou, nervoso:
    - Mas porque é que não dá logo a resposta e pronto!?
    Mateus queixou-se:
    - Eu não entendi nada, ninguém entendeu nada!
    Um dos fariseus, que nunca tinha estado diante de uma multidão nem ensinado nada a ninguém, tomou a palavra e dirigiu-se a Jesus, dizendo:
    - Isso que o senhor está fazendo é uma aula? Onde está o seu plano de curso e a avaliação diagnóstica? Quais são os objetivos gerais e específicos? Quais são as suas estratégias para recuperação dos conhecimentos prévios?
    Caifás emendou:
    - Fez uma programação que inclua os temas transversais e atividades integradoras com outras disciplinas? E os espaços para incluir os parâmetros curriculares gerais? Elaborou os conteúdos conceituais, processuais e atitudinais?
    Pilatos, sentado lá no fundão, disse a Jesus:
    - Quero ver as avaliações da primeira, segunda e terceira etapas e reservo-me o direito de, ao final, aumentar as notas dos seus discípulos para que se cumpram as promessas do Imperador de um ensino de qualidade. Nem pensar em números e estatísticas que coloquem em dúvida a eficácia do nosso projeto. E vê lá se não vai reprovar alguém!

  • Professora de Sobral-CE

    -

    13/9/2011 às 0:20

    Bom, segue aqui uma análise brilhante de um professor sobre a situação do nosso país e especificamente do Ceará.

    SE VOCÊ NÃO É DA “FAMILY”, QUE SE DANE!

    Por prof. Carlos Carvalho

    Leio nos jornais, que os juízes poderão entrar em greve. Reivindicam aumento salarial que, se conseguido, aumentará um mísero salário de R$ 26 mil para uns parcos R$ 30 mil. Alguém em sã consciência acha que eles não conseguirão o tal aumento? Ou será que sua greve será declarada ilegal?

    O referido episódio me vem à mente, quando os professores da rede estadual de ensino do Ceará optaram por paralisar suas atividades na luta por melhorias salariais e melhores condições de trabalho. O governador do Estado, que pertence a um partido dito “socialista”, afirma que não haverá negociação; o que nos parece por demais estranho, uma vez estarmos numa democracia. E, dizem, que quando não temos muito em que pensar, acabamos pensando coisas à toa. Como não sou o Eike Batista (aquele a quem o Ceará vende água a preço de banana, enquanto vários cearenses não têm acesso ao precioso líquido) e como tal não perdi R$ 2 bilhões na bolsa, fico pensando em coisinhas. Por exemplo, penso onde estudam os filhos do excelentíssimo senhor governador, da secretária de educação? Como disse, pensamentozinho à toa, pois não tenho o menor interesse em saber. Sei, contudo, que, se crianças, não estudam nas escolas públicas, que caem aos pedaços. Se mais jovens, não estudam na Universidade Estadual do Ceará – UECE, vítima da inépcia e do descaso de sucessivos governantes. Certamente ajudam a encher os cofres de instituições privadas nacionais ou estrangeiras. Aos que não são da “family” resta aqui e ali um curso técnico. Para que pobre com nível superior, não é mesmo, Senhor Governador?

    Dizem que no Butão, o rei sempre se curva na presença de professores. É uma maneira de o soberano mostrar aos seus súditos a importância da educação. A importância dos mestres. No Ceará, conforme o jornal O povo do dia 24/08/11, os professores organizaram um protesto e foram recebidos pelo batalhão de choque da polícia militar. Longe de querer comparar o Butão com o Ceará. Enquanto lá eles já trabalham com a FIB (Felicidade Interna Bruta), aqui ainda baseamos nossa vida no PIB (Produto Interno Bruto), no “prendo e arrebento” da ditadura, maquiada de democracia.

    Os filhos dos nossos governantes não precisam da minha (nem da sua) preocupação. São bem nascidos e já estão muito bem encaminhados na vida. Minha preocupação, no entanto, é com os severinos e as severinas que moram lá nas brenhas. Aquelas criaturinhas miseráveis que nunca andaram nem de avião nem de limusine e que, muito provavelmente, jamais irão à Nova York com sua “family” (incluindo suas futuras sogras). Como naquele poema, tudo que conhecem é o beco. Na falta do carro pau de arara, nada de escola. Na falta da escola, nada de merenda, nada de comida, nada do mínimo que já não possuem. Mas quem se importa se os nossos mestres recebem um salário ridículo. “O que importa é o que já não importa o que importa”. Quem se importa com as desocupações das casas daqueles que terão que sair do caminho, para não enfear a cidade à espera da Copa de 2014? Atitude semelhante fez o autoritário governo chinês ao receber os últimos jogos olímpicos.

    Aqueles que deveriam trabalhar para e pelo povo querem mais é que o povo se exploda. Esse povinho sem modos, pobre e feio que não é da “family”. Esse mesmo povinho que nunca foi a São Paulo Fashion Week, nem pode passar férias no circuito Paris – Nova York – Tóquio – Milão. Para esse povo um aquário basta. Mesmo que esse povo não queira um aquário. Mesmo assim terão que pagar por aquilo que não precisam. Tem sido assim nas democracias modernas.

    O governo “democrático” do Ceará deveria se envergonhar da miséria que paga aos seus professores. Mas querer que político tenha vergonha é querer demais. Espero que os professores mantenham a greve e que a eles se juntem seus alunos e suas famílias. Corre-se o risco de, em alguns dias, a justiça considerar a greve ilegal. Greve de motorista, professor, policial é quase sempre declarada ilegal. É assim que tem se portado a justiça por essas bandas. Justiça com dois pesos e duas medidas. Ou seja, quando não falta, demora. E, conforme Rui Barbosa, justiça que atrasa não é justiça. Mais um pensamentozinho à toa: Se quem ganha R$ 26 mil está reclamando, imagine quem ganha R$ 1.800,00.

    O jornal O Povo do dia 06/08/11 trouxe a seguinte notícia: “Cid e aliados debatem um “projeto socialista” para Fortaleza”. É um socialismo made in China? Alguém aí precisa explicar ao chefe do executivo e aos seus aliados o significado do termo socialista, pois as ações e tomadas de decisão desse governo estão mais para o autoritarismo do que para qualquer coisa que objetive o bem estar da população menos favorecida, incluídos aí os severinos e severinas que estão sem aula e sem comida. Mas quem se importa?

  • Professora de Sobral-CE

    -

    13/9/2011 às 0:14

    Apenas algumas informações para quem ainda não sabe:
    – Em 16 de julho de 2008 foi sancionada a Lei n° 11.738, que instituiu o piso salarial profissional nacional para os profissionais do magistério público da educação básica, regulamentando disposição constitucional (alínea ‘e’ do inciso III do caput do artigo 60 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias); desde então a constitucionalidade da lei vinha sendo contestada pelos governadores do Paraná, Roberto Requião; do Rio Grande do Sul, Yeda Crusius; de Santa Catarina, Luiz Henrique da Silveira; do Mato Grosso do Sul, André Puccinelli, e do Ceará, Cid Gomes.
    – No dia 24 de agosto de 2011 o STF decidiu, em última instância, que a lei do piso deveria ser aplicada imediatamente; o que ainda não foi feito pelo governador Cid Gomes.
    - Antes do governador Cid Gomes, a progressão salarial que o professor recebia ao sair da condição de graduado para a de pós-graduado era de 30% (especialização) + 10% (mestrado) + 10% (doutorado). No 1º mandato, o governador reduziu a progressão inicial em 10%. Agora, em seu segundo mandato sua proposta de progressão, acredite, é de 90 reais (especialização) + 90 reais (mestrado) + 90 reais (doutorado). Os investimentos(financeiro, profissional e pessoal) para uma melhor qualificação de qualquer profissional são muito altos. Que incentivos os professores teriam em se qualificar, com progressões tão ridículas?
    - A maioria dos alunos COMEMOROU o fato de ficarem sem aula por causa da greve, os únicos que reclamaram foram os alunos do último ano do ensino médio, porque o Enem e vestibulares vem aí, mas também não foram todos, afinal, a maioria nem se interessa em fazer Enem ou vestibular.
    - A maioria dos pais dos alunos das escolas públicas, e só posso falar do Ceará, acha que a obrigação de educar seus filhos é dos professores, nós somos obrigados a fazer papel de pais, mães, psicólogos, assistentes sociais, terapeutas ocupacionais, domadores de feras… O salário que recebemos não paga tudo isso.
    - A colega professora esqueceu de dizer que para complementar o baixo salário, temos que trabalhar 3 expedientes, às vezes em várias escolas diferentes. Além disso ainda temos que dormir tarde, elaborando provas, levantar cedo. Nos fins de semana trabalhar corrigindo avaliações, organizando as aulas, preenchendo diários de classe, fazendo planejamentos, procurando músicas para passar para os alunos e vídeos na INTERNET para não deixar as aulas MONÓTONAS. Não ter tempo para os próprios filhos, só para os FILHOS DOS OUTROS. Todo final de semana, ter sempre algo para elaborar ou corrigir, inclusive nos feriados.
    - A greve dos professores do Ceará foi declarada ilegal, pois, segundo um desembargador do Estado,os alunos estão ficando sem merenda. A escola agora é restaurante.
    - Confira as peripécias do governador com o dinheiro público nos links abaixo.
    http://veja.abril.com.br/230408/pompeu.shtml
    http://veja.abril.com.br/230708/p_128.shtml

  • Professora de Sobral-CE

    -

    12/9/2011 às 23:48

    Por Daniel Lins – Filósofo

    Professores: pau neles!

    Uma vez mais, semana passada, a força foi usada pelo Estado contra professores. Espetáculo humilhante, típico de um poder que se afasta de suas obrigações e age como mestre de senzala!

    O autoritarismo político inverte os papéis. Ora, sem eleitor, não há poder. Se o poder é incompetente e, não raro, desordeiro, quando o diálogo é chantageado, a Assembleia Legislativa é o espaço da palavra dos ofendidos.

    Que fazem os deputados, salvo exceção de praxe? Transformam a “Casa do Povo” em trincheira contra a liberdade. Carneiro, boiada que pastoreia o gado – os professores –, a maioria trabalha em causa própria. Altos salários, corrupção quase sempre impune, tudo isso produz uma situação que põe em perigo às minguadas práticas democráticas.

    De 2002 a 2008, o desvio de dinheiro público no Brasil equivale à economia da Bolívia: US$ 40 bilhões! Média de US$ 6 bilhões por ano, é o que atesta o cálculo feito por órgãos públicos, e difundido pela mídia nacional. Entre os gatunos, não há nenhum professor, como sempre!

    O silêncio cúmplice, da maioria dos deputados e vereadores (alianças partidárias obrigam), em relação à pseudo-política salarial dos professores, e a ausência de ação de políticos inoperantes, pagos como príncipes, merecem um debate sem subterfúgios.

    Com esse tipo de político, os professores terão que voltar aos tempos em que deviam “trabalhar por amor!” Que ideia retrógrada! O ensino privado, confessional, faliria se não tivesse abandonado esse discurso de sacristia: piada nacional, porém, letal. “Ensinar por amor, e não por salário”, desde que o professor não seja eu, minha esposa, minha mãe, parente, amigo, ou amante. Que os políticos exerçam seus cargos “por amor”!

    O Brasil não é a Suíça em que os políticos mantêm seus empregos, e, como na Suécia, recebem um salário mínimo da população à qual devem explicação e respeito.

    Como políticos incompetentes, nem sempre com ficha limpa, ousam se dirigir aos professores como se estivessem a falar com crianças meio tontas, bobos da corte! Quem fala? Por que os países onde a educação é um grande sucesso proíbem a intrusão do político à gestão pedagógica e, por razões óbvias, econômicas? A educação é coisa séria demais para depender de políticos!

    Finlândia, Coreia do Sul e outros países em que a educação é tratada como riqueza nacional fazem da gestão do ensino público uma “empresa” séria, que produz forças qualificadas e competências que atendem às demandas educacional e socioeconômica da nação.

    Educação se faz com orçamento farto, formação de nível, salário alto, exigências de qualidade daqueles que são pagos como profissionais e não como sacrificados do sistema.

    O corpo dos professores, receptáculo de pauladas, reais ou simbólicas, hematomas e pichações, legitimadas pela dominação política, lembra o corpo/alma dos escravos. Quando se recebe menos de oito reais por hora, após anos de estudos, o sentido da vida se encontra alhures.

  • Fabio Ferreira Santos

    -

    11/9/2011 às 21:24

    TUDO FOI DITO.

  • Corinthians

    -

    10/9/2011 às 0:19

    Mara – 09/09/2011 às 20:10
    Este salário de R$ 1500,00 é para início de carreira ? Você é proibida de ensinar em outras instituições, aumentando sua carga de trabalho ? Quais as vantagens que você queria ao se tornar professora ?

  • Mara

    -

    9/9/2011 às 20:10

    Sou professora por amor. Escolhi o curso de Pedagogia porque quis mas, infelizmente, em nosso país não há valorizaçao desta profissão. É um absurdo o piso salarial de um professor não chegar a R$ 1500,00. Se Pedagogia existe nas Universidades públicas e particulares é porque o mesmo é um curso superior como Medicina, Direito e Engenharia por exemplo, mas para quem não conhece o dia-a-dia de um professor, a forma de tramento e salário são bem diferentes. Por que que professor não pode ganhar hora extra? Por que professor não tem vantagem nenhuma? Queremos trabalhar sim e ensinar com qualidade mas, antes de tudo, queremos dignidade e valorização.

  • Ismael

    -

    9/9/2011 às 13:13

    Está muito claro que a reivindicação dos professores não é só de aumento. falam em controle da baderna, respeito, método de ensinoe até de acesso à merenda. será que a situação financeira de quem precisa de merenda é tão boa quanto argumentam seus críticos? Só quem já foi ou é professor sabe o quanto é importante e prazeiroso ensinar. è mais que uma profissão, um sacerdócio mesmo. O que não implica existir injustiças entre bons e maus profissionais. Sou contra apolitização de greves, mas este não parece ser o caso desse movimento, portanto meu apoio aos professores cearenses.

  • Bhalij

    -

    9/9/2011 às 7:43

    Para os ante professores: Esse senso comum é o que nos leva aonde estamos hoje. Para quem não é professor e está longe dessa realidade na prática é muito fácil criticar. Quanto ao comentarista que diz que “todos” os professores são egoísta e só pensam em dinheiro, não é isso meu caro! Tenho certeza que se você tivesse direitos assegurados na Constituição também iria correr atrás. Vale lembrar que os professores são responsáveis pela educação formal, a educação familiar é a primeira em que o indivíduo se submete, a base. A propósito, a lei que nos ampara foi criada em 2008 pelo presidente Lula. O MEC está disponibilizando 1Bilhão para estados e municípios que comprovem não poder pagar a lei. Até agora, nenhum estado fez o pedido, sabe porquê? Porque os entes federados precisam abrir suas contas para provarem e isso nenhum governador quer. Seria como abrir a Caixa de Pandora. Mas enquanto o povo se provoca entre si, os poderosos agem.

  • Denúncia do Arruda Setembro/2010

    -

    8/9/2011 às 19:23

    Não publico comentários insultuosos e grosseiros como o seu.
    Seja civilizado, tenha modos e seus comentários serão publicados e respondidos.

  • Corinthians

    -

    8/9/2011 às 14:59

    Qual é o salário dos professores do Ceará hoje ? Não só o de início de carreira (que eu acho baixo, mas não completamente fora do normal), mas o de outras categorias também ?
    Quando vimos uma passeata na praia do futuro por exemplo, emum fim de semana ? O que será dos alunos que estão sem aulas há tanto tempo ? Qual q reinvindicação da greve ? Aumento de quanto, para quais categorias ? Os melhores professores vão ganhar maiores aumentos ou vai ser tudo igual pra todos ?

  • Malur

    -

    8/9/2011 às 11:46

    O MEC está gastando tanto dinheiro para “reconhecer” o trabalho do candidato a prefeito de SP, mas não investe nadinha numa campanha para promover o respeito aos professores. O que essa professora conta é o que muitos professores sofrem, todos os dias, em todo o Brasil. Lamentável.

  • jackson

    -

    8/9/2011 às 10:35

    É evidente que os professores de modo geral não conseguem mais “ensinar” o mínimo necessário. A grande preocupação de suas vidas é sindicalizar-se e reclamar do Estado. Seu passatempo predileto. Muitas coisas estão erradas, porém, o conserto deveria começar com quem ensina.Falta amor e sobra ganância, isso sim.

  • nena

    -

    7/9/2011 às 22:52

    Pessoas como o Cid não poderiam nunca ser eleitos governadores de Estado, ou ter acesso a qualquer cargo de decisão. Depois da grosseria ele, que pudemos ler em sua coluna, vemos o nível dos mandantes do país. É vergonhoso!
    Com escolas funcionando como estão, e não só no Ceará mas em todo o Brasil, dá para imaginar quanto tempo se levará para se refazer os métodos educativos e as metas a alcançar. O pior de tudo é que essas mentes formadas nesse regime de agora dificlmente mudarão seus valores. E sem educação correta, bau, bau! A baderna, então, promete continuar por um bom tempo.
    Estou solidária com os professores, e sei que se não houvesse ideal, eles trocariam de emprego. Parabéns, bons meninos!

  • zemane

    -

    7/9/2011 às 22:00

    Os irmãos Gomes estão mais preocupados com outro tipo de carreira….

  • Aninha

    -

    7/9/2011 às 17:22

    Show de bola o cordel do Antonio Barreto!
    Valeu, Maristella!

  • anonimo

    -

    7/9/2011 às 17:22

    Sabem o que os professores esquerdopatas ensinam para as crianças? Se seu pai lhe bater denuncie-o na delegacia.
    Agora crescidas, as então crianças se acham no direito de espancar professores.
    E o babalorixá de Garanhuns ainda quer que o seu ministro da deseducação seja prefeito da maior cidade da América do Sul.

  • anonimo

    -

    7/9/2011 às 17:19

    E um viva para a turma do Lula aí no Ceará! O apedeuta tanto fez para cooptar eleitores com o bolsa-família ali e olha o resultado!!

  • Paulo Bento Bandarra

    -

    7/9/2011 às 16:39

    Só me explica uma coisa, que eu queria entender: Cid Gomes não acabou de ser eleito? Todos governadores não foram trocados ou reeleitos em 2010? Não tomaram posse em janeiro deste ano?

    Pois é, é para você ver. Espero que pelo menos o grosso do professorado do Ceará não haja votado nele, porque aí seria uma enorme contradição.
    Abraço

  • Ad summus

    -

    7/9/2011 às 16:35

    Errata. Tapete no lugar de tape

  • Ad summus

    -

    7/9/2011 às 16:34

    O Sr. Governador, em uma de suas proximas viagens va a Coreia do Sul. Que ele veja o tratamento que é dado a educacao. E o jeito que sao tratados os professores. Sao as pessoas mais importantes do pais. A riqueza da Coreia é recente e resulta do esforço de todo o pais em torno da educaçao e de seus professores.

    Pela importancia que os professores tem na formaçao do futuro deste pais, mereciam ser recebidos todos os dias com tapete vermelho na entradas das escola.

    Estes funcionarios que negam um prato de comida a um professor, deveriam ter vergonha na cara. Isso nao faz mesmo a um cachorro.

    Acorda Ceara. Nao temos nada neste estado, so a coragem do povo.

  • celsoJ

    -

    7/9/2011 às 16:10

    “…para evitar-lhe represálias” ou “evitar represálias à ela”?

    Acho que “contra” também está correto. E este “a” de seu comentário não tem crase.
    Obrigado pela atenção.

  • Kenhiti Ikeda

    -

    7/9/2011 às 15:38

    Infelizmente essa é a triste realidade da Educação Brasileira. Só dá voto a propaganda criminosa, não a efetiva execução de medidas concretas para a melhoria do ensino brasileiro. É só ver a enxurrada de propaganda da criação de mais Universidades Federais e Institutos técnicos,que o MEC nos enfia goela abaixo, e ver a vergonhosa situação das Universidade Federal de Garunhuns e outras mais.
    E a postura do governador Cid Gomes não mais espanta, porém temos de continuar a mostrar nossa indignação, o nosso inconformismo. Vamos botar a boca no trombone. Conte comigo “PROFESSORA”

  • Maristella

    -

    7/9/2011 às 15:31

    Antonio Barreto – Cordel que deixou Rede Globo e Pedro Bial indignados
    BIG BROTHER BRASIL – UM PROGRAMA IMBECIL.

    Autor: Antonio Barreto, Cordelista natural de Santa Bárbara-BA, residente em Salvador.

    Curtir o Pedro Bial
    E sentir tanta alegria
    É sinal de que você
    O mau-gosto aprecia
    Dá valor ao que é banal
    É preguiçoso mental
    E adora baixaria.

    Há muito tempo não vejo
    Um programa tão ‘fuleiro’
    Produzido pela Globo
    Visando Ibope e dinheiro
    Que além de alienar
    Vai por certo atrofiar
    A mente do brasileiro.

    Me refiro ao brasileiro
    Que está em formação
    E precisa evoluir
    Através da Educação
    Mas se torna um refém
    Iletrado, ‘zé-ninguém’
    Um escravo da ilusão.

    Em frente à televisão
    Longe da realidade
    Onde a bobagem fervilha
    Não sabendo essa gente
    Desprovida e inocente
    Desta enorme ‘armadilha’.

    Cuidado, Pedro Bial
    Chega de esculhambação
    Respeite o trabalhador
    Dessa sofrida Nação
    Deixe de chamar de heróis
    Essas girls e esses boys
    Que têm cara de bundão.

    O seu pai e a sua mãe,
    Querido Pedro Bial,
    São verdadeiros heróis
    E merecem nosso aval
    Pois tiveram que lutar
    Pra manter e te educar
    Com esforço especial.

    Muitos já se sentem mal
    Com seu discurso vazio.
    Pessoas inteligentes
    Se enchem de calafrio
    Porque quando você fala
    A sua palavra é bala
    A ferir o nosso brio.

    Um país como Brasil
    Carente de educação
    Precisa de gente grande
    Para dar boa lição
    Mas você na rede Globo
    Faz esse papel de bobo
    Enganando a Nação.

    Respeite, Pedro Bienal
    Nosso povo brasileiro
    Que acorda de madrugada
    E trabalha o dia inteiro
    Da muito duro, anda rouco
    Paga impostos, ganha pouco:
    Povo HERÓI, povo guerreiro.

    Enquanto a sociedade
    Neste momento atual
    Se preocupa com a crise
    Econômica e social

    Você precisa entender
    Que queremos aprender
    Algo sério – não banal.

    Esse programa da Globo
    Vem nos mostrar sem engano
    Que tudo que ali ocorre
    Parece um zoológico humano
    Onde impera a esperteza
    A malandragem, a baixeza:
    Um cenário sub-humano.

    A moral e a inteligência
    Não são mais valorizadas.
    Os “heróis” protagonizam
    Um mundo de palhaçadas
    Sem critério e sem ética
    Em que vaidade e estética
    São muito mais que louvadas.

    Não se vê força poética
    Nem projeto educativo.
    Um mar de vulgaridade
    Já tornou-se imperativo.
    O que se vê realmente
    É um programa deprimente
    Sem nenhum objetivo.

    Talvez haja objetivo
    “professor”, Pedro Bial
    O que vocês tão querendo
    É injetar o banal
    Deseducando o Brasil
    Nesse Big Brother vil
    De lavagem cerebral.

    Isso é um desserviço
    Mal exemplo à juventude
    Que precisa de esperança
    Educação e atitude
    Porém a mediocridade
    Unida à banalidade
    Faz com que ninguém estude.

    É grande o constrangimento
    De pessoas confinadas
    Num espaço luxuoso
    Curtindo todas baladas:
    Corpos “belos” na piscina
    A gastar adrenalina:
    Nesse mar de palhaçadas.

    Se a intenção da Globo
    É de nos “emburrecer”
    Deixando o povo demente
    Refém do seu poder:
    Pois saiba que a exceção
    (Amantes da educação)
    Vai contestar a valer.

    A você, Pedro Bial
    Um mercador da ilusão
    Junto a poderosa Globo
    Que conduz nossa Nação
    Eu lhe peço esse favor:
    Reflita no seu labor
    E escute seu coração.

    E vocês caros irmãos
    Que estão nessa cegueira
    Não façam mais ligações
    Apoiando essa besteira.
    Não deem sua grana à Globo
    Isso é papel de bobo:
    Fujam dessa baboseira.

    E quando chegar ao fim
    Desse Big Brother vil
    Que em nada contribui
    Para o povo varonil
    Ninguém vai sentir saudade:
    Quem lucra é a sociedade
    Do nosso querido Brasil.

    E saiba, caro leitor
    Que nós somos os culpados

    Porque sai do nosso bolso
    Esses milhões desejados
    Que são ligações diárias
    Bastante desnecessárias
    Pra esses desocupados.

    A loja do BBB
    Vendendo só porcaria
    Enganando muita gente
    Que logo se contagia
    Com tanta futilidade
    Um mar de vulgaridade
    Que nunca terá valia.

    Chega de vulgaridade
    E apelo sexual.
    Não somos só futebol,
    baixaria e carnaval.
    Queremos Educação
    E também evolução
    No mundo espiritual.

    Cadê a cidadania
    Dos nossos educadores
    Dos alunos, dos políticos
    Poetas, trabalhadores?
    Seremos sempre enganados
    e vamos ficar calados
    diante de enganadores?

    Barreto termina assim
    Alertando ao Bial:
    Reveja logo esse equívoco
    Reaja à força do mal.
    Eleve o seu coração
    Tomando uma decisão
    Ou então: siga, animal.

    FIM

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados