Blogs e Colunistas

12/05/2012

às 6:43

O “Veta, Dilma” da Camila pode custar R$ 130 bilhões por ano. “Pensa, Dilma!”

A senadora Kátia Abreu (PSD-TO), presidente da CNA, publica hoje um artigo na Folha que é de leitura obrigatória. E mais deveriam se sentir obrigados a lê-lo os que aderiram ao tal “Veta, Dilma” (sim, queridos, até Camila Pitanga poderia fazê-lo) e os ecologistas. Ocorre que essa turma rejeita o debate. Não quer ganhar consciências. Está em busca de inocentes de bom coração. Se Dilma fizer o que pedem, haverá uma diminuição da área plantada no país de 33 milhões de hectares. Não serão prejudicados apenas pequenos e médios produtores. Será pior para o país. Seguem trechos do artigo.
(…)

Será que é racional abrir mão de 33 milhões de hectares da área de produção de alimentos, que representam quase 14% da área plantada, para aumentar em somente 3,8 pontos percentuais a área de vegetação nativa do país? Essa troca não me parece justa com os brasileiros, pois corremos um alto risco de aumento no preço dos alimentos sem um ganho equivalente na preservação ambiental. Reduzir 33 milhões de hectares nas áreas de produção agropecuária significa anular, todos os anos, cerca de R$ 130 bilhões do PIB (Produto Interno Bruto) do setor. Para que se tenha uma noção do que representam 33 milhões de hectares, toda a produção de grãos do país ocupa 49 milhões de hectares.

O Código Florestal não foi construído para agradar a produtores ou ambientalistas, mas, sim, para fazer bem ao Brasil. Agora, está nas mãos da nossa presidente, a quem cabe decidir, imune a pressões, o que é melhor para sermos um país rico, um país sem miséria, que é a grande meta da sua gestão. A utopia ambientalista, no entanto, não respeita a democracia política, muito menos a economia de mercado. Há líderes do movimento verde que pregam abertamente um Estado centralizado, com poderes para determinar a destinação dos recursos, da produção e até mesmo do consumo. Nesse tipo de sociedade autoritária, não há lugar para a liberdade e para as escolhas individuais. Salvam a natureza e reduzem a vida humana à mera questão da sobrevivência física.

Mas slogans fáceis e espetáculos midiáticos não podem ofuscar a eficiência da agropecuária verde-amarela. O Ministério da Agricultura acaba de divulgar os dados do primeiro quadrimestre de 2012. Exportamos US$ 26 bilhões, gerando superavit de US$ 20,8 bilhões. Nunca é demais lembrar que o agro exporta somente 30% de tudo o que produz. E, para isso, usa apenas 27,7% do território, preservando 61% com vegetação nativa. Qual país do mundo pode ostentar uma relação tão generosa entre produção e preservação?

Os ambientalistas, em sua impressionante miopia, ainda cobram que a agropecuária deva elevar a produtividade. Nos últimos 30 anos, com apenas 36% a mais de área, a produção de grãos cresceu 238%! Eles não consideram que os índices brasileiros já são elevados e que aumentos são incrementais.
(…)
É inaceitável que o Brasil abra mão da sua capacidade produtiva, deixando de contribuir plenamente para a redução da pobreza, já tendo a maior área de preservação do mundo.

Por Reinaldo Azevedo

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

Envie um comentário

O seu endereço de email não será publicado.

179 Comentários

  • Juarez Carnaíba

    -

    6/6/2012 às 10:14 pm

    Estou de pleno acordo com a Senadora Kátia, em seu desabafo. Não devemos trocar produção de almimentos simplesmente pela ecologia. Ainda não li o o atual Código Florestal, mas, acredito ser de primordial importãncia, que as APPs sejam preservadas, mesmo que tenha que reduzir em igual área a Reserva Legal de cada propriedade, porque as APPs é que mantem os cursos d’águas perenes e até fazem criar nascentes após a sua recuperação quando já se encontram degradadas.

  • Humberto

    -

    27/5/2012 às 12:36 am

    Não posso falar do Projeto de Lei, aprovado, como é longo pode ter exageros dos dois lados; O que acrescento é que o Brasil não neva, tem água em abundância, que esses numeros em epigrafe impressionam, mas quem Lucra? Em tese todos, não defendo a economia de mercado, pois é anarquizar tudo; Mas defendo o que é Sério, o Melhor para o País E PARA O NECESSITADO. Que Deus fonte e autor, distribuidor e providente, ilumine os que vão decidir, e nos Ajude encontrar o Caminho melhor para equatizar o binomio sustentabilidade Ambiental e produção.
    É Fato que existe Crimes e não são punidos, que as vezes parece terra de ninguém, até para se argumentar sobe ótica de Direita, Centro e Esquerda.
    Precisamos de um mundo Humano, isso não quer dizer necessáriamente rico, precisamos de Homens e não de Produtos. Precismos no mundo de uma Cultura de Paz, e que o interesse Maior, seja o futuro que estamos contruido. Pois o que está se Construindo, Cai pior que a torre de babel! Dinheiro não é tudo. E não existe economista que ensine o Dever de Casa, Pobre pode e alguns conseguem ser Feliz. Isto significa que não precisamos necessariamente aumentar os numeros, mas precisamos de pessoas mais para humanas que para animais e bestas, onde não se pensa o fim, mas os meios. Comeu tanto que Morreu de idigestão! E o pobre Morrendo de inanição. O homem não é Maior que a Política, do que a Natureza e muito menos capaz de Mensurar e Criticar Deus. Formiga não come elefante. Nem a Terra é Maior que o Infinito.
    “O Homem dentro de uma casca de nóz, pode achar-se dono do Espaço infinito!” Willian Skespeare

  • Raquel

    -

    25/5/2012 às 1:47 pm

    Defendo os produtores de alimentos. Quem LER o Código verá que ele nao promove mais desmatamento, e nenhum agricultor sério quer desmatar a Amazônia. Cito a frase de um brilahnte professor “Deve-se vetar os que desrespeitam quem acorda cedo e enfrenta todas as adversidades para plantar, produzir, industrializar e colocar comida boa e barata nas mesas dos brasileiros e que financiam, com os alimentos exportados para as mesas estrangeiras, as importações dos equipamento digitais usados na campanha. O agro não precisa derrubar uma árvore sequer para triplicar a produção de alimentos”.

  • Vanessa

    -

    25/5/2012 às 9:16 am

    Só pra constar… a amazônia tem a sua maior riqueza na floresta em pé… tire isso dela e verão um deserto se formar! Defender a posição de latifundiário e grandes infratores ambientais? Veta Dilma!!!

  • Raquel

    -

    24/5/2012 às 6:17 pm

    A propósito, será que os adeptos do Veta Dilma sabem que o país tem 851 milhões de hectares, e a agricultura (grãos, cana, frutas, e florestas plantadas) ocupa apenas 60 milhões de hectares? Ou seja, aproximadamente 7% do território nacional, enquanto o país mantém 65% do seu território com vegetação natural (florestas e outros). Alguem conhece outro país que ainda preserva mais da metade de seu território com florestas? Nos últimos 20 anos a produção brasileira de grãos cresceu 173% enquanto a área plantada cresceu 36%, ou seja, se tivéssemos a mesma produtividade de 20 anos atrás, precisariamos de mais de 52 milhões de hectares para produzir a mesma quantidade de grãos, e com tecnologia, poupamos essa área. E pra quem achoa que isso nao é importante, pergunto, sabem de onde vem a calça jeans que estao usando (alguem pantou o algodão), a cerveja que bebem (um agricultor plantou a cevada), o pneu dos carros que usam (alguem plantou a seringueira),além de todos os alimentos que estão na mesa de cada um todos os dias, com preços menores a cada dia. Pensem nisso!

  • Raquel

    -

    24/5/2012 às 6:00 pm

    Prezado Reinaldo, EXCELENTE artigo.
    Sou agronoma (nao tenho nehima fazenda ou propriedade agrícola), li o Código Florestl (será que os outros leram) e o parabenizo pelo excelente e esclarecedot artigo.
    Abraço.

  • Frederico

    -

    22/5/2012 às 10:09 pm

    pegadinha do malandro hein… lixo ainda.
    1. “O Veta, Dilma da Camila pode custar R$ 130 bilhões por ano” – o nome disso é investimento em qualidade ambiental. Quanto está custando para isentar impostos das montadoras só por curiosidade?? E depois… todo mundo sabe que PIB alto por PIB maior não significa muito. Por sinal pode até gerar mais inflação.
    2. “É inaceitável que o Brasil abra mão da sua capacidade produtiva, deixando de contribuir plenamente para a redução da pobreza” – O que??? Redução da pobreza??? Então os latifundiários querem doar os 130 bilhoes pros pobres todo ano?? Até parece! Contribuir plenamente para o engorde das contas bancarias dos latifundiários só se for…

    Até agora minha opinião continua pendendo para o mesmo lado… VETA DILMA!

    PS: de onde vem a conta dos 130 bilhões por sinal?

  • Amauri

    -

    20/5/2012 às 11:33 am

    Caríssimo Reinaldo.
    Você está falando em dinheiro e eu lhe perguntando “para que serve o dinheiro se não tivermos um mundo para viver?”
    Eu e as pessoas que aderiram a esse movimento estamos falando em vida e sobrevivência dos nossos descendentes e não em interesses de acumulação de capital.
    A mim não interessa se é um pobre ou um rico que irá deixar de faturar uns trocados com a derrubada de uma árvore ou com a destruição de um “olho d’agua” (mina que gera ujm rio, pois quando o pobre solo das florestas se transformar em um irreversível deserto, os mesmos pobres que hoje você alardeia que irão sofrer sem esta lei absurda é que sentirão os seus efeitos, pois os ricos como o tal de Caiado terá dinheiro para comprar a água que será vendida a peso de ouro tal como o ocorrido com o petróleo.
    Tenho filhos e netos e porisso sou contra qualquer lei que favorece o assassinato da vida terrestre.
    Escreva e depois a tragédia publique que “depois da nova lei entrar em vigor os latifundiários estão dividindo as suas gigantescas propriedades e entregando títulos a laranjas (testas de ferro) para poder desmatar o quanto quiserem”.
    Esse subterfúgio legal é muito comum nas indústrias e ocorreu exageradamente na época em que foi implantada a lei do “Simples” e das empreseas “ME”.
    Portanto, a turma do Caiado já sabe e até tem o projeto pronto para burlar a lei, pois se não fosse assim, eles não estariam tão interessados em implantar essa lei absurda e combatida por todos os pensadores do mundo e não apenas do Brasil.
    Então, meu caro Reinaldo…
    Pense, mas pense mesmo na pergunta para dar uma resposta para longo prazo:
    A sua vida e a dos seus filhos, netos e todas as pessoas que você ama vale apenas R$ 130 bilhões?
    Nota: Não cheguei aos bisnetos, pois a probabilidade de você tê-los com a implantação dessa lei é muito pequena e não citei a questão da cidadania, aquela coisa que nos obriga a pensar no “outro” porque quem só pensa em dinheiro não é capaz de pensar no bem estar e no direito à vida de outrém.
    Estou disposto a qualquer diálogo, mas por favor, não rotule mais ninguém que pensa diferente de você de radical, pois rotular é muito mais fácil que dialogar e discutir melhores formas de ganhar dinheiro do que destruindo o que não pode ser reconstruido.
    Se eu fosse radical, sem lhe dar o direito de expor as suas idéias, eu lhe perguntaria quanto você ganhou para inventar esse blog, mas não o fiz porque, como já disse, estou aberto ao diálogo e respeito a opinião de qualquer pessoa desde que essa pessoa me respeite também, coisa que você não fez, pois já iniciou o seu comentário, rotuilando e desqualificando qualquer pessoa que tem opinião diferente da sua.
    Sou a favor a uma lei de manejo conciente e inteligente da terra, mas não posso ser a favor de uma lei que mata um para aumentar o lucro do outro.
    Quanto a tal senadora, veja o exemplo do que é um senador brasileiro assistindo o vídeo do senador Demóstenes Torres (DEM-GO)que pergunta para o contraventor (entenda-se criminoso) Carlinhos Cachoeira o que ele quer que o senador coloque em uma lei que trata sobre o jogo.
    Também podemos citar que a senadora Katia Abreu é uma conhecida latifundiária que pertence à bancada ruralista e defende o uso indiscriminado de sementes transgênicas, recebe “incentivos e doações de campanha” da Monsanto e é veementemente contra qualquer tipo de reforma agrária tendo sido “carinhosamente” apelidada de “Miss Desmatamento” sendo reconhecidamente proprietária de mais de 2.500 hectares de terra improdutiva. (Silvio Tendler e Wikipedia).
    E você, que já fez algumas apologias anteriores a essa senadora, ainda quer nos convencer de que a leitura dos seus artigos é “obrigatória”?
    Difícil acreditar depois de ler as referências dessa senhora.

  • VITOR

    -

    19/5/2012 às 6:02 pm

    Maju 19/05/2012 às 0:38, è por isso que falo que a verdadeira necessidade de conhecer o Brasil rural real e não o apresentado na tv ou em estudos de pessoas que nunca basearam nas particularidades unicas de cada parte do Brasil mais sim fazem uma generalização e pegam exceções e aplicam como regra geral e não conseguem ver as consequencias que isso gera na vida das pessoas que daquilo vivem. Baseio-me no que falo porque em 1970 se pregava na escola que a amazonia em 2000 iria deasparecer e ai esta ela, juntamente com uma area de 61% do territorio nacional (todo o Brasil tem 61% de seu território de florestas) com area de floresta , em 1990 também se pregava na escola com bases em estudos feitos em regiões brasileiras, onde as culturas agricolas locais iriam ser afetadas pelo aquecimento global, no caso de minha região por grandes secas tornaria inviavel a cultura do café. Mais graças a Deus o povo da região continuou a plantar e o periodo de seca não chegou, pelo contrario a frequencia de chuvas aumentou, o que fez o cultivo do café aumentar como também em muitas outras regiões suas culturas se ampliaram. Um tempo atras em roma nevou (reportagem), onde a muitos anos não nevava (se é aquecimento global entende-se como aquecimento do planeta, então desta forma a tendencia não era mais nevar em roma) nos Estado Unidos e na Europa ouve uma onda de frio que matou varias pessoas(onde esta o aquecimento). Então os mesmos cientistas tão certos do aquecimento agora dizem que o que esta acontecendo no mundo é uma mudança climatica, teoria que já era apresentada por aqueles que negavam o aquecimento global, que apresentada agora com uma diferença, aqueles que negam o aquecimento falam que a terra passa por estes ciclos tempos em tempos e o planeta estaria passando agora pelo sétimo ciclo em sua historia,(existem estudos para se basearem nisso é só procurar no google) já os que defendiam o aquecimento, e agora a mudança climatica dizem que ela esta ocorrendo por ação do homem e não como um ciclo natural do planeta, ou seja, mudaram o nome mais ainda serve o mesmo proposito do aquecimento de usar o proprio povo do lugar contra setores que afetem sua economia (entendida como economia americana e européia, mais especificamente o setor agricola). Os verdadeiros agricultores, por isso reafirmo que a necessidade de se conhecer o verdadeiro Brasil rural vivem completamente sem o novo código a base do subjetivismo de fiscais e juizes, torcendo para que não sejam corrompidos por ideologia que os vejam como inimigos, que devem perder sua casa (demolição) por estar a beira de corregos que devem perder sua propriedade que esta na famíla a gerações sendo seu unico sustento e meio de trabalho que conhecem, devido a uma multa maior que o valor da mesma (propriedade). Esses são sim os verdadeiros agricultores do Brasil e não outros que tem pequenas e médias propriedades para passeio que dali não tiram exclusivamente o dinheiro de seu sustento. Digo ou melhor repito, não existe pequena e média propriedade que consiga cumprir por completo a atual legislação ambiental e só dela sobreviver, estando assim sempre sujeita a subjetivismos de juizes e fiscais já que a lei feita por pessoas ligadas as ongs estrageiras finaciadas pelo agronegócio internacional (é so pesquisar quem finacia elas) foi feita para inviabilizar a substencia do produtor unica e exclusiva através de sua propriedade rural. As que existem (porque muitos venderam suas propriedades por perseguição ideológica de fiscais e agentes publicos onde hoje ao invés de produzir comida, virou lugar de passeio de final de semana de gente da cidade) vivem uma roleta russa não sabendo quem sera o proximo, ou ainda, sujeito a chantagem destes fiscais para não ser multado, ou ser feita a denuncia no ministério Publico para derrubada de sua casa, essa é uma das realidades do vedadeiro Brasil rural. Engraçado como tem gente que acusa produtor rural de não gostar da natureza, é da mesma forma que quando voce diz em uma conversa casual não concordar com a opinião de uma pessoa e essa diz que voce a odeia. O que o produtor não que é algo fora da realidade, por isso o código é importante, porque foi feito por quem viajou cada canto do Brasil e indendificou suas particularidades. As mensagens da natureza que voce ve provavelmente são aquelas transmitidas por emisoras comprometidas com a causa que fingem imparcialidade num programinho e outro. Estas pegam exceções numa gama gigantesca de propriedades (apresentam em sua grande programação a exaustão) em praticas não feitas pelos demais produtores e generalizam como todos assim fizessem . É muito facil falar de filosofias disso e daquilo, como sou protetor da natureza e eles vilões quando estas não afetam o sustento de sua familia já de imediato, como também não ameaçam derrubar sua casa e o colocar sujeito ao subjetivismo de alguem, podendo até ser chantageado. Se alguém pensou em falar: È só denunciar o cara que a chantagem acaba. È mesmo, já como eu disse que não existe pequena e média propriedade que conseguem cumprir por completo as exigencias da atual legislação, seria como arriscar perder a casa ou seu ganha pão. Em relação a politicos terem interresses nisso torna a coisa sempre inviavel, ou do lucro do setor do agronégocio estrangeiro ganhar e muito com isso que torna viavel.

  • Murilo

    -

    19/5/2012 às 12:40 pm

    “É inaceitável que o Brasil abra mão da sua capacidade produtiva, deixando de contribuir plenamente para a redução da pobreza, já tendo a maior área de preservação do mundo.”
    maior área de preservação do mundo??? deve ser em área total, mas vejam o tamanho do brasil… e a comparação de porcentagem de área preservada em relação a outros paises?

  • Maju

    -

    19/5/2012 às 12:38 am

    Vitor, há maus profissionais em todos os ramos. Há quem se intitule cientista, que nega tudo: mudanças climáticas, buraco na camada de ozônio, derretimento de geleiras. Com que intuito? Vai saber. Agora, quem está certo? Estes que negam, ou os outros que não negam? Por quê a tendência é acreditar nos que negam? Qual seria a razão? É uma pergunta que cada um deve fazer a si mesmo. No meu entendimento, guiar-se pela lógica, pelas evidências, não tem erro. Não podemos mais ser tão ingênuos, ou “distraídos”, a ponto de ignorar o que está acontecendo com o clima, com a Natureza e com a “bandeira” que querem nos vender. Os verdadeiros agricultores convivem em harmonia com a Natureza, têm sabedoria e produzem muito bem. Estão fora da argumentação capciosa. A defesa da Natureza, passa também, pelo amor e gratidão pelo que oferece e pelo temor de que não responderá mais com fartura. Claro,pois faltará água para produzir e matas para absorver pragas. Nem agrotóxicos cancerígenos darão conta do recado.Da forma como está sendo tratada, explorada, degradada é o que poderá ocorrer, fatalmente. Temos de ser muito alertas para captar o que é correto, identificar o que seja manipulação, etc. Nesse ponto, nem precisa escolher o lado de quem defende a Natureza, nem o lado de quem não defende. É só pesquisar por si mesmo e chegar a uma conclusão. Será possível que as matérias ensinadas nas Escolas não servem mais? Era tudo mentira? Podemos ficar com o aprendizado simples e nem ir atrás de estudos profundos, para saber que a Natureza está enviando mensagens claras. Outra coisa infalível: a defesa, de muitos políticos, a briga, o empenho, em torno de algo, é um claro sinal de grandes interesses em jogo, seja a que preço for. Mesmo a custa de danos irreversíveis.

  • JOANA

    -

    18/5/2012 às 8:45 am

    QUAL É A LÓGICA DO CAPITALISMO?
    O CONSUMISMO. POR ISSO TODO O TRABALHO DE ALIENAÇÃO FEITO NA SOCIEDADE ” VOCÊ TEM QUE TER, TER , TER ” NÃO SOU DEFENSORA DE PARTIDO ALGUM, E NEM ESTOU SUGERINDO UMA SOCIEDADE SOCIALISTA PARA O BRASIL, MAS FAÇAM UMA PESQUISA, COM A QUEDA DO MURO DE BERLIM A ANTIGA ALEMANHA ORIENTAL COM O NOVO SISTEMA ECONÔMICO VIGENTE MULTIPLICOU HORRORES O NÚMERO DE LIXO. ISSO POR CAUSA DESSA IDEOLOGIA DO CONSUMISMO EMPREGADA PELO CAPITALISMO. E DESDE QUE O CAPITALISMO EXISTE ELE SÓ CONSEGUIU AUMENTAR A MISÉRIA, AS DESIGUALDADES, POIS, O QUE É O CAPITALISMO? É A ACUMULAÇÃO DE RIQUEZAS NAS MÃOS DE ALGUNS, É ASSIM QUE FUNCIONA. POR ISSO NUNCA DEIXARÁ DE HAVER MISÉRIA NO MUNDO. QUEM MANDA NO ESTADO BRASILEIRO? SIMPLES OS EMPRESÁRIOS. POBREZA, MISÉRIA , DESIGUALDADES SOCIAIS SÃO NECESSÁRIAS PARA SE FAZER POLITICAGEM, SÃO TEMÁTICAS PARA ELES “ABRAÇAREM A CAUSA” E CHEGAREM NO PLANALTO. REFLITAM O TEXTO: “ECOLOGIA NO MEU TEMPO”
    http://www.vanessagaia.com/2011/11/ecologia-no-meu-tempo.html

  • Leandro Dolenc

    -

    17/5/2012 às 9:31 pm

    A visão puramente econômica dos recursos naturais é míope, como aponta o renomado economista professor Dr. Ladislaw Dowbor. Com uma visão abrangente e estratégica, poderíamos gerar emprego e renda investindo no Turismo, na economia verde, na capacitação dos brasileiros através da educação de qualidade e saúde. No rumo que estamos, seremos uma eterna colônia, escravos do 1o mundo, enquanto uma pequena parcela de políticos e coronéis continuará concentrando a maior parte da renda e poder em nossa Nação. [Presidente Sociedade Ecológica Amigos de Embu - 40 anos]

  • JOANA

    -

    17/5/2012 às 6:23 pm

    É COMO SE ESSA PRODUÇÃO DE ALIMENTOS FOSSE ACABAR COM A FOME DO MUNDO. LEMBREM-SE É UMA AGRICULTURA “MONOCULTURA” QUE SERVE PARA SATISFAZER O MERCADO EXTERIOR. COMO EM MUITOS OUTROS PAÍSES NÃO SE TEM MAIS O QUE DEVASTAR DA NATUREZA, ELES FICAM DE OLHO NO BRASIL. E OUTRA, É COMPROVADO QUE AS VERDURAS QUE ABASTECE A MESA DO BRASILEIRO VEM DA AGRICULTURA FAMILIAR. ESSAS GRANDES MONOCULTORAS SERVEM PARA ABASTECER PAÍSES DO EXTERIOR, E POR CONSEGUINTE TERMINAM MUITA DAS VEZES EM UM DERIVADO DO FAST FOOD. LEMBREM-SE OS PORTUGUESES FIZERAM DO BRASIL UMA COLÔNIA DE MONOCULTURA, O QUE GEROU ESCASSEZ DE OUTROS TIPOS DE ALIMENTOS, PORTANTO É UM ERRO A “MARGINALIZAÇÃO” EMPREGADA AO AGRICULTOR FAMILIAR. E OUTRA O BRASIL NÃO DEIXOU DE SER COLÔNIA DE EXPLORAÇÃO. OS PAÍSES DESENVOLVIDOS JÁ COMPROMETERAM OS SEUS RECURSOS NATURAIS, OU NÃO OS QUEREM COMPROMETER, POIS, SABEM DA SUA EXTREMA IMPORTÂNCIA PARA A SOBREVIVÊNCIA DOS SERES VIVOS, ENTÃO QUE SE DANI O BRASIL. UM DEPÓSITO DE LIXO HOSPITALAR, E RECEPTOR DE TUDO O QUE NÃO PRESTA QUE VEM LÁ DE FORA. HÁ OUTRA COISA,É BOM RECORDAR O QUE FEZ MUITAS EMPRESAS SE INSTALAREM AQUI NO BRASIL, FOI O NÃO COMPROMETIMENTO COM LEIS AMBIENTAIS.

  • Clébia

    -

    17/5/2012 às 3:23 pm

    Impressionante a forma que estas senadoras ” ignorantes” nao entendem que vao exterminar a biotopo ” embriao” de vidas na Amazônia que de uma certa forma é o berço (virus, bactérias, bacilos, etc)da humanidade.
    Tentam convencer o povo da importância dos Agro-negocios, produçao de alimentos etc, que na verdade um grupùsculo é que lucra exportando ou vendendo caro no mercardo interno. Nao falta alimento no Brasil mas nem todos pode comprar. 30% da alimentaçao de uma familia é jogado no lixo, inconsciência ,falta de orientaçao,sim. Sabem quantas toneladas de frutas e legumes sao jogadas no lixo pelos supermercados que nao conseguem vender tudo? porque nao dar pros mendingos? pra merenda das escolas pùblicas?
    Trabalhei 8 anos em Rondônia com projetos de orientaçao agricola,ninguém, ninguém ,respeita as Leis ambientais. Sôbre Area total que deveriam desmatar, proteçao das margens dos rios e lagos de 50m,derrubam tudo ,em 2 anos assoreamento devastador nos rios e lagos afetando a fauna aquàtica. Destroem tudo e ainda vao pro supermercado comprar frutas e legumes, uma aberraçao. Exemplo chocante; durante uma supervisao na fazenda de um cliente conversando durante o cafézinho, a mulher falou que estavam passando fome. Olhei suprêsa e disse, e tôdas estas fruteiras ?” melao, mangas , cajù , bananas, cajàs, laranjas, abacaxix, abacates. Tudo sôbre-carregados, ela disse nao Dra,isso é pros bixos, comida pra gente tem que ser milho e feijao.
    Os anos que trabalhei na Amazônia foi muito importante em termo de consciência da realidade do nosso Povo.
    Deveremos lutar contra o iletrismo e conscientizaçao de como utilizarmos o que temos au alcance das maos. Explorarmos os latifundios improdutivos do Nodeste,mais 33 milhoes de àreas produtivas. Irrigar em vez de desmatar, usando a dessalinizaçao ,proços profundos usando métodos eficaz de cultura minimizando a evaporaçao.

  • VITOR

    -

    17/5/2012 às 2:35 pm

    Maju 14/05/2012 às 10:57 então voce acha que cientistas e técnicos são insentos de orientações ideológicas, principalmente quando tiveram a oportunidade em inumeras audiencias publicas para se manifestarem e debaterem o parecer do relator do código que visitou cada canto do Brasil e viu suas particularidades como também ouviu de seus moradores as consequencias da atual legislação (ele o relator não foi sozinho levou consigo especialistas para avaliarem e lhe tirarem duvida sobre qualquer questão como ouviu quem diretamente e afetado por ela, que estaria sujeita aos subjetivismos de juizes e fiscais que como já disse em outros comentários se corrompidos ideologiacamente poderia persigui-los se sua ideologia os considera inimigos, já que tem uma legislação fora da realidade do Brasil rural feita por pessoas ligadas a ongs financiadas com dinheiro do agronegócio estrangeiro, que punem mesmo sabendo das condições reais do trabalhador do campo, que torna imposivel sua sobrevivencia se cumprise a aual legislação por completo, como já aconteceu com gente que perdeu a casa, por estar a beira de corregos, recebeu multa com o valor bem maior que o valor de sua propriedade, basta fazer uma pequena pesquisa no google para confirmar o que eu falo) em suas vidas. Também existem inumeros estudos de agronomos que dedicaram anos de suas vidas sobre o tema que comprovam o que dizem esses cientistas não é ciencia, e sim ideologia em favor da causa. Para lembrar ou caso não tenha informação para informar, aqui no blog foi mostrado um cientista que era usado como referencia pelos alarmantes do aquecimento global, onde ele diz em auto e bom tom que não existe aquecimento global ou mudança climatica e disse ainda que muitos cientistas mentem sobre isso ainda para continuarem receber dinheiro para suas pesquisas. E quanto as catastrofes, a muitos cientistas que dizem que a terra passa por estes ciclos em tempos e tempos. Em relação a mídia que se utiliza desses pareceres feitos por seus colegas de causa, não agir com parcialismo, faça-me o favor de não ofender a boa lógica. E enquanto a fome que voce diz que vai chegar, ela não exite hoje ainda por causa dos produtores rurais que apesar de toda a campanha que fazem contra eles, continuam plantando e alimentando o país com safras recordes que vivem salvando a economia brasileira de fechar no vermelho, como também é um dos setores que mais emprega. Fome existiria e já de imediato se não fosse esses a produzir tanto, influenciando o preço da comida no mercado como direta e indiretamente empregando gente para compra-la. Acha que comida importada é barata e movimenta a economia e emprega gente como o proprio setor nacional faz hoje (pesquise que voce ira saber). Me pergunto quantos desses palestrantes que diz ouvir, fizeram pesquisas de campo aqui no Brasil e detectaram suas particularidades, e as consequencias de suas afirmações em cada povo de sua região. Pois é, ouvi outros palestrantes falarem dos exageros como mentiras na area além de ver no próprio campo a lógica dessas elucidações, além da boa e velha experiencia de viver num desses lugares, e não achar que compreende algo como voces acham, que só viram na televisão ou em palestras de pessoas tão informadas quanto voces. Mais essa coisa montada tem um fim especifico que é, destruir a agricultura nacional em pro do agronegócio estrangeiro que financia estes estudos como também as ongs (a maneira mais inteligente que eles usam é usar seu povo contra ele mesmo e sua economia).

  • sidinei

    -

    17/5/2012 às 2:07 pm

    éssa polêmica em torno do código florestal serve apenas para desviar o foco da grande fonte de contaminação dos rios, que ocore no meio urbano por esgoto e lixo. e quem acha que estou mentindo é so visitar qualquer rio antes e depois dele entrar em uma cidade, quem assinou o veta dilma deveria pensar nisto quando puxa a descarga do banheiro.

  • cidadã consciente

    -

    17/5/2012 às 10:47 am

    argumento de D. Kátia e falacioso, já que a própria produção agrícola será imapactada pela redução das APP. Sem elas reduzirão serviços ambientais tais como disponibilitade de polinizadores, de predadores para o controle biológico de pragas. Controle Biológico de pragas???Para quer manda pesticida para contaminar os alimentos e poluir as águas. Afinal ela advoga em favor das grandes coorporações que produzem agrotóxicos!

  • Paulo

    -

    17/5/2012 às 9:41 am

    É incrivel como as entrelinhas levam as pessoas a virarem massa de manobras e tomam posições que eles querem. Todas as legislações existentes seja ambiental/transito se elas fossem fiscalizadas e cumpridas não necessitaríamos “arrochar todos” onde fiscal do IBAMA é morto/ameaçado e poderíamos estancar o desmatamento nada é feito e o desmatamento continua. Outrora, o desmatamento era incentivado e agora torna-se criminoso? Estamos numa encruzilhada. Necessitamos de alimento/energia temos que discutir que tipo de vida queremos no futuro próximo.

  • João

    -

    16/5/2012 às 7:32 pm

    Quero fazer coro com o Vitor (5e27). Fernando, os mais prejudicados com as sugestões dos ecochatos ao CF são os pequenos e médios produtores. Os grandes proprietários podem se ajustar sem comprometer significativamente a renda. Para onde irão os que tem menos área e só aquela para sobreviver? Ou você está disposto a compensar com subsídio (pagando mais pela comida, por exemplo, ou tirando recursos de outros investimentos necessários, como educação, segurança e saúde) para que este pequeno produtor fique onde está (claro, se não perder a casa onde mora perto do riacho ou na encosta do morro). Se ele não puder ficar ali vai engordar os cinturões de pobreza da cidade! Vai trabalhar no que se não tem profissão? Vai viver do que? Bolsa família, decerto… Para finalizar. Onde estão localizadas as maiores bacias leiteiras do país? Onde está localizada a produção de uvas (p/ produção de vinhos) e de frutíferas como maçãs e pêssegos no sul? E boa parte (não afirmo a maioria) da produção de verduras (tipicamente um produto de pequenos produtores rurais)? Pensem nisto antes de vociferar bobagens…

  • Raimundo Nonato P. Nunes

    -

    16/5/2012 às 3:57 pm

    Se não se cuidar, cai-se nos argumentos de Dona Katia e outros políticos, cuja ambição de lucros não tem fim e que arrancariam até a última árvore das florestas para ter mais lucros. Dá pra desconfiar, que, literalmente, “nessa mata tem coelho. Pelo histórico da senadora-desmatdaora, ganhadora do troféu “motoserra de ouro”, por sua linguagem sempre positiva, a la Maquiavel, defendendo as mudanças no Código, dizendo que não precisará desmatar, elogiando os relatores, elogiando-se no Twitter abundantemente, etc etc. Uma tomada de consciência, dá uma certeza, acima de tudo. A Natureza não falha. Está certíssima. Segue uma linha imutável. Se seguirem por essa linha a resposta é infalível e só trás benefícios. Por outro lado, se houver um único desvio, só trará malefícios. A resposta é, da mesma forma, infalível. Tanto para o Bem como para o Mal. É tanto que, em um ambiente sem matas, os rios secam e temos a tristeza de um Nordeste. Resta seguir a lógica. Daí teremos as respostas para o funcionamento perfeito da Natureza, que não admite interferências nocivas. E, vamos combinar, na mão de ambiciosos, cuja cupidez pelo dinheiro não tem limites, vamos todos padecer com a falta de alimentos. Vamos gastar muito mais que bilhões, para tentar consertar os estragos no sistema, sendo que para muitos não haverá mais conserto. Temos exemplos de sobra. Mexer de forma errada num sistema, como se diz, vulgarmente, “dá pau”. É só pensar nos sistemas computadorizados, que utilizamos, pois tudo é uma imitação de fenômenos da Natureza, através dos quais gênios se guiaram, observaram, “matutaram” para fazer seus inventos. Se os ruralistas quisessem era só usar um sistema computadorizado para se guiar corretamente e evitar interferências no ecossistema. Eles sabem disso, mas não querem isso. Têm pressa. Preferem se empenhar para confundir as pessoas. Não devemos esquecer de uma coisa que se chama equilíbrio e seu oposto – desequilíbrio. Se deixar nas mãos de especuladores, ninguém duvida qual dessas opções escolherão, contanto atinjam seus objetivos imediatistas. O futuro e as gerações, que ainda estão por vir, que se danem. Em sã consciência, não tem um indivíduo, sequer, que possa negar que um ambiente equilibrado gera fartura e bonança. Nem precisamos ser “experts” ou cientistas. É só seguir a lógica perfeita da Natureza, atentar para os seus recados, “ler” as mensagens que envia. Tão simples como saber qual a mensagem que nos transmitem nuvens pesadas. Isso acontece para todos os fenômenos. Dos mais simples aos mais intrigantes. E nem precisa ser douto e culto para entender a linguagem da lógica.
    Mesmo considerando os que não se informam, que não conhecem nada da ciência da Ecologia, que nesse assunto são um zero à esquerda vou deixar meus comentários. Não os culpo. Devem ter estudado pouco, devem ter sido relapsos na Escola e devem ter faltado às aulas de geografia. Pra completar, a senadora Katia Abreu tem sucesso, pois convence os mais “bronquinhos”. De modo que, se não cuidar cai-se …

  • VITOR

    -

    16/5/2012 às 5:27 am

    È incrivel como tem gente desinformada. fenando 15/05/2012 às 18:11,da onde voce tirou que os pequenos produtores e estou ainda incluindo os médios conseguem cumprir a legislação ambiental atual? pela pequena quantidade de terra que eles tem que os determina como pequeno e médios, tirando morros e corregos, não estou nem falando dos rios que dependendo da largura abarcam uma area maior de terra que deve ser reflorestada (depende de sua largura) fora tudo isso que tem metragem especifica que não é pequena, ainda mais, numa pequena e média propriedade, fora isso o produtor tem que destinar de 20%, podendo chegar a 80% da propriedade rural dependendo do Estado para reflorestamento (area de preservação permanente). Agora soma isso mais os morros as beiras de corregos de rios onde para quem não conhece o Brasil, a municipios e muitos, mais muitos mesmos que são praticamente formados por morros que tem inumeros corregos mais inumeros mesmos que passam dentros deles, agora imagina somando tudo isso o que sobra para o produtor. Quem falar que a pequena e média propriedade Brasileiras conseguem cumprir as exigencias da atual legislação por completo (sem risco de perseguido por fiscais e juizes ideologicamente corrompidos, porque não apuram a realidade, apuram de acordo o que a ideologia determina como inimigo e ainda amparados por uma lei que foi feita por gente ligada a ongs financiadas com dinheiro do agronégocio estrangeiro) e ainda sim, “unica e exclusivamente”, “só através dela” como são as maioria quase absoluta (que só vivem do que tira do campo e não tem outra fonte de renda) dos produtores conseguir dela viver, estar agindo com muita má fé. Voce disse que na historia nunca ninguém morreu de fome por falta de comida, nem vou tão longe para demonstrar que esta enganado, na coréia do norte no interior as pessoas quando tem um parente que morre comem a carne de seu corpo, não é por cultura não, é fome mesmo. Um dos fatores que impede as pessoas de comprarem comida é a situação economica, (onde os produtores brasileiros salvam o Brasil de fechar as contas no vermelho e oferecem grande quantidade de alimento que influencia no preço do mesmo, já que quanto mais oferta de um produto no mercado mais seu preço tem de ser menor pela quantidade de oferta, e ao mesmo tempo é um dos setores que mais emprega, não confundir com trabalho escravo, que exite muito nas cidades também, os bolivianos que o digam não!) a importação de comida (comparem os preços da comida Brasileira com dos países que importam que se consíguira entender), politica (o tipo de regime que reina no país que ira influenciar o desenvolvimento economico e as relações Estado e povo) etc. Em relação aos transgenicos se for comprovado que eles fazem mal cabe é o governo limitar seu uso.

  • Marcelo

    -

    15/5/2012 às 11:43 pm

    Quem estiver interessado na contra-argumentacao ao artigo publicado na Folha pela Senadora Abreu, pode consultar o artigo do Prof. Jose Eli da Veiga, publicado no Jornal Valor Economico sob o titulo de “Perfidia contra o Codigo Florestal”.

  • Ovidio Bertholi

    -

    15/5/2012 às 9:56 pm

    É inadimissivel que um projeto tão prejudicial ao pais e que coloca as pessoas que cometeram crime ambiental, desmatando a Mata Atlântica, agora a Amazonia da forma mais irracional possivel, seja aprovado por representantes eleito pelo povo e um projeto que so trara maleficio ao País.

  • Souza Neto

    -

    15/5/2012 às 7:26 pm

    Sugiro aos que tentam contestar a opinião do autor a leitura do livro “MÁFIA VERDE 2 – AMBIENTALISMO, NOVO COLONIALISMO”.

  • João

    -

    15/5/2012 às 6:53 pm

    Ramurti das 15e13 (15.05), a pobreza de Roraima é devida a falta de infraestrutura. Como escoar a produção (ou trazer alimento e outros bens) se não há estrada, trem ou barco que possa levar a produção (falta de visão estratégica e investimento de governos incompetentes, especialmente o do cachaceiro mor, porque a economia mundial naquele período nunca foi tão dinâmica). E se houvesse, a que custo? Você estaria disposto a pagar duas ou tres vezes mais pelo óleo de soja ou seja o que for? Acho que não! Mas queres que os produtores sejam os culpados. A miséria que se instalou lá, e vai piorar, é porque precisam (e precisarão ainda mais) trazer alimento de fora – tiraram os produtores e deram pros índios por decisão do STF.
    Mais um detalhe, a preservação da Amazonia no estado do AM deriva, em muito, da falta de terras para plantar no meio daquele mar de água (produtor não é burro como imaginas).
    E onde há terra, não há estrada. Como chegar ou sair. Os noticiários na TV estão recheados de imagens de caminhões atolados e quebrados.
    Utilizar o exemplo do Japão é de doer… como um país com 128 milhóes de habitantes em 377 mil km2 (distribuidos em 6,8 mil ilhas) pode produzir o alimento que consome? Claro que devem ter outra visão estratégica. A burrice é nossa em não aproveitar para vender comida para japonês com fome e com dinheiro. Qtos outros países estão na mesma situação que o Japão? Olhem os mapas… e vamos aproveitar que temos terra (nem precisamos abrir novas fronteiras agrícolas e só não regredir – especialmente com este discurso besta de retirar 30 e tantos milhoes de hectares produtivos), tecnologia e produtores capacitados e com vontade (ainda, mas não sei até quando) de produzir.

  • fenando

    -

    15/5/2012 às 6:11 pm

    Na verdade, se no mundo as pessoas morrem de fome, não é por causa de falta de comida, nunca foi, nunca na história, a desculpa é a mesma dos transgênicos, vai aumentar a oferta de alimento, hoje praticamente toda soja, trigo, cana, feijão e tudo mais, nem por isso diminui os preços dos alimentos, agora pagam royalties pelas sementes… esse outra desculpa do avanço da época do João garante é outra furada, isso faz mais de 40 anos… então isso tudo não passa de simples ganância dos grandes ruralistas… apenas dos grandes pois os pequenos no geral cumprem com suas obrigações ambientais…

  • Ramurti

    -

    15/5/2012 às 5:56 pm

    “Terras improdutivas somam 134 milhões de hectares (…) demonstram a falácia dos argumentos dos ruralistas sobre a necessidade de mudanças no Código Florestal para liberação de áreas para a expansão do agronegócio” segundo o Engenheiro agrônomo Gerson Teixeira, ex-presidente da Associação Brasileira de Reforma Agrária.
    Realmente, o que mais tem no Brasil e’ terra improdutiva. Qualquer um pode instalar o Google Earth e visualizar as areas desmatadas em estados como Rondonia, Roraima, Para, Mato Grosso, etc. E’ facil de ver latifundios e mais latifundios sem nada plantado, sem uma cabeca de gado. Nao e’ necessario desmatar mais para liberar mais area para o Agronegocio. O governo devia e’ estar fazendo a reforma agraria.

  • Titus Lucrécio

    -

    15/5/2012 às 3:38 pm

    Isso tudo é um absurdo pois devíamos estar defendendo os produtores que tanto lutam nesse país para melhorar sua produção e aqui estamos discutindo como devemos prejudicar esses produtores. Sim , digo prejudicar pois o produtor rural além de correr o risco iminente a qualquer negócio ele também está sujeito ao risco do tempo(seca, geada, pragas e outros).Mas mesmo com todas essas dificuldades a produção do Brasil vem sempre aumentando , mostrando que os produtores cada vez mais estão se especializando. Sem contar da dificuldade do mercado pois em outros países muitas dessas culturas são subsidiadas pelo governo local, disputando de forma totalmente desigual com a nossa produção.
    Mesmo com todas essas dificuldades vem essas criaturas (ambientalóides) defendendo diminuir nossa produção ,ou seja, criando mais uma dificuldade para os produtores.
    Que país de m………..Queria saber pra onde vamos com tanta idiotice. Com a redução de área de produção consequentemente teremos uma redução de alimento em nosso país. Portanto os preços aumentarão. O interessante é se essa conta fosse enviada para esses animais (a cambada do “veta Dilma”) ,tudo bem , mas infelizmente todos nós iremos pagar.
    Alguém alerte a essa cambada que eles estão ajudando ao nosso país a cada vez mais, regredir no desenvolvimento. Também não sei se adianta pois essas criaturas tem uma inteligência abientalóide.

  • Ramurti

    -

    15/5/2012 às 3:13 pm

    Todo mundo deveria abrir o Google Earth e olhar para o estado de Rondonia. Completamente devastado, exceto poucas areas indigenas e parques que estao sob constante ameaca. Continua um estado pauperrimo. Onde esta’ a tal riqueza propalada pelo agronegocio? Na mao de poucos, os coroneis locais. Paises ricos como o Japao nao produzem os alimentos que consomem, ja’ que podem importar a precos baixos de paises como o Brasil. Sua riqueza vem da inteligencia, da producao de produtos com alto valor agregado. O que o Brasil deveria fazer e’ investir em educacao e nao destruir as suas florestas para satisfazer a ganancia de poucos. Veja o exemplo do Amazonas. Como existe um polo industrial no meio da Floresta, o Amazonas continua sendo o estado amazonico com a maior area preservada. A Amazonia e’ importante por regular o clima de quase todo o Brasil, inclusive em garantir as chuvas que irao abastecer as bacias hidrograficas e finalmente as grandes cidades onde esta’ a maoria dos brasileiros.

  • Lucas Rafael

    -

    15/5/2012 às 12:48 pm

    Esses bacanas do ecologismo querem salvar o meio ambiente e se esquecem que o homem faz parte do mesmo.Preferem salvar uma árvore a dar de comer a cinco pessoas de uma familía .Outra coisa que estes farsantes continuam a dizer,é que existe uma “anístia” para perdoar crimes ambientais.Um dia desse o Jornal Nacional endossou a tese falsa da “anistia”;que falta de esmero!

  • Maju

    -

    14/5/2012 às 7:06 pm

    Que frase de efeito, lê-se neste Forum: “É inaceitável que o Brasil abra mão da sua capacidade produtiva, deixando de contribuir plenamente para a redução da pobreza, já tendo a maior área de preservação do mundo.” Como se os políticos, grandes fazendeiros, que são, fossem abrir mão de alguma coisa. Vai saber se as ramificações não estão nas cachoeiras, quedas d’água e que tais. Independente de qualquer discussão, a Natureza dará a última palavra. Algumas amostras já se vê pelo Planeta. E essa última palavra será definitiva. É só fazer uma visitinha ao site da NASA e ler o que temos sobre explosões solares. Ou será que vão negar o conhecimento dos cientistas de lá, também?

  • Gabriel

    -

    14/5/2012 às 6:14 pm

    Caro Azevedo.
    Teria como estudar um pouco mais de direito ambiental? Até a OAB citou inconstitucionalidade nesse projeto de lei. Os interessados na aprovação estão no poder, na câmara e no senado.
    Uma lei tão importante como essa, tem que dar ouvidos à comunidade científica, seja agronômica ou ambiental. Tem que ser consruída baseadas em dados científicos.
    Comparar um país com a megadiversidade natural que temos com países em zona temperada da Europa ou nos EUA é ser ignorante!
    Segundo dados da Datafolha, mais de 80% da população é a favor do veto. A aprovação seria contra a democracia.

    Se Dilma tiver bom senso e cumprir a promessa de campanha, vetará integralmente.

  • LABOR

    -

    14/5/2012 às 4:58 pm

    Europa, EE.UU. e outros praticamente acabaram com suas florestas e se adequaram à nova situação sem problemas maiores e até com vantagens. O problema indígena nos EE.UU. foi resolvida de forma prática e hoje contribuem
    mais para o bem da nação. Aqui, em Pindorama, cedemos a eles grandes reservas e esperaremos cem anos para que sejam convenientemente utilizadas. É obrigação de cada terráqueo preservar o meio ambiente, mas não de qualquer forma. Aquele riozinho de 30,40 kms, que margeia diversas cidades, outrora belo , hoje quase sem água e da cor de lodo,poluído por dejetos de todo tipo (são milhares desses rios no país) já tiveram a preocupação dos ambientalistas-veta-dilma?. Será que já propuseram aos órgãos ambientais a sua recuperação sugerindo-lhes um mapeamento, km por km, desde o nascedouro até a desembocadura, envolvendo prefeitura, proprietários e tudo o mais necessário a esse fim. Ora, ora, não fazemos as coisas mais simples e estamos querendo salvar o planeta.Vamos proteger elefantes,girafas (esses bichos comem muito), onças e tigres (amestra-los para o circo), cobras (se não existirem não precisaremos do soro anti-ofídico) ou vamos proteger a humanidade?. De qualquer forma, se querem mesmo defender a humanidade siga o conselho contido em meu eslôgã: ” PRESERVEM O MEIO AMBIENTE: NAO PROCRIEM ” que, repito, cedo aos orgãos ambientais sem cobrar direitos autorais.

  • Ana

    -

    14/5/2012 às 4:24 pm

    Quais as suas fontes, Andre Carvalho de 12/05/2012 às 10:16?

  • Ana

    -

    14/5/2012 às 4:15 pm

    Ô Adriano de 12/05/2012 às 21:11, você então acha então que pra participar da associação de agricultor, a pessoa deveria ser… médica? Bombeiro? Encanador, talvez?

  • A.A.ROCHA

    -

    14/5/2012 às 3:14 pm

    PELO QUE VEJO, QUNDO UM ARTISTA GLOBAL VEM A PÚBLICO DEFENDER UMA CAUSA, É SINAL DE QUE …”TEM BOI NA LINHA”! LEMBREM-SE DA USINA BELO MONTE?
    A DONA CAMILA PITANGA, APÓS A PUBLICAÇÃO DO ARTIGO DE DONA KATIA, DEVERIA VIR A PÚBLICO E CONFESSAR QUEM A FINANCIOU, POIS, EM TROCA DE ALGUNS “TROCADOS”, ENTROU NUMA BAITA FRIA!!! ESTÁ DEFINITIVAMENTE DESMORALIZADA, PARA O FUTURO, JUNTO AOS CANAIS PUBLICITÁRIOS!

  • carlos

    -

    14/5/2012 às 2:51 pm

    Para o Sr. João das 13:58.
    O sr matou a cobra e mostrou o pau, para esses idiotas que pregam contra o agronegócio.

  • João

    -

    14/5/2012 às 1:58 pm

    Ao Gabriel Cantilio (23e20)… debater sim, mas com números corretos e com informação atualizada. Vamos por partes (como diria um certo Jack, ao que foi noticiado há pouco, possivelmente uma Jackie)… de onde vem este numero de 70% em pequenas propriedades contra 30% de grandes propriedades? Isto é uma falácia repetida ad nauseam… Pergunto: os produtores de frangos e suínos de sul a norte no país (aqueles que fazem do Brasil um dos maiores fornecedores de proteína no mundo e não aquele que têm meia duzia de galinhas ciscando e porquinhos fuçando no terreiro) dentro do seu conceito são pequenos produtores? Dependendo da platéia são pequenos agricultores (quando interessa a determinados objetivos e argumentação como a sua). De resto não se lhes dá este enquadramento. Qual negócio de base familiar (até 4 módulos) pode gerar 15 empregos por hectare (e nem comento que estes produtores podem incorrer em nenhuma cláusula de trabalho escravo, conforme dispõe a NR31 – muitas vezes nem os proprios têm para si as condições que estão na NR) sem ir à falência? Alguem acha que com 4 ou 5 módulos, plantando milho, feijão ou mandioca, ter umas vaquinhas e porquinhos um produtor familiar pode dar uma vida digna e algum conforto para sua família? Hoje, o campo está envelhecendo – os jovens estão procurando outros caminhos (e só viajar pelo interior e ver o que está se sucendendo) – mas ainda se fica neste discurso ultrapassado para o `povo da cidade` (infelizmente ignorante nestes assuntos) e que acreditam que é possível fazendo (plantando e criando) de tudo um pouco e, com isto, ter uma vida confortável (idílica até) no interior. Saiam do conforto ar condicionado e se instruam…

  • Lyon

    -

    14/5/2012 às 1:57 pm

    Interessante a Camila Pitanga.
    Filha de pais negros, não deveria ter qualquer constrangimento pela sua cor.
    Mas parece que se integrou na tribo do Mickael Jackson e vem mudando constantemente a cor da pele e principalmente dos cabelos.
    Logo, logo, será uma loira escandinava.
    O mesmo acontece com outros astros da TV e da música.
    Seria preconceito?

  • odilon alves

    -

    14/5/2012 às 12:35 pm

    FELIZMENTE,nos temos uma grande representante a frente da CNA, A Senadora kATIA Abreu. Parabens pelo seu comentario sobre O VERGONHOSO VETO, que ambientalista estão pregando Contra a APROVAÇÃO DO CODIGO FLORESTAL. Será que esta turma que não GOSTA DE TRABALHAR E ESTÃO A FRENTE DE ONG´S sustentada com o dinheiro público não toma vergonha na CARA!

  • odilon alves

    -

    14/5/2012 às 12:28 pm

    INFELIZMENTE, tem muitos ambientalista, que não sabe como o ALIMENTO que eles mesmo consome, CHEGA na mesa dos Brasileiro. Será que eles sabem que mais de 60% DA AREA TERRITOTIAL DO brasil É ocupada com Matas Nativas e que somente 27,7% é ocupado com a produção AGRÍCOLA! ou será que iremos produzir em canteiros nas coberturaS DOS SEUS APARTAMENTOS! – odilon alves – zé doca-ma

  • Bruno

    -

    14/5/2012 às 12:07 pm

    Extremamente parcial essa conclusão. Nada fala sobre anistia a desmatadores e nem da importância real da proteção que está sendo defendida. Pelo contrário, se mostra irresponsável e mentirosa ao seu proteger no argumento que tanto lucro e tanta comida é pra ser partilhado com pobres e esfomeados.

  • LUCIANO MENEZES

    -

    14/5/2012 às 11:59 am

    Dirijo-me à Senadora Cátia Abreu.
    Recebí o link do “Veta Dilma” e confesso que o apoiei. Porque? Porque os argumentos apresentados guardaram uma sintonia com o momento circunstancial, o da defesa ambiental. Um dos fatores que mais me preocupou foram as margens dos rios. Por outro lado eles estão sendo mais eficientes na divulgação. Neste momento, percebo que posso ter cometido um engano os apoiando. As suas informações precisam ser extendidas a todo povo brasileiro e melhor divulgadas. Não só virtualmente mas à toda massa que age por impulso.

  • ALGUEM ME AJUDA AI...

    -

    14/5/2012 às 11:47 am

    A bonita e competente atriz Camila ultimante anda gravando muitos comerciais para orgaos ppublicos, imaginem se ela teria coragem de desagradar seus patrocinadores. O povo brasileiro que votou para eleger a sra.Dilma espera que ela vete a corrupcao, a mentira, os saques em propriedades privadas, e nao atrapalhe quem produz alimentos para sustentar a populacao brasileira que nao para de crescer.A sra.Camila nao planta, nao cultiva, nao cria gado, os alimentos ela encontra nas finas prateleiras dos hipermercados que frequenta, entao eh muito facil se aliar a esquerdalha e gritar “veta Dilma”, enquanto isso segue gravando comerciais para a Caixa, duvido que se ela criticar as politicas do governo vai seguir gravando comerciais.

  • Gilmar

    -

    14/5/2012 às 11:24 am

    Sei não. Eu recebi um email deste movimento “Veta Dilma”. Confesso que não estou muito por dentro deste debate sobre o código florestal. Em linhas gerais pelo que percebi, oque foi aprovado pelo Congresso é o mais correto. Mas em fim, oque eu percebi neste email que recebi é que o pessoal do movimento usou um simbolo “#” como logo da campanha, muito parecido com outra campanha “Eu voto distrital”. Esta sim eu estou por dentro e aprovo sem por cento. Ja o “Veta Dilma” era contra e agora mais ainda pela malandragem.

  • Sampaio

    -

    14/5/2012 às 11:16 am

    Incrivelmente não vemos a maiorias destes atores e atrizes inúteis se empenharem em causas descentes. Raros são os que manifestam seu repudio a avalanche de corrupção que farre este país por exemplo, aderir a este tipo de militância é muito fácil, basta ter a cara de pau de fingir comprometimento com a sociedade e se posicionar em frente a uma câmera e acionar a “válvula de descarga deste esgoto ambiemtaleco”.

  • Maju

    -

    14/5/2012 às 10:57 am

    Pelos comentários de alguns, nota-se que compraram a idéia, de outros. Bitoladas, diga-se de passagem. Esbravejam sem conhecimento de causa. Talvez se achem mais entendidos que cientistas e técnicos. Estão, portanto, negando a ciência. Além do que, ofendem as pessoas. As pessoas não servem, por serem contra a destruição do rico patrimônio natural do Brasil. Em razão disso são “otárias”, “frágeis intelectualmente”. Os grandes jornais passam a ser “jornalões”, quem defende as florestas tem “o coraçãozinho tolamente ingênuo”. Debocham, zombam, sem conhecimento de causa. Com essa cultura o brasileiro não vai chegar a lugar nenhum. Pegam a esmo uma notícia aqui e ali, favorável, às mudanças no Código, e fazem disso sua bandeira. Estes, sim, “coraçõeszinhos tolos”, que acreditam na lavagem cerebral aplicada por interesses politiqueiros e morrem de medo de ficar sem alimento. Vão ficar sem alimento, sim, de qualquer jeito, porque não vai ser um Código Florestal perfeito que vai salvar as florestas. Num País de debochados, quem obedece leis? Nada vai impedir o degringolar do meio ambiente e, com isso, o desequilíbrio ecológico, já em andamento. Esse sim, justamente pela não preservação das florestas, vai gerar a fome, que tanto temem. E a sede também. Quero ver essa gente em um bate-papo com quem entende do ramo. Recolher-se-iam, imediatamente à insignificância de seus argumentos. Nada sabem dos rios aéreos, gerados pela Floresta Amazônica, que influenciam no clima, e tantas coisas mais, além das fronteiras. Só pelos argumentos, a falta de conhecimento salta aos olhos. Recomendo a todos esses que façam pesquisas, que leiam trabalhos científicos, que compareçam a palestras de cientistas e técnicos. Mas acho que não se interessariam. Dá preguiça. É melhor pegar carona na opinião de outros. Será que a verdade está com aqueles a quem criticam e condenam, diariamente, por fazerem parte de uma política corrupta?

  • Renato

    -

    14/5/2012 às 10:24 am

    A campanha “Veta Dilma” é um dos maiores crimes contra a economia brasileira. São bilhões de reais gastos por ongs onde não é permitido sequer o debate. Os produtores ruais de hoje são análogos aos “burgueses” da Rússia pré-revolucionária ou os judeus na Alemanha na década de trinta.

  • SOBRAL

    -

    14/5/2012 às 10:03 am

    Reinaldo, por gentileza acredite!
    Considero “veta, Dilma!” uma medida extremamente salutar, compreensível, até por uma questão de sobrevivência. Afinal como essa gente poderá se alimentar se não houver capim para comer? A produção de grãos e similares não precisarão de imensas áreas de plantio, pois sua destinação será apenas para aqueles que possuam mais de cinco neurônios, o que todos nós sabemos não serem muitos, infelizmente!

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados