Blog Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo

Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

sobre

Reinaldo Azevedo, jornalista, escreve este blog desde 2006. É autor dos livros “Contra o Consenso” (Barracuda), “O País dos Petralhas I e II”, “Máximas de Um País Mínimo — os três pela Editora Record — e “Objeções de um Rottweiler Amoroso” (Três Estrelas).

O STF, o CNJ e o estado de direito. OU: Ninguém quer a Justiça no banco dos réus; o que se quer é a punição de bandidos, também os de toga

Por: Reinaldo Azevedo

Ninguém quer colocar a Justiça no banco dos réus! Ao contrário: o que se quer é botar pra fora do Judiciário a escória para que, então, possam ir para o banco dos réus os que merecem — inclusive juízes. A VEJA desta semana traz uma reveladora reportagem de Laura Diniz sobre os “bandidos de toga”. Segue um trecho da reportagem de SETE páginas. Volto em seguida:

*
O Judiciário é o menos corrupto dos poderes, afirmou, em uma entrevista recente a VEJA, a ex-ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Ellen Gracie Northfleet. Ela pode estar certa, mas é inegável que ele é também, entre os Poderes, o menos investigado. Nos próximos dias, o Supremo enfrentará um debate histórico sobre esse tema delicado. A mais alta corte do país terá de determinar como a Justiça brasileira lidará daqui para a frente com investigações que atingem os próprios integrantes – sejam eles juízes de primeira instância, desembargadores ou ministros de tribunais superiores. É um pomo da discórdia: a Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), um órgão classista, quer amordaçar o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), criado em 2004 para investigar e punir juízes corruptos. O coração do CNJ é a sua Corregedoria, comandada pela ministra Eliana Calmon. À investida da AMB, ela reagiu dizendo, em entrevista, que há no Brasil “bandidos que estão escondidos atrás da toga” e que eles não podem ser acobertados.

Sua fala provocou uma reação vigorosa da parte do presidente do Supremo, e também presidente do CNJ, ministro Cezar Peluso. No plenário do conselho, e diante da ministra, ele disse que as declarações de Eliana Calmon eram “um atentado ao estado democrático de direito” e que, em  quarenta  anos  de  magistratura, “nunca havia lido uma coisa tão grave”. Em nota. afirmou ainda que, ao dizer o que disse, a corregedora lançava “dúvidas sobre a honra de milhares de juízes que diariamente se dedicam ao ofício de julgar com imparcialidade e honestidade” Outros magistrados, diante do episódio, mostraram espanto e cobraram da ministra “os nomes”. Não é tão difícil descobri-los. Ao longo desta reportagem, há oito exemplos acachapantes de “bandidos que se ocultaram atrás da toga”. Em comum, têm o fato de ter sido investigados e punidos administrativamente por seus desmandos – mas sem nunca ter sido julgados criminalmente por eles.

Para chegar a esses casos,  VEJA   esquadrinhou o resultado das maiores operações realizadas na última década pela Polícia Federal (PF) envolvendo  juízes. Do trabalho, emergiram duas conclusões. A primeira: há, sim, uma profusão de juízes-bandidos atuando no Brasil. As investigações revelam episódios como o do ministro do Superior Tribunal de Justiça que se deixou subornar por uma quadrilha que explorava a jogatina ilegal e o do magistrado de Roraima que extorquia funcionários para sustentar o filho de sua amante.
(…)

Voltei
A longa reportagem detalha alguns casos escabrosos de bandidagem. E aqui é preciso destacar algo importante que, infelizmente, nada tem a ver com o estado de direito. Ao contrário: trata-se apenas de manifestação de um estado de privilégios, que agride o princípio democrático da igualdade: juízes, quando afastados, compulsoriamente aposentados por corrupção, vão pra casa e continuam a receber integralmente os salários que recebiam na ativa.  Na maioria das vezes, não há processo criminal. Vale dizer: o bandido flagrado ainda fica de papo pro ar.

Note-se ainda: dificilmente, nessa área, o banditismo é solitário — ele tende a ser soli dário. A chance de que o sujeito, mesmo de bermuda e chinelo, ganhando a bufunfa na boa, ainda interfira na Justiça é grande.

Leia na edição impressa os casos relatados por VEJA. A melhor coisa que o Supremo poderia fazer, em vez de cassar prerrogativas do CNJ, seria ampliá-las. Ao contrário do que querem os corporativistas, as corregedorias regionais é que deveriam ser mais transparentes, submetidas a um escrutínio mais severo do que hoje em dia.

Nada é mais importante do que a transparência e a lisura do Poder Judiciário. É o único dos Poderes que não é eleito diretamente pelo povo — não estou dizendo que devesse sê-lo; acho que não, por motivos sobre os quais não me estenderei aqui (fica para outro post). Por isso mesmo, ele deve ser ainda mais severo do que os outros com os frutos ruins, e os há, que estão no cesto. Em muitos aspectos, o Poder Judiciário conserva características de Poder Moderador. E é, como sabemos, a última instância. Atuar contra a transparência do Judiciário e o controle de sua eficácia e moralidade corresponde a atuar contra a população.

Voltar para a home
TAGs:

Comentários

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

*

  1. Zilda

    PARABENS!!! ALGUEM TEM CORAGEM: de abrir a boca e falar a Verdade. O Brasil, paÍs da injustiça, da desigualdade,ONDE TODOS OS BRASILEIROS DEVERIAM DAR UM CHUTE, PONTAPÉ, NO TRASEIRO DESTES BANDIDOS/PSICOPATAS,,, E “NÃO APOSENTADORIA” PARA JUIZES E JUIZAS, VICIADOS NA PRATICA DA INDIFERENÇA, DA MALDADE E NA INJUSTIÇA AOS POBRES.
    PARA ESTES DONOS DA INJUSTIÇA BRASILEIRA: O CIDADÃO NÃO TEM DIREITO A DIGNIDADE!! TODOS DEVERIAM USAR EM SEUS CARROS ADESIVOS: “FORA BANDIDOS FORA INJUSTIÇA” E FAZER PENTE FINO NESTES BANDIDOS TRASVESTIDOS DE “LEI”…

  2. Klauus L

    Abaixo-assinado apoio à Ministra Eliana Calmon contra a tirania do Judiciário ///////// Vamos apoiar a Ministra Eliana Calmon que pretende abrir a caixa preta do poder judiciário e está enfrentando resistência por parte destes. http://www.peticaopublica.com.br/PeticaoVer.aspx?pi=P2011N14672 //////// Eles não querem expor as mazelas deste poder fechado e inerte diante das necessidades sociais. LEI DA FICHA LIMPA TAMBÉM PARA OS MAGISTRADOS!!!

  3. Marcos

    O Poder Judiciário pode até ser o menos corrupto, mas é também o mais impermeável. A impunidade e o privilégio é a regra absoluta por ali. E ele só é menos corrupto porque nisso é simplesmente impossível competir com os insuperáveis Poderes Executivo e Legislativo.

  4. Cyro Freitas

    Bom dia, Rei!

    A herança desgraçada deixada pelo apedeuta mais uma vez aflora no Brasil. A ministra Eliana Calmon não disse nada mais que uma grande verdade e que é do conhecimento de todos (e você, Rei, fala todo dia): os ladrões tomaram conta do país; nem o Judiciário escapou. A chance do enriquecimento rápido deixou para trás todo e qualquer resquício de vergonha na cara que existia no tempo de meus pais. O PAÍS ESTÁ LIQUIDADO!

  5. normando

    menos corrupto ou menos investigado?

  6. Cil

    “O Judiciário é o menos corrupto dos poderes” – Hummmm… interessante. Então ele é corrupto, só que menos que os outros não é??? Ui… muito digno isso! Elles atacam o CNJ e a corregedora por dizerem a verdade, mas a verdade é que há muitos bandidos de toga sim… ou agora alguns magistrados vão dizer que “não se lembram” de um certo juiz Lalau?????? E isso só pra ficar nos famosos…

  7. Heitor

    Como não existem juizes bandidos?? Como podemos então definir a maioria dos membros do STF que absolvem sistematicamente politicos como José Sarney, apesar de fartas provas contra eles??Se não são bandidos, estão seriamente comprometidos com eles!!!! Talvez seja por isso que reagiram de forma tão contundente…

  8. Nando

    O Sr. ministro Cesar Peluzo foi no mínimo infeliz em relação ao que disse a grande ELIANA CALMOM, para ele as palavras dela foi a grande ofensa, já os coitadinhos dos juizes bandidos, pelo reação do presidente do supremo (supremo?), isto é o de menos.

  9. Kindo

    Partindo da premissa de que “quem não deve não teme”, fica claro que os que discordam do CNJ e querem amordaçá-lo temem e devem estão com medo de serem descobertos e penalizados pelos malfeitos.Se o corporativismo no judiciário não fosse tão grande, certamente ficaríamos estarrecidos com o número de juizes, desembargadores em todas as instancias, que se mantém escudados atrás das togas e gerenciando verdadeiras quadrilhas.

  10. teco-teco no fubeco

    No judiciário brasileiro, o magistrado bandido é aposentado com subsídios integrais.
    No executivo brasileiro, o servidor bandido já aposentado tem a sua aposentadoria cassada.
    No legislativo, vale a regra do judiciário.

  11. P Faustini

    Incrível a postura de vestal gravida do cesar peluso,o grave para ele é a ministra ter dito o que disse , não ter juiz bandido.

  12. Mac

    Parabéns, Reinaldo pela frase: “Ninguém quer a justiça no banco dos réus…” Mas alguns comentaristas, diante desta celeuma, querem todos os juízes no banco dos réus, como se todos os juízes fossem desonestos, num verdadeiro sinal, sei lá, de fanatismo religioso! Estão comentando doidamente, dando a entender que nem sabem o objeto principal da discussão! Estão naquela de “os fins justificam os meios”, ignorando que temos uma Constituição e que cabe ao STF interpretar os propósitos do CNJ, já que foi acionado democraticamente pela associação dos juízes. No meu ponto de vista, entendo que os Ministros Cezar Peluso e Eliana Calmon, que são juízes de carreira experientes e já habituados a grandes embates jurídicos, chegarão a um denominador comum e pacífico. Na minha opinião, o CNJ melhorou, e muito, a justiça brasileira e todos os Conselheiros que passaram por lá estão de parabéns. Porém algumas pessoas (físicas e jurídicas), certamente desinformadas ou mal intencionadas, querem o CNJ somente como um instrumento de vingança, de punição, de castigo, de execração e desmoralização, quando, em verdade, trata-se de um órgão de planejamento e correção. Aliás, esta discussão me faz lembrar do imbróglio que foi o julgamento da “Lei da Ficha limpa”. Todos nós queremos justiça imediata, mas acima de nossa vontade estão os Princípios Constitucionais e o Estado Democrático de Direito! E seja qual for a decisão do Ministro Marco Aurélio e demais Ministros, a mesma deverá ser respeitada, assim como foi a decisão do Ministro Luis Fux no caso da “lei da Ficha Limpa”.

  13. anonimis

    O ministro Peluso se não é corporativista deu toda a mostra que é. Segundo post de Mirian Leitão em alguns anos foram demitidos por corrupçao cerca de 7500 funcionarios publicos e nenhum condenado. Em Post abaixo sr Chico descreve como as leis protegem os meretissimos.
    Uma aula de corporativismo. A maxima condenação de um Juiz e de aposentadoria com salario integral e provavelmente com beneficios tambem integral. Este pais não é uma zona de guerra devido a maior parte da população ser mantida na ignorancia para beneficio de uma minoria.
    O Ministro Peluso se aproximou eticamente de Sarney e de Lula.

  14. Zeca

    A baiana Eliana Calmon é nossa Rui Barbosa de saias.

  15. Ask

    É incrível como ocorre o desvio do foco de um problema sem que as pessoas percebam. Parece uma espécie de contaminação.
    A Min. Eliana Calmon disse que no Poder Judiciário há bandido de toga. Foi duramente interpelada pelo Min. Cezar Peluzo. Imediatamente se instalou o debate sobe corporativismo e sobre os Poderes disciplinares do CNJ.
    Ora, na minha opinião, o Min. Cezar Peluzo está coberto de razão. Essa afirmação vinda da Corregedora da Justiça Nacional só pode ter dois efeitos: ou ela diz quem são esses bandidos de toga, e esclarece porque não os puniu, ou diz que não sabe quem são, caso em que terá feito uma afirmação leviana.
    A afirmação mais grave da Ministra, acho eu, foi dizer que somente inspecionará o TJSP no dia em que o Sgt Garcia prender o Zorro. Se isso significa ‘nunca’, é imperioso que ela diga por que está sendo ou foi impedida de cumprir a sua missão à frente da Corregedoria.
    Aliás, a imprensa, não sei por que, não se lembrou de ir entrevistar o presidente do TJSP e perguntar pra ele o motivo pelo qual não permite a inspeção no Tribunal.
    Outra coisa que a Ministra Corregedora precisa esclarecer à sociedade, mas a cegueira do debate não permite que se cobre dela. O CNJ não tem poderes para IMPÔR uma inspeção no TJSP?

  16. José Carlos Colodette

    Juízes têm direito à inamovibilidade, estabilidade e irredutibilidade de vencimentos. Tudo na Constituição. Bem, a garantia de vencimentos integrais na aposentadoria corresponde à um plus – é um estímulo para afastar o magistrado da tentação à corrupção – assim como aos demais agentes públicos (polícia e etc). O juiz afastado antes de completar o período integral de aquisição desse direito recebe proporcionalmente, ou seja, não ficará desassistido economicamente. Daí, a coisa se transmuda. Ao invés de temer a perda do cargo e suas vantagens o carinha passa a ter coragem para entrar no mundo da vigarice. É, é isso…

  17. Marcos F

    É a Última Instância.
    Se não confiarmos nela, em quem confiaremos NOSSAS VIDAS?

  18. fogoamigo

    Parece, no mínimo, estranho um ministro presidente do STF e também do CNJ ir a plenário para fazer aquelas afirmações. Verdadeiro “atentado ao estado democrático de direito” foi o assassinato da juíza Patrícia Acioly por agentes do estado no RJ e o digno ministro não declarou tamanha gravidade!
    Quanto aos “nomes”, não é difícil descobri-los. No mesmo RJ, podemos encontrar novidades nas investigações do assasssinato da juíza!

  19. Jean

    “Atentado ao estado democrático de direito” foi a avaliação de Peluzo, que pelo jeito é contra a fiscalização do Poder Judiciário. Já é um absurdo esse Poder ter ficado tantos anos sem nenhuma fiscalização, e agora que o CNJ foi criado, uma grande evolução na nossa sociedade, a AMB – uma associação corporativista – quer enfraquecer a Corregedoria que investiga muitos pilantras que escondem sob togas. As vezes, quando acho que o país está evoluindo, aparecem notícias como essas… É triste.

  20. Mac

    Que me desculpe o comentarista Raimundo Freitas (02.10.11, 10,19h), mas a fama dos advogados é muito conhecida, inclusive no anedotário popular! Mas isto não significa que todo advogado é desonesto.

  21. carlos

    O que que esta acontecendo? com o eminente e integro,juiz de carreira Cesar Peluso,hoje presidente do supremo,sempre foi rigoroso com a corupção,por favor ministro,procure se informar melhor,sobre os movimentos apoliticos que estão sugindo contra a corupção(PRIMEIRO EXPULSAR ESSES JUIZES CORUPTOS), podem iniciar,campanha para acabar com as regalias absurdas, do supremo inclusive abaixo assinado,solicitando casaçoes de ministros,já pensou abaixo assinado de 40 milhoes de pessoas,o congresso não vai resistir,o entendimento,das pessoas mais humildes,que são as que demandam mais justiça,tornara essa premissa verdadeira,caso rapidamente não sejam julgados e condenados os coruptos hoje protegidos por algumas autoridades da justiça,limpa rapidinho,limpa ministro.

  22. Raimundo Freitas

    Sou neto,filho de advogado,profissional do direito e pai de advogado. Sempre soube e transmiti para meu filho e se Deus permitir,transmitirei para meu(s) neto(os/as),se meu filho não o fizer,a máxima que meus antepassados me ensinaram: A JUSTIÇA É CEGA, MAS, TEM “TATO”$$$$$$$$$$$$$$$$$.

  23. José Maria Pessoa de Melo

    Voltei! Rei, afinal, os Exmo. Senhores Juízes não deixam
    de ser seres “HUMANOS”, portanto, estão sujeitos a quais-
    quer deslizes, pois, o que afirma o minitro Peluzo não pro-
    cede. Tenho dito.
    Agrdeço à vossa atenção, subscrevo-me cordialmente.
    JM. Olinda, 02 de Outubro de 2011.

  24. […] mulher”. Essa é a ficha de Oliveira. Mesmo assim, Beltrame e Duarte lhe deram um batalhão!!! ; — O STF, o CNJ e o estado de direito. OU: Ninguém quer a Justiça no banco dos réus; o que se quer […]

  25. Paulo Fernandes

    Ao contrário da ministra Ellen Gracie, que deu apenas uma declaração corporativista, ACM sempre dizia que o Judiciário era o mais corrupto dos tres poderes, justamente por ser uma caixa preta.
    No caso da juiza assassinada no Rio, os desembargadores lhe negaram reiteradamente a escolta com a desculpa que não seria necessária. E o fato mais estranho é que no seu enterro nem a Justiça ou o governo do estado se fez representar.

  26. Saulo

    BANDIDOS,CRÁPULAS, LADRÕES DE TOGA! Se os juízes e demais profissionais da Justiça, os decentes, e são milhares, quiserem acabar com os “ratos” do Judiciário, eu sei como fazer, até por haver sentido na pele, o terrível MODUS OPERANDI desses crápulas. Nesse caso, meu email está à disposição dos interessados, honestos. Eu sei como acabar com os roedores de toga. Vale também para os legisladores (deputados e senadores)de bem, interessados em combater os chamado bandidos de toga.

  27. chico

    A impressão que tenho é que ninguém leu o teor da ação AMB. Trata-se de uma ADI contra a Resolução nº 135 do CNJ, que, a pretexto de uniformizar as regras de procedimento administrativo, dispôs sobre matéria reservada constitucionalmente a Lei complementar, usurpando, com isso, a competência do Congresso Nacional. A AMB arguiu na ADI a inconstitucionalidade formal de toda a Resolução e a inconstitucionalidade material de alguns de seus artigos, por se chocarem com regras constitucionais. Assim, o STF pode julgar procedente a ação da AMB, declarando inconstitucional a Resolução, sem retirar ou reduzir os poderes do CNJ.
    O que se discute precipuamente na ação não é se o CNJ tem ou não poderes para investigar e punir juízes. Isso ele tem com certeza, sendo sua competência concorrente com a das corregedorias. Mas a atuação de CNJ deve se pautar nas leis existentes, não podendo ele editar regras, em evidente usurpação da Competência do Congresso Nacional. Basta que o CNJ aplique a Lei Complementar 35/79 (que define os deveres e punições a serem aplicadas aos juízes e estabelece regras do processo administrativo) e, na sua omissão, o estatuto dos servidores públicos civis da União (afinal, os juízes são serviços públicos civil lato sensu) e a Lei 9.784/99 (que regula o processo administrativo federal).
    Ocorre que o CNJ, ao invés de aplicar as leis existentes, resolveu inovar no mundo jurídico, agindo como se legislador fosse, não tendo recebido delegação constitucional para tanto. Por isso, o STF foi acionado para dizer se a resolução nº 135 é constitucional ou não.
    Para se ter uma ideia da ideia de como o CNJ usurpou a competência do legislador, basta ler o art. 24 da Resolução. Lá está escrito que qualquer falta disciplinar do juiz, mesmo a mais leve, punida com advertência, prescreve em cinco anos. Ocorre que a lei 8.112/90 fixa o prazo de prescrição para infrações leves em 180 dias. O CNJ pode ignorar a Lei e inventar outro prazo de prescrição? Além de ignorar a Lei, o CNJ é incoerente. Há poucos meses, o Conselho decidiu que há simetria entre magistrados e membros do MP, pois a CF lhe confere as mesmas prerrogativas e vedações. Ora, se é assim, dever-se-ia considerar os mesmos prazos de prescrição aplicados aos promotores, que estão previstos da Lei Complementar 75/93. No caso de negligência, infração leve, a pena é de advertência, e prescrição se consuma no prazo de um ano.
    Então, mesmo entendendo que o CNJ tem poderes para processar e punir juízes, acho que a ação da AMB tem procedência, pois o Conselho deve aplicar as leis existentes, e não criar as regras a serem aplicadas, usurpando a competência do Congresso Nacional.

  28. cidadão

    Afinal de contas temos duas justiças, uma que blinda o governo e, outra com todo rigor da lei e contra os inimigos do governo!
    Pau-que-bate-em-chico-bate-em-francisco…por que os mensaleiros chefiados pelo Zé Dirceu não recebem o mesmo tratamento de bloqueio de bens? Aliás, o mensalão do chefe da casa civil aconteceu antes do mensalão de DEM. Afinal de contas a LEI não seria igual para todos, não vivemos num país(BRASIL?) de TODOS.

  29. kafka

    Reinaldo,
    vc está colaborando com a desinformação. Os Juízes são aposentados compulsoriamente porque é a maior pena prevista em lei para ser aplicada em processo ADMINISTRATIVO.
    Os Juízes podem, após aposentados, perder o cargo (e a aposentadoria, obviamente) em processo JUDICIAL.
    Cabe ao legitimado (Ministério Público) propor a ação.
    Logo, essa questão (aposentadoria ou perda do cargo) nada tem a ver com eventual disputa entre Corregedorias e CNJ.
    Aliás, a ação judicial, como é óbvio, não será julgada nem por aquelas, nem por este, mas pelo Tribunal a que subordinado o Juiz, com recurso aos Tribunais Superiores.
    Matéria jurisdicional, portanto, que não é de competência dos órgãos de correição mencionados (Corregedorias e CNJ).
    Se há poucos demitidos entre os aposentados é por omissão do MP, que não move as ações necessárias.
    E, como nos mostram os exemplos da época da ditadura e, mais recentes, na Venezuela e Bolívia, a pior coisa é Juiz ser demitido por decisão administrativa, sumariamente pelo ditador de plantão.
    A vitaliciedade (garantia de perda do cargo apenas por decisão judicial, assegurado o contraditório e ampla defesa) é o atributo principal para a necessária independência do julgador, caso contrário, restaria refém do poder político.
    Abraço.

    REINALDO OBSERVA
    E cadê a desinformação? Por acaso eu disse coisa diferente?

  30. Angelo

    De todos os bandidos do mundo, os piores são os juízes-bandidos. Assim como os piores assassinos são os médicos-assassinos. Assim como os piores líderes, são os egocêntricos.
    Quando ouço falar em gente que deveria ser o guardião da justiça envolvido em maracutaia, me dá desânimo e desesperança. Vendo agora que juízes querem evitar a própria “fiscalização” eu só posso pensar que tem coisas a esconder. Já não basta ganharem salários de marajá?

  31. Marco Antonio

    É preciso mudar para que tudo continue como estava. Criaram o CNJ. Deram-lhe atribuições. As Corregedorias já existiam. Tinham suas atribuições. Primariamente investigavam juizes. CNJ avoca atribuições das Corregedorias. CNJ denuncia inoperância e blindagem de certas Corregedorias. AMB, todos juizes, grita pelas Corregedorias, apela para STF. Constitucionalistas de plantão votam pró Corregedorias. CNJ deve aguardar resultados nas Corregedorias. CNJ não pode precedê-las nas investigações. CNJ só pode tomar pé do assunto, após as Corregedorias. Surge pergunta: Mas quando? Revisar o quê, baseado em quê? Nunca desejaram, legisladores atribuir real poder ao CNJ. Sabiam que daria no que está dando. CNJ perde poder, perde relevância.

  32. A venda nos olhos é um simbolo da justiça. Julgar com imparcialidade é seu dever. Nós, brasileiros, que não pertencemos a justiça,e podemos e devemos ter os olhos bem abertos, enxergamos o que acontece nesses ultimos tempos em seus julgamentos. “Aos amigos os favores da lei”
    Se a Jústiça estivesse agindo com lisura, nós, brasileiros, estariamos amparados e não é o que está acontecendo. Não vejo um caso em que corrupto do governo tenha sido condenado. Assim caminha nossa Jústiça e num país em que a Jústiça deixa de se respeitar, o que se pode esperar?

  33. Fabiana

    O mais engraçado é que se pode esculhambar total uma autoridade do Legislativo. Vide Datena frequente, e nazistas que atacaram Bolsonaro.
    E ai de alguem que opinar na TV contra uma decisão de uma autoridade do Judiciario. Como Ana maria braaga, que certa vez teve que pagar uma tremenda multa.

    E se alguém falasse de um todo-poderoso juiz o que fala do Bolsonaro? Seria um dos poderes mais digno que outro?

  34. Alicia

    Penso como o comentarista UNK.

    Peluso ao invés de defender a transparência, o judiciário e assim o país, optou por ficar do lado da quadrilha e provocar uma briga dentro da instituição que deveria zelar pela democracia e a JUSTIÇA.

  35. Brazil No Corrupt

    RT @PlanoAnonBR: Operação 12 Outubro – #BrazilNoCorrupt: Opine e Participe do Chat Contra Corrupção http://bit.ly/qfJQkF

  36. Ladrão não controla ladrão, dá passe livre para poder ter tb a liberdade de roubar, indignação é o que sinto, nojo de ver lixos em cargos que deveriam ser de pessoas de respeito, integros, ainda se acham honrados para prenderem ladrões e assassinos, julga-los.
    Me fez lembrar das falas da Dilma, mais uma vez mostrado, a honradez esta na camada mais simples da população, aqueles que realmente tiveram berço e carregam os ensinamentos de caráter pela vida toda.

  37. Revoltante tudo isso, enquanto bandidos são aposentados com salário integral, servidores públicos simples, por adoecerem perdem até 60% da aposentadoria e aumento, como já cansei de dizer aqui, a GESTÃO PT, da o extermínio deixando-o na miséria e sem poder se tratar, mais dinheiro para ser roubado a custa da morte de trabalhadores.

    Estes mostram os valores mudados, protegem bandidos e deixam morrer os dignos.

  38. MINO NETO

    Essa conversa de magistrados que dizem lutar por um judiciário forte, não convence. Eles buscam privilégios! Judiciário não é para ser forte. É para ser transparente! Quem tem que ter força é a sociedade!

  39. luis o indignado

    Lembrados estão, pois a bem pouco tempo ocorreu aquele bate-boca no plenário do STF, envolvendo Gilmar Mendes e o Joaquim, aí colocaram panos quentes, visto que as denúncias afloraram além do permitido. As Exas. se acham acima de tudo, inclusive da lei, motoristas, carros blindados e descaracterizados, seguranças a mil, (exceto a Meritíssima assassinada no Rio, mas daquele assassinato ninguém escaparia). Convites para jantares e churrascos regados ao melhor vinho e carnes,casamento na Ilha de Capri. Jatinhos para baixo e para cima e um bando de estica bolas para todos lado, o cara se julga Deus ora bolas. Justiça neles, pois são iguais a qualquer um, apenas exercem funções públicas como outros funcionários e sabe-se muito bem que alguns chegam lá (CNJ-STF) por meios nada ortodoxos.

  40. Virginia Oliveira

    Quer dizer, para esse ilustre ministro, presidente do Supremo, denunciar bandidos, só porque são juízes é um violento atentado contra a democracia e estado de direito, que diabo ele quer dizer com isso? Só porque o bandido usa toga não pode ser denunciado? A ex-ministra falou que é o poder menos corrupto, discordo totalmente, é o poder menos investigado, porque milhões de brasileiros não acreditam na justiça? Porque esta contaminada de bandidos, e querer amordaçar o CNJ é incentivar o banditismo, a impunidade, e contribuir para mergulhar mais fundo na lama da corrupção um poder que deveria velar pela justiça, pela Democracia e pelo o Estado de Direito.

  41. Anônimo

    Leiam esse excelente texto do Instituto Millenium e vejam o lixo que é esse STF !

    http://www.imil.org.br/artigos/um-poder-de-costas-para-pas/

  42. David

    Caro Rei, no dia 12 de outubro, feriado, posso ir a todas as manifestações contra a corrupção, pelo voto distrital, Lugar de Bandido não é na Polícia, etc…

  43. Noah Shuster

    A matéria é primorosa. É uma vergonha um Juiz se envolver em corrupção e ficar aposentado em casa ganhando o mesmo que ganhava.
    .
    O cidadão deveria ser expulso, processado e preso. Como qualquer cidadão.
    .
    Em minhas viagens pelo Brasil, li num jornal, um caso surreal onde o Juiz praticava festas em casa com menores de idade, ou seja, praticava pedofilia. Descobriram e o resultado é que ele foi aposentado compulsoriamente. Isso é um absurdo.
    .
    Outro caso, foi de assédio moral e sexual praticado por outro Juiz com as funcionárias do tribunal. Só foi denunciado, quando várias delas se uniram contra o agressor. Muitas eram casadas e aguentaram por muito tempo essa humilhação, com medo de perder seus empregos e serem perseguidas no trabalho. Afinal, infelizmente muitos deles se sentem verdadeiros Deuses intocáveis e que pelo poder que tem nas mãos podem servir pra seus interesses escusos pessoais.
    .
    Deve sim, ampliar os poderes do CNJ. E para ontem.

  44. Observadordepirata

    STF ( SUPREMO TRIBUNAL DA FALÁCIA)

  45. David

    Caro WHK
    – 01/10/2011 às 19:53

    Prá quê?
    Nós já sabemos que os ministros do STF ligados ao PT são submissos ao modo de ser do PT.
    É tudo igual.

  46. Vera L.

    Reinaldo
    Mas foi a pior viagem (como diria mami) o que ministro Cesar Peluzo fez, essa de se agravar com o que a corregedora disse dos “bandidos de toga”. No Globo tem reportagens e as CARTAS dos leitores em peso dando razão à corregedora. Isso é MUITO bom porque é mais UM veículo a mostrar a indignação de quem PAGA a conta.
    Ele com sua vontade de defender o indefensável AJUDOU MUITO a NOSSA Corregedora, aquela que DEFENDE o Estado Democrático e de direito. Também o colunista da VEJA, Roberto Pompeu de Toledo fez um artigo MUITO bom sobre quem DEFENDE mesmo a Democracia, se o ministro Peluzo ou a Corregedora. Isso só mostra como esses TOGADOS do “alto clero” estão distante do povo, da população, dos anseios de quem vive a realidade do dia a dia. Eles como vivem encastelados, SEMPRE com trocentos seguranças e em carros blindados, NÃO sabem o que acontece com quem PAGA os altos salários para suas mordomias. Peluzo deve ter visto o que “ às ruas “ pensam dos “SENHORES” juízes, e não é nada de bom…

  47. OLHO POR OLHO

    O MINISTRO PELUSO TEM MEDO DA DILMA, VIVA A ELLEM GRACE.

  48. David

    Caro Carlos das 22:04,

    Infelizmente essa história de general melância, larápio é mais velha do que podemos imaginar.
    Era assim na época do Jango. O esquema militar da esquerda do Jango era apoiada nos militares corruptos. Por serem corruptos se sujeitavam a tudo que o PTB, os Sindicatos, os agitadores e o Jango faziam.
    Por isso que a Revolução de 64 cassou muito mais militar do que civil. Tiveram que limpar as FFAA.
    Como toda a história tudo se repete.
    É uma vergonha mas é a verdade.
    Os petralhas adoram gente com rabo preso.
    Por isso estão todos do mesmo lado.
    No caso não é caso de cor ou frruto mas de falta de moral.

  49. Observadordepirata

    Esse ministro do STF, Peluso é patético. Esse corporativismo é nojento. Já penso diferente: acho o Poder Judiciário o mais corrupto dos poderes!!!!!

  50. David

    Caro Rei,

    Para colocar na rua a escória temos que colocar na rua os ministros petralhas do STF.