Blogs e Colunistas

08/03/2012

às 15:30

Se querem defender agressão até ao patrimônio cultural brasileiro — e da humanidade —, esta não é uma boa página; despeço-me desses leitores! Obrigado pela visita! Adeus!

Sempre soube que chegaríamos a tanto. Quando rompi intelectualmente com a esquerda, de maneira irreconciliável, faz muito tempo, vários fatores pesaram: havia os conjunturais — recebi “ordens” para defender a invasão das Ilhas Falklands (que alguns chamam “Malvinas”), decidida por gorilas sanguinários argentinos — e havia os, chamarei assim, civilizacionais.

Eu sabia que chegaríamos a estes dias porque comecei a notar, já na universidade, a brutalização do ensino, do pensamento, da história; comecei a perceber a utilização da sala de aula como palco do proselitismo. Era o petismo sendo gerado, ainda em estado embrionário, mas com todas as informações da serpente… Percebi que estava contribuindo para a marcha da estupidez.

Mesmo alguns leitores habituais do blog — poucos, mas os há — que se querem fora dessa esfera de influência escrevem defendendo que duas obras de arte do STF sejam adulteradas em nome do laicismo, assim como os talibans destruíram os Budas do século VII (no mínimo) porque consideraram que eles ofendiam o Islã. O que sempre pretendi demonstrar, ao criticar a decisão de eliminar os crucifixos, é que se trata também de um esforço para apagar a memória cultural.

Mais irritante: já escrevi sobre o argumento tolo de que, então, “todas as religiões têm de ter seus símbolos lá”. Ninguém é obrigado a concordar comigo na resposta que dei, mas não dá para escrever comentários ignorando o que já está escrito.

Não! Não publicarei comentários que defendam a retirada do Crucifixo do STF. Se algum escapou, vou cortar tão logo tenha tempo. Eu o farei também em benefício do autor do comentário, para que ele viva, então, seguindo as regras do mundo que ele próprio defende. Afinal, se o “Comentarista X” acha que pode eliminar do Supremo uma referência fundadora dos mais de 500 anos de história do Brasil e censurar as obras de Athos Bulcão e Alfredo Ceschiatti, então acho que posso cortar a opinião do “Comentarista X”. A menos que o Comentarista X se queira mais importante para o Brasil do que o cristianismo e do que Bulcão e Ceschiatti.

O ridículo vai longe. Há quem tenha escrito pra cá afirmando que a estátua da Justiça — uma deusa pagã, grega (Têmis) e depois romana (Iustitia), já perdeu seu significado religioso etc e tal, sendo um traço da cultura. Ora, depois de dois mil anos, não terá acontecido TAMBÉM isso com o cristianismo? “Ah, não, com os cristianismo, não!” E jamais conseguirão dizer por quê.

Não! Jamais imaginei ver gente a defender a destruição de um patrimônio tombado para preservar o “laicismo” — não, ao menos, fora de certa órbita da estupidez esquerdopata. Mas vejo que as coisas realmente chegaram muito longe. Pensam-se donos do próprio pensamento, mas são ou discípulos ou militantes passivos de Gramsci.

“Ah, então não leio mais seu blog”!!!

ATENÇÃO: Eu convivo muito bem com ateus, agnósticos, católicos, protestantes tradicionais, evangélicos, budistas, judeus, islâmicos etc… MAS EU REALMENTE NÃO PRECISO DE LEITORES QUE DEFENDAM PERSEGUIÇÃO RELIGIOSA EM NOME DO LAICISMO E DEPREDAÇÃO DO PATRIMÔNIO CULTURAL EM NOME DA LAICIDADE DO ESTADO!

Não preciso!

Gente que defende esse tipo de coisa pode defender, amanhã, que opor-se ao aborto, por exemplo — ou ao infanticídio — atenta contra os direitos humanos porque agride o “direito das mulheres”. Numa plenária que debateu o aborto, como revelou uma leitora deste blog, “feministas” defenderam que se criminalize a opinião de quem é contrário ao aborto.

Não poderia ser mais honesto com esses leitores: deles me despeço de maneira clara e civilizada. Há muitas páginas na Internet, ávidas por leitores, que aceitariam a proposta de destruir o patrimônio cultural brasileiro “em nome da democracia e da igualdade”. Lá vocês certamente encontrarão pessoas dispostas a criar o tipo de civilização que vocês pretendem.

Uma civilização em que agentes da razão sairão por aí “descristianizando” o Brasil porque, afinal, também há os não-cristãos no país. Há 35 anos defendo que a democracia é o regime da maioria que está moralmente obrigado a proteger e a garantir os direitos da minoria. Assim se fez civilização. Vejo agora que, depois de 30 anos de pregação boçal, pretendem que a democracia seja o regime em que as minorias se dão o direito de perseguir a maioria. Assim se fizeram as tiranias.

Não! Este não é o lugar de vocês. Se a próxima tarefa é depredar o STF em nome da laicismo, há outros sites e blogs para tão nobre militância. Nem preciso sugerir nomes. Qualquer um do JEG serve. E não! Vão lá cavalgar certas idéias. Até que comecem a ser cavalgados por elas.

Eu ainda não acabei!

Por Reinaldo Azevedo

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

Envie um comentário

O seu endereço de email não será publicado.

238 Comentários

  • Felipe Alves

    -

    12/3/2012 às 1:53 pm

    Não entendo as pessoas que querem retirar símbolos religiosos de tribunais ou de qualquer outro espaço público. Sou agnóstico. Fui católico na infância, mas, no fundo, via que a minha fé não era verdadeira.
    Sei que o Estado Brasileiro é laico, mas não é e nunca foi ateu. Defendo a liberdade para exibir ou não símbolos religiosos em espaços públicos. Um crucifixo no STF não me ofende de forma alguma. No fundo, as pessoas têm dificuldade de aceitar quem pensa diferente.
    Grande abraço.

  • Rogerio

    -

    11/3/2012 às 11:25 pm

    Coragem bom cidadão.
    Assim como sabemos porquê o símbolo cristão não transformou-se apenas em cultura, mas em algo real palpável (Cristo ressuscitou, e vive em nós), também sabemos que as perseguições são motivadas pela inerrância bíblica. Quantas são as profecias de que a Igreja de Cristo seria perseguida não é mesmo.
    Esses babagas – como você diria-, me fazem acreditar mais. Realmente quando Deus manda até o diabo e seus capangas obedecem…
    Paz…

  • Rubem

    -

    11/3/2012 às 8:51 pm

    O que não suporto é essa defesa seletiva de um estado laico. Por que outros “símbolos” como os feriados (e pontos facultativos) de Natal, Semana Santa, Nossa Senhora e padroeiras pelo Brasil afora, CARNAVAL, Páscoa, Corpus Christi não entram na pauta?

  • Cil

    -

    10/3/2012 às 4:08 pm

    Se assim o for também direi adeus. Sou cristã, pois acredito em Jesus e Deus, mas não tenho religião dos homens. Se concordar com os juízes faz de alguns de seus leitores AGORA seguidores da catedra peto-lulista ou das esquerdas, então que assim o seja aos olhos de alguns, já que na prática, continuaremos a ser tão combativos quanto sempre fomos. Aliás, também defendo que o ensino religioso (caso este volte) seja voltado para todas as religiões e não só para o catolicismo, como o era quando eu era criança.
    -
    Como diz aquele ditado, toda unanimidade é burra. Além disso, felizmente em uma coisa concordamos. Se concordo ou aceito, digo que concordo ou aceito. Se não concordo ou aceito, digo que não concordo ou aceito. Essa é mesmo, como você bem ressaltou em vários de seus posts, a graça da democracia.

  • Beto Santista

    -

    9/3/2012 às 11:20 pm

    Caro Tio Rei, entendo perfeitamente o que disseste s/os 30 anos que viste de mudanças nos pensamentos das escolas, mas afirmo que eu já passei por isso há mais de 55 anos, quando estudava em colégio do Estado, em SP (um dos melhores), inclusive estudei junto com o Serra, na Moóca e tive que aguentar tudo isso com meus 13 a 15anos. Sei como vc se sentiu. Parabéns, continue com nosso apoio. Abç

  • CRISTO RECRUCIFICADO

    -

    9/3/2012 às 7:29 pm

    Prezado Reinaldo: acredito que os hipócritas que resolveram retirar os crucifixos das repartições da justiça já começaram a vislumbrar que terão de carregar estas “cruzes” para o resto da vida e perceber que o melhor seria tê-las deixado nas paredes; o que posso fazer se cada crime dita seu castigo. E
    m tempo, acredito ter achado o motivo que inspirou os “Valentes magistrados do RS” a retirar os crucifixos: foi o próprio ….. Lula! Não me digam ter esquecido que ao término do mandato quando deixava a residência oficial, além de “esvaziar” os mimos oficiais, o anjo caído surrupiou o majestoso crucifixo local, patrimônio do povo brasileiro. É gente…o A-PÉ-DEU-TÁ está fazendo escola inclusive entre os magistrados.
    ps: para onde irão os crucifixos afinal? Será que os magistrados também levarão como mimo para suas casas também?

  • Davi

    -

    9/3/2012 às 7:09 pm

    Parabéns. Clara, precisa e concisa, além de corajosa, sua posição. Viva a Democracia e o Estado de Direito. Viva a tolerância.

  • marcello fonttes

    -

    9/3/2012 às 4:25 pm

    Tem gente aqui no blog que não consegue entender a diferença entre os valores ocidentais (judaico-cristãos) e a defesa do laicismo. Há dois mil anos um ser luminoso por atuação, discurso e vida contribuiu decisivamente com valores que vieram a ser a estrada de condutas que engrandecem, valorizam e civilizam o homem. Desde então, todas as decisões importantes em contextos globais sempre visitaram os códigos morais daquele que peregrinou com a força da sua crença no Criador e na Coragem dos seus princípios. Exaltou Ele a incipiente legislação moral do mundo de então, que escorada nas 10 Leis Maiores judaicas, por iniciativa e férrea vontade de Moisés, vieram conduzindo o homem da idade antiga até os primórdios da idade cristã. E essa denominação existe em função da incontrovertida importância e valor da pregação e exemplo vivido por Aquele judeu palestino. As condutas do homem contemporâneo, repleto de informações mundanas
    que lhe exacerbam os desejos de SER e TER também lhe ofuscam a visão moral e espiritual trazendo deformações em suas possibilidades críticas, de forma a submetê-lo
    ao rigor escravocrata dos hábitos sociais do momento, sob pena de excluí-lo do banquete que a modernidade transformada em sensualismo e abuso de poder maliciosamente e perversamente sugerem àqueles que se lhes acolhem as iniciativas maquiavélicas. Os valores culturais precisam e devem ser respeitados, mesmo porque esses valores são referências da sociedade que se renova todos os dias. Nós ainda necessitamos dos signos, dos avatares, dos exemplos; nossa iniciante educação moral-espiritual abriga-se na necessidade da revitalização diária destes bens que já mostraram-se agregadoras e disseminadoras de condutas de grande expressão humana em suas faces de tolerância e fraternidade. As defesas atuais de ideologias políticas que pregam o materialismo é a face da subalternidade de grupos e de iniciativas individuais que cegos em sensibilidades que magnificam a alma, praticam a estupidez de descartarem “a priori” ferrramentas que lhes diminuiriam as dores que visitam a casa e a família de todos, sejam crentes, agnósticos ou ateus. É onde a burrice encontra a loucura e se enlaçam, para a desdita daqueles que as acolhem. O ambiente democrático deste blog tem abrigado a todos nós, mesmo que as nossas opiniões não sejam a do RA, mas, aqui não é mesmo o lugar de praticar-se a leviandade a idiotice e a má fé. Acho que todos nós concordamos com isso.

  • Nina

    -

    9/3/2012 às 2:39 pm

    Reinaldo, o que mais me impressiona é, pessoas bem formadas, jornalistas que tem mais informações que os demais, aceitarem passivamente que as minorias se imponham contra a maioria silenciosa…..Tenho medo do que estão tentando transformar nosso país…

  • nedinho

    -

    9/3/2012 às 2:17 pm

    chibata neles Tio Rei!

  • Marcelo Sander

    -

    9/3/2012 às 2:02 pm

    Católicos, se a própria bíblia diz pra não cultuarem esculturas, não faz muito sentido vocês ficarem de mimimi por causa de crucifixos retirados de repartições públicas. E não, não são patrimônio cultural brasileiro. São apenas dois pauzinhos transversais (com um significado gigantesco para católicos, mas ainda sim, dois pauzinhos). Se são obras de arte, que vão para o museu. O crucifixo não representa nem os cristãos em sua totalidade, apenas os católicos, número cada vez mais reduzido no Brasil.

  • Flavio

    -

    9/3/2012 às 1:32 pm

    “Em sua primeira semana, Dilma Rousseff fez mudanças em seu gabinete. Substituiu um computador de mesa por um laptop e retirou a Bíblia da mesa e o crucifixo da parede. Durante a campanha eleitoral, a então candidata se declarou católica e foi atacada pelos adversários sob a acusação de ter mudado suas posições religiosas.” – Folha.com, 9/1/2011.

  • Luc

    -

    9/3/2012 às 1:17 pm

    Relembro aqui um magnifico discurso de um político que não tem medo de ofender o politicamente correto, como o Brasil precisaria de um desses…

    Ex-Primeiro Ministro Kevin Rudd – Australia

    …IMIGRANTES, E NÃO OS AUSTRALIANOS, TÊM QUE SE ADAPTAR. SE NÃO ACEITAREM, VÃO EMBORA. Estou cansado desta nação que se preocupa sobre se estamos ofendendo algum indivíduo ou a sua cultura. Desde os ataques terroristas em Bali, experimentamos uma onda de patriotismo sobre a maioria dos australianos.’

    ‘Esta nossa cultura foi desenvolvida através de dois séculos de lutas, experiências e vitórias por milhões de homens e mulheres que buscaram liberdade.’

    ‘Falamos principalmente o INGLÊS, não espanhol, libanês, árabe, chinês, japonês, russo ou qualquer outro idioma. Então, se você desejar se tornar parte de nossa sociedade, aprenda o idioma!’

    ‘A maioria dos australianos crê em Deus. Não se trata de um movimento direitista político, mas um fato, porque homens e mulheres cristãos fundaram esta nação em princípios cristãos, e isto está claramente documentado. É certamente apropriado exibir isto nas paredes de nossas escolas. Se Deus o ofender, então sugiro que você considere outra parte do mundo como seu novo lar, porque Deus faz parte de nossa cultura.’

    ‘Aceitaremos suas convicções e não questionaremos por que. Tudo que pedimos é que você aceite as nossas, e que viva em harmonia e desfruto pacífico connosco.’

    ‘Este é NOSSO PAÍS, NOSSA TERRA e NOSSO ESTILO DE VIDA e nós lhe permitiremos toda oportunidade para desfrutar tudo isso. Mas uma vez que você acabe de reclamar, lamentar e se queixar sobre Nossa Bandeira, Nosso Penhor, Nossas Convicções Cristãs ou Nosso Modo de Vida, eu recomendo fortemente que você tire proveito de uma outra grande liberdade do australiano, ‘O DIREITO de IR EMBORA.”

    ‘Se você não está então contente aqui PARTA. Não o forçamos a vir aqui. Você pediu para estar aqui. Assim aceite o país que VOCÊ aceitou.’

    Semelhantemente nosso Brasil durante o longo da sua história assim como todo sistema jurídico ocidental deve muito aos principios Cristãos, se qualquer outro “credo ou não-credo” puder comprovar que tem semelhante participação nessa trajetória histórica, aceitaria de bom grado ceder qualquer espaço público para sua manifestação (ou não manifestação).
    Mas tais não existem, e já possuem o benefício de desfrutarem de liberdade suficiente de seu exercício, agora com isso querer diminuir ou mesmo cercear a nossa liberdade Cristã, é muita cara de pau, burrice, ou ambos.

  • Valdir A. C.

    -

    9/3/2012 às 12:39 pm

    Paulo-09/03/2012 às 3:38

    Sua fala é exatamente aquilo que se quer implantar no Brasil (e no mundo todo). É contra isso que o jornalista RA luta, fio. Vc está no lugar errado… essa não é sua práia.

  • ezaki.jp

    -

    9/3/2012 às 11:30 am

    Triste saber que até mesmo alguns leitores não conseguem perceber a manobra esquerdopata por trás, também, desta fuzarca, como de tantas outras.
    Não sou uma boa cristã, como muitos também. Mas contra a Cruz, não tenho coragem de ir. E não é por medo do castigo divino, mas do vazio, do vácuo onde vale-tudo, que pode ocorrer na ausência dos preceitos cristãos.
    A fé e a moral cristã, são os maiores empecilhos ao desmantelamento da sociedade, que justificaria enfim, o comunismo, uma ditadura socialista, ou seja , o sonho de dez entre dez esquerdopatas.
    Infelizmente, a coisa é tão nociva, que manipulados e manipuladores passam a acreditar que de fato, isto é a verdadeira Democracia – restringir a religião em face ao “estado laico do Estado”, o “direito humano” ao aborto e ao infanticídio, a procriação humana assistida, visando atingir o máximo de prazer e felicidade ou funcionalidade possíveis, com a “coisa” parida. Ah!, ainda não chegamos lá?! Calma, pelo andar da carruagem, um dia chegaremos!

  • G.Protásio

    -

    9/3/2012 às 11:28 am

    Reinaldo, sou cada dia mais satisfeito por ser seu leitor assíduo! Chego a acessar seu blog até cinco vezes ao dia, pois me sinto obrigado a rever seus posts após ter refletido sobre os assuntos. Sinceramente, não tenho como expressar a minha gratidão pelas lições de civilidade, tolerância e democracia tão claras e soberbamente dadas por você.
    Caríssimo Reinaldo, muito obrigado!, mesmo, de coração!

  • zuneide

    -

    9/3/2012 às 10:42 am

    ”Há quem tenha escrito pra cá afirmando que a estátua da Justiça — uma deusa pagã, grega (Têmis) e depois romana (Iustitia), já perdeu seu significado religioso etc e tal, sendo um traço da cultura. Ora, depois de dois mil anos, não terá acontecido TAMBÉM isso com o cristianismo? “Ah, não, com os cristianismo, não!” E jamais conseguirão dizer por quê.”

    Bom, sou contra essa bobagem militonta, apoio INTEGRALMENTE seu texto. Em suma, defendo o estalo laico LAICO, na verdadeira acepção. Sou cristã, e defendo os valores morais cristãos.
    Dito isso, apenas gostaria humildemente de fazer um comentário sobre essa afirmativa acima. A Iustitia perdeu sim seu significado religioso, enquanto o crucifixo, mesmo sendo um traço cultural indelével, é parte de uma fé viva, posto que há milhoes de praticantes do cristianismo. Coisa que não se pode dizer da morta religião mitológica greco-romana, de quem, se há praticantes, não se tem notícia. Então, embora eu seja radicalmene contra a destruição de objetos sacros, como afirmei, entendo que este argumento, embora honesto na fonte, não seja válido.
    Se não quiser, pode deixar de publicar este comentário.

  • Marcello Tálamo

    -

    9/3/2012 às 9:55 am

    Caro Reinaldo. Leitor assíduo, venho acompanhando o tsunami de ignorância que parece ter assolado o Brasil nesses últimos tempos. Tenho 2 comentários. O primeiro, muito sério. Já o segundo, irônico.

    Sobre a extremação de palavras e sentimentos. O nome disso é FALTA DE DINHEIRO. As pessoas normais, que não estão mamando em alguma sinecura governamental, queira o governo ou não, estão EMPOBRECENDO. Salários estagnados, informalidade cada vez maior, empregos formais crescendo apenas para ganhar entre um e dois salários mínimos (o que, convenhamos, não pacifica os ânimos de ninguém) e com a procura de mão de obra cada vez mais especializada, segmentos “alternativos” da sociedade começam a sentir dificuldade em obter bons empregos com boas remunerações, ou seja, a pessoa gosta de usar piercing, se encher de tatuagens, usar os cabelos mais esquisitos e descuidados do mundo, chegar o trabalho suando feito um bicho depois de pedalar vários quilometros sob o sol e não admite que se fale uma vírgula a respeito disso, mas fica OFENDIDÍSSIMO quando gente que não tem a menor vontade de conviver com esse tipo de apresentação lhe veda o acesso a bons salários. Aliado a isso temos a alta generealizada dos custos para a classe média, dos prestadores de serviços às despesas que temos em função do estado incompetente, que são saúde, educação e até segurança e conserto do carro detonado nas ruas esburacadas.

    Isso gera desconforto, ansiedade, angústia e esse trio é responsável por imensa parcela da exarcebação que as pessoas demonstram, afinal quem está feliz, sossegado, com carro na garagem, dinheiro no banco e contas em dia dificilmente sai por aí vociferando impropérios, e sim vai tratar de curtir a vida, pegar um cinema, alugar um DVD, jantar fora…

    O segundo comentário refere-se a essa sandice que está sendo a perseguição aos símbolos cristãos nesse país, algo que não consigo ver como sério (o que é um problema, pois a maior parte das barbaridades na humanidade começou com algo que “não poderia” ser a sério, lembra?), mas está ocupando um espaço desproporcional à importância da coisa.

    A seguir-se a linha de argumentação desses xiitas anti cristãos, você não acha que o governo deveria então escrever nas nossas notas: Nós confiamos em Deus, Maomé, Alá, Buda, Shriva, Quetzacoatl, Iemanjá, Zeus, Messias e etc???

    Será que o governo brasileiro afirmar que confia em Deus é preconceito contra os deuses cultuados por outras culturas? Seria o caso de acionar o estado brasileiro por preconceito e discriminação?

  • @Sommers@

    -

    9/3/2012 às 9:26 am

    Esses radicais prescisam lutar por algo imbecil e cometer barbaridades para serem felizes são muito bestas.Uma gente que adora a guerra e finge gostar da democracia e defender o laicismo.A única razão dessa gente não querer se unir ao exército é que o exército obriga a diciplina e a obedecer a lei.Isso não agrada essa galera que adora baderna e maldade e mentir que faz em nome de um ideal!

  • detesto esses extremistas nojentos

    -

    9/3/2012 às 9:13 am

    é isso aí!Essa gente radical e nojenta não sabe viver na democracia!Não gostam da paz!Adoram a guerra!

  • Mariana Deusdará

    -

    9/3/2012 às 8:48 am

    Palmas para este post!!!!

  • Romeu

    -

    9/3/2012 às 8:36 am

    Éisso aí Reinaldão. Dá uma exorcizada nos comichões da tirania. Venha de onde vier. Da esquerda ou da direita, de cima ou de baixo. O convívio harmônico entre pessoas é uma das maiores heranças derivadas do cristianismo:”Amai teu próximo como a ti mesmo”.

  • Jorge

    -

    9/3/2012 às 8:01 am

    Santo fundamentalismo, Batman!!

  • Roberto

    -

    9/3/2012 às 4:24 am

    Começou com a presidanta retirando o crucifixo do palácio lembram-se?

  • Paulo

    -

    9/3/2012 às 3:38 am

    O Brasil é de todos nós, não de pessoas separatistas que usam da religião para criar diferenças. Toda essa manipulação piora a qualidade de vida, os direitos individuais e coletivos, a economia, etc. Fora com essas torcidas organizadas da religão. Não interessa se você é ou não religioso, se é militar ou pacifista, se é negro ou branco, se fala inglês ou é analfabeto, se é gaúcho ou de rondônia, se está desempregado ou milionário. SOMOS TODOS IRMÃOS QUE VIVEM NO BRASIL! O que não nos faz melhores do que qualquer estrangeiro. Dificil ver a manipulação separatista nisso tudo? Somos todos iguais, com direitos e deveres iguais, e se você não gosta disso, entre numa religião e comece a se achar escolhido, abençoado, melhor que os outros, o correto, o manso, etc.

  • Ribeiro

    -

    9/3/2012 às 1:09 am

    Reinaldo:

    A democracia é o regime em que a maioria e as minorias convivem da forma mais harmônica possível. O que não se pode e não se deve tolerar (e em alguns casos permitir) são os extremismos, seja de que parte for. Como é que se forma uma minoria? Normalmente na cabeça vazia de alguém ou de alguns. Ou, então, de inconformados que, por qualquer razão, inclusive a diferenciação exibicionista ou oportunista, deixam de comungar daquele que é o senso comum herdado de um processo histórico e cultural, o qual para ser mudado deve ter o consentimento e o apoio da grande maioria. Uma nação não se constrói com modismos de uma época ou ideias exóticas ou interesseiras de minorias circunstanciais.
    O ideal seria não existir o vazio da cabeça das pessoas. Mas, infelizmente, isto parece impossível. Então, sempre haverá campo fértil para todo o tipo de manifestação e posicionamento. Alguns são interessantes e podem, até, mudar o rumo das coisas; para o bem de todos. Outros, somente servem para criar confusões, divisões e entraves à caminhada natural da sociedade.
    Você tem sido usualmente o porta-voz da maioria; a maioria silenciosa, independente, trabalhadora, produtiva. Aquela que “carrega o piano”. Mas, também, tem reconhecido as boas intenções das minorias e tem sido implacável com as ruins. A retirada do crucifixo e o simbolismo que esta ação carrega é uma delas. Uma idiotice – que me perdoem os que a defendem com honestidade intelectual – gerada na cabeça vazia daqueles que a propõem; uma intolerável omissão daqueles que não se posicionam; e, um momento para que a nossa sociedade reflita sobre os caminhos que ela deseja seguir.
    Que valores, afinal, devem ser defendidos? Destruir os existentes só seria aconselhável se houvesse outros que claramente melhor os substituíssem. Pois, se assim não for, é evidente que por trás destes movimentos há alguma sub-reptícia intenção de liquidar os valores existentes para se introduzirem outros desconhecidos de interesse de uns poucos aos quais desejam submeter a maioria. Isto não pode ser tolerado. E, neste sentido, parabéns e agradecimentos pelo trabalho que você vem realizando no seu blog.
    E que fique claro: o crucifixo em uma Igreja Católica Apostólica Romana tem um significado que transcende completamente o entendimento puramente laico. Ali está uma imagem que representa o Filho de Deus entregue à sanha dos homens, num gesto de supremo amor e doação, para, com sua morte e posterior ressureição, dar sentido à vida daqueles que nele creem. Ninguém é obrigado a entrar nos templos católicos, portanto, isto não deve ser objeto de questionamento por quem quer que seja.
    O crucifixo em uma repartição ou em qualquer símbolo público não tem tal alcance e nem poderia tê-lo. Mas, é uma forma incomparável de indicar á sociedade que onde ele esteja presente existe um ambiente onde os valores humanos defendidos pelo Mestre são considerados e, eventualmente, praticados. Ninguém é obrigado a orar perante o crucifixo de um tribunal ou de uma bandeira ainda que isto não deva ser proibido àqueles que o desejarem fazer de forma respeitosa e não invasiva para os outros. E, aqui fica o desafio àqueles que defendem a retirada: deem um exemplo, um só exemplo, de algum valor humano defendido pelo Mestre que não possa ser considerado, por exemplo, em um tribunal.
    O crucifico no pescoço de uma pessoa indica que ela acredita naquilo que o Mestre ensinou, praticou e deixou como legado tanto do ponto de vista humano como religiosos, ou, então, trata-se de um enfeite que respeitosamente algumas usam sem a mesma intenção profunda daquelas tocadas pela Fé. Ninguém pode ser intolerante ao ponto de se sentir incomodado de estar diante de uma pessoas que use um crucifico – por qualquer razão que seja – e julgue se sentir no direito de exigir que a pessoa o retire. Como pode ser entendida, por exemplo, uma situação em que um Juiz de uma Vara seja impedido de ter um crucifixo em suas dependências e ele, por convicção, use um crucifixo em seu pescoço?

  • Santana*100

    -

    9/3/2012 às 12:56 am

    Sou católico e o que me deixa mais revoltado é saber que todo esse bestialismos esquerdopata, teve e continua tendo o apoio da igreja que tem por obrigação ética, moral e religiosa de combater. Esta igreja é a Igreja Católica Apostólica Romana Infestada de padres satanistas comunista. Foi com apóio dela que os comunuas chegaram ao Poder!

  • Regio

    -

    9/3/2012 às 12:48 am

    Pelo seu reciocínio, seria possível concluir que as repartições baianas deveriam ter símbolos do candomblé e da macumba misturados aos crucifixos, pois fazem parte da identidade cultural. Perdoe-me a discordância, mas não acho que faça muito sentido.

  • Francisco de Taubaté

    -

    9/3/2012 às 12:40 am

    Não sou de fazer muitos comentários, mas todos os dias, RELIGIOSAMENTE, a primeira coisa que faço ao ligar o micro é passar por aqui porque esse é o Reinaldo Azevedo, Tio Rei, que aprendi a admirar e de quem sou fã. Como dizem, melhor estraga.
    Abração.

  • Luiz Fernando Neves

    -

    9/3/2012 às 12:21 am

    A coisa é muito simples. Tudo que a esquerda tentou: descriminalizaçãodo do aborto,casamento Gay, e etc…, tiveram reação maciça dos cristãos em geral,sejam eles católicos, evangelicos,protestantes,espíritas, judeus e outros. Os cristãos são a pedrinha no sapato da esquerdalha para conseguir seus intentos imorais e amorais. Daí, o que fazer ?! Vamos ofender os cristãos.
    O crucifixo,como já falei anteriormente, é apenas um símbolo do Cristianismo, dos seguidores de Jesus Cristo.
    E justamente o Cristianismo é que encerra a maioria de seguidores no mundo e portanto,é o Movimento Cristão que vem, sempre, contra às ações perversas dos anti Cristãos. Por isso agora é hora no Brasil, dos anticristos se mobilizarem para amendrontarem os Cristãos, com ofensas à sua crença, pois, é sempre dos cristãos que aparece a fúria pelos atos insanos dos Comunistas. Os Cristãos sabem que sempre correrão riscos de serem atropelados pela furia dos anticristãos por defenderem a moral, a caridade, o amor ao próximo, a justiça e a solidariedade.Acabem com os Cristãos e o mundo estará imerso em orgias.
    Sou católico de formação e sigo muito a filosofia kardecista, pois, é desta forma que supero meus obstaculos, compreendo o meu próximo e busco a paz e caridade pela qual me fornece “forças” para suportar as desigualdades e os desmazelos do mundo.
    A cruz como já disse é apenas um simbolo que nos lembra da igreja criada por Cristo assim como Seu sacrificio. O crucifixo estar ou não na parede não impedirá que o juiz não faça justiça. Devemos demonstrar, é a verdadeira intenção de tirar da parede o crucifixo que nada mais é de derrotar a luta dos Cristãos contra o aborto, o infanticidio, o casamento gay e as outras mazelas esquerdeopatas que os de menos fé estão caindo direitinho na conversa do maligno.

  • Burduna nelles !!!

    -

    9/3/2012 às 12:21 am

    eeeitcha Véio, brilhante e luminoso como sempre, não me canso de te ler, estas páginas são um bálsamo no mar de trevoso que vivemos.

  • Bruno

    -

    9/3/2012 às 12:17 am

    Retirar os crucifixos das repartições públicas estaria de bom tamanho. Se a obra do STF foi encomendada dos artistas e eles decidiram expressar a sua visão cristã da Justiça, não há o que fazer. Penso que um Estado laico não deveria expressar filosofia religiosa, tanto quanto não deveria expressar filosofia política (embora laicidade não tenha nada a ver com apolitismo ou apartidarismo). Os políticos e os funcionários podem carregar essas subjetividades, o Estado não deveria. Deveria ser neutro tanto quanto o possível.

  • orlandofurioso

    -

    9/3/2012 às 12:09 am

    Tá certo,Rei. Cavalo que dá garupa uma vez, tem que dar a vida inteira. Tem um texto de Berthold Brecht super manjado que define bem essa situação. “primeiro levaram uns estudantes, mas como….etc etc Agora levaram a mim, mas já é tarde”. A nós eles não levarão, Rei. Estamos espertos !Estamos alertas.Como na secular fortaleza de Santa Cruz. Alerta, sentinela! Alerta estou!!!

  • eumesma

    -

    8/3/2012 às 11:48 pm

    Tio Rei,
    Parabéns, falou e disse.

  • João Silva

    -

    8/3/2012 às 11:18 pm

    Reinaldo, não entendi porque tanto por tão pouco. Como pode fazer esse julgamento de quem discorda de você nesse assunto? Ora, porque acho que crucifixos não vão bem em um tribunal, agora devo ir pra turma dos JEGs e sou defensor do aborto? Sou a favor da entrega de cubanos a Fidel por isso?
    Mais uma coisa: destruir é a mesma coisa que retirar?

  • Sergio Dias

    -

    8/3/2012 às 11:14 pm

    complementando as palavras do Fábio, quero ver quando quiserem tirar o Cristo Redentor. o Brasil virou uma piada. Lamentável.

  • vitor

    -

    8/3/2012 às 11:12 pm

    Ontem eu pensava diferente de você, mas seus argumentos terminaram por me convencer do contrário. Às vezes, precisamos de iluminação em nossos pensamentos para enxergar além das aparências.

    Longe de me ofender, parabenizo-lhe pelo puxão de orelha.

    P.S.: Continuarei sendo seu leitor.

  • carlos

    -

    8/3/2012 às 11:07 pm

    ihhh! a chapa esquentou… mesmo achando que a carapuca nao me serviu, e ainda que discorde de voce neste tocante. Vou aceitar seu convite por alguns posts, ate que este tema nao esteja mais no salao. Concordo com voce em 9 em cada 10 opinioes, e quando nao concordo, digo que nao, e pronto. Eh compreensivel sua irritacao com alguns tarados que passam por aqui e de sua negativa em publicar toda e qualquer opiniao em contrario para este tema.
    Espero que sua quase infinita paciencia em ouvir-nos e apresentar seus contra-argumentos recobre o quanto antes, ou que ao menos siguamos adiante. escrevo isto sem o intuito de tripudiar ou debochar de sua decisao, antes sim como sinal de respeito a voce a mim mesmo.
    volto dja!

  • Heber Osorio

    -

    8/3/2012 às 11:04 pm

    Brilhante Reinaldo, concordo plenamente com você.
    “Não! Este não é o lugar de vocês. Se a próxima tarefa é depredar o STF em nome da laicismo, há outros sites e blogs para tão nobre militância. Nem preciso sugerir nomes. Qualquer um do JEG serve. E não! Vão lá cavalgar certas idéias. Até que comecem a ser cavalgados por elas.”
    Assino em baixo

  • Não, vocês não podem!

    -

    8/3/2012 às 10:41 pm

    Concordo, Rei. Começam com os crucifixos, depois: liberação do aborto, liberação do assassinato de recém-nascidos, fim da liberdade de imprensa, fim dos direitos individuais, banimento da bíblia, fechamento das Igrejas, golpe, ditadura, milhões de assassinatos, etc.

    No caminho com Maiakóvski
    “[...]
    Na primeira noite eles se aproximam
    e roubam uma flor
    do nosso jardim.
    E não dizemos nada.
    Na segunda noite, já não se escondem;
    pisam as flores,
    matam nosso cão,
    e não dizemos nada.
    Até que um dia,
    o mais frágil deles
    entra sozinho em nossa casa,
    rouba-nos a luz, e,
    conhecendo nosso medo,
    arranca-nos a voz da garganta.
    E já não podemos dizer nada.
    [...]”
    Eduardo Alves da Costa

  • Fernando

    -

    8/3/2012 às 10:34 pm

    Parabéns, Reinaldo. Claríssimo e corajoso. Um artigo digno de você, uma luz nas trevas.

  • Tucson-SP

    -

    8/3/2012 às 10:28 pm

    Reinaldo, só para estar do lado do bom senso e da inteligência jornalística, eu digo que continuo com você.
    Obrigado pela luz que você coloca com suas palavras sempre corretas.

  • Ronalde

    -

    8/3/2012 às 10:19 pm

    A favor do laicismo do Estado, o Presidente da OAB vai demandar para que o AC(antes de Cristo) e DC(depois de Cristo) seja abolido na contagem de tempo no país.

  • David Barbosa

    -

    8/3/2012 às 10:16 pm

    Sou ateu, más nunca me incomodei com os símbolos religiosos dos lugares onde ando, até porque moro no interior do ceará e se for me incomodar com esses símbolos, eu ficaria louco. No meu trabalho, na minha casa, nas escolas onde estudei, nas praças, nas placas das ruas, nomes dos bairros, nomes dos sítios, nomes de distritos e nas festas do município(ufa a lista é ainda maior), tudo tem símbolos religiosos. E tem mais eu não só não me incomodo como acho muito bonito essas tradições culturais. Se eu fosse me incomodar com as pessoas que acreditarem naquilo em que eu não acredito eu não teria a vida feliz que tenho nesse meu pedaço de paraíso.

  • Oscar

    -

    8/3/2012 às 10:04 pm

    Reinaldo,
    brilhante e muito profundo.

    P.S.: a lucidez de Josph Weiler é impressionante!

  • Zé Luis

    -

    8/3/2012 às 9:33 pm

    O menino entrega o boletim p/ sua mãe.
    Ela corre os olhos no papel, e grita com o menino:
    -Como vc tirou 2 em português?
    e o menino responde:
    -é que…é que quando eu estava estudando para a prova, eu estava usando caneta com tinta preta, mas na prova só podia usar caneta de tinta azul.
    Será que um, dois, tres, mil crussifixos na parede vam impedir alguem de trabalhar, fazer jus ao que o contribuinte lhe paga (com sacrifício)? Sempre tem gente que quer achar pelo em ovo p/ tentar desviar a atenção de alguma “M” que está fazendo ou que não quer que descubram.
    abs

  • chega!

    -

    8/3/2012 às 9:10 pm

    ~Rei,
    Perdoai alguns de seus leitores. Eles não sabem o que fazem.
    O socialismo sempre defendeu um estado laico, perseguindo os crentes…quaisquer crentes.
    Se a maioria for cristã, desqualificam Jesus, e proíbem a sua adoração…como a URSS fez com os ortodoxos.
    Para eles é perfeito não crer. Assim podem cometer suas selvagerias sem remorsos, pois tudo é permitido, se for favorável à causa.
    Infelizmente, para uma uma enorme parcela de nossa sociedade, ainda não caiu a ficha…
    Que Alá, Buda, Jeová, Jesus, Maomé, Krishna, Abraão
    Deus nos ajude !

  • Gonçalves

    -

    8/3/2012 às 9:08 pm

    Agora mesmo é que vou colocar um crucifixo na minha sala.

  • Gonçalves

    -

    8/3/2012 às 9:07 pm

    Muito bem, Reinaldo! Os católicos devem começar a defender seu pensamento milenar dessa ofensiva sem tréguas do mal. Já assinei a defesa do Padre Paulo Ricardo e espalhei pedidos similares para meus amigos.

  • ixe

    -

    8/3/2012 às 8:37 pm

    Isso se deve a décadas de doutrinamento esquerdista na escola. É a revolução da estupidez.

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados