Blogs e Colunistas

05/11/2012

às 7:00

O tema estúpido da redação do Enem, as mentiras do examinador e as duas exigências absurdas feitas aos estudantes. Ou: Intelectualmente falando, prova de redação deveria ser impugnada!

Não vi no detalhe a prova do Enem. Sei que professores de cursinho divergem sobre a resposta de algumas questões, a maioria relacionada a interpretação de texto, que costuma mesmo ser terra de ninguém. Mas não vou me ater a isso agora. Quero aqui comentar o tema da redação.

Poucas pessoas se deram conta de que o Enem — quem quer tenha elaborado a prova — deu à luz uma teoria e obrigou os pobres estudantes a escrever a respeito, a saber: “O movimento imigratório para o Brasil no século XXI”. Ainda que houvesse efetivamente um fenômeno de dimensão tal que permitisse tal afirmação — não há —, cumpre lembrar que estamos apenas nos 12 primeiros anos do referido século.

“Século”, em ciências humanas, não é só uma referência temporal. É também um tempo histórico. Mais 30 anos podem se passar, sem que tenhamos chegado à metade do século 21, e podem diminuir drasticamente as correntes — que nem são fluxo nem são movimento — de migração para o Brasil. Tratar esse evento como característica de século é burrice. Provo: “O PT é o partido que mais elegeu presidentes no século XXI”. O que lhes parece? Ou ainda: “O PSDB é o maior partido de oposição do século XXI no Brasil”. Ou isto: “O PMDB, no século 21, participa de todos os governos”.

Ao estudante, são apresentados três textos de referência. Um deles trata da imigração para o Brasil no século 19 e começo do século 20 e de sua importância na formação do país. Um segundo aborda a chegada dos haitianos ao Acre, e um terceiro trata dos bolivianos clandestinos que trabalham em oficinas de costura em São Paulo.

Vejam que curioso. O examinador acabou fazendo a redação — e das ruins, misturando alhos com bugalhos. Tenta-se induzir os alunos a relacionar essas duas ocorrências recentes — a chegada de haitianos e de bolivianos — aos fluxos migratórios do passado, quando houve um claro incentivo oficial à entrada de imigrantes. Os fatos de agora não guardam qualquer relação de forma ou conteúdo com o que se viu no passado.

Mas e daí? O Enem não está interessado em rigor intelectual — e bem poucos alunos do ensino médio teriam, com efeito, crítica suficiente para estabelecer as devidas diferenças. A prova não quer saber dessas diferenças — e chego a temer que um aluno mais preparado e ousado, coitado!, possa quebrar a cara. Um ou outro poderiam desmoralizar a “teoria”, com o risco de ser desclassificado.

Na formulação da proposta, pede-se que o aluno trate do tema “formulando proposta de intervenção que respeite os direitos humanos”. Assim, exige-se do pobre que, além de defender e sustentar com argumentos uma tese estúpida, ainda se comporte como um verdadeiro formulador de políticas públicas ou, sei lá, um especialista em populações.

Essas duas exigências foram já incorporadas às provas de redação do Enem. Muito bem: digamos que um estudante seja contrário a que se concedam vistos a quaisquer pessoas que cheguem clandestinas ao Brasil, defendendo que sejam repatriadas. Esse aluno hipotético estaria apenas cobrando respeito à lei — pela qual deve zelar o Poder Público — o mesmo Poder Púbico que realiza a prova.

Digam-me cá: a repatriação de clandestinos é uma “intervenção aceitável”, ou o estudante está obrigado a concordar com o examinador, como há de ceder que, afinal, dois mais dois são quatro? A repatriação, no caso, seguindo os passos das leis democraticamente instituídas no Brasil, caracteriza um atentado aos direitos humanos? Até agora, o próprio governo federal não sabe o que fazer com os haitianos, e o Ministério Público do Trabalho não consegue coibir a exploração da mão de obra boliviana. Por que os estudantes teriam de ter para isso uma resposta?

Atenção! Eu nem estou aqui a defender isso ou aquilo. Noto apenas que a imigração ilegal divide opiniões no mundo inteiro e que é um absurdo, uma arrogância inaceitável, que se possa, depois de inventar uma tese, estabelecer qual é a opinião correta que se deve ter a respeito, exigindo ainda que os estudantes proponham “intervenções”, porém vigiados pelo “Tribunal dos Direitos Humanos”. Aí o bobinho esperneia: “Mas defender os direitos humanos não é um bem em si, um valor em si?”. Claro que é! Assim como ser favorável ao Bem, ao Belo e ao Justo. A questão é saber que tribunal decide quando “os direitos humanos” estão ou não a ser respeitados. Eu, por exemplo, considero que seguir leis democraticamente instituídas ou referendadas, segundo os fundamentos da dignidade humana (a integridade física e moral), é uma expressão eloquente dos… direitos humanos!

A prova é apenas macumbaria multiculturalista mal digerida — não que possa haver uma forma agradável de digeri-la, é bom deixar claro! As provas de redação do Enem — e de vários vestibulares — têm cobrado que os alunos sejam mais bonzinhos do que propriamente capazes.

Não por acaso, nas escolas e nos cursinhos, as aulas de redação têm-se convertido — sem prejuízo de o bom professor ensinar as técnicas da argumentação — numa coleção de dicas politicamente corretas para o aluno seduzir o examinador. Com mais um pouco de especialização, o pensamento será transformado numa fórmula ou numa variante do “emplastro anti-hipocondríaco”, de Brás Cubas (o de Machado de Assis), destinado “a aliviar a nossa pobre humanidade da melancolia”.

É o que têm feito os professores: um emplastro antipoliticamente incorreto, destinado a “aliviar os nossos pobres alunos da tentação de dizer o que eventualmente pensam”.

Isso, como todo mundo sabe, é o contrário da educação.

A partir de hoje, começo a escarafunchar as teses de especialistas brasileiros em geografia humana e populações em busca do “Movimento Migratório para o Brasil no século 21″ — nada menos. Segundo critérios estritamente intelectuais, essa prova de redação deveria ser simplesmente impugnada.

Sei que não é conforto para os alunos que fizeram a prova, mas escrevo mesmo assim: se vocês não tinham muito o que dizer a respeito, não fiquem preocupados — vocês foram convidados a falar sobre uma falácia, sobre o nada.

Por Reinaldo Azevedo

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

Envie um comentário

O seu endereço de email não será publicado.

444 Comentários

  • Fagna

    -

    14/4/2014 às 12:17 pm

    Tem quye insistir não pode dar o braço a torce,e isto que eles querem gente da lai deles,eles tem medo de pessoas inteligentes alcançar um patamar que irão derruba-los futuramente!Eu fiz a prova e passei mais també suei pra conseguir! Faço direito,e quero ser DELEGADA FEDERAL!

  • Eliane

    -

    28/10/2013 às 6:51 pm

    Sério , esse enem, é a coisa mais ridicula que ja vi, o governo tem a cara de pau de cobra nestas provas perguntas imensas que qdo vc termina de ler ja esqueceu, pois o governo nunca incentivou a leitura em sala de aula,nunca foi exigido do aluno interpretação, critica em sala de aula, e pior escolas estaduais inadequadas pra se fazer prova ,isso é uma vergonha, fiz o enem por fazer, ja faço faculdade e é revoltante as condiçoes oferecidas ao candidato, tipo de prova que ja mais o aluno foi preparado em sala de aula,esse Brasil não tem jeito mesmo, é por isso que os jovens se revoltam , não é atoa ja estão cansado de serem massacrado por esse sistema.

  • Carlos Henrique Pelegrini

    -

    24/10/2013 às 12:56 am

    Realmente eu faço curso particular de redação e sobre ENEM a metade é sóbre como agradar a banca examinadora, como já disseram: “Another Brick In The Wall”

  • Anísio Mello Júnior

    -

    8/10/2013 às 2:52 am

    Provas de avaliação incapazes de mensurar o conhecimento do aluno são um anacronismo. Faz sentido, portanto, a lógica às avessas dos proponentes, subprodutos de chefes de Estado com sérias dificuldades funcionais de expressão verbal e escrita. O desastre de uma política de ensino que aprova alunos sem mérito para avançar para outra série, que possue alunos que “desenham”o conteúdo proposto em sala de aula e são incapazes de formular uma opinião, reflexão ou crítica sobre qualquer assunto deixa o país em estado de alerta. Afinal, quem serão os próximos educadores, médicos, engenheiros, advogados, jornalistas. Assinarão todos por extenso, com o polegar pintado? O futuro da produção do pensamento pode ser pouco auspicioso, visto dessa perspectiva. Abra o olho, sociedade brasileira!

  • Lourival Trombini

    -

    3/9/2013 às 11:20 pm

    Ruim com o Enem…, Pior sem.
    VEJA bem,”patota do contra”, subliminarmente raciocínando, será q a imigração sec. XXI é um ensaio p a importação de médicos Cubanos ? de resto, para se conseguir uma nota boa no enem é necessário mais do q conhecimento de fórmulas, precisa ter a noção da prática do componente químico. É mais difícil; caso vc não queira sair dos livros didáticos para a realidade das aplicações vetoriais, siga o meu conselho……fique com fuvest, vunesp, ite….etc, kkkk acorda Brasil

  • Marzagom

    -

    27/8/2013 às 2:19 am

    Concordo e tenho mais a acrescentar, recentemente por pura curiosidade participei de alguns testes pela internet e achei uma grande pobreza a elaboração dessas provas, detalhe não estou apenas comentando sobre redação, falo também de outros temas, principalmente quesito interpretativo, alguns pelo que eu pude perceber são enormes e enfadonhos, e depois temos alternativas enfadonhas que acabam tirando o foco do inscrito; na minha opinião esse ENEM é forjado para esse propósito o de empobrecer e confundir, acredito que perguntas fáceis não podem haver, contudo, perguntas enfadonhas que assumem textos prolixos acabam demasiadamente chatos, o fato de abordar temas interpretativos na sua maior parte pelo que eu pude notar não é necessariamente um foco para desviar a concentração, isso pra mim é meio ou totalmente desonesto, as perguntas deveriam implicar de forma mais direta, algumas perguntas são tão elaboradas no quesito rodeio que destroem qualquer preciosidade a se destacar nesta prova. Lamento, mas é o quadro da educação brasileira.

  • João Paulo Rodrigues

    -

    3/6/2013 às 2:48 pm

    Concordo com cada vírgula que foi escrita! Vejo que o Enem tem sim uma fórmula para que o candidato passe na redação: Não adianta ser crítico, saber interpretar ou ser o maior dos “Saramagos”. Tirei 900 pontos nessa redação porque eu bajulei, porque disse que o problema não está nos governantes, que o Brasil é perfeito ou seja, fui “cidadão” (segundo a definição que eles têm dessa palavra.) Ai do coitado que falar mal governo nessa prova, tanto em redação quanto em questões fechadas! Quer 100% de aprovação? Seja politicamente correto! É angustiante viver num país como esse, se é que podemos chamar essa “coisa” de país…

  • fernando

    -

    4/4/2013 às 8:31 pm

    concordo com tudo que escreveu acima. Tomei bomba na redação, minha menor nota foi justamente no tema de respeitar os direitos humanos, não falei mal dos imigrantes mas sim dei minha opinião contraria a certos pontos e ao Brasil também, mas isso não me impediu de falar o que penso. Gostaria que esses professores fossem imparciais.

  • Bruno

    -

    19/3/2013 às 11:13 pm

    O Brasileiro tambem é um povo que se acomoda muito facil, nós vemos escandalos de corrupção o dia inteiro em todos os lados vemos testes sendo adulterados e correções ignoradas e todos os outros tipos de coisas e o que fazemos? Porra nenhuma, ficamos todos aqui sentadinho e reclamando no facebook ou fazendo PETIÇÂO ONLINE,voce sabe pra que serve petição online Brasil? … enquanto politicos e industrias riem da sua cara, quer fazer alguma coisa? … para de votar no PT e para de aceitar disaforo na sua cara todo dia, o negócio é revolução, toda sociedade evolui depois de uma revolução o Brasil não tem nada disso …
    Desculpa os termos chulos mas isso exemplifica a minha indignação por esse pais pobre e decrépto em que nós vivemos

  • Natália Florencio

    -

    11/3/2013 às 8:08 pm

    Finalmente encontro coesão e clareza. Eu já havia desistido do Enem faz tempo,poém e infelizmente todas as faculdades descentes do estado do Rio de Janeiro resolveu adota la como forma de ingresso e naõ há outra saída,além da prova da excelentíssima UERJ que ainda não se deixou levar por esse blá blá blá. Essas exigências na Redação do ENEM e de tantas outras provcas que presto me deixam sem saber se realmente querem minha opnião já que poe regras de como devop referir me ao caso para não ofender a terceiros. O Enem para mim é mais um reflexo de uma país onde muito se fala em democracia mas a nossa opnião não pode ser literalmente exposta,uma decepção.

  • Tiago

    -

    9/3/2013 às 11:13 pm

    1+1=2, isso é certo e praticamente incontestável.
    Meu texto anterior é bom? é verdade que tenha erros, mas provavelmente não haverá sobre ele um consenso.
    O pior é a vista pedagógica, que não indica os erros e pedagogicamente não diz nada.

  • Tiago

    -

    9/3/2013 às 11:05 pm

    A prova de redação é um absurdo total.Pedir soluções para problemas complexos, muitas vezes nunca resolvidos por especialistas, já seria leviano. Cobrar soluções por problemas que nem sequer existem, é total absurdo.
    Como forma de avaliação do ensino médio, talvez seja necessário haver redação, mas em um processo de seleção meritocrático para ingresso no ensino superior, o mais importante seria a objetividade. Redação não é critério justo e objetivo.
    Avaliadores diferente, notas diferentes. Quem são esses mais de 2000 avaliadores? Eles são capazes? As perguntas são inúmeras e a resposta é uma só.
    Para uma avaliação justa, meritocrática e objetiva, a redação é simplesmente desnecessária.

  • Ribamar Costa

    -

    6/3/2013 às 10:29 am

    Esqueci apenas de dizer algo:A prova do ENEM não leva em conta conhecimentos aprofundados das questões e dos temas, e sim a paciência e tempo dos alunos para lerem questões e textos interminaveis e efadonhos. Porque eles acham que não se deve valorizar a memorização,raciocínio e decoreba, como eles gostam de dizer, mas sim “metodologias novas e avançadas” de ensino. Conversem com algum professor e veja o que eles dizem da eficácia desses métodos…

  • Ribamar Costa

    -

    6/3/2013 às 10:03 am

    Convenhamos falar duas coisas evidentes:
    1ª-Estudar bem nunca foi o forte da sociedade brasileira. Assim é natural que se pense que não se deva dar a devida importancia pra isso.Pra não dizer que só eu que penso isso, peço que pesquisem sobre a entrevista do DrºGuo Qiang Hai,físico da USP naturalizado, sobre estudar no Brasil e o reconhecimento que a sociedade faz;
    2º-A própria equipe de Pedagogos e “especialistas” do MEC acredita que o mais importante não é ser um profissional bem destacado e entendido em conceitos e elementos da sua profissionalização, e sim que apenas se tenha o diploma. O então Ministro Fernado Haddad declarou que não era importante o aluno dominar conteúdos, mas ter contato apenas com o básico, e a prova do ENEM não segue a estrutura e metodologia de ensino do Ensino Médio,que a meu ver estar ficando cada vez pior. Outra prova que não se importa com rigor de conhecimento é o fato da tal nota de corte fazer o aluno poder pular de curso em curso e de universidade em universidade, independente de conhecimento adequado para a área. Desse modo um aluno que não saiba bem de Matemática “faça” engenharia, ou quem não sabe de química “faça” farmácia em qualquer lugar que a sua nota se encaixe.Coitado da futura sociedade que utilizará de profissionais jogados de qualquer jeito por incompetencia e negligencia do governo atual…

  • Nelson Morale Junior

    -

    27/2/2013 às 1:54 pm

    Reinaldo Azevedo, qualquer tema proposto para a redação sempre terá controvérsias, alguém sempre vai apontar desconforto e as críticas serão inevitáveis.
    Tenho 51 anos de idade, me alfabetizei aos 35 anos, consegui meu certificado de ensino médio na prova do ENEM de 2010, e minha nota na tão polêmica prova de redação de 2012 foi nota 1000,0 o que me deu o direito a uma vaga na UFRJ. Portanto falácia ou não competência se conquista e não se adquire no grito como muitos querem.
    Em 2013 vou estar na UFRJ no curso de direito e terei o maior prazer em debater como V.Sa. sobre o assunto
    Um abraço

    Nelson Morale Junior

  • Débora

    -

    21/2/2013 às 11:20 pm

    Muito bom! O modo de relacionar os três temas foi meio forçado, apenas com o objetivo de agradar o examinador e não que eu quisesse escrever o que foi dito na redação.

  • Viviana

    -

    18/2/2013 às 2:09 pm

    concordo,muitas amigas minhas participaram da prova do Enem e todas acharam um absurdo o tema da redação,ate minha professora de português falo isso…Esse ano eu que faço,mas por meus pais quererem porque hoje em dia Enem ta muito dificil mas to com um pouco de medo!

  • Nilton

    -

    16/2/2013 às 5:55 pm

    Algumas das redações tinham título sem que fossem pedidos e ainda sim tiraram nota mil

  • Gabriela

    -

    13/2/2013 às 4:00 pm

    Muito obrigada,conseguiu traduzir um pouco do que tambem penso sobre essa prova e seu brinde final, a famnosa proposta de intervencao. A sensacao que tenho apos ver a correcao e que esqueceram do sexto criterio…ser a favor da imigracao! Mas por outro lado, como problematizar e intervir em algo que ‘nao e um problema’? Outro fato curioso e relacionar comentarios feitos sobre as redacoes como ‘Desenvolve ideias com pouco avanço em relação ao senso comum’ ou ainda ‘O participante apresenta informações, fatos, opiniões e argumentos pertinentes ao tema proposto, porém os organiza e os relaciona de forma pouco consistente, em defesa de seu ponto de vista’ ao fato de uma redacao de 7, 7 linhas ser aceita. Para finalizar, como pode o comentario sobre um dos criterios ser EXATAMENTE igual ao correspondente a 160 pontos e ganhar apenas 140? Acho que nao pode ne?! Mas e dai, melhor se conformar, afinal, o maior e mais dificil objetivo de uma ditadura e calar e o povo, e nesse quezito o governo merece nota 1000. Obrigada pela oportunidade de revelar minha indignacao sobre o soterramento de uma das poucas coisas que ainda funcionam com excelencia em nosso pais, as universidades publicas. Mas o que mais temo e que nao as transformem no que se tornaram as escolas publicas, afinal, com o defasamento salarial dos brasileiros sera um pouquinho complicado pagar, medico, dentista, colegio, faculdade…

  • JOAQUIM VIEIRA

    -

    29/1/2013 às 7:24 pm

    OLÁ REINALDO,NÃO VOU COMENTAR SOBRE A REDAÇÃO OU REDAÇÕES.
    EU QUERIA SE PUDESSE ME INSTRUIR. FIZ O VESTIBULAR PASSEI, NA HORA DE CONTRATAR O FIES NÃO CONSEGUIR, POR NÃO TE FEITO O ENEM. TENHO 50 ANOS E SOU DEFICIENTE, CONCLUIR ENSINO MÉDIO AGORA EM 2012 PELO O EJA. HA UMA BRECHA NA LEI QUE EU POSSA CONSEGUIR O FIES?

  • Gabriela

    -

    22/1/2013 às 9:03 pm

    ESTOU DECEPCIONADÍSSIMA!!!
    Na redação tirei uma nota satisfatória, esse não é o caso. Mas fizeram uma baita injustiça comigo nessa vergonha de prova.
    Me inscrevi para obter meu certificado do Ensino Médio, onde até 2011 era necessário tirar 400 pontos nas disciplinas e 500 na redação para conseguir, só que esse ano sem mais nem menos e SEM AVISAR mudaram esse número para 450, até ai tudo bem, todas as minhas notas na prova foram acima disso, exceto uma em que eu tirei 445,6, e adivinhem?? Por causa de 4 PONTOS não poderei requerer meu diploma e também não poderei tomar posse da bolsa integral que estou pra conseguir no Prouni. Vocês acham isso justo? Eu fiquei totalmente desolada ao saber que fizeram isso, é quase ruindade.
    Mais uma vez tenho certeza que nesse país quem é direito, quer estudar, trabalhar e crescer na vida não tem vez, só encontra barreiras impostas por esse governo sujo e ridículo. Realmente é mais fácil entrar pra bandidagem por aqui.
    Aconteceu isso com mais alguém?

  • giseli

    -

    18/1/2013 às 3:48 pm

    Tirei 600 mas confesso que eu tava estressada e queria me livrar logo daquela prova . Achei o tema estranho , tendo em vista que o Brasil nunca apresentou tantos problemas quanto ao sistema imigratorio nesses tempos. Estava por fora , e ainda sim fiz o que pude . Creio que a minha nota foi jus a um tema de redação que eu não estava por dentro, alem da pressa e do stress. Ano passado atindo a media de 790 e em 2008 tirei 800.

  • Maria

    -

    14/1/2013 às 3:28 pm

    Até agora, depois do resultado do SISU ainda fico pensando porque de tão baixa nota na minha redação. Não consigo entender como o meu primeiro enem,2010, tirei uma nota MAIOR, sendo que saí da sala achando “fraquinho” os meus argumentos. Me sinto revoltada, porquê? bem, todos são seres humanos, iguais perante a Deus, mas, você sempre fica com uma pulga danada atrás da orelha quando alguém que você nunca pensou, ficasse com uma nota acima da sua. Talvez eu devesse ser mais corajosa, aliás, esse é um tema POLÊMICO, exige que o pobre do brasileiro como o Reinaldo falou. É polêmico porque você DEVE se posicionar em relação a imigração no Brasil, e como eu dizer por exemplo que sou CONTRA a imigração, se um dos critérios avaliativos é respeitar os direitos humanos? E vai que eles entendam que o meu posicionamento pareça XENOFÓBICO? não sei. Fiquei surpresa com o tema, mas escreví, e não achei minha redação TÃO ruim a ponto de me darem 580. Eu pretendia cursar MEDICINA, sabe? Sério! Mas com essa nota “incrível” -que desvalorizou minhas demais notas, as quais EU gostei. O jeito é estudar mais uma ano, esperar mais NOVE meses. Só espero que esse ano o tema da redação ME surpreenda, sim, com um tema mais justo. (Não que um tema justo seja um tema fácil) Mas que me surpreenda e vá de encontro a minha capacidade de estudante e que não jogue na forca quem tanto se dedicou. ;)

  • Miqueline

    -

    11/1/2013 às 10:02 am

    uma pessoa quando vai escrever sobre um certo assunto, é bom que tenha informações a respeito do mesmo, mas pelo o que percebi, no pedido de redação do enem de 2012 ( imigrantes no Brasil), foi mas para avaliar o grau de conhecimento na articulação do que de informação é necessário ter a mente aberta e preparada para qualquer tema, fui bem, podia ter sido melhor, mas pra quem não pegou no livro pra estudar nem 30 minutos, fui ótima!!! gente o segredo é gostar de ler a leitura abre a mente de qualquer individuo…minha pontuação foi 640 e olhem que odeio gramatica, língua portuguesa e tudo e qualquer assunto ligado a estas matérias…tirando a leitura pq amo ler e acredito que foi esse amor que me ajudou.

  • Sue

    -

    8/1/2013 às 2:39 pm

    Não esperava aquele tema, mas depois li outras vezes e tudo foi fluindo numa boa.Consegui 960 na Redação. Muita felicidade aqui!
    O aluno tem que ler de tudo, sem frescuras do tipo… Ahh!Não gosto desse tema então não vou fazer!
    Vamos buscar sempre todo tipo de informação…TV, net, livros, jornais, pessoas e boa sorte para quem for fazer o ENEM de 2013!

  • Reinaldo Ramalho

    -

    4/1/2013 às 7:33 pm

    pessoal eu estudei até a 5ª serie do ensino fundamental e sai da escola já faz 23 anos foi apenas prestando atenção e colocando um ponto de vista verdadeiro e humano que consegui talvez uma das melhores notas do pais na redação 980 não perdi tempo em meter o pau nos imigrantes apenas coloquei a importância da mistura de cultura e de raça enfim todos somos seres humanos e vivemos no mesmo planeta.

  • Tadeu

    -

    4/1/2013 às 2:09 pm

    Meus amigos, estão todos reclamando mais não pensam muito bem, primeiro vejamos o tema da redação, era um tema muito mais complexo do que os anteriores,
    O que indiscutivelmente iria pegar muitos de surpresa e reduzir a nota, as redações são corrigidas por 2 avaliadores não podendo haver discrepância maior do que 200 pontos, sendo que todos os corretores são professores que passaram por treinamento do MEC, seria possível realmente atribuir notas aleatoriamente justamente no ano que serão liberadas as correções? Acredito ser pouco provável, agora temos milhares de alunos usando argumentos como “No enem passado minha nota foi muito maior!” (Tema sobre rede social quem não iria se sair bem? a maioria dos jovens tinham informação de sobra.), “Meu professor falou que eu iria tirar mais.” (sério? Ele seguiu todos os critérios do enem? Teve uma segunda opinião falando a mesma nota?), “Eu escrevi 27 linhas e tirei menos que meu colega que escreveu 14″ (provavelmente em 14 linhas ele falou o que queria dizer, e não ficou mudando de assunto ou repetindo o mesmo assunto) deixem de arrumar problemas por um tema que foi um pouco mais complicado e aceitem a falta de competência em elaborar uma boa redação.

  • andreia

    -

    4/1/2013 às 1:55 am

    na minha opinião as notas da redação foram ruins pela forma de escrever que muitos colocam linguagens da internet, e também fugiram do tema.

  • nynha_eu_mesma@hotmail.com

    -

    4/1/2013 às 1:29 am

    Bom, Olá Reinaldo, pessoal.
    Eu estou de bom humor, tirei 860.0 na redação, e fiquei frustada. Mas como? Ora, ora, durante o ano de 2012 além de cursar o 3°rão fiz um pré-vestibular social. Na área de redação, o prof me mostrou o esquema de uma dissertação-argumentativa, que eu já sabia como era, não dei bola para tal matéria, como era a 1° aula, às 08:00hs da manhã, eu chegava só no 2° tempo, não fazia as propostas de redação, não treinei e a única coisa que sabia sobre o tema era a escravização dos bolivianos aqui no brasil, os quais viviam na ilegalidade, sem poderem voltar para casa… (me lembro de ter passado no Profissão Repórter: “A vida dos trabalhadores de confecções de roupas no Brasil”. Isto foi em Agosto e não tive como não me lembrar na hora da redação. Ah embora não tenha treinado fazer redações, queria deixar claro que leio bastante mesmo, adoro. A parte da frustação vem agora, conheço pessoas que estudam mesmo, desde sempre, nos cursinhos eram nota 9 pra cima, e no enem chegaram a 400. É claro que não acreditei na minha nota, pois além de gastar muito tempo com ela (pra lá de 2hs) fui cansando de embromar e escrevi qualquer coisa na conclusão (intervenção). Saí de lá achando que iria tirar nota baixa na redação e em matemática (pois estava sem tempo para fazer as 12 últimas, alías chutei sem ler)e consegui tal nota, 860.0 , que é uma maravilha para mim, mas injusta para com os meus amigos e tantos outros que se esforçaram imcomparávelmente mais do que eu para se sair bem no enem… Lembrando que sempre fui ótima aluna nas outras matérias e que não contava com uma nota tão alta, para um m* de enrolação que fiz naquele papel.

  • Ódio

    -

    3/1/2013 às 3:56 pm

    Conheço alunos ruins que tiraram quase 1000 na redação e outros excelentes que tiraram 500 ou 600. É ou não é estranho? Acorda Brasil!

  • Anônima

    -

    3/1/2013 às 3:54 pm

    Sou uma aluna nota 10 na escola, elaborei textos argumentativos o ano todo e mesmo assim tirei 620 na redação, sendo que segui de maneira mais que perfeita as competências exigidas na redação. Me sinto injustiçada, sou um ser que mora em uma nação lastimável e vergonhosa.

  • camile

    -

    3/1/2013 às 1:50 am

    Bravo, Reinaldo, bravo! Adorei!

  • Carlos

    -

    2/1/2013 às 7:12 pm

    Eu escrevi um monte de m… e fiz 640, e pensei que fosse sair menos de 400

  • Alexandre

    -

    2/1/2013 às 4:10 pm

    São inúmeras as reclamações referentes a nota da redação do Enem…
    Adoro História e leio sobre inúmeras coisas constantemente!!
    Morava em São Paulo, inclusive perto de uma oficina clandestina de trabalhadores/escravos Bolivianos. Sabia sobre o tema abordado…
    Abordei o tema com clareza, o texto é pontual e muito bem organizado, não há NENHUM erro de ortografia e concordância verbal !!
    Como eu sei disso?? Trouxe o rascunho e dei pra uma “Professora-doutora” corrigi-la.
    Minha nota?? 420,0 !!!
    Coincidentemente igual a de muuuuitos candidatos.
    Se eu tivesse escrevido um monte de merd… tinha ido melhor.
    Fica aqui minha indignação.

  • ALGUEM ME AJUDA AI...

    -

    1/1/2013 às 12:15 am

    Esses movimentos migratorios de haitianos e bolivianos so acontecem que nosso servico de imigracao nao funciona, caso contrario coibiria tal transito.
    Nao demora muito e os petralhas demagogos vao dar cidadania, bolsa isto e aquilo pra essa gente de olho no voto deles. E ate aposentaria no ja combalido inss.
    Na proximo enen vai constar a pergunta: O que a Rose fazia acompanhando o apedeuta em 23 viagens internacionais? Perguntem aos estudantes, porque se perguntarem pro apedeuta ele vai dizer: Nao se de nada, nem sabia que existia a tal Rose

  • Daniel Santos

    -

    31/12/2012 às 12:03 pm

    Como se construe uma DITADURA..??

  • Luis

    -

    31/12/2012 às 1:02 am

    A partir deste ano tem um novo critério de correção. Tirei 800 e achei que é um tema difícil, mas segui a receita.
    O que realmente vale são as competências avaliadas, então segui elas. Acredito que elaborando a redação de acordo com as competencias não tem como tirar uma nota ruim.
    Competência 1 – Demonstrar domínio da norma padrão da língua escrita.
    Competência 2 – Compreender a proposta de redação e aplicar conceitos das várias áreas do conhecimento para desenvolver o tema dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo.
    Competência 3 – Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista.
    Competência 4 – Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários à construção da argumentação.
    Competência 5 – Elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos.

  • Ulysses

    -

    31/12/2012 às 12:50 am

    Reinaldo .
    Sou graduando em administração pela UFAL e como estou no final do curso penso em fazer outro num futuro próximo. Fiz e aceitei os resultados das provas objetivas. Entretanto, não compreendi a minha nota na prova de redação, que foi 640,00 cravado. O interessante e que se somarmos as notas das minhas provas objetivas, que foram: 706,3; 626,2;621,4 e 607.0, chegaremos na mesma média que foi atribuída a minha redação! Não sou matemático, mas penso que a probabilidade do evento é muito remota. Como encontrar média idêntica, se a média das provas objetivas é baseada em quatro fatores distintos? Como as medias foram idênticas, se a média em redação é totalmente baseada em fatores técnicos e subjetivos do avaliador? Vou tentar mais na Mega Sena…

  • Flavio

    -

    30/12/2012 às 10:15 pm

    Bom, consegui tirar um 695 na redação até que não foi ruim para uma redação de 12 linhas apenas, na prova objetiva fiquei com média aproximada de 600 em cada.fiquei satisfeito até por que já faz 14 anos que terminei o ensino médio.

  • Giovana

    -

    30/12/2012 às 8:10 pm

    Talvez o Enem estava procurando estudantes mais ousados..Tirei 900.0,mas eu disse a mim mesma:”Vou ser ousada e atrevida sem fugir dos parâmetros do que pede,fiquei emocionada.Mas eu sabia que se eu tivesse fugido ao tema na minha ousadia..Eu levaria sim…Um Zero pra casa.

  • Bianca

    -

    30/12/2012 às 6:32 pm

    Eu também estou indignada, pois ano passado tirei 760 e este ano 420. Foi um tema inesperado, porém preenchi quase todas as linhas com bastante conteúdo na certeza de pontuar bem. Lembrei até da formação territorial do Brasil para enriquecer o texto com detalhes. Há pessoas que escrevem de 11 à 16 linhas e tiram mais de 700, sendo que não expõem a devida estrutura de uma dissertação.

  • adriano

    -

    30/12/2012 às 10:44 am

    Eu consegui tirar 520 na redação, mas considerando o tema e que eu consegui completar o ensino médio esse ano, foi uma nota razoável.
    Eu não tinha nenhuma noção de como elaborar um texto argumentativo, estudei igual um bicho, aprendi o básico do básico e consegui 520 na redação.

  • Ribamar Costa

    -

    29/12/2012 às 5:59 pm

    MEC e seus especialistas … – a desgraça da educação deste país…

  • Miguel - RS

    -

    29/12/2012 às 3:25 pm

    Desculpe minha irritação; Até esqueci de dizer que concordo com o autor do blog.

  • Miguel - RS

    -

    29/12/2012 às 3:20 pm

    Fico feliz por todos aqui que conseguiram acessar suas respectivas notas e julgar se foram justas ou não, porque até agora eu AINDA NÃO CONSEGUI! X(

  • Lucas Piedra

    -

    29/12/2012 às 2:40 pm

    É realmente o tema ficou meio confuso, esperava algo que de fato eu pudesse expressar minha opinião de forma mais livre. Segundo uma amiga com quem conversei, o MEC estipula temas que realmente intriguem o aluno a realizar a sua análise de forma crítica, Porém , eles não gostam de pessoas muito criticas em seus argumentos, Será que pessoas de caráter reflexivo são uma ameaça as instituições, ou pelo contrário, pensadores que propõem mudanças que tragam benefícios para toda a nação. Em resumo, todos se preocupam em não fugir das competências da prova, as vezes ficando presos a pensar mais no que não fazer,quando na verdade deveriam expressar uma opinião. Bela democracia.

  • Rodrigo Harry

    -

    29/12/2012 às 2:01 pm

    Parabéns pelo texto, muito bem elaborado e tem um objetivo claro e afiado. Sou um dos alunos que também está indignado com a redação. O tema pra mim foi muito bom, fiz o que para elaborar minha tese da melhor forma possível. Passei dias a fio esperando os resultados. Como vou ser biólogo com 600 pontos?

  • Bruno

    -

    29/12/2012 às 1:15 pm

    aguardando moderação
    q sacanagem q fizeram comigo
    na redação, odiei minha nota!
    eu ”dancei conforme a música”
    lá na hora e fiz melhor q
    muita gente q tirou uma nota
    bem acima da minha. eu
    realmente cometi um grande
    erro pq eu passei da margem
    uma letra e um ponto, mas eu
    não merecia essa nota.

  • Bruno

    -

    29/12/2012 às 1:13 pm

    q sacanagem q fizeram comigo na redação, odiei minha nota! eu ”dancei conforme a música” lá hora redação e fiz melhor q muita gente q tirou uma nota vem acima da minha. eu realmente cometi um grande erro pq eu passei da margem uma letra e um ponto, mas eu não merecia essa nota.

  • Daniel Alves Ferreira

    -

    29/12/2012 às 12:42 am

    Oi fiz a redação do enem , na qual o tema eu não entendi muito, aliás não tive explicação para tamanha, bobagem desse tema imigração,. Ai então relatei apenas a vida difiçil e dura que alguns imigrantes bolivianos enfrentam aqui na grande São paulo, são escravizados, nas fabricas de costura , nas confecções em geral..levam uma vida a ferro e fogo, entaum quando muitos desses imigrantes decidem retornar ao seus paises de origem são ameaçados, de serem entregues a poliçia., entaum mais uma vez , eu me ferrei na redação expois o que eu estava por dentro, da emigração aqui no brasil.tive apenas 500 pontos.. Agora nem as grandes organizações humanas encontram soluções cabivéis ..para esse processo,..quem somos nos…

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados