Blogs e Colunistas

15/08/2012

às 14:16 \ Política & Cia

Corporativismo de técnicos em radiologia pode prejudicar pacientes de médicos

Através do ultrassom, o médico tem acesso em tempo real ao que se passa no interior de uma pessoa (Foto: Getty Images)

Através do ultrassom, o médico tem acesso em tempo real ao que se passa no interior de uma pessoa. O projeto corporativista quer retirar este importante passo para o diagnóstico dos médicos especialistas e atribuí-lo a técnicos (Foto: Getty Images)

 

Por Eduardo Bancovsky, médico ultrassonografista em São Paulo

Você seria capaz de fazer um relatório preciso sobre as minhas férias apenas vendo as fotos que eu tirei?

Obviamente não. Talvez pudesse descrever os momentos documentados em cada uma das fotos. Mas certamente nem tudo foi fotografado, o que tornaria o seu relatório impreciso.

Esta analogia, que num primeiro momento não tem relação alguma com a medicina, explica bem o que pode acontecer se determinado projeto de lei for aprovado.

O Projeto de Lei nº 3661/2012 está tramitando na Câmara dos Deputados (foi elaborado pelo Conselho Nacional dos Técnicos em Radiologia) e quer retirar dos médicos o direito de fazer exames de ultrassom, tornando isso privativo aos técnicos, tecnólogos e bacharéis em ciências radiológicas.

Cabe salientar que atualmente, o exame de ultrassom é realizado por um médico especialista, que para desempenhar tal função, estudou no mínimo 6 anos de faculdade e 3 de especialização. O ultrassom é um exame de imagem não invasivo que permite o estudo do corpo humano em tempo real de forma dinâmica.

O médico examinador está avaliando os órgãos do paciente em tempo real, utilizando a tecnologia de ponta para poder ver o paciente por dentro. Quando necessário, são realizadas manobras específicas para otimizar o método. Durante o exame são obtidas fotografias dos órgãos analisados quer estejam normais ou alterados. As fotos servem para orientar posteriormente a elaboração do laudo médico, assim como para documentar o que foi visualizado.

A projeto propõe que outro profissional realize o exame e fotografe para que, num segundo momento, algum médico analise as fotos.

Como paciente, você prefere que um médico especialista o examine, ou que ele examine apenas as fotos de seus órgãos obtidas por outro profissional?

Passar a função da realização do exame para outro tipo de profissional é extremamente perigoso.

Os tecnólogos não têm em sua formação a mesma base de conhecimento anatômico, fisiológico e patológico que é atribuída ao médico especialista.

Você é capaz, através dessa foto, de dizer como foi a viagem dessa pessoa? (Foto: Getty Images)

Você é capaz, através dessa foto, de dizer como foi a viagem dessa pessoa? (Foto: Getty Images)

O risco de documentação inadequada aumenta de forma significativa. Além disso, quem vai ser o responsável pelo laudo do exame?

O médico que irá analisar as fotos não vai ter as informações obtidas em tempo real. Voltando ao exemplo das férias, a foto da praia ficou linda, mas só pode contar como foi, quem realmente estava lá. A praia pode ser encantadora como a da foto, mas e o contexto? A água do mar estava gelada? O dia de passeio foi realmente agradável como sugere a foto? Quanta informação pode ser perdida nesta transferência de cargo?

O médico terá menos informações para elaborar seu diagnóstico.

Realmente não faz grande diferença no exemplo das férias se o banho de mar foi bom ou não. Mas e no seu corpo ou no corpo de um parente seu? Acredito que todo e qualquer pequeno detalhe faz uma grande diferença.

A mudança proposta visa automatizar mais ainda a nossa Medicina, afasta o médico do paciente, como se a Revolução Industrial viesse bater a nossa porta tardiamente, reduzindo o custo sem se preocupar com a qualidade. Reduzir mais ainda o custo de um exame, que já apresenta uma excelente relação de custo X benefício ao paciente, é realmente perigoso.

Caso este projeto seja aprovado, o médico especialista em ultrassonografia não poderá mais realizar exame de ultrassom. Somente os técnicos, tecnólogos e bacharéis terão, por lei e não por competência, o direito de fazer um exame diagnóstico que salva vidas, orienta o tratamento, indica ou contraindica cirurgias.

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

Envie um comentário

O seu endereço de email não será publicado

129 Comentários

  • bruna

    -

    18/12/2014 às 12:15

    O problema é que a lei visa abrir mercado para os técnicos e tecnólogos sem visar a segurança de um bom diagnóstico

  • EMERSON

    -

    29/10/2014 às 11:13

    As regras para publicação de comentários no blog, conforme relembrei aos amigos leitores incontáveis vezes, não aceitam textos escritos somente em maiúsculas, em respeito à boa educação, aos leitores e seguindo uma norma internacionalmente praticada na web.
    Como presumo que você saiba, palavras em maiúsculas significam palavras gritadas, não é mesmo?
    99% dos leitores escrevem assim, como neste texto, em maiúsculas e minúsculas.
    Peço que você faça o mesmo das próximas vezes.
    Confira as regras no link http://goo.gl/u3JHm
    Obrigado

  • Lima

    -

    3/9/2014 às 15:46

    Trabalho na área da Ultrassonografia, desempenhando a função de ensinar o médico como conseguir uma melhor imagem ultrassonográfica levando-o assim a um diagnóstico mais preciso.Além disso não é necessário o médico ser especialista em ultrassom, apenas um curso de 20h já o habilita. Tenho mais de 10 cursos de ultrassonografia, que contabilizam mais de 700h, sou Tecnólogo em Radiologia passei 3,5 anos na faculdade onde tive matérias como, fisiologia, anatomia básica,neuroanatomia,anatomia radiológica, patologia e todas com quase as mesmas horas aulas que os médicos. Ora ultrassonografia é qualquer outro exame de imagem e muito menos complexo que uma cintilografia ou uma ressonância.De fato o que os médicos temem é perder esse mercado rentável.Só queremos o direito de realizar o exame.

  • Elder Cavalcante

    -

    5/7/2014 às 1:29

    Faça uma crítica respeitosa e decente, que eu publico. Ofender a honra do autor do texto como argumento é intolerável.

  • Roberta Ribeiro

    -

    19/6/2014 às 10:18

    Sou ultrasonografista nos Estados Unidos e aqui nao existem medicos ultrasonografistas. Estudamos cerca de 4 anos e estamos qualificados para realizacao dos exames. Porque antecipar o resultado em tempo real se podemos analizar com mais calma junto as medicos radiologistas e nao matar o paciente na mesa de exames de susto.

  • Marly Lima Pereira

    -

    29/4/2014 às 10:59

    Sou técnica em imagenologia médica, atuando no mercado a mais de uma década e me sinto preparada para operar qualquer aparelho de U.SONOGRAFIA uma vez que trabalho realizando exames de tomografia computadorizada e operando equipamentos bem mais complexos o que vale é se o profissional sabe a importância do conhecimento anatômico na realização desses exames.

  • paulo melo

    -

    14/1/2014 às 15:02

    algum médico ja nasceu sabendo?? é gênio? por isso temos faculdades pra realizar esse exames, entao tecnicos e tecnologos tb sao capazez de realizar esse exame, seria apenas + 1. ja q fazem RNM/TC/MAMO/PET/RADIO/ETC…

  • beto de fortaleza

    -

    7/11/2013 às 0:15

    Não publico ofensas como as contidas em seu comentário boçal. Você nem se deu conta de que o texto foi apenas publicado no blog, e não de minha autoria?
    Vá procurar sua turma.

  • JAIR DE BREXTON

    -

    12/10/2013 às 12:33

    o exame pederia ser realizado por uma equipe: medico pediatrico + tec. em radiologia o tecnico operava a maquina de ultrasom eo medico avaliaria a imagem em tempo real. simples asimm

  • adão lindomar camargo

    -

    11/9/2013 às 15:41

    em um pais de alta deficiencia de médicos vem ai a questão de falta desses profissionais…gente se um tecnologo em radiologia tem condição de executa exames de raios-x;tomografia computadorizada,ressonancia magnética;densitometria;mamografia;medicina nuclear o por que não executa um exame de imagem de ecografia para um médico especialista lauda depois?o tecnologos são bem qualificados para exucuta esses exames…gente ja penso em quantosmédicos a mais estariao liberados para faze outros procedimentos de mais complexidade…..acham que os tecnologos são desqualificados? pesgunta pra um especialista seeles querem ir faze ecografia nos interiores sendo que la falta até clinicos geral?eles nao querem eles quarem esta nos grandes centros onde podem enche o bolso de dinheiro para eles não importa do restante da população que não tem condição deir atéum grande centro atraz deles…..mas isso é brasil gente……..libera osmédicos para outros procedimentose coloca os tecnologos executa esses exames qui são pouco invasivo.vamos pensa nisso gente….

  • Andre Fernandes

    -

    25/8/2013 às 10:19

    Conheço esse universo. O ponto em questão é que precisamos de médicos ultrasonografistas e estamos com falta desse profissional devido a baixa remuneração. O método hoje permite uma ajuda excelente para fechar um diagnostico, e pode ser usado de forma simples (sem raios ionizantes). O custo do equipamento também é baixo nos dias de hoje. É uma boa discussão e precisamos fazer com que cada unidade de saude tenha um ultrassom (e um profissional para realizar o exame).

  • bira vianna

    -

    24/8/2013 às 12:06

    Oi! A matéria gera discussões mas, em momento algum, o PL 3661/2012, se refere a alguém sem qualificação. Precisamos buscar a “tal”, mas se fosse por isso que diz o texto como:”…Você seria capaz de fazer um relatório preciso sobre as minhas férias apenas vendo as fotos que eu tirei?…” não poderíamos fazer o próprio raios X, e outra questão é sobre corporativismo, vocês jornalista gostam quando alguém que não é qualificado como quem faz a faculdade trabalhe na área?? E os médicos??? Quando defendem que somente eles podem fazer prescrições sobre medicamentos e exames também não seria uma maneira de corporativismo?? Acho que o que deve ser discutido é se o profissional é qualificado para exercer tal procedimento, quais as maneiras de atingir essa qualificação, ao invés de ficarmos atrelados apenas ao corporativismo. Abraço,
    Bira Vianna

  • ALEXANDRE MATTOS

    -

    5/8/2013 às 18:22

    Sou Técnico em Radiologia e, vejo que os técnicos ficam ofendidos quando dizem que nao são capazes de executar a USG. E, entendo que nao há como comparar o USG com radiografia. O exame de USG é muito mais complexo, onde se tem que te a informação me tempo real para que haja um diagnóstico preciso.
    Os técnicos brigam tanto, mas pergunte a algum técnico se ele somente trabalha 24 horas semanais? Raros sao os que trabalham somente as 24hs. O interessante é que a lei que regulamenta a profissão dos Técnicos em radiologia previu essa carga horária porque o técnico trabalharia e, trabalha, com radiação ionizante e, sendo insalubre, tal legislacao teve o intuito de proteger os técnicos com uma jornada menor. Contudo, a maioria se beneficia da protecao da lei e alguns chegam a absurdas 96 horas semanais de trabalho. E quem paga a conta quando o técnico adoece? Todos nós que contribuímos para a Previdência Social. Por isso apoio o projeto de lei que obrigará os técnicos, após cumprirem suas 24 h trabalhando com radiacao ionizante, complementarem as 44h com serviços burocráticos na unidade de saúde.

  • paulo melo

    -

    21/7/2013 às 12:50

    corporativismo é esse tipo errado de informação!!ultrassonografia nao será p/tecnicos e tecnologos coisa nenhuma, e sim apenas p/nivel superior em ciencias radiologicas capacitado e especializado p/esse exame e como os medicos tb foram capacitados. ouserá q ja nasceram sabendo?/

  • Ricardo

    -

    12/7/2013 às 8:59

    E quando tira uma radiografia ao tórax ou vê uma outra imagem de outra técnica? Aí já sabe tudo sobre as férias que eu tirei? A verdade é que os médicos vão perder alhum dinheiro!

  • Eduardo Pedrogam

    -

    24/5/2013 às 21:17

    Desculpe caro jornalista , mas com todo respeito desse mundo , ao menos o titulo esta sim bem malicioso e sensacionalista , nao condiz com o debate.

  • Alê

    -

    11/4/2013 às 12:32

    Boa tarde aos leitores, peço apenas para verificarem a veracidade das isnformações aqui contidas e discutidas, pois parece que não estavam falando de ultrassom médico e sim Ultrassom Industrial em ensaios não destrutíveis. grande abraços a todos, por favor, se puderem, entrem aqui para se redimirem um pouco.

  • DSM FOO

    -

    2/3/2013 às 12:48

    Isso é uma briga antiga que envolve mais concelhos que proficionais propriamente dito. Basta pensar que o exame de ultrason, apesar de ser uma forma de radiodiagnóstico, não emite radiação ionizante. Ou seja, o proficional que está ali operando o aparelho não está sendo exposto à radiação e não terá sua saude prejudicada com o passar dos anos. Sendo assim, é uma forma a mais para os médicos ganharem um bom dinheiro. Já em exames de tomografia e raio x, por exemplo, há radiação ionizante e se não houver uma correta forma de proteção radiológica o proficional que opera os aparelhos estarão expostos à radiação. Tanto a Tomografia quanto o raio x são exames que os médicos laudam vendo apenas as imagens que o técnico ou tecnólogo obtiveram do paciente. Agora pergunte a um médico se ele quer trabalhar operando um tomógrafo ou aparelho de raio x.

  • Anderson Braga

    -

    23/2/2013 às 22:05

    O sensacionalismo presente nos meios de informações rápidas, induzem pessoas a terem opiniões imprecisas sobre determinados assuntos, como exemplo essa matéria publicada que discordo do que foi dito pois sou técnico em radiologia e vejo profissionais graduados (médicos) sem especialização especifica e mesmo assim fazendo e diagnosticando exames de ultrassonografia.
    Profissionais como técnicos e tecnólogos tem sim competência de realizar esses tipos de exames, ficando para o médico analisar as imagens, diagnóstico primário feito pelo técnico e anamnese colhida do paciente. A mudança é somente na justa determinação de funções exigida pelo avanço tecnológico, cuja mudança já acontece entre médicos que em muitos casos visam lucro e não qualidade, repassando a fase diagnóstica para outro profissional que embora também seja médico não esteve presente na realização do exame e mesmo assim o lauda.
    Na minha opinião já é tardia a aprovação deste projeto, pois não só o conhecimento anatômico mas o conhecimento técnico especifico é essencial para métodos diagnósticos, desconsiderando o exagero publicado.

    Vou publicar seu comentário porque sou tolerante, mas você deveria dobrar a língua antes de falar de meu blog como “sensacionalista” porque publiquei a opinião de um médico, discutível, evidentemente — basta ver o número de comentários a favor e contra –, mas que não o autorizam a me ofender.

  • JOSÉ FERNANDO DA S Fº

    -

    21/2/2013 às 23:56

    Senhores médicos, não vejo por esse ângulo de usurpação de função, até porque os técnicos já o fazem desde antes de 1985 e a criação dos conselhos regionais e federal legalizou total e completamente a profissão das técnicas radiológicas, além dos médicos. Entretanto, a pessoa do tecnólogo foi necessário para atender a evolução ou quiçá Revolução tecnólogica que muitos médicos ainda não detém. Sob outra ótica, constantemente ouvimos a mídia enunciar pilhas de processos contra alguns médicos generalistas e não especialistas na radiologia fazendo exames de ultrassonografia, entre outros, só porque uma Resolução doCFm assim o determina que exames devem se feitos por um médico, mas omite que tipo de médico deve ser esse, ora assim, vemos que esta res CFM data do século passado e requer uma atualização deste século, assim como a Lei 7394/85. Entretanto, tenho vivenciado em hospitais e clínicas a ausência de radiologistas na execução direta de exames radiológicos e entretanta emitem os laudos; e aí nos criou a seguinte indagação: Como pode alguém emitir um laudo sem ter visto o paciente, colhido pessoalmente sua história clínica, diaologada com o mesmo, pelo contrário o Técnico ou Tecnólogo o fez, inclusive a Anamnese e mesmo assim, o laudo é emitido pelo radiologista que nem sequer participou direto do exame; por isso e muito mais empresas de laudos a distância estão se engajando na atual era e a medicina tem que acompanhar e o que vejo é que os médicos esqueceram que ao lado deles havia e há outros profissionais se capacitando a ponto de se igualarem em seus conhecimentos, pois se reclamam detentores de apurados saberes antomofisiopatológico e nas graduação de tecnologia em radiologia também vemos, são mais de 3000 h/a só de radiação e medicina e radiofármacos.Por isso, creio que a aprovação é mais que justa e tardia para nós tecnólogos e técnicos, pois inclusive anseio em abrir uma clinica de radiologia na oferta de serviços de TC, Rx digital, mamografia, Des Óssea, odontorradiologia em minha região – Belo jardim-PE( a 50Km de Caruaru-PE e a 187Km de Recife-PE), e inclusive pretendo contratar uma empresa de emissão de telaudos; pois traduzo que os médicos da imagem não estavam nem estão preparados para a Revolução Tecnólogica que é inevitável e ainda pretendem angariar todo o espaço para si próprios. Assim, opino que atenção aos leigos no assunto para que a mídia mine e induza opiniões sem conhecimento de causa.
    Sou Graduado em Matemática, Ciências Biológicas, Pós-Graduado em matemática e Graduando(7ºperíodo) em Radiologia Médica pelo IFPE.

  • Rodrigo

    -

    18/2/2013 às 23:53

    Boa noite,
    Atuo na área como tecnólogo em radiologia e sempre os médicos perguntam após o exame” ai, viu algo no exame”
    Digo que somos os olhos dos médicos, pois se fizermos exames bem feito o próprio poderá dar um laudo eficiente, se fizermos exames ruim, o médico nao conseguirá laudar, e assim descobrir o problema do paciente. Temos total condições de dar um diagnóstico por exame e na sequência o medico analisar e laudar. Existem muitos profissionais de outras áreas que não tem conhecimento em radiologia atuando, realizando exames e as empresss contratam, pois pensam no lucro e a qualidade fica de lado. Pq a matéria nao trata desse assunto, pois os pacientes nao sabem disso, pq?
    Em cidades pequenas, pessoas sem formação fazem exames de rx, tc e rm, pq nao houve matéria abordando esse descaso? Pq esse paizinho é o pais do jeitinho!

  • edilson

    -

    12/2/2013 às 3:31

    Sou estudante de tecnologia em radiologia em Teresina, durante todo o meu curso tenho visto nas minha leituras pessoas que não eram médicos ou médicas contribuir para a evolução da medicina,se essa
    descobertas não serviram para medicina, me responda o por que de se apropriar das mesma. Creio que todo profissional tem respaldo no que faz. Se fosse o ca
    so os farmaceuticos não dariam laudos de análise.

  • Cunha

    -

    18/1/2013 às 16:33

    Essa matéria é uma completa manipulação dos leigos desse país, mas uma vez a prepotência dos médicos reina.
    A revista veja deveria revisar melhor suas matérias. Matéria essa, Preconceituosa e maliciosa com o intuito de prejudicar uma classe de trabalhadores.
    Sou tecnológo em radiologia, físico Médico, Mestre em radioproteção e doutorando em física médica.
    Trabalhei durante 7 anos como operador de tomografia e ressonância magnética (exames mais complexos do que ultrassonagrafia) e perdi as contas de quantas vezes o médico especialista pedia ajuda do técnico. Muitas das vezes o laudo verbal dado para ao médico assistente era “feito” pelo técnico de TC/RM.
    Acho que nem todos os procedimentos deveriam ser realizados pelo técnico (biopsia…), mas os outros com toda certeza um profissional das técnicas radiológicas especializado poderia realizar e só para avisar já consta na lei dos técnicos essa atribuição e no entanto, quem exerce é o médico e lembre-se que essa lei não diz que o médico não pode realizar o método e sim que o bacharel em radiologia poderá fazer o exame.

    Prezado Cunha,

    “A revista” não tem nada com isso, seja justo para com ela. A responsabilidade pelo blog é minha. Sua opinião está aí devida e democraticamente registrada.

  • Eduardo Koppk

    -

    14/1/2013 às 18:20

    pra acabar o debate levanto uma unica questao : se o problema é a preoucupaçao com o paciente como Sou tecnologo e desafio qqr medico radiologista a saber mais de anatomia ou patologia do que eu….vcs falam por que entao ao inves de pregar a exclusividade dos medicos vcs nao pregam a obrigatoriedade de uma especializaçao rigorosa para os tecnologos ultrassonografistas? xeque

  • Marcio Faria

    -

    30/12/2012 às 16:08

    Concordo com a reportagem e com a analogia da foto, muito boa por sinal!

    O que não concordo é com essa ilusão que todo médico ultrasonografista é especialista, o próprio Dr Eduardo Bancovsky já foi técnico em radiologia e mesmo antes de obter o título de especialista já era ultrasonografista..

    Não vou desmerecer ninguém aqui, sou apenas um técnico de formação e conclui o curso superior de Tecnólogo em radiologia recentemente e também não me considero capaz de realizar o exame de USG clínico e fechar um diagnóstico de apendicite, aneurisma ou uma dissecção de aorta em ninguém. Mas por outro lado o conhecimento da nossa profissão é um tanto vaga para muitas pessoas inclusive quem gerou essa matéria e o colega que a escreveu.

    Apenas para esclarecer o aparelho de USG é usado também fora do contexto hospital/ clinica, algum de vocês já ouviu falar da Radiologia Industrial? Para quem não sabe o que é, ou nunca ouviu falar, pergunte para um Tecnólogo ele sabe!

    Apenas por curiosidade, gostaria de saber o por que de tanta polemica a respeito desse assunto? Se todos os serviços de USG são chefiados por médicos radiologistas. Será que tem médico com medo de perder o posto? Visto que grandes serviços de são paulo colocam médicos residentes (os R menos da vida) para executar plantões em prontos socorros de grande fluxo.

    Outra coisa que não entendo, é por que a OAB é mais rígida que o próprio CRM para o ingresso do profissional iniciante? Minha vida como paciente/cliente vale menos que um processo trabalhista por exemplo?

    O que vejo são muitas interpretações para um mesmo projeto de lei, e pessoas que ao invés de tentar entender o que isso causa na sociedade eu vejo muitos jogando gasolina em beira de churrasqueira e para que?

    Se alguém me perguntar eu vou dizer sim eu gostaria de avaliar cascos de navios com USG, gostaria de avaliar fissuras no trilho do metro de SP com USG, gostaria de avaliar desgaste de turbinas e claro que gostaria de trabalhar para a Petrobras numa plataforma ou quem sabe checando gasodutos pelo Brasil e nunca escolheria o USG clinico (seja de qualquer parte do corpo).

    Mas eu tenho certeza de uma coisa, que quando alguém emite uma opinião ele tem certeza do que esta falando por que eu também li esse projeto e para mim ele deixa uma margem para interpretações equivocadas de pessoas de todas as classes trabalhistas.

    Sobre a foto eu tenho certeza que o DR curtiu muito com a prole e com a esposa mesmo sem olhar direito para as imagens, um abraço a todos os colegas das atividades radiológicas medicas e/ou industriais.

    fonte :
    http://www.sagatech.ind.br/cursos/calendario-curso.php?idCurso=12

    http://www.cmarques.com.br/index.php?p=2&pp=43

    http://www.unifran.br/site/canais/graduacao/gradeCurricular.php?curso=60

  • Rafael Miranda

    -

    7/12/2012 às 20:05

    INFORMO QUE SOMOS NÓS QUEM FAZ A DIFERENÇA.POIS SE BUSCARMOS,PESQUISARMOS TEREMOS UM CONHECIMENTO ACIMA DO QUE APRENDEMOS.QUERO DIZER A TODOS QUE A FISIOLOGIA,ANATOMIA E PATOLOGIA FAZ PARTE DA GRADE DO CURSO,ALIAS NÃO SÓ FAZ PARTE QUE Á ESTUDAMOS.

  • Hadel Rachid

    -

    11/11/2012 às 16:32

    Antes eu adorava o meu emprego, via a Radiologia como uma arte, tudo era bonito na profissão, mas hoje tenho a pior das decepções e desilusões. Tenho vergonha de ser técnico em Radiologia!!!
    Embora houvesse um crescimento de atropelamentos de outros profissionais, como os biomédicos, tecnólogos sem experiência e auxiliares de enfermagem que operam escopias em blocos cirúrgicos, foi considerada uma das profissões mais belas na década de 70, 80 e 90.
    É hoje uma área saturada, não existem mais oportunidades de emprego, o CONTER (Conselho Nacional de Técnicos e Tecnólogos) não defende os verdadeiros direitos dos técnicos.
    Hoje ser tecnólogo é uma fantasia que criaram em alguns cursos de graduação em grandes Universidades públicas ou particulares de grande reputação, prometendo valores de conhecimento e reconhecimento. São crus em Anatomia Humana, pois o curso está mais voltado para física das radiações ou aparelhos de raios x, mas na hora de posicionar um paciente, que é uma arte de radiografar, eles pecam em erros grosseiros como, por exemplo, um raios x de tórax, no qual não sabem verificar a inspiração do paciente, não sabem diferenciar um AP de uma PA, não sabem argumentar se o paciente está em pé ou deitado e não sabem falar se o paciente está rodado ou corretamente posicionado. Enfim, um tecnólogo pode ter uma bagagem de conhecimento de 3 anos, mas não tem a experiência e vivência de um técnico.
    No final, todos são técnicos, o problema é que estão enfeitando o pavão e aumentando os anos para tirar dinheiro de trouxas “mal informados”.
    Sou técnico há 5 anos, trabalho como terceirizado na Fundação de Ensino e Pesquisa, no Pronto Atendimento do Hospital de Clínicas da UFTM, ganho 2 salários mínimos e mais os 40% de insalubridade, e sou bom naquilo que faço. E mesmo assim não consigo outro emprego na área, visto que existem colegas de profissão que procuram atropelar com má fé os outros, principalmente os mais antigos que possuem 3 ou 4 empregos na cidade, sendo alguns concursados federais. Estes, sim, consideram-se os Paladinos do Raios X, pois formam um tipo de facção que se encontra em grandes centros universitários e hospitais. Cursos de técnico em radiologia também são monopolizados por essa corja de profissionais.
    Estes mesmos concursados federais atropelam boa parte dos recém-formados, não deixando sequer uma das fatias de oportunidades nas principais clínicas e hospitais da cidade!
    O pior seria a formação das cooperativas de técnicos que terceirizam o serviço de imagem para várias clínicas radiológicas, esses sim são esmagadores, pois meia dúzia desses vampiros ou sanguessugas, que são os concursados e maioria de professores de cursos, tomam todos os empregos e oportunidades. Às vezes, um desses técnicos chega a ocupar 4 serviços, fazendo o que chamamos de rodízio na profissão de técnico ou burlam o relógio de ponto no serviço público: Passar o cartão no início do serviço em determinado horário no hospital público, mas ir trabalhar em uma clínica. Quando se passa as 4 horas, o técnico sai da clínica e vai passar o cartão no término do serviço no relógio de ponto no hospital público. Ou seja, esse mesmo energúmeno ocupa vários espaços num mesmo horário, mas trabalhando apenas em um lugar.
    Não vejo a hora de investir em outra coisa que não seja mais esse tipo de embuste da profissão. Vou tentar é faculdade de informática ou engenharia mecânica, se possível medicina.
    Quem estiver tentando esse embuste de profissão ou fantasia, então faça dela uma ponte para investir em outra coisa, caso vença a concorrência dos mais antigos.

  • Tr. João Vitor Silva Dias

    -

    9/11/2012 às 9:15

    O que faz um médico ultrassonografista melhor que um tecnólogo em radiologia?? é a instrução.
    Portanto se autorizada a criação do curso de bacharel em radiologia esse profissional será tambem instruído de forma a ser capaz de realizar o exame com qualidade, atenção para a lei que autoriza apenas o bacharel a realizar exames de ultra-som e não técnicos e tecnólogos, essa matéria está incorreta ao afirmar que ténicos e tecnólogos farão esses exames. Além de ter sido escrita por um médico o que só mostra um dos lados da questão levantada, e ainda com o enunciado de corporativismo de técnicos?? não seria o contrário?… Deveria se chamar: corporativismo de médicos atrapalham o desenvolvimento do país ao prejudicar lei que disponibiliza criação de curso para outros profissionais da saúde.

  • Andréia Regis

    -

    7/11/2012 às 23:45

    Sou Médica Veterinária e trabalho em um centro diagnóstico com radiologia e ultrassonografia. Fiz Mestrado e especialização em imagem. A Medicina Veterinária também será prejudicada se tal lei for sancionada. Cães e Gatos tem suas particularidades , o exame ultrassonográfico é de correlação clínica e examinador dependente. Não é simplesmente saber operar o equipamento. A interpretação diagnóstica depende de conhecimento anatômico e dos diversos mecanismos fisiopatológicos das enfermidades animais. A impressão diagnóstica depende da avaliação dinâmica e não posso assinar um laudo ultrassonográfico do qual avaliei só imagens impressas. Me dedico há 15 anos a ultrassonografia e agora vão limitar a minha atuação. Absurdo prejudicar uma profissão em detrimento de outra recém criada e que não vai substituir a minha experiência! Sinto muito… como profissional e cidadã estou me sentindo prejudicada. Srs legisladores olhem por esse lado: Esse mercado de trabalho que estão tentado entrar foi criado por nós que trabalhamos nesta área há muito tempo! A preocupação maior em relação a lei é a palavra “PRIVATIVO” do tecnólogo, neste contexto se eu radiografar um ANIMAL ou realizar um exame ultrassonográfico significaria exercício ilegal da profissão.

  • Douglas

    -

    7/11/2012 às 20:58

    Já erra quem compara o exame radiográfico ao ultrassonografico. O exame radiográfico é composto por uma imagem estática e permanente onde a interpretação é realizada com base nesta imagem estática. Já o exame ultrassonografico é composto por uma avaliação em tempo real. As imagens impressas ou arquivadas são principalmente para documentar o exame. O laudo ultrassonografico começa a ser elaborado quando o médico, médico veterinário e especialista realiza o exame, analiza as dificuldades que a imagem sofre para ser formada e realiza manobras e técnicas para avaliar em tempo real e alguns destes dados não são arquivados e impressos.
    O erro começa ao comparar estes exames.

  • marcelo k.

    -

    28/10/2012 às 1:41

    O EXAME ULTRASSONOGRAFICO SÓ DEVE SER RALIZADO POR MÉDICO ESPECIALISTA PORQUE :
    – 1. O EXAME É UM CONJUNTO DE INTERPRETAÇÕES E CONHECIMENTOS IMAGINOLOGICOS E MÉDICOS, QUE SO SE CONSEGUE DURANTE A RALIZAÇÃO DO EXAME.
    - 2. CONHECIMENTO EM MEDICINA É FUNDAMENTAL POIS ALGUNS EXAMES
    PRINCIPALMENTE NA URGENCIA PS O “FEELING” É FUNDAMENTAL. O MÉDICO NAO PODE VER SÓ FOTOS.
    - 3 . DEVE HAVER CONHECIMENTO GERAL ANALISE DE RX , EXAMES LABORATORIAIS , CT, E PRINCIPALMENTE ANAMNESE SÃO FUNDAMENTAIS,PARA RALIZAÇÃO DE UMA HIPÓTESE DIAGNÓSTICA.
    - 4. O CONTATO DIRETO COM O PACIENTE É FUNDAMENTAL.
    - 5. USG NÃO É RX ,CT, RM IMAGEM ESTÁTICA.O USG É DINÂMICO.

  • Carlos Kawakami

    -

    12/10/2012 às 12:23

    Prezados senhores a questão é simples. Se você apresenta alguma queixa e precisa de exame ecográfico para diagnóstico. O exame deverá ser realizado e interpretado por profissional experiente e preparado para ajudá-lo a definir o tratamento e evitar equívocos. Evitando tratamentos ineficazes por diagnósticos equivocados e às vezes tardios e irreversíveis.
    Portando a escolha do profissional que realiza o exame é livre. Médico ou técnico. Mas os possíveis erros de diagnósticos causados por negligência, imperícia ou imprudência. Sejam então exemplarmente punidos. Com processos criminais e perda da licença do exercício profissional.
    Portanto não sou contra quem realiza o exame: seja médico ou técnico em ecografia.
    O próprio mercado fará a sua seleção natural. Infelizmente o que na verdadade não podemos admitir são profissionais mal preparados ou sem qualificação.
    Muitos profissionais médicos são punidos por “erro médico”. Se aprovada a nova lei poderemos ter também uma nova modalidade “erro técnico”.

  • Christian Sgarbi

    -

    6/10/2012 às 20:26

    Nos EUA o tecnólogo (com formação diferente da apresentada aqui no Brasil) realiza o método sob a supervisão do MÉDICO em sala. Se esta é a comparação, o MÉDICO seria amparado para realização do procedimento com seu ajudante. Mas NÃO É! Embora afirmem que a lei é para uso “industrial” e para ajudar no “mercado carente” a lei quer passar a um profissional sem conhecimento clínico a capacidade de emitir laudos médicos. Podem conferir na lei que está em trâmite. É isso mesmo!
    O que as sociedades médicas querem não é a supressão desta lei, é a alteração em alguns trechos da lei para que o paciente não seja submetido a um exame médico de um profissional que não é médico. Imaginem um exame transvaginal ou de próstata que deveria ser realizado por um médico que tem conhecimento de atuação na área sendo realizado por um técnico… Ou aquela lesão de fígado que deve ser relacionado com uma síndrome para afastar a possibilidade de malignidade de alguém que não tem conhecimento clínico?
    O que não entendo é o seguinte: Se for na questão de ser técnico americano, vou achar ótimo e exigir esta pessoa que quer se transformar neste empregado, pois meu ombro agradeceria (assim como outras coisas como coluna, varizes, etc. que são doenças que advem infelizmente da prática repetitiva). Mas, se a questão for para melhorar o “mercado de trabalho” que está carente então porque fez curso de técnico afinal? Porque não estudou mais e fez medicina e se especializou na área? Amigo, para que isso? Voce já está em área importante e digna. O mundo deve se ajudar. Atualmente os médicos estão proibidos que eles mesmos realizarem exames de Rx, tomografia ou ressonância magnética imposto pelo sindicatos dos técnicos; mesmo se um médico for o PROPRIETÁRIO do equipamento!
    Para que então voces querem fazer o que os médicos já o fazem?
    É insatisfação?
    Volto a perguntar: Amigo, afinal, porque não escolheu ser médico?

  • Carlos Monar

    -

    3/10/2012 às 2:35

    Sou Médico Radiologista e conheço de perto o trabalho de Tecnólogos e Biomédicos. Eu nunca contrataria um Bimomédico pois o conhecimento do Tecnólogo é Superior pois estudou em sua área. Não vejo problemas em um Tecnólogo especialista em Ultrason.

  • Larissa J.

    -

    25/9/2012 às 17:47

    Nossa que absurdo!!!!!
    Acho que o doutor não esta sabendo que nós tecnólogos queremos atuar com ultrassom industrial e não com ultrassom de diagnóstico médico, já que nã temos mesmo qualificação para esta prática e como nosso amigo do comentário observou: nossa luta é para podermos trabalhar na nossa área, já que estudamos para tal e os biomédicos não tem formação suficinete para isso, nós tecnólogos estudamos e nos qualificamos para exames diagnósticos por imagem!!!
    E o biomédico para ajudar no diagnóstico cliníco!!!!

  • Ana Paula Santos

    -

    25/9/2012 às 16:10

    Descordo desta Lei!

  • Carlos Eduardo

    -

    25/9/2012 às 15:50

    Como sugestão, deixo ao dono da coluna a possibilidade de resposta por nossos órgãos, afinal, um assunto tão importante merece um debate amplo, com direitos iguais para ambos.
    Caso seja uma matéria paga (o que eu não acredito ser), entenderei sua posição.

    Meu caro Carlos Eduardo, me desculpe a franqueza, mas imaginar que há “matéria paga” publicada por um jornalista sério me é altamente ofensivo.

    Não existe “matéria paga” na imprensa séria. Simplesmente não existe. Isso é uma lenda urbana difamatória que sei que paira por aí, mas é pura e simplesmente uma mentira.

    “Matéria paga”, para qualquer jornalista decente, é uma infração ética intolerável. Para um veículo sério, seria, se ocorresse, caso de demissão sumária do funcionário, por justa causa.

    Só o fato de você cogitar, como hipótese, que um blog de VEJA — e o blog pelo qual sou responsável — possa abrigar essa aberração me deixa absolutamente espantado e me ofende.

    Qualquer técnico da área que quiser se manifestar e me enviar um texto publicável terá sua opinião colocada no blog.

    Saudações

  • Carlos Eduardo

    -

    25/9/2012 às 15:44

    Alguns detalhes importantes.
    Alguns colegas que comentarem aqui, nitidamente não são profissionais das técnicas radiológicas. Se referir a nós como “apenas conhecedor de esqueleto” e “apertadores de botão”, como “técnicos em raios X” e um outro que falou como se a graduação em ciências radiológicas já existisse, só podem ser pessoas má intencionadas querendo deturpar quem realmente somos.
    Deixamos de ser só “conhecedores de esqueleto” e “apertadores de botão” há muito tempo.
    Deixamos de ser técnicos em raios x há muito tempo. Hoje somos técnicos/tecnólogos em RADIOLOGIA. Mexemos com radiação x, gama, beta e ondas de rádio (que muitos médicos nem sabem que também é um tipo de radiação).

    Outro detalhe importante é que, mesmo que a USG fosse pleiteada por nós, não seria da maneira que as coisas estão hoje. Essa PL busca regulamentar a graduação em Ciências Radiológicas com, se não estou enganado, 5 anos de formação superior, onde o grau de conhecimento seria muito maior, com uma grade mais completa, atribuindo conhecimentos mais aprofundados nos tornando então, aptos para tal procedimento.
    Para a adptação dos profissionais já existentes, como os tecnólogos, caberia uma especialização em tal procedimento, de forma que tb os capacite ainda mais.

    Para o médico que disse que nos EUA, por ser um exame realizado por profissionais da radiologia, acabam solicitando em maior número exames de TC e RM.
    O senhor sabe que as coisas não são assim. Nem nos EUA e muitos menos na europa. Ou para vc o mundo está atrasado e somente nós estamos um passo à frente?

    Último detalhe: alguém disse que que os médicos tem o “título de doutor”. Não os médicos que têm esse título são os que defenderam sua tese de doutorado. Só e somente só eles têm esse título.

  • Wanderley

    -

    22/9/2012 às 14:40

    Desculpe, mas se o senhor não conhece ou não entendeu o assunto não deveria publicar uma coisa absurda como essa , leia , na íntegra a nossa reinvindicação, nossa luta é contra os biomédicos e não contra médicos , tanto tecnologos em radiologia ou biomedicos não tem formação para realizar este exame dinamico que é o US e diagnosticar doenças, Caro senhor , voce esta equivocado .

  • Andreia Graciola

    -

    22/9/2012 às 1:44

    Antes de publicar uma matéria deste tipo, vocês deveriam procurar saber a história da radiologia e pelo que se luta faz tempo: a regulamentação da profissão, evitando assim que pessoas que não tem o preparo que os profissionais de radiologia têm(sejam técnicos ou tecnólogos) exerçam a profissão ilegalmente. Ninguém aqui tá querendo tomar o lugar de ninguém, que fiquem sossegados os médicos. Mas que abram espaço para que um órgão oficial possa também falar a verdade sobre esse assunto.

  • Ana Paula Santos

    -

    21/9/2012 às 22:26

    O curso de Ultrassonografia Industrial é destinado a profissionais da área de engenharia que desejam aumentar os seus conhecimentos e conseqüentemente as suas chances no mercado de trabalho, no curso o profissional vai aprender a detectar falhas em equipamentos usando o aparelho de ultra som, o aparelho de ultra som detecta sons e permitindo assim encontrar possíveis falhas existentes.
    TÉCNICO cuida de aparelho, MÉDICO de VIDA!!1

  • Aluisio Firmino

    -

    21/9/2012 às 18:06

    Ao colunista, seria interessante conhecer o trabalho dos Tecnólogos/Técnicos. Matéria lamentável e equivocada. Realizamos exames muito mais complexos e temos técnicas que mostram patologias que os médicos sozinhos não encontrariam, os bons médicos reconhecem o trabalho da equipe… Eu apoio a atualização da lei. Os “chefes” não apoiam, apenas para pagar apenas 1 Biomédico(Formado para atuar em análises clínicas laboratoriais), que trabalhará a semana inteira e com isso cortar gastos, é apenas isso. O ATO MÉDICO criado por médicos, faz reserva de mercado para médicos, por que não atualizar a PL3661-2012 e proteger a sustentabilidade da nossa profissão?

  • Maria Augusta

    -

    21/9/2012 às 15:28

    Estou bestificada com essa matéria. Como pode um profissional desse falar tanta barbaridade.Aposto que nunca viu uma grade curricular de um Tecnólogo em Radiologia.Temos o conhecimento necessário para exercer a nossa função, saúde púbica não é brincadeira e a sociedade necessita de profissionais qualificados, como os tecnólogos. Estou de acordo com o projeto

  • Sérgio Rodrigues de Sá

    -

    21/9/2012 às 12:05

    Patrícia Souza- você sequer se deu ao trabalho de conferir a carga horária da grade curricular do curso de Tecnologia em radiologia.
    Anatomia, Fisiologia e Patologia fazem parte da nossa grade e nem vou te dizer a carga horária de tais matérias.
    Faça como todo bom Tecnólogo em radiologia, dê uma pesquisada básica. Faça comparações dos dados que você coletar… analise e depois SIM dê um laudo da situação, baseados em fatos REAIS!
    Ninguém aqui quer saber de USG médico, Temos muitas áreas de muito maior complexidade do que um mero USG.
    Mas para seu governo a USG que podemos e estamos trabalhando é USG na Radiologia INDUSTRIAL. Por um acaso você tem uma leve noção disto?
    Por um ACASO você pode mostrar-nos quais são os médicos que estão atuando na USG industrial?
    MOSTRE-NOS!

  • Renato Fioravanti

    -

    20/9/2012 às 21:39

    como Tecnólogo estou pasmo de ver um Profissional da saúde que estudou ”6 anos + 3 de especialização” dizer tanto absurdo!!….lamentável amigos…

  • Patricia Souza

    -

    20/9/2012 às 21:32

    Como dito pelos meus colegas MÉDICOS, venho manifestar minha indignação diante de tal manifesto. Como alguém que não estudou medicina, sem conhecimento em anatomia(obs: para os desavizados anatomia é disciplina nos 3 primeiros anos de faculdade), sem contar as demais disciplinas que fazem de um profissional ser mantedenor do direito de ser médico, como um tecnólogo fazendo um “cursinho” seja de um ano ou mais, pode se quer pensar em realizar um exame que precisa de DINAMISMO, tempo real. A saúde no Brasil está mesmo na UTI, onde iremos parar.Sociedade ACORDE!!!!!Não deixe que ocorra esta barbárie!! Médico é quem fez medicina!

  • Marcelo

    -

    20/9/2012 às 20:00

    Acho estranho um profissional de saúde ter dito essas coisas, pois nós Tecnólogos, Baixares em Radiologia e Técnicos é que operamos equipamentos como a Ressonância Nuclear Magnética, Pet CT , Tomografia Computadorizada dentre outros com complexidade igual ou maior que a Ultrassonografia. Esses exames são realizados pelos profissionais de Radiologia e isso não impede do Médico Radiologista laudar.

  • Sérgio Rodrigues de Sá

    -

    20/9/2012 às 19:50

    A atualização da Lei que regulamenta a profissão é importante, pois ela está defasada. Precisamos esclarecer que a nossa profissão não é exclusividade da área médica e este terrorismo com más informações é danosas para o País.
    Uma das especialidades é Radiologia Industrial e nesta, a USG é por nós executada, pelo menos não se vê nenhum médico atuando na USG industrial. E nós estamos habilitados para exercê-la.
    ‘Os médicos não precisam se assustar conosco, nãos estamos na área da saúde para roubar o espaço de ninguém! Não somos os Biomédicos que ficam bicando as atribuições de outras profissões e por sinal são apoiados por uma ala dos médicos. Mas Qualquer pessoa de bom senso iria fazer o dever de casa, ou seja confrontar as grades curriculares das 2 profissões Bm e Tecnólogo em Radiologia e veria que o que passado para o TnR em 3 anos de pura Radiologia, não cabem nas 80 ou 120 h na biomedicina. Pergunto Senhores Parlamentares: o conteúdo de 3 anos cabem em 120 horas? E é esta visão de uma parcela da classe médica, então a opinião desta mesma parcela deve também estar equivocada, não?

    equivocada, não?

  • Celso

    -

    20/9/2012 às 13:54

    Para que se coloque um ponto final neste – já tão cansativo – tema; e para que no futuro evitemos possíveis acessos de estupidez ( como temos visto de ambos os lados ), concito a todos que estudem com um pouco mais de cautela – e menos intolerância – o Projeto em tela. JAMAIS SE COGITOU que o Técnico em Radiologia viesse a executar exames de ultrassonografia objetivando o DIAGNÓSTICO MÉDICO ! – Sua concepção trafega rota totalmente adversa! Destina -se às aplicações em radiologia industrial, pesquisa científica ou áreas afins que NÃO visem – repito – o DIAGNÓSTICO MÉDICO ! Qualquer dúvida, acredito que a assessoria jurídica do CONTER não se negará a dirimir! Colegas: CHEGA!!!!!! Temos assuntos mais importantes aguardado nossa reflexão e empenho. Grato, Celso.

  • Nigislam

    -

    20/9/2012 às 13:41

    isso e uma calunia contra a classe da imagenologia, esse colunista não sebe o que ta escrevendo nem tem fundamentos em seu relatório,vou lhe dar um concelho meu colega que publicou essa asneira, procure se aprofundar mais no assunto que você vai ver que não e bem assim, procure ouvir os dois lados e publicar também. Ou você não sabe o que e democracia?? fica a dica…

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados