Blogs e Colunistas

19/09/2011

às 6:55

Discurso de Dilma na ONU, no que respeita a Israel, é, para dizer pouco, irresponsável!

A presidente Dilma Rousseff faz o discurso de abertura da Assembléia Geral das Nações Unidas na quarta-feira, como os líderes brasileiros têm feito desde 1947, quando Oswaldo Aranha respondeu pela fala inaugural. Deve abordar a crise internacional, dar conselhos, exaltar a solidez econômica do Brasil, fazer advertências como expressão daquela parte do mundo que está fora do centro da crise, criticar as assimetrias etc e tal, tudo o que é de rigor nesses caos. Mas vai também dar o endosso do Brasil a uma irresponsabilidade, a uma temeridade: o pedido de reconhecimento do estado palestino, que será levado à Assembléia por Mahmoud Abbas, o presidente da Autoridade Nacional Palestina.

A Palestina não pode existir como estado soberano? Pode, sim! Mais do que isso: deve. Mas sob quais condições? Ao endossar o pedido de reconhecimento como estado independente com representação plena da ONU, as lideranças palestinas apostam que o principal interlocutor deixou de ser aquele com quem tem litígio: Israel. É uma insanidade que se apele à solidariedade internacional em busca do reconhecimento num péssimo momento da relação entre os dois lados.

Que “estado” os palestinos querem ver reconhecido pela ONU? Aquele que devolve Israel às fronteira de 1967? Não vai acontecer! Que divide Jerusalém? Não vai acontecer)!  Que permita a volta dos chamadas “refugiados”, com seus milhões de descendentes? Não vai acontecer! Que acate os terroristas do Hamas como uma força que luta com métodos aceitáveis? Não vai acontecer! Que elimine todas as colônias judaicas da Cisjordânia?  Isso também não vai acontecer! Já não aconteceria se a região vivesse o mesmo  status de há seis, sete meses. Agora então…

A iniciativa do governo palestino — e o acordo entre os arquiinimigos Hamas e Fattah assume a sua verdadeira face — é uma aposta na guerra, não na paz. Israel, de fato, raramente enfrentou uma situação tão hostil na região, mas é bom lembrar que viveu dias muito piores, E sobreviveu. Só ocupa hoje os territórios dos quais querem expulsá-lo porque venceu duas guerras que tinham o objetivo de aniquilá-lo — reagiu, não atacou. E é assim porque assim se deram os fatos, não porque eu quero.

Isso quer dizer que não deva jamais negociar? Não! Isso quer dizer que não dá — porque é assim com qualquer país; porque deveria ser diferente com Israel? — para fazer de conta que as guerras de 1967, a dos Seis Dias, e a de 1973, do Yon Kippur não aconteceram. Aconteceram! Tiveram conseqüências. Israel deixou Gaza, e Gaza foi tomada por terroristas que  passaram a atacar sistematicamente o país. Israel deixou o Sul do Líbano, e o Sul do Líbano foi tomado por terroristas que passaram a atacar sistematicamente o país. E é assim porque assim se deram os fatos, não porque eu quero.

O anti-israelismo — com freqüência, não sempre, é anti-semitismo mesmo! — faz juízos curiosos. Cansei de ler textos, da imprensa brasileira e estrangeira, chamando a atenção para o fato de que raramente Israel esteve tão isolado, razão por que deveria negociar. Heeeinnn? Chamam a atenção para a mudança de status do Egito, hoje assombrado pelo fundamentalismo — aguardem e verão que “maravilha” se vai fazer por lá… Chamam a atenção para o transe vivido pela Síria; de fato, se Bashar Al Assad cair, a chance de os extremistas ganharem espaço no governo, a exemplo do que já acontece no Egito e está para acontecer na Líbia, é gigantesca! O Irã, como sempre, está por ali, prometendo “varrer o inimigo do mapa”. A “democrática” Turquia — sempre que alguém vibra com a “democracia turca”, eu reluto para não ficar muito comovido — decidiu exercer a diplomacia que consiste em apagar incêndio com gasolina…

Deixem-me ver se entendi direito: pedem ao país que quase foi destruído duas vezes por seus inimigos, que voltaram a ficar assanhadíssimos, que ceda à pressão (e à chantagem) da Autoridade Nacional Palestina, MOMENTANEAMENTE RECONCILIADA, e aceite o “estado palestino” fora do âmbito de uma negociação bilateral? E o fazem no momento em que as novas forças que governam o Egito colaboram descaradamente com o terror e o extremismo?

É evidente, a esta altura, que os terroristas que saíram de Gaza e passaram pelo Sinai para atacar o sul de Israel contaram com a colaboração dos egípcios. A embaixada israelense no Cairo ficou horas sob ataque, sem que as forças de segurança movessem uma palha para conter os extremistas. Depois do ataque, o “odiado” (pela imprensa política e islamicamente correta) Binyamin Netanyahu, primeiro-ministro de Israel, afirmou: “Vamos continuar atados ao acordo de paz com o Egito”. Essam Sharaf, primeiro-ministro egípcio, disse algo um pouquinho diferente: “O acordo de Camp David (de 1979) não é sagrado e está sempre aberto a discussão com aquilo que poderia beneficiar a região e a defesa de uma paz justa. Nós poderíamos fazer uma mudança se fosse necessário”. Paz justa??? A paz lhes foi até benevolente, não é? Israel devolveu o Sinai ao agressor…

A “Primavera egípcia”, diga-se, faz-se com a perseguição a judeus e a cristãos, cujas casas e igrejas estão sendo sistematicamente incendiadas pelos “heróis” da nova ordem… Que dias estes! Na Líbia, a trinca Obama-Cameron-Sarkozy entrega o poder aos jihadistas… O mundo anda de tal sorte de cabeça pra baixo que os cristãos e drusos, minorias na Síria, apóiam o asqueroso Bahar Al Assad porque sabem que, se ele cair, elas serão impiedosamente perseguidas. É uma “Primavera” que se faz com o sangue dos “que não pensam como nós [eles]“. Huuummm… É mais ou menos assim desde, deixem-me ver, o século VII…

Sabe-se lá por qual desvão da lógica se cobra, então, que Israel se dê conta do seu “isolamento”, do assanhamento dos inimigos, e ceda à pressão! Mas esperem: não deveria ser justamente o contrário? Não é num momento como esse que o país mais deve se preocupar com a sua segurança e exigir garantias adicionais? É o que diz o bom senso. Pedem ao país que caminhe contra a lógica mais elementar. Não vai acontecer. Israel não existe porque tenha se ajoelhado.

O Brasil não está inovando — só está indo mais longe na impostura quando o assunto é Israel. Nos nove anos de governo petista, tem votado sistematicamente contra o país. Ainda que os EUA tenham poder de veto e possam impedir a entrada da Autoridade Nacional Palestina como membro efetivo da ONU, o eventual endosso de dois terços dos países ao pleito tem potencial para incendiar a região. Isso colocaria Israel na posição de quem só está obrigado a ceder, como se, na negociação com terroristas, intransigente fosse o outro lado…

“Pô, Dilma é capa da Newsweek, e esse Reinaldo Azevedo está falando mal da política externa brasileira e do discurso da mulher na ONU!?”. Grande coisa! Eu sou assim mesmo! Queriam que eu falasse mal de quem é capa da Carta Capital ou da Caros Amigos?

A posição brasileira na ONU, de resto, é um vilipêndio à memória de Oswaldo Aranha! A tal guinada na política externa era só uma piscadela à razão. Passou depressa! O Brasil, por força de sua economia — não de seu governo! — exerce papel crescente no mundo. Mas, por enquanto, seus dirigentes o fazem parecer mais arrogante do que propriamente grande.

Dilma talvez não se dê conta porque, em política externa, não é menos apedeuta do que Lula: o discurso que ela fará na quarta-feira, no que diz respeito ao Oriente Médio, alimenta-se com o sangue de inocentes e faz tabula rasa da história.

Por Reinaldo Azevedo

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

158 Comentários

  1. Highor

    -

    25/09/2013 às 22:04

    ReinaldoXXXXXXXX na cascuda!

  2. Richard

    -

    25/09/2013 às 11:19

    Setembro negro? O que fizeram com os palestinos? E quem foram os Jordanianos,não? Até poucos anos a maioria no Líbano era cristã, não? Quem foi em defesa aos libaneses cristãos quem foi? Quem detonou o Líbano, que era a pérola do oriente médio ? Eles se mata entre si! E acham que são confiáveis?????

  3. Daniel Barbosa

    -

    25/09/2013 às 9:27

    ReinaldoXXXXXXXX na cascuda!

  4. JEU BARBOSA DE SENA

    -

    26/09/2012 às 17:12

    Não existe povo palestino, existe sim árabes muçulmanos querendo destruir ISRAEL.

  5. JEU BARBOSA DE SENA

    -

    26/09/2012 às 17:08

    Quando leio estas questões ou vejo documentários e filmes me vem a mente aquela guerra em que ISRAEL venceu seus vizinhos arquinimigos e matou todos os terroristas que em 72 nas limpíadas de Munique mataram covardemente 9 israelenses fico de alma lavada. Os cães ladram e o povo Judeu passa.

  6. Pedro

    -

    12/12/2011 às 12:16

    Reinaldo,sou estudante, porém, venho acompanhando a Primavera Árabe a algum tempo. Compreendo que a relação Palestina-Israel se faz muito delicada desde a década de 40 e a proposta de partilha, porém, devemos entender, também,o lado palestino:
    Por mais que conceitos religiosos judaicos aspirem por isso, com que direito os judeus tem de reinvidicar um território cujo eles ocuparam há mais de 1000 anos?
    Por mais que digam que os palestinos tiveram opções, é muito simples apenas falar que aqueles que tiveram suas terras tomadas pudessem recomeçar suas vidas em outro lugar, mas não é tão simples assim!
    A pobreza e a miséria aumentariam, independente do país e,irremediavelmente, estes viveriam em péssimas condições. E acha mesmo que o governo de Israel se importaria?
    Claro que não digo que as revoltas armadas e o radicalismo do Hamas foi saudável a Palestina, muito pelo contrário, mas vimos que a diplomacia de Yaser Arafat e o Fatah não surtiram efeitos. Há dois lados da história, devemos analisar os dois.

  7. Ricardo

    -

    01/11/2011 às 18:03

    Rei,

    Releio esse texto mais de um mês depois, e vejo que suas análises sobre a Líbia, Israel e oriente médio em geral estão corretíssimas. Líbia e Egito podem se tornar democracias? Podem, mas veremos quem voz por lá, se os fascistas islâmicos ou os jovens que participaram da “primavera árabe”.

    Abraços.

  8. Ricardo Col De Bella

    -

    23/09/2011 às 9:42

    Reinaldo, muitíssimo obrigado por verbalizar o que também penso em sabias palavras e ricos argumentos. Passei 3 anos no oriente medio e é notória a falta de compreensão destes aspectos aqui no ocidente. Fiquei feliz em ver todos os comentarios postados com mais pessoas com o mesmo ponto de vista.

  9. O Carioca

    -

    23/09/2011 às 2:58

    Realmentea Palestina ja poderia ter sido membro das Nacoes Unidas desde 1948 caso tivessem concordado com o plano da particao das areas judaicas e arabes de acordo com a resolucao 181 (The United Nations Partition Plan for Palestine was a resolution adopted on 29 November 1947 by the General Assembly of the United Nations. Its title was United Nations General Assembly Resolution 181 (II) Future Government of Palestine). A Dilma nao disse nada de extraordinario. Os arabes teriam uma area muito maior do que a atual e todas ligadas entre si. A grande pergunta, pelo menos para mim, seria por que nao aceitaram esse plano? Teriamos economizado 64 anos de carnagem mutua.

  10. Marco Ponce

    -

    22/09/2011 às 18:01

    Obrigado por fazer uma leitura israelense dessa situação. Isso realmente nos faz pensar mais profundamente e refletir na questão da paz no Oriente Médio.

  11. Egber Tibola

    -

    22/09/2011 às 17:00

    Até que enfim um texto coerente sobre esse assunto. Parabéns

  12. Gil Telles

    -

    22/09/2011 às 16:25

    Parabéns pelo belíssimo texto! Obrigado por ser uma voz que denuncia a falta de equilíbrio na política brasileira.
    Abs.

  13. TORRES DEMELO

    -

    22/09/2011 às 11:08

    O artigo aborda o assunto com muita propriedade. Quem vai garantir a existência de Israel? Querem uma nova Massada? o MUNDO TEM QUE TER RESPONSABILIDADE. O BRASIL tem que agir com responsabilidade. Há briga na regiáo desde o tempo de MARKOR
    1000 anos a.C. torres de melo

  14. Sergio

    -

    22/09/2011 às 8:18

    Rosan, Um Estado Palestino desmilitarizado eh exatamente o que Netaniahu propos para dar andamento as negociacoes de paz. Caso essa sua proposta fosse aceita pelos palestinos, nao haveria necesidade de irem a ONU!!

  15. Rosan Cruz Marques

    -

    22/09/2011 às 0:07

    Chega de falácia, ja está mais do que na hora de criar um estado Paletino, como pode existir negociação entre lados desiguais, entre um estado (Israel) e outro que não é estado só criando um estado Palestino assim como foi criado o Israelense é que teremos igualdade de condições e responsabilidades de estado! A negociação é simples Israel devolve as regiões ocupadas e o estado Palestino desmilitarizado junto com a ONU se torna responsável pela paz e combate ao terrorismo!

  16. DIGNO

    -

    21/09/2011 às 23:24

    Que crítica poderiamos esperar de um colaborador da VEJA ? Lugar comum, não? Só uma sugestão analise melhor os fatos, a história e seja menos parcial nas suas ponderações. Lembre-se a história é escrita pelos dominantes não pelos dominados e seu múnus é o jornalismo, não uma visão apaixonada do tema.

  17. Sergio

    -

    21/09/2011 às 5:36

    Zezinho, Voce me parece bem informado a respeito de direito internacional mas sugiro aprofundar-se mais na questao da “ocupacao” israelense dos territorios da cisjordania. Para comecar, pergunte-se a quem pertencem esses territorios? ocupados de quem? que pais perdedor de guerra reivindica a devolucao dos territorios? O assunto eh mais complicado do que nos parece, as respostas nao sao tao simples e requer conhecimento profundo.

  18. Marcia

    -

    21/09/2011 às 1:05

    ´´ Por uma série de razões, inclusive históricas ´´ e acrescento biblicas também. Quem viver verá se cumprir as profecias biblicas e ainda ouso dizer que Israel é um exemplo a seguirmos em saber resistir os dias maus, a não ceder as pressoes do dia a dia; ex: corrupção, crisa na saude e etc. Pq sera então que chama tanta atenção essa ´guerra santa ´, masi que a fome na africa o qq outra aflição q esteja passando o mundo . Bom, p/quem nao acredita que a biblia foi escrita atravez de inspiração divina, e so esperar os acontecimentos , e ai veremos uqem ira rir por ultimo e estara com a razão, e esperar pra ver …
    obs : achei vc ´Reinaldo´pq estava procurando algo sobre Hugo Chavez falando de Israel, e pela primeira vez vi alguem sem medo de falar . em relacao alguns coemtarios achei engraçado ex: Elah
    - 19/09/2011 às 18:35

  19. Jose carlos

    -

    20/09/2011 às 22:39

    Sandra, Amanda e Mirian..não envergonhem as mulheres. Pensem, leiam, e discutam o belo texto do Tio Reinaldo. Frase como: é isso aí…ta certo tio… empobrecem essa discussão tão esclarecedora. Não sou preconceituoso, mas vou lendo os bons comentários e de repente aparece um: “é isso ai tio”..ah não da… Jose Carlos.

  20. Silas

    -

    20/09/2011 às 20:05

    Caro Rei,
    Permita-me dirigir uma palavra a Edgard Feitosa (20/09/2011 às 12:12):
    Respeito o espaço que Azevedo nos concede para manifestarmos nossas opiniões sobre o que ele tão magistralmente trata (sou leitor assíduo, visitando o blog diversas vezes ao dia). Acredito que não é um espaço apropriado para dicussões de cunho bíblico-teológico. No entanto, não posso me furtar a, não a dar-lhe uma resposta (a oportunidade, o tempo e o espaço não me permitem assim fazer), mas apenas dirigir-lhe algumas palavras:
    1. Você diz que fazemos parte de um “Israel espiritual” hoje. Não sei se o “nós” aí refere-se a igreja cristã ou a todas as pessoas da terra (universalismo), independente da sua convicção religiosa. Em qualquer um dos casos, discordo de você. Penso que não se pode identificar Israel e Igreja. São “povos” distintos, em suas naturezas e destinos;
    2. Descartando aquele universalismo que pode ser o sentido que você deu “ao Israel espiritual”, como eu levantei no tópico anterior, resta a igreja cristã, segundo sua interpretação da Bíblia, como objeto das promessas de Deus. Ora, se as promessas de Deus são “para o Israel espiritual” – suas palavras -, então é de perguntar-se, permita-me usar suas proprias palavras – : “que Deus é esse que é possuidor de sentimentos de preferência por uns e por outros não, como se fosse um simples ser humano???”. Por que, Edgard, as promessas de Deus são dirigidas apenas ao Israel espiritual, a igreja? Não deveria ele, como Deus que não tem “sentimentos de preferência por uns e outros não” estendê-las a todos, indistintamente de sua religião? Apenas ao “israel espiritual”?. Quer você eu gostemos ou não, a eleição é um fato bíblico. Você pode dizer que a Bíblia é um monte de bobagens ou qualquer outra coisa do gênero. Só não pode dizer que a eleição de Israel não está na Bíblia!
    3. Uma “leitura ao pé da letra da bíblia(sic)” levou-o à convicção de que Jesus previu a destruição de Jerusalém, e, obviamente, de que essa previsão aconteceu como Jesus e os demais profetas de Israel anteciparam. Ora, o mesmo Jesus e os mesmos profetas que anteciparam a destruição de Jerusalém – e tal destruição aconteceu literalmente, “ao pé da letra” – previram a sua restauração. Por que crer apenas na profecia da destruição literal e não na profecia da restauração literal? Quem falou de uma falou da outra!
    4. Como esclareci no comentário ao post de Azevedo, o que disse é matéria de fé na integridade das Sagradas Escrituras; tenho o direito de assim crer.Você chamou minha opinião de “patuscada”. Bom, diz o ditado popular que quem tem boca fala o que quer e quem tem ouvido ouve o que não quer. Não serei eu a desmentir a sabedoria popular e muito menos a pedir um “controle de idéias teológicas”!
    5. Que Israel está hoje em incredulidade, e portanto, por assim dizer, em “stand by” nos planos de Deus, é fato! Mas essa situação mudará um dia – e como o profeta Zacarias previu – e Israel será restaurado. Essa incredulidade é PARCIAL E TEMPORÁRIA – “Porque não quero, irmãos, que ignoreis este mistério ( para que não sejais presumidos em vós mesmos ): que veio endurecimento em parte a Israel, até que haja entrado a plenitude dos gentios.” (Romanos 11.25). Essa incredulidade, no presente, resultou em bênçãos para os gentios – “Pergunto, pois: porventura, tropeçaram para que caíssem? De modo nenhum! Mas, pela sua transgressão, veio a salvação aos gentios, para pô-los em ciúmes.” (Romanos 11.11); quando a incredulidade de Israel cessar (como Zacarias previu) , no futuro, óbvio, o que diz Paulo?: Rom 11:12 Ora, se a transgressão deles redundou em riqueza para o mundo, e o seu abatimento, em riqueza para os gentios, quanto mais a sua plenitude! Veja, meu caro Edgard, que nem a incredulidade de Israel tirou-o do plano de Deus para a Terra! Eu me curvo ante à soberania de Deus!
    6. Obviamente Paulo não está se referindo a nenhum Israel espiritual nos textos dos capítulos 9 a 11 de Romanos. Simplesmente não cabe! Nem o mais radical devaneio alegorista fará do Israel desse texto outro Israel, um Israel espiritual.
    7. Reinaldo Azevedo tem pontificado em seus posts as exigências que o mundo faz à nação israelense e que não faz aos seus (de Israel) inimigos. Ler Azevedo sobre o assunto é um verdadeiro curso da história moderna de Israel. Como disse no meu comentário, eu não me surpreendo com essa atitude dos líderes mundiais, de movimentos, de nações, da imprensa etc. E por que não me surpreendo? Por que os profetas de Israel assim anteciparam!
    Por aqui findo.

  21. Ferrabraz

    -

    20/09/2011 às 20:04

    Tranquilo, veremos mais uma guerra por lá.
    Isso só parará quando um dos dois deixar de existir.
    O resto é a velha tertulia política dos que não cedem nunca.
    Jamais haverá paz na Palestina.

  22. Rildo

    -

    20/09/2011 às 17:30

    Reinaldo, todos estão carecas de saber que judeus, palestinos e árabes podem e vivem fraternalmente. Um exemplo disso é que recentemente um palestino foi eleito Grão Mestre da Maçonaria da Grande Loja Maçônica de Israel.Esta potência maçônica tem como membros judeus, árabes, palestinos, católicos, evangélicos, muçulmanos etc.

  23. Amanda

    -

    20/09/2011 às 16:23

    Argh, por que não te calas, Dilma?

  24. Mako

    -

    20/09/2011 às 16:10

    Obviamente superar milhares de anos de ódio mútuo é difícil, mas já está mais que na hora de dar aos palestinos uma nação. Podemos sempre argumentar, pelos próximos 50 anos que os palestinos não perdem a chance de desperdiçar uma chance. Mas a intransigência israelense apoiada por um forte lobby nos EUA também não tem ajudado, vejo tudo isto como um ato desesperado de tentar algo novo. E é válido, e obterá maioria, e isolará Israel e corre o risco de piorar antes de melhorar, mas o que deve fazer um povo sem esperanças? Creio que chegou-se a um ponto que a guerra e a morte passa a ser uma alternativa melhor que a humilhação diária.

  25. @Medeyer

    -

    20/09/2011 às 13:40

    Primeiro: Já existe um estado palestino:A Jordania (veja o Mandato Britânico! Uma criança nascida hoje na Jordânia cujo avô ou bisavô foi um “refugiado palestino de ’48, continua a ser palestino porque o rei Abdulah nega-lhe a cidadania, como negou ao seu pai e seu avô… O que se quer então é um SEGUNDO ESTADO PALESTINO! Mas o que acontecerá se os governantes da futura nação também negarem cidadania aos refugiados palestinos das outras regiões “ocupadas”, posteriores à 67? Daqui a 50 anos se tentará criar um terceiro estado palestino, às custas de Israel, outra vez?
    Segundo: todos falam de devoler aos palestinos as fronteiras de 67… Q eu saiba, Golã não era dos palestinos… e tenho certeza que o Bashar concorda comigo… Terceiro: fala-se muito do reconhecimento dos países árabes, europeus e do mundo todo, como se dependesse apenas de Bibi alcançar a paz… ou seja: entendi que quando o “mundo” quer a paz, então basta cobrar de Israel a responsabilidade de produzí-la. Não vejo o mesmo empenho em outros lugares do mundo…
    Quarto: A votação na ONU viola claramente a Declaração de Princípios assinados pela OLP em ’93, sobre as negociações diretas com Israel sobre um futuro Estado. Esta violação é mais uma prova do lado palestino não pode ser confiável para cumprir os acordos assinados e promessas.
    Por fim, se Israel cedesse a TODAS as exigências, dos seus inimigos, o terrorismo islâmico e o antisionismo não desapareceriam… muito pelo contrário!
    Hitler também dizia que a “destruição da paz” era um sinal de vitória dos judeus…

  26. Miriam

    -

    20/09/2011 às 13:33

    Tenho orgulho dos brasileiros que escrevem textos coerentes. E tu és um deles. Parabéns pela lucidez e pela aula de História.

  27. Eduardo Azevêdo

    -

    20/09/2011 às 13:13

    Ilustrado Reinaldo Azevêdo:
    merece toda a simpatia o comentário do “curioso”.
    Eu também sou da mesma tese:
    judeus, arábes e palestinos sempre viveram e vivem em paz.
    Judeus não vivem em paz com terroristas fundamentalistas.
    Aliás, ninguém viveu, vive ou viverá em paz com terroristas fundamentalistas.
    A idéia do curioso, de vocês promoverem uma reportagem, ou até mesmo um documentário entre a convivência pacífica de judeus, árabes e palestinos é ao menos inteligente.
    Aliás, Israel é a única democracia da região,
    e dentro do parlamento de Israel existem deputados palestinos.
    Mas isto nunca é divulgado.
    Por que nunca se divulga isso?
    Por que, heim?
    Por que não se divulga o que há de bom entre eles?
    Porque só se divulga e se dá ênfase a infelicidade de Israel ter de todo santo dia enfrentar militarmente terroristas fundamentalistas?
    Por que será, heim?
    Parabéns ao curioso por seu comentário e proposta.

  28. Zezinho

    -

    20/09/2011 às 12:26

    Reinaldo,
    Como eu, você tem sido defensor da aplicação objetiva do direito em temas diversos, como uso de drogas, invasões de terras, corrupção etc. Por isso, não consigo entender vários pontos de sua defesa de Israel, principalmente no que diz respeito às colônias israelenses na Cisjordânia e a Jerusalém Oriental. Trata-se de territórios ocupados em 1967, cuja colonização ou anexação é absolutamente proibida pelo Direito Internacional, mais precisamente a IV Convenção de Genebra relativa à Proteção de Civis em Tempo de Guerra. Uma coisa é não gostar do Hamas e achar que a ocupação é importante para a integridade de Israel; outra, muito diferente, é defender ilegalidades flagrantes em defesa do mesmo objetivo.

  29. edgard feitosa

    -

    20/09/2011 às 12:12

    Silas : é de estarrecer; em pleno século XXI quando se combate todo tipo de estereotipos travestido de preconceitos ou pretensa superioridade de um povo sobre outro; que patuscada é essa de considerar um povo como “eleito de Deus”??? e os outros povos por acaso são “deseleitos de Deus”??? que Deus é esse que é possuidor de sentimentos de preferência por uns e por outros não, como se fosse um simples ser humano??? A grande questão é que infelizmente por uma leitura ao pé da letra da bíblia SE CONFUNDE O ISRAEL ENQUANTO ESTADO COM O ISRAEL ESPIRITUAL; O ISRAEL ENQUANTO ESTADO FOI E É DURAMENTE CRITICADO POR CRISTO, INCLUSIVE PREVENDO A DESTRUIÇÃO DE JERUSALÉM; COMPLETAMENTE DIFERENTE DO ISRAEL ESPIRITUAL DO QUAL FAZEMOS PARTE; AS PROMESSAS DE DEUS NÃO SÃO PARA O ISRAEL MATERIAL (ESTADO), MAS PARA O ISRAEL ESPIRITUAL.

  30. Adriano da Ilha

    -

    20/09/2011 às 10:11

    Reinaldo, me desculpe, no comentário anterior esqueci de mencionar a fonte, tirei estas alíquotas do site do IBPT (Instituto Brasileiro e Planejamento Tributário).
    Para os laboratórios tenho uma sugestão, façam uma versão veterinária dos remédios apontados pela presidenta, pois a alíquota para medicamento de uso animal é de 13,11% – também segundo o IBPT.

  31. Adriano da Ilha

    -

    20/09/2011 às 10:07

    Reinaldo, eu não consigo ouvir a sra. Dilma falando na TV. Por sorte tenho o seu site para noticiar o que é dito por esta senhora.
    Mas ontem, passando pelos canais de notícia me deparei com parte do discurso dela pedindo para os laboratórios abrirem mão dos royalties sobre medicamentos de uso contínuo, pois são produtos essenciais para a saúde. Os jornalistas que deram a notícia deliravam com esta parte do discurso da nossa presidenta. Eu não consigo compartilhar deste entusiasmo, pois esta senhora, cujo governo taxa os medicamentos em 33,87% quer que os outros abram mão dos lucros, sendo que ela é a responsável pela saúde da população de seu país ? Ela ainda não mencionou que a energia elétrica usada pela indústria para produzir os medicamentos no país tem uma carga tributária de 48% do valor final da conta ? Imagino que para os medicamentos importados o imposto seja maior. Certa vez meu filho estava fazendo um tratamento com um remédio de uso contínuo. Neste período estava no Chile – de onde quase não voltei – e quando fui comprar o remédio lá era QUASE METADE DO PREÇO, na caixa percebi que o remédio era feito no mesmo laboratório na Inglaterra, a única diferença era a bula escrita em espanhol.
    ENTÃO, ESTA PRESIDENTA É MUITO CARA DE PAU E OS JORNALISTAS QUE A APLAUDIRAM SÃO MUITO IGNORANTES.

  32. Silas

    -

    20/09/2011 às 9:03

    Caro Rei,
    Permita-me dirigir-me ao Kaos (20/09/2011 às 0:34): Quem lhe disse que não tenho um livro de Biologia? Mas parece que vc não tem uma Bíblia ou se a possui nunca a leu, visto que me acusa de “invencione sobre o profeta zacarias (sic)”. Tenho idade e credenciais acadêmicas suficientes para transitar da Biologia à Teologia sem problemas. Portanto, sua patrulha não funciona comigo! Como dizemos aqui no Maranhão, vá catar coquinhos!

  33. Fabiana

    -

    20/09/2011 às 2:22

    Pelo menos ela baba e cospe menos que o Lula na platéia da primeira fileira.
    Apesar da voz grossa que dá medo, menos mal.

  34. jeremias-no-deserto

    -

    20/09/2011 às 1:35

    Raphael das 17:12

    Porque Jerusalém não deve ser dividida jamais
    e ela deve ficar inteiramente sob a tutela israelense?
    Por uma série de razões, inclusive históricas, que você pretende negar.Ao contrário dos judeus, a cidade nunca foi considerada minimamente importante para os muçulmanos
    que tinham na cidade de Meca seu lugar histórico mais importante.Quem visita Jerusalém percebe como existe ampla liberdade religiosa: cistãos, muçulmanos e judeus podem exercer a sua fé sem sofrerem nenhum tipo de restrição. Quando a cidade estava sob a dominação da Jordânia, os judeus e cristãos eram totalmente proibidos de exercerem a sua fé. Das duas últimas vezes que estive em Jerusalém ( não sou religioso, sou agnóstico) visitei com toda a liberdade templos cristão e sinagogas históricas.Só não consegui visitar a mesquita de Al Aksa e a do domo, proibido que fui de entrar .A razão alegada: qüestões de segurança.

  35. Kaos

    -

    20/09/2011 às 0:34

    Silas – 19/09/2011 às 8:21 …
    Ô Silas, quanta invencionice sobre profeta zacarias, reino do senhor jesus cristo, previsões bíblicas,etc. Para que servem todas estas “viagens religiosas”? Troque sua bíblia por um livro de Biologia.

  36. Claudio

    -

    19/09/2011 às 20:50

    Tio Rei, veja o lado bom dessa historia: pelo menos estamos dividindo com o resto do mundo essas imbecildades. Ja era hora, sozinhos nao conseguiriamos resistir por muito tempo.

  37. Curioso

    -

    19/09/2011 às 20:16

    Uma coisa eu não entendo. Os Jornais Internacionais já entrevistaram os Palestinos de boa fé? Já entrevistaram aqueles milhares de Palestinos que entram e saem diariamente de Israel?
    ====
    Seria uma ótima idéia a Veja fazer uma matéria sobre isso.

  38. anonimo mesmo

    -

    19/09/2011 às 20:12

    …e o estado Palestina recem-criado e com tudo que pediu e nao tem direito continuaria torcendo e ajudando para a destruicao de Israel.
    -Pergunta:-Com a bencao da Dilma?

  39. 44%Fernando44%

    -

    19/09/2011 às 19:53

    Obaáá…
    Pela primeira vez na história destemundo uma marionete sem coluna vertebral sai na capa da Newsweek e discursa na abertura da Assembleia Geral da ONU.
    Êta mundão sem porteira…

  40. tico tico

    -

    19/09/2011 às 19:48

    Recomendo ver a entrevista da ministra da agricultura de Israel Orit Noked. E veremos porque a Dilma vai queimar a língua.
    http://www.youtube.com/watch?v=v9r5ydZ8ero

  41. Anónimo

    -

    19/09/2011 às 19:47

    Caraca só existe israel é?
    achei que o centro das atenções deveriam ser de Dilma.
    Além disso israel não é o unico pais que tem guerras cara fala de outra coisa.

  42. 44%Fernando44%

    -

    19/09/2011 às 19:41

    Ô cambada…
    Vamos parar de pichar antecipadamente a presidanta… Tá certo que ella não sabe português, mas vai que ella é boa é de ingreis! Melhor que o apedeuta-chefe, qualquer um(a).

  43. Nanico

    -

    19/09/2011 às 19:33

    Fico imaginando as brigas entres os escribas oficais:
    põe isso, tira aquilo, muda esse tópíco, isso fui eu que escrevi … O tot top, o megalonanico, professores de vaguarda do comissariado científico nacional, etc, etc.
    Não precisa ler, é aquela mixódia sonolenta de muitas mãos, tecono-burtocrática e pretensiosa, ridicularizada nos bastidores por quem pensa, com vezo politicamente correto e ufanista da pátria amada.
    Nanico

  44. Brasigois Felicio Felicio

    -

    19/09/2011 às 19:10

    Nunca antes neste país uma mulher, etc, et coetera. Ao menos desta vez não teremos na abertura da Conferência da ONU o protagonismo arrogante do apedeuta adorador de si próprio.

  45. Mariazinha

    -

    19/09/2011 às 19:06

    O Berlusconi, o eterno mal educado, fez comentários maldosos sobre a aparência da Sra. Merckel. O que será que ele vai dizer da Dilminha?

  46. hugo veloso

    -

    19/09/2011 às 19:00

    É asqueroso o anti-semitismo que ronda as esquerdas. O PT silencia nos direitos humanos, mas quando é com a democracia israelense, adora atacar.
    Há que se observar, entretanto, algumas questões:
    1 – O Estado de Israel foi uma criação do sionismo, dado que a diáspora judaica aconteceu em 70 d.C. Por favor, não estou com isso dizendo que sou contra o Estado de Israel. Mas é claro que a criação artificial desse Estado trouxe consequências ao árabes que ali residiam (que tb não são santos), tal qual a disputa por zonas de influência entre capitalistas e socialistas durante a Guerra Fria.
    2 – A democracia israelense está fortemente armada; os terroristas palestinos estão armados; mas os palestinos, não. Portanto, estão entre Israel e os terroristas de seu país. Israel joga com um acordo que jamais será alcançado porque os terroristas não querem acordo, só sangue.
    3 – A única forma de acabar com todo esse rancor entre os dois povos é Israel buscar fervorosamente a paz e integração deles. Precisam fazer os palestinos entenderam que sua luta não é contra eles e sim contra os terroristas; do contrário, por óbvio, o Hamas e outros grupos continuarão levando a melhor. E os radicais judeus também. Abraços

  47. Elah

    -

    19/09/2011 às 18:35

    Até imagino o começo do discurso da presidanta:

    “- Primeiro, eu gostaria de COMPRIMENTAR aqui os membros e as MEMBRAS daqui da ONU. Olá, membros! Olá, MEMBRAS!

    No que diz respeito a essa questão, que é uma questão muito importante, essa questão. Eu…*bola de feno*…eu…eu não vou tergiversar. Ocê veja, porque tem membro e MEMBRA que vem aqui e só tergiversa, tergiversa, tergiversa…”

  48. Isabela

    -

    19/09/2011 às 18:21

    Reinaldo, o discurso de Dilma sempre vai fazer tábula rasa da história, não poderia ser diferente.
    Se Locke tivesse conhecido essa turma do PT, teria formulado a sua teoria considerando que, NEM SEMPRE, a experiência é fonte de produção de conhecimentos no ser humano. Como todas as pessoas, os petistas também nascem como uma tábula rasa, com conhecimento nulo, de acordo com a teoria de Locke. Porém…continuam rasos, vazios de raciocínio para o resto da vida, sem chance de preencherem suas “tábulas” com algo, seja bom ou seja ruim. Resumo: agem por instinto, notadamente o de preservação do poder e do dinheiro fácil.

  49. José Maria

    -

    19/09/2011 às 17:36

    Boa tarde, gostaria de um artigo seu falando sobre o Nióbio, para mostrar o quanto o Brasil está sendo enganado pelo PT, referente ao Nióbio, informe para os milhares de brasileiros, abraços!!!

  50. Shlomo

    -

    19/09/2011 às 17:13

    Obrigado Reinaldo – é muito bom ver que existem jornalistas que se informam dos fatos e produzem analises realistas e lucidas sobre assuntos tão complexos. Vou voltar sempre aqui!

  51. Raphael

    -

    19/09/2011 às 17:12

    Jerusalém nunca vai ser dividida? Por quê? Quem disse que ela deve ficar inteira sob a tutela israelense? A Bíblia? Acho que vc até pode falar que as fronteiras de 1967 não poderão ser completamente reestabelecidas, mas o status de Jerusalém, já aceito pela comunidade internacional, é dividir a cidade entre ocidental (p/Israel) e oriental (p/Palestina).

  52. diniz dos santos

    -

    19/09/2011 às 17:09

    Á grande verdade e o que parece, todos têm medo de reconhecer, é que os palestinos, há mais de dois mil anos, vivem da mesma maneira. Israel, em menos de 70 anos, mudou a cara da palestina, com seu Estado declarado em 45 e dentro de minguados territórios, que em certo lugares não passava de 15 quilometros, se desenvolveu, nas ciências, agriculturas, industrias, infra estruturas, ransportes, saúde, eeducação e por absoluta questão de segurança em indústria bélica. E os palestinos? Em milhares de anos continuaram desfrutando do mesmo modo de vida, sem escolas, sem estruturas básicas, sem saúde, sem transportes e ensinando as suas crianças, a manter o ódio contra Israel e que nem sabe porque morrem como mártires. Mártires de que? Muitos Palestinos usufruem da vida dos Judeus. Se quizerem, realmente, fazer parte dessa região pacificada, devem sentar e conversar como vizinhos, sem ódio e sem pensar no passado. Só assim, construirão um futuro melhor para as duas partes. Os Palestinos são os responsáveis pelo seu modo de vida, que já dura uma eternidade.

  53. Skylab

    -

    19/09/2011 às 17:07

    Pelo andar da carruagem nacional e mundial, cada vez mais começo a achar que o calendário maia, que marca o fim do “homem de milho”, ou seja, nós, para 21 de dezembro de 2012, tem alguma consistência. É muita desgraça mundial e brasileira para as duas últimas gerações.

  54. Newton Eduardo Sant´Ana

    -

    19/09/2011 às 16:56

    Não consigo encontrar o nexo causal que levou a diplomacia brasileira tomar partido dos palestinos.
    Votar a favor do estado palestino nesse cenário conturbado em que a região se encontra já é uma temeridade. Entretanto a maior autoridade do nosso país ir à ONU e dar apoio a essa causa é lamentável.
    Será que a guerrilha que se instalou nas favelas do Rio e de São Paulo está ganhando o coração das nossas autoridades?
    Coitados de nós.
    Newton

  55. Mundico

    -

    19/09/2011 às 16:56

    Não custa nada lembrar que o Chanceler alemão Adolf Hitler já foi capa da revista TIME. Na época era uma publicação muito mais importante que a Newsweek. Só não tenho certeza se foi capa por ser o Homem do Ano. Sair em capa de revista e título de Doutor Honoris Causa de algumas universidades, na minha humilde opinião é “absolutely bull shit”. E bota shit nisso!

  56. Vitor Justo Silva

    -

    19/09/2011 às 16:47

    Rei-naldo Azevedo.
    O mundo pertence aos que ousam. “A caravana passa. E os cachorros ladram.” Esse pessoal perdeu o bonde a história. O Brasil não será mais o país que vocês deixaram. Alguns já abandonaram o barco só faltam os ratos.

  57. PARTIDO QUE MUDOU DE NOME PARA NÃO SER APAGADO

    -

    19/09/2011 às 16:40

    OS PETRALHAS SEMPRE FALAM MAL DE PUBLICAÇOES ESTRANGEIRAS. DESMERECEM FATOS E ETC. MAS QUANDO É COM ELES AI A COISA FICA BEM MUDADA, BEM DIFERENTE… AI FICA CHICK SER ELOGIDO OU RECONHECIDO OU SIMPLESMENTE SER MOSTRADO NESTAS MESMAS PUBLICAÇOES… A VELHA MECANICA INFERRUJADA DO PENSAR DOS PETRALHAS , É A BÁBA DU QUIABU !

  58. ZULEIKA AMARAL

    -

    19/09/2011 às 16:31

    Oi,Reinaldo,tudo bem com você?!Brilhantíssimo o seu texto,
    como sempre,e dele destaco a frase que mais me encantou:
    “ISRAEL NÃO EXISTE PORQUE TENHA SE AJOELHADO!”Não,mesmo,e
    nós devemos aguardar com tristeza e pessimismo o discurso
    da “madame” em qualquer terra estrangeira,quanto mais na
    ONU!!!O Brasil,conforme você disse,exerce poder crescente
    no mundo,e seu GIGANTISMO humilha os nossos adversários à
    ponto de tentarem apequenar GIGANTISMO com ARROGÂNCIA!!!
    ISRAEL é um PAÍS infeliz,perseguido,discriminado no mundo,
    sendo que os maiores cientistas na medicina,no cinema,nas
    artes são judeus.E o povo judeu foi o povo mais sofrido e
    injustiçado do mundo,não dá para descrever o que foi feito
    de maldade,da mais extrema crueldade,de “bestialidade” com
    homens,mulheres,crianças,homossexuais,etc.INACREDITÁVEL!Os
    homens-bomba se explodem e explodem inocentes nesta nova
    forma de terror humano,porém eles o fazem porque QUEREM,E
    JAMAIS,por serem induzidos.Não chegam à dar aquele espetáculo de horror de subirem pelas chaminés exalando um
    cheiro indisfarçável de “fumaça de gente”:cheiro que o
    País inteiro sentia-e fingia não sentir!-isto fora as atrocidades que ignoravam descaradamente.Fora a
    visão “demonizada”de caveiras ambulantes perambulando pelas ruas,após o fim da guerra,à ponto de causarem infartos e corações feridos de morte diante daquela visão
    INSUPORTÁVEL E INCRÍVEL,mesmo em se tratando de MILITARES
    JÁ TÃO SOFRIDOS PELA GUERRA!!!Portanto,querido amigo,nada
    poderá,JAMAIS,superar o “HOLOCAUSTO” e,espero,que o BRASIL
    NÃO SEJA CONIVENTE,NA ONU,COM QUEM PRETENDER SER CONTRÁRIO À ISRAEL.O BRASIL NÃO ACEITARIA ESTA DECISÃO!!!

    Zuleika

  59. Salvador V.Conceiçãop

    -

    19/09/2011 às 16:13

    Alguém que tenha percepção da siutação no Oriente Médio sabe que muitos dos palestinos convivem, pacificamente, com judeus e vice-versa. Os terroristas dos Hamas e Jirah é que fazem a baderna toda. Só os idiotas do governo brasileiro a partir de 2003 é que não percebem de fato a real situação palestina. A postura de arrogância do Brasil é demonstração cabal do desconhecimento da real situação do Oriente Médio, onde Israel, democracia única da região, está cercado de cobras e lacaios, que querem a sua destruição.O discurso da Dilma é um zero à esquerda na Assembléia da Onu, onde mandam os EUA.

  60. Anônimo

    -

    19/09/2011 às 16:06

    É o PT cagando o Brasil!

  61. 44%Fernando44%

    -

    19/09/2011 às 16:06

    Colegas comentaristas;
    Em nome das antas, solicito encarecidamente não chamar a marionete de presidANTA. A WWF (World Wild Foundation) deverá tomar as devidas providências, tendo em vista que nenhuma verdadeira anta se prestaria a assumir tão degradantA submissão.

  62. fatima fonte

    -

    19/09/2011 às 16:06

    Aconteceu esta semana, em São Paulo, no Instituto Millenium, seu 7º Colóquio, com uma interrogação no título Voto Distrital ou Proporcional? Os participantes responderam em coro (quase unânime): distrital.

  63. o pensador

    -

    19/09/2011 às 16:01

    desbravador as 15.39. realmente o ‘discurso’ tanto da dilma como de outros que por aqui passaram, e um fato meramente protocolar, mas que tem causado ao pais situações de embaraço pois, veja o lula, abrindo a boca, falando um monte de coisas sem sentido e deixando registrado nos anais da onu, na conta do brasil, coisas bem desagradaveis. infelizmente por aqui, esse povo que nunca comeu melado, que gosta de holofotes, quando tem essa oportunidade so fazem lambuzar o nome do pais.

  64. Gilberto

    -

    19/09/2011 às 15:39

    Pois eu acho é que a AG e o CS da ONU tinham mais é que reconhecer a Palestina como membro pleno sim. Sabe por que? Porque aí eles teriam que acatar as regras do jogo. E se mijassem pra fora da bacia iriam tomar os devidos petelecos sem que NINGUÉM tivesse moral pra falar que Israel foi injusto, que atacou uns pobrezinhos indefesos sem Estado e a ladainha toda.

  65. Desbravador

    -

    19/09/2011 às 15:39

    Prezado Reinaldo, o discurso da Dilma na abertura da ONU
    é um mero acontecimento protocolar de vez que a Dilma e
    o Brasil não tem importancia nenhuma nos acontecimentos
    entre judeus e palestinos. Prá falar a verdade o Brasil
    não chega nem a ser o cocô do cavalo do bandido nesta
    questão. Seguinte, ao fazer uma proposta pacífica desta
    vez, os líderes palestinos deixaram o ocidente com as
    calças na mão. Na verdade, o que os judeus e os paises
    do ocidente querem é bombas, atentados, carnificinas, prá
    poder reagir e retaliar, o que eles vêm fazendo desde que
    o mundo é mundo. Aí, encontrou um líder palestino que
    mudou o esquema e foi pro tapetão, lugar que judeus e
    paises do ocidente nunca pensaram e iriam. E agora?
    Desde o sultão Saladino que a coisa era resolvida na
    porrada. De Alexandre, o grande a Ricardo coração de Leão
    passando pelas cruzadas que eram iguais ao time do
    coríntians no campeonato brasileiro, uma óra ganha, outra
    óra perde, que esta situação não se resolve.
    Agora com as calças na mão, judeus e americanos principalmente ficaram nus em plena praça da apoteóse. Com
    grandes chances de levar no tapetão, os palestinos vão
    aguardar o veto americano à proposta. Os americanos estão
    sem saida e vão fazer o que os judeus querem porque estão
    matando cachorro à grito e dependem da grana dos judeus
    prá não decretar falencia total. Os russos estão morrendo
    de rir dos americanos pois acham que quem ri por ultimo
    rí melhor. Acabou a União Soviética, acabou o muro de
    Berlim e agora acaba o império americano. Aconselho aos
    judeus a se agarrarem com a China porque os americanos, já
    era. Acabou.

  66. MARIZE

    -

    19/09/2011 às 15:30

    A PALESTINA, E COMO UMA FAVELA GRANDONA, NÃO TEM NENHUMA LEGITIMIDADE. TUDO COMEÇOU QUANDO A INGLATERRA, ARMOU UM MONTE DE FEVELADOS, PROMETERAM MUNDOS E FUNDOS, DEPOIS DEIXOU ELES SE DANAREM PARA LÁ. E OS CARAS ACREDITARAM, DE CONTINUAM SE MATANDO POR ISSO.NÃO QUEREM UM FUTURO MELHOR, QUEREM GUERREAR E FAZER FUMAÇA.

  67. carlos

    -

    19/09/2011 às 15:30

    Israel passará por mais essa provação pra desespero do pacifistas de araque.

  68. Creuza Maria

    -

    19/09/2011 às 15:21

    Reinaldo, não vivo mais sem você. Perfeita análise.Me situei muito bem agora sobre o tema.Um dos pontos essencias disso tudo como você disse, são as negociações bilaterais, entre Israel e Palestinos, sem interferência da Onu.Segundo um historiador americano que assisti em uma entrevista, esse é o desejo dos EUA: que esse assunto saia da esfera da Onu e fiquei só entre as partes interessadas, Israel e Palestinos.

  69. fabio kertzer

    -

    19/09/2011 às 15:17

    Se o PT apoia os irmãos Castro, os nossos vizinhos boa gente Hugo Chaves, Rafael Correa, as Farc e a maioria dos ditadores do mundo porque a Dilma não haveria de apoiar a criação do estado Palestino.

  70. Sergio

    -

    19/09/2011 às 15:13

    Será Dilma uma pessoa democrática?
    Pelo discurso dos petistas na Câmara e no Senado podemos supor que ela seja, contudo o discurso que esclarecerá se Dilma é ou não é democrática se realizará na ONU.
    As democracias nasceram no mundo judaica-cristão do Ocidente. A história do seu aparecimento é um pressuposto fundamental do nosso mundo pluralista.
    Se Dilma for democrata: seu discurso fortalecerá Israel…
    Se Dilma for anti-democrata: seu discurso não fortalecerá Israel…
    Estamos próximos de saber a verdadeira natureza da nossa presidenta.

  71. Daniel Altermann

    -

    19/09/2011 às 15:12

    Dilma está colocando o apoio do Estado palestino goela baixo para nós brasileiros de forma despótica.
    O interessante é saber que apenas 41% dos brasileiros apoiam o Estado palestino. Ou seja, apenas uma minoria brasileira é a favor do reconhecimento da ONU.

  72. Eduardo Azevêdo

    -

    19/09/2011 às 14:54

    Ilustrado Reinaldo Azevêdo:
    seu comentário está perfeito,
    é uma verdadeira aula sobre o tema,
    inclusive histórica.
    Aliás, o ditador Kadafi disse em carta aberta à Obama, quando chamou-o de irmão, que as “primaveras” árabes não eram democráticas, eram sim movimentos de fundamentalistas terroristas.
    O fato de Kadafi ser ditador e etc., não significa que Kadafi diga tudo errado, e desta vez ele acertou.
    Israelenses, palestinos e árabes vivem em paz há anos, inclusive existem palestinos que fazem parte do próprio parlamento de Israel.
    Quem verdadeiramente não vive em paz com Israel são os terroristas fundamentalistas de todas as matizes, inclusive os que pululam dentro da palestina.
    Todavia, eles, os terroristas, não vivem em paz com ninguém, são totalitários e pregam abertamente a extinção do ocidente, eles são claros, objetivos e obstinados.
    Os terroristas fundamentalistas são enfrentados fortemente até mesmo dentro dos próprios países árabes.
    Manifestações de solidariedade a quem pratica o terror,
    a quem explode edifícios, estações de mêtro, e mata com seus atos de pura barbárie inocentes, inclusive crianças, é o mesmo que chamar o mal de bem.
    Os países e seus líderes devem discursar sempre em favor da paz e da convivência pacífica entre os povos, mas nunca dedicar qualquer palavra de apoio à pessoas que sabidamente são terroristas.
    Mandela é exemplo para todos os líderes mundiais, pacificou a África do Sul sem qualquer pregação de ódio e separação.
    Parabéns de novo por este texto…
    parabéns por todos os seus textos, todos excelentes…
    Muitíssima paz desejo-te!

  73. reinaldo

    -

    19/09/2011 às 14:49

    Os E.U.A. estão dando a maior força pra quem quizer pegar o abacaxi que eles seguraram por muitos anos. Os babacas brasileiros que acham que entendem tudo de política externa vão pagar pra pegar.Quanto ao discurso da “presidenta” ,Rosana, não precisa preocupar porque ela vai ler o que foi escrito. Difícil vai ser se quiser fazer algum comentário. Aí, valha-nos Deus da vergonha!

  74. rod

    -

    19/09/2011 às 14:49

    Reinaldo, sem querer falar mais coisas óbvias, pois nesse artigo vc já matou a pau, e já que todo mundo sabe que a esquerda é antiamericanista, antissemita e antiliberal, tem uma coisa que não consigo deixar de notar: a Dilma não é uma verdadeira sósia do Kim Jong-il?

  75. Sandra

    -

    19/09/2011 às 14:43

    O Estado Palestino não vai sair porque ninguém o quer. Nem os palestinos. Pelo menos, os que falam por eles.

  76. Cagliostro

    -

    19/09/2011 às 14:32

    A única coisa que segurou o fundamentalismo nos países árabes foram as ditaduras com mão de ferro. Sem um tirano pró-Ocidente que ponha os extremistas sob seu tacão, o islamismo revela sua verdadeira face: a do terror e do ódio aos infiéis.

    No site de Victor Davis Hanson há ótimas análises sobre isso.

  77. alexandru solomon

    -

    19/09/2011 às 14:32

    Como primeira sugestão, vai essa. vamos olhar o mapa de Israel. Imaginemos as fronteiras de antes de 1967 com a largura de uns 20km´perto de Tel Aviv. Como acreditar na frase ‘reconhecimento de Israel dentro de fronteiras seguras’?
    Do lado israelense, assinaria o ‘acordo’ o representante de um país democrático.(ou vamos dar ouvidos as tolices do ‘apartheid’ promovido pelo ‘nazi/sionismo’?
    Do outor lado, a OLP dirá sim, Fatah dirá talvez, o Hamas dirá não, o Hizbollah se ausentará da mesa de negociações, o Ahma continuará falando em varrer os sionistas, o mufti convocará para a guerra santa, o Erdogan se esquecerá do massacre dos armênios e dos curdos e vituperará, será a Zorra total!

  78. Augusto

    -

    19/09/2011 às 14:29

    Acredito que Dilma é cristã, pois foi ao Santuário de Nossa Senhora Aparecida e fez o sinal…
    Mas a verdadeira confissão de Dilma de que ela é cristã será no discurso da ONU, pois o discurso dela deverá ser corajoso suficiente para não fortalecer aqueles que usam da violência (terrorismo) para fazer uma “guerra santa” contra o Ocidente (USA e Israel).

  79. Raskol: o anti-semitismo que aflora

    -

    19/09/2011 às 14:28

    Agora, uma coisa é verdade; os ptralhas, na maioria, são anti-semitas.

  80. ROSANA

    -

    19/09/2011 às 14:26

    Eu estou doida para vê-la discursar, ela não sabe nem falar, imangine discursar na ONU, ai meu Jesus Cristinho, que vergonha.

  81. Raskol: brasil: em mãos dos homens que encolheram...moralmente

    -

    19/09/2011 às 14:24

    Falta sabedoria e respeito pela humanidade aos representantes do Brasil na ONU. A chancelaria brasileira tornou-se um centro acadêmico fefexelento, onde só falta o cheiro de maconha.
    O Brasil está numa situação econômica até boa, desde que FHC e Malan deram um jeito na inflação e arrumaram o sistema financeiro. no entanto, que em relação aos direitos individuais dos seres humanos ainda permanece como um país mais que subdesenvolvido.
    A cabeça dessa gente parou como um relógio cuco, lá no século 19 e só acrescentaram uma porca atualização com o episódio cubano. é com essa vecchiaia na cabeça que o Brasil vai falar na ONU. Alí não está uma preseidente, mas uma governANTA. Alguém que vale-se como se fosse um enfeite, da situação de ser mulher. eu acho isso uma merda, pois alí não estará um homem ou uma mulher, mas um REPRESENTANTE do povo brasileiro.
    No caso da governANTA, ela estará a serviço de sua capangagem, ou seja, do lullo-ptralho-terrorismo.
    Por que não aproveitar essa boa oportunidade para fazer uma prédica ideológica em favor do terorismo?
    O Brasil só vai entrar no discurso da governANTA como o Pilatos no Credo.
    Pobre Brasil cercado de imbecís autoritários e defensores de causas mortas.

  82. magoo

    -

    19/09/2011 às 14:24

    Será que governANTA vai perguntar em que língua querem que ella fale, em português, ou dilmês?

  83. joão batista de souza

    -

    19/09/2011 às 14:23

    A guerra do iraque tinha dia e hora para começar. Aí, chamaram um especialista para tecer considerações, coisa e tal; o homem chegou, deitou falação e patati e patatá, concluiu dizendo que, a guerra, duraria no máximo três dias, porque, explicou: o armamento que seria utilizado, de última geração, tinha precisão cirúrgica. E eu, burro, acreditei. Como todos sabem, a maldita guerra continua; sabe-se lá quando vai terminar, mas, o tal do especialista nunca veio dizer: olha, otários, eu me enganei; não veio e nem virá. Toda vez que ouço ou leio previsões, mesmo as metereológicas, ponho as minhas barbas de molho. Contrariando a tudo e a todos, e sem a ajuda dos americanos, as revoluções vão acontecendo no mundo árabe, certo ou errado o destino é deles, eles tem o direito de escolher se querem ir para o norte ou para o sul e esse processo é irreversivel, ele será ditado pela economia e pelo desejo de liberdade, as escaramuças militares não terão mais sentido, porque o custo delas ultrapassou o seu limite e a ideologia já morreu faz tempo.

  84. marco

    -

    19/09/2011 às 14:20

    Olha a Sra Presidente , tem peito a familia dela vem de judeus do leste europeu.

  85. elizabeth the Best

    -

    19/09/2011 às 14:07

    Eu não estou absolutamente preocupada com o que dona Dilma vai falar. Tenho certeza que após o primeiro parágrafo todos terão desligado seus fones de ouvido.

  86. Paulo André Carminati

    -

    19/09/2011 às 14:06

    EDENIL YOSHIMI KAIO TOYAMA – concordo plenamente com você e a citação feita e, é simples Israel não foi eliminado até hoje por conta disto… ou alguém duvida? e como disse abaixo eles vão ganhar a guerra sim, mesmo que sejam sempre minorias…

  87. anonimo

    -

    19/09/2011 às 14:01

    outra guerra com data marcada.e a verdade é que o brasil insiste em abrir suas veias na qual o ocidente sabe que a onu”faz um papel de figurarante’,ignorar as tentativas frustadas de promover a paz pela onu no oriente medio é desconhecer a politica de expanssão dos seus territorios feito por israel.devemos supor que nesta reunião acontecera algo mais duro contra israel/!/?estamos longe de ver a onu sem indecisão; e apenas tendo o cuidado para que a água não suba tanto! tudo para não abalar mais sua credibilidade.

  88. Flavio

    -

    19/09/2011 às 13:58

    Caro Reinaldo, Dilma e seus companheiros são ignorantes (não sei de por escolha deles ou do criador), e essa ignorância será útil para cumprimento das profecias sobre Israel. A nação escolhida por Deus sairá vencedora e aqueles que estão amaldiçoando Israel serão amaldiçoados.
    Assim seja e Deus seja Louvado!

  89. @Medeyer

    -

    19/09/2011 às 13:38

    “…E ajuntar-se-ão contra Israel todas as nações da terra… Aquele q tocar em vós, toca na menina do Seu Olho. Destruirei todas as nações que vierem contra ti…” (Profeta Zekariyah)

  90. Tito

    -

    19/09/2011 às 13:38

    Quem sobe a tribuna da ONU, tem que entender um pouco de história. É uma pena que a pessoa que falará pelo Brasil, não tem este conhecimento e certamente cometerá erros que comprometerão as nossas relações. Só nos resta lamentar.

  91. Roberto Campos

    -

    19/09/2011 às 13:29

    A reunião da Presidente Dilma com o Presidente Obama nessa segunda-feira poderá considerar o cenário da economia mundial, assim como é esperado que considere a situação sempre delicada do Oriente Médio. O Chanceler brasileiro discursou ontem em Bruxelas, mencionando as dificuldades de negociação da Rodada Doha de comércio no coração da Europa e as reduções das atividades econômicas no hemisfério Norte.
    Se as barreiras de comércio são tão formidáveis para o Brasil, pode ser uma atitude de agressividade integrante da agenda por parte do Itamaraty do Chanceler Antônio Patriota de buscar fortalecer os laços de amizade com os mercados que sejam mais receptivos aos produtos brasileiros. Estejam eles no Oriente Médio, de predominância islâmica, ou na Ásia chinesa, por exemplo. Nesse momento, parece estar o mundo desenvolvido trabalhando para equilibrar os seus próprios déficits comerciais com os países produtores de commodities através da chamada guerra cambial. Nessa conjuntura, pode haver mais identificação pragmática com o nosso perfil de exportador de commodities e mais conveniência de aproximação com os países produtores de petróleo e em desenvolvimento.
    Contudo, esse é um assunto realmente complexo quando se inclui o aspecto da diversidade de culturas e de desenvolvimento político de cada um desses parceiros emergentes. A posição de não intervir nos assuntos internos dos demais países pode ser uma forma de preservar os interesses nacionais do desgaste de tomar partido nas disputas de poder locais.
    Finalmente, há que se explorar a habilidade tradicional da nossa diplomacia de conciliar as oportunidades de complementação econômica e de fortalecimento geopolítico com os valores democráticos e humanitários dos brasileiros comuns da rua.
    Tem que haver uma agenda que racionalize as posições brasileiras no contexto da ONU e que seja aceitável internamente. Esse é um bom desafio com o qual esperamos que o nosso desgoverno saiba lidar competentemente.

  92. Sandra

    -

    19/09/2011 às 13:19

    “A posição brasileira na ONU” é totalmente irrelevante, juntamente com a própria ONU.

  93. Daniel

    -

    19/09/2011 às 13:17

    É incrível como surrupiam o território dos palestinos e ainda lhes negam o direito de se autoafirmar como Estado. Esse direito não é sujeito à autorização de Israel, como se fosse o gestor da região.

  94. valter

    -

    19/09/2011 às 13:17

    Recentemente teve um programa que entrevistava um soldado americano arrependido do que era feito no Iraque, o programa começava com imagens fortes de uma van sendo metralhada pelos americanos e dentro dela tinha duas crianças que este soldado resgatou para deboche dos seus superiores, por sinal ele afirma que o exercito dos EUA acham que todo Iraquiano é terrorista, agora sera que um soldado israelense acha algo muito diferente de um Palestino? Sera realmente que o HAMAS tem toda essa força e todo palestino quer ser um homem bomba? Para mim dos dois lados existem pessoas que se beneficiam deste conflito e que não tem interesse em resolve-lo e para azar de muitos tem uma voz ativa muito importante nesse processo

  95. EDENIL YOSHIMI KAIO TOYAMA

    -

    19/09/2011 às 12:52

    CARO SILAS….VC É MAIS QUE UM TEÓLOGO! AMEI O TEU COMENTÁRIO!!! TANTO LERO LERO COM A QUESTÃO SE DIVIDEM OU NÃO ISRAEL E A BÍBLIA JÁ TEM TODO O FINAL REGISTRADO:-”……“…aquele que tocar em vós [Israel] toca na menina do seu [de Jeová] olho.” (Zacarias 2.8).

  96. Idevam

    -

    19/09/2011 às 12:52

    Os Palestinos não querm um Estado que subsista com o Estado de Israel eles pelomenos os militantes querem o Exterminio dos Judes em 1948 a Onu o feresel um Estado para os Palestinos e um Estado para os Judeus os palestinos Recusaram os Judeus aseitaram e os Palestinos Forão a guerra junto com outros paises Árabes eperdrão para Israel nos anos seguintes ouve outras cinco guerras dos paises Árabes e Palestinos contra Israel e eles perderão todas o que eles querem e Esterminá os Judeus eles não querem paz o esbola eo ramas que mandão na Palestina querem o Fim dos Judeus e como não conseguem fazer iso so querem a ajuda internacional tipo o que a aconteceu na Libia de cadafi mas não vão consegui nem com o apoio da otam nem com todo apoio da Onu Presidente Dilma os Antisemitas Agradecem a sua colaboração todos os Esquerdistas do mundo lhe apoião neste momento.

  97. pastor

    -

    19/09/2011 às 12:49

    rei. de osvaldo aranha a dilma…..hummmmmmmmm. as vezes e melhor ficar calado do que abrir a boca e falar asneiras. boca fechada nao entra muriçoca.

  98. Pierre

    -

    19/09/2011 às 12:46

    Será que temos tantos trabalhos acadêmicos, por aqui, que leve o povo brasileiro a posição que o país vai tomar em relação a Palestina?

  99. Joseph

    -

    19/09/2011 às 12:46

    Dilma é capa da Newsweek porque faz o que a Nova Ordem Mundial manda. Eles querem guerra para ajudar a implantar o governo global.

    http://www.mandaba.la/dilma-a-disaster-for-brazil-is-lauded-by-the

  100. Cris Rocha Azevedo

    -

    19/09/2011 às 12:40

    Rei…

    Um país que tem 13 MILHÕES DE FAMILIAS (“familias”, e não “pessoas”, dependendo de dinheiro do governo para COMER, é o que?

  101. jeremias-no-deserto

    -

    19/09/2011 às 12:28

    Magnífico texto, Reinaldo.Como pouquíssimos, você extrai a lógica inexorável dos fatos políticos. A política externa do Brasil virou uma caricatura grotesca sob a égide do bolivarianismo petralha. Quando todo o repertório de sandices parece ter se esgotado eis que uma presidente medíocre e despreparada consegue tirar da cartola um ás de espada! Bingo! Mas o que se pode esperar de um governo que apoia ditaduras filocomunistas como Cuba, Coréia do Norte, Nicarágua, Venezuela, que flerta ( se é que não apoia!) grupos terroristas como as Farc, Hamas( Sim, eu disse Hamas!), Hesbolah,que se cala contra o morticínio de milhões no Sudão, Somália, Chechênia? Qual a ética do partido do poder no Brasil?Freqüentemente tenho ouvido manifestações de petistas notóriamente antissemitas. O discurso da nossa primeira dama na abertura da assembléia da ONU agrada sobremaneira esse contingente de boçais e uma grande parcela ignorante da população que odeia Israel porque é um estado judeu, porque odeia os judeus porque têm o apoio dos Estados Unidos e porque odeiam os Estados Unidos porque são uma nação rica, próspera e democrática, tudo aquilo que os islamicamente corretos petralhas não desejam para a nossa nação de forma alguma.

  102. Patrícia

    -

    19/09/2011 às 12:19

    Sempre que leio notícias sobre Israel me pergunto porque o Estado de Israel foi criado e o Estado da Palestina foi esquecido? Possivelmente todas as guerras e conflitos citados nessa reportagem não teriam ocorrido, então, me parece fundamental pensar nos dois lados. Espero que a ONU seja imparcial e busque a melhor solução para resolver esse problema criado pelos líderes do passado.

  103. Paulo André Carminati

    -

    19/09/2011 às 12:12

    Falou tudo Rei e digo mais … se os árabes da região se atreverem a enfrentar Israel… vão tomar uma pau que, igual ou pior dos que já tomaram… As vezes eu me pergunto não está na hora de tomarmos cuidado com estes radicais… por aqui também… não sei porque mas cada vez mais acho que eles serão uma ameaça inclusive a nós ocidentais.

  104. Ali

    -

    19/09/2011 às 12:12

    Ah, só pra constar: o BRASIL NÃO APOIA a criação do estado palestino, mesmo porque este existe desde que se criou a Jordânia!Quem apoia essa aberração é a “noçça esquerdalha”

  105. Marcos F

    -

    19/09/2011 às 12:11

    A coisa está ficando roussef. Nossa diplomacia está deixando de ser diplomática.
    Irresponsável.

  106. Paulo Machado

    -

    19/09/2011 às 12:09

    Reinaldo, mais uma vez, vc é a voz da razão em meio a este caos que se aproxima. O leitor LG, fez uma analise coerente da situação atual e do que poderá a acontecer no futuro proximo, espero que esteja equivocado, mas nuvens de tempestades podem ser vistas no horizonte.

  107. Ali

    -

    19/09/2011 às 12:06

    Com a Dilma na “HONU”, aquilo vai parecer o Zorra Total!!!Já faz tempo que a “HONU” tornou-se uma espécie de cabide de emprego de vagabundo esquerdopata do 3º mundo! Poderia ser uma estatal brasileira que daria no mesmo!

  108. Emilio Só

    -

    19/09/2011 às 11:50

    1) “Deve abordar a crise internacional, dar conselhos…”. Então, tá! A marionete dos gatunos vai dar “conselhos” ao mundo aproveitando as suas experiências dos tempos de terrorista atuante; obtidas com as falcatruas municipais no Rio Grande do Sul, no setor energético e na Casa Covil; com a falência da sua lojinha de R$ 1,99… 2) “…exaltar a solidez econômica do Brasil, fazer advertências…”. Então, tá! Vai dar lições ao Pedro Malan e equipe sobre como se alcança o espetáculo do crescimento da corrupção e da incompetência, pela apropriação indébita dos méritos alheios. 3) “Mas vai também dar o endosso do Brasil ao pedido de reconhecimento do estado palestino…”. Então, tá! Endosso dado pelo Brasil que perdeu a vergonha na cara…

  109. Christiane Rebola

    -

    19/09/2011 às 11:50

    Manda a Dilma de presente pró Hamas e de brinde os petralhas !!!!!

    FORÇA ISRAEL !!!!!!!

  110. Paulo

    -

    19/09/2011 às 11:49

    O Brasil tem uma posição digna. Essa coluna tem a função de demonstrar como vivemos em um país democrático.

  111. José Maria

    -

    19/09/2011 às 11:42

    Bom dia Reinaldo, gostaria que você fizesse um artigo sobre o NIÓBIO, a demarcação lá…das terras indigenas, será de grande valia, informar a milhares de brasileiros o que está acontecendo, não escrevo bem português, agradeço desde já, abraços…

  112. Fernanda

    -

    19/09/2011 às 11:24

    Na verdade o Hamas está torcendo para dar tudo errado para o Abbas… a posição do Brasil como sempre é uma vergonha mas faz muito tempo que o Itamaraty está dominado pelos barbudinhos (e infelizemnte os bons já nos deixaram). Reinaldo, força! Continue com todo apoio das pessoas de bom com o mínimo de discernimento, você é a nossa voz no deserto!
    PS: Sou mais Saci-Perêre que a Cuca!!!

  113. Luis

    -

    19/09/2011 às 11:20

    Bom dia a todos.
    Como complemento, gostaria de indicar o blog do Gustavo Chacra no Estadao. Ele também produz textos de muita qualidade sobre OM e hoje traz uma obervação pertinente ao assunto abordado.
    http://blogs.estadao.com.br/gustavo-chacra/

    Reinaldo, incrível como de alguns mandatos para cá o Brasil joga fora oportunidades boas de demonstrar suas qualidades. Assume posturas dúbias e defende fascínoras. Lamentável para um Estado que julgava possuir uma das melhores diplomacias.

  114. SidneyCWB

    -

    19/09/2011 às 11:20

    É só tradição. A nossa opinião não é levada em consideração. Só petistas acreditam que as grandes potências têm algo a aprender conosco. É risível…

  115. karamazov

    -

    19/09/2011 às 11:17

    Se realmente for um fato que “não vai acontecer” tudo o que o RA defende para Israel no terceiro parágrafo de seu texto, gostaria de conhecer todas as condições que ele julga necessárias a Palestina cumprir para ser reconhecida como Estado Soberano, cujo direito ele aparentemente não nega. Se a posição brasileira coincidir com a da maioria dos Estados Soberanos representados na ONU será sim um motivo de orgulho constatar que já não somos mais submissos aos interesses americanos ou judaicos. Devo ressaltar que sou, em princípio, antipetista, por vislumbrar nesse partido uma vocação totalitária e antidemocrática. Reinaldo Azevedo é um jornalista brilhante, com o qual concordo na maioria das vezes. Embora eu saiba que, em sua arrogância, ele jamais se preocupou com opiniões contrárias à sua, sugiro que reflita sobre a impossibilidade de se chegar à uma paz duradoura no Oriente Médio, sem que Israel, cujo direito à existência tambem defendo, se disponha a tratar com o devido respeito à aspirações de liberdade e autonomia do povo palestino. Felizmente os tempos são outros !

  116. Curioso de Matão

    -

    19/09/2011 às 11:11

    Nesse mundo diplomático selvagem, gostaria de perguntar:
    1. Se os EUA são considerados inimigos do Brasil?
    2. Se os inimigos dos Estados Unidos são nossos amigos?
    3. As vendas de serviços de engenharia para o Oriente médio justifica nossa posição pró islã?
    4. O Brasil deseja integrar a OPEP?
    É!

  117. Saulo

    -

    19/09/2011 às 11:08

    APRENDIZ DE PALANQUEIRA! – O problema da Dilma e dos PTralhas é que eles são vesgos, quase cegos. Eles enxergam de um lado só. O discurso, sempre vazio, enche de orgulho os incautos. É só lembrar que o maior líder PTralha não passa de um bebum, vesgo e palanqueiro. Eles, por enxergarem apenas de um lado, pregam que foram violentados pela revolução, por exemplo. Eles não roubaram, não mataram, não violentaram ninguém. É a “porra” do discurso vazio que não diz nada com coisa nenhuma mas enche de satisfação os pobres incautos. E põe incautos nisso.

  118. Luciano

    -

    19/09/2011 às 11:03

    Essa primavera árabe só vai aumentar a força do hezbollah no líbano, logo eles se voltarão contra os cristãos, judeus e drusos libaneses. Isso tudo é lamentavel. Líbano e israel sofrerão com isso.

  119. Gedeão

    -

    19/09/2011 às 11:02

    Uma das características do petismo é fazer política e desprezar a cultura, ou seja, sectarismo, intolerância e intransigência. Hoje eu entendo porque conhecidos meus, petistas de carteirinhas, diziam dentro de um buteco: -Israel tem de ser eliminado! Eu indagava, por quê? Os valentes respondiam: porque sim. Esse também é o nível da política externa brasileira. Não! eles não podem.

  120. Leopoldo Dogher

    -

    19/09/2011 às 10:59

    Belo texto,parabéns.
    A força motriz do PT é a irresponsabilidade, sempre foi.
    É a irresponsabilidade que alimenta os fanáticos, justifica a corrupção e mantém Lula e caterva.
    Os caras profissionalizaram a porralouquice!

  121. J.B.CRUZ

    -

    19/09/2011 às 10:58

    CARO REI:
    Explicou,mostrou,encaminhou e por último desenhou!!
    Comentário irretocável!!!!Infelizmente, de 2.003 para cá o nosso querido BRASIL está se tornando inseguro,intolerável e vagabundo…FRANCAMENTE !!!

  122. roberto stone

    -

    19/09/2011 às 10:54

    É sempre uma irresponsabilidade confrontar a Pátria mãe.

  123. PARASITOLOGO

    -

    19/09/2011 às 10:44

    o que me chama a atenção ,não há nenhum dos lados dispostos a ceder em nada ,o que estranha é que os dois povos são sacrificados pelos seus políticos e tanto povo palestino e o povo judeu são as vitimas ,a diferença é que os judeus se espalharam mundo e formaram uma forte economia e os palestinos ficaram encalhados em seus territórios e o que não entendemos é do porque a ONU nunca se pautou em resolver diretamente com tropas nas fronteiras e em definitivo tivesse implantado os dois estados e convivendo plenamente lado a lado ,porque um precisa do outro ,as diferenças religiosas devem ser resolvidas sem o apetite da guerra ,com certeza o terrorismo não é bem vindo em nenhuma circunstancia ,mas do porque nenhuma das partes revela afinal quais os verdadeiros interesses da não negociação definitiva da paz ,porque Israel alega não ser reconhecido ,mas o mesmo alega os palestinos e a maioria dos países reconhecem os dois e o que o Irã diz não há valor ,mais o mundo não suporta mais assistir essa guerra e gostaria de ver o fim dessa agonia dos povos em não poderem dormir tranquilos pelo ódio que se tem um do outro ,desenvolvido por políticos gananciosos e que não se preocupam com seus povos o que eles acham e gostariam de viver ,os radicais é que deveriam ser objetos de julgamentos ,os principais atores dessa guerra maldita ,não defendo nenhum dos lados e por isso nunca entendi do porque a ONU nunca apitou e pacificou como fazem em muitos países como fizeram na croácia e os Servios ou mesmo no Iraque com os Curdos e isso ocorre em outros lugares até hoje e o que interessa é as ações apenas dos politicos ,mas o sofrimento dos povos ninguém se interessa .

  124. anônima-RJ

    -

    19/09/2011 às 10:41

    No DNA do PT há o anti-semitismo que é o grande responsável por todas as atitudes da diplomacia do Governo Lula/Dilma!!!

    Obrigada, Reinaldo. Este texto é mais uma aula a se guardar, escrita por quem sempre presou a democracia e nunca caiu em contradição!

  125. Cris Rocha Azevedo

    -

    19/09/2011 às 10:34

    Ai, que vergonha! A gente não se cansa de proclamar nosso atraso!

  126. Octávio

    -

    19/09/2011 às 10:33

    A ONU está promovida, definitivamente, a uma versão mundial da “Escolinha do Professor Raimundo”. Vejamos pelo aspecto positivo: é cômico. Só tenho pena dos tradutores. Já pensou ter que entender a Dilma falando?

  127. UNK

    -

    19/09/2011 às 10:28

    Reinaldo e amigos,

    o Carlos Mattos está certo!! deveriam prender , como fizeram por muito menos com o Strauss Kahn, a muiê do ôme.
    E agora a terrroristinha de meia tijela (lembrem-se o Franskstein Martins é tijela inteira) ” pousa” de democratazinha!!

    vão te catá!!
    ===============================================================
    Fora Dill-má…..Impeachment Já!!………..vão te catá!!
    ===============================================================

  128. Anónimo

    -

    19/09/2011 às 10:27

    Terroristas apoiam terroristas! Quem e anti USA e contra Israel. E o que ela falar, vai ser indiferente para os paises civilizados.

  129. Chacon

    -

    19/09/2011 às 10:24

    Acho que não vem desde o século VII, creio que vem de muito antes, desde Noé. Cam, foi amaldiçoado por seu pai que disse que ele, Cam, seria servo do irmão, não porque viu a nudez de seu pai, ou não só por isso, a Bíblia nos conta esta história e nos dá a entender isso, mas Cam invadiu as terras de seu irmão que foram divididas depois do dilúvio, para quem acredita em Noé, essa é a história. Então essa gente vem querendo acabar com os semitas já faz um “bucadinho” de tempo. Há mais coisas que envolvem toda essa trama, decendncias etc e tal. Abraço

  130. nena

    -

    19/09/2011 às 10:14

    LG 9:10
    ‘Quanto ao Brasil, mais uma vez vamos fazer papel de palhaços e exibir à comunidade das nações todo o nosso altismo e provincianismo. O mundo à beira de um precipício financeiro e bélico, e vai lá a imbecil da Muié do Hômi falar em conquistas femininas, em “solidez” do Brasil e ainda deitar admoestações à liderança mundial’. É isto mesmo, LG, e dá uma vergonha danada.
    Com lulla o Brasil adotou o tom de quermesse, pobre, inconsistente, ignorante e falso, e a sua criatura-poste fica papagaiando o mesmo discurso analfabeto. Ainda não saíram do aparelho terrorista, nem se informaram de como andou o mundo nessas décadas. Pobre país, tendo representantes dessa medida.

  131. Anticomuna

    -

    19/09/2011 às 10:13

    Reinaldo. Simplismente, se o Brasil, na pessoa da Presidente, for a favor dos “palestinos,” estará DANDO UM TAPA NA CARA DE OSWALDO ARANHA, e ATRAINDO MALDIÇÃO PARA O BRASIL, conforme Gênesis 12:3.Não é possível que o nosso país não veja que assim estariam APOIANDO A TERRORISTAS de primeira linha?! Bom… entende-se…

  132. Eduardo

    -

    19/09/2011 às 10:12

    Só falta a Dilma falar na ONU que o problema econômico dos países ricos é culpa do “imperialismo yankee” e que o Brasil tem a receita para os males da economia mundial, ou seja: Proer, Lei de Responsabilidade Fiscal, Privatizações, Parcerias Público Privada, ….

  133. Luciane

    -

    19/09/2011 às 9:56

    Reinaldo. Bom Dia.
    Dona Dilma nunca ficaria a favor da única Democracia do Oriente Médio, ela e seus aceclas adoram e apoiam ditadores.
    Seu texto é brilhante, mas aqueles que hoje cuidam de nossa política externa não o compreendem. A estrutura de pensamento deles não permite o raciocínio lógico, e o reconhecimento dos fatos reais. Compreendem apenas as ditam fábulas coloridas pela ideologia comunista/esquerdista. Não é só Aranha que está sendo vilipendiado, somos todos nós brasileiros.

  134. Sérgio

    -

    19/09/2011 às 9:53

    A dona Oligofrênica apenas está seguindo a tradição do antisionismo soviético pós-67, na verdade uma grande farsa
    para esconder o anti-semitismo clássico das esquerdas.

    Nem o emo do planalto faria um discurso desses. Patético.

  135. Mineirinha

    -

    19/09/2011 às 9:53

    Por mim a Dilma pode ser ate capa se sofa da sala do vizinho contanto que eu nao tenha tido de pagar um centavo por isto . Ja conhecemos a fatura de propaganda paga! Essa visilidade em nada muda o seu passado e o amadorismo do seu governo. Israel tem enfrentado os que atentam contra o seu direito de contruir seu destino. Darao c’os burros n’agua mais uma vez.

  136. Silva Júnior

    -

    19/09/2011 às 9:49

    E esses apedeutas arrogantes ainda querem um lugar permanente no Conselho de Segurança. Uma banana para eles.

  137. Ilson de Pádua

    -

    19/09/2011 às 9:39

    Prezado Reinaldo,
    Como sempre concordo plenamente com você. Israel foi atacado duas vezes e conseguiu se defender. A esta votação da ONU um tremenda perda de tempo. As negociações entre Israel e a Palestina tem que ser bilateral sem interferência de aloprados do outro lado do mundo que não sabe das necessidades daquela parte do mundo. Israel é de fato o único Estado Democrático do região. O restante são de estados miseráveis, onde o povo vive em total abandono. O mundo tem inveja de Israel. Não ceda a chantagem mundial, principalmente houvir a dilma e seus aloprados ladrõens que roubam tudo por aqui.!
    Abs,
    Ilson de Pádua

  138. carlos mattos

    -

    19/09/2011 às 9:36

    Nao temos o video da plateia, enquanto esta Anta discursava?
    garanto, que estariam fazendo de tudo, menos prestar atencao no palavrorio sem sentido dela, e de qualquer maneira, o que o BRasil diga na ONU, nao sera mesmo levado em consideracao

  139. carlos mattos

    -

    19/09/2011 às 9:30

    Eu “”" juro”"” que se ainda estivesse morando em NY, morei la em long island, por 18 anos, eu levaria um cartaz, dizendo: FBI esta mulher ai raptou um embaixador Americano e e procurada pela interpol, prendam-na, eu estenderia uma faixa la na av 1 onde e a sede da ONU

  140. Geraldo Lima

    -

    19/09/2011 às 9:25

    O Luiz da Silva desmereceu a Presidenciado Brasil praticando o obscurantismo, implantando a era da corrupção.
    A ONU tambem vai ser desmerecida a DIuuma é uma despreparada, sem formação intelectual, moral.
    Conclui-se que a ONU tambem está decadente.

  141. Raul Gomes

    -

    19/09/2011 às 9:23

    Gostaria de lembrar ao Ricardo que Israel em 1948 não tinha apoio de país algum do mundo e muito menos das “grandes potências”. Que em 1967 os USA não apoiaram Israel, enquanto que a URSS apoiou Egito e Síria. Que apenas em 1973 Israel teve apoio dos USA, enquanto que o otro lado manteve o apoio da URSS. E que a direita de Israel fez o acordo de paz com o Egito.

  142. LG

    -

    19/09/2011 às 9:10

    “(…)Israel, de fato, raramente enfrentou uma situação tão hostil na região, mas é bom lembrar que viveu dias muito piores, E sobreviveu. Só ocupa hoje os territórios dos quais querem expulsá-lo porque venceu duas guerras que tinham o objetivo de aniquilá-lo — reagiu, não atacou(…).
    Sim, no essencial, v. tem razão. Israel foi sempre atacado pelo inimigos e sempre os venceu. E sobreviveu. Mas discordo quando v. diz que Israel “já viveu dias muito piores”. Penso que não, Reinaldo. Nas agressões e ataques passados Israel nunca esteve tão isolado como está agora. E nunca houve uma Casa Branca, e nem mesmo uma Europa,tão abertamente hostis a Israel como agora, sob o comando do sr. Hussein (nem Carter agiu tão abertamente em favor dos inimigos de Israel como tem feito o tal Obama) e da dupla Deladier-Chamberlain, ops, quero dizer Sarkozy-Cameron.
    É evidente – e só não vê quem não quer – que o Oriente Médio se prepara para a guerra total. E ela virá, não duvidem disso. Temo que seja uma guerra com efeito dominó, i.e., com potencial para arrastar o mundo todo para dentro de um buraco negro. Não duvidem, Reinaldo e mais amigos, que o fascismo islâmico não está sozinho em suas ousadias e infâmias, pois conta com o suporte financeiro e material de China e Rússia. Enquando as (im)potências ocidentais batem cabeça (batem cabeça?), os inimigos do mundo livre se armam, se equipam, se fortalecem e se preparam para a guerra. Sinceramente, vejo nuvens muito negras no horizonte…
    Quanto ao Brasil, mais uma vez vamos fazer papel de palhaços e exibir à comunidade das nações todo o nosso altismo e provincianismo. O mundo à beira de um precipício financeiro e bélico, e vai lá a imbecil da Muié do Hômi falar em conquistas femininas, em “solidez” do Brasil e ainda deitar admoestações à liderança mundial. Santo Deus? ‘Cuma?’, diria o Didi Mocó. A verdade é que já escolhemos (quer dizer, escolheram por nós, compreendem?) um lado do conflito e temo sinceramente para que tipo de buraco esses cretinos petistas, tão arrogantes quanto ignorantes estão empurrando o país.
    Enfim, para aqueles que ainda olham o céu e só enxergam o azul e o sol a brilhar é bom começar a mudar de atitude e se preparar para a tempestade a caminho. Parece que a humanidade, mais uma vez, trilhará o caminho do horror.
    Peçamos a Deus misericórdia, e a Nossa Senhora Aparecida um milagre – mais um – para que o nosso país não seja empurrado para um desvio incompatível com as nossas tradições diplomáticas, se é que me entendem…

  143. Anónimo

    -

    19/09/2011 às 9:04

    REI.
    UAU!!! UMA LÚCIDA ANÁLISE FÁTICA E DE HISTÓRIA QUE, MUITOS “ESPECIALISTAS” NÃO FARIAM COM A HONESTIDADE QUE O ASSUNTO REQUER.
    AGORA, PODE ESPERAR VIU!!! A MARQUETAGEM CHULA E OS JORNALÕES EXALTARÃO O TAL DISCURSO DO POSTE DE SAIA, DA MESMA FORMA QUE EXALTARAM OS ZURROS OS APEDEUTA DE GARANHÚNS.
    AGORA AS QUESTÕES LAVANTADAS PELO RICARDO (07:34) DENOTAM BEM O QUÃO DESINFORMADO ESTÁ O SUJEITO E COMO A AINTISEMITISMO E ANTIAMERICANISMO VULGAR ENGANA A TANTOS. NO MÍNIMO É ELEITOR DA ESQUERDA.
    Rods

  144. Ricardo-PR

    -

    19/09/2011 às 8:59

    Com certeza!

    Por traz de tudo isso existe o anti-semitismo, além do anti-cristianismo. Mas principalmente anti-semitismo.

    É graças a criação do estado de Israel, que se pode conter as agressões históricas contra os judeus.

    Se não tivesse ocorrido a criação desse estado, se Israel não tivesse se tornado uma potência econômica e tecnologica, provavelmente teriamos visto outros holocaustos.

    Não sou judeu, mas admiro muito esse povo pela sua união e senso de comunidade. É por isso que são o que são: pacíficos e desenvolvidos econômica e tecnologicamente.

    A impressão que eu tenho é que se deseja fazer mais um holocausto, parece uma obsessão aniquilar judeus da face da terra, ainda mais porque Israel é um país desenvolvido entre outros países arabes/islâmicos da região que vivem na pobreza e cultivam pobreza e acho que isso deve estimular uma “inveja” a esses povos islâmicos.

    Da nojo dessa política externa irresponsável brasileira, como se não bastasse tanta patifaria da imprensa e dos políticos ocidentais, ainda vai a anta ideológica do PT fazer a gente participar desse movimento “anti-Israel”.

  145. di Carvalho - Minas/ Sul

    -

    19/09/2011 às 8:57

    Bom dia a todos.
    Ainda bem bem que nessa história o Brasil não passa de um cachorro morto. Por essa e outras razões que não lhe dão uma cadeira na onu: o chefe de governo não estuda o assunto a ser tratado e já vai dando palpites azedos gritando pelos quatro cantos como se fosse o paladino da moral e da justiça apontando o que não lhe é chamado.
    Reinaldo, mais uma vez você foi brilhante!

  146. murilo

    -

    19/09/2011 às 8:56

    O Brasil quer, a todo custo, ser protagonista no tabuleiro mundial. Os caras esquecem que não é a gente que se faz protagonista, são os outros que nos colocam como tal, reconhecendo-nos como importantes. Essa postura do atual governo não pode surpreender ninguém, eles são os mesmos que eram contra os americanos lá na década de 60, eles gostam é de Cuba. Não entendem que essas posições, quase infantis, nos afastam dos grandes países, pois com certeza, somos vistos com desconfiança. Estão querendo aproveitar que o primeiro mundo encontra-se em crise ( que será solucionada, mais dia menos dia ) e querendo dar uma de grandes, ao invés de aproveitar o momento e se aliar aos grandes, não ir de encontro a eles.

  147. Alex Esteves da Rocha Sousa

    -

    19/09/2011 às 8:48

    Reinaldo,
    Eu sei que não tem a ver com o seu post, mas, por favor, leia o texto “Vírus de Opinião”, de José Roberto de Toledo, no Estadão On Line, e veja onde ele quer chegar. Não vou comentar porque espero a sua observação.
    Alex.

  148. celia

    -

    19/09/2011 às 8:34

    Bela aula de história. Aliás, diariamente a recebemos.

  149. Silas

    -

    19/09/2011 às 8:21

    Caro Rei,
    Há tempos vi em uma revista uma charge em que se via um homem contemplando, em um cemitério, alguns túmulos. O homem, obviamente era um judeu assim reconhecido pelas esteriotipadas vestes que usava. Havia um túmulo com a inscrição “Aqui jaz o Império Assírio”; em outro, a inscrição era “Aqui jaz o império babilônico”, em um terceiro a inscrição rezava “Aqui jaz o império romano”, mas havia um quarto túmulo em que havia um grande ponto de interrogação e a inscrição “Quem será o próximo?”.
    O isolamento de Israel é um dado constante, ainda mais agora nas atuais circunstâncias. Estou surpreso? Não! A profecia bíblica a respeito de Israel – o povo eleito de Deus, e assim o é, quer eu goste disso ou não! – é bastante clara sobre esse isolamento, sobre aquele pensamento que não está só na cabeça do Irã – “varrer o inimigo do mapa”, como vc escreveu – mas também na cabeça de muita gente de lá do Oriente Médio e do resto do mundo. O profeta Zacarias (cujo ministério profético começou em 520 AC), como os outros profetas de Israel, é extraordinário quanto ao futuro de Israel:
    1) A questão de Jerusalém. O destino de Jerusalém interessa não apenas a Israel e aos palestinos, mas ao mundo todo. O que ali acontecer – paz ou guerra – atingirá o mundo todo. O que disse Zacarias? “Palavra do Senhor [Jeová] sobre Israel…Eis que porei Jerusalém como um copo de tremor para todos os povos em redor…farei de Jerusalém uma pedra pesada para todos os povos; todos os que carregarem contra ela certamente serão despedaçados, e ajuntar-se-ão contra ela todas as nações da terra.” (Zacarias 12.1-3);
    2. Apesar do aperto da nação, o Senhor socorrerá Israel. “Naquele dia o Senhor [Jeová] amparará os habitantes de Jerusalém… procurarei destruir todas as nações que vierem contra Jerusalém.” (Zacarias 12. 8-9);
    3. Israel, face ao livramento do Senhor, converter-se-á a seu Messias, o Senhor Jesus Cristo, comandante dos exércitos celestiais [não humanos, note bem!]que libertarão miraculosamente a nação escolhida. Zacarias diz: “E sobre a acasa de Davi esobre os habitantes de Jerusalém derramarei o Espírito de graça e de súplicas; e olharão para mim, a quem traspassaram; e o prantearão como quem pranteia por um unigênito; e chorarãoa amargamente por ele, como se chora amargamente pelo primogênito[...]Naquele dia haverá uma fonte aberta para a casa de Davi e para os habitantes de Jerusalém, contra o pecado e contra a impureza.” (Zacarias 12.10;13.1);
    4. O reino do Senhor Jesus Cristo será estabelecido em Jerusalém e abênção fluirá para todos os povos: “Naquele dia acontecerá que correrão de Jerusalém águas vivas[...] e o Senhor será rei sobre toda a terra: naquele dia, um só será o Senhor, e um só será o seu nome [...] E acontecerá que todos os que restarem de todas as nações que vieram contra Jerusalém subirão de ano em ano para adorarem o Rei, o Senhor dos Exércitos …” (Zacarias 14.8-9, 16).
    Eu sei que isso que escrevi é matéria de fé nas Escrituras Sagradas judaico-cristãs. Não tenho motivo para delas duvidar, pelo contrário, Israel é o grande sinal da sua autenticidade. Não me surpreendo, portanto, com a situação de Israel: sua história já está previamente escrita e termina em vitória final e definitiva de Israel. O que já aconteceu concorda com o que está escrito!
    Israel tem cometido erros? Claro que sim! Mas ainda assim permanece como povo eleito de Deus que dele trata, aplicando-lhe os corretivos necessários. Israel vencerá! Porque assim o Senhor o determinou!
    “Quem será o próximo?”, ou melhor, “Quem serão os próximos?”.
    Termino, citando, mais uma vez, o profeta Zacarias: “…aquele que tocar em vós [Israel] toca na menina do seu [de Jeová] olho.” (Zacarias 2.8).
    A louca posição do Brasil contra Israel sistemnaticamente, vai contra o bom senso, como vc demonstrou no post, e contra a vontade expressa do Senhor de Israel e de todas nações da terra. Está cutucando com vara curta “a menina do olho” do Senhor Deus Todo Poderoso.

  150. @Medeyer

    -

    19/09/2011 às 8:09

    Pois é, Rei. Algumas considerações:
    Alguns diplomatas, sem se identificarem, disseram que não vão votar pelo reconhecimento do Estado Palestino por apoio à causa e sim porque temem retaliação de nações árabes, que por serem numerosas, poderiam tirar o voto a esses países para a composição de órgãos internos da ONU;
    Netanyahu disse que Israel votaria a favor do “upgrade” palestino na ONU, desde que não seja para uma condição de Estado. A sugestão da Catherine Ashton era a de que a ONU criaria uma categoria especial, que seria acima do atual status palestino, mas que não significasse ser um Estado;
    -É bom agora olhar para a transformação do Partido Trabalhista, que provavelmente será comandado por uma mulher(Shelly Yachimovich), ofuscando o Kadima e a própria Livni. A esquerda israelense pode crescer, tirando cadeiras do Kadima;
    -Os israelenses acham que Erdogan não terá coragem de criar atrito militar com Israel no Mediterrâneo. Para eles, as falas de Erdogan são só “slogans de valentão”.
    Os árabe palestinos não tem como se manter pois não tem uma estrutura de estado. a criação desse “estado” serviria somente para manter grupos terroristas no poder num Estado sem legitimidade de fato…
    Os amigos de Israel e as pessoas q o amam devem continuar defendendo o país, dessa campanha sórdida q está sendo feita…
    NÃO PODEMOS ESMORECER!

  151. cleide bragliollo

    -

    19/09/2011 às 8:05

    Reinaldo
    Me permite um off-topic?
    No rastro da notícia de que o governo, sob pretexto de proteger a indústria nacional, aumentou o IPI de carros importados, os sindicatos dos metalúrgicos já se movem para anunciar greves para os próximos dias, objetivando reivindicações salariais.
    Em São José dos Campos começam hoje.
    Estão certos no seu raciocínio.
    Agora os fabricantes podem ser mais benevolentes, pois podem repassar o custo de um aumento maior para o preço final do produto, já que não sofrem concorrência dos importados.
    E nós consumidores que nos f…erremos!!
    E ainda tem gente aplaudindo as medidas do governo, achando que isso só vai atingir “aqueles malditos endinheirados, que torram sua fortuna comprando carros importados”.
    Isso é que é masoquismo explícito e pornográfico.
    Ou burrice em estado puro!

  152. Black box!

    -

    19/09/2011 às 7:58

    Capa da Newsweek… hum! Qualquer um minimamente informado sabe que esta revista tem uma capa para a América Latina, outra para os EUA, outra para a Europa. etc.

    É simplesmente uma questão de mercado. Vai ter um batalhão de ratazanas petralhas comprando esta “edição histórica”.

  153. Anónimo

    -

    19/09/2011 às 7:41

    Belas palavras e chamada à razão, Reinaldo, mas isso não vale para os petralhas que estão de fato em guerra contra Israel. É um inimigo eleito aleatoriamente, como fez Hitler no passado. O objetivo atual é o mesmo do passado da alemanha nazista e só difere nos protagonistas. O Lula é declaradamente inimigo de Israel e sua interina não tem autonomia também nesse assunto.

  154. RICARDO

    -

    19/09/2011 às 7:34

    Tio Rei,
    “Na Líbia, a trinca Obama-Cameron-Sarkozy entrega o poder aos jihadistas…”. Concordo. Mas que garantias a ONU possuía de que Israel não seria um estado governado por uma extrema-direita fundamentalista ao tempo de sua criação, que, ainda hoje, é refratária a qualquer proposta de acordo?
    Lanço dúvida também sobre os triunfos de Israel em suas recentes guerras, sem que estas não tenham contado com o apoio militar (armas, estratégias, equipamentos etc) das grandes potências ocidentais, especialemente dos EUA?
    Por fim, se o Sinai ainda estivesse em poder de Israle o Oriente-Médio estaria em paz?

  155. Sandra

    -

    19/09/2011 às 7:28

    Tanto faz. O que o Brasil acha é irrelevante.

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados