Blogs e Colunistas

31/01/2013

às 3:29

Leia “Mensalão”, o livro do jornalista Merval Pereira. Chegou a hora de interpretar ainda mais o mundo!

O maior e mais grave escândalo da história republicana — porque se tratou, além da roubalheira, de tentar golpear a democracia com a criação de um Congresso paralelo — ganhou há poucos dias outro livro: “Mensalão — O dia a dia do mais importante julgamento da história política do Brasil”, do jornalista Merval Pereira, colunista do jornal “O Globo” (Editora Record) e comentarista da GloboNews e da CBN. Digo “outro” porque há a história lida e analisada pelo professor Marco Antonio Villa em “Mensalão” (Editora LeYa).

Com prefácio de Carlos Ayres Britto, ex-ministro do Supremo, que presidiu o julgamento, o livro traz os artigos escritos sobre o tema no Globo entre 2 de agosto e 11 de dezembro de 2012. Merval é um dos textos mais lúcidos e precisos da imprensa brasileira e tem um vício incurável: é dono das próprias ideias. Não integra as hostes crescentes dos que escrevem ou para agradar ou para não desagradar. Também não é do tipo que marcha no descompasso só para chamar a atenção. Aliás, esta é a acusação frequente que pesa contra os jornalistas independentes: porque eventualmente não seguem o ritmo da mediocridade influente, são, então, tachados de meros provocadores.

Merval sabe fazer a composição entre o detalhe e o conjunto, entre a parte e o todo. Ao longo dos textos, entendemos o fluxo da história, mas sem perder alguns detalhes saborosos que ilustram e iluminam a trajetória.

Leia-se este trecho de “Fugindo da cadeia”, texto publicado no dia 15 de novembro de 2012:
É meio vergonhoso para o PT, há dez anos no poder, que a situação desumana de nosso sistema penitenciário vire tema de debate só agora que líderes petistas estão sendo condenados a penas que implicam necessariamente regime fechado.
Chega a ser patético que o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, no final das contas responsável pelo monitoramento das condições em que as penas são cumpridas, diga em público que preferiria morrer caso fosse condenado a muitos anos de prisão. Dois anos no cargo, e o ministro só se mobiliza para pôr a situação das prisões brasileiras em discussão no momento em que companheiros seus de partido são condenados a sentir na própria pele as situações degradantes a que presos comuns estão expostos há muitos e muitos anos, os dez últimos sob o comando do PT.

Também o ministro revisor Ricardo Lewandowski apressou-se a anunciar que muito provavelmente o ex-presidente do PT José Genoino vai cumprir sua pena em prisão domiciliar porque não há vagas nos estabelecimentos penais apropriados para reclusões em regime semiaberto. Para culminar, vem Dias Toffoli defender que as condenações restritivas da liberdade sejam trocadas por penas alternativas e multas em dinheiro. Tudo parece compor um quadro conspiratório para tentar evitar que os condenados pelo mensalão acabem indo para a cadeia, última barreira a ser superada para que a impunidade que vigora para crimes cometidos por poderosos e ricos deixe de ser a regra.
(…)

Voltei
Os artigos, uma vez reunidos em livro, ganham uma vida nova. No curso da leitura, entendemos com mais clareza as estratégias dos advogados dentro e fora dos tribunais, recuperamos o embate das teses jurídicas, lembramo-nos de detalhes das chicanas e reavivamos os valores, os bons valores, que fizeram com que as instituições brasileiras dissessem “não” aos golpistas.

Que o mensalão produza muito mais livros. Marx, bom frasista mesmo quando dizia as maiores cretinices, afirmou na “11ª Tese sobre Feuerbach”: “Os filósofos apenas interpretaram o mundo de diferentes maneiras, trata-se, entretanto de transformá-lo”. Não há como salvar essa tolice mesmo no ambiente do texto original. Parece inteligência, mas é obscurantismo.

O nosso papel, o de filósofos, jornalistas, historiadores — cada trabalho com seu acento peculiar —, é mesmo este: interpretar o mundo. É o modo que temos de transformá-lo. De resto, ansiamos para que todos, mesmo os homens especialmente talhados para a “transformação”, jamais abandonem a teoria e o pensamento.  Leiam “Mensalão”, um livro que ousa interpretar a realidade tendo como norte os fatos.

Por Reinaldo Azevedo

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

Envie um comentário

O seu endereço de email não será publicado.

36 Comentários

  • José Rastelli Júnior

    -

    16/11/2014 às 1:35 pm

    Eu, nos meus 65anos de idade, nunca ví tanta coisa ASQUEIROSA quanto nestes últimos dias. A Sen. Martha Suplicy presidindo uma Sessão do Senado da República com uma PREPOTÊNCIA IGNOMINIOSA declaradamente deduzindo-se a imposição do regime comunista.Estou, também, pasmo pela TOTAL falta de condições da Sra.Dilma de ser nosso Presidente.

  • João Marcelo Silva Zigurate

    -

    2/2/2013 às 7:14 pm

    O site no Youtube da produtora é esse: http://www.youtube.com/watch?v=KGeAr5TnIII&list=PLBBCAD81205F6432C&index=1.

  • João Marcelo Silva Zigurate

    -

    2/2/2013 às 7:12 pm

    Reinaldo, você precisa assistir a versão animada da história do mensalão: “Republiqueta” – está no Youtube (http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=htgSRazXLso). É muito engraçada e merece divulgação.

  • RHMNK

    -

    1/2/2013 às 10:04 pm

    Vamos fazer uma petição on line para que Lula faça uma resenha sobre esses dois livros. Será muito instrutivo…

  • Thyago

    -

    1/2/2013 às 2:15 pm

    Olá Reinaldo!

    Valeu pela indicação! Gostaria de, humildemente, estimulá-lo a fazer mais isso em seu blog. E não apenas com textos novos de autores atuais, mas até mesmo de antigos.

    Uma vez te solicitei humildemente aqui nesta postagem (http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/obrigado-curitibanos/) :

    “Gostaria de fazer uma sugestão/pedido se possível. Que tal apostar na formação de seus leitores sérios e interessados? Como? Sim, você já o faz (e muito bem, diga-se de passagem) com a maneira como você lida com os fatos, na forma como argumenta e como escreve. Mas, que tal sugerir e compartilhar de vez em quando algumas leituras suas que foram importantes para sua formação e que seriam importantes para a de seus leitores (que talvez sejam ou serão também formadores de opinião)? Fica aí a sugestão de um “leitor interessado”. Pode até ser no meio de um post em que o assunto se bate com aquele em que o livro/autor expõe. Considere ao menos esse pedido, por favor! Obrigado, de antemão, Reinaldo!”

    E mais uma vez… obrigado e uma ótima sexta!!!

  • Thyago

    -

    1/2/2013 às 2:14 pm

    Olá Reinaldo!

    Valeu pela indicação! Gostaria de, humildemente, estimulá-lo a fazer mais isso em seu blog. E não apenas com textos novos de autores atuais, mas até mesmo de antigos.

    Uma vez te solicitei humildemente aqui nesta postagem :

    “Gostaria de fazer uma sugestão/pedido se possível. Que tal apostar na formação de seus leitores sérios e interessados? Como? Sim, você já o faz (e muito bem, diga-se de passagem) com a maneira como você lida com os fatos, na forma como argumenta e como escreve. Mas, que tal sugerir e compartilhar de vez em quando algumas leituras suas que foram importantes para sua formação e que seriam importantes para a de seus leitores (que talvez sejam ou serão também formadores de opinião)? Fica aí a sugestão de um “leitor interessado”. Pode até ser no meio de um post em que o assunto se bate com aquele em que o livro/autor expõe. Considere ao menos esse pedido, por favor! Obrigado, de antemão, Reinaldo!”

    E mais uma vez… obrigado e uma ótima sexta!!!

  • Adriano

    -

    1/2/2013 às 12:26 am

    “contra a violência, bicicleta”. Governo uruguaio propõe desarmamento em troca de bicicletas http://bit.ly/TgKi2m Aborto, liberação da maconha… Pra onde esse tal de Mujica está conduzindo o Uruguai?

  • Félix Jarreth

    -

    31/1/2013 às 11:32 pm

    Caro RA,
    .
    Vc sabe que sou um dos seus admiradores mais ferrenho, portanto não leve a mal o que lhe digo a seguir com a maior das delicadezas e carinho do mundo. Aparentemente, como vc, também tenho memória eidética. Quiçá um pouco mais organizada no “arquivo” pelos anos que levo longe do Brasil, nos quais o dia-a-dia confuso “dessepaíf” perdeu vigor.
    .
    Assim, talvez por vc estar submetido ao calor do momento, a sua afirmação de que Merval Pereira: – “é um dos textos mais lúcidos e precisos da imprensa brasileira…”; etc., – não seja totalmente correta… tanto nas idéias próprias ou na independências das hostes como vc se refere ao colega… imortal.
    .
    Desculpe contradizê-lo. O meu arquivo prova o contrário.
    .
    É certo que Merval não é exatamente o meu jornalista brasileiro predileto, nem de longe o mais admirado, porém, como já disse um homem sábio: “ninguém é tão grande, ou tal imortal, que não tenha o que aprender, nem tão pequeno, ou mortal, que não tenha o que ensinar”.
    .
    À raiz e fiado no que vc escreveu, só posso louvar as forças ocultas e as influências globais, “no espaço dado ao contraditório”, que fizeram Merval mudar a ponta do lápis para azul.
    .
    Como nunca consigo esquecer nada do que vivi, experimentei, conheci ou assisti, é uma pena que Merval só “agora” tenha descoberto a tinta azul e não há dez anos atrás quando escrevia com lápis de ponta bem vermelha… Ou há seis anos atrás, antes de ir para New York e, na volta, ter virado diretor global e imortal…
    .
    Nunca é tarde para aprender, não é verdade?
    .
    Dias atrás o que vc escreveu sobre Arnaldo Jabor, e que aplaudi de pé, mas tempo livre tive para dizer-lhe o quanto assertivo e verdadeiro era o seu texto, poder-se-ia aplicar igualmente a Merval,…: ipsis litteris!
    .
    O mesmo vale dizer (apenas para ilustrar), referente a semelhantes como Miriam Leitão, Carlos Sardenberg ou qualquer outro medalhão da Globo, da Folha, do Estadão ou da enorme maioria esmagadora do jornalismo “brasilêro”. Coerência é algo que falta à maioria. Nem na imprensa do Burundi encontro tamanha cara de pau.
    .
    Talvez por isso eu seja tão fiel aos seus textos, desde a falecida “Primeira Leitura”. Em todos este anos nunca encontrei uma só contradição nas suas opiniões, conquanto haja algumas das quais discordo. Mas não critico!; porque nelas é visível a convicção, sobretudo a consistência que as move e são expressas; e a elas vc tem direito, como eu ou qualquer mortal. Afinal, não existe verdade absoluta. Pelo menos, nunca a encontrei.
    .
    O que me aborrece, sim, e desprezo sobremaneira, em jornalistas do calibre do Merval ou dos já mencionados, todos tidos como “sérios” e “isentos”, é a capacidade que possuem de negarem – sem qualquer pudor – defesas passadas para execrarem o que é noticia no dia; apenas pelo incremento das vendas do jornal ou aumento da audiência nas TVs; ou, o que é mais comum, acréscimos nas contas bancárias, desfrute de um jantar no restaurante da moda ou divertirem-se com a família numa viagem à Europa…
    .
    Este espaço é pequeno para desfilar o que colecionei ao longo dos últimos 30 anos que vivi no Brasil. E se maior fosse, ainda seria acanhado…
    .
    Pela incúria dos editores e insensatez ou venalidade de muitos desses jornalistas chamados “Isentos” ou de “textos mais lúcidos”, os desvios éticos no Brasil são abençoados e verborragicamente justificados para serem perdoados… por uma patuléia abécula, vivendo vidas apoucadas.
    .
    Vc é o contraponto disso tudo. A razão porque faz a diferencia. De fato, vc e o seu blog são a diferencia… Talvez por isso atrevi-me a contradizê-lo no que escreveu sobre Merval…
    .
    Abraço Forte
    Félix.

  • Joelmir

    -

    31/1/2013 às 10:33 pm

    Interpretar o mundo?! Quem é Merval? Aquele colunista? Que foi posto na ABL por ser anti-Lula? PelamordeDeus! Onde foram parar os intelectuais de direita de outrora? Triste fim…

  • Adriano

    -

    31/1/2013 às 9:48 pm

    O Dirceu falando em “Falso moralismo” http://folha-online.jusbrasil.com.br/noticias/100321296/dirceu-diz-que-acusacoes-contra-renan-sao-falso-moralismo … eu já vou em busca do “verdadeiro moralismo” http://bit.ly/Vybv2v

  • ANTI-PETRALHAS

    -

    31/1/2013 às 8:54 pm

    SÃO PESSOAS COMO O MERVAL PEREIRA QUE NOS TRANQUILIZA QUE AINDA TEMOS LIBERDADE DE IMPRENSA ,MAS COMO TEMOS UM POVO QUE ADOTOU O ANALFABETISMO EM GRANDE ESCALA ,FICA DIFÍCIL MUDAR OS RUMOS DE NOSSO BRASIL ,MAS TEMOS QUE LUTAR E COM ESCRITAS QUE NOS FAÇAM CRER QUE NÃO ESTAMOS SOZINHOS.

  • marcos lobo

    -

    31/1/2013 às 8:06 pm

    Esse livro deveria ser leitura obrigatória nas escolas!

  • Geneuronios

    -

    31/1/2013 às 8:04 pm

    Estou desconfiado que os bandidos NÃO irão para a cadeia. O assunto só está ainda morno na VEJA.
    Infelizmente o resto da imprensa está comprada pelos PeTralhas!

  • Seavon

    -

    31/1/2013 às 6:51 pm

    Merval Pereira, não se mexe tanto quanto a demanda no mundo político, atualmente exige.
    Após me inteirar de suas façanhas com as letras e até na sua vida particular que serve de exemplo, é como ganhar um prêmio inesperado.
    Por isso eu respeito muito suas opiniões e acompanho seus passos com a certeza de que só vai me servir e ampliar meus conhecimentos.
    Por isso, mesmo antes de ler e saber o conteúdo deste seu livro Mensalão, com certeza é esccrito por um Mestre que tem seu Valôr.
    Esta é minha opinião com todo o meu respeito aos pensamentos de outros, que não tiveram oportunidade de mergulhar na sua intimidade.
    O caro amigo Reinaldo deve pensar o mesmo que eu.
    A recomendação e ainda mostrando a capa da capa do seu livro, mostra como os imãs se atraem.
    Dois grandes Mestres.

  • jose francisco santoro

    -

    31/1/2013 às 6:42 pm

    Vamos presentear os membros do PT com vários exemplares.

  • Mako

    -

    31/1/2013 às 6:28 pm

    O livro de Merval Pereira é benvindo já que nos ajudará preservar na memória nacional, das gerações futuras, esta abominável tragédia e a repetição infindável da impunidade que alimenta a crença de que o crime compensa.

  • Brasilino Brasa

    -

    31/1/2013 às 6:15 pm

    O problema é que já existe um Congresso paralelo, já que a possibilidade de formação de coligações no Brasil como está, possibilita esta distorção democrática e a formação de quadrilha política ou “golpe” não declarado. Uma PF paralela? A primeira coisa que o PT fez quando começaram a causar constragimentos foi trocar toda cúpula. Um STF paralelo, sendo que este sempre existiu, determinado pela forma desleixada e irresponsável de escolha dos Ministros desta Casa, bem como o atrativo tempo de mandato destas autoridades. Como se vê apenas trocou-se o dinheiro vivo pela oportunidade de manipulação de verbas públicas, a disseminação desmedida e desfreada de cargos políticos bancados com dinheiro dos impostos. As Instituições e o tecido político no Brasil, quanto na América do Sul sempre foram umterreno fértil ao florescimento de canalhas e sacripantas de todo tipo que são caracterizados por terem ogerisa a meritocracia, ao desenvolvimento humano, a imprensa livre. E Como muito já li por estas paragens, “a cada enxadada, uma minhoca” e assim que se investiga, um Ministro cai por conta de desvios e corrupção. Os fatos estão todos jogados, estampados e mal cheirando a quilômetros para quem quiser ver ou tiver estômago para chegar perto. Basta apenas que tenhamos brasileiros nesta terra e que estes brasileiros sejam dignos do país que podem ter.

  • PUTOCONTRAACORJA

    -

    31/1/2013 às 6:11 pm

    O julgamento do mensalão em 2012 gerou esperanças até mesmo neste incrédulo leitor.

    Findo o processo, nada mais se fala ou escreve a respeito do desfecho final esperado há mais de 60 dias.

    Enquanto isto os picaretas ofendem a Nação em generosos espaços diários cedidos pela mídia vendida e pelo desqualificado congresso.

    Por enquanto parafraseando Shakespeare foi “muito barulho por nada”.

    Oremos…

  • CLÉCIO OLIVEIRA

    -

    31/1/2013 às 5:46 pm

    Possuo um exemplar da obra MENSALÃO – O julgamento do maior caso de corrupção da história política brasileira, da lavra de Marco Antonio Villa, da Leya, São Paulo, 2012.

  • QQISSO

    -

    31/1/2013 às 4:33 pm

    E isso aí Merval.Quanto mais pessoas contarem essa história melhor.

  • José do Norte

    -

    31/1/2013 às 2:31 pm

    vou te ser sincero, Reinaldo: o estilo de MErval, para mim, tem a mesma intensidade e interesse que a velocidade de uma lesma.

  • sidney

    -

    31/1/2013 às 1:18 pm

    Reinaldo
    Ira intregar sim a – ESTANTE – ja repleta e grata em receber guardar , arquivar para a – HISTORIA – detalhes preciosos da conduta dos Brasileiros – ETICOS !!!!! ( que sao os que louvamos e torcemos para indireitarem os rumos do Pais etc etc ) e INFELIZMENTE os ; NAO ETICOS que usurparam e usurpam/denigrem as suas depreciativas existencias.
    Esses ai os – nao ETICOS – apesar de terem as maos manchadas pela corrupcao/apadrinhamentos expurios etc etc ainda se julgam ( vejam soooo ) – INOCENTES e mais ; um montao de desculpas esfarrapadas que procuram colocar dioturnamente.
    Que cumpram sim as suas – PENAS – e ; devolvam incontinentes e na sua totalidade o que surrupiaram $$$$$$$$ deste Povo sofrido e ordeiro.
    Aproveitando Reinaldao ; a adesao ao – renan( minusculas mesmo taaa ) NAO !!!!! ; ja esta ultrapasando os 200.000 !!!! ; magistral ( sempre ) a sua colocacao : DIZER NAOOOOO A – renan – NAO EEEE UMA QUESTAO DE ESCOLHA; EEEE UM IMPERATIVO – ETICO – !!!!!
    Sorte para nos todos , a voce e ao Sr Merval pelo exercicio da nobre profissao e principalmente – CIDADANIA – !!
    NAO PASSARAO !!!
    Baita abraco

  • G. Santargila

    -

    31/1/2013 às 1:12 pm

    Olá Grande Reinaldo
    Quando eu era pequeno lá em Colatina, ES – se alguém bulia comigo deu riscava o chão – marcando o território e – partia para a porrada!
    Eis o que publica o Mestre da esgotosfera a respeito do prefácio do livro “mensalão” do Jornalista Merval Pereira:
    “Agora, aqui entre nós, amigo navegante: será que Britto vai à noite de autógrafos ?

    Ou ficará à espreita, atrás da cortina, como fez seu antecessor, o Gilmar Dantas (**), na noite de autógrafos de um prolífico guardião da Casa Grande ? Vai dar autógrafo com o Ataulfo ao lado ?”

    Um abraço do galo índio.
    Gilbert Santargila

  • claudia

    -

    31/1/2013 às 12:59 pm

    Ele apenas narra os fatos, por vias diretas, sem tirar nem por. Gosto demais dele, por sua absoluta transparência e isenção. Vou ler, com, certeza, e acho que é daqueles livros que deverão constar de todas as bibliotecas, pra que as gerações futuras tomem conhecimento do que REALMENTE aconteceu.

  • Paulo

    -

    31/1/2013 às 11:58 am

    O futuro precisa ser preservado ativamente. Temos que lembrar a todo momento que os réus foram condenados.
    E que estão soltos pela gentileza do STF, do ministro da justiça e por pressão dos petralhas dentro e fora do governo.
    Temos que lembrar ativamente que é crime o que eles fizeram. Tentar comprar outros partidos é crime. Desviar verbas de publicidade é crime. Gestão fraudulenta de partidos políticos é crime. Corrupção ativa é crime. Corrupção passiva é crime. Peculado é crime. Prevaricar é crime.
    Precisamos lembrar que tudo isso é crime, primeiro porque o julgamento e condenação pressupoe penalidades.
    Precisamos lembrar que tudo isso é crime, para que nós mesmos não cometamos estes crimes.
    Precisamos lembrar que tudo isso é crime, para que outros não cometam estes crimes.
    Muito bom que se publiquem os livros. Será a memória fixa de uma clePTocracia democraticamente eleita.
    Os petralhas contam com o analfabetismo dos ignorantes votantes para que tudo seja esquecido. Em dois anos, teremos na emissora do ex-dono do banco Panamericano uma novela dizendo: A verdade (mentira) do mensalão heróico. E a imprensa bovina vai dizer que agora sim os petralhas são bem defendidos.
    Temos que escrever os livros, porque os petralhas vão tentar limpar sua reputação reescrevendo a história.
    Mas nunca irão apagar os livros.

  • toninho malvadeza

    -

    31/1/2013 às 11:18 am

    TODOS os livros que saírem sobre o maior roubo dos cofres públicos eu vou ler.E quem sabe,o do tio Reinaldo sobre o FIM DO PT.

  • Vinicius Alberoni

    -

    31/1/2013 às 11:17 am

    Esse cara é fera. É claro que vou comprar o livro. Parabéns M. Pereira pela sua isenção nesses tempos de jornalismo comprado.

  • Valeria

    -

    31/1/2013 às 11:15 am

    Graças a Deus ainda temos pessoas nesta terra com massa cinzenta no cérebro, diferente da petralhada que tem o que o Rui Barbosa tinha na barrga.

  • Tonhão do Brasil

    -

    31/1/2013 às 9:48 am

    Tendo como norte: o pt e os laranjais; o pt e as mutretas; o pt e as mentiras contumazes; o pt e o dinheiro vivo em malas, cuecas, caixas de papelão, aerolula, com direito a Rosemary e tudo o mais.

  • Seavon

    -

    31/1/2013 às 9:41 am

    Mais outro livro, com nome “Mensalão” escrito pelo acadêmico e jornalista Merval Pereira.
    Que por sinal é também um dos meus preferidos em ler o que escreve e fala, com sinceridade e precisão.
    Isso é bom, ainda mais se juntando às informações que já tivemos durante todo o tempo em que tudo se deu, neste Blog e ao vivo também.
    Destacando quase sempre as presenças de Reinaldo Azevedo, Marco Antônio Villa, contando também com a de Augusto Nunes, nem sempre como mediador, (escutando Reinaldo e Villa, precisa?).
    Eu tenho encontrado com diversas pessoas (tidas com bem informadas) que quando conversamos, me parece que não tiveram tempo de se inteirar em detalhes da gravidade ou encrenca que os condenados se meteram.
    Nem sempre com a extensão e precisão como o que sem dúvida nenhuma, os leitores podem a vir se inteirar em livros por esses profissionais se ocuparam e prepararam para seus lançamentos.
    O que nos faz ter a certeza de que hão de somar em conhecimento dos fatos, por se sintir traídos pelos quais que se passavam ser governantes, como na verdade seus intuidos estavam desviados a outros interesses.
    Inerente aos interesse da população que diziam ser, bem como ainda “tentam” se desfazer das embrulhadas que se meteram.
    Agora é só ler prá ver, porque vale a pena saber mais do que provalmente até então ficamos sabendo.
    Eu vou adquirir meu exemplar na primeira oportunidade e disponibilidade que houver.
    Obrigado Reinaldo por essa preciosa informação.

  • Maria Rita Guedes

    -

    31/1/2013 às 9:38 am

    Pois eh Reinaldo, o Merval Pereira eh dessas excecoes que ainda sobrevivem na Rede Globo. Lucido, atento, como deve ser um jornalista. Pena que o William Waack tenha cedido as pressoes e conduza um programa que hj em dia eh irrelevante como o Painel

  • MINEIRIN INVOCADIN

    -

    31/1/2013 às 9:08 am

    Reinaldo,deveria ser leitura obrigatória em todos os níveis escolares,de forma a dar base para que os fatos descritos não venham a se repetir,formar massa crítica e não a cretina que o petralhismo tenta impor!

  • celia pereira

    -

    31/1/2013 às 8:17 am

    Já tenho o do Marco Antonio Villa e agora vou adquirir o do Merval, infelizmente temos que ter o conhecimento das coisas ruins também para poder lutar e ficar de olhos bem abertos.

  • Joaquim Arraes

    -

    31/1/2013 às 7:39 am

    Quando vai ser lançado? O livro ainda não aparece no site da Livraria Cultura e nem no da Livraria Saraiva…

  • Marcos F

    -

    31/1/2013 às 7:15 am

    Merval tem a retidão que a História merece, tem As Fontes, tem os contatos.
    Nem o PT com sua máquina consegue esmagar seu texto.
    O PT morrerá, o texto de Merval ficará.

  • Anónimo

    -

    31/1/2013 às 3:45 am

    “Mensalão — O dia a dia do mais importante julgamento da história política do Brasil” (Editora Record)

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados