Blogs e Colunistas

13/05/2013

às 14:00 \ Política & Cia

ACREDITE SE QUISER, E VEJA O VÍDEO: O MST seleciona jovens brasileiros para cursar Medicina em Cuba. E depois essa turma quer tratar de doentes no Brasil

"O socialismo é o futuro. Espero voltar para meu país e implantar esta semente revolucionária que estou aprendendo aqui e que está me nutrindo"

"O socialismo é o futuro. Espero voltar para meu país e implantar esta semente revolucionária que estou aprendendo aqui e que está me nutrindo"

“O socialismo é o futuro. Espero voltar para meu país e implantar esta semente revolucionária que estou aprendendo aqui e que está me nutrindo”, diz a garota brasileira no final deste vídeo postado no YouTube por Dárcio Bracarense.

Como outros jovens do vídeo, eles foram selecionados pelo MST — sim, pelo “Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra” — estudar Medicina em Cuba.

Antes de ir, os jovens são “avaliados” pelo próprio MST e pela Embaixada de Cuba no Brasil.

Mérito? Currículo? Passagem obrigatória pelo ensino fundamental, básico, terceiro grau, colegial etc etc?

Não se fala nisso. A única coisa que parece interessar nesse peculiaríssimo método de seleção é o fervor por Cuba.

E depois essa turma vai querer revalidar o diploma para trabalhar no Brasil… Já pensaram?

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

Envie um comentário

O seu endereço de email não será publicado

85 Comentários

  • karoline

    -

    26/2/2014 às 17:54

    Olá.gente meu sonho é cursar medicina,mas moro em uma pequena cidade e minha familia não tem condições de pagar para mim adoraria estudar em cuba mas como faço a pré seleção não sei por favor me ajudem adoraria realizar meu sonho e voltar para minha pequena cidade ajudando na saudade de todos,obrigada!

  • rosa oliveira

    -

    4/12/2013 às 22:00

    Vcs deixem o povo em paz. Finalmente o sol brilha para um pobree vai ter a chance de parar de passar fome i vo cs fantasiando o bicho papão

  • Carlos Carneiro

    -

    18/10/2013 às 6:50

    A ordem constitucional em nosso país já era. Em todos os postos de governo tem ogros no lugar de humanos, que estão desconstruindo a democracia e colocando no lugar a ditadura populista.Temos o genocídio instalado que leva a morte violenta 40.000 pessoas por ano. As escolas estão bagunçando e idiotizando as cabeças a partir da infância.Tudo isso que esta acontecendo é profético, mas, o que não sabem é que tudo vai desmoronar e virar pó. Os grupos por trás das organizações internacionais que estão instalando esse caos sabem da profecia – diferente dos humanoides que militam em campo a fim de que a coisa toda aconteça.

  • Bruno

    -

    27/9/2013 às 15:05

    Mentira, reportagem ridícula e tendenciosa. Vocês estariam falando alguma coisa se eles fossem estudar nos Estados Unidos ? Claro que não! Como é em Cuba, esses “babões” dos americanos ficam distorcendo os fatos.

  • Mônica Corrêa

    -

    18/9/2013 às 23:22

    Na hora de se tratar todas as autoridades vão para SP,no Sirio, Einstein…não vão pra Cuba.

  • Agnaldosantosfleck

    -

    23/8/2013 às 16:40

    Não publico nada que pregue, defenda ou seja simpático a uma ruptura da ordem constitucional.

  • SERGIO

    -

    22/8/2013 às 0:23

    Me diverte ver aqui, os neo-liberais defensores da economia de mercado querendo criar barreiras protecionistas aos médicos importados. médico é uma profissão como qualquer outra, infelizmente no Brasil foi mantida como “reserva de mercado” para os ricos, pelo histórico e tradicional status que a profissão confere. Se o Brasil estivesse precisando de Bombeiros (soldados do fogo) ninguém se importaria com a nacionalidade deles (deles também depende nossa vida). Mas não precisamos de bombeiros (por enquanto) precisamos de médicos, e a única solução no momento é a “importação” que na verdade é mais um estímulo a migração, importação é pejorativo, estamos falando de seres humanos. os EUA também “importam” faxineiros do Brasil, é a lei de livre mercado, a máxima expressão do capitalismo, somente gente de “visão estreita” vê algo de comunismo nessa “transação” internacional e capitalista.

  • SERGIO

    -

    21/8/2013 às 23:23

    Foi quebrada a grande barreira finalmente, que venham os médicos cubanos, o Brasil precisa de médicos que saiam de trás da mesa e atuem em campo, visitando pacientes em casa e avaliando as condições de saúde como um todo. chega da medicina laboratorial que somente reconhece diagnósticos computadorizados e tratamento através de remédios produzidos pela indústria farmacêutica internacional com seus pesados royalties. sejam bem vindos cubanos!

  • roberto

    -

    5/8/2013 às 10:04

    Nietzche ficou perplexo e profundamente abalado com o que se sucedeu, em Paris, com a comuna! Houve uma destruiçao de valores mais caros da civilizaçao francesa. Agora estamos nos aqui no Brasil, com essa rale que da as ordens ha quase 11 anos. Da pior especie! Vem muito a calhar tudo isso com essa historia do “Mais medicos”. Absurdo!!!

  • Glória B

    -

    4/8/2013 às 15:40

    Não há problema em estudar em Cuba, Bolívia, EUA, Inglaterra etc. O problema está em acabar com o Revalida, que é uma exigência do próprio MEC. O Revalida é um exame para avaliar se os médicos formados em outros países podem exercer a medicina no Brasil. Esse exame foi aplicado a estudantes de medicina brasileiros da UFRN, que obtiveram 70% de aprovação. A aprovação dos cubanos foi de 10%. Nosso governo, simpático a ditaduras, está tentando emplacar a ideia de importar médicos para resolver o problema da saúde no Brasil. Isso não é política de saúde, é política partidária. O PT tentou aprovar a lei de imprensa para calar a sociedade e não conseguiu. Agora quer trazer médicos para o Brasil, que não irão denunciar as condições precárias do SUS. Quando me formei há mais de 20 anos, os jovem médicos queriam trabalhar no serviço público onde estavam os serviços de qualidade. Hoje, quem vai querer trabalhar no SUS, onde falta tudo e o médico tem que explicar aos doentes o inexplicável? Os jovens buscam empregos na medicina privada, onde a remuneração também não é adequada à profissão, mas as condições paro exercício da medicina são melhores. Lembram do hospital universitário do fundão no RJ, que quase caiu e teve parte do prédio implodido? Não foi por falta de médicos para sustentar o prédio; foi a má administração do governo e do MEC.

  • Leandro Figueiredo

    -

    17/7/2013 às 23:03

    Sr Ricardo Setti, desculpe-me o “Riacardo Setti”.

  • Leandro Figueiredo

    -

    17/7/2013 às 22:16

    Caro Riacardo Setti. De todos os cerca de 6 mil médicos estrangeiros que virão para o Brasil, a grande maioria é de brasileiros que foram se formar na Bolívia e Argentina (os brasileiros que foram estudar na Bolívia podem vir sim, mas os bolivianos não), além dos MST´s de Cuba, em faculdades de fachada, sem hospitais ou até sem laboratórios de anatomia. Após terminarem os 3 anos de permissão de trabalho, por serem brasileiros, vão requerer permissão permanente para exercerem a medicina no Brasil, já que o fizeram por 3 anos, então que mal há em continuarem. Com isso conseguirão driblar a exigência de revalidação do diploma, sem prestarem o Revalida, onde aproximadamente 90% destes “médicos” jamais conseguiriam ser aprovados, nos moldes atuais. Além dos revolucionários do MST, este é mais um dos duros golpes aos alunos que estudaram muito para passar no vestibular, cursaram cerca de 9 anos (graduação + residência), e agora serão obrigados por um governo autoritário a dividirem sua atividade com pessoas que foram para o exterior exatamente por não terem conseguido fazer o mesmo aqui no Brasil. Isso já é um grande indício da insegurança jurídica que enfrentaremos se este governo continuar com seus desmandos autoritários, agora na medicina, no futuro nas demais áreas. Cuidado senhores juízes, o PT já está ensaiando afrontá-los. Ah, outra coisa, eu sou Médico sim, formado no Brasil por uma faculdade de excelência, e com muito esforço pessoal. Sei do que falo. Obrigado.

  • Anderson Silva

    -

    16/7/2013 às 23:53

    Vejo mto ignorante aqui falando que esses mal preparados que vão estudar em Cuba nao sao filhinhos de papai etc e tal… Só sendo descerebrado pra dizer isso afinal nao tem a noção que medico é um dos profissionais que mais faz campanha e trabalho voluntário que já começa na faculdade. Dos 6 anos os 2 últimos já sao em atendimento no SUS de graça, sendo que nas faculdades particulares os filhinhos de papai pagam cerca de 3 mil reais por mês pra atender o povo brasileiro. Aí o animal vem e diz que o medico deixa o povo morrer no interior. Primeiro quem deixa é o governo e segundo que num falta só medico! A pessoa que escreve aqui essas piadas com certeza tem mãos e já que está sugerindo ao médico ir pro interior e abdicar dos seus sonhos de carreira e de vida porque não suja as mãos pra ir construir casa pros desabrigados e leva sua família pra morar num local onde sua esposa não terá emprego e seus filhos não terão escola? Bando de descerebrado petista nojento!

  • Dra. Sandra Regina

    -

    14/7/2013 às 13:06

    Vá passear em Cuba, doutora, e me deixe em paz.

  • Trivela

    -

    14/7/2013 às 6:49

    Já existe a universidade do MST. Já existem as bases legais para que os “movimentos sociais e partidos” indiquem pessoas para o ingresso nas universidades federais – fora do vestibular. A cota de inclusão é uma clara brecha nesse sentido. Não podemos esquecer que no modelo cubano o ingresso na universidade DEPENDE da ADEQUAÇÂO SOCIAL do aluno – nota no “vestibular / processo seletivo” relativa a adesão do aluno ao regime (seu valor social). Sem “indicação”, ninguém estuda em Cuba.

  • Danilo

    -

    13/7/2013 às 22:22

    Caro Ricardo Setti, este é mais um “Acordo de cavalheiro” que será, a todo e qualquer custo, cumprido. Busque pelos argumentos contra a vinda dessas pessoas e verá que essas tentativas de trazê-los se iniciaram em 2010 quando o exame Revalida foi “fabricado” pelo Ministro Padilha (e sabidamente pré-candidato de São Paulo) e o Fernando Haddad, curiosamente no ano de formatura da primeira turma. O índice de reprovação nos testes desses “militantes” é de 92%. E tenha certeza de uma coisa: eles virão de algum jeito, o acordo de cavalheiro com Cuba NUNCA será quebrado. Repito: NUNCA será quebrado. Existem 3 formas de se burlar um concurso: com as respostas prévias; auxílio durante a prova; gabarito preenchido; e acesso ao servidor. Aguardem!

  • Ismar Gavilán

    -

    13/7/2013 às 19:57

    porque será que não consigo ver o vídeo? dá sempre problema, estranho…

    Acabo de testar e, em meu computador, assisti ao vídeo perfeitamente. Talvez seja algo com sua aparelhagem.
    Boa sorte e um abraço.

  • Adriana

    -

    27/6/2013 às 21:42

    O PT está ha anos tentando trazer esses médicos de Cuba, pois foi um acordo com o MST. Enquanto não temos investimento em qualidade de atendimento e gestao de gastos. Não fará diferença termos três médicos assistindo um paciente se o mesmo não tiver um leito limpo, gaze para fazer curativos, remédios pra tratar a dor ou a infecção. Na maioria das ezes colocam a culpa da falta de atendimento, por falta de médico, mas não dá para atender sem maca de atendimento, não dá para internar, sem leitos. Então muitos médicos escolhem ficar nos grandes centros e se submeter as regras dos planos de saúde, a se aventurar nas regiões pobres do Brasil, mesmo com altos salários, pois é proibido praticar curanderismo.
    A Dilma usou de oportunismo as reivindicações de saúde e tenta trazer esses médicos, sem necessidade de revalidação dos diplomas. Isso porque é para atender os pobres, duvido que ela aceitaria ser atendida por um desses formandos.

  • Regilmar

    -

    27/6/2013 às 18:04

    Parabens aos alunos do MST por ter essa coragem de sair do seu país para procurar se preparar melhorar e assim ajudar o nosso Brasil.

  • jm

    -

    11/6/2013 às 18:56

    Quem paga a conta.

  • Milton Simon Pires

    -

    7/6/2013 às 11:00

    Caro Milton, desculpe-me, mas as regras do blog vedam a transcrição de íntegras de textos publicados em outros veículos. Não posso abrir exceção.
    Abraço

  • Danilo Morais

    -

    7/6/2013 às 6:10

    Primeiramente, ao Milton Simon Pires: meu caro, não exagere as proporções, por favor! Esta teoria da conspiração realmente é muito fantasiosa para nossa realidade brasileira, não faz o menor sentido considerando que o PT é o partido socialista menos socialista da história.

    Agora, não vejo problema algum do MST financiar estes estudos, mesmo por que estes estudantes muito provavelmente NÃO trabalharão na rede de saúde privada, pois estão estudando em Cuba, um país socialista, portanto deverão trabalhar para o povo, e não apenas para quem paga.
    Se tratando da medicina preventiva, acho justo que estes profissionais, quando retornarem ao Brasil, trabalhem em postos de saúde que atendem as regiões mais carentes, que de certa forma apresentam bastante atraso em relação aos hospitais de ponta, igualando-se então às condições cubanas de se praticar medicina.
    A questão que fica é a seguinte: será que os salários da rede pública de saúde manteriam estes profissionais?
    Eu realmente não sei, mas descarto moralismos e a meritocracia como contra argumento, uma vez que o país carece, E MUITO, de médicos em todos segmentos da área de saúde.

  • irma morais

    -

    6/6/2013 às 16:24

    Muito positivo mandar estudar em cuba e depois voltar para trabalhar no Brasil.Não é assim que fazem filhinhos de papai que vão estudar em outros países com $$$$ do papai ou outros jovens com bolsa do governo?

  • doug

    -

    4/6/2013 às 22:17

    Esquerdista é isso. Gente frustrada, medíocre e que se acha mais do que é. Não se adapta e quer que o mundo o engula. Quer um mundo só de medíocres para não sentir inveja de ninguém.

  • Milton Simon Pires

    -

    4/6/2013 às 14:15

    Monitorização de Pacientes – O desgosto de ser Médico no Brasil

    Para todo mundo que é medico, monitorizar pacientes significa conectá-los a equipamentos eletrônicos capazes de fornecer, em tempo real, os seus sinais vitais. Pressão, frequência cardíaca, respiratória, e temperatura nos são apresentados de uma maneira contínua com o objetivo de saber como estão evoluindo os doentes. Há quem diga que, dentro de uma unidade de terapia intensiva, a quantidade de oxigênio carregada pelo sangue é o chamado “quinto sinal vital”.
    Fiz essa introdução para dizer que a medicina do Brasil petista acaba de inventar um sexto parâmetro a ser levado em conta – a monitorização política dos doentes. Li, estarrecido, que a presidente Dilma Rousseff tem em seu computador a possibilidade de ver, em tempo real, como estão sendo atendidos os doentes nos serviços de emergência em doze grandes hospitais brasileiros. Nem mesmo George Orwell, em “1984”, foi capaz de imaginar algo assim! Não vou aqui gastar a paciência do leitor escrevendo sobre a privacidade das pessoas, a sensação de insegurança provocada nos profissionais ou o custo desse tipo de coisa. Um governo que vigia médicos, enfermeiras, técnicos de enfermagem e, por último mas em primeiro lugar – pessoas doentes, não merece que eu escreva sobre isso. O que precisa ficar claro, e esse é o objetivo do artigo, é a gravidade de uma medida assim quando colocada no contexto dos demais atos do Partido-Religião.
    Em 10 anos de governo, o PT desarmou toda população brasileira que, sem ter como se defender ficou a mercê do crime organizado, propôs formalmente o controle do judiciário pelo congresso nacional em represália a Ação Penal 470 e vem, sistematicamente, destruindo os valores da família brasileira com campanhas abertas em favor do aborto, do casamento gay e da facilitação total do divórcio. Afirmo, mais uma vez, que se aproxima o momento da liberação geral das drogas por parte do PT. Quem controlar a massa de viciados há de ter controle total do país.A atual campanha contra a internação involuntária, feita com a ajuda de pseudomédicos (na verdade militantes do partido) serve para acelerar esse processo. Mantendo estas pessoas nas ruas o governo esconde a falta geral de leitos hospitalares para qualquer tipo de internação, mantém um mercado consumidor permanente para seus aliados no narcotráfico, e cria mais uma polêmica capaz de distrair a sociedade dos seus verdadeiros problemas.
    Gostaria de propor à presidente da república que instalasse dentro de seus ministérios câmeras para que os doentes que estão nos serviços de emergência pudessem assistir o que fazem seus ministros, ideia sugerida por um colega de profissão, e que não deixa de ser genial.
    Vigiando aquilo que não deve e fechando o olho para o que é gravíssimo, Dilma apresenta-se agora como a nossa grande líder capaz de controlar como o “povo” está sendo atendido por aqueles que não tem mais o direito de serem incluídos nessa classificação – profissionais de saúde que, de tão desonestos e perigosos, precisam ser vigiados constantemente como os piores bandidos!
    Chegou a época da Big Sister salvar o Brasil, não só trazendo médicos cubanos, mas também vigiando os brasileiros – cereja que faltava no bolo de desgosto que é fazer medicina no Brasil petista.

    Porto Alegre, 3 de junho de 2013

  • Nando SP

    -

    4/6/2013 às 7:03

    Vão confundir os bisturis com as foices e martelos?

  • Paulo Marques

    -

    3/6/2013 às 17:14

    Pessoal, sejam sensatos, pelo menos. O curso de medicina oferecido pelas universidades de Cuba está entre os melhores do mundo.
    A burguesia brasileira, desesperada por sua constante perda de espaço e influência, ataca tudo sem nenhum critério ou discernimento.
    O socialismo ainda não se aplicou como uma forma libertadora, mas o capitalismo só causa pobreza e destruição.

    Em Cuba inteira, somados, meu caro, não existem 2% dos aparelhos de última geração para exames de todos os tipos existentes apenas nos hospitais Sírio-Libanês e Hospital Israelita Albert Einstein, de São Paulo.
    A medicina de Cuba inteira, somada, não produz o volume de pesquisas feitos pelo Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo.
    A medicina de Cuba é basicamente preventiva. A curativa está 20 anos atrás dos hospitais de ponta do Brasil.

  • denizania

    -

    30/5/2013 às 18:23

    a medicina em cina mutas coisa tipo,cirugia quero oprende, muito mais sobre a medicina pós pretendo passa no curso que estou fazendo para logo, logo mim torna uma medica ortopedista
    espero te muitas dica sobre a medicina.

  • Jujuba Salgada

    -

    30/5/2013 às 12:19

    Como tem jovens sem nada na cabeça ,são recrutados por um movimento terrorista o MST ,sustentados pelo PT e as Farcs .Vamos guardar bem os nomes destes futuros zumbis-socialistas.

  • Anderson Rodrigues

    -

    30/5/2013 às 9:25

    “Cretinagem”… Que reportagenzinha cretina…

    Não deletei seu comentário, como deveria, para que os demais leitores vejam seu nível.

  • João Leopold

    -

    27/5/2013 às 11:39

    É estranho esta lenda que Cuba é evoluída na medicina tanto preventiva como a imediata. Os arautos propagadores desta lenda procurem uma máquina de ressonância, tomografia e outros. Dentista lá ainda utiliza aparelhos de baixa rotação.
    MST escolhendo quem poderá fazer curso de medicina? É um programa de humor?

  • Milton Simon Pires

    -

    25/5/2013 às 21:32

    Fica muito evidente nesta reportagem da Espanha que o Governo Brasileiro tem pressa em “resolver a questão da falta de médicos” até 2014, né Ricardo? O desespero dos petralhas fica mais claro quando se observa o que vem acontecendo numa cidade como Porto Alegre – uma capital que, graças a Deus, o PT não governa mais e que apesar disso continua com o petismo à flor da pele. A rede de saúde de Porto Alegre foi destruída! Nossas emergências estão “explodindo” de tanta gente doente enquanto os gestores continuam vendendo essa mentira chamada pronto-atendimento e, mais uma vez insisto, vendendo a pílula da “saúde da família”. Vocês querem saber o que é um pronto-atendimento? Eu explico: é um lugar em que nós, médicos, atendemos tudo aquilo que não é grave o suficiente – e deveria ser consulta de posto de saúde – ou é tão sério que deveria estar em um hospital de VERDADE. O pronto atendimento (e aqui em Porto Alegre eu tive o desgosto profissional de trabalhar em todos eles) serve para IMPEDIR a chegada dos doentes a uma rede hospitalar falida! É isso que essa gente não diz, Ricardo..É isso que qualquer gestor e prefeitinho de partido nanico do interior do Brasil quer esconder. Nada melhor do que médicos cubanos, gente diferente e que fala outra língua, para enganar pessoas que, uma vez vitimadas por infarto, acidente vascular cerebral, ou câncer em evolução, vão acabar sendo atendidas num postinho de saúde qualquer lá no meio do mato..Deus que me perdoe, mas deveria existir inferno para quem mente desta maneira. Gostaria de ver um médico cubano no interior do Amazonas com um paciente vítima de infarto do miocárdio..Imagino qual vai ser a reação deles quando apreenderam o que significam as famosas “listas de espera por um leito de UTI” como as que existem aqui em Porto Alegre e em qualquer grande capital..
    Faço, como médico, uma proposta aos comunistas do Caribe – mandem 6 mil “colegas” de Cuba pra cá, mas levem esses nossos malditos políticos para terra de vocês..

  • Pablo Silva

    -

    24/5/2013 às 0:34

    A medida, então, tem endereço e destinatário certos: a “cumpanheirada” do MST, que estará, entretanto, dispensada de realizar o teste de proficiência em língua portuguesa (sem exigir-se, claro, conhecimento da norma culta).

  • Zaratrusta

    -

    23/5/2013 às 22:20

    Ao Milton Simon Pires em sua RESPOSTA AO FREI BETO!
    Parabéns Milton, sua fundamentação é de se aplaudir de pé!
    O que temos no país é uma FARSA institucionalizada em que a mídia refém não a confronta, e transfere dessa forma essa responsabilidade para os cidadãos esclarecidos!

  • Zaratrusta

    -

    23/5/2013 às 21:48

    Bem, “prezados amigos do Blog do Setti”, finalmente li algo que encerra definitivamente com todas as argumentações desse imbróglio, e projeta luz suficiente sobre o assunto para que TODOS atinem quais sejam as razões reais dessa proposta, confirmando ESTATÍSTICAMENTE minhas suspeitas iniciais! Leiam a lógica a seguir:
    .
    “Dirão alguns que Cuba não prosperou economicamente por culpa do embargo norte-americano. Outros dirão que é puro preconceito contra um estado totalitário, mas os esquerdistas dizem que o comércio internacional -sobretudo com os EUA- é lesivo aos países mais pobres. Logo, o embargo é uma “vitória” de Cuba, que deixou de ser “explorada” pelo comércio internacional, o que estão cobertos de razão. Mas um país que proíbe seus cidadãos de viajarem ao exterior e que impõe -como prévia condição para o acesso à Internet- uma autorização do Estado, está mais para inferno do que paraíso…
    .
    E a propósito da medicina em Cuba, lá só existem duas universidades: La Habana, que forma 200 médicos por ano, e a Elam – Escuela Latino Americana de Medicina – que forma 100 médicos por ano. Portanto, no total 300 médicos por ano. Agora vejamos:
    .
    Se procurássemos 6 mil médicos em Cuba teríamos que achar todos os médicos formados nos últimos 20 anos, e que deveriam estar disponíveis para vir trabalhar no Brasil. Você acredita que isso é possível?
    .
    Direto ao assunto, o que o governo de Cuba fará é imprimir 6 mil diplomas falsos e enviar guerrilheiros para o interior do Brasil desguarnecido.
    .
    Agora que a repercussão sobre esse intento está para lá de negativa (parece que tem muito brasileiro acordando da letargia, embora a grande imprensa não discuta esse assunto abertamente), o governo fala em contratar médicos de Espanha e Portugal…
    .
    Veja neste vídeo abaixo uma coletânea de reportagens a respeito. Patriota (só no nome) justifica os cubanos.”
    http://www.youtube.com/watch?v=2v44EbYRLgE

  • wanessa

    -

    23/5/2013 às 10:01

    Medicina é coisa seria e não se brinca

  • Milton Simon Pires

    -

    22/5/2013 às 22:59

    Prezada Helena, uma dúvida – o que os planos de saúde tem a ver com os médicos brasileiros? Não entendi..ou será que significa que os médicos são os donos deles? Tens ideia de quanto um plano de saúde nos paga? Outra dúvida – qual o percentual de médicos brasileiros que consegue viver de “consulta particular hoje em dia? Tens ideia? Outra dúvida – de que adianta ter plano de saúde ou dinheiro suficiente se NÃO VAIS ter em hipótese nenhuma leito hospitalar vago quando precisares? Ou tu tens dúvida de que o PT (Partido dos Traficantes) transformou o Brasil em um gigantesco posto de saúde? Outra informação – eu vou trabalhar, TODOS os dias, de ônibus aqui em Porto Alegre. Moro num apartamento alugado e meu carro (que só é usado pela minha esposa) é uma Meriva 2010. Passei minha vida inteira estudando e tive, às vezes, 5 EMPREGOS! Em resumo, minha amiga, eu pergunto – o que nós, médicos, temos a ver com o que essa corja dos planos de saúde e esse governo amigo de traficantes colombianos estão fazendo com a saúde no Brasil ? Tu realmente acreditas que a responsabilidade é nossa? Tu achas, de verdade, que nós “odiamos” os pobres e não queremos atendê-los? Tu realmente acreditas que trazer guerrilheiros de avental formados por uma ditadura bananeira de uma ilha do Caribe vai mudar tudo isso?
    Um grande abraço

    Dr.Milton

  • Helena

    -

    22/5/2013 às 18:00

    Nisso tudo o que acho muito injusto é um médico dizer que seus salários são muito ruins.Uma grande massa de cidadãos não consegue se tratar devido ao preço dos planos de saúde e consultas médicas se tornão impagáveis e se voc não tem plano nem dinheiro,você morre a própria a sorte.Quem já viu médico andando de fusca por falta de dinheiro?A justificativa de estudam por anos e gastam muito para isso para mim não serve de justifica.E por mais que digam ao contrário está é a realidade que falo por experincia própria e experiencia de muitas pessoas que conheço.

  • Corinthians

    -

    21/5/2013 às 21:49

    Setti,
    Achei uma oposição bem feita! Finalmente! Incrível!
    http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=bzpAD0ij_UE

  • Milton Simon Pires

    -

    21/5/2013 às 18:48

    Pessoal, escrevi um texto mais agressivo ainda chamado “Bem Vindo Cubanos! Adeus, Médicos! Nele eu faço uma espécie de “mea culpa”. Deixo muito claro que a responsabilidade por estes guerrilheiros de avental chegarem ao brasil é NOSSA – dos MÉDICOS BRASILEIROS! A minha “classe” ajudou e muito o PT (Partido dos Traficantes)na conquista do poder. Eu fui um deles! Em todo Brasil vocês podem consultar na DOGMED na STOLEN CROSS ou GROTESCO SAÚDE..Se optarem pelas Associações de Classe ou Sindicatos recomendo Sindicato dos Assaltantes, Associação dos Estupradores ou União Catarinense dos Incendiários de Ônibus – todos eles são planos excelentes e até hoje “ninguém se queixou”…
    ¡ Besos para ustedes, hermanos! Estoy entrenando español. ¡ Viva Cuba!

  • Milton Simon Pires

    -

    20/5/2013 às 11:02

    RESPOSTA AO FREI BETO

    Durante toda a última semana a mídia inteira tem se preocupado com o tema dos médicos cubanos. É um desses raros momentos em que se percebe aquela que, em texto anterior, defini como uma das maiores características do brasileiro – a arte de falar sobre o que não sabe. Senão; vejamos: apresentadoras loiras de programas de TV, comentaristas de futebol, prefeitos..Não importa quem você seja mas basta invocar o “sofrimento do povo” para ter o direito de enfurecer-se com a situação de saúde no Brasil.
    Houve um tempo em que os medíocres sabiam (mesmo na sua mediocridade) permanecer em silêncio. Reconhecia-se a história das pessoas, seu esforço, e seu trabalho. Não ensinava-se uma sociedade inteira a pensar que pobreza e miséria eram reflexo de uma luta de classes e nós vivíamos muito mais próximos da ideia de que colhemos o que plantamos.
    Alguns dias atrás escrevi sobre a responsabilidade de certos colegas na ideia de trazer os cubanos para o Brasil. Mostrei quem eram estas pessoas dentro das faculdades de medicina. Estabeleci o “perfil”, como gostam de dizer os psicólogos, deste tipo de gente e desmascarei a hipocrisia da “new left brasileira”. Hoje o recado é mais curto: abrindo uma destas coleções de anúncios comerciais, reportagens sobre o aquecimento global e apologia do homossexualismo que são os jornais brasileiros me deparei com o “comentário perfeito” sobre a vinda dos cubanos ao país – um sujeito aqui de Porto Alegre que é apresentado como “formador de opinião” foi o seu autor. Disse esse cidadão aquilo que considero uma “pérola” do lugar comum em termos de manifestação sobre o tema – … Mas tem de haver médicos em todos os locais, até nos indesejados pelos médicos brasileiros. Entonces, que vengan los cubanos! Porque o que importa é a Saúde.
    Querem saber por que uma frase assim é capaz de fazer tanto sucesso? Explico: é por que quem a pronuncia afirma, aos brados e cheio de razão, que qualquer atendimento é melhor do que nenhum!Vocês, que gastaram seu tempo me lendo até aqui, têm dúvida de que isso é verdade? Faço uma proposta para resolver a questão: imaginem que estão às 2h da manhã de um dia de semana, esperando quase 12 horas para serem atendidos numa dessas espeluncas chamadas pronto-atendimentos e com um filho doente nos braços. Pergunto a cada um – vocês acham que seu filho, pai ou mãe (só para não citar vocês mesmos) ficariam conformados com “qualquer atendimento” ou buscariam aquilo que há de melhor na medicina local? Aí está a resposta – “qualquer atendimento” é melhor do que nada para os “outros”; jamais para nós e nossas famílias, né? Até onde eu sei, para nós mesmos e para aqueles que amamos, queremos sempre o melhor possível. Negar o mesmo às outras pessoas vai muito mais longe do que ser contra os médicos – é negar a própria natureza cristã da sociedade em que vivemos. É esse cristianismo e essa noção de caridade que Frei Beto esqueceu quando aceitou apoiar um partido criminoso, ateísta, que compra deputados, assassina prefeitos e faz campanha eleitoral com dinheiro das FARC. Sobram médicos no Brasil! Temos colegas trabalhando em condições veterinárias, atendendo sem recurso algum e com contratos de trabalho (quando existem) criminosos em termos de salário, estabilidade no emprego e progressão de carreira. Beto deveria lembrar das palavras de Jesus Cristo quando deixou claro que não devemos desejar aos outros aquilo que não queremos para nós mesmos. Se isto não é verdade, por que ele não pede a Lula para tratar-se no SUS?
    Jamais esqueçam disso quando lerem a escória da imprensa brasileira defendendo, ao lado dos seus patrões federais, a vinda dos médicos de Cuba. Não tenham também a tentação de cair na armadilha daqueles que afirmam – mas meu amigo, nem toda população pode ter o que há de melhor na Medicina a seu dispor. Esse tipo de gente não tem o compromisso legal de dizer ONDE está o “melhor” e QUANDO esse “melhor” vai fazer a diferença entre a vida e a morte. A ralé que defende a importação de médicos não tem o mínimo interesse na vida das pessoas doentes. É aos próprios doentes e aos médicos brasileiros que essa questão diz respeito. Imploro como médico formado há quase 20 anos: não fiquem contra nós! Vocês não precisam do “papai Lula” e da “mamãe Dilma” para cuidar do vocês quando ficarem “dodói”. Tudo isso é mentira e desespero político de gente que viu que, no seu delírio comunista, acabou com a estrutura hospitalar do país, que não pode mais esconder que as pessoas estão morrendo, e que nós médicos temos MEDO de trabalhar fora das grandes cidades.
    Foi provavelmente um médico brasileiro quem primeiro olhou para vocês quando nasceram e quem, se Deus quiser, vai estar com vocês na hora da morte. Não aceitem a mentira do Governo e dos prefeitos mesmo que estejam esperando atendimento há anos. Trazendo os cubanos vocês NÃO VÃO ter seus problemas atendidos e a nossa medicina vai ser humilhada perante todo o resto do mundo..

    Porto Alegre, 20 de maio de 2013.

  • Márcia Maria

    -

    18/5/2013 às 12:17

    Seu Setti, hj em ZH, Pablito Sant’ana, foi chamado ao Cremers, para discutir sobre essa polêmica. Segundo ele é q isso foi um pedido de 4 mil prefeitos. O Cremers, argumentou q hugo Chaves importou 3 mil médicos cubanos e depois 2 mil deles tinham ido embora de suas localidades distantes onde eram necessários ou estavam clinicando e operando em Caracas, onde não falta médicos. E no fim com um colega q lhe perguntou, se ele ira trabalhar em Tocantins? Q lhe respondeu” Se eu fosse cubano, eu iria”.

  • Zaratrusta

    -

    18/5/2013 às 12:01

    Ao Milton Simon Pires – 16/05/2013 às 18:46,
    Ao Geraldo – 16/05/2013 às 20:18 e
    Ao Jorge G – 17/05/2013 às 10:47
    Desculpem-me pela manifestação, mas seus comentários são uma DÁDIVA pela LUCIDEZ e pela manifestação autêntica da INTELIGÊNCIA, num cenário de PREDOMINANTE LOBOTOMIA intelectual e proselitismos desprovidos ou desviados da essencialidade dos FATOS!
    GRAÇAS A DEUS que consegui encontrar aqui cidadãos sérios e que além de enxergarem através das cortinas de fumaça das desinformações que pululam pelas redes midiáticas se PREOCUPAM REALMENTE COM OS SINAIS e DESDOBRAMENTOS que os ACONTECIMENTOS TRANSPARECEM, e fazem a “LEITURA” dos fatos da forma que é REQUERIDA, para que, como um povo, com todas as nossas peculiaridades e características, possamos começar EFETIVAMENTE A EXERCER NOSSA CIDADANIA!
    .
    Um ótimo fim-de-semana!

  • Fernando

    -

    17/5/2013 às 14:16

    Boa tarde,Setti. Bem,creio que as faculdades de medicina não irão aceitar,sem nenhum critério ou avaliação, estudantes brasileiros apenas por esses serem vinculados ao MST. Não me aprofundei no caso, mas acho que esses estudantes serão financiados depois de aprovados em alguma espécie de vestibular ou seleção semelhante. Serem simplesmente indicados pelo Movimento e adentrarem à faculdade sem uma avaliação séria é sandice. Não acho que a medicina cubana, que sempre foi bem quista e agora,de alguns meses pra cá, se tornou uma das mais atrasadas do mundo,cometa essa irresponsabilidade. Mas vai saber,né: Cuba é antes de tudo uma ditadura, regime que historicamente não preza pela transparência.

  • Jorge G

    -

    17/5/2013 às 10:47

    Caro Fernando, não me senti ofendido de forma alguma.
    Minhas considerações sobre o seu comentário são no sentido de que se repercute demais uma ideia vendida desde a época da guerra fria e que não resiste à claridade da liberdade de informação independente.
    Medicina preventiva, como se depreende, é prevenir doenças. Começa com educação básica, tipo, lave as mãos ao usar o banheiro, ao chegar em casa, antes de tocar em comida. Lave os vegetais e frutas, limpe a casa, corte as unhas, não junte lixo e por aí vai.
    Somente com essas “coisas elementares”, reduzem-se a mortalidade infantil e do idoso, a ocorrência de infecções intestinais e de pele. Isso significa menor gasto com hospitalizações e tratamentos caros e longos.
    Medicina preventiva é vacinação, é nutrição adequada, é beber água tratada, é dispor de saneamento básico.
    Reflitamos, então, se precisamos de cubanos para realizar isso em nosso país. Isso é uma afronta não aos médicos, mas a todos os profissionais de saúde.
    Os cubanos têm seus méritos por terem conseguido soluções para suas especificidades que, diferentemente do que é propagandeado, não derivam de bloqueio econômico dos EUA (que, de resto, não tem qualquer efetividade há décadas!), mas porque seu regime político-econômico é inviável sem um mantenedor, que sumiu depois da ruína da União Soviética.
    Mas, medicina preventiva também incorpora programas de detecção precoce de doenças como alguns tipos de câncer, de DST, de doenças crônico-degenerativas (infarto, diabetes, acidente vascular cerebral, insuficiência renal) e, nesses casos, precisamos de expertise, tecnologia e planejamento econômico. Mais uma vez, onde os cubanos entram nessa?
    Fernando: você justifica sua argumentação em coisa que ouviu dizer e lançou mais essa, de que “o sistema de saúde inglês, de ótima reputação no mundo inteiro, foi à Cuba conhecer sua medicina”. Eu gostaria de saber o que eles aprenderam para usar na Inglaterra…
    Já comentei em outros espaços: o que o Brasil precisa para atender os desassistidos dos locais esquecidos deste país imenso é:
    1- “lembrar” deles, coisa que este governo, dito socialista, não faz com esta política de renúncia fiscal para compra de automóveis, de bolsa disso e daquilo para aumentar o consumo e que não cuida de saneamento básico, água tratada, vias de transporte eficazes e educação básica.
    2- estimular a fixação dos profissionais de saúde e de seus familiares (não são apenas médicos, viu?) com remuneração digna e condições de trabalho.
    Prá que cubanos?
    Terminando, já me desculpando pela extensão, quanto ao MST, a resposta do responsável pelo blog já é suficiente. Nesse caso, o buraco é mais embaixo.

  • Corinthians

    -

    17/5/2013 às 1:18

    Setti,
    Acho que a coisa é pior ainda considerando que o MST financia os estudantes, e quem financia o MST ?
    Fora que essa balela de medicina preventiva nada mais é que uma desculpa para tentar validar os dados oficialistas da ditadura para se colocar como país de medicina avançada, mesmo sem nenhuma infra-estrutura nem equipamentos.

  • Fernando

    -

    16/5/2013 às 22:30

    Jorge G-16/05/2013 às 17:12- Boa noite,Jorge. Não, não sou da área da saúde. Afirmei que a medicina cubana é superior à nossa ( não se esqueça que estava me referindo à preventiva,especialmente), baseado nos indicadores cubanos e nas dezenas de opiniões elogiosas que já ouvi ou li a respeito da mesma. Inclusive, se não me engano, o sistema de saúde inglês, de ótima reputação no mundo inteiro, foi à Cuba conhecer sua medicina.
    Em nenhum momento pretendi agredir ou minimizar a importância da medicina brasileira;caso você tenha se ofendido com meus comentários,reafirmo que não foi meu objetivo.
    Ah, outra coisa: até agora não entendi o porquê da “”grande tragédia” no fato de o MST financiar o estudo de jovens.

    A tragédia está em que quem seleciona é o MST. Sabe-se lá com que critérios — ou, por outra, sabe-se BEM com que critérios. Depois o pessoal formado vem para o Brasil e quer clinicar.
    Deveriam ser selecionados por entidades ligadas aos profissionais de saúde do país, ao Conselho Federal de Medicina e por aí vai.
    Onde estão os méritos dos escolhidos como estudantes? Que currículos têm? Quem os avalia tecnicamente?
    Qual é a qualificação do MST para escolher alguém para fazer qualquer curso superior?

  • Joel Arcanjo

    -

    16/5/2013 às 20:56

    Os jovens formados em medicina não querem ir para o interior,por serem filhinos de papai,os jornalistas fatalistas não querem sair do teclado e ver como as pessoas sofrem sem médicos no interior e são contra as cotas que introduzem pobres que iriam para o interior.Só resta importar médicos para o povo não morrer,Ou será que são contra justamente para o povo morrer?

  • Geraldo

    -

    16/5/2013 às 20:18

    Só quem acredita que ainda exista papai noel é que não tenha a sensibilidade de sentir a real intenção desta medidas sem os devidos exames para eles, se brasileiros que são formados na Bolívia obrigatóriamente fazem estes exames, porque com os Cubanos seriam diferente? A intenção é outra. É só começar a ler e ver aonde começaram os incentivos as bagunças que levaram a tomada do poder em 1964. Quem foram, para onde foram e o que faziam os mais de cem médicos cubanos que o presidente dpo Chile Salvadpor Allender mandou buscar? Enfim tudo esta relacionado esta ideologia politica que esta vogorando no Brasil há 12 anos.

  • Milton Simon Pires

    -

    16/5/2013 às 18:46

    A Medicina Humilhada
    Milton Pires

    Durante toda a última semana a mídia inteira tem se preocupado com o tema dos médicos cubanos. É um desses raros momentos em que se percebe aquela que, em texto anterior, defini como uma das maiores características do brasileiro – a arte de falar sobre o que não sabe. Senão; vejamos: apresentadoras loiras de programas de TV, comentaristas de futebol, prefeitos..Não importa quem você seja mas basta invocar o “sofrimento do povo” para ter o direito de enfurecer-se com a situação de saúde no Brasil.
    Houve um tempo em que os medíocres sabiam (mesmo na sua mediocridade) permanecer em silêncio. Reconhecia-se a história das pessoas, seu esforço, e seu trabalho. Não ensinava-se uma sociedade inteira a pensar que pobreza e miséria eram reflexo de uma luta de classes e nós vivíamos muito mais próximos da ideia de que colhemos o que plantamos.
    Alguns dias atrás escrevi sobre a responsabilidade de certos colegas na ideia de trazer os cubanos para o Brasil. Mostrei quem eram estas pessoas dentro das faculdades de medicina. Estabeleci o “perfil”, como gostam de dizer os psicólogos, deste tipo de gente e desmascarei a hipocrisia da “new left brasileira”. Hoje o recado é mais curto: abrindo uma destas coleções de anúncios comerciais, reportagens sobre o aquecimento global e apologia do homossexualismo que são os jornais brasileiros me deparei com o “comentário perfeito” sobre a vinda dos cubanos ao país – um sujeito aqui de Porto Alegre que é apresentado como “formador de opinião” foi o seu autor. Disse esse cidadão aquilo que considero uma “pérola” do lugar comum em termos de manifestação sobre o tema – … Mas tem de haver médicos em todos os locais, até nos indesejados pelos médicos brasileiros. Entonces, que vengan los cubanos! Porque o que importa é a Saúde.
    Querem saber por que uma frase assim é capaz de fazer tanto sucesso? Explico: é por que quem a pronuncia afirma, aos brados e cheio de razão, que qualquer atendimento é melhor do que nenhum!Vocês, que gastaram seu tempo me lendo até aqui, têm dúvida de que isso é verdade? Faço uma proposta para tirar a teima: imaginem que vocês estão às 2h da manhã de um dia de semana, esperando quase 12 horas para serem atendidos numa dessas espeluncas chamadas pronto-atendimentos e com um filho doente nos braços. Pergunto a cada um de vocês – vocês acham que seu filho, pai ou mãe (só para não citar vocês mesmos) ficariam conformados com
    “qualquer atendimento” ou buscariam aquilo que há de melhor na medicina local? Aí está a resposta – “qualquer atendimento” é melhor do que nada para os “outros”; jamais para nós e nossas famílias, né? Até onde eu sei, para nós mesmos e para aqueles que amamos queremos sempre o melhor possível. Jamais esqueçam disso quando lerem a escória da imprensa brasileira defendendo, ao lado dos seus patrões federais, a vinda dos médicos de Cuba. Não tenham também a tentação de cair na armadilha daqueles que afirmam – mas meu amigo, nem toda população pode ter o que há de melhor na Medicina a seu dispor. Esse tipo de gente não tem o compromisso de dizer onde está o “melhor” e quando esse “melhor” vai fazer a diferença. A corja que defende a importação de médicos não tem o mínimo interesse na vida das pessoas doentes. É aos próprios doentes e aos médicos brasileiros que essa questão diz respeito. Imploro como médico formado há quase 20 anos: não fiquem contra nós! Vocês não precisam do “papai Lula” e da “mamãe Dilma” para cuidar do vocês quando ficarem “dodói”. Tudo isso é mentira e desespero político de gente que viu que, no seu delírio comunista, acabou com a estrutura hospitalar do país, que não pode mais esconder que as pessoas estão morrendo e que nós médicos temos MEDO de trabalhar fora das grandes cidades. Foi provavelmente um médico brasileiro quem primeiro olhou para vocês quando nasceram e quem, se Deus quiser, vai estar com vocês na hora da morte. Não aceitem a mentira do Governo e dos prefeitos mesmo que estejam esperando atendimento há anos. Trazendo os cubanos vocês NÃO VÃO ter seus problemas atendidos e a nossa medicina vai ser humilhada perante todo o resto do mundo..
    Porto Alegre, 16 de maio de 2013

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados