Blogs e Colunistas

Ministério da Pesca

21/05/2013

às 6:27

Comissão de Ética abre investigação para apurar denúncias contra Crivella

Por Luiza Damé, no Globo:
A Comissão de Ética Pública da Presidência abriu, nesta segunda-feira, procedimento preliminar para apurar denúncias contra o ministro da Pesca e Aquicultura, Marcelo Crivella, publicadas na semana passada pelo GLOBO, de uso da máquina pública em proveito próprio. Os conselheiros também decidiram pedir informações ao ministro da Micro e Pequena Empresa, Guilherme Afif, sobre o acúmulo dos cargos na Esplanada dos Ministérios e de vice-governador de São Paulo.

O Ministério da Pesca não se manifestou sobre a decisão da comissão. O caso de Crivella será relatado pela conselheira Suzana de Camargo Gomes. Na semana passada, O GLOBO revelou que o ministro está usando o cargo para levar representantes dos pescadores para o seu partido, o PRB. Por exemplo, o presidente do PRB do Rio Grande do Norte é também presidente da Confederação Nacional dos Pescadores e Aquicultores (CNPA). Crivella combina eventos de ministro com atos do seu projeto Cimento Social, de habitação popular.
(…)

Por Reinaldo Azevedo

16/04/2012

às 15:19

Comissão de Ética da Presidência acolhe representação contra Ideli

No Estadão Online:
A Comissão de Ética Pública da Presidência da República acolheu na manhã desta segunda-feira, 16, representação do PSDB para investigar a conduta da ministra da Secretaria de Relações Institucionais, Ideli Salvatti, no episódio envolvendo a compra de 28 lanchas-patrulha. Conforme informou o Estado, as lanchas foram encomendadas por R$ 31 milhões pelo Ministério da Pesca em 2009 e parte da conta foi paga enquanto Ideli comandava a pasta. O Estado também revelou que o dono da fabricante das lanchas, a Intech Boating, doou R$ 150 mil ao comitê financeiro do PT de Santa Catarina, que bancou 81% dos custos da campanha derrotada de Ideli ao governo catarinense.

De acordo com o presidente da comissão, Sepúlveda Pertence, Ideli já se antecipou e apresentou explicações sobre as compras das lanchas. “Ela apresentou esclarecimentos voluntariamente. Recebi o memorial do seu advogado, ainda não li, o relator (Américo Lacombe) é que está examinando o caso”, disse Pertence, após o final da primeira metade da reunião, que ocorre em anexo do Palácio do Planalto. Os conselheiros devem decidir depois se abrem um processo disciplinar contra Ideli, informou Pertence. A próxima reunião da comissão está marcada para 14 de maio.

Ideli contratou uma empresa de consultoria, a Entrelinhas Comunicação e Publicidade, para evitar o desgaste de sua imagem e também para reagir aos ataques que considera estar sofrendo nos últimos dias. Na semana passada, a Comissão de Fiscalização e Controle da Câmara aprovou convocação para a ministra falar sobre o episódio das lanchas.

A Comissão de Ética Pública da Presidência da República também decidiu pedir mais informações ao ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, sobre os negócios de sua empresa de consultoria. Os conselheiros aplicaram ainda “censura ética” ao ex-diretor-geral do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) Luiz Antônio Pagot, por conta de suas declarações que de não cumpriria a “quarentena” enquanto aguardava a volta à iniciativa privada após deixar o serviço público.
(…)

Por Reinaldo Azevedo

11/04/2012

às 16:50

Aliados traem governo, e Câmara convoca Ideli Salvatti

Por Gabriel Castro e Luciana Marques, na VEJA Online:
A Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira um requerimento de convocação da ministra de Relações Institucionais, Ideli Salvatti. A petista terá de explicar por que permitiu, como ministra da Pesca, a compra de lanchas que nunca foram usadas, adquiridas da Intech Boating, que doou 150 000 reais para o PT catarinense – do qual a ministra faz parte. Em 2010, Ideli disputou o governo de Santa Catarina e teve a maior parte das despesas de campanha pagas pelo diretório do partido no estado.

O dono da Intech disse ao jornal O Estado de S. Paulo que a doação foi pedida pelo Ministério da Pesca. A aquisição das 28 lanchas custou 31 milhões de reais, pagos sob a gestão de Ideli. O Tribunal de Contas da União apontou irregularidades na transação. O deputado Vanderlei Macris (PSDB-SP), que apresentou o pedido de convocação, questionou a doação. “A empresa beneficiada pelo contrato, a Intech Boating, doou 150 000 reais ao comitê do PT, que bancou parte da candidatura de Ideli Salvatti”, disse o deputado.

Em nota, a assessoria de Ideli negou que a ministra tenha relações com a empresa. “A campanha da ministra ao governo de Santa Catarina não foi beneficiada com doações da Intech Boating”, diz o texto. A assessoria informou ainda que, no período do processo licitatório questionado pelo TCU, a ministra era senadora e, nos cinco meses em que esteve à frente do Ministério da Pesca, não firmou nenhum novo contrato ou convênio: “A ministra sempre esteve e se mantém à disposição para todos os esclarecimentos que forem necessários”.

Derrota
A convocação é uma derrota para o governo e só foi aprovada com o apoio de parlamentares da base aliada. Aline Correia (PP-SP), Carlos Magno (PP-RO), Paulo Feijó (PR-RJ), Wellington Roberto (PR-PB) e Hugo Motta (PMDB-PB) somaram-se a três votos da oposição. Placar final: 8 a 7. Mais do que a insatisfação de aliados com o Planalto, o resultado pode ser atribuído à impopularidade de Ideli com muitos parlamentares governistas. A ministra é vista como uma péssima articuladora, que cobra lealdade da Câmara sem, em troca, dar atenção aos pedidos dos deputados.

O governo sempre evitou a convocação de ministros pelo Congresso. Quando calculava que os riscos eram controlados, o Planalto consentia na aprovação de um convite, que não torna obrigatória a presença do representante do Executivo.

O autor do requerimento votado nesta quarta-feira é o deputado Vanderlei Macris, que justificou a convocação de Ideli: “Ela passou por lá e, apesar de não ter sido a articuladora do contrato, foi durante a sua gestão que esse processo se deu”. Eduardo Cunha (PMDB-RJ) alegou que não foi Ideli quem deu a ordem para a compra e lembrou que quem comanda a pasta hoje é Marcelo Crivella. “Não vejo nenhuma lógica”, disse o peemedebista. Ou a gente chama quem comprou ou a gente chama quem está no cargo”. Mas a argumentação de Cunha foi derrotada.

Por Reinaldo Azevedo

07/04/2012

às 6:15

No Ministério da Piaba, caiu na rede, não é peixe!!! Mas o que rende!!!

Por Rodrigo Vizeu, na Folha:
A auditoria que levou o Tribunal de Contas da União a apontar superfaturamento e direcionamento na licitação de lanchas de patrulha não é a única que atingiu o Ministério da Pesca -criado em 2003, início da gestão Lula. Técnicos do TCU, em alguns casos sem aval posterior dos ministros, apontaram outras irregularidades na pasta. “Os gestores do ministério cometeram, na aquisição de lanchas patrulhas, as mesmas irregularidades que vêm reiteradamente praticando em diversos processos licitatórios conduzidos pelo órgão”, escreveu o TCU.

Os técnicos citam as compras de fábricas de gelo, referentes a 2007 e 2008, nas quais a Pesca licitou bens em quantidades superiores à necessidade, deixando-os sob guarda dos fabricantes, enredo similar ao das lanchas. Um caso tão milionário como o dos barcos foi a compra de 50 caminhões frigoríficos para o transporte e venda de pescado, vencido pela Iveco. Com R$ 25 milhões, ela é a 5ª empresa privada que mais recebeu da Pesca desde 2004.

A área técnica do TCU diz que o ministério chegou ao número de 50 veículos “do nada” e reclamou que os preços só foram pesquisados com um fornecedor. “Não há diagnóstico de necessidades do bem a ser adquirido. Também não há qualquer estudo sinalizando as localidades que deveriam receber os produtos”, disseram os técnicos. A mesma falta de planejamento teria ocorrido na licitação de compra de máquinas para a construção de viveiros de peixes, vencidas pelas empresas CNH e Romac.

Apesar das críticas da área técnica do TCU, os ministros do tribunal acolheram os argumentos da pasta e das empresas e aprovaram as licitações dos caminhões e das máquinas, com recomendações. Neste ano o TCU multou servidores do ministério por uma licitação de 2009 que contratou a empresa de eventos Dialog. A disputa tinha previsão de preços superestimada, com cafezinho por R$ 17 e água de 500 ml a R$ 20. “O procedimento licitatório foi eivado de irregularidades”, escreveu Ana Arraes.
(…)

Por Reinaldo Azevedo

06/04/2012

às 6:33

Do capítulo “Petistas são sempre impolutos” – Convênio da Pesca “não atinge imagem”, diz Ideli

Por Rafael Moraes Moura, no Estadão:
A ministra Ideli Salvatti (Relações Institucionais) disse que não tem “qualquer responsabilidade” na instalação de um projeto de criação de peixes em Brasília, assinado entre o Ministério da Pesca e a ONG Pró-Natureza. “Considero esse assunto, sob o ponto de vista de atingir a minha imagem, sem qualquer responsabilidade da minha parte”, afirmou.

No Núcleo Rural Rajadinha, onde deveria estar o projeto de criação de tilápias, crescem mandiocas. A ONG pertence a Salviano Borges, funcionário comissionado do governo de Agnelo Queiroz (PT-DF).

Na quinta-feira o Estado mostrou que, durante a gestão de Ideli no Ministério da Pesca, a pasta liberou de uma só vez R$ 769,9 mil para a organização não governamental. O projeto nunca foi concretizado.

“Nos cinco meses que eu permaneci à frente do Ministério da Pesca, não realizei, não assinei nenhum contrato, convênio novo. Eu única e exclusivamente executei o que estava já contratado, conveniado, aquilo que estava em andamento, dentro do rigor da lei, cumprindo as obrigações de honrar os contratos que estavam em vigor, sobre os quais não pairavam indícios de irregularidade”, disse a ministra. Questionada se a responsabilidade não seria de seus antecessores, Ideli respondeu: “Se houver irregularidade, obviamente quem é responsável pela irregularidade que pague.”

Doação. O Estado revelou que o Ministério da Pesca comprou 28 lanchas-patrulha por mais de R$ 1 milhão cada que nunca entraram em operação. Segundo o Tribunal de Contas da União, uma parcela de R$ 5,2 milhões foi paga durante a gestão Ideli na pasta.

Para o TCU, há suspeita de que a licitação tenha sido dirigida para beneficiar a empresa Intech Boating, que, após ser contratada para fornecer as lanchas, doou ao comitê financeiro do PT de Santa Catarina R$ 150 mil. O comitê bancou 81% dos custos da campanha a governador, cuja candidata foi Ideli, em 2010. Sucessor de Ideli na Pesca, o deputado petista Luiz Sérgio classificou de “malfeito” a ação da pasta.
(…)

Por Reinaldo Azevedo

05/04/2012

às 6:31

Algum problema, “meu amor”? Sob Ideli, Pesca deu R$ 770 mil para ONG criar peixe; projeto nunca vingou

Por Alana Rizzo, no Estadão:
Durante a gestão da ministra Ideli Salvatti, o Ministério da Pesca liberou de uma só vez R$ 769,9 mil – de um contrato de R$ 869,9 mil – para a organização não governamental (ONG) de um funcionário comissionado do governo de Agnelo Queiroz (PT-DF) implantar, no entorno de Brasília, um projeto de criação de peixes que não saiu do papel. Trata-se do Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento Integral da Natureza – Pró-Natureza, do diretor da Codeplan Salviano Antônio Guimarães Borges. Segundo a justificativa do projeto enviada ao ministério, o Distrito Federal, mesmo sem haver estatísticas oficiais sobre o tema, tem grande consumo e produção de peixes. Só que, 11 meses depois, nenhum viveiro foi instalado. Oficialmente, o projeto da ONG terminou nesta quarta-feira, 4.

No Núcleo Rural Rajadinha, em Planaltina (DF), a 40 quilômetros da sede do ministério, mandiocas crescem no lugar dos tanques de tilápias. “O pessoal veio aqui uma vez no ano passado e ofereceu o projeto. Nós aceitamos e eles não apareceram mais. Achei que tinham desistido, mas tem 15 dias que voltaram e falaram que os tanques vão ficar prontos em julho. Parece que só agora o projeto foi aprovado e eles vão receber o dinheiro”, relata o agricultor Joami de Souza Ramos.

O agricultor diz que nunca criou peixes, tampouco participou de cursos ou qualquer atividade do projeto. Na chácara ao lado, incluída no rol de beneficiários do ministério, também não há sinal de tanques. Outros moradores do núcleo confirmam que nunca participaram de capacitações. O único viveiro no local é o de um sítio que está à venda e foi construído pelo próprio morador, que ainda aguarda os peixes do projeto para começar a criação.

Documentos apresentados pela ONG ao ministério e obtidos pelo Estado mostram que, antes mesmo de receber qualquer recurso, a entidade pagou R$ 75,9 mil para a Rover Consultoria Empresarial Ltda. elaborar um diagnóstico sobre a pesca no entorno. A nota fiscal foi emitida em nome de Gabriel Miranda Pontes Rogério, um chef de cozinha. Sem nenhum tanque pronto ou cursos ofertados, a Pró-Natureza solicitou em 28 de outubro do ano passado, ao ministro Luiz Sérgio (PT-RJ), um aditivo de 16 meses e mais R$ 224,7 mil.

Segundo o ofício, os extras seriam para aprovação de novo cronograma. Pela proposta, entre dezembro e fevereiro de 2012 seriam oferecidos os cursos de capacitação e a obtenção das licença e outorgas para a construção dos viveiros; abril a julho, período de construção e lançamento de edital para aquisição de material; agosto e setembro, primeiro ciclo de criação de peixes; e janeiro e fevereiro de 2013, término do primeiro ciclo dos peixes. Em 22 de março deste ano, a ONG encaminhou novo ofício cobrando o aditivo financeiro,agora do ministro Marcelo Crivella (PRB-RJ). No mesmo dia, o superintendente da Pesca no DF, o militante petista Divino Lúcio da Silva, pediu atenção especial ao projeto. O ministério chegou a alterar o nome do fiscal do contrato, obrigatório nos convênios, para que o controle ficasse sob a responsabilidade de Divino.

Segundo a ONG, o projeto teria sido elaborado por Divino, indicado ao cargo pelo PT-DF, e por outros representantes do Colegiado Territorial das Águas Emendadas (Cotae). O grupo teria procurado a Fetraf, que levou o projeto à entidade. Esta, por fim, o apresentou ao ministério. Em nota, o Ministério da Pesca informou que foram concluídas a realização do diagnóstico, a seleção das famílias, a obtenção das outorgas de água e o curso de tecnologia, além de parte do licenciamento ambiental e a impressão do material didático. Afirma que nada impede que o superintendente seja o fiscal do projeto. “Trata-se de um projeto com alcance social para o público de assentamento e agricultores familiares do Território da Cidadania das Águas Emendadas, composta por 11 municípios dos Estados de MG, GO e DF”, alega o ministério.
(…)

Por Reinaldo Azevedo

05/04/2012

às 6:29

Contra as evidências, ex-ministro petista diz que “lanchas são sucesso”

Na Folha:
O ex-ministro da Pesca Altemir Gregolin, responsável pela compra de 28 lanchas para a pasta, classifica a iniciativa como “sucesso” -embora parte das embarcações tenha ficado abandonada sob a guarda de órgãos públicos pelo país e outra não tenha nem deixado o fabricante. Uma das lanchas nunca foi usada e “descansa” há 21 meses em uma marina de luxo de Simões Filho (região metropolitana de Salvador). Sem capa protetora, também não recebe manutenção. Para o dono da marina, Antônio Barreto, o barco se tornou um “hóspede indesejado” porque o governo federal nunca pagou nenhuma das mensalidades de R$ 756 para a permanência. Segundo ele, a dívida ultrapassa R$ 15 mil. “O barco só sai quando pagarem o que devem”, disse.

Indagado em 2011 pelo Tribunal de Contas da União, que investiga o caso, o ministério informou que o barco seria destinado à Marinha. O 2º Distrito Naval, em Salvador, disse não ter sido informado de que a receberia. A Pesca não respondeu questões enviadas pela Folha. Situação parecida ocorreu no Pará. Uma lancha enviada ao Estado em 2009 passou 11 meses estacionada numa marina de Belém, com motor avariado após um acidente, até ser entregue à Marinha. O Ministério da Pesca mandou outra lancha para Belém neste ano. As duas agora estão na Capitania dos Portos. No domingo, a Folha mostrou que outras quatro lanchas nem sequer foram buscadas pelo ministério e sofrem ação do tempo sob guarda do fabricante, há um ano, próximo a Florianópolis. Em auditoria, o TCU apontou que 23 das 28 lanchas, compradas por R$ 31 milhões, estavam fora de operação.
(…)

Por Reinaldo Azevedo

04/04/2012

às 5:45

Da fábula “Ideli e as lanchas” – Pesca desviou emendas para comprar barcos

Por Lúcio Vaz, na Folha:
O Ministério da Pesca usou como justificativa para a compra de 28 lanchas-patrulha emendas do Congresso que destinavam recursos, na verdade, para atividades produtivas no Pará e no Maranhão. A aquisição das embarcações, no valor total de R$ 31 milhões, é questionada pelo TCU (Tribunal de Contas da União) e algumas delas estão paradas há cerca de um ano. A empresa fornecedora também teria sido cobrada a fazer doação eleitoral ao PT de Santa Catarina.

Uma das emendas usada pela pasta foi da bancada maranhense, que destinou R$ 16,7 milhões do Orçamento federal para obras de infraestrutura pesqueira na região metropolitana de São Luís, visando a geração de renda. A maior obra seria a implantação de um mercado de peixe. A proposta foi dos deputados Domingos Dutra (PT), Julião Amin (PDT) e Ribamar Alves (PSB). Dutra negou saber do redirecionamento do dinheiro da emenda: “Se houve isso, vou entrar com ação judicial contra a Pesca. Ali é uma região que só tem urubu, cachorro leproso, rato, lixo e gente pobre. Isso foi desonestidade”.

Outra emenda usada foi da bancada paraense, no valor de R$ 28 milhões, que previa o apoio a unidades da cadeia produtiva pesqueira, como fábricas de gelo e mecanização de cultivos. Após a compra das lanchas, a empresa fornecedora, a Intech Boating, doou R$ 150 mil em 2010 para a campanha do PT de Santa Catarina, partido do então ministro, Altemir Gregolin, e da candidata ao governo Ideli Salvatti, que depois também seria ministra da Pesca. Das 28 embarcações, 16 foram entregues e distribuídas para 14 Estados e dois órgãos federais. Maranhão e Pará receberam uma cada um. Auditoria do TCU apontou “falhas graves de planejamento” da Secretaria da Pesca, tanto que 23 das 28 lanchas estão fora de operação. O patrulhamento das águas não é competência do órgão.

O Ministério da Pesca firmou acordo de cooperação com a Secretaria de Segurança do Maranhão, em junho do ano passado, para colocar uma lancha em atividade. Mas o barco também não estava em operação.
(…)

Por Reinaldo Azevedo

03/04/2012

às 16:52

Eis Ideli Salvatti, “meu amor”!

Quando a presidente Dilma Rousseff escolheu Ideli Salvatti para o Ministério das Relações Institucionais, escolhia também um método de argumentação, uma, digamos assim, inteligência. Leiam o que informa o Estadão Online. Volto depois:

Ideli nega responsabilidade por compra de lanchas pelo Ministério da Pesca

A ministra da Secretaria de Relações Institucionais, Ideli Salvatti, disse nesta terça-feira, 3, que não pode dizer “se foi um equívoco ou não” a compra de 28 lanchas-patrulha pelo Ministério da Pesca, que é alvo de suspeitas levantadas pelo Tribunal de Contas da União (TCU). Parte do pagamento do contrato de R$ 31 milhões à empresa Intech Boating foi feito sob a gestão de Ideli no ministério.

Como o Estado revelou na semana passada, a Intech Boating doou R$ 150 mil ao comitê eleitoral do PT em Santa Catarina, que financiou 81% dos custos da campanha de Ideli ao governo estadual. Questionada hoje por jornalistas se a compra das lanchas não teria sido um equívoco, Ideli respondeu: “Meu amor, eu não posso dizer se foi um equívoco ou não. Quando cheguei ao ministério, tomei todas as providências no sentido de agilizar que as lanchas fossem utilizadas, entregues, fossem repassadas. Não posso me responsabilizar”. O comentário foi feito depois do lançamento do pacote com medidas de estímulo à economia, no Palácio do Planalto. Em entrevista ao Estadão, o ex-titular da Pesca Luiz Sérgio disse que a aquisição foi um “malfeito”.

Ideli voltou a afirmar nesta terça que a doação da empresa ao Partido dos Trabalhadores “foi legal”. “A contribuição (doação) foi legal, feita ao comitê estadual do PT, a minha conta de campanha foi aprovada por unanimidade, o comitê estadual repassou recursos para todos os candidatos do PT de Santa Catarina. Eu tô muito tranquila, a hora que eu for acionada vou prestar os esclarecimentos”, disse a ministra. “No relatório do TCU não há uma única citação à minha pessoa. Não tenho nada a ver com aquilo”, afirmou Ideli.

Voltei
Pois é… Sempre que leio as palavras dessas almas delicadas do petismo para explicar as suas lambanças – como eles são rigorosos, Deus meu! -, sinto, assim, o frêmito de quem se vê diante da moral e em estado bruto… Não! Eu quis dizer da “moral em estado puro”, é evidente.

Veja bem, “meu amor”: as lanchas foram, na hipótese benigna, havendo uma, um “erro” em si. Por quê? Não poderiam ser utilizadas com o fim a que se destinariam, a vigilância, porque o Ministério da Piaba não tinha competência para tanto. O outro “erro” foi escolher a empresa de um petista para o fornecimento dos equipamentos – sem licitação, naturalmente. E o terceiro “erro” consistiu em receber a doação dessa mesma empresa para a campanha eleitoral de… Ideli. A mesma Ideli que, ainda senadora e já pré-candidata do partido ao governo, participou de solenidades de assinatura de contrato. Titular, depois, do Ministério da Piaba, encarregou-se de pagar a dívida, que era, então, do Ministério, com a empresa que fizera a doação  para a própria Ideli – quer dizer, para o partido, “meu amor”.

Mas Ideli, “meu amor”, não vê problema nenhum em nada disso. Não vendo, supõe-se que aplique esses seus critérios de rígida moral na relação do governo com os partidos da base aliada. Ela já está pronta para editar uma cartilha de Educação Moral e Cívica. Lembro que o primeiro titular do Turismo do governo Dilma, Pedro Novais, caiu porque a pasta não conseguiu explicar lambanças que somavam… R$ 2 milhões. As lanchas custaram R$ 23 milhões. Petistas podem pecar até 10 vezes mais, que ainda estão no terreno da inocência.

E só porque a memória é uma das defesas que temos contra a empulhação, cumpre lembrar que, antes mesmo de assumir o Ministério da Piaba, Ideli não conseguiu explicar por que, então senadora, havia gastado verba de representação com hospedagem em hotéis em Brasília, mesmo tendo o auxílio-moradia.

Mas essas coisas, “meu amor”, não precisam de explicação. Ser petista, afinal de contas, é nunca ter de pedir perdão.

Meu amor!

Por Reinaldo Azevedo

03/04/2012

às 7:33

As lanchas de Ideli – Doação ao PT “nunca deveria ter ocorrido”, diz ministro da Pesca

Por Rodrigo Vizeu, na Folha:
O ministro da Pesca, Marcelo Crivella, criticou ontem o pedido de doação eleitoral que um empresário que tem contrato milionário com a pasta disse ter recebido de um funcionário do ministério nas eleições de 2010. “Minha opinião é a opinião de todo o Brasil. Isso não deveria nunca ter ocorrido”, disse Crivella, depois de uma reunião com o setor pesqueiro, em Florianópolis. Ele disse que vai “tentar saber quem fez isso” e que distribuirá memorando interno “deplorando tal prática”. Dono da empresa Intech Boating, José Antonio Galízio afirmou ter doado R$ 150 mil ao comitê financeiro do PT-SC em 2010.

À época, a candidata a governadora pelo partido era Ideli Salvatti. Derrotada, ela virou ministra da Pesca e hoje chefia as Relações Institucionais. O PT catarinense comandou a Pesca desde a criação da pasta, em 2003, até a saída de Ideli, ano passado. Depois dela, assumiu Luiz Sérgio (PT-RJ), que classificou o pedido de doação como “malfeito”. Desde o início de março, Crivella, senador pelo PRB-RJ, é o primeiro não petista ministro da Pesca. Apesar de ter criticado o pedido de dinheiro, Crivella afirmou ter encontrado na pasta “muitas coisas boas” feitas pelo petista Altemir Gregolin, que era ministro quando teria sido pedido o dinheiro à Intech Boating. O Tribunal de Contas da União apontou superfaturamento e direcionamento da licitação para fornecer 28 lanchas no valor de R$ 31 milhões ao Ministério da Pesca. A empresa e Gregolin negam.

À Folha, Gregolin afirmou que nunca pediu doação quando ministro. “Também nunca autorizei nem tomei conhecimento de pedido dentro do ministério”, afirmou. Crivella disse que o petista tem “todo o direito de defesa” no caso. E acrescentou que a compra de barcos “nada tem a ver” com a arrecadação de fundos. “Acredito que seus argumentos [de Gregolin] vão esclarecer tudo”, afirmou o novo ministro ontem. Primeiro ministro da Pesca, o presidente do PT-SC, José Fritsch, também negou saber de pedidos de doações. No sábado, o empresário Galízio disse que foi procurado por um funcionário do ministério, cujo nome diz não lembrar, que teria afirmado: “Você, como parceiro, como fornecedor, poderia fazer doação”. Só depois alguém do PT-SC teria insistido.
(…)

Por Reinaldo Azevedo

31/03/2012

às 7:17

Nas águas de Ideli – Cobrar doação de empresa contratada por ministério é “malfeito”, acusa ex-ministro

Por Marta Salomon, no Estdão:
Sucessor de Ideli Salvatti no Ministério da Pesca, o deputado petista Luiz Sérgio classificou ontem de “malfeito” a ação da pasta de cobrar dinheiro para o PT de Santa Catarina de uma empresa contratada pelo governo federal. A Intech Boating, que forneceu por R$ 31 milhões lanchas-patrulha para o ministério, doou R$ 150 mil ao comitê financeiro do PT, que bancou 81% dos custos da candidatura de Ideli em 2010 ao governo de Santa Catarina, como revelou com exclusividade o Estado ontem. O contrato das lanchas é considerado suspeito pelo Tribunal de Contas da União (TCU). A petista, hoje, é titular da pasta de Relações Institucionais.

“Em relação à iniciativa do ministério de buscar contribuições, minha posição é contrária a isso. Não é função de ministério arrecadar dinheiro para candidaturas ou para partidos”, disse o ex-ministro da Pesca, a quem coube dar destino à maior parte das 28 embarcações compradas. As lanchas-patrulha estavam estragando, sem uso, num caso de desperdício de dinheiro público investigado pelo TCU. O Ministério da Pesca optou por doar a maioria à Marinha.

Questionado se enxergava corrupção no caso, Luiz Sérgio optou pelo vocabulário adotado pela presidente Dilma Rousseff. “Eu diria, como a nossa presidente tem feito, que é um malfeito.” Luiz Sérgio ficou no cargo apenas seis meses, após perder o posto de articulador político do governo para a ministra Ideli Salvatti, em junho do ano passado.

Anteontem, o dono da Intech Boating, José Antônio Galízio Neto, afirmou ao Estado que a doação ao partido havia sido feita em 2010 a pedido do ministério. “A solicitação veio pelo Ministério da Pesca, é óbvio. E eu não achei nada demais, porque eu estava trabalhando para o governo, faturando naquele momento R$ 23 milhões, R$ 24 milhões, não havia nenhum tipo de irregularidade”, disse, mudando em seguida de versão e apontando um político local, “um vereador ou candidato a deputado, uma coisa assim”, como o responsável pelo pedido de doação ao PT.

Irregular. O negócio que resultou em doação para o comitê petista contém irregularidades, segundo auditoria aprovada pelo TCU na quarta-feira. O relatório afirma que a licitação foi dirigida para a Intech Boating, sediada em Santa Catarina, base política dos ministros Altemir Gregolin e Ideli Salvatti. Além disso, ainda de acordo com o tribunal, as lanchas foram compradas sem necessidade e superfaturadas.

Ontem, o dono da Engetec – empresa desclassificada “sem justificativa adequada” da licitação das lanchas, segundo o TCU – confirmou a interpretação do tribunal. César Thomé Filho contou que a Engetec reduziu o preço proposto pela Pesca de R$ 1,6 milhão para R$ 1 milhão. Apesar de atender aos pré-requisitos do edital, perdeu o negócio (leia entrevista abaixo).
(…)

Por Reinaldo Azevedo

29/03/2012

às 7:15

Ministério da Piaba compra lanchas que não usa. Conta: R$ 31,1 milhões. E há mais…

Por Marta Salomon, no Estadão:
Sem competência para fiscalizar a pesca irregular, o Ministério da Pesca comprou 28 lanchas-patrulha por mais de R$ 1 milhão cada, das quais ao menos 23 nunca entraram em operação ou estão avariadas, segundo auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU). Parte da fatura de R$ 31,1 milhões foi paga na gestão de Ideli Salvatti, responsável hoje pela coordenação política do governo Dilma Rousseff.

 

Dados do Tesouro mostram que parcela de R$ 5,2 milhões da compra foi paga em abril e maio de 2011, sob ordem da então ministra da Pesca, no programa de “apoio e implantação de infraestrutura aquícola e pesqueira”. Ontem à noite, a assessoria de Ideli Salvatti informou que a auditoria do TCU investigou não o pagamento, mas a compra das lanchas, negócio autorizado na administração de Altemir Gregolin, que deixou a pasta em dezembro de 2010. No último dia no cargo, em 31 de dezembro, ele determinou a construção de mais 5 lanchas, quando apenas 4 das 23 encomendadas haviam entrado na água. Quem recebeu o dinheiro foi a empresa Intech Boating Comércio de Embarcações Ltda., sediada em Santa Catarina e inaugurada pouco antes da primeira compra de cinco lanchas autorizada por Gregolin.

Desde a criação da Secretaria até a saída de Ideli Salvatti, o posto criado no governo Lula coube ao PT de Santa Catarina. “O negócio foi lançado para a Intech Boating ganhar”, afirma o relatório do ministro Aroldo Cedraz, aprovado na sessão de ontem do Tribunal. O edital reproduzia os requisitos técnicos do modelo de estreia da empresa no mercado. “As medidas e padrões de desempenho atendem perfeitamente aos requisitos excessivamente detalhados nos editais dos pregões”, diz o relatório. E mais: o aviso de licitação foi publicado em jornal que circula só no Distrito Federal, onde não há estaleiros. A licitação exigia que as lanchas deveriam ser entregues em São Luís (MA) e Belém (PA).
(…)

Por Reinaldo Azevedo

02/03/2012

às 18:25

Dilma nomeia o novo ministro do Duplo Sentido, e ele promete aprender a pôr a minhoca no anzol. Ou: Ministro cita dono de rede de televisão na posse

Ressuscitem Aristófanes. Depois de “As Vespas” e de “As Rãs”, ele precisa escrever “As Minhocas”, em homenagem ao que viu nesta sexta no Palácio do Planalto. Chamem Esopo. Há uma nova fábula em curso, de sentido moral ainda impreciso: “As Minhocas e a Soberana”. Que coisa!

Leiam o que informam Nathalia Passarinho e Priscilla Mendes, no Portal G1. Volto em seguida:
Alvo de críticas por não conhecer o setor que vai comandar, o novo ministro da Pesca, Marcelo Crivella (
PRB-RJ), afirmou nesta sexta-feira (2) que pretende aprender mais sobre a área. “Não quero que a presidente fique triste em ter um ministro da pesca que não é um especialista e que não sabe colocar minhoca num anzol. Mas colocar minhoca no anzol a gente aprende rápido. Pensar nos outros é que é difícil”, afirmou Crivella do discurso de posse nesta sexta-feira (2) no Palácio do Planalto.

Ao discursar depois, a presidente Dilma Rousseff disse que Crivella “é um grande especialista em colocar minhoca no anzol”. “Um grande especialista. Ele é um bom engenheiro, ele é um bom gestor. Tenho certeza que o Crivella vai acrescentar muito às nossas minhocas colocadas no anzol”, afirmou a presidente. Dilma chorou ao lamentar a saída de Luiz Sérgio de sua equipe de ministros. Ela defendeu, porém, a existência de alianças e coalizões políticas como “essência para que o Brasil seja administrado” e disse que, “infelizmente”, às vezes é preciso “prescindir” de algumas pessoas no governo.

Evangélicos
Apontado como uma indicação estratégica para aproximar o governo do setor evangélico, Crivella, que integrava a bancada evangélica no Congresso, citou a religiosidade em seu discurso. O novo ministro também citou o tio, o bispo Edir Macedo, líder da Igreja Universal.

“Quero citar uma lição que sintetiza com simplicidade um bom conceito. Quem pensa nos outros pensa como Deus”, disse. “Peço a Deus que dê sabedoria e discernimento [...] para que continue não ocorrendo no nosso ministério qualquer deslize que desanime o povo e faça um cidadão de bem não sentir orgulho de ser brasileiro”, disse o novo ministro ao concluir o discurso. Sobre as ações necessárias ao setor da pesca e aquicultura, Crivella afirmou que é preciso formar engenheiros ligados ao setor e aumentar o volume de financiamentos.
(…)

Voltei
E aí? Dá para levar isso a sério? Marcelo Crivella foi nomeado para a Pesca. Como não há o que fazer por lá — ou seus antecessores não seriam Ideli Salvatti e  Luiz Sérgio —, vai cuidar, então, da linguagem de duplo sentido.

Sabem como é… Um governo começa metaforizando com a minhoca no anzol e depois vai percorrendo toda a variedade da alegoria zoológica: afoga o ganso; dá tapa na pantera; engole sapo; põe bode na sala; manda a vaca pro brejo; dá uma de macaco e mete a mão em cumbuca; nada de costas em rio que tem piranha…

Nada disso pode ser muito sério. Quando Crivella foi nomeado, escrevi aqui um longo texto, lembrando quem ele era e enfatizando a sua ligação com Edir Macedo, seu tio, dono do PRB, da Igreja Universal e da Rede Record. Um ou outro indagaram: o que tem uma coisa a ver com outra? Ora, perguntem a ele, que citou o tio no discurso de posse. Crivella foi escolhido porque, dizem, é um interlocutor da bancada evangélica, e há contenciosos nessa área — o aborto entre eles. Macedo é, no Brasil, o mais entusiasmado defensor do aborto de que se tem notícia.

Pensemos
Jamais aconteceria, eu sei, e eu não estou igualando as personalidades. Imaginem o que estaria fazendo agora o JEG (Jornalismo da Esgotosfera Governista) se Dilma tivesse nomeado um parente dos Marinho, da Globo, para ao Ministério e se, na posse, ele citasse Roberto, o patriarca, ou alguém da família. Edir Macedo, a gente vê, virou referência dos “blogueiros progressistas”.

Ressuscitem Aristófanes! Chegou a hora de escrever também “Os Jegues”.

Por Reinaldo Azevedo

29/02/2012

às 16:38

Pereirinha, o rei dos robalos, no Ministério da Pesca? Coisa da “imprensa covardista e crapulenta”!!!

pereirinha

Não passa de intriga da imprensa “oposicionenta, safadista, crapulenta e covardista”, como diria Odorico Paraguaçu, essa história de que o primeiro nome para o Ministério da Pesca era o de Pereirinha, o rei do “robalo”, de Fina Estampa.

Por Reinaldo Azevedo

29/02/2012

às 16:12

Crivella, o Ministério da Pesca, a tentativa de atrair evangélicos, Edir Macedo e o aborto

Hora de entender a notícia, que hora tão feliz! Esses posts sempre acabam demorando um tantinho porque requerem pesquisa no arquivo do próprio blog etc. Mas acho que vale a pena. A memória e a história são duas das coisas que nos distinguem dos bichos.

O governo anunciou que o senador Marcelo Crivella (PRB-RJ), bispo da Igreja Universal e sobrinho de Edir Macedo, que é dono da igreja e da Rede Record, é o novo ministro da Pesca. Faz sentido: é cantor gospel e já fez um curso de engenharia. É tão habilitado para cuidar da pasta quanto Ideli Salvatti e Luiz Sérgio, os dois que o antecederam.

O Ministério da Pesca poderia ser considerado um símbolo da eficiência petista. Segundo o IBGE, quando a pasta foi criada, em 2003, o superávit do setor pesqueiro era de US$ 222.804.451. No ano seguinte, esse saldo positivo já havia caído para US$ 175.330.847. Depois foi para US$ 103.576.102… Em 2006, começou o déficit, que foi crescendo, até chegar ao resultado negativo de US$ 757.169.796 em 2010. Viram? O PT não brinca em serviço. Se quiserem detalhes sobre essa involução, cliquem aqui.  Se vocês lerem o texto a que remete o link, verão que o crescimento da pesca extrativa foi ridículo e que houve QUEDA na produção de organismos marinhos cultivados. Ministério pra quê? Ora, para abrigar aliados. NOTA À MARGEM: o Ministério da Pesca é aquele onde a então ministra Dilma Rousseff empregou a mulher do terrorista Olivério Medina — e em Brasília! Agora que as Farc decidiram pôr um fim a seqüestro de civis (ao menos prometem), o jeito é seqüestrar tubarão no Lago Paranoá.

Ao anunciar a nomeação, o porta-voz da Presidência lembrou que o PRB é o partido do “inesquecível” José Alencar, ex-vice-presidente da República. Ô!!! “Nem me digue!”, como afirmava um antigo vizinho… O PRB tem apenas 10 deputados e um senador, justamente Crivella.  Então vamos ver.

Dilma já tem a fidelidade dessa turma. Não precisa dar um ministério para o grupo, que é pequeno. Crivella pra quê? Nos bastidores do Planalto, ninguém disfarça: trata-se de uma tentativa de atrair a bancada evangélica — e também os eleitores. Duas questões recentes criaram atrito entre o governo e essa fatia do Congresso.

Na palestra que fez no Fórum Social Mundial, em Porto Alegre, o ministro Gilberto Carvalho, hoje a pessoa mais influente no PT depois de Lula, anunciou a disposição do seu partido de disputar com os evangélicos a chamada “classe C”. Ele defendeu que o governo invista bastante em mídia estatal para que se possa fazer o confronto de valores. Já escrevi bastante a respeito. Explico aqui por que o partido fará um dia, fatalmente, esse confronto.

O segundo episódio que indispôs os evangélicos com o governo foi a nomeação de Eleonora Menicucci para o Ministério das Mulheres. Nem havia tomado posse, saiu em defesa do aborto. Como revelou este blog, numa entrevista concedida em 2004, contou ter aprendido em clínicas clandestinas da Colômbia a fazer abortos, como aborteira mesmo, metendo a mão na massa… de sangue. Crivella, que tem bom trânsito na bancada evangélica, vem para tentar pacificar a área. Mas será o caso?

Ele já se manifestou contra o aborto. Certo! Mas o que pensa Edir Macedo, seu tio, guia espiritual, grande mestre da Igreja? Macedo é o principal responsável pela projeção que o agora ministro teve como pastor, o que catapultou a sua carreira política. O dono da Igreja Universal e da Rede Record é um abortista fanático, talvez o mais fanático de todos, já que faz o que até hoje não vi ninguém fazer: recorrer à Bíblia para justificar a prática.

Numa entrevista concedida à Folha em 13 de outubro de 2007, Macedo dizia por que é favorável ao aborto. Leiam:
“Sou favorável à descriminalização do aborto por muitas razões. Porém, aí vão algumas das mais importantes:

1) Muitas mulheres têm perdido a vida em clínicas de fundo de quintal. Se o aborto fosse legalizado, elas não correriam risco de morte;
2) O que é menos doloroso: aborto ou ter crianças vivendo como camundongos nos lixões de nossas cidades, sem infância, sem saúde, sem escola, sem alimentação e sem qualquer perspectiva de um futuro melhor? E o que dizer das comissionadas pelos traficantes de drogas?
3) A quem interessa uma multidão de crianças sem pais, sem amor e sem ninguém?
4) O que os que são contra o aborto têm feito pelas crianças abandonadas?
5) Por que a resistência ao planejamento familiar? Acredito, sim, que o aborto diminuiria em muito a violência no Brasil, haja vista não haver uma política séria voltada para a criançada.”

Atenção! Respondeu por e-mail. Ele teve tempo de refletir. Na mesma entrevista, outra pergunta e outra resposta chamam a atenção. Leiam:
FOLHA – Alguns políticos então da base da Igreja Universal, como o bispo Rodrigues, foram atingidos em cheio pelos escândalos do primeiro mandato de Lula. A corrupção não é um pecado imperdoável?

MACEDO
– Jesus ensina que o único pecado imperdoável é a blasfêmia contra o Espírito Santo. Para os demais, há perdão se houver arrependimento.

Agora juntem a resposta sobre o aborto com esta. É inescapável concluir que o Deus de Macedo perdoa os corruptos, mas é implacável com os fetos inocentes, não é?, que ainda não roubaram ninguém. Ele defende essa posição em livro. O dono da Record recorre a este trecho do Eclesiastes — Se o homem gerar cem filhos, e viver muitos anos, e os dias dos seus anos forem muitos, e se a sua alma não se fartar do bem, e além disso não tiver sepultura, digo que um aborto é melhor do que ele” para inferir que a Bíblia admite o aborto. Falso como nota de R$ 3. Na passagem, o aborto é visto como o extremo da fealdade, só superado pela infidelidade a Deus.

Num vídeo em que diz “adorar falar sobre o aborto” e em que trata a criança “como um empreendimento”, Macedo diz o que pensa a respeito. Se quiserem ver, segue aí.
Tragédia recente acontecida no Brasil, o desabamento de três prédios no Rio, também mereceu as luzes da turma de Macedo. No vídeo abaixo, ficamos sabendo que quem derrubou aqueles prédios foi o demônio. Sabem por quê? Porque haveria lá dentro ex-obreiros e pastores, que desertaram da Universal e, parece, estavam dispostos a voltar…

Encerro
Por que lembrar tudo isso? Porque não é a expertise de Crivella com o setor pesqueiro que o leva para o ministério. Ninguém esconde no governo que é a questão, vamos dizer, “religiosa”. Se é, cumpro aqui a minha obrigação ao tratar do assunto em sua devida extensão. Crivella é expressão de um partido, de uma igreja e de uma emissora que têm dono. E esse dono tem um pensamento. E esse pensamento não hesita nem mesmo em atribuir à Bíblia o que lá não está e em fazer uma leitura muito particular de um desastre ocorrido no Estado de origem do ministro agora nomeado.

 

Plenamente informado, com todas as variáveis, o leitor pode formar um juízo mais qualificado. Como vêem acima, o único a fazer juízos de valor é Macedo. Eu só lido com fatos, digam respeito a peixinhos ou a peixões, e ponho minha razoável memória a serviço dos leitores.

Por Reinaldo Azevedo

29/02/2012

às 14:58

Dilma pesca um bispo da Igreja Universal para o Ministério

O governo anunciou que o senador Marcelo Crivella (PRB-RJ), bispo da Igreja Universal, sobrinho de Edir Macedo e cantor gospel, é o novo ministro da Pesca. Vamos entender a notícia no próximo post? Que hora tão feliz! Daqui a pouco.

Por Reinaldo Azevedo

07/12/2011

às 16:45

Desde que Ministério da Piaba foi criado, déficit no setor pesqueiro cresceu 3,4 vezes!

Claro, claro, eles vão tentar fazer uma leitura virtuosa do que vai abaixo. Leiam o que vai na própria página do IBGE:

Saldo da balança comercial pesqueira em 2010 é dez vezes menor que em 2006
De acordo com dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, o saldo da balança comercial pesqueira, que abrange peixes, crustáceos, moluscos e outros invertebrados aquáticos, tem se tornado cada vez mais negativo. No ano 2000, as exportações do setor representaram US$ 227,5 milhões, enquanto as importações somaram US$ 274,1 milhões, resultando em um saldo comercial negativo de US$ 46,6 milhões. O saldo viria a se tornar positivo entre os anos 2001 e 2005, mas a situação voltou a se inverter em 2006, quando o saldo ficou negativo em US$ 75,2 milhões. Essa diferença foi aumentando com o passar dos anos até se tornar dez vezes maior em 2010 (- US$ 757,2 milhões), quando as exportações somaram US$ 199,4 milhões e as importações totalizaram US$ 956,5 milhões.

Vejam tabela e gráfico. Volto em seguida.

pesca-grafico-um

pesca-grafico-dois1

Voltei
Viram? Quando o ministério foi criado, o superávit no setor era de US$ 222.804.451. No ano seguinte, já havia baixado para US$ 175.330.847. Caiu para US$ 103.576.102… Em 2006, começou o déficit, que foi crescendo, até chegar a US$ 757.169.796…

Isso é que é eficiência, não? O governo do PT criou o Ministério da Pesca, e a gente assistiu a um desastre no setor no que diz respeito à balança comercial. “Mais gente começou a comer peixe, Reinaldo”. Entendo! Ainda bem que não se deu o mesmo com os outros setores que produzem alimentos, né?, ou o Brasil, em vez de acumular reservas, estaria de pires na mão.

E a produção?
Escreve o IBGE:
“Segundo o Ministério da Pesca e Aquicultura, a produção nacional da pesca extrativa marinha foi de 484,6 mil toneladas em 2003, subindo gradativamente a cada ano até atingir 585,7 mil toneladas em 2009. Já a produção da aquicultura marinha (cultivo de organismos marinhos) caiu de 101,6 mil toneladas em 2003 para 78,3 mil toneladas em 2009″.

Pergunta-se: Ministério da Pesca para quê? Para produzir uma tragédia setorial? Quando menos, pode-se dizer que ele foi inócuo. Se duvidar, foi contraproducente. Até agora, a única coisa que essa pasta produziu foi escândalo: o pagamento indevido do tal “defeso” para apaniguados de políticos que, a exemplo de Luiz Sérgio, o ministro da Pesca, não sabem a diferença entre uma piaba e uma tilápia.

É uma piada! Dilma quer cortar ministérios? Eis um bom lugar para começar.

PS – Não posso deixar de lembrar. Caso essa estrovenga seja extinta, é preciso ver o que fazer com a mulher do terrorista Olivério Medina, que a então ministra Dilma Rousseff, de próprio punho, lotou no Ministério da Pesca, em Brasília. Vai ver ela cuida do setor no Lago Paranoá, que está cheio de tubarão.

Por Reinaldo Azevedo

13/06/2011

às 19:10

Já temos um novo Padre Vieira: é Luiz Sérgio, o ministro da Piaba

Luiz Sérgio, que vinha exercendo secretamente o cargo de ministro das Relações Institucionais, afirmou que, ao ser transferido para o Ministério da Pesca, só mudou de trincheira.

Se vergonha alheia matasse, essa gente já teria dizimado o país.

Padre Vieira se tornou notável por seus sermões, verdadeiros monumentos da língua portuguesa. Um dos mais famosos é o “Sermão de Santo Antonio aos Peixes”.

Na sua nova trincheira, teremos em breve o “Sermão de Luiz Sérgio às Piabas”. Eu ainda não decidi se este senhor se ama a tal ponto que nem percebe o que lhe fazem ou se é do tipo que extrai prazer da humilhação.

Por Reinaldo Azevedo

08/12/2010

às 21:01

Ideli, o que é uma tilápia? Ou: O ministério que releu Jesus Cristo!

Há algumas indicações de certo modo engraçadas no ministério de Dilma Rousseff. O senador Garibaldi Alves (PMDB-RN) vai assumir a Previdência Social. O que ele tem a ver com a área? Ele próprio já confessou que não entende do riscado. Pode até ser que se venha a ter um ministro incompetente, mas ele promete, como se nota, ser sincero.

Santa Catarina, por alguma razão inexplicada — e, creio, inexplicável —, virou o estado  do fabuloso Ministério da Pesca. O titular da pasta é aquele ministro de aparelho nos dentes, como é mesmo, Google? Ah, o veterinário Altemir Gregolin. Será substituído pela professora Ideli Salvatti, senadora até o fim deste ano, que concorreu ao governo de Santa Catarina e foi derrotada. Considerando que Ideli virou a cara do enterro da CPI do Mensalão, é uma compensação até pequena. Duvido que saiba distinguir uma tilápia de um pirarucu.

Milagre
Cristo multiplicou os pães e os peixes. O milagre do Ministério da Pesca foi outro: a multiplicação de pescadores. O governo perdeu o controle sobre o pagamento do “defeso”, a bolsa paga para que o companheiro pescador não pratique a atividade no período da desova e coisa e tal — ou quando algum evento atrapalha a atividade. Quem cuida do pagamento é o Ministério do Trabalho, mas é o da Pesca que acompanha a área  “a nível social”, compreendem?.

Como tudo nestepaiz, também essa relação é mediada por sindicatos, associações e petistas a quatro. Morou na beira de praia ou de rio, é pescador. Gente que, a exemplo de Ideli Salvati, não distinguiria uma tainha de um mamute até compra canoa velha — é sério — pra declarar seus vínculos com a atividade… Em áreas turísticas, motoristas de táxi, caseiros, funcionários de pousadas, piscineiros, biscateiros de praia, todos viram pescadores!

Ah, sim: Ideli será chefe de Angela Maria Slongo, a mulher do terrorista Olivério Medina, também professora e também lotada no Ministério da Pesca, a pedido de Dilma. A mulher trabalha em Brasília. Chefe e subordinada poderiam caçar sapo à beira do lago Paranoá.

Por Reinaldo Azevedo

04/06/2009

às 6:32

Degringolou de vez

 

Fazer o quê? Há pessoas que inspiram em nós os trocadilhos mais primitivos, não é? A história a seguir é cômica, claro, mas não deixa de ser um flagrante destes tempos. Leiam. Por João Domingos, no Estadão:

 

Altemir Gregolin almoçava solitariamente ontem por volta das 14h30, no Kibe House, um restaurante de comida por quilo que funciona no Conjunto Nacional, shopping localizado na área mais central de Brasília, a cerca de um quilômetro da Esplanada dos Ministérios. Ao vê-lo, o filho do dono do restaurante dirigiu-se até a mesa onde estava e o cumprimentou. Gregolin respondeu: “Você está falando com o ministro da Pesca do Brasil.”

“Eu sei”, respondeu o rapaz. “Não”, retrucou Gregolin. “Eu era secretário especial da Pesca. Agora, sou ministro da Pesca. Você é o primeiro a saber, você é o primeiro a falar com o ministro da Pesca”.

Imediatamente, Gregolin levantou-se, foi até o caixa e pagou a refeição. Na verdade, meia refeição, porque deixou o prato pela metade: um pedaço de bisteca de porco, outro de pão sírio e meio copo de suco de laranja. Saiu rapidamente do restaurante. Não havia nenhum pescado no prato.

O rapaz ainda disse: “Pai, sabe o Gregolin, de Santa Catarina? Fui falar com ele e me disse que agora é ministro da Pesca. Mas eu achava que ele já era ministro.” O pai olhou para o filho e não fez nenhum comentário. Foi cuidar das fichas que estavam no caixa.

O que levou Gregolin a anunciar ali mesmo que era o ministro da Pesca foi uma decisão tomada pela Comissão de Constituição e Justiça do Senado no momento em que ele almoçava – a de aceitar a constitucionalidade da medida provisória assinada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que transforma a Secretaria da Pesca em ministério.

Desde abril de 2006, Gregolin era secretário especial da Pesca. Substituiu o então titular – que havia tentado ser ministro, mas foi barrado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) -, José Fritsch, que largou o posto para se candidatar ao governo de Santa Catarina pelo PT. Fritsch foi derrotado por Luiz Henrique da Silveira, do PMDB.

Gregolin era o secretário executivo. Foi promovido a um mandato-tampão e por lá ficou, até receber a notícia de que será ministro.

De todos os ministérios criados por Lula, o de Gregolin é um dos mais desconhecidos. Há menos de dois anos, ao aparecer na TV para um programa em rede obrigatória, iniciou assim a sua fala: “Prazer, eu sou Altemir Gregolin.”

Assinante lê mais aqui

Por Reinaldo Azevedo

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados