Nicolas Sarkozy é o cara!

Eles são iguais em todos os lugares. Na terça à noite, um delinqüente, fichado pela polícia por causa de vários crimes, teve um problema na Gare du Nord, estação de metrô de Paris. A polícia o deteve. Havia alguns magrebinos dando sopa por ali. Iniciaram uma baderna. Quebra-quebra, incêndios. Depois de seis horas de confronto, […]

Eles são iguais em todos os lugares.

Na terça à noite, um delinqüente, fichado pela polícia por causa de vários crimes, teve um problema na Gare du Nord, estação de metrô de Paris. A polícia o deteve. Havia alguns magrebinos dando sopa por ali. Iniciaram uma baderna. Quebra-quebra, incêndios. Depois de seis horas de confronto, 9 feridos e 13 pessoas detidas. A esquerda francesa não teve dúvida: partiu para cima de Nicolas Sarkozy, ex-ministro do Interior e candidato conservador à Presidência da França. Ele lidera as pesquisas para o primeiro e segundo turnos.

A candidata socialista Ségolène Royal acusou Sarkozy de ser o responsável pelas disputas raciais. Segunda ela, seu adversário sempre escolheu a força em vez de resolver as causas dos conflitos, que estariam no desemprego. Nota: dos nove feridos, quatro são da empresa que administra o metrô, quatro são da empresa ferroviária, e um é policial. As “vítimas sociais” batem, mas não apanham. Segundo o conselheiro especial de Ségolène, o ex-ministro Jack Lang, estes acontecimentos “não são fruto da casualidade e ilustram o fracasso da política de segurança” do candidato conservador.

No Brasil, o “candidato conservador” faria o quê? Em primeiro lugar, sairia correndo, com medo da mídia. Na França, ela é tão “petralha” quanto aqui: o petralhismo lá deles, né? Em lugar de Emir Sader, Voltaire, ulalá! Depois, sairia concordando com as razões do adversário, afirmando que sim, “realmente, com efeito, os problemas sociais, vocês sabem como é, mas tudo faremos etc e tal.” Tímido, com o rabo entre as pernas, deixando-se seqüestrar, no caso deles, pela baderna magrebina.

Mas não Sarkozy. Controlou a escória com mão de ferro quando ela resolveu incendiar o país no fim de 2005. Culpa sua? Não. Mas do estado francês, que garante casa e comida aos desocupados. Eles só precisam entrar com a prosopopéia militante. Sarkozy não teve dúvida: nesta quarta, foi ao local do conflito, deu seu apoio integral à Polícia e prometeu ainda mais rigor. E contra-atacou: afirmou que, se sua adversária e a esquerda “querem ficar ao lado dos que não pagam sua passagem no trem”, problema deles. E conseguiu ser óbvio e exato: o que há de anormal em deter quem não paga passagem? É mesmo: o que há de anormal nisso?

Tomara que seja eleito. A eleição é no dia 22 de abril. Sarkozy é o cara. Os nossos conservadores — ou, vá lá, não-petistas — têm muito o que aprender com ele.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Akva

    Reinaldo,Quando vi o Sarkozy na televisão, falei para a minha mulher: o Reinaldo vai escrever sobre isto… Concordo em gênero, número e grau!

    Curtir

  2. Comentado por:

    Anônimo

    O Covas foi aquele governador que em 12 anos (8 dele mesmo mais 4 do vice dele) conseguiu piorar a educação no estado mais rico do Brasil? Quanto ao Sarkozy, o Brasil precisava sim de uns 500 dele. Somente 200 não iriam dar conta.

    Curtir

  3. Comentado por:

    O antipríncipe

    A França tem destas coisas: às vezes, em meio ao pântano, surge uma flor (he, he, he…).

    Curtir

  4. Comentado por:

    Daniel F. Silva

    Falta alguém como Sarkozy pra dar um jeito por aqui… Até rimou!

    Curtir

  5. Comentado por:

    Anônimo

    Reinaldo,a nossa direita, se é que axiste, precisa perder o medo de defender a ordem, o patrimonio, a lei.Precisam entender que boa parte da população defende o estado de direito, e gostaria de votar em políticos que não exitariam em mandar cumprir um mandado de reintegração de posse, por exemplo.O que ocorre no Brasil de alguns anos para cá, é o que eu chamo de “Síndrome de Carandirú ou de Eldorado de Carajás”, ou seja, ninquem mais quer reprimir a contravenção ou o crime, com receio de ser massacrado pela mídia esquerdista, pela CNBB, OAB, enfim, por toda máquina esquerdista que tomou conta do país.

    Curtir

  6. Comentado por:

    Cris

    Puxa…será que a França não pode nos emprestar Sarkozy um pouquinho?Conheço um tal de meessetê que ia danar-se todo, hahahahahaha.

    Curtir

  7. Comentado por:

    Claudio Omar

    Pois é Reinaldo, sinal dos tempos: vou ter que aprender francês … quem diria? Eh eh …

    Curtir