SE O CARA NÃO LUCRAR VENDENDO COCAÍNA, VAI LUCRAR ENFIANDO O TRABUCO NA SUA CARA SE ESTIVER SOLTO

Eu sei qual é a crítica mais freqüente que algumas pessoas fazem a meus textos — sei porque elas me são enviadas, não? Uma boa síntese poderia ser esta: escrevo sobre muitos assuntos e me atrevo a dar opinião sobre qualquer coisa, não me atendo, como a grande maioria, a uma área — política, economia, […]

Eu sei qual é a crítica mais freqüente que algumas pessoas fazem a meus textos — sei porque elas me são enviadas, não? Uma boa síntese poderia ser esta: escrevo sobre muitos assuntos e me atrevo a dar opinião sobre qualquer coisa, não me atendo, como a grande maioria, a uma área — política, economia, artes & espetáculos, comportamento… Pois é. Vão ter de me fumar — ooopsss! De me engolir!

Falo sobre muita coisa porque, na verdade, falo de uma coisa só: LÓGICA!!!

No dia 12 de fevereiro deste ano, escrevi um artigo chamado Uma droga de debate, onde se lia o que segue. Vejam. Retomo depois:
Suponho que, se legalizadas as drogas, continuarão proibidas outras modalidades de crime: assaltos, roubo de carros, pedofilia, tráfico de órgãos, de armas… Qual é a fantasia dos não-proibicionistas? Garotinhos dos morros, ao cair da tarde, andariam pelas praias da Zona Sul do Rio vendendo suas trouxinhas aos bacanas que aplaudem o ocaso… Não será assim. Os que estão envolvidos com o narcotráfico não costumam ter qualquer amor especial pela droga ou vinculação moral com ela. Estão nessa porque ela é proibida. Quando não for mais, mudarão de ramo e vão atuar, como direi?, em outras proibições. Sei: é difícil para certa mentalidade considerar que o crime é, sim, uma escolha, uma opção.

Voltei
Estava chamando a atenção para um fato óbvio, que já abordei outras vezes: o problema da segurança pública no Brasil decorre do misto de ineficiência e impunidade. ISSO QUER DIZER QUE, SE AS DROGAS FOSSEM REALMENTE DESCRIMINADAS, TODAS ELAS, E A ATIVIDADE DEIXASSE DE SER RENTÁVEL, OS CRIMINOSOS MIGRARIAM PARA OUTROS CRIMES, ENTENDERAM? A suposição de que, sem droga para vender, os traficantes-chefes ou mesmo vapores do tráfico se tornariam operários ou, sei lá, especialistas em oboé é uma estupidez. Reportagem da Folha deste domingo dá mostras disso. Leiam isto:

As facções do tráfico nas favelas do Rio perderam nos últimos anos parte da clientela de classe média, e seus lucros dependem cada vez mais das próprias comunidades, o que provoca maior disputa por territórios entre elas.
Há dois sinais disso, segundo especialistas ouvidos pela Folha. O primeiro é a entrada do crack na cidade -a droga, consumida pelos mais pobres, era inexistente no Rio há cinco anos. O segundo é a exploração pelos traficantes, via taxação ou “concessão”, de serviços como transporte alternativo (vans), distribuição de botijões de gás e mototáxi
(íntegra aqui).

Sei que alguns tentarão não entender o que está escrito. Então reitero. Como parte da clientela da classe média se foi, a bandidagem não se dedicou à mecânica de automóveis, ao origami ou ao crochê. Nada disso! Simplesmente escolheu outros crimes. Se a política de segurança pública do Brasil continuar a mesma; se os bandidos continuarem fora da cadeia; se o crime continuar a compensar, a mão-de-obra do tráfico, queridinhos, vai deixar de assombrar só os morros e vai descer para assombrar o asfalto, como acontece esporadicamente, diga-se.

É por isso que a tese de que a legalização das drogas diminuiria a violência ou é conversa de quem não pensou direito a respeito do assunto e se nega a abraçar a lógica como conselheira ou é papo de, sei lá como chamá-los, “drogófilos”. ATENÇÃO: NÃO É A DROGA QUE FAZ  O CRIMINOSO. O criminoso escolhe afrontar a lei: a droga é uma das opções que ele tem; é a mais freqüente, atraente e arrasadora porque mais lucrativa.

Assim, atenção para o devastador realismo do que segue: com uma polícia corrupta; com um governo federal incapaz de combater o tráfico de armas; sem celas disponíveis para prender todos os que deveriam estar presos; sem uma política federal de segurança pública; se tudo continuar, em suma, como está, a ilegalidade das drogas não deixa de ser um fator de segurança para uma parte da sociedade ao menos. A razão é simples: se o bandido continua solto e não pode ganhar dinheiro vendendo maconha ou cocaína, ele vai meter um trabuco na sua cara para lhe tomar o carro, a carteira, o relógio, o tênis… À legalização das drogas corresponderia o aumento brutal de todos os outros crimes.

Isso é lógica, meus caros. Já era em fevereiro, agora confirmada pelos fatos. E os fatos, acreditem, andam sempre no trilho lógico. Se  e quando parecer que não,  só estamos diante de um erro de avaliação. Os fatos, por mais detestáveis, por mais estúpidos, por mais assustadores, são sempre fatos.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s