Vadia invade igreja no Rio com os seios à mostra e aos berros. É que ela é contra a violência, entenderam?

Por Rômulo Pereira, no Globo: A Marcha das Vadias, evento contra a violência sexual que levou cerca de 400 pessoas às ruas de Copacabana neste sábado, acabou em confusão. Ao passar em frente à Igreja Nossa Senhora de Copacabana, na Rua Hilário Gouveia, uma mulher que estava com os seios à mostra entrou na congregação. […]

Por Rômulo Pereira, no Globo:
A Marcha das Vadias, evento contra a violência sexual que levou cerca de 400 pessoas às ruas de Copacabana neste sábado, acabou em confusão. Ao passar em frente à Igreja Nossa Senhora de Copacabana, na Rua Hilário Gouveia, uma mulher que estava com os seios à mostra entrou na congregação. Ela foi seguida por parte dos manifestantes, que passaram a gritar pela liberação do aborto. Alguns fiéis sairam da igreja revoltados, e um bate-boca começou. Rapidamente, a polícia interveio e usou spray de pimenta para retirar os manifestantes do local.

O protesto começou pacificamente. Por volta das 13h, os manifestantes se concetraram em frente ao Posto 4 e passaram a pintar o corpo e a confeccionar cartazes com frases de efeito contra o estupro e o machismo. Às 15h30m, elas começaram a marchar pela Avenida Atlântica em direção a Rua Hilário Gouveia. Depois da confusão na igreja, elas seguiram para a 12ª Delegacia de Polícia, onde realizaram um ato-protesto, uma alusão ao policial canadense que deu origem ao movimento.

A organizadora Indianara Siqueira, vestida de freira, chamou a atenção para os casos em que a própria mulher violentada é vista como culpada por causa de suas roupas, ou profissão. A marcha também é a favor da legalização da profissão de prostituta e da descriminalização do aborto. “Já denunciamos o triste índice de dez mulheres estupradas por dia no Rio de Janeiro. E isso são só as que dão queixa! Então, esta marcha é um basta contra qualquer tipo de violência às mulheres”, esclarece Indiara, que justifica a fantasia afirmando que até as freiras sofrem com a violência contra as mulheres.

Outros dois pontos abordados pelas manifestantes foram a legalização do aborto e a suspensão da Medida Provisória nº 557, de dezembro do ano passado, que instituiu o Sistema Nacional de Cadastro, Vigilância e Acompanhamento da Gestante e Puérpera (mulher que deu à luz recentemente) para Prevenção da Mortalidade Materna, no âmbito do SUS.
(…)

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s