Blogs e Colunistas

01/10/2012

às 17:15

Devemos levar no bolso o voto de Celso de Mello; ele tem de ser a nossa bíblia laica

O voto de Celso de Mello tem de ser transcrito, impresso e distribuído a milhões de brasileiros. Deveríamos andar com ele no bolso para nos lembrar de que um Brasil civilizado ainda é possível!

Por Reinaldo Azevedo

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

Envie um comentário

O seu endereço de email não será publicado.

151 Comentários

  • Theotonio Afonso Pereira Jr

    -

    5/10/2012 às 3:34 am

    O voto do Ministro Celso de Mello deveria ser distribuído nas escolas para servir de norma de referencia e comportamento de seus alunos, pois e lá que suas consciências adquirem noções de moral e de respeito.
    theotonio

  • Dimas K. D?

    -

    4/10/2012 às 12:41 am

    Quem perdeu o voto, como pode assistí-lo?
    Garto

  • Jack

    -

    2/10/2012 às 6:57 pm

    Celso é moralmente indefectível e eticamente irretocável. Poucos ali podem dizer o mesmo. Eu colocaria no mesmo panteão homens da estirpe de Cezar Peluso, Menezes Direito e Sepúlveda Pertence.

  • Jota Eme

    -

    2/10/2012 às 6:45 pm

    Realmente, Reinaldo, você está coberto de razão. Esse voto lavou a alma de muita gente, principalmente, a minha. É Jupiter despejando fogo em palavras candentes, impregnadas de sabedoria e de amor ao Brasil, espancando a bandalheira, o aprisionamento do Estado, através do aperalhemento do governo em comportamentos criminosos com a universalização da iniqüidade. Depois disso, tremei bandidos, o Brasil decente e digno está a postos.

  • Eduardo Junior

    -

    2/10/2012 às 4:10 pm

    Parabéns Ministro Celso de Mello. Seu voto foi um acalanto na esperança de todos nós que acreditamos em um país melhor, obrigado.

  • CELSO BIZZARRO

    -

    2/10/2012 às 3:47 pm

    Foi magistral o recado que o excelente Ministro da Suprema Corte, Dr. Celso de Mello mandou a todas as autoridades que exercem cargos públicos e também aos cidadãos deste País, enquanto tecia considerações sobre seu voto no processo do mensalão, lembrando a todos as regras básicas que devem nortear a gestão pública deste País, de modo a evitar esse tsunami de corrupção que assolou o Brasil. Tal manifestação deve ser objeto de profunda reflexão na consciência do cidadão brasileiro, porque somente assim será possível debelar o efeito maléfico que essa praga traz ao desenvolvimento do País.

  • Jorge Roriz

    -

    2/10/2012 às 1:11 pm

    REINALDO
    POR FAVOR, GOSTARIA QUE FOSSE DISPONIBILIZADO NO BLOG, NA ÍNTEGRA, O VOTO DE CELSON DE MELLO. (ÁUDIO,VÍDEO OU TEXTO) PRECISAMOS DIVULGAR !!!!

  • roberto santeli

    -

    2/10/2012 às 1:03 pm

    Reinaldo, compartilho seu entusiasmo, com o ministro Celso de Mello, mas o contraponto que outros dois ministros como Toffoli e o afilhado da Marisa representam dão a exata dimensão do abismo que separam a competencia, o justo domínio do direito e daquilo que é direito ou torto.
    Certo ou errado, como esse episódio vai entrar para os anais da nossa história eles serão lembrados de por sempre
    commo os representantes da competencia, do compromisso co a justiça e com o povo e o país, enquanto que os outros dois serão lembrados como vassalos de um partido que criou uma chaga, ou uma saga de malfeitos enquanto ocupou o poder, esse partido tem nome e cores, PT dos vermelhos, e seu chefe e líder se chama Luis Inacio da Silva,e um apelido que decidiu incorporar ao nome Lula, ele marcou ou manchou uma época que poderia ter sido brilhante dado em conta o legado bonançoso que recebeu, mas preferiu optar pela ignomínia de um desgoverno, e como se isso não lhe bastasse segue ainda assombrando o país com sua influencia nefasta, dando palpites e pitacos em tudo, mas para nossa boa sorte esse partido já está ferido de morte.

  • RHMNK

    -

    2/10/2012 às 12:18 pm

    Mais: todos os petralhas deveriam ser obrigados a lê-lo todos os dias, de manhã ao acordarem e à noite, antes de dormir. É para não caírem em tentação, nem quando sonham.

  • Tizo

    -

    2/10/2012 às 12:05 pm

    Grandes ministros da Corte, Celso Mello, Fux, Barbosa, Carmem e Aires Brito, merecem o reconhecimento do povo. Mostraram que o STF aainda é digno de credibilidade.

  • BSB

    -

    2/10/2012 às 11:05 am

    Não não, nada de aposentadoria antes do tempo.
    Muita Saúde é disposição igual a de Ontem, Sr; Ministro
    Celso de Mello.Parabéns De Coração Mesmo.

  • BSB

    -

    2/10/2012 às 10:59 am

    COM LETRAS MAIÚSCULAS, PARABÉNS, EXCELENTÍSSIMO,MINISTRO
    CELSO DE MELLO,O SENHOR NÓS DEIXOU DE ALMA LAVADA.

  • Marceli

    -

    2/10/2012 às 10:26 am

    Magistralíssimo, assim pode ser qualificado o voto do ministro Celso Melo. Parece-me que caiu a ficha para alguns de que estavam tentando minar a resistência do herói M. Barbosa. Deram uma alavancada no voto dele. Parabéns Celso Melo, o Brasil agradece. O voto da m. Rosa continua sendo confuso e imprevisível.

  • Anderson Clayton

    -

    2/10/2012 às 8:17 am

    Parabéns Celso de Mello a sua voz fez tremer o crime organizado no governo deste país,e mostrou que este país ainda tem salvação contra os criminosos!E AGORA LULA!!CADEIA OU CUBA

  • Afrânio Roberto Fernandes Ribeiro

    -

    2/10/2012 às 5:42 am

    Sr. Reinaldo bom!
    Agradeço como brasileiro de coração aos ministro estão mostrando que a democracia pode fluir sem maiores soluços.
    Quanto ao escritor de origem egípicia é zero a esquerda,porque fugiu p/ Inglaterra? deveria ter ido ajudar Lenini.Não, procurou o bem bom para vociferar.
    A presidente Dilma também sofre de megalomania,assim como o padrinho,querendo ditar regras econômicas p/os europeus.Estou preocupado em ela quer fornecer petróleo a preço vil á Bulgária,como recebe Cuba de esmola.
    Sou um semi analfabeto,mas evito remar contra correnteza.O barril de petróleo passou de 12 dólares p/cento e tantos,os países compradores sofrem,como o Brasil pre Fernando Henrique Cardoso.O resto é chover no molhado.

  • jose francisco santoro

    -

    2/10/2012 às 5:08 am

    Pura verdade.Mas não há como dizer que os mensaleiros ficaram sequer ruborizados.Bando de ladrões corruptos.Mas há esperança,realmente.

  • Antonio Carlos

    -

    2/10/2012 às 4:34 am

    Acho que o voto do Ministro Celso de Mello representou pelo menos 100milhões de brasileiros. Devemos nos orgulhar. Cada um de nós teria orgulho de assinar um esse voto

  • iara

    -

    2/10/2012 às 2:28 am

    Crime de Responsabilidade, corrigindo o meu comentário.

  • iara

    -

    2/10/2012 às 2:23 am

    Hoje conclui que não somos nem a Venezuela, nem Cuba, nem Argentina, nem Bolívia etc,etc, etc. Hoje sinto que tirei das costas um peso enorme e indesejável de impotência, de tristeza e de desesperança. Começo a acreditar que poderemos ter um país digno e realmente soberano, livre dos assaltantes do Estado e dos nossos bolsos. Livre desses personagens grotescos que vem há quase dez anos vilipendiando a nossa pátria. Só espero agora que o lulinha paz e amor, seja processado por Crime de Responsabidade e afastado para sempre da política e a biografia dele seja escrita em um rolo de papel higiênico.

  • Alter

    -

    2/10/2012 às 2:19 am

    Fragmentos do voto proferido pelo eminente Ministro CELSO DE MELLO,na AP 470/MG, na sessão plenária de 1º de outubro de 2012.
    http://www.stf.jus.br/arquivo/cms/noticiaNoticiaStf/anexo/AP470mCM.pdf

    “……………………………………………………
    Entendo que o Ministério Público expôs na peça acusatória eventos delituosos revestidos de extrema gravidade e imputou aos réus ora em julgamento ações moralmente inescrupulosas e penalmente ilícitas que culminaram, a partir de um projeto criminoso por eles concebido e executado, em verdadeiro assalto à Administração Pública, com graves e irreversíveis danos ao princípio ético-jurídico da probidade administrativa e com sério comprometimento da dignidade da função pública, além de lesão a valores outros, como a integridade do sistema financeiro nacional, a paz pública, a credibilidade e a estabilidade da ordem econômico-financeira do País, postos sob a imediata tutela jurídica do ordenamento penal.
    ………………………………………………
    Quero registrar, neste ponto, Senhor Presidente, tal como salientei em voto anteriormente proferido neste Egrégio Plenário, que o ato de corrupção constitui um gesto de perversão da ética do poder e da ordem jurídica, cuja observância se impõe a todos os cidadãos desta República que não tolera o poder que corrompe nem admite o poder que se deixa corromper.
    Quem transgride tais mandamentos, não importando a sua posição estamental, se patrícios ou plebeus, governantes ou governados, expõe-se à severidade das leis penais e, por tais atos, o corruptor e o corrupto devem ser punidos,
    exemplarmente, na forma da lei.
    Este processo criminal revela a face sombria daqueles que, no controle do aparelho de Estado, transformaram a cultura da transgressão em prática ordinária e desonesta de poder, como se o exercício das instituições da República pudesse ser degradado a uma função de mera satisfação instrumental de interesses governamentais e de desígnios pessoais.
    Fácil constatar, portanto, considerados os diversos elementos legitimamente produzidos nestes autos e claramente demonstrados pelo eminente Relator, que a conduta dos réus, notadamente daqueles que ostentam ou ostentaram funções de governo, não importando se no Poder Legislativo ou no Poder Executivo, maculou o próprio espírito republicano.
    Em assuntos de Estado e de Governo, nem o cinismo, nem o pragmatismo, nem a ausência de senso ético, nem o oportunismo podem justificar, quer juridicamente, quer moralmente, quer institucionalmente, práticas criminosas, como a corrupção parlamentar ou as ações corruptivas de altos dirigentes do Poder Executivo ou de agremiações partidárias.
    Extremamente precisa a observação, sempre erudita, do Professor Celso Lafer, quando, ao discorrer sobre o espírito republicano, acentua, a partir de Montesquieu, que “o princípio que explica a dinâmica de uma República, ou seja, o sentimento que a faz durar e prosperar, é a virtude. É nesse contexto que se pode dizer que a motivação ética é de natureza republicana. Isso passa (…) pela virtude civil do desejo de viver com dignidade e pressupõe que ninguém poderá viver com dignidade numa comunidade política corrompida”.
    …………………………………………………….
    É por isso, Senhores Ministros, que a concepção republicana de poder mostra-se absolutamente incompatível com qualquer prática governamental tendente a restaurar a inaceitável teoria do Estado patrimonial.
    Com o objetivo de proteger valores fundamentais, Senhor Presidente, tais como se qualificam aqueles consagrados nos princípios da transparência, da igualdade, da moralidade e da impessoalidade, o sistema constitucional instituiu normas e estabeleceu diretrizes destinadas a obstar práticas que culminem por patrimonializar o poder governamental, convertendo-o, em razão de uma inadmissível inversão dos postulados republicanos, em verdadeira “res domestica”, degradando-o, assim, à condição subalterna de instrumento de mera dominação do Estado, vocacionado, não a servir ao interesse público e ao bem comum, mas, antes, a atuar como incompreensível e inaceitável meio de satisfazer conveniências pessoais e de realizar aspirações governamentais e partidárias.
    …………………………………………………
    O fato é um só, Senhor Presidente: quem tem o poder e a força do Estado, em suas mãos, não tem o direito de exercer, em seu próprio benefício, a autoridade que lhe é conferida pelas leis da República.
    A gravidade da corrupção governamental, inclusive aquela praticada no Parlamento da República, evidencia-se pelas múltiplas consequências que dela decorrem, tanto aquelas que se projetam no plano da criminalidade oficial quanto as que se revelam na esfera civil (afinal, o ato de corrupção traduz um gesto de improbidade administrativa) e, também, no âmbito político-institucional, na medida em que a percepção de vantagens indevidas representa um ilícito constitucional, pois, segundo prescreve o art. 55, § 1º,da Constituição, a percepção de vantagens indevidas revela um ato atentatório ao decoro parlamentar, apto, por si só, a legitimar a perda do mandato legislativo, independentemente de prévia condenação criminal.
    A ordem jurídica, Senhor Presidente, não pode permanecer indiferente a condutas de membros do Congresso Nacional – ou de quaisquer outras autoridades da República – que hajam eventualmente incidido em censuráveis desvios éticos e reprováveis transgressões criminosas, no desempenho da elevada função de representação política do Povo brasileiro.
    Sabemos todos que o cidadão tem o direito de exigir que o Estado seja dirigido por administradores íntegros, por legisladores probos e por juízes incorruptíveis. O direito ao governo honesto – nunca é demasiado reconhecê-lo – traduz uma prerrogativa insuprimível da cidadania.
    A imputação, a qualquer membro do Congresso Nacional, de atos que importem em transgressão ao decoro parlamentar revela-se fato que assume, perante o corpo de cidadãos, a maior gravidade, a exigir, por isso mesmo, por efeito de imposição ética emanada de um dos dogmas essenciais da República, a repulsa por parte do Estado, tanto mais se se considerar que o Parlamento recebeu, dos cidadãos, não só o poder de representação política e a competência para legislar, mas, também, o mandato para fiscalizar os órgãos e agentes dos demais Poderes.
    Vê-se, nesse ponto, a íntima correlação entre a própria Constituição da República, em face de que prescreve o seu art. 55, § 1º, e a legislação penal.
    Qualquer ato de ofensa ao decoro parlamentar, como a aceitação criminosa de suborno, culmina por atingir, injustamente, a própria respeitabilidade institucional do Poder Legislativo, residindo, nesse ponto, a legitimidade ético-jurídica do procedimento constitucional de cassação do mandato parlamentar, em ordem a excluir, da comunhão dos legisladores, aquele – qualquer que seja – que se haja mostrado indigno do desempenho da magna função de representar o Povo, de formular a legislação da República e de controlar as instâncias governamentais do poder.
    ……………………………………………….
    Importante destacar, Senhor Presidente, as gravíssimas consequências que resultam do ato indigno (e criminoso) do parlamentar que comprovadamente vende o seu voto e que também comercializa a sua atuação legislativa em troca de dinheiro ou de outras indevidas vantagens.
    …………………………………………………..
    A corrupção deforma o sentido republicano de prática política, compromete a integridade dos valores que informam e dão significado à própria ideia de República, frustra a consolidação das instituições, compromete a execução de políticas públicas em áreas sensíveis como as da saúde, da educação, da segurança pública e do próprio desenvolvimento do País, além de afetar o próprio princípio democrático.
    Daí os importantes compromissos internacionais que o Brasil assumiu em relação ao combate à corrupção, como o evidencia a subscrição, por nosso País, da Convenção Interamericana contra a Corrupção (celebrada na Venezuela em 1996) e da Convenção das Nações Unidas (celebrada em Mérida, no México, em 2003).
    As razões determinantes da celebração dessas convenções internacionais (uma, de caráter regional, e outra, de projeção global) residem, basicamente, na preocupação da comunidade internacional com a extrema gravidade dos problemas e das consequências nocivas decorrentes da corrupção para a estabilidade e a segurança da sociedade, eis que essa prática criminosa enfraquece as instituições e os valores da democracia, da ética e da justiça, além de comprometer a própria sustentabilidade do Estado democrático de direito, considerados os vínculos entre a corrupção e outras modalidades de delinquência, com particular referência para a criminalidade organizada, a delinquência governamental e a lavagem de dinheiro.
    …………………………………………………
    Esses vergonhosos atos de corrupção parlamentar, profundamente lesivos à dignidade do ofício legislativo e à respeitabilidade do Congresso Nacional, alimentados por transações obscuras idealizadas e implementadas em altas esferas governamentais, com o objetivo de fortalecer a base de apoio político e de sustentação legislativa no Parlamento brasileiro, devem ser condenados e punidos com o peso e o rigor das leis desta República, porque significam tentativa imoral e ilícita de manipular, criminosamente, à margem do sistema constitucional, o processo democrático, comprometendo-lhe a integridade, conspurcando-lhe a pureza e suprimindo-lhe os indices essenciais de legitimidade, que representam atributos necessaries para justificar a prática honesta e o exercício regular do poder aos olhos dos cidadãos desta Nação.
    Esse quadro de anomalia, Senhor Presidente, revela as gravíssimas consequências que derivam dessa aliança profana, desse gesto infiel e indigno de agentes corruptores, públicos e privados, e de parlamentares corruptos, em comportamentos criminosos,devidamente comprovados, que só fazem desqualificar e desautorizar, perante as leis criminais do País, a atuação desses marginais do Poder.
    ………………………………………………….”

  • ALEXSON MAMED

    -

    2/10/2012 às 1:51 am

    Tio Rei,
    O voto do decano do STF foi magistral.
    Se não for pedir muito, faço um singelo pedido: assim que você conseguir a íntegra do voto, disponibilize-o aqui.
    Abraços.

  • ENTRE OS EMINENTES PARES, EXISTE MINISTRO MEQUETREFE

    -

    2/10/2012 às 12:57 am

    Depois dos excelentes votos de hoje, fica a certeza de que, neste julgamento, réu mequetrefe pode até se safar, mas ministro mequetrefe não tem salvação.

  • Gustavo

    -

    2/10/2012 às 12:42 am

    Reinaldo, o voto de hoje do ministro Celso de Mello foi parcialmente transcrito e disponibilizado no site do Supremo: http://www.stf.jus.br/arquivo/cms/noticiaNoticiaStf/anexo/AP470mCM.pdf

  • Augusto

    -

    1/10/2012 às 11:40 pm

    Rei,
    .
    Simplesmente brilhante foi a fundamentação do voto do eminente Ministro Celso de Mello!!! Temos que tirar urgentemente da cabeça dele a infeliz ideia de se aposentar precocemente!!!
    .
    Abraços!

  • Abraão Leite Sampaio

    -

    1/10/2012 às 11:05 pm

    Estamos caminhando em direção a razão e a lógica que uma “Nação” necessita para que sua população sinta-se amparada pelas leis em vigência.Nosso STF está nos deixando com o pensamento livre da pressão castigante que se apresentava diante de nós, toda vez que os que se sentem donos da Pátria estavam diante de um julgamento.Era notável a passividade acompanhada de uma segurança que a impunidade viria lavrada com letras maiúsculas no veredito final.Tudo indica que estamos diante de um Supremo, cuja maioria sabe a definição de vida com a clareza que o ser humano realmente precisa visualizar.Não podemos deixar nunca de aplaudir com veemência os GRANDES… JOAQUIM BARBOSA E o Nosso aguerrido Procurador GURGEL.

  • Tré Belle

    -

    1/10/2012 às 11:04 pm

    Simplesmente Maria- 17,23
    Tambem sou católica, mas quero que saibas, que a “cnbb” não representa o Papa Bento xvI, no Brasil, a IGREJA CATÓLICA APOSTÓLICA ROMANA!!! Uma boa parte dos BiSPOS, não fazem parte da cnbb. (cnbb apoiam a Teologia da Libertação).

  • Rosely

    -

    1/10/2012 às 10:57 pm

    Eu quero a transcrição do voto do Ministro Celso de Mello! Houve um momento em que eu chorei de emoção! Lindo! Magnifico!
    Os Ministros Joaquim Barbosa, Luiz Fux e Celso Mello estão lavando a alma dos brasileiros e nos dando alguma esperança de que o país pode ser diferente!

    Hoje à noite destaquei algumas das falas do Ministro Celso de Mello aos meus alunos que estão aprendendo o Artigo 37 da Constituição. Ainda os sinto distantes! Quem sabe ser vier para o You Tube! Tomara!

  • Eduardo

    -

    1/10/2012 às 10:25 pm

    O Ministro Celso Mello lavou-nos a alma! a sua fala deveria ser gravada em maiusculas e em negrito para que até os miopes pudessem ler. Deveria ser reproduzida em CD para que até o apedeuta -mor pudesse entender. Deveria ser distribuida a todos os brasileiros com vergonha ou sem ela para que se ruborizassem. Deveria ser, finalmente objeto de trabalhos escolares para que NUNCA MAIS levassemos ao poder tal escória.

  • Trè Belle

    -

    1/10/2012 às 10:25 pm

    SEM JUSTIÇA NÃO HÁ DEMOCRACIA!!!!!!
    ——————————
    O POVO BRASILEIRO AGRADECE, AINDA EXISTE JUÍZES EM BRASÍLIA!!!!!

  • Tré Belle

    -

    1/10/2012 às 10:16 pm

    Parabéns Ministros Celso de Melo e Aires de Brito, os Senhores lavaram a alma dos brasileiros de bem!!!!!!!!!!!!
    Fez renascer as esperanças nos corações dos brasileiros desiludidos.
    Belissímas Palavras!!! Tornaram músicas aos nossos ouvidos!!!
    DEUS os abençoe!!!

  • Lun_ático

    -

    1/10/2012 às 9:59 pm

    O voto hoje brilhantemente proferido pelo ministro Celso de Mello deveria ser lido e explicado – tintim por tintim – para o ex-presidente Lula (que não gosta de ler nem “acredita” em mensalão), a fim de que não venha a alegar ignorância em torno de seu conteúdo!

  • José Antonio

    -

    1/10/2012 às 9:47 pm

    Reinaldo e amigos do blog,cá pra nós:- quanta diferença entre Celso de Mello e os nanicos:Lewandowski e Toffoli.

  • Marcela Egas

    -

    1/10/2012 às 9:32 pm

    Hoje mais uma vez fiquei com a alma lavada com o voto do ministro Celso de Mello e do Ministro Ayres Brito. Foi magnifico. Pobre Mensaleiros a vergonha foi imensa para todos eles.

  • corruptos e corruptores - pt

    -

    1/10/2012 às 9:28 pm

    É para ser colocado num quadro e expor na parede da sala. E quem sabe desenhar o que ele quis dizer, pra ver se muita gente entende de uma vez por todas que o nosso Brasil está sendo surrupiado descaradamente pela corja PeTralheira. Belíssimas palavras, Ministro!

  • junes marta paris

    -

    1/10/2012 às 9:14 pm

    Eu vou copiar o voto do Ministro Celso de Mello, e guardá-lo comigo para ler de novo e de novo. Ele arrasou!

  • Afrânio Roberto Fernandes Ribeiro

    -

    1/10/2012 às 9:04 pm

    Sr.Reinaldo boa noite
    Com todo respeito,eta gaúcho arretado de bom!

  • Maristela, sp

    -

    1/10/2012 às 9:04 pm

    Ah, eu tambem vi… e adorei. Imagine se não??
    E pensei que amanhã poderia estar na íntegra nas páginas dos jornais. Hoje a sessão de julgamento do mensalão foi grandiosa!!! Esperança, esperança!!!!

  • NERO

    -

    1/10/2012 às 9:03 pm

    NA PAGINA ‘HOLOFOTE’ DESTA SEMANA DA REVISTA VEJA, MOSTRA O CARA DE PAU DO LULA TENTANDO CULPAR O SUPREMO PELO SEU FRACASSO TANTO POLITICO COMO MORAL NO BRASIL. ORA VEJA REINALDO, A MASCARA CAIU, EXISTIU CORRUPÇÃO, MENSALÃO, ROUBO, RAPINAGEM , QUADRILHA, E AGORA QUE TODOS SEM EXCESSÃO VÃO PAGAR POR ESSA SACANAGEM ELE VEM DAR UMA DE CHAVES E SE COLOCAR NO TOPO DA CADEIA ALIMENTAR. É UMA PENA QUE O RANGEL NÃO O TENHA DENUNCIADO DIRETAMENTE POIS A UNICA FORMA DE MOSTRAR A SOCIEDADE QUE ELE E O CHEFÃO, QUE TUDO SABIA E QUE DE SANTO NÃO TEM NADA, DEVE SER O ‘SANTO ANÁS’. ELE NÃO SE APRESSE POIS O DELE JÁ ESTA SENDO PREPARADO. O BRASIL AGRADECE AO SUPREMO PELA DEVASSA NESSA MALDITA QUADRILHA QUE SO DEU MAUS EXEMPLOS PARA O PAIS. CADEIA NESSES VAGABUNDOS.

  • José Antonio

    -

    1/10/2012 às 9:02 pm

    De fato Reinaldo,o ministro Celso de Mello deu uma aula sobre ética e o bem comum como finalidade última do Estado.Pelo andar da carruagem,o núcleo político não escapará impune.Estou começando a ver nascer um país onde a corrupção será punida com muito mais rigor.

  • Leni

    -

    1/10/2012 às 8:48 pm

    Hoje eu acredito.
    O Ministro Relator Joaquim Barbosa, ouviu atentamente o voto de Celso de Mello, que foi PHD em TRANSPARÊNCIA.O Ministro Celso de Mello passeou pelo Código Penal, na justificativa de seu voto, e ao final ACOMPANHOU INTEGRALMENTE O VOTO DO MINISTRO RELATOR.Foi EMOCIONANTE. Parabéns Ministro relator, Parabéns Presidente Ministro Ayres Brito que justificou lavagem de dinheiro com simulação e dissimulação e repetiu dinheiro público não faz caixa 2, e também acompanhou integralmente o relator Ministro Joaquim Barbosa.Sem Justiça não há democracia.Aqueles que recebem a missão de representar o povo, não podem esquecer que o mandato é do povo, que deve ser representado com ética, disciplina e respeito aos intereses de quem lhes elegeu. Quem jura a Constituição em sua posse deve cumpri-la no exercício de sua governança, para honrar os votos de quem elege em confiança de que o governante cumpra a Constituição.

  • Fleudert

    -

    1/10/2012 às 8:47 pm

    De fato, um dos Votos mais belos que já houve no Supremo. O resgate histórico da república e a decupagem dos institutos jurídico-políticos que dão sustentáculo ao Estado e ao Povo enquanto instituições humanas. Bravo!

  • rastilho

    -

    1/10/2012 às 8:46 pm

    Depois disso vai vir algum decreto.é de lembrar,se acontecer algum tipo de ameaça que venha dar algum rebuliço,hehehe!não aqui claro,pois já tem uma maioria que se alimenta.agora nada vemos que uma face sombria dos que fizeram uma arrecadação criminosa,lavagem de dinheiro.se tem como esquecer está época,sim’mas não tem como negar que,cercaram!ay meu amigo,ninguem pode responder,o que já foi feito,o teste feito no povo e que continuam fazendo,parece que o brasileiro teriam o poder de prever limites e, assim em qualquer situação algum heroi viria arregaçaria as mangas e nos salvaria.uma diversão,humm!mas se todos paises tiveram seus herois não custa acreditar que, com estes fatos surgi o nosso aqui, em cartaz..; celso de mello!

  • Lia

    -

    1/10/2012 às 8:32 pm

    O povo está compreendendo todas as tentativas de “aliviar” para mensaleiros corruptos, que desviam dinheiro público. O povo hoje aplaude mais uma vez a seriedade, a luta, a coragem e a independência do Ministro relator Joaquim Barbosa, que enfrentou provocações, insultos, gracejos, mas teve seu trabalho reconhecido na Corte pelo Ministro decano Celso de Mello, pelo Presidente Ayres Brito e pelo Ministro Luiz Fux. A Justiça tem um só lado a verdade. O povo agradece a estes Ministros, e serão recosnhecidos como aqueles que atuam na Côrte pelo país e por um novo caminho e por novas práticas políticas, onde o limite é a lei maior, a Constituição Federal.O ministro Joaquim Barbosa pé parte de meu otimismo, minha crença que é possível um outro caminho para meu país e para o povo que mais sofre com este projetos megalomaníacos de poder. A Suprema Côrte através de quem realmente tem notável saber jurídico está dando um recado aos corruptos:Acabou, respeitem as insituições, a República, o Estado Democrático de Direito, a Democracia. Política limpa daqui para a frente. Muda Brasil, há homens e mulheres (Eliana Calmon é uma delas) comprometidos com um novo mundo e um novo tempo, cidadãos que colocam suas intelectualidades a serviço da Nação.

  • Dante,

    -

    1/10/2012 às 8:32 pm

    Reinaldo, uma pergunta: Por que é que os votos dos ministros se inicia pelo empossado mais recentemente, e não pelo Decano? …Não seria mais lógico? Por favor…

  • caetano

    -

    1/10/2012 às 8:31 pm

    Novo slogan em nossa bandeira: ORDEM,JUSTIÇA E PROGRESSO.

  • viva galt!

    -

    1/10/2012 às 8:24 pm

    O maior atingido nisto tudo é Toffoli, petista de primeira hora no olho do furacão do mensalão. Ouvindo Mello, se eu fosse o ministro, colocaria o rabo entre as pernas e morria de vergonha!!!!

  • Lia

    -

    1/10/2012 às 8:23 pm

    Sensacional o voto do Ministro Celso de Mello, porque demonstrou que a corrupção é base da violência.Demonstrou que a corrupção impede a paz social.O voto dos Ministros Joaquim Barbosa, Celso de Mello, Luiz Fux e Ayres Brito foram de juizes de notável saber jurídico, homens que compeeendem a responsabilidade de vestir a toga da Suprema Corte do país.Demonstrarm em seus votos o desrespeito à Constituição Federal, o desrespeito ao eleitor representado pelos mensaleiros (que trairam o voto que receberam) as instituições da República a serviço do privado em detrimento do interesse público. Mentiras de teses falsas. Parabéns Ministro Joaquim Barbosa, estamos próximos de inaugurar um novo tempo na política com ética, espírito republicano e fim da impunidade aos corruptos.
    O julgamento do mensalão está revelando ao país quem julga e quem compromete a República.Hoje valeu a citação até de Santo Agostinho. Hoje baixou o santo no Ministro Celso de Mello. Ayres Brito fechou brilhantemente com seu voto maravilhoso.Até que enfim a justiça está sendo reconduzida naquela Côrte.

  • Almir Bohana

    -

    1/10/2012 às 8:18 pm

    Concordo plenamente.
    Não só para andar com ele no bolso mas, para mostrar a
    quem merece que no Brasil ainda existem homens de verdade.
    Que não tem medo de falar a verdade, que teve a coragem
    de dizer aos politicos (executivo e legislativo) o que
    eles deveriam ouvir. Bom seria juntar as palavras do Mi-nistro Celso de Mello e do Ministro Carlos Ayres Brito.
    E entregar uma cópia aos demais ministros. Talvez, assim,
    eles aprendam a ser dignos.

  • Juvencio

    -

    1/10/2012 às 8:13 pm

    Palavra de honra. Cheguei a me emocionar com o voto do Ministro Celso Melo. As palavras dele traduziram a encarnação da Justiça.

  • marcelo custodio pereira

    -

    1/10/2012 às 8:00 pm

    DR. Reinaldo, boa noite. Se o tal do ZÉ DIRCEU(capo da máfia) fugir do país (desculpe-me a irreverência) vou ficar P U T O !

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados