Blogs e Colunistas

07/06/2011

às 22:18

Para especialistas, mudança no governo não deve afetar mercado

Da Reuters:
Especialistas afirmam que o pedido de demissão de Antonio Palocci da chefia da Casa Civil deve ter pouco impacto no mercado financeiro. Palocci entregou nesta terça-feira à presidente Dilma Rousseff carta pedindo afastamento do cargo, após semanas de pressão e acusações desde que a Folha publicou em maio que seu patrimônio cresceu 20 vezes em quatro anos. A senadora petista Gleisi Hoffmann (PR) assumirá a chefia da Casa Civil.

Na opinião do gestor de renda fixa e derivativos da Brasif Gestão, Carlos de la Rocque, os mercados podem até esboçar alguma reação negativa no início da quarta-feira, mas isso deve durar pouco. “Pode até ter um impacto logo no início do dia, mas nada de anormal, se (o DI) subir é para cair depois. A saída do Palocci não foi nenhuma surpresa, já estava meio que no radar no mercado”, afirmou.

Já o estrategista para a América Latina do BofA Merrill Lynch, David Beker, acredita que o fato de Palocci ter um perfil mais em sintonia com investidores pode favorecer alguma influência sobre os mercados na quarta-feira. “Os participantes do mercado têm digerido as notícias nas últimas semanas, o que pode limitar o impacto sobre o mercado. Porém, ainda esperamos que a curva de juros incline [para cima] e alguma depreciação marginal do real com as notícias.”

Os mercados acionário, de câmbio e de DI repercutiram de modo discreto nas últimas semanas a crise envolvendo o ex-chefe da Casa Civil. Na terça-feira, o Ibovespa teve leve alta, enquanto o dólar e as projeções de juros recuaram. “Você tem dois lados da história. A queda do Palocci é ruim de certa forma porque ele tinha um viés mais próximo do mercado, era um ministro mais alinhado com a visão dos investidores”, disse analista econômico José Goes, da WinTrade. “Por outro lado, viramos uma página, encerramos um assunto.”

O diretor da Moody’s para a América Latina, Alfredo Coutino, acredita que o governo conseguirá superar a saída de Palocci e que Dilma poderá até fortalecer sua liderança. “Acho que a presidente Dilma vai facilmente superar a saída dele (Palocci) e que suprirá sua falta ou com um novo auxiliar ou fortalecendo sua própria liderança”, afirmou. “Ninguém é indispensável.”

Roberto Padovani, estrategista-chefe do banco Westlb, afirma que, no atual estágio de evolução, “o mercado financeiro aprendeu que existem fundamentos para política econômica” e, por isso, a mudança do perfil à frente da Casa Civil “não é algo que deva impactar muito os ativos”.

Por Reinaldo Azevedo

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

Envie um comentário

O seu endereço de email não será publicado.

6 Comentários

  • Anónimo

    -

    8/6/2011 às 3:01 pm

    Resumindo, o mercado segue em compasso de espera. Aliás, o (des)governo petista usou do que estava pronto durante 8 anos. Daqui para frente, terá de criar. É aí que bicho pega. Petista só sabe criar cobras. Seus mentores, no passado, criaram miséria, morte e destruição. Espera, mercado, espera!

  • Marcus Meyer

    -

    8/6/2011 às 5:34 am

    Este é um exercício de adivinhação, nada mais do que isto, pois ninguém sabe os desdobramentos possíveis do caso Palocci. Em todo caso, a lobista Gleisi levou a melhor, pois após vários dias fritando o titular da pasta a fraca Dilma lhe premiou com o ministério!

  • Marcos F

    -

    7/6/2011 às 11:32 pm

    hahaha
    Especialistas. Logo aparecem eles.
    É claro que a saida de Palocci não vai afetar “o mercado”. O Brasil vai pra frente, apesar do PT – e de qualquer outro Sarnento.

  • naldig

    -

    7/6/2011 às 10:29 pm

    Palocci caiu porque ê culpado como todo o núcleo do atual governo ê culpado. Uma CPI tem muito que fazer e investigar. Os clientes omitidos por Palocci vivem em permanente promiscuidade com o Governo Petista. Os tentáculos do grande monstro já abraçou todos os petistas que, agora no poder, cedem tudo em nome do bem do pais. Bullshit!

  • Paulo

    -

    7/6/2011 às 10:26 pm

    Veja o desabafo de Promotor: Geovani Ferri – Promotor

    Carlos colegas, após 15 anos de atuação na área criminal estou pensando seriamente em abandonar a área com a nova LEI 12.403/2011 aprovada pelo CONGRESSO NACIONAL e sancionada em 05/05/2011 pela Presidente DILMA ROUSSEF e pelo Ministro da Justiça JOSÉ EDUARDO CARDOZO.

    Quem não é da área, fique sabendo que em 60 dias (05/07/2011) a nova lei entra em vigor e a PRISÃO EM FLAGRANTE E PRISÃO PREVENTIVA SOMENTE OCORRERÃO EM CASOS RARÍSSIMOS, aumentando a impunidade no país. Em tese somente vai ficar preso quem cometer HOMICÍDIO QUALIFICADO, ESTUPRO, TRÁFICO DE ENTORPECENTES, LATROCÍNIO, etc.. A nova lei trouxe a exigência de manter a prisão em flagrante ou decretar a prisão preventiva somente em situações excepcionais, prevendo a CONVERSÃO DA PRISÃO EM FLAGRANTE ou SUBSTITUIÇÃO DA PRISÃO PREVENTIVA em 09 tipos de MEDIDAS CAUTELARES praticamente inócuas e sem meios de fiscalização (comparecimento periódico no fórum para justificar suas atividades, proibição de frequentar determinados lugares, afastamento de pessoas, proibição de de se ausentar da comarca onde reside, recolhimento domiciliar durante a noite, suspensão de exercício de função pública,
    arbitramento de fiança, internamento em clinica de tratamento e monitoramento eletrônico).

    Para quem não é da área, isso significa que crimes como homicídio simples, roubo a mão armada, lesão corporal gravíssima, uso de armas restritas (fuzil, pistola 9 mm, etc.), desvio de dinheiro público, corrupção passiva, peculato, extorsão, etc., dificilmente admitirão a PRISÃO PREVENTIVA ou a manutenção da PRISÃO EM FLAGRANTE, pois em todos esses casos será cabível a conversão da prisão em uma das 9 MEDIDAS CAUTELARES acima previstas. Portanto, nos próximos meses não
    se assuste se voce encontrar na rua o assaltante que entrou armado em sua casa, o ladrão que roubou seu carro, o criminoso que desviou milhões de reais dos cofres públicos, o bandido que estava circulando com uma pistola 9 mm em via pública, etc.

    Além disso, a nova lei estendeu a fiança para crimes punidos com até 04 anos de prisão, coisa que não era permitida desde 1940 pelo Código de Processo Penal! Agora, nos crimes de porte de arma de fogo, disparo de arma de fogo, furto simples, receptação, apropriação indébita, homicídio culposo no trânsito, cárcere privado, corrupção de menores, formação de quadrilha, contrabando, armazenamento e transmissão de foto pornográfica de criança, assédio de criança para fins libidinosos, destruição de bem público, comercialização de produto agrotóxico sem origem, emissão de duplicada falsa, e vários outros crimes punidos com até 4 anos de prisão, ninguém permanece preso (só se for reincidente). Em todos esses casos o Delegado irá arbitrar fiança diretamente, sem análise do Promotor e do Juiz. Resultado: o criminoso não passará uma noite na cadeia e sairá livre pagando uma fiança que se inicia em 1 salário mínimo! Esse pode ser o preço do seu carro furtado e vendido no Paraguai, do seu computador receptado, da morte de um parente no trânsito, do assédio de sua filha, daquele que está transportando 1 tonelada de produtos contrabandeados, do cidadão que estava na praça onde seu filho frequenta portando uma arma de fogo, do cidadão que usa um menor de 10 anos para cometer crimes, etc.

  • sonia maria silva

    -

    7/6/2011 às 10:24 pm

    Não foi pelo Amor foi pela Dor, se pedindo demissão ja tinha uma postada imagina se tivessem demitido hein!

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados