Islã é compatível com democracia e a complementa, diz xeque líbio

Leiam uma entrevista que o xeque Ghait Elfakhry, um dos principais líderes religiosos de Bengazi, concedeu a Marcelo Ninio, da Folha. Há uma mentira importante aí. Falo a respeito mais tarde. * A queda de ditaduras árabes que reprimiam o fervor religioso sob a bandeira do combate ao extremismo, como no Egito e na Líbia, […]

Leiam uma entrevista que o xeque Ghait Elfakhry, um dos principais líderes religiosos de Bengazi, concedeu a Marcelo Ninio, da Folha. Há uma mentira importante aí. Falo a respeito mais tarde.
*
A queda de ditaduras árabes que reprimiam o fervor religioso sob a bandeira do combate ao extremismo, como no Egito e na Líbia, tende a reforçar o caráter islâmico das sociedades. Mas isso não significa a instalação de teocracias, diz um dos principais líderes muçulmanos de Benghazi, o xeque Ghait Elfakhry. “O Ocidente não precisa ter medo”, diz ele, doutor em lei islâmica. “Islã e democracia são não só compatíveis, mas complementares”.

Folha – Uma queda de Muammar Kadafi levará à ascensão do islamismo na Líbia?
Ghait Elfakhry –
Esta é uma revolução popular, não um movimento islâmico. É reação ao mal que Kadafi causou. Nos últimos 41 anos, era proibido pensar e falar qualquer coisa contrária ao Livro Verde, origem da lei suprema e autoritária criada por ele. Kadafi assumiu papel de Deus, e a única opção era obedecer a ele. Destruiu o país e privou a população de serviços mínimos. Quem precisasse de tratamento médico tinha de ir ao exterior. A sociedade líbia é muçulmana, isso não mudará. Se criarmos país islâmico, terá justiça, liberdade e relação transparente com o mundo.

Qual será o papel do islã num governo pós-Kadafi?
Vocês, do Ocidente, acham que a fé islâmica é sinônimo de teocracia; é um erro. Grupos como a Al Qaeda surgiram em reação a esses regimes corruptos que estão caindo. O pensamento islâmico estimula a tolerância. O Ocidente não deve temer o islã ou os muçulmanos. Islã e democracia não são somente compatíveis, mas complementares. Kadafi disse que a Al Qaeda assumirá o poder se ele sair, mas isso é retórica. Na Líbia não há Al Qaeda.

Que fim prevê para Kadafi?
Ele está cada vez mais cercado. Ou foge para o deserto e recomeça de lá a luta contra o povo, ou se suicida, ou é preso. Seja como for, não deve escapar da morte. Se julgado, a sentença por todos os seus crimes será a execução.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s