Blogs e Colunistas

26/04/2013

às 17:01

Dos delitos e das penas. Ou: Os nefelibatas do direito precisam voltar a se apaixonar pelo “humano” e saber que bandido não é justiceiro social

Há tempos não se tinha notícia de tamanha barbaridade como a ocorrida em São Bernardo, no ABC paulista (ver post anterior). Bandidos invadiram o consultório da dentista Cinthya Magaly Moutinho de Souza. Roubaram o seu cartão de banco. Como havia apenas R$ 30 na conta, jogaram álcool no seu corpo e puseram fogo.

Dadas as informações que existem até agora, Jônatas, um dos assassinos, que usava o Audi da mãe no assalto, não parece ter o perfil idealizado do “bom criminoso”, do “bandido vítima das condições sociais perversas”, do “coitadinho” que foi empurrado para o crime pela carência e pela miséria. Isso não existe. Isso é uma invenção da má consciência esquerdopata. Jônatas não é, enfim, um exemplar da baixa sociologia de manual.

Não haverá — e, ainda que fosse possível, não seria bom — um policial para cada cidadão comum. Não obstante, os nefelibatas da segurança pública continuam a dar suas receitas. Na Folha de hoje, por exemplo, Samira Bueno, “socióloga e secretária-executiva da ONG Fórum Brasileiro de Segurança Pública”, escreve um artigo sobre o tema. Afirma (em vermelho):

“(…) Não podemos incorrer no erro de responder ao aumento da violência com o recrudescimento da política de segurança, como a redução da maioridade penal que voltou ao debate público.
Uma política de segurança eficiente se faz com o investimento na produção e transparência de informações, aperfeiçoamento das ações de inteligência, valorização dos profissionais de segurança pública, mecanismos de controle robustos e diminuição da circulação de armas.”

Não tenho a menor ideia do que seja “recrudescimento da segurança pública”. Parece que quer dizer “endurecimento das penas”. Doutora Samira acha que não resolve e tem a receita na ponta da língua. Apliquemos o seu modelo ao caso em espécie, a Jônatas. Ela quer:

- “produção e transparência de informações”:
A Secretaria de Segurança Pública de São Paulo é das poucas no país que divulgam mensalmente os dados sobre violência. Com isso, só consegue reportagens negativas na imprensa. Nesse caso, quem é mais transparente apanha mais. Quem esconde os números é protegido. Mas a transparência de dados já existe. Como ela poderia evitar um caso como o de São Bernardo? Não sei. Quem tem de explicar é a especialista. Ela pede mais.

- “aperfeiçoamento das ações de inteligência”.
Não me diga! É como recomendar a uma pessoa que se alimenta mal que opte por alimentos saudáveis. Isso não chega nem a ser bom senso, já é clichê. Que “inteligência” teria conseguido impedir o tal Jônatas de sair de casa no Audi da mãe para matar queimada uma dentista? Seria o caso de ouvi-la.

- “Valorização dos profissionais de segurança pública”.
Sem dúvida, eu apoio a medida. Se cada policial em São Paulo recebesse R$ 30 mil mensais, Jônatas continuaria a botar fogo em pessoas.

- “mecanismos de controle robustos”.
Não sei direito o que é, mas imagino que se refira a controle das Polícias. Apoio também. A questão é saber quem controla os Jônatas.

- “diminuição da circulação de armas”.
Sim, é necessário. Atenção, doutora Samira! Em 2011, a PM de São Paulo apreendeu 12 mil armas ilegais, que são as que matam. Não só isso: realizou 35 milhões de intervenções policiais, 12 milhões de abordagens, 310 mil resgates e remoções de feridos e 128 mil prisões em flagrante (89 mil adultos e 39 mil “adolescentes infratores”); apreendemos 70 toneladas de drogas, recuperou 60 mil veículos roubados e furtados. De janeiro a junho do ano passado, a população carcerária do estado cresceu de 180 mil para 190 mil presos, o que representa 40% de todos os presos do Brasil.

E é por isso — a despeito desses crimes bárbaros e do aumento dos casos de latrocínio no estado, conforme está estampados nos jornais e alardeado na Internet — que São Paulo é uma das unidade da federação mais seguras do país. A taxa de homicídios por 100 mil habitantes é inferior à metade da do Brasil. As ações sugeridas por doutora Samira certamente estão em curso. E é provável que mais precise ser feito, sempre tendo em mente a impossibilidade de se ter um policial para cada cidadão — ainda bem!

É evidente que o “recrudescimento das penas”, como diz a doutora, não é a correção de todos os males. Mas não é menos evidente que uma vida tem de valer mais do que vem valendo no Brasil, tenha o assassino mais de 18 anos ou menos.

Com toda a estúpida crueldade de Jônatas, se e quando for preso, dificilmente pegará a pena máxima: 30 anos. Mas digamos que assim seja. O Artigo 112 da Lei de Execução Penal garante a progressão da pena — passagem para um regime menos rigoroso — depois de cumprida um sexto da condenação, desde que o preso tenha bom comportamento etc e tal. No caso de crime hedindo, é obrigatório cumprir dois quintos se primário e três quintos se reincidente.

Se condenado a 30 anos (corre o risco de não ser), há a possibilidade de esse patriota e humanista, que cometeu crime hediondo, passar para o regime semiaberto depois de 12 anos (dois quintos). O regime semiaberto, no papel ao menos, ainda é fechado, saibam. A vigilância é um pouco mais relaxada, e há a permissão para deixar o presídio por algumas horas em situações excepcionais — estudar por exemplo. Como Banânia se esqueceu de construir estabelecimentos com esse perfil, a passagem para o regime semiaberto costuma ser sinônimo de liberdade.

Não dá. A vida humana precisa passar por um processo de “ressacralização” no Brasil. A palavra pareceu religiosa demais aos agnósticos e ateus? Tudo bem! Eu troco. A vida humana precisa passar por uma processo de “re-humanização”. Fica bom assim, com a tautologia gritando a sua evidência?

“Endurecimento das penas não combate a violência”, gritam os defensores da jabuticaba penal brasileira. Em primeiro lugar, não sabemos. Sabemos o que é ter 50 mil homicídios por ano com as leis que estão aí. Os nefelibatas dizem que é tudo culpa da pobreza, como se estivéssemos diante de uma manifestação da luta de classes. Mentira! A maioria das vítimas é pobre. Países com condições sociais muito piores do que as do Brasil têm índices de violência muito menores.

Em segundo lugar, é preciso apostar, sim, no efeito didático das penas — não só para quem já delinquiu. “Ah, o Reinaldo autoritário quer penas exemplares…” Alto lá! Não se trata de usar um inocente como bode expiatório, mas de punir com rigor os culpados para que outros tentados a delinquir saibam que o risco é grande. Os nossos nefelibatas desconsideram que a pena deve ter também um caráter dissuasório.

No dia 4 deste mês, foi instalada uma comissão especial de juristas para propor ao Senado a revisão da Lei de Execução Penal. Vamos ver. O grupo criado para rever o Código Penal produziu uma peça infame. É aquele texto que, na definição da pena, considera que abandonar um cachorro é mais grave do que abandonar uma criança. É aquele texto que define a quantidade de droga que caracteriza apenas consumo: o suficiente para cinco dias. Na prática, é a legalização do tráfico. É aquele texto que legaliza o aborto, violando abertamente a Constituição. Nem vi quem compõe a comissão de revisão da Lei de Execução Penal. Espero que o grupo seja mais responsável.A sociedade, diante de 50 mil homicídios por ano, pergunta aos doutores: quanto vale a vida humana?

Por Reinaldo Azevedo

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

Envie um comentário

O seu endereço de email não será publicado.

181 Comentários

  • Iron Dantas

    -

    21/5/2013 às 1:52 pm

    Menores infratores na cadeia seria ótimo, desde que elas tivessem estruturas para absorvê-los, caso contrário, sairão piores que entraram, ou seja, forjados para o crime.

  • Roger

    -

    2/5/2013 às 5:22 pm

    Rei.,

    Veja este video. Fala sobre aborto. Bastidores do governo.

    http://www.youtube.com/watch?v=BKWc0sUOvVM&feature=youtu.be

  • SideShow Bob

    -

    29/4/2013 às 3:17 pm

    Na banânia há Samiras demais e presídios de menos.

  • Anônimo

    -

    27/4/2013 às 8:37 pm

    Políticos e familiares de políticos andam em carros blindados e tem segurança privada. Não estão nem aí para os que morrem diariamente nas mãos dos bandidos, que eles mesmos criaram.

  • lucia

    -

    27/4/2013 às 6:53 pm

    Este é o verdadeiro fim do mundo, atear fogo numa mulher viva.

    Menores assassinos na cadeia.

  • lucia

    -

    27/4/2013 às 6:52 pm

    Eu quero, nós queremos menores assassinos na cadeia. Urgente.

  • affonso

    -

    27/4/2013 às 6:38 pm

    Diz o espiritismo,que nosso mundo ainda é de provas e expiações;há dúvidas?Diz também que a felicidade nele é relativa,mas que é legítimo buscá-la.

  • affonso

    -

    27/4/2013 às 6:30 pm

    Esses políticos que estão se enriquecendo ílicita e ilegitimamente,em vidas futuras terão escassez de recursos;é a justiça divina se fazendo,não?

  • affonso

    -

    27/4/2013 às 6:21 pm

    Somos os artífices de nossos destinos;não temos o livre-arbítrio?Colhemos aquilo que semeamos;não disse assim o apóstolo Paulo?Seremos julgados pelas nossas obras e pagaremos até o último ceitil as nossas maldades;não nos ensinou assim,Jesus?

  • augusto

    -

    27/4/2013 às 6:15 pm

    Essa ladainha já rola faz tempo. Esses canalhas que se dizem “otoridades”,estão preocupados, que se reformarem as leis, os filhos e parentes deles podem dançar. Enquanto a desgraça for na família dos outros danen-se.

  • affonso

    -

    27/4/2013 às 6:08 pm

    Uma pergunta aos religiosos:onde a providência divina,com relação à(s) vítima(s)?

  • affonso

    -

    27/4/2013 às 6:03 pm

    Por que somos maus,matamos;abençoamos por que somos bons.Não busquemos em causas exteriores às nossas almas a origem de nossos atos bons ou maus.,eis que nelas eles fazem morada.

  • affonso

    -

    27/4/2013 às 5:47 pm

    Nada de filosofar,nada de sociologizar,nada de ideologizar.Falemos claro:é da índole má desses bandidos a causa desses crimes hediondos,Cadeia neles!Cadeia pesada!Bestas-feras têm que ter gradação da pena aumentada,talvez até prisão perpétua.Nada de se condoer com bandidos assumidos.Muitas e muitas reencarnações-que nelas eu creio-muitas dores,e mesmo assim boa parte deles não se regenerarão.

  • José Antônio

    -

    27/4/2013 às 5:39 pm

    O tamanho da pena ou a certeza da punição?

  • Leonardo de Araujo Costa

    -

    27/4/2013 às 5:38 pm

    Caro Reinaldo,
    Em nossa ‘terra brasilis’ só existe pena de morte para a vítima! Segundo o princípio de igualdade artigo 5º da C.F., deixo minha contribuição na tentativa de abrir discussão a respeito. Não sou a favor ou contra, mas até agora as medidas protetivas da população estão sangrando nas diárias e cada vez mais cruéis notícias de crimes, Brasil afora. Nossas vidas não estão valendo nada. Este é o Manual de toda a América Latina, ou se preferir, Latrina.
    Desistir jamais em combater nossas grande mazelas.

    Obrigado por sua coluna diária! Única nessa imensidão de nosense brasiliana.

  • Ivan Baiocchi Filho

    -

    27/4/2013 às 4:44 pm

    É impressionante como o Reino de Banânia consegue criar tantos especialistas em nada!!!

  • Casca Fina

    -

    27/4/2013 às 3:57 pm

    Agora, se acontece uma tragédia dessas com a neta da dilma, na mesma hora vanda para com sua pugna e arroubos eleitoreiros e vai cuidar da segurança.
    É sempre assim: a desgraça precisa tocar fundo nos comunistas, para eles se tocarem.

  • Jorge Silva

    -

    27/4/2013 às 2:44 pm

    O discurso da esquerda culpa a desigualdade social pela violência. Mas quem podem culpar quando o assassinado não é rico, ou é da mesma classe do assassino?
    http://www.implicante.org/artigos/a-esquerda-e-a-criminalidade-dois-pesos-duas-medidas-um-metodo/

  • -anônimo-

    -

    27/4/2013 às 1:40 pm

    Todo mundo sabe que a violência é no país inteiro e chegou ao limite.Repararam no aumentou de estupros? Essa eu soube por uma auxiliar de enfermagem lotada num ambulatório de presídio: Até pouco tempo os estupradores num presídio ou eram isolados ou levavam no mínimo uma surra.Não acontece mais.Os prisioneiros não são mais informados-sim, eles eram-sobre o crime dos malditos.Se vazar e o cara aparecer com um esfolado no joelho abrem inquérito para saber qual funcionário vazou a informação.Na prática o castigo diminuiu.Não defendo surra em ninguém, mas fica clara a relação entre delito e pena.

  • Zezão

    -

    27/4/2013 às 1:07 pm

    Quem protege bandido com conversa fiada e não é advogado ou promotor de justiça é CÚMPLICE!!! Faz apologia do crime. Essa Dona Samira tinha de ser enquadrada na lei.

  • Josi

    -

    27/4/2013 às 12:17 pm

    É cada uma! Com esses discursos estapafúrdios é que defende-se a progressão continuada dos alunos (passar sem méritos,na escola),a internação em entidades sem o mínimo de condições de recuperação, a tolerância a protesto de maconheiros, e direito de bagunça pública (som alto em carros, usos de narcoticos em via pública, álcool vendido sem limites, propagandas indutivas ao álcool, e etc… Assim caminha a nossa querida pátria, com tolerância 1000% à delinquencia…

  • True Metal

    -

    27/4/2013 às 10:43 am

    A polícia precisa investigar o envolvimento da mãe desse demônio chamado Jonatas. Vi na TV o conjunto habitacional onde eles moram…. super humilde.. então, por favor, autoridades, expliquem o Audi A3 que a fulana tem na garagem. Também não ficou claro o fato de haver um Honda Fit roubado por lá. Essa mulher está envolvida na quadrilha!

  • wilson

    -

    27/4/2013 às 9:51 am

    Ontem o Japão enforcou cinco “vítimas das condições sociais”
    Sem este papinho mequetrefe da madame.

  • Steve Ling

    -

    27/4/2013 às 6:57 am

    A socióloga Samira Bueno já foi assaltada? Já teve alguém próximo vitima dos individuos que ela tenta proteger?

  • Tere

    -

    27/4/2013 às 6:26 am

    O que esse pessoal está procurando é a população começar a fazer justiça com as próprias mãos. Eu não acredito mais que a situação atual tenha alguma solução. Peço a Deus que um caso assim não aconteça com minha filha, porque não vou esperar pela justiça.

  • Sergio Rocha

    -

    27/4/2013 às 4:30 am

    Apenas um pequeno reparo: Sou ateu (ou, vá lá, agnóstico) e também advogo a necessidade urgente da ressacralização da vida humana e da punição exemplar de quem a desrespeita.

  • Frei Caneca

    -

    27/4/2013 às 3:27 am

    Reinaldo, veja bem.

    O Bom Selvagem da esquerda brasileira nao tem nada a ver com a conta bancária, mas com o sadismo da turma. Eles sempre estao prontos para defender um sádico, porque sao sádicos. Se o monstro anda de bicicleta ou de porsche, nao importa. Claro, nossa “esquerda” só anda de porsche, mas o que vale é a monstruosidade.

  • Fernando

    -

    27/4/2013 às 2:29 am

    Uma coisa é certa: é mais seguro caminhar nas ruas de Bagdá, Grosny, Cabul, Porto Príncipe ou até mesmo de Damasco, do que andar em qualquer lugar do Brasil. Sem dúvida nenhuma É O PAÍS MAIS VIOLENTO DO MUNDO! Se isso que está acontecendo aqui não é terrorismo ou uma guerra civil declarada, não sei mais nada. Enquanto isso, o governo, congresso e STF ficam discutindo o sexo dos anjos, ao invés de tomar uma atitude concreta.

  • Brasileiro

    -

    27/4/2013 às 1:17 am

    Nada se compara a este socialismo bolivariano que chega ao Brasil em doses homeopaticas de desprezo com o direito individual a liberdade de viver.Liberdade de trabalhar, sair de casa e voltar com segurança e permanecer no serio do lar com segurança.Qual será o Plano maquiavelico desta esquerda petista bolivariana para não punir meliantes com leis severas?O controle dos cidadãos pelos esquedopatas se faz com a instalação do caos social e a ruptura de valores familiares e religiosos?Onde o Brasil vai chegar ?Vivemos momentos de uma revolução comunista bolivariana.E quem chefia todo este mega projeto socialists bolivariano que anestesia até a oposição politica??

  • -

    27/4/2013 às 12:47 am

    Nada adianta inteligência e polícia na rua se não houver lei que mantenha o criminoso na cadeia. A possibilidade de um assaltante ser pego é de 1%. Se for pego, cumpre só 16% da pena. Logo estará nas ruas, pelas portas do semiaberto, que nada de semi não tem nada, porque basta uma cartinha falsa de emprego para o criminoso passar o dia inteiro na rua. Portanto, um ladrão cometerá cem assaltos até ser preso, e quando preso, cumpre 16% da pena e torna à rua para assaltar. O Brasil é o país que tem a lei penal mais leniente do mundo. Basta um crime que choque a sociedade para as carpideiras, chamadas especialistas, destilarem o seu granscismo penal, de que não adianta recrudescer a lei penal, distorcendo o que foi dito por Beccaria, de que mais vale a certeza da punição que a dureza da pena. Beccaria nunca afirmou isto, disse, sim, e na pré-revolução francesa, que as penas deveriam ser proporcionais, porque, então, a pena aplicada a todos os crimes era a morte. Adeptos da criminologia radical, as esquerdas veem no criminoso mais do que mero Hobin Wood, ele é o agente de desestabilização da sociedade, aquele que a deixa conformada ante à dantesca violência, sentindo-se impotente. Foi assim na Rússia em 17, assim é no Brasil de hoje. Que a oposição acorde, e entenda que este é o grande discurso para a eleição de 2014, leis penais de verdade, o que em 10 anos o PT não fez, do contrário, o PT acabou com o exame criminológico, desfigurou a lei de crimes hediondos logo depois de uma única vez o STF, por 6×5 dizer inconstitucional a lei dos crimes hediondos (contra milhares de decisões, da mesma corte, em sentido contrário), afora apresentar projeto de lei processual que não permite que quase mais ninguém fique preso durante o processo. O Brasil faz de tudo para não prender durante o processo (chama-se isto de presunção de inocência), bem como de tudo para soltar o preso depois de condenado (o que chamam de individualização da pena). Portanto, nosso sistema penal não é eficaz (apura 1% dos crimes) e não é efetivo (cumpre-se 16% da pena). Acorda, oposição, muito mais que discutir o preço do tomate, a corrupção estratosférica, o eleitor quer ouvir que alguém vai se prontificar a mudar as leis penais (o Presidente da República detém iniciativa legislativa, afora o poder de veto).

  • Cristina Almeida Santos

    -

    27/4/2013 às 12:36 am

    A cada dia o nosso Brasil causa mais vergonha. A vida dos cidadãos não vale mais nada.Todos os dias as pessoas são executadas nas ruas, sem dó nem piedade. As pessoas que trabalham, que pagam impostos, que têm filhos, família, são reféns dos crminosos, que só no Brasil podem agir livremente.
    E os bandidos? Esses vagabundos que nada fazem, matam, roubam, estupram, e são protegidos pelas leis.
    Onde estão a OAB, o STF, os tribunais, toda a sociedade, que nada fazem?
    Será que um dia haverá ordem neste país?

  • ferreira

    -

    27/4/2013 às 12:25 am

    Vários comentários perguntando pela turma dos direitos humanos, onde estão nessa hora??Só vão aparecer quando os bandidos forem presos, como sempre.Incrível como os congressistas ainda acreditam que endurecer penas tira voto.

  • Beto Santista

    -

    27/4/2013 às 12:17 am

    Sempre vi o Lula e a Dilma dizerem que a pobreza acabou no Brasil. Como então ela é a culpada pelos bandidos/? mais uma dos petralhas. EH EH EH

  • J.Paulo

    -

    27/4/2013 às 12:16 am

    Desconfio que pra esses benfeitores do ECA até um tipo como esse pode ter alguma recuperação: http://www.hiroshibogea.com.br/?p=19590
    AVISO: Se dar momentos desagradáveis ao estômago é uma idéia que passa muito longe, não recomendo ler a matéria.

  • fig

    -

    27/4/2013 às 12:05 am

    A Folha só dá espaço para os petralhas que defendem bandidos. Para quem é a favor a da redução da maioridade penal,nada.

  • Casca Fina

    -

    26/4/2013 às 11:46 pm

    Pena de morte. Tem que por um fim.
    Senao, daqui a poucos anos, ele estará solto.
    E vai cometer outra barbaridade.
    Não tem conserto. Gente assim não tem conserto.
    Eu voto pela pena capital.

  • Fora PT/PMDB!!!

    -

    26/4/2013 às 11:43 pm

    O país vive uma crise de autoridade! Uma crise moral!
    A população, apática e acovardada, assiste bandidos poderosos permanecerem impunes graças a um judiciário corrompido e/ou combalido.
    A classe artística e outros formadores de opinião, mais empenhados em polemizar e tumultuar do que levantar a “bandeira da moralidade e dos bons costumes”…
    No edifício chamado Brasil, a faxina tem que começar pela cobertura.

  • hestia

    -

    26/4/2013 às 11:40 pm

    Minha admiração imensa por FHC , mas foi no governo dele que se instituiu essa avacalhação das penas. Em lugar disso deveria ter proposto a construção de mais cadeias e pela imensidão de criminosos e larápios do Brasil a prioridade deveria ter sido construção de cadeias de segurança máxima Cumprir toda a pena bem preso. Isso eh uma estoria ainda mais longa. Lembra do tempo do Juca Chaves? “a policia chega e prende a justiça vem e solta……isso eh o Brasil…..

  • Hagner

    -

    26/4/2013 às 11:38 pm

    Se alguém quiser expressar sua indignação sobre esse caso revoltante, ajude a compartilhar essa imagem no Facebook:

    https://www.facebook.com/photo.php?fbid=342353782554252&set=a.334569316666032.1073741828.100003388986020&type=1&theater

  • marta

    -

    26/4/2013 às 11:20 pm

    .
    O dia em que a vítima for um filho dessa sujeita, pode estar certo que ela desce do romantismo.
    .

  • marta

    -

    26/4/2013 às 11:18 pm

    .
    Quem pe contra a bandidalha é bandidalha também.
    .
    O fato é esse e só esse.
    .
    Espero que os candidatos, em 2014, não se esqueçam de trazer a público, para conhecimento dos eleitroxas, toda a bandidalha que defende a bandidalha de qualquer espécie ou calibre.
    .
    N problema do braziu é não dar nomes aos bois.
    .

  • marta

    -

    26/4/2013 às 11:14 pm

    .
    Quando o debate passa pela teoria de que o aumento da pena não diminui o crime, que a pena de morte blábláblá… tenho náuseas.
    .
    O aumento da pena serva para TIRAR ESSE TIPO DE ELEMENTO do meio social, no qual ele não está devidamente civilizado para viver. É isso.
    .
    Se a cadeia ensina, aprimora o bandido, não é o caso.
    .
    Quem tira uma vida por nada, como foram os casos do Victor Hugo, da Cinthya e de tantos outros, tem de passar O RESTO DA VIDA em cana.
    .
    A Cinthya morreu QUEIMADA VIVA porque SÓ TINHA R$ 30,00 na conta?! É isso mesmo? Quer dizer que agora, teremos de fazer poupança pra bandido.
    .
    Já que a dilmalfeitos baixou decreto acabando com a pobreza, pode baixar outro colocando R$ 50.000 na conta de cada cidadão em caso de assalto.
    .

  • antony de molay

    -

    26/4/2013 às 11:09 pm

    desculpe incomodar mas qius dizer que o mumm-ra cantor,com a ajuda da globo continua a infernizar quem tem bom gosto musical. e,veja,melhor revista da america latina,está de parabéns por acabar com a intocabilidade de ícones decrépitos e forjados.parabéns vc sim é o cara!

  • marta

    -

    26/4/2013 às 11:08 pm

    .
    “Os nefelibatas dizem que é tudo culpa da pobreza, como se estivéssemos diante de uma manifestação da luta de classes”.
    .
    ué!!! A dilmalfeitos não assinou um decreto extinguindo a pobreza?!
    .
    Essa eu não entendi, Reinaldo.
    .

  • joanfuca

    -

    26/4/2013 às 11:07 pm

    Quando tem um jogo de futebol entre os grandes clubs brasileiros,você percebe que mais de 3000 policiais vão às ruas para proteger os torcedores de bem e indiretamente proteger os MARGINAIS (as torcidas desorganizada).Depois os policiais somem,nimguém vê eles nas ruas da cidade,provavelmente estão dentro de algum gabinete com AR condicionado.Com isso ficamos desprotegidos e a BANDIDAGEM solta por aí,exigimos policiais nas RUAS (com carro,moto e com a maioria à PÉ).

  • antony de molay

    -

    26/4/2013 às 11:01 pm

    caro reinaldo,é triste constatar que chegamos ao fundo do poço,ao limite da imundície e da torpeza.
    macunaíma,sempre foi o esteriótipo com o qual muitos dos brasileiros ,até de maneira simpática, se identificavam.hoje,a graça ou o tom travesso,cínico e perdoável do anti-herói,deram lugar a um mal sem limites.
    o brasil,nunca passou por uma galvanização social,nunca viu de perto o horror de um conflito,nunca teve heróis.o brasileiro,em sua esmagadora maioria é um hipócrita nato.e,nada poderá mudar isso.as instituições estão desacreditadas, os políticos em sua maioria são escroques do mais baixo nível da humanidade,os ídolos ou são múmias decrépitas,doentes que com a ajuda da globo(alô “rei”dos homens ocos,sua hora está chegando!)ou são marginais apologistas do crime.é caro reinaldo esse país começou errado,seguiu e segue errado em cada pequeno aspecto de seu quotidiano.pagamos agora o preço por escolher ser macunaíma,como o jovem que ao invés de aproveitar as oportunidades de se ilustrar escolhe o vício,como o usuário de maconha que decide dar um passo adiante e usar crack.ao atingir tal estágio de barbárie,a democracia da provas de seu fracasso como agente civilizador(não que defenda qualquer outro tipo de sistema, mas penso que a democracia é para uma nação de verdade,e não uma tribo infeliz com um cacique que ao invés de inspirar virtudes,faz o macunaíma parecer o rei leônidas).talvez somente uma brutal convulsão social possa recolocar este lupanar de dimensões continentais em ordem.

  • Rolland T. Flackphayser

    -

    26/4/2013 às 10:57 pm

    Proponho aqui o movimento REAGE BRASIL! para lutarmos, “literalmente” contra essa bandidagem. Cursos de autodefesa, patrulhas comunitárias, vigilância de janelas, etc…

  • Jorge

    -

    26/4/2013 às 10:50 pm

    Só aumento das penas não irá resolver o problema.
    Por incrível que possa parecer, o que mais os vagabundos temem não é a reclusão é o… TRABALHO!
    Nos presídios, eles ficam as 24 horas do dia planejando fugas ou golpes através de celulares. Ou “cabeças” como Marcola / Beira-mar, se preocupando em coordenar suas respectivas quadrilhas extra-muros.
    Comem, bebem, dormem, se exercitam, jogam futebol, tem direito a “visita-íntima” e ao “bolsa reclusão” cujo valor é maior do que o salário mínimo… tudo, AS NOSSAS CUSTAS!
    NÃO PODEM SER OBRIGADOS A TRABALHAR… só os que se voluntariarem e são, em geral, trabalhos artesanais/leves.
    Tem que obrigar essa cambada a trabalhar… pavimentar estradas/rodovias, capinar, etc. BOLA DE FERRO NO PÉ!! DISCIPLINA RÍGIDA!!!
    E o principal: também fazer valer as leis e estas medidas para os tubarões do crime.

  • júlio

    -

    26/4/2013 às 10:41 pm

    Fico envergonhado pelos VAGABUNDOS que nós brasileiros colocamos na Câmara, Senado e Presidência da República.
    Enquanto somos roubados, um crime menor e mortos um crime maior, este, vagabundos, estão ficando cada vez mais ricos e ousados para colocar o BRASIL na DITADURA dos Ladrões, sejam eles pés de chinelo ou PROFISSIONAIS como os de BRASÍLIA.

  • Juan Pla

    -

    26/4/2013 às 10:34 pm

    Algo que ficou em minha mente desde 2006 – “O cumprimento da pena em regime integral, por ser cruel e desumano importa violação a esses preceitos constitucionais” (Ministro Eros Grau)
    Discordo – Cruel eh matar uma pessoa, desumano eh soltar um assassino para que ele possa continuar matando outras.

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados