Blogs e Colunistas

Arquivo de 7 de abril de 2012

07/04/2012

às 20:07 \ Disseram

Cristiano Ronaldo: foi só uma piada

“Foi uma piada, porque o Adan (goleiro reserva do Real) nunca vai à academia malhar as pernas.”

Cristiano Ronaldo, explicando por que comemorou um gol contra o Osasuna mostrando a coxa para a torcida.

07/04/2012

às 19:10 \ Livros & Filmes

Vídeo: um encontro inesperado – cenas quentes de intimidade na praia

Por Rita de Sousa

Vejam que espetacular este vídeo, gravado por um turista na Baía Dourada da Geórgia do Sul, conjunto de ilhas inglesas, perto das Malvinas/Falklands, na península Antártida.

Uma mulher sentou-se para observar de perto pinguins e elefantes marinhos, e acabou protagonizando cenas de intimidade com um filhote desse enorme e simpático mamífero.
São pouco mais de 5 minutos de puro deleite, durante os quais o filhote de quase 4 toneladas explora a nova amiga a ponto de se aconchegar em seu colo.

07/04/2012

às 18:02 \ Tema Livre

Vídeo e fotos-colírio: vejam J. R. Duran fotografando a jovem atriz global Marina Ruy Barbosa

Mago das lentes, o mais conhecido fotógrafo de mulheres bonitas do país, grande fotógrafo de moda, jornalista, escritor, aventureiro e piloto de helicóptero amador, J. R. Duran é um homem de bem com a vida e tem um estilo bem-humorado de trabalhar.

As fotos abaixo, da jovem atriz global Marina Ruy Barbosa (não é parente do escritor de novelas Benedito Ruy Barbosa), foram feitas para reportagem da edição de abril da revista Nova, da Editora Abril — inclusive a capa.

Depois das fotos, veja um vídeo rapidinho feito pelo próprio time de Duran sobre a feitura das fotos. Duran sai de seu posto, passa em frente à câmera de vídeo e volta para as lentes. Como sempre — ouça suas exclamações — estimulando e brincando com a modelo. Que, segundo ele, “promete”.

Pouca gente está mais autorizada do que J. R. Duran para fazer esse prognóstico. (Lembre-se: veja o vídeo após as fotos).

duran-marina-ruy-barbora

-

duran-marina-ruy-barbora1

-

duran-marina-ruy-barbora-perfil

-

duran-cosmopolitan

A capa da edição de abril de "Nova"

07/04/2012

às 17:04 \ Disseram

Quando a defesa política vai para o brejo…

“Eles gravaram o senador invedidamente, de forma inconstitucional, durante três anos.”

 Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, advogado, fazendo a defesa jurídica do senador Demóstenes Torres, já que a política foi para o brejo. 

07/04/2012

às 17:03 \ Livros & Filmes

Livro: a China de Henry Kissinger

Kissinger meets with Chairman Mao and Premier Zhou Enlai
Kissinger com Mao e o premiê Chu En-lai (Foto: Dedoc)

O estadista que reaproximou os Estados Unidos do país de Mao fez um bom livro de diplomata – tem histórias dos bastidores e entende, até demais, o outro lado

Se o leitor quiser um livro sobre a China, não compre este título. Se, no entanto, seu interesse for conhecer em profundidade a diplomacia chinesa, em especial em sua relação com os países do Ocidente, esta é uma obra imprescindível.

Sobre a China (tradução de Cássio de Arantes Leite; Objetiva; 576 páginas; 54,90 reais), de Henry Kissinger, foi escrito pelo estrangeiro que mais conhece o assunto, tanto por suas qualidades como intelectual e teórico das relações internacionais, como por ter sido um participante privilegiado dos contatos em primeiro, segundo e terceiro graus entre a potência asiática e os Estados Unidos.

Kissinger serviu como assessor de segurança nacional e secretário de Estado no governo de dois presidentes americanos – Richard Nixon (1969-1974) e Gerald Ford (1974-1977). Imigrante alemão, o judeu não crente Kissinger teve papel central em alguns dos episódios mais críticos da política externa americana no século XX, como a criação de uma estratégia de detenção da ameaça de aniquilação nuclear mútua com a União Soviética e a negociação do fim da guerra no Vietnã.

Ele fez 50 viagens à China

Seu legado mais duradouro, porém, foi a retomada das relações entre os Estados Unidos e a China no começo dos anos 70, em plena Guerra Fria. Foi então que ele iniciou uma convivência profissional de mais de quatro décadas com o país. Kissinger contabiliza cerca de cinquenta viagens à China e encontros com todos os líderes chineses desde Mao Tsé-tung (27 anos no poder e 70 milhões de mortos nas costas). » Clique para continuar lendo e deixe seu comentário

07/04/2012

às 16:05 \ Livros & Filmes

Filme: uma sátira sem ridículo — o cardeal é eleito papa, entra em pânico e precisa de um psicanalista

humano-e-falivel

SANTA TERAPIA -- Moretti, como psicanalista, com Piccoli, como o papa relutante: quem é o homem que pode guiar os outros homens?

Habemus Papam

HUMANO E FALÍVEL

 

Em Habemus Papam, do diretor Nanni Moretti, um cardeal entra em pânico e foge ao ser eleito sumo pontífice

 

Na Capela Sistina, com os cardeais reunidos em conclave para a eleição do próximo papa, a oração silenciosa de um religioso se junta a outra, e mais outra ainda, até se ter um verdadeiro clamor de preces: “Senhor, que não seja eu o escolhido”, rogam todos.

No Vaticano real, é possível e provável que haja cardeais prontos a aceitar a responsabilidade de ser papa. Porém, no conclave fictício de Habemus Papam (Itália/França, 2011), que entrou em cartaz no país no dia 16 de março passado, não é com as probabilidades que o diretor Nanni Moretti joga.

É com a própria natureza do papado e, por extensão, da fé: que poder tem hoje o sumo pontífice católico, e a que aspirações pode ele atender? Daí o pânico que assalta o cardeal Melville (Michel Piccoli) ao despontar como o eleito.

Com uma expressão atônita pregada no rosto, Melville aceita oficialmente seu recrutamento, conforme a tradição, pelo próprio Deus, e deixa-se vestir. Mas, na hora de sair ao balcão para saudar a multidão, recalcitra e renega: “Não estou pronto”, “Não posso” e “Não quero” são as frases nada pontificantes com que se explica aos outros cardeais e ao muito competente, mas para isso despreparado, porta-voz do Vaticano (o excelente Jerzy Stuhr).

No desespero, convoca-se um psicanalista (o próprio Nanni Moretti) para ajudar Melville, o que resulta numa divertidíssima sessão de terapia, acompanhada pelos cardeais em peso e na qual todos os assuntos clássicos – mãe, infância, sonhos – são vetados, dado o posto do paciente.

habemus-papam

Um cardeal eleito papa é antes de mais nada um homem idoso e cansado

Nanni Moretti é um roteirista magistral e um diretor dos mais ardilosos. » Clique para continuar lendo e deixe seu comentário

07/04/2012

às 15:31 \ Disseram

Sérgio Guerra: “Demóstenes era muito bom nesse negócio de apontar o dedo, de fazer o discurso da ética.”

“O Demóstenes é uma perda para oposição e para o Congresso. Ele era um excelente senador, um ator importante, muito bom nesse negócio de apontar o dedo, de fazer o discurso da ética.”

Sérgio Guerra, presidente do PSDB.

07/04/2012

às 14:01 \ Tema Livre

Para alegrar seu dia: fotos mostrando como a arte feita nas ruas pode ser inteligente e divertida

Espantem-se com essas imagens de intervenção, em arte urbana, com o uso de objetos do dia a dia para criar situações críticas ou inesperadas nos espaços públicos.

 

 

arte-urbana1

-

arte-urbana2

-

 

arte-urbana3

-

arte-urbana4

-

arte-urbana5

-

arte-urbana6

-

arte-urbana7

-

-

arte-urbana8

-

arte-urbana9

-

arte-urbana10

-

arte-urbana11

-

arte-urbana12

-

arte-urbana13

-

arte-urbana14

-

arte-urbana16

-

arte-urbana17

-

arte-urbana19

 

07/04/2012

às 13:09 \ Disseram

Stepan Nercessian: “eu nunca fui o Batman que de repente virou o Pinguim.”

“Não fiz nada escondido. Ao contrário de outras pessoas que estão envolvidas com o Carlinhos, eu nunca fui o Batman que de repente virou o Pinguim.”

Stepan Nercessian, ator e deputado federal (PPS-RJ), que se confessa amigo de bicheiros e recebeu 175 000 reais de Carlinhos Cachoeira, acusado de comandar a jogatina no Planalto Central.

 

07/04/2012

às 12:00 \ Música no Blog

Dr. John, mito da música de Nova Orleans, em plena forma com disco produzido pelo badalado Dan Auerbach, dos Black Keys

 

A capa do novo disco de Dr. John: candidato a álbum do ano

Por Daniel Setti

A receita raramente falha: pegue um músico talentoso, badalado e especialmente reverente a grandes heróis do passado; deixe que ele escolha com qual de seus ídolos deseja trabalhar e entregue-lhe a verba e a liberdade artística necessária para um novo projeto colaborativo… e pronto: se ambos os envolvidos entrarem minimamente em sintonia, teremos um candidato a álbum do ano.

É com tal status que acaba de desembarcar nas lojas (reais e virtuais) Locked Down, novo álbum do cantor, pianista e compositor Dr. John, desde a década de 1960 um dos principais embaixadores da riquíssima música de Nova Orleans.

A bolacha de dez faixas foi produzida por Dan Auerbach, um dos nomes mais festejados do rock do novo milênio, cabeça da dupla Black Keys, com a qual resgata e atualiza o melhor da herança sônica americana da segunda metade do século XX (rock and roll, soul, garage rock e outros gêneros).

Dr. John e Auerbach no festival Bonnaroo: duas gerações, dois craques

A parceira começou no final de 2010 quando Auerbach, de 33 anos, peregrinou até a casa do septuagenário John na mítica Nova Orleans, no Estado norte-americano da Louisiana, convidando-o a seu estúdio Easy Eye Sound, em Nashville, Tennessee, para que gravasse “seu melhor álbum em anos”.

Em junho do ano seguinte, se apresentaram juntos no festival Bonnaroo, realizado anualmente ali perto, e deram início às gravações, com a ajuda de excelentes músicos da mesma geração que Auerbach, como o baterista Max Weissenfeldt.

O resultado capta o melhor dos dois craques, como é possível averiguar nesta espécie de “trailer” sobre o lançamento com a música-título:

Outra que já está disponível online é a ótima “Revolution”.

Confiram:

(Mais sobre música neste link)

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados