MAIORIDADE PENAL 1 – Militantes fascistoides e sem voto se impõem pela violência a representantes legítimos da população

Militantes fascistoides da UNE e da UBES, eleitos por ninguém, que se mantêm no comando do nanico movimento estudantil em razão de eleições indiretas — ou não seriam escolhidos nem síndicos de quarteirão —, e representantes de partidos de extrema esquerda, também sem voto, invadiram a Câmara e interromperam a reunião da comissão especial que […]

Militantes fascistoides da UNE e da UBES, eleitos por ninguém, que se mantêm no comando do nanico movimento estudantil em razão de eleições indiretas — ou não seriam escolhidos nem síndicos de quarteirão —, e representantes de partidos de extrema esquerda, também sem voto, invadiram a Câmara e interromperam a reunião da comissão especial que votaria o relatório do deputado Laerte Bessa (PR-DF) que defende a redução da maioridade penal de 18 para 16 anos.

Atenção! Repito: fascistoides sem voto impediram o trabalho daqueles que foram legitimamente eleitos pelo povo para fazer e mudar leis.

Não é que os trogloditas quisessem apenas se manifestar e deixar registrada a sua opinião. O objetivo era impedir até mesmo o debate, sabe-se lá com que autoridade. Com o dedo em riste, ofendiam os parlamentares, chamando-os de “fascistas e salafrários”. Deputados de esquerda, como Ivan Valente (PSOL-SP) e Maria do Rosário (PT-RS), ofereciam proteção aos baderneiros, tentando impedir que fossem retirados do local. A Polícia Legislativa teve que pedir ajuda ao sempre muito persuasivo gás de pimenta. Houve pedido de vista do parecer, e a sessão será retomada no dia 17.

Como e por que se atreve a interromper o trabalho do Legislativo quem não carrega nenhuma forma de representação, quem não tem nenhuma legitimidade democrática, quem defende, no fundo, apenas os seus próprios preconceitos ou de sua grei? Ora, só age assim quem julga ter descoberto uma verdade superior, escapável ao comum dos mortais. A população pobre, a principal vítima da violência, quer e cobra a redução da maioridade penal.

Por alguma razão que está a requerer ainda um estudo detalhado, as esquerdas resolveram fazer do crime comum um parceiro de trajetória. Os crimes políticos e os massacres não bastaram à sua sanha delinquente.

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s