Blogs e Colunistas

25/02/2014

às 15:52

No caso da Ucrânia, melhor a prudência. Nem todo mundo por ali é mocinho…

Então tá. Fique muito animado com o que aconteceu — e está acontecendo — na Ucrânia quem quiser. Eu me reservo o direito, quando menos, à prudência. Reconheço, e já tratei deles aqui, os motivos que resultaram na tal revolução, as razões históricas para o ressentimento contra a Rússia etc. Mas não se pode dizer que o que se viu por lá contribua para construir uma sociedade, vá lá, pacífica. A Ucrânia não era uma ditadura, como é a Venezuela — ninguém teve tempo de contar isso a Dilma ainda (ver post desta manhã). Viktor Yanukovich era o presidente legal e legítimo — refiro-me à legitimidade democrática — do país e foi destituído num estranho golpe parlamentar, depois dos confrontos de rua.

Agora, o novo poder — um saco de gatos que inclui, sim, forças políticas moderadas, pró-Ocidente, mas também populistas delirantes e até neonazistas — diz querer que o presidente deposto seja processado pelo Tribunal Penal Internacional, que pune crimes de guerra e contra a humanidade e genocídio. E, é evidente, apesar dos 82 mortos, não aconteceu nada disso no país. Os que se manifestavam contra Yanukovich não recorreram exatamente a métodos pacíficos, a exemplo do que fazem, até agora, os opositores venezuelanos. Se a revolta armada contra uma tirania merece um tipo de consideração, é certo que esse mesmo metro moral não pode ser usado para avaliar quem se insurge contra um governo instituído segundo as regras da democracia. Nem toda rebelião faz um país avançar no caminho da civilidade. Tenho minhas dúvidas sobe a Ucrânia. E tomara que sejam infundadas.

A metade “russófila” da Ucrânia não está comprometida com a “revolução”. Um dos novos líderes do país é um boxeador que tem um partido cujo nome quer dizer “soco” ou “murro”. Yulia Tymoshenko, com aquela trancinha na cabeça e um ar, assim, de camponesa recatada, nem parece uma das neomilionárias do desmoronamento do sistema soviético — havendo fundadas suspeitas, que nada têm a ver com a perseguição de adversários, de que mantenha uma fortuna no exterior. A exposição dos “luxos” da casa de campo de Yanukovich, guardada por um miliciano, não convida o observador prudente a ter muitas esperanças. As ruas ainda estão tomadas por milícias que falam em nome de um incerto “governo” e dizem que permanecerão mobilizadas até as eleições de 25 de maio.

Muito bem: e se o resultado não for exatamente do seu agrado? E se o novo governo descobrir que tem de contemplar também aquela metade do país que não se identifica nem se sente representada por estes que se querem revolucionários? De resto, admita-se que, mesmo na Ucrânia europeia, deve haver muita gente que não se identifica com esses métodos.

O risco, e não se deve descartar essa hipótese, a seguir a marcha da insensatez, é a Rússia, digamos assim, “aceitar” a anexação de parte do território do país — ou uma revolta russófila da metade oriental do país seria automaticamente considerada ilegítima? A questão é simples: e se os extremistas dessa posição resolvessem recorrer aos mesmos métodos dos radicais da outra metade?

De resto, a Ucrânia tem demandas que uma Europa que ensaia sair da crise talvez não possa suprir. E a pior coisa que pode acontecer é experimentar a rejeição daqueles que eram apontados como a solução de todos os males. A verdade é que a Europa queria tudo, menos uma Ucrânia caindo no seu colo.

Por Reinaldo Azevedo

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

Envie um comentário

O seu endereço de email não será publicado.

56 Comentários

  • Luiz

    -

    26/2/2014 às 4:39 pm

    A Russia continua sendo uma ditadura atroz, sigo os comentários do kasparov, aquilo lá é só fachada democrática. Uns dizem até que foram os próprios soviets que transformaram o regime russo dada a estagnação economica causada pelo velho comunismo, dizem que os neocomunistas continuam poraí, cada dia mais forte.

  • rastilho

    -

    26/2/2014 às 12:23 pm

    A primeira guerra mundial foi realmente grande com respeito á quantidade de vidas perdidas.Estima-se que ela tenha tirado a vida de cerca de 10 milhões de soldados e deixado uns 20 milhões de mutilados.Ela também foi resultado de grandes tolices.Os lideres políticos europeus não puderam impedir que tensões internacionais se transformassem num conflito global.Mas o mais importante talvez seja o fato de que a “grande guerra”causou grandes estragos.Ela mudou o mundo de tal maneira que até hoje sentimos seus efeitos.
    A Primeira Guerra Mundial começou por causa de erros de critério.Os lideres europeus agiram como uma “geração de sonâmbulos que,sem querer,tropeçaram na beira de um precipício para a desgraça naquele tranquilo verão de 1914″,explica a obra A Queda das dinastias- O colapso do Antigo Regime 1905-1922[em inglês]
    Em questão de semanas,o assassinato de um arquiduque austríaco lançou as principais potencias da Europa numa guerra indesejada .”Como isso pode acontecer”?, foi o que perguntaram ao chanceler alemão poucos dias depois do inicio das hostilidades.”ah,quem me dera que alguém soubesse”,foi sua triste resposta.

  • Bruno Sampaio

    -

    26/2/2014 às 11:02 am

    Nunca há só mocinhos, esta que é a verdade. Na Venezuela ouvi dizer que a bandidagem está lavando a égua com o caos, saqueando, bloqueando ruas e cobrando pedágio, etc.

  • Adu ElShari

    -

    26/2/2014 às 9:05 am

    O grande problema de Ucrânia continua sendo a sua falta de unidade nacional, desde que os russos infestaram o pais com povos de outras regiões da antiga URSS.

  • maria amélia junqueira Franco

    -

    26/2/2014 às 9:01 am

    A Ucrania passou por sofrimentos inimaginaveis durante o stalinismo;o tal comunismo é “pra ingles ver”. é só olhar a casa do ex presidente; rezemos para encontrarem o equilibrio,descartando violencia DE AMBOS OS LADOS,coisa muito do gosto de jovens, sem pensar nas terriveis consequencias.

  • Weimar

    -

    26/2/2014 às 8:59 am

    Reinaldo, por lá, na Ucrânia, entre destroços e os ainda vivos, pode até não haver um mocinho sequer. Mas, amigão, eu vi um vídeo, o vi com meu próprios olhos, ninguém me contou, eu vi, sim, ao menos uma mocinha existe naquela bagunça. E que mocinha!.. Com todo respeito, claro, que ela e a Cremilda merecem. Soube que é casada. Vou chamá-la de Dona Mocinha.

    Weimar

  • Guido M

    -

    26/2/2014 às 3:03 am

    Pior do que comunista ortodoxo só mesmo comunista arrependido sob a capa de socialista progressista. Balaio de gatos é uma definição claudicante para aquele bando de revoltosos ucranianos. O Holomodor vive!

  • Pinho

    -

    26/2/2014 às 2:51 am

    e parabens a reinaldo. a melhor analise de todas sobre o que está acontecendo lá.

  • Pinho

    -

    26/2/2014 às 2:49 am

    a maioria dos comentários são sensatos mas teve um que pelo amor de deus.

    disse que algo tinha que ser feito para frear a violencia na ucrania… então é assim agora? sempre que um pequeno grupo recorrer a violencia atende-se a eles para frear a violencia? tem que dar tudo ao mst? aos indios? aos blackbloks?

    ao meu ver isso só aumenta a disposição desses grupos a violencia e causa uma escalada cada vez maior a uma ditadura como nos moldes da pós revolução francesa.

    não gostei da atitude dele se aproximar da russia, mas ele estava certo nessa atitude. ele não disse que ia se alinhar, apenas aceitou o dinheiro de quem ofereceu ora bolas. eu teria feito o mesmo.

    os manifestantes começaram os crimes, o presidente mandou a policia responder a altura, se necessario atirando para matar NÃO NOS MANIFESTANTES, MAS NOS CRIMINOSOS QUE ESTAVAM ARMADOS. o que deveriam fazer? receber pessoas portando granadas, metralhadoras e coqueteis molotov com flores e gas de pimenta? vão la voces tentar isso.

  • Nem

    -

    26/2/2014 às 1:23 am

    Outra, esta beira ao ridículo de tão absurda:
    ——-
    El jardín del general vivas según Diosdado cabello http://pic.twitter.com/LUdTTiMyC9

  • Nem

    -

    26/2/2014 às 1:18 am

    O que não falta nas redes sociais é gente acusando a oposição fascista de usar fotos antigas ou sem relação com os protestos na Venezuela. Pois bem, desta vez flagraram o segundo homem mais forte do país acusando um oposicionista com base em uma foto encontrada no Google:
    ——-
    Mentiras de Diosdado Cabello en su programa de televisión. http://pic.twitter.com/bImSXA71vP

  • Cris Azevedo

    -

    26/2/2014 às 12:56 am

    Oahhh, ainda bem que não sou só eu que achei a coisa meio esquisita, hehehehehe.
    Tá, eu não tinha TODAS as informações, não poderia julgar, mas tudo me pareceu bem….poha louca, sabe? Não “si animei”… Algo me dizia que ali era mais uma primavera de não sei o que. Bingo!

  • Renato

    -

    26/2/2014 às 12:40 am

    Será que o lado ucraniano pró-Russia não é devido a colonização czarista, e continuada, pela União Soviética?
    Os czares mandavam famílias russas para o território que corresponde a Ucrânia Oriental; com o tempo essas famílias russas tinham filhos, esses filhos tinham netos, esses netos tinham bisnetos,…
    Toda essa geração de ucranianos-russos foram educadas para amar a Russia, não a Ucrânia.
    Stálin (o comunismo em geral) deram continuidade a essa “colonização”. Então esses ucranianos pró-Russia, nada mais são que ucranianos educados para serem russos e não ucranianos.

  • O Pica-pau

    -

    26/2/2014 às 12:08 am

    O que causa confusão é enxergar sob a ótica dos estados nacionais. Estamos diante dos interesses de mega-blocos. Nesse caso temos a Elite Globalista Ocidental medindo forças com o bloco Russo-chinês (ou Eurasiano) e no meio da confusão a Ucrânia que pode cair numa guerra civil ou rachar em duas ou ambos.

  • Renato

    -

    25/2/2014 às 9:56 pm

    Tenho amigos na Ucrania que perderam parentes que nao estavam em protestos, acho que vc esta enganado a esse respeito.

  • Anónimo

    -

    25/2/2014 às 8:56 pm

    Após gravação que acusa premiê, protestos tomam as ruas da Turquia
    Marchas ocorrem após suposto áudio de corrupção envolvendo Erdogan.
    Segundo jornal, um manifestante foi ferido no olho por bala de borracha.
    Da EFE
    Manifestantes tentam se esconder de bombas lançada por policiais e de fogos de artifício solto por outros manifestantes em Ancara, Turquia (Foto: Umit Bektas/Reuters)
    Os incidentes mais graves ocorreram no bairro de Kadiköy, na parte asiática de Istambul, onde a polícia interveio com veículos blindados, utilizando canhões de água e gás lacrimogêneo.
    Um dos manifestantes foi ferido no olho por uma bala de borracha, afirma o citado jornal.
    Os protestos ocorrem em reação à divulgação de uma gravação telefônica na qual supostamente é possível escutar o primeiro-ministro, Recep Tayyip Erdogan, aconselhar seu filho, Bilal, que se desfaça de grande quantidade de dinheiro após a abertura de uma investigação contra os filhos de vários ministros em dezembro.
    Erdogan declarou esta terça no Parlamento que a gravação é ‘uma montagem imoral’ e negou que tenha alguma veracidade, mas os partidos de oposição pediram a renúncia do governo. A investigação aberta pela promotoria em dezembro motivou a renúncia de quatro ministros.

  • Gean

    -

    25/2/2014 às 8:15 pm

    Reinaldo, talvez mtos me chamem de louco pelo comentario, mas vejo os fatos de maneira diferente. Nao é só questao economica (A Ucrania esta numa posição estratégica para escoamento de riquezas como petróleo e gás). Isso é só uma dos motivos pelo qual a UE está, junto com os EUA (sempre eles por trás) interessada no distanciamento da Ucrania da Rússia. Claro que há uma mágoa histórica pelo regime comunista imposta pela antiga URSS. Mas a Rússia dá mostras de que aprendeu com seus erros passados, prova disso são os moldes mais “democraticos de governo”, o que esta preocupando os EUA, pois vêem mtos países, principalmente cristaos, apoiarem a Russia, pois esta esta mostrando, em mao oposta aos EUA, as virtudes dos principios cristaos. Quem diria, os que diziam países onde existia a liberdade é o que mais persegue, e o que mais perseguia é onde há mais liberdade. Alem do interesse da UE, que esta afundada economicamente e por isso quer a aproximação comercial com a Ucrania, há o interesse dos EUA de ainda sustentar sua influencia entre as nações, tentando manchar a imagem de seu rival histórico

  • Miguel Archanjo

    -

    25/2/2014 às 8:02 pm

    Carlos 18:10, vc trouxe a urna para o palco e me ocorreu: ” O programa já foi examinado por uma auditoria externa?” A falsificação da digital já está sendo usando por bandidos do serviço público! E agora ministro presidente do tribunal eleitoral.

  • ANDRE LUIS

    -

    25/2/2014 às 7:33 pm

    “O risco, e não se deve descartar essa hipótese, a seguir a marcha da insensatez, é a Rússia, digamos assim, “aceitar” a anexação de parte do território do país — ou uma revolta russófila da metade oriental do país seria automaticamente considerada ilegítima? A questão é simples: e se os extremistas dessa posição resolvessem recorrer aos mesmos métodos dos radicais da outra metade?”

    O resultado mais justo (ou menos injusto) seria a secessão. Não há como discordar disso. Cada um com seu governo que contemplasse sua visão de mundo. E se outras minorias estiverem irreconciliavelmente insatisfeitas, que criem tb seus governos. A concorrência entre governos seria algo extremamente saudável não só para a Ucrânia, mas principalmente para nós.

  • São fascistas vestidos de cordeiros

    -

    25/2/2014 às 7:29 pm

    Essa “revolução” é ridícula. Foi um golpe orquestrado por um monte de bárbaros (tipo black-blocs) que tinham o apoio da imprensa ocidental, que os retratava com bons mocinhos querendo mais ocidentalização, democracia, blablabla. O presidente não começou a violência, muito pelo contrário. Agora vão julgá-lo como um genocida? E os crimes cometidos pelos “manifestantes”? Tbm vão ser julgados? Acho que tem um vídeo de um policial ucraniano sendo queimado vivo depois de receber um coquetel molotov na cara. Esses “revolucionários” ucranianos estão parecendo os esquerdopatas brasileiros, que tbm ameaçam denunciar a PM à ONU pelo uso de gás lacrimogêneo e que fazem comissão da “verdade” para terem intermináveis discussões sobre a ditadura, mas nunca para apurar os crimes dos terroristas de esquerda. Infelizmente, me parece que a Ucrânia mudou para pior. Espero que a coisa não piore ainda mais.

  • Etrusco

    -

    25/2/2014 às 7:12 pm

    Reinaldo,

    Como você, ainda não consigo entender direito o ocorrido na Ucrânia.
    O que sei, é que nunca acreditei em ‘boas intenções’, na tal da ‘Glasnost’. O que vejo, nada mais foi e é, que uma divisão do ‘butim’ entre os membros do antigo politburo soviético com predominância dos antigos representantes da KGB. Acontece, que como em qualquer outro bando de ladrões, sempre aparecerão os insatisfeitos pleiteando uma ‘fatia’ maior da pilhagem a que foi submetida a URSS. Sempre haverão ‘as buchas de canhão’, no caso os pobres e ingênuos insurgentes; mas pode ter certeza, que da ‘vida boa’ passarão longe e as benesses, permanecerão com os mesmos. Afinal, eles primeiro sequestraram todos os bens da população em 1917, sem ônus algum para os ‘bonitinhos bolcheviques’. Fizeram o ‘bolo crescer’. Depois, com a queda do muro, resolveram abrir o ‘mercado’; não antes de tornarem-se os ‘neo-capitalistas’ individuais de todo o ‘saque’ de 1917. A diferença daqui, é que os carcarás saqueiam sem correrem o risco de uma ‘guerra’ aberta ao capitalismo, ou uma tentativa de ‘comunizar’ nossos bens pela via rápida. Simples assim, utilizam-se de ‘gentios’, para que se apossem de nossas sofridas ‘riquezas’ conquistadas com o suor de nosso trabalho.

  • Mauricio

    -

    25/2/2014 às 6:32 pm

    Futuro da Ucrânia: Parte ocidental novamente anexada pela Polónia ou ligada a ela, parte central e Oriental anexada a Rússia (A História não perdoa as mudanças territoriais sem sentido realizada após o fim da II Guerra Mundial)!

  • Aurélio Tasso de Miranda

    -

    25/2/2014 às 6:16 pm

    Reinaldo, o Brasil tem 124 anos de “República Democrática” e nesse tempo todo não acertou ter uma democracia de fato, simplesmente porque democracia, tal como Rousseau a concebeu, e que inspirou a Revolução Francesa, é, para todos os efeitos, um ente de razão, não existe, e nunca existirá. Sim teoricamente, mas, não de fato.
    Nenhum ser humano é democrático, porque basta crer em Deus para não sê-lo. Deus não é democrático. Ele morreu na Cruz por nós, quer a nossa salvação, mas, isso não quer dizer que Ele seja democrático, em qq sentido que se aplique esse termo. Quando estudei Ciências Naturais estava lá no texto que, na natureza apresentavam-se: o reino mineral, o reino vegetal, o reino animal … e o Homem. Penetrando mais em estudos posteriores, a constituição humana formava também um reino. Toda a natureza é hierarquizada, inclusive o homem, como ser pertencente a natureza. Simples como 2+2=4.
    Nem na França (berço da “liberdade”), nem nos EE.UU.(paladino da “democracia”) se pratica realmente.
    Não se exigirá isso da Ucrânia, que recentemente saiu do regime mais despótico que já se concebeu, o regime comunista, ateu por essência. Ainda que saiu, pois nações houve que foram aniquiladas.
    A democracia, termo concebido por filósofos gregos,( e tomou um sentido revolucionário na Revolução Francesa), aplica-se para um efeito restrito, digamos, um Conselho de Estado, onde se ouve diversas opiniões para se chegar a acordo, ou, um Conselho de Guerra, para se chegar a uma decisão. Não será uma democracia, porque alguém terá que fechar a questão. Na democracia ,não, a questão sempre ficará em aberto. Isso é doentio, isso faz mal a todos.

  • Octávio

    -

    25/2/2014 às 6:16 pm

    Reinaldo, todas as mudanças geradas por revoltas populares (me nego a chamar de revolução), acabam em M*. Vide republiquetas da América Latrina (Nicarágua, em especial). Quando estes motins aparecem eles já estão sendo insuflados por interesses de pequenos grupos “bem intencionados”. Nós já conhecemos estes anjos do bem, por aqui. Muito trouxa será a Europa se aceitar essa tranqueira.

  • Luiz Fernando

    -

    25/2/2014 às 6:14 pm

    Isso ficou muito ruim para o Putin, e acredito que ele esteja com os dias contados. Ao invés de prestar atenção na situação da Ucrânia, preferiu se exibir para a mídia nos jogos de inverno. Foi uma derrota e tanta para a Rússia e um ganho substancial para a União Européia, não somente sob a ótica militar como também sob a ótica econômica, afinal a Ucrânia é um grande produtor de bens agrícolas, o que não é nada mal para os países europeus.

  • a dilson cg

    -

    25/2/2014 às 6:12 pm

    Crise econômica + ódios latentes + governantes corruptos + banho de sangue = Ucrânia. 2. Quando deputado o comunista Aldo Rabelo queria proibir palavras inglesas no BRAZIUU e a adidas lançou camiseta de turismo sexual escrito BRAZIL! QUÁ QUÁ .

  • Carlos Steinsfield

    -

    25/2/2014 às 6:10 pm

    Prezado Reinaldo, aproveitando sua grande e qualificada audiência, e se me permitir a mudança de assunto, segue abaixo, link da cobertura do evento que comemorou os 20 anos da implantação do Plano Real – Vale a pena ler! – Grato!
    http://oglobo.globo.com/pais/e-preciso-acabar-com-vale-tudo-da-politica-brasileira-diz-aecio-11708609

  • Paulão

    -

    25/2/2014 às 5:57 pm

    Boa tarde, Reinaldo.
    Será que a Constituição da Ucrânia, tal qual a de Honduras e do Paraguai, não têm algum dispositivo que determine a defenestração do mandatário em certos casos?
    Nem me atrvi a tentar traduzir a Constituição daquele país, pois não tenho a mínima noção de linguas eslavas.
    …………………
    Mas, cá prá nós, um presidente, ou uma presidanta, que determine medidas que atentem ao estado de direito e à democracia, e até determine que o exército atire contra manifestantes “para matar, está pedindo para sair, né?

  • laércio s.

    -

    25/2/2014 às 5:56 pm

    Abaixo,li um post de Rodolfo,16:55 que embora meio deslocado do texto/assunto original do Reinaldo achei-o ótimo,com entrevista do Cardeal dom Bergoglio.Na verdade (se verdadeiro) considero-o surpreendente.

  • Daniel Sivenstein

    -

    25/2/2014 às 5:56 pm

    Sr. Reinaldo, não é só o fato de um governante ser eleito que o torna um democrata e faz do seu governo um exemplo de democracia. Mais do que isso, é a forma como conduz, executa e mesmo finaliza o seu governo é que marca essa característica. Venezuela, Argentina, Russia, Ucrânia perderam esse primado. O Brasil como é de conhecimento de alguns pouco segue o mesmo caminho.

  • Allan

    -

    25/2/2014 às 5:52 pm

    A Crimeia já pediu independencia, eles são um pouco independente, mas ainda faz parte da Ucrania, isso pode sim, ser um grande problema para o novo governo eleito em 25 de maio, mas o que não pode esquecer, o Holodomor matou 7 milhões de ucranianos de fome, para levar comida aos russos em 1933, vai ser um grande impasse, espero que se unam, mas longe da Russia.

  • MINO NETO

    -

    25/2/2014 às 5:44 pm

    REINALDO,
    .
    Só não sei se concordo com vc em relação ao ‘estranho golpe’ do parlamento ucraniano. Não conheço a constituição da Ucrania, mas era preciso fazer alguma coisa para frear a violência, em grande parte, por conta da insensibilidade do líder ucraniano. A poeira baixou POR ENQUANTO…

  • CLAUDIUS

    -

    25/2/2014 às 5:41 pm

    É mesmo. Situação complicada a da Ucrânia.

  • bruno barreto

    -

    25/2/2014 às 5:36 pm

    ahhhhhh um mar de racionalidade, igual ao que penso com a diferença que sou mais esperançose heheh, e acho sim justa a derrubada do viktor, agora como sempre digo nessas horas mais importante que derrubar o governo é a transição, é aí que vai ser necessária muita habilidade do governante, todo processo como esse na ucrania sempre tem um monte de sacos de gato mesmo, é nessa hora que o governo que vier vai ter que saber como acomodar todo esse balaio e o risco da coisa desandar é muito grande pois a europa está fragilizada e seria tudo que o putin iria querer…os próximos passos é que serão cruciais para a ucrania…..

  • Luiz C.

    -

    25/2/2014 às 5:32 pm

    Aparentemente a “Revolução” foi por uma coisa meio abstrata; Alinhamento com Europa ou Alinhamento com a Rússia? O que na prática mudaria na vida das pessoas? Acho que o maior problema da Ucrânia é a dificuldade de andar com as próprias pernas. De saber o que fazer sem que alguém diga…

  • Álvaro Costa

    -

    25/2/2014 às 5:28 pm

    E a esquadra naval Russa tornar-se-a uma prisioneira, no Mar Negro, ao sabor da UE e de Obama? Sua única saída será por Murmansk, no Polo Norte? E as plataformas de lançamentos de missis ficarão na cara dos soviéticos? E os gasodutos? Putin aceitara essa rendição sinistra,para eles ? Quem viver, ver’a.

  • anon

    -

    25/2/2014 às 5:27 pm

    Quem mandou ficarem dependentes do gás russo?! E quando esse gás acabar? Quem vai querer a moeda deles?
    Meu palpite de desfecho (como que se eu ligasse para um bando de eslavos falidos): separatismo, de um lado o feudo do socialista Barroso (lado esquerdo da Ucrânia) e do outro lado, o feudo do socialista Putin.

  • José

    -

    25/2/2014 às 5:24 pm

    só mesmo uma mistura de ignorante com estúpido para eleger petista hoje em dia depois de tudo que se sabe a respeito deles.

  • Rodrigo

    -

    25/2/2014 às 5:24 pm

    Enquanto isso temos nossas milícias black bloquianas ensaiando coisas ruins também. ALÔ, FREIXO!!! Você anda tão calado, rapaz…

  • José

    -

    25/2/2014 às 5:23 pm

    no brasil a “elite” é estúpida quando não ignorante,no brasil “elite” é quem tem dinheiro e não quem tem saber.

  • peter pan

    -

    25/2/2014 às 5:22 pm

    Reinaldo,

    Para escrever o nome dessas pessos vale um control + control v…o boxeador é o Klithisko? Clítico

  • José

    -

    25/2/2014 às 5:21 pm

    brasil, um país de ignorantes.

  • José

    -

    25/2/2014 às 5:21 pm

    odeio os coronéis do norte e nordeste, bem como odeio os comunistas do sul e sudeste.

  • Popeye

    -

    25/2/2014 às 5:20 pm

    Não concordo, uma vez que o ex presidente ordenou que atirassem contra manifestantes ou milicianos, nomeie como quiser, perdeu o direito de permanecer no posto para que foi eleito. Tem de encarar um tribunal, sim! Na Venezuela, as coisas estão também caminhando para mais derramamento de sangue porque manifestantes, que eram pacíficos, cansaram de ser esmagados pelas forças do “madurismo” e já contra atacam com armas artesanais. As fotos estão circulando o mundo. Não podemos ficar temerosos do futuro e nos conformamos com um presente em que presidentes eleitos se tornam carrascos de seus povos.

  • ana maria soriano

    -

    25/2/2014 às 5:13 pm

    Muito bem Reinaldo. “Mata a cobra e mostra a cobra” como sempre.
    Dá gosto ler tuas ponderações.

  • Rodolfo

    -

    25/2/2014 às 4:55 pm

    Desculpe não é relativo ao assunto em questão, mas de certa forma também é. Não sei se chegou a ler essa entrevista, que o entrevistador não colocou no ar por questões obvias como segue:
    Antes de ser Papa: Cardeal Bergoglio
    em entrevista a um repórter comunista

    TIRO PELA CULATRA
    Entrevista ou, melhor dizendo, tentativa de um jornalista (socialista) fazer o cardeal Bergoglio entrar numa “saia justa”.
    Se você puder repassar esta história, que reflete o pensamento do Papa é possível que as coisas mudem para melhor!

    Começa a circular a transcrição de uma entrevista feita com o atual Papa quando ele era o então cardeal Bergoglio, na Argentina.
    Na realidade foi uma emboscada realizada pelo jornalista Chris Mathews da MSNBC, mas Bergolio encurralou Mathews de tal forma que a entrevista nunca
    foi ao ar, porque, ao perceber que seu plano havia falhado, Mathews arquivou o vídeo..
    Porém, um estudante de Notre Dame, que prestava serviços sociais na MSNBC, apoderou-se dele e o deu para seu professor.

    O destaque da entrevista é a discussão sobre a pobreza.
    A entrevista começou quando o jornalista, tentando embaraçar o Cardeal, perguntou-lhe o que ele pensava sobre a pobreza no mundo.

    O cardeal respondeu
    :
    ” – Primeiro na Europa e agora nas Américas, alguns políticos têm se dedicado a endividar as pessoas, fazendo com que fiquem dependentes.
    - E para quê? Para aumentar o seu poder. Eles são grandes especialistas em criação de pobreza e isso ninguém questiona. Eu me esforço para lutar
    contra esta pobreza.
    - A pobreza tornou-se algo natural e isso é ruim. Minha tarefa é evitar o agravamento de tal condição. As ideologias que produzem a pobreza devem ser denunciadas. A educação é a grande solução para o problema.
    - Devemos ensinar as pessoas como salvar sua alma, mas ensinar-lhes também a evitar a pobreza e a não permitir que o governo os conduza a esse
    estado lastimável ”

    Mathews ofendido pergunta: – O senhor culpa o governo?

    ” – Eu culpo os políticos que buscam seus próprios interesses. Você e seus amigos são socialistas. Vocês (socialistas) e suas políticas, são a causa de
    70 anos de miséria, e são culpados de levar muitos países à beira do colapso. Vocês acreditam na redistribuição, que é uma das razões para a pobreza. Vocês querem nacionalizar o universo para poder controlar todas as atividades humanas. Vocês destroem o incentivo do homem, até mesmo para cuidar de sua família, o que é um crime contra a natureza e contra Deus. Esta vossa ideologia cria mais pobres do que todas as empresas que vocês classificam de diabólicas”.

    Replica Mathews: – Eu nunca tinha ouvido nada parecido de um cardeal.

    ” – As pessoas dominadas pelos socialistas precisam saber não têm que ser pobres”

    Ataca Mathews: – E a América Latina? O senhor quer negar o progresso conseguido?

    “O império da dependência foi criado na Venezuela por Hugo Chávez, com falsas promessas e mentindo para que se ajoelhem diante de seu governo. Dando peixe ao povo, sem lhes permitir pescar. Se na América Latina alguém aprende a pescar é punido e seus peixes são confiscados pelos socialistas.
    A liberdade é castigada.
    - Você fala de progresso e eu falo de pobreza. Temo pela América Latina. Toda a região está controlada por um bloco de regimes socialistas, como
    Cuba, Argentina, Equador, Bolívia, Venezuela, Nicarágua. Quem vai salvá-los (a América Latina) dessa tirania?”

    Acusa Mathews: – O senhor é um capitalista.

    ” – Se pensarmos que o capital é necessário para construir fábricas, escolas, hospitais, igrejas, talvez eu seja capitalista. Você se opõe a este raciocínio?”

    - Claro que não, mas o senhor não acha que o capital é retirado do povo pelas corporações abusivas?

    - “Não, eu acho que as pessoas, através de suas escolhas econômicas, devem decidir que parte do seu capital vai para esses projetos. O uso do capital
    deve ser voluntário. Só quando os políticos se apropriam (confiscam) esse capital para construir obras públicas e para alimentar a burocracia é que surge
    um problema grave. O capital investido voluntariamente é legítimo, mas o que é investido com base na coerção é ilegítimo “.

    - “Suas idéias são radicais”, diz o jornalista.

    - “Não. Há anos Khrushchev advertiu: “Não devemos esperar que os americanos abracem o comunismo, mas podemos ajudar os seus líderes com
    injeções de socialismo, até que, ao acordar, eles percebam que abraçaram o comunismo”. Isto está acontecendo agora mesmo no antigo bastião da liberdade. Como os EUA poderão salvar a América Latina, se eles próprios se tornarem escravos de seu governo? ”

    Mathews diz: – “Eu não consigo digerir (aceitar) tal pensamento”.

    O cardeal respondeu: – “Você está muito irritado porque a verdade pode ser dolorosa. Vocês (os socialistas) criaram o estado de bem-estar que consiste apenas em atender às necessidades dos pobres, pobres esses que foram criados por vocês mesmos, com a vossa política. O estado interventor retira da sociedade, a sua responsabilidade. Graças ao estado assistencialista, as famílias deixam de cumprir seus deveres para obterem o seu bem-estar, incluindo as igrejas. As pessoas já não praticam mais a caridade e veem os pobres como um problema de governo.
    - Para a igreja já não há pobres a ajudar, porque foram empobrecidos permanentemente e agora são propriedade dos políticos. E algo que me irrita profundamente, é o fato dos meios de comunicação observarem o problema sem conseguir analisar o que o causa. O povo empobrece e logo em seguida, vota em quem os afundou na pobreza “.

  • Rodolfo

    -

    25/2/2014 às 4:46 pm

    Reinaldo,
    Você não acha uma tremenda HIPOCRISIA da Globo vir agora com essa crítica em cima da camisa da Adidas, quando passa a vida inteira pregando a sacanagem na televisão?
    http://www.youtube.com/watch?v=MYcx4uUL_so
    http://www.youtube.com/watch?v=Qi8iIZ4OQG0
    ————————————–
    São mais de 10 ANOS mostrando a bunda da mulata, as “belezas do nosso carnaval” e agora acham ruim uma camiseta da Adidas que não diz absolutamente nada?
    PIADA!

  • bruna

    -

    25/2/2014 às 4:45 pm

    Pois é Reinaldo parafraseando Khaled Hosseini o autor de “O caçador de pipas”. “Os mocinhos de hoje se tornam os vilões de amanhã”, neste caso quando ele o autor retrata a invasão soviética no Afeganistão nos anos 80, depois a chegada dos talibãs (mocinhos quando armados pelo EUA e correram com os russos de lá e vilões depois que tomaram o poder naquele país, inclusive até os dias de hoje. Infelizmente isso pode acontecer com qualquer país fragilizado.

  • capitão

    -

    25/2/2014 às 4:31 pm

    Reinaldo, você tem razão. Ao longo do tempo os russos obrigaram povos a falarem russo e também fizeram troca de população de um lugar para outro. Isso ocorreu em diversas repúblicas soviéticas, o que dificulta um pouco o nacionalismo. A Ucrânia pode é ser lavada a uma guerra civil e, nesse caso, um dos lados talvez conte com apoio forte dos russos. Tudo é incerto como a Primavera Árabe.

  • José

    -

    25/2/2014 às 4:25 pm

    caro reinaldo, o que aconteceu na ucrania foi um golpe num oligarca. o q virá? pode ser democracia ou ditadura. fidel começou assim. depois da derrubada de uma ditadura acontece uma queda de braço entre os democratas e os proto-ditadores de oposição (isso aconteceu no brasil, tínhamos democratas e proto-ditadores lutando contra um regime militar), mas se a ucrania era um democracia o que houve foi um golpe e o q se seguirá é uma guerra ou uma nova ditadura.

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados