TRISTE: Povo falta a encontro. Lição: rede social não é vida real

Manifestação em favor da Lava Jato e contra o Congresso é caracterizada por um insucesso histórico. O óbvio se lembrou de acontecer, como sempre

Bem, não dá para ignorar o óbvio: a baixa adesão às manifestações deste dia 26 surpreendeu até aqueles que, a exemplo deste escriba, eram os mais pessimistas. Como sabem os leitores, fui contra o ato desde o primeiro momento, afirmei que ajudava a levar água para o moinho das esquerdas e apanhei muito nas redes sociais por isso.

Por falar em “redes”, mais uma vez, a realidade dá uma lição que muitos se negarão a aprender — até porque quem sabe muito pouco costuma não ter sede de conhecimento, já que é o aprender que estabelece uma nova fronteira da ignorância, certo? Que lição é essa? Há uma diferença nada desprezível entre mundo real e mundo virtual.

Antes que volte às manifestações, uma lembrança. Consultem os arquivos. O meu primeiro grande choque com grupos de viés direitista se deu com a Primavera Árabe. Chamei, desde o início, de “Inverno Árabe” — depois a sacada virou até um clichê da crítica. Tirei sarro da expressão “Revolução do Facebook”. No caso do Egito, dizia, é a “revolução da Irmandade Muçulmana”, que é bem mais antiga, e o que se tinha era um movimento reacionário, não revolucionário. Certa feita cheguei a manter um debate até ríspido a respeito do assunto no clube Hebraica, em São Paulo.

Percebi, infelizmente, que parte da simpatia pela dita “Primavera Árabe” era só anti-islamismo. E, bem, os incautos não se davam conta de que se estava diante de um recrudescimento do Islã. Não há muito a fazer com os que se negam a aprender.

Ninguém é dono do povo
Como poderia dizer o Marx de “O 18 Brumário”, convém que as pessoas não confundam a própria pantomima pessoal com a história da humanidade, não é mesmo? E não afirmo isso apenas em relação aos outros. Prego-me essa lição todos os dias para que eu mesmo não confunda o meu desejo com os fatos; os meus anseios com a realidade; a minha eventual vaidade com a matemática. Nossos antipetistas deveriam ler “O 18 Brumário”. Nossos antipetistas deveriam ler. Não precisa nem de objeto direto. Sim, teoria faz falta. É claro que as parteiras, as práticas, são úteis e podem salvar vidas. Mas nunca ninguém pensou em criar uma maternidade só para elas. Acho que nem o PT chegou a tanto.

Não foram os movimentos de rua, o Facebook, o Reinaldo Azevedo, a Jovem Pan, a Folha, a Globo, outros ditos formadores de opinião que se querem ainda mais influentes que levaram milhões às ruas em defesa do impeachment. Foi a certeza, ancorada nos fatos, de que um partido conduzia o processo de assalto aos cofres e à legalidade. Foi a brutal crise econômica decorrente dos desastres do lulo-petismo. O Facebook e os outros elementos todos, eu inclusive, fomos apenas passageiros, eventualmente mensageiros, de uma insatisfação que estava viva nas pessoas. Olhavam para o seu futuro e não viam nada, como um piloto perdido numa nuvem, sem visibilidade e sem instrumentos de voo.

Grande catástrofe
Aí veio a grande catástrofe. A Lava Jato, com Rodrigo Janot no comando, disse ao Brasil que aquela centralidade do PT no esquema criminosa era falsa. Todos eram culpados igualmente. Para recorrer a expressão que já empreguei aqui, “partidos, políticos e pecados” seriam iguais, com uma distribuição fraternal e igualitária de culpas. Não sobrou alternativa que não a pura e simples militância de grupos políticos que se dizem contra a política.

Daí decorre uma pauta que não tem saída, na medida em que rejeita, por princípio, o possível e não diz como é que se alcança o impossível. O caso do fundo público é exemplar. Nas ruas, os gatos-pingados protestaram contra o dito-cujo. Mas qual seria a alternativa? Não há. Há flagrantes estupefacientes de descolamento entre candidatos a líderes e aqueles que seriam os liderados. Ainda tratarei deles.

Se não Marx, a Bíblia ao menos. Houve uma hora em que o povo começou a desconfiar se Moisés sabia mesmo o que estava fazendo. Deu em bezerro de ouro, não é? Em falso ídolo. Mas, naquele caso, Deus — ainda que aquele irascível! — estava no comando. E as coisas se arranjaram. Desta vez, parece que o demônio da prepotência e da intransigência quis testar seus limites.

E o povo faltou ao encontro.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. eber alves da rocha

    Presidente Temer obrigado pelo seu imenso esforço para SALVAR o Brasil. Obrigado Congresso pelo esforço e pelo trabalho em fazer deste pais um lugar melhor para se viver. O futuro de minha familia agradece, sem as reformas o passado de inflacao sera um legado eterno. Lutem a boa luta e que Deus os ilumine.

    Curtir

  2. Felix Alberto Macedo

    E mesmo a maioria de quem segue as redes sociais não foi porque não se sente representada pelos organizadores e pelos “destaques” das manifestações. Todos se deram conta que eles são apenas oportunistas.

    Curtir

  3. Fábio Larroyd

    Reduziu a um grupo defendendo poder e corporativismo.

    Curtir

  4. Alexsandro Vieira

    Rei, estava feliz em termos voltado á aqueles mísereos 3% que gritavámos contra o PT desde 2003, e prefiro continuar, assim, mas achei que a população, parece que se rendeu ao bom senso, a pauta ontem não tinha nada a ver…, querem colocar todos os políticos no mesmo patamar? é um belo caminho para o fascismo.Não é assim que a banda toca.

    Curtir

  5. Luiz Umberto Fernandes

    Reinaldo, o povo comum que é a grande maioria quer o seguinte:
    Honestidade na política.
    Que os Três poderes gastem bem menos do que gastam, o estado brasileiro é muito caro.
    Economia robusta, com leis que favoreçam a produção e o pleno emprego, abaixo o cipoal de leis que atrapalham o emprego e o empreendimento.
    Educação voltada para a vida como ela é e cidadania
    Só por aí já basta para começar a melhorar.

    Curtir

  6. Esorso Elizabeth

    O trabalho está sendo difícil, às raias do insuportável, mas a colheita será generosa!

    Curtir

  7. Edison Bittencourt

    Domingo é dia de descanso. A Lava Jato não está em alto risco . Nós não somos “militanssa”

    Curtir