LULA E O PIRATA DA PERNA DE PAU

Até quando vamos engolir – bem, neste blog, como sabem, a gente não aceita nem o cheiro – as barbaridades de Lula? Esse “vamos” refere-se àquele “nós” que designa a coletividade, o Brasil, os brasileiros. E, de forma um pouco mais restrita, a imprensa. Ontem, ao depredar mais uma vez a verdade com suas fantasias, […]

Até quando vamos engolir – bem, neste blog, como sabem, a gente não aceita nem o cheiro – as barbaridades de Lula? Esse “vamos” refere-se àquele “nós” que designa a coletividade, o Brasil, os brasileiros. E, de forma um pouco mais restrita, a imprensa. Ontem, ao depredar mais uma vez a verdade com suas fantasias, afirmou o presidente sobre os caças:

“Quando eu entrei no governo, em 2003, tinha que tomar uma decisão, eu simplesmente adiei, não tomei decisão, suspendi tudo. Eu não ia pensar em avião se o país estava com fome. Primeiro, vamos cuidar do Brasil para depois cuidar disso. Agora ficou diferente. Agora nós temos a maior riqueza, depois do povo brasileiro, a 7.000 metros de profundidade e a 300 km da costa do Brasil que nós precisamos cuidar com muito carinho. Senão, daqui a pouco, começa a desaparecer o nosso petróleo, e a gente não sabe quem está levando embora. Depois nós temos a Amazônia, que ganha cada vez mais importância no mundo”.

No conjunto, creio ser a mais tola de todas as suas intervenções, a mais fantasiosa. De saída, observe-se que é uma mentira grotesca a história de que o Brasil passava fome quando ele chegou ao poder. Lula insiste nessa tecla porque isso acrescenta mais uma inverdade a sua biografia: a de que matou a fome do brasileiro. Há muitos anos, esse Brasil com fome inexiste. Como sabe qualquer pessoa medianamente informada, quando Lula chegou ao poder, o país já estava mais para obeso do que para famélico. Havia, e ainda há, bolsões de subnutrição.

Tanto é assim, que o programa Fome Zero foi extinto. Em seu lugar, entrou o Bolsa Família, novo apelido dado ao conjunto de programas do governo anterior: Bolsa Escola, vale-gás etc. Assim, JAMAIS HOUVE A SITUAÇÃO EM QUE UM GOVERNO ERA OBRIGADO A OPTAR ENTRE MATAR A FOME E COMPRAR AVIÃO OU ENTRE MATAR A FOME E CUIDAR DA AMAZÔNIA. Até porque, ainda que a realidade fosse como ele diz, seriam coisas com tempos distintos.

A única verdade na sua fala é que ele atrasou a compra dos aviões em quase oito anos. Desnecessariamente. O desembolso não seria imediato. Adiante.

Risível mesmo, patético até, uma verdadeira batatada, é a sua teoria do pirata do perna de pau. Quer dizer que, sem os submarinos e os aviões, há o risco de os “estrangeiros” roubarem o nosso petróleo? Como isso seria feito? Por abdução? Ou eles se instalariam em águas  brasileiras, com uma discreta canícula, sem que ninguém percebesse, e sugariam o nosso óleo, como num desenho animado? Ou meteriam uma plataforma em águas internacionais, enfiariam a sonda, fariam um “L” gigantesco a 7 mil metros de profundidade, para tomar o que é nosso?

Trata-se de uma das maiores tolices jamais ditas por um presidente, mas que reforça uma visão de mundo, uma leitura estupidamente distorcida da relação entre os países e da economia. Estamos de volta à tese do imperialismo batedor de carteira, que chega, toma as riquezas dos países conquistados e dá no pé. Essa visão delirante, mágica, de desenho animado, exclui a economia, a organização da produção, a civilização enfim. Ou será que se vai extrair, aqui ou em qualquer lugar, o petróleo do pré-sal sem que se tenha antes criado uma indústria para isso?

É claro que essas batatadas de Lula deveriam nos envergonhar. Mas há quem se orgulhe delas. Lembrem-se que, quando os EUA anunciaram a reativação da Quarta Frota, Lula veio com a história de que o pré-sal corria riscos.

E só para fechar este comentário sobre a bobajada: quer dizer que, se o país continuasse a ter aquela suposta fome (estou admitindo a tolice como hipótese), então seria o caso de entrega nosso petróleo e a Amazônia enquanto o problema não fosse resolvido?

Lula melhorou a gramática da língua portuguesa – tanto é que já está ensinando Tarso Genro a conjugar o verbo “intervir”. Mas a sua gramática política e moral continua a mesma.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    recoreco

    O nosso presidente está precisando urgentemente arrumar um psicoterapeuta e ir direto para um divã. Ele está assutadora e despudoradamente neurótico, personalista e convicto de que ele faz a HISTÓRIA do BRASIL… Pelo andar da carruagem a História do Brasil vai futuramente pautar sua LINHA DE tEMPO em Período Pré-Colonial, Colonial,Primeiro Império, Regência, Segundo Império, República Velha, Era de Vargas, República Populista, Período Ditatorial, República Nova //////// A.L e D.L.,ou seja Antes de Lula /Depois de Lula.E’ só :EU COMPRO, EU fAÇO, EU ACONTEÇO, QUANDO EU QUISER…Que é isso, meu camarada?Pirou de vez?

    Curtir

  2. Comentado por:

    Incisiva

    Ouvir este senhor falar ou ver sua patética figura, dá azia até em orangotango! Depois, dá aquele nojo com vômito.
    Imaginem o que provoca em “humanos” que têm só um pouquinho(não precisa muito) de bom senso, hein??????!!!!!!

    Curtir

  3. Comentado por:

    Leonardo Diniz

    Bom, na época em que passávamos fome ele não comprou aviões para a aeronáutica, mas comprou para ele.
    Depois do estudo feito no período FHC, que refez todos os fluxogramas da Presidência para reduzir custos, inclusive uns 40% ou mais nas viagens presidenciais, ele resolveu rivalizar com o Air Force One dos EUA e comprar o AeroLulla 51. É um ridículo esse cara!

    Curtir

  4. Comentado por:

    Ichug

    [há o risco de os “estrangeiros” roubarem o nosso petróleo? Como isso seria feito? Por abdução?]
    HSUAHUSHAUHAUHAU…Por abdução…kkkkkkkkkkkkk OBRIGADO, vc sempre me deixando alegre…rsrsr
    Agora ontem, voce dizia-[Lula entrega os pontos precocemente e já dá como certa a derrota de Dilma ]
    Eu acho que é, o que ele sempre teve em mente…Serra presidente( 4 anos de terrorismo puro) lullatralha na proxima eleição, se não , só esperar pra ver.O discurso já está sendo feito agora, só ler as entrelinhas.

    Curtir

  5. Comentado por:

    Eduardo A Bacelar

    O Sr Ali Kamel precisa começar a coletar, imediatamente, o material para mais um livro do nosso sábio. Sugiro que ao chegar ao sétimo volume publique a série usando o título do famoso livro de T E Lawrence: “Os sete pilares da sabedoria”. Será que nós merecemos isso?

    Curtir

  6. Comentado por:

    Almeida

    Enquanto o molusco presidente gasta fortunas para equipar os azuis com caças e submarinos para os brancos, para os verdes vai comprar arco e flexa e se sobrar algum dindin poderá comprar alguns canivetes.

    Curtir

  7. Comentado por:

    vitor silva

    Reinaldo,
    Em um outro post de ontem, escrevi um comentário educado em que ousava divergir de você. O comentário não foi publicado.
    Hoje, pra testar, entrei nos comentários e escrevi um texto sem qualquer conteúdo, cheio de bobagens do tipo “Lula é apedeuta”, “Petralha é tudo safado”, “apedeuta do menas”, etc. O comentário foi publicado.
    Eu, que entrei nesse blog achando que dava pra trocar idéias, descubro que esse espaço só serve pra essa catarse coletiva de ódio ao Lula.
    Lamentável.

    Curtir

  8. Comentado por:

    Marcelo Aguiar

    “Lula melhorou a gramática da língua portuguesa – tanto é que já está ensinando Tarso Genro a conjugar o verbo “intervir”. Mas a sua gramática política e moral continua a mesma.”
    Pois nem a gramática da língua portuguesa se salvou, Reinaldo! Observe que ele afirma “Eu não ia pensar em avião se o país estava com fome.”, embora o certo seja “Eu não ia pensar em avião se o país ESTIVESSE com fome.”. Ou seja, as palavras desse molusco são tão falaciosas que ele conjugou o verbo estar no pretérito perfeito simples do modo indicativo (modo que indica a realidade), ao invés do pretérito imperfeito simples do modo subjuntivo (modo este que é o da dúvida, da hipótese). Segue…

    Curtir