Wyllys e dois deputados petistas recorrem até a falso perfil no Facebook para calar adversários. E amplos setores da imprensa aplaudem! Um dia ainda vão propor o “controle social da piada”

O deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ) tem a mania de tratar como inimigas as pessoas que discordam dele. Pior: parece achar que a homofobia é a única razão que leva a essa discordância. É um sestro que carrega lá do BBB. Quando foi indicado para o paredão, Pedro Bial quis saber por que, na sua opinião, […]

O deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ) tem a mania de tratar como inimigas as pessoas que discordam dele. Pior: parece achar que a homofobia é a única razão que leva a essa discordância. É um sestro que carrega lá do BBB. Quando foi indicado para o paredão, Pedro Bial quis saber por que, na sua opinião, fora o mais votado. Ele mandou bala: “Vai ver é porque eu sou gay”. Ali nascia o seu vitimismo agressivo e triunfante. Como os demais participantes não eram gays, não podiam usar essa condição a seu favor. O que diriam, afinal: “Fui indicado porque sou louro”, “fui indicada porque sou mulher”, “fui indicado porque sou morena”, “fui indicado porque sou hétero”? Wyllys acabou levando a bolada. Agora deputado, em companhia de dois outros colegas, os petistas Érika Kokay (DF) e Domingos Dutra (MA), Wyllys fez uma coisa feia: resolveu apelar à Procuradoria-Geral da República para criminalizar seus adversários políticos ou intelectuais. E ainda diz que o faz em nome da liberdade. Um dos alvos, claro!, é o deputado Marco Feliciano (PSC-SP), presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara. Outro é o pastor Silas Malafaia — nesse caso, então, a coisa vai além das franjas do absurdo. Já chego ao ponto. Antes, algumas considerações.

Democracia decadente e controle da mídia
Escrevi ontem à noite um texto sobre aquelas 70 pessoas que foram ao Palácio do Planalto protestar contra Feliciano portando velas acesas. Exigiram que a presidente Dilma Rousseff se manifeste contra o deputado do PSC. Cobraram que a chefe do Executivo atue contra uma comissão do Legislativo. Sob o pretexto de defender as minorias e os direitos humanos, propõem, sem pestanejar, a violação de um dos pilares do regime democrático. Conhecem o pensamento de Wyllys, é certo, mas devem achar que Montesquieu era um banana com aquele negócio de independência entre os Poderes.

A evidência de que a democracia brasileira se degrada não está na manifestação em si — ao contrário: coisas assim só são possíveis em sociedades livres. O sintoma da decadência está no fato de que amplos setores da imprensa aplaudem o que é um convite à violência institucional.

A turma, aliás, que quer o “controle social da mídia” — viu, Zé Dirceu?; viu, Rui Falcão? — já sabe o bom mau caminho: o negócio é fazer as Blitzen no Congresso e sair por aí acedendo velas. Depois virão o “controle social das piadas”, “o controle social da opinião”… O Brasil vai ficar lotado de aiatolás bondosos dizendo o que podemos pensar ou não, o que podemos dizer ou não, que religião podemos ter ou não. Os que acreditam em Deus devem deixar de lado essa ideia estúpida de absoluto e acreditar em Wyllys — que já venceu Montesquieu, como é sabido. Faço uma ironia, mas a coisa é séria.

A acusação
A representação criminal contra um grupo de pessoas, que inclui Feliciano e Malafaia, está na página do próprio deputado do PSOL. A íntegra está aqui. Há uma penca de acusações: difamação, calúnia, falsificação de documentos, formação de quadrilha, falsidade ideológica e improbidade administrativa. As acusações são muitas porque eles querem transformar uma penca de pessoas em rés. Deve ser uma das peças mais absurdas em que pus os olhos nos últimos tempos. Fica óbvio que Wyllys e os demais deputados se querem acima das críticas. O parlamentar do PSOL parece achar razoável sair por aí acusando os desafetos de racistas, homofóbicos, fundamentalistas etc., mas se zanga quando eles reagem.

Muito bem! Qual é a principal peça que apresentam contra Feliciano? Um vídeo (abaixo), divulgado pelo deputado em seu Twitter, com crítica à atuação de alguns deputados que o atacam. Se alguém quiser ver, segue abaixo. Retomo depois.

Retomo

É evidente que há aí um trabalho de edição que pode dar acento exagerado a determinadas falas, eventualmente distorcendo-lhes o sentido. Mas pergunto: é coisa muito diferente do que os militantes fizeram com várias falas do próprio deputado? Será mesmo uma agressão mais severa do que aquelas que ele passou a enfrentar cotidianamente, seja na comissão, seja à porta das suas igrejas, seja nas redes sociais? Então o pau que bate em Chico é diferente daquele que bate em Francisco? Ora… Mas isso fica para a Procuradoria-Geral.

No caso de Malafaia, o troço, como escrevi, vai além das franjas do absurdo. A representação usa esta mensagem de uma página de Facebook contra o pastor:

Página falsa
Ocorre que esse é um perfil falso. Não pertence ao líder religioso. O verdadeiro não é “Pastor Silas Malafaia”, como vai acima, mas “Silas Malafaia Oficial”. O curioso é que a própria representação fala sobre a existência de perfis falsos, mas parte do princípio de que os responsáveis por eles são justamente os que têm seus respectivos nomes usados à revelia.

Wyllys não disse aquelas sandices à CBN. Ocorre que Malafaia também não postou a tal mensagem. Há um tuíte que é, de fato, de autoria do líder religioso, mas se insere perfeitamente no direito que as pessoas têm à crítica — ou Wyllys e os dois outros deputados pairam acima das divergências?

A dita representação criminal é um saco de gatos. E me parece que a aberração técnica é mais método do que loucura. Por quê? Com base numa reportagem da Folha, por exemplo, acusam Feliciano de improbidade administrativa por causa de funcionários oficialmente lotados em seu gabinete, mas que serviriam à denominação religiosa à qual ele é ligado. Muito bem! O que isso tem a ver com Malafaia e com alguns outros que estão sendo acusados por delitos que, entendo, são de opinião? Resposta: NADA! O trio só está interessado em juntar adversários no mesmo saco de gatos.

Chega a ser uma piada que Wyllys processe Feliciano, dizendo-se perseguido. Ora, quem é que lidera a campanha nacional contra o presidente da comissão? Incluir Malafaia na peça acusatória é a evidência escancarada de má-fé. Ele não é político, não está na comissão — é, apenas, alguém com o direito a uma opinião. Mas com direito à SUA opinião, não a de um falso perfil.

Espero que a mesma imprensa que está endossando esse espetáculo de intolerância não venha a pagar caro por sua estupidez. Está confundindo o direito à divergência e ao protesto — e as praças estão aí para isso — com a “boa censura”, como se isso fosse possível.

Não queremos ser tutelados pelo estado, certo? E creio haver um razoável consenso nisso (os petistas discordam, desde que eles sejam o estado, claro!). Cumpre indagar se a tutela exercida por minorias — ou maiorias — organizadas é legítima. Para alguém que se orienta segundo os critérios da democracia política, a resposta é uma só: NÃO!

A imprensa brasileira, com as exceções costumeiras, vive um momento vergonhoso. Entende, de modo estúpido, que a única censura que se deve repudiar é a legal. Se um dia lhe ocorrer de escarafunchar a biblioteca, verá que há outra tão ou mais perversa: aquela que pretende censurar mais do que a liberdade de expressão; pretende impedir o próprio exercício do pensamento em nome de valores supostamente infensos a quaisquer questionamentos.

Resta-nos aguardar agora o “controle social da piada”. Os humoristas podem começar a treinar as piadas construtivas. Nessa toada, a liberdade, especialmente na Internet, está com os dias contados. Se acham que o cristianismo, que eles adoram esculhambar — e o fazem, felizmente, sem qualquer censura —, é uma religião problemática, é porque não conhecem o laicismo controlado por alguns fanáticos. 

Texto publicado originalmente às 5h49

Peço ponderação nos comentários. O país não precisa de mais linchadores, mas de mais pensadores. O exercício da opinião dispensa acusações, agressões, demonizações. Vale para este post e para todos os outros. 

 

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s