Blogs e Colunistas

03/02/2011

às 16:26

Crescimento recorde esconde situação da indústria brasileira

A propósito da concorrência chinesa e do crescimento recorde da indústria no ano passado, leia artigo de Rogério César de Souza, economista-chefe do Iedi (Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial), publicado hoje na Folha. Ok, dê-se um desconto: ele trabalha para uma das entidades que representam a indústria. A questão é saber se o que ele diz é ou não procedente.
*
O crescimento de 10,5% da produção industrial brasileira em 2010 mais esconde do que revela o que, de fato, ocorreu com a indústria. Ao desagregar os dados, observa-se, ao longo do ano de 2010, um comportamento de perda de ritmo ou mesmo de recuo em todos os setores. Ou seja, o mau momento vivido pela indústria é geral. E mais: na comparação com o patamar de setembro de 2008, quando do agravamento da crise internacional, a produção de dezembro de 2010 é 2,4% menor. Passaram-se mais de dois anos, e a indústria fechou 2010 com num nível de produção inferior ao visto naquele mês.

Esse declínio da produção industrial, em um contexto de elevado crescimento do mercado interno, é explicado pela substituição do bem nacional pelo importado. É verdade que, quando uma economia cresce, a importação contribui efetivamente para complementar a oferta doméstica. Mas a enxurrada de importados nos últimos anos, sobretudo em 2010, já ultrapassou essa dimensão e passou a restringir a produção doméstica. Esses resultados indicam que há uma evidente perda de competitividade de se produzir no Brasil.

O país é caro para produzir (e ainda mais para produzir para o exterior), e os fatores que explicam isso são conhecidos: altas taxas de juros dos empréstimos domésticos para capital de giro; pesada carga tributária e ausência de fontes voluntárias de financiamento de longo prazo para investimentos. Além de excesso de tributos que o exportador nacional ainda carrega nas vendas externas, encargos trabalhistas elevados, infraestrutura insuficiente ou precária e, por fim, mas não menos importante, níveis de taxas de juros e câmbio absolutamente fora do lugar.

Pode-se dizer que 2010 será lembrado mais por explicitar os entraves ao bom curso da produção nacional do que pela recuperação (ainda que parcial) dos níveis de produção de antes da crise. E quanto a 2011? O que se pode afirmar é que a situação da indústria nacional só mudará se esses fatores forem enfrentados, desde já, com mais firmeza, juntamente com maiores esforços para aumentar a produtividade das empresas brasileiras. As perspectivas, como se vê, não são as melhores.

Por Reinaldo Azevedo

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

Envie um comentário

O seu endereço de email não será publicado.

36 Comentários

  • CosmeBR

    -

    6/2/2011 às 1:24 am

    Em países desenvolvidos o setor de serviços é o mais importante. A indústria vem perdendo espaço por isso. O Brasil está se desenvolvendo rapidamente.

  • fervoroso

    -

    4/2/2011 às 7:57 am

    tenhop um amigo,que é um matemático,sempre que aparecem essas noticias maravilhosas sobre a peodução brasileira. sobre o “desenvolvimento” brasileiro e sobre esta mentirada lulistoide, ele começa a desfiar numeros.Apenas um exemplo:Quando o cara dizia que o brasil iria entrar na opep o matemático dizia- que somando todas as reservas de petróleo se chegava no máximo ao nivel de Angola, se as noticias fossem verídicas- que um milhão de funcionários públicos causavam deficit maior que trinta milhões de aposentados do inss, que se for somar todos os impostos que se paga e juntando tudo que se paga novamente, o brasileiro que produz compromete mais de 60% de sua renda,e que muito, muito tem que mudar, e como nada vai mudar,ele sempre arremata dizendo que o Brasil não tem futuro. Começo a acreditar nisto.O Imposto único não seria um bom começo de mudança?

  • Pedro Couto

    -

    4/2/2011 às 12:24 am

    O espelho da situação está à nossa frente para se olhar e refletir sobre o caso. Com os juros nas alturas, quem está levando vantagens são os bancos, principalmente os maiores existentes no Pais. Agora se o governo fizesse uma experiência de apenas seis mêses com juros mais baixos, com certeza o resultado seria muito mais satisfatório, condiderando aos lucros apresentados pelos bancos. Porque assim aumentaria a produção da nossa Industria para o consumo interno e consequentemente as exportações. Deixando tambem de importar principalmente da China produtos que só servem para abastecer lojinha de R$1,99, dado a sua péssima qualidade, com isto sufocando a nossa Industria que não consegue competir com os produtos daquele País em face do preço em que são comercializados.

  • Ziu

    -

    3/2/2011 às 9:48 pm

    Reinaldo,
    É por essas e outras que é sempre muito bom ficar de olhos bem abertos em relação aos números referentes ao desempenho da economia brasileira, e outros mais, divulgados pelos governos petistas. Nada do que essa gente diz pode ser levado a sério de pronto, sob pena de se cair na cilada petista, que diz ser uma coisa, quando na verdade trata-se de outra bem diferente. Que infla dados que poderiam ser-lhe favoráveis, se verdadeiros, e que desinfla (vide UPAs), os verdadeiros quando estes podem trazer-lhe prejuízos.
    Eu já me perguntava: Sobre que base e como deve ser interpretado este dado sobre o crescimento da indústria brasileira? Resposta que já começa a aparecer!!!

  • carlos

    -

    3/2/2011 às 9:20 pm

    O Cara tem que ser responsabilizado pelos mortos da serra fluminense já mandou para a ONU o projeto de defensa civil e não fez nada desde 2005, agiú certo no remédio da crisis mais a dosis foi exagerda para ganhar a eleição e oa sair falou que deixava o carro para Dilma ambaldo a 100 por hora, ela teria somente que acelerar, mais ela sabía que no tinha freios e vai puxar o de mão fazendo um cavalo de pau como nunca na história deste pais e vai ser muito dificil por o carro de volta na pista.

  • Ferrabraz

    -

    3/2/2011 às 9:13 pm

    Mais uma vez.
    Só mudaremos esta situação se zerarmos o déficit fiscal. Que deteria os juros, que mais baixos diminuiriam a entrada de dolares, desvalorizaria o real frente ao dolar e permitiria melhor exportação.
    Menos impostos sobre investimentos, sobre a folha de pagamentos e menos custos na infraestrutura de exportação também fariam a diferença em favor da competitividade no exterior.
    Logo, é preciso modificar o estado brasileiro.
    Alguem ainda acha possivel???
    Nunca com Dilma I, a muda e seu fiel escudeiro na mentira deslavada, o embusteiro Mantega, rei das trutas contábeis.

  • samuel

    -

    3/2/2011 às 8:47 pm

    Aumentar a competitividade da indústria brasileira passa pela libertação da pequena empresa (também da media e grande) das restrições e do peso burocrático e financeiro que imobiliza a iniciativa e que não são somente restrições mensuráveis em moeda. Existe toda uma estrutura de opressão formada pelos Fiscais municipais, estaduais, federais; policiais municipais, estaduais, federais; Justiça do trabalho (“empregue 10 pessoas hoje e tenha 10 reclamações trabalhistas o ano que vem”). Todas estes agentes imbuídos da sua onipotente supremacia burocrática sobre aqueles que investem e produzem. Fazem-nos de capachos. O que o empresário tem a seu favor? A estrutura da JUSTIÇA e o seu Sistema: promotor, Juízes, advogados, peritos. Vai lhe custar caro. Vai ser denunciado (a promotoria é rápida para isso) e pode ser condenado mesmo quando não deve.
    E se precisar de financiamento? Estou vendo aqui no meu extrato do Banco: taxa 8,75% pré a.m, 173% A.A SEM COMPUTAR O JURO SOBRE JURO, o que pode levar esta taxa para 300% a 400% a.a (coloco minhas planilhas de cálculo a disposição de quem pedir).
    O modelo sindical brasileiro, concebido ainda na era Vargas seguiu praticamente intocado. Ora “Os sindicatos só protegem os sitiados que constituem sua clientela principal, não os desempregados, que não militam e nem são contribuintes”. Os sindicatos são um fator de aumento de custos.
    Como reformar? Os poderosos sindicatos brasileiros afinal, sempre fizeram parte do quadro de apoio do PT.
    Alterar essa estrutura é reformar o Brasil, ex gr; se V emprega o seu vizinho da porta ao lado, V está criando uma relação BUROCRÁTICA com Brasília. Existe algo mais BURRO do que isso? Isso é que é amar a Burocracia!! A organização econômica (trabalho, capital, investimentos) do Brasil veio se estruturando num crescendo de asfixia nos últimos 60 anos. Isto aconteceu porque corresponde a mentalidade das pessoas formadoras de opinião no Brasil. Ampliou com os Militares e cresceu nos anos após. Mais centralização, mais burocracia…
    O PT é apenas o ápice dessa cultura anti-empresa e talvez por isso mesmo eles estejam no poder HOJE.
    Em contrapartida, o que se precisa é tão simples! Refreie a burocracia, deixe as pessoas tomarem a iniciativa, investir suas economias em suas idéias, empregar o seu vizinho ao lado…
    Ora, isso colide com a ideologia dominante do qual o PT é o guardião: Grandes monopólios Estatais e Privados. “Tudo no estado, Tudo pelo estado e Tudo para o estado”

  • marcia

    -

    3/2/2011 às 8:10 pm

    Reinaldo
    Alguém citou o lucro dos bancos, o banco panamericano está na ordem do dia. Que tal escrever um posto sobre os banqueiros, seus lucros, principalmente na era pt?
    Acho melhor não, o risco de infarto seria grande.
    Marcia

  • marcia

    -

    3/2/2011 às 8:03 pm

    Eu sempre fiquei “p” da vida com o anta do lulla abrir as pernas para os chineses, agora, mais feio ainda é a dilma abrir as pernas para os chineses, e a nossa indústria que se dane.
    Marcia

  • Zamir Anjos

    -

    3/2/2011 às 7:35 pm

    Àinda esqueceram de dizer nesta lista, o inferno da burocracia para ser legal neste país.
    Dia a dia eu sofro como micro empresário para me manter de pé.
    Tudo que você depende de um simples empréstimo a um crédito imobiliarioa, há cartório para todos os gostos para tirar uma lasca de dinheiro do seu bolso.
    Desde as taxas extorquida do judiciário até os cartórios de oferecimento de serviços para agilizar seu pleito.
    UM inferno, cada dia me revolto com este estado de coisas neste país.

  • Jose Figueredo

    -

    3/2/2011 às 7:27 pm

    Este camarada acaba de inventar a “RODA”.Fazem 8 anos que a industria está levando “PAU”,principalmente quem exportava.A equipe economica empurrou com a barriga,não cuidou do cambio.Muitas foram e muitas irão para a China.Inclusive do Alencar o ex.Os trabalhalhadores são igual a ladrão em casa de pobre,só levam fumo.

  • pericles

    -

    3/2/2011 às 6:47 pm

    Os senhores empresários estão reclamando do que?
    Da reforma tributária obstruída durante os oito anos de FHC e “esquecida” durante os oito anos do primeiro palhaço analfabeto eleito nesse país?
    Da retração durante 2009? Que isso, foi só uma marolinha!
    Deve estar tudo ótimo para vocês! Vocês não contribuíram como marajás para a campanha da Dilma?
    Para o PT, também está tudo ótimo. Perdeu uma eleição? Não tem importância, vira ministro! Agora vocês sabiam que PT significa Partido dos Trabalhadores? Ah! Mas os trabalhadores que se danem!

  • mariva

    -

    3/2/2011 às 6:14 pm

    Bem, concordo com o artigo, a indústria brasileira está sobrecarregada de impostos, taxas, taxinhas, etc.
    QUANTO AOS BANCOS, ESSES SIM TIVERAM LUCROS EXORBITANTES, NO BRASIL. OS APADRINHADOS DO PT, OS POLÍTICOS, OS FILHINHOS DO LULA, ZÉ DIRCEU, ENFIM A PETEZADA DE UM MODO GERAL TAMBÉM TIVERAM MUUUUIIIITTTOOOOOO LUCRO COM O BRASIL DO FAZ DE CONTA. FAZ DE CONTA QUE A TAXA DE EMPREGO CRESCEU, FAZ DE CONTA QUE A SAÚDE MELHOROU, FAZ DE CONTA QUE O MEC ACERTOU TODAS NA EDUCAÇÃ, FAZ DE CONTA QUE O PAC É UM SUCESSO, FAZ DE CONTA QUE ELEGEMOS UM PRESIDENTE COMPETENTE E QUE É AVESSO A CORRUPÇÃO, QUE VAI CONSTRUIR CRECHES, HOSPITAIS, RODOVIAS, UNIVERSIDADES PARA TODOS.
    O BRASIL DEVERIA SER CHAMADO DE PAÍS DO FAZ DE CONTA.
    E A INDÚSTRIA,HÓ! SI FU…

  • Economista

    -

    3/2/2011 às 6:11 pm

    O que esse estudo não mostra é que muitas industrias estão importando e vendendo os produtos com suas marcas, portanto continuam faturando, o que recua é a produção local e o emprego, nem os tributos caem pois pagam imposto de importação.Isso o colega não diz no seu estudo. Não é o comercio que é responsável pelas importações em larga escala mas a própria industria.

  • Diego

    -

    3/2/2011 às 6:01 pm

    Com certeza é muito procedente o texto, e nada do que foi escrito é novo, todos nós, pelo menos os que acessam ao blog, estão cansados de saber da perda de competitividade da industria nacional, perante estes entraves burocraticos, encargos e juros altos, falta de financiamentos, gargalos de infraestrutura.
    E o que mais me indigna é aquele molusco falastrão e sua corja, pregando o Brasil maravilha e não fazendo nada para mudar esse quadro, meteram o pau na administração FHC, mas não fizeram absolutamente nada, a unica coisa que fizeram, foi deteriorarem a politica Brasileira, nunca antes na história destepaiz foi desviado tanto dinheiro publico e nunca se teve tanta senção de impunidade como nos ultimos 8 anos!
    Pelo andar da carruagem a população terá que cobrar ela mesma por respostas e tranparencia pois este governo não tem nenhuma oposição.

  • Welson DeSouza

    -

    3/2/2011 às 5:58 pm

    Além da Reforma Tributária, precisamos uma “Reforma Politica”, honesta.
    Menos partidos, cortar a metade de politicos desde Senadores a vereadores. Os Estados Unidos tem o dobro de Estados e a metade em politicos, que o Brasil.
    Porque um vereador precisa de 20 ou 30 funcionários?
    Tirar os esquemas do eleitor votar em um politico e o seu ‘voto’, elege outro, isto é safadeza.
    Tirar o voto obrigatório.
    Enxugar a máquina politica.
    Fazendo uma Auditoria Independente em todos os orgãos Federais, Estaduais e Municipais.
    Tem pessoas ganhando do governo e vivendo no exterior, outros recebem aposentadorias fajutas, como governadores, prefeitos, e apadrinhados.

  • Sr. Arrocho

    -

    3/2/2011 às 5:57 pm

    Será que alguém vai reclamar quando os juros subirem, os gastos públicos forem cortados e acontecerem medidas para se adaptar à forma de agir da China (como o aumento da nossa competitividade), no Governo Dilma?
    Quero ouvir a estridência dos berros da Maria da Conceição Tavares, Aloizio Mercadante, Luiz Nassif, Elio Gaspari, Ideli Salvatti, cutistas e agregados. TENHO DITO!

  • Welson DeSouza

    -

    3/2/2011 às 5:42 pm

    Falar na Industria Brasileira é andar dando volta no “Deserto”. Fico triste ao ver estas taxas de crescimento serem manipuladas, quando 90% são fabricas filiais do estrangeiro, pois o “Made in Brasil”, 5% por cento sofre todos esses problemas de financimento burocráatico e de taxas altas de juros.
    Porisso nescessitamos tanto da Reforma Tributária, para que o Brasil possa ser industrialmente competitivo no exterior e largar de ser um Brasil, que ainda é “Colonial”.

  • bpistelli

    -

    3/2/2011 às 5:31 pm

    Reinaldo, o crescimento deste ano é um desvio estatístico, no ano retrasado, 2009 a indústria decresceu 10% e em 2010 cresceu 10,5% isto é só uma recuperação de um ano recessivo, a citada curva em V que os jornalistas econômicos escrevem.
    Comparando 2008 com 2010, o crescimento bienal é zero, como a letra V onde os pontos extremos são iguais.
    A redução em investimentos em indústrialização tem um culpado, a monstruosa tributação no país de produtos industrializados. Se o IPI fosse reduzido à metade e o ICMS também, o produto nacional ficaria com preço similar ao importado e com mais qualidade, mas se não tomar cuidado a renúncia fiscal é apropriada pelos preços e só a longo prazo haveria aumento de produção.
    Produtos exportáveis – o governo tem que agir duramente, comprar os alimentos dos exportadores, produtos primários e reter o necessário ao consumo interno, isto fará aumentar os preços internacionais, pagar um real por dólar pelos produtos retidos e vender ao consumo interno pelo exato preço do ano anterior, direto ao atacadista e com o escrito ( produto exclusivo para consumo no Brasil ),assim o país para de importar inflação com o aumento das comodities e dar direito ao exportador ter câmbio melhor.

  • PT = Pilantras e Trambiqueiros

    -

    3/2/2011 às 5:30 pm

    … O curioso de tudo isso é que os Jornalistas das grandes mídias, petistas de carteirinha, não conseguem mostrar as mazelas dos números !!!!!!
    A propósito, não vejo ninguém falar da roubalheria nos Correios !!!!!!!!!!

  • gaúcha indignada

    -

    3/2/2011 às 5:28 pm

    “Ella” não vai longe…..

  • Márcia

    -

    3/2/2011 às 5:15 pm

    Crescimento recorde é aqui:já está chegando na marca dos 60 mil votos!
    Vote no campeão:
    http://www.whopopular.com/Reinaldo-Azevedo

  • Ex-petista

    -

    3/2/2011 às 5:11 pm

    Estão espantados com a invasão chinesa?
    Pois saibam que a Hering, a Brastemp, a Consul etc. e outras marcas que são “a cara do Brasil”… importam da China!!!
    Leia a etiqueta do seu agasalho da Hering. Leia o rótulo da sua lavadora Brastemp. Pode ser que você encontre “Origem:China” em um deles.

  • Caetano Santos

    -

    3/2/2011 às 5:09 pm

    Pior que a corrupçao, pior que a tributaçao super elevada, pior que a ineficiencia de nossas industrias, é uma coisa que toma cada vez mais conta de nosso pais. o custo brasil começa pela MAIOR BUROCRACIA DA FACE DA TERRA, isto ta acabando com o brasil lentamente, so fico feliz pq sei que um dia chegaremos no fim do poço.

  • Cactus

    -

    3/2/2011 às 5:02 pm

    Infelizmente o país está despencando industrialmente. Para maquiar a situação o governo lulla não parava de propagandear as riquezas do pré-sal (ainda vejo alguns tontos na imprensa falando nisso). Isto é para inglês ver, já que a economia está toda apoiada em juros mais elevados do planeta e necessita da entrada de grandes volumes de dólares e os aplicadores querem garantias. Só que não está entrando mais nada (ou quase nada devido a problemas da economia externa e desconfiança sobre o Brasil); e isto está deixando o mantega careca de cabeça arrepiada. a dilma já não reajustou as tabelas de imposto de renda, ou seja, já estão tungando mais o nosso suado dinheirinho, e vem mais, só que cada vez mais a situação se complica, é uma bola de neve. Ah, ia me esquecendo está havendo demissões em muitas empresas (Positivo, Itautec etc)…

  • Anónimo

    -

    3/2/2011 às 5:01 pm

    Infelizmente o país está despencando industrialmente. Para maquiar a situação o governo lulla não parava de propagandear as riquezas do pré-sal (ainda vejo alguns tontos na imprensa falando nisso). Isto é para inglês ver, já que a economia está toda apoiada em juros mais elevados do planeta e necessita da entrada de grandes volumes de dólares e os aplicadores querem garantias. Só que não está entrando mais nada (ou quase nada devido a problemas da economia externa e desconfiança sobre o Brasil); e isto está deixando o mantega careca de cabeça arrepiada. a dilma já não reajustou as tabelas de imposto de renda, ou seja, já estão tungando mais o nosso suado dinheirinho, e vem mais, só que cada vez mais a situação se complica, é uma bola de neve. Ah, ia me esquecendo está havendo demissões em muitas empresas (Positivo, Itautec etc)…

  • professor da Poli

    -

    3/2/2011 às 4:58 pm

    Que não queiram reservas de mercado, protecionismo como nas décadas de 70 e 80 – uma solução muito apreciada por economistas ligados ao PT…
    Mas é fato que o Brasil já não consegue competir em termos industriais. Está caro produzir localmente. E o governo quer ser “sócio” de tudo.

  • Luiz Paulo

    -

    3/2/2011 às 4:49 pm

    Não precisa dar um desconto Reinaldo.

    Leitores do seu Blog não acreditam em luta de classes, ou que o industrial é ser perverso que só pensa na mais valia.

  • Chico

    -

    3/2/2011 às 4:48 pm

    Reinaldo, boa tarde. Nós deviamos agora. é pedir que lula explique a tal marolinha que atingui o país. Isto é reflexo da crise, que o salvador da pátria fez pouco caso. Aliás é o que ele sabe fazer, debochar de coisas sérias e ridicularizar aquilo que ele não tem conhecimento. Onde anda a OPOSIÇÃO brasileira, que não questiona a gerentona de plantão, pois ela é cúmplice doque esta acontecendo, o sucateação da indústria brasileira, cadê o senhor monteiro, presidente da CNI, que babava entre as pernas do ex-presidente farsante, lula delirante. Os setores da economia estão mostrando a sua cara, vide banco panamericano, e agora setores indústriais. ACORDA OPOSIÇÃO, vocês tem que prestar contas para 55 milhôes que não votaram na rainha dilma.

  • Malur

    -

    3/2/2011 às 4:48 pm

    Quero ver como aquele ministro não muito amante da verdade vai-se virar para encontrar um malabarismo que mascare o desemprego. Já, já essa desgraça que é tão má quanto a inflação estará por aí.

  • Beto gaúcho

    -

    3/2/2011 às 4:47 pm

    É muito triste Reinaldo!
    O país não encontrar incentivo pra desenvolver sua indústria!
    A presidenta Dilma tem que incentivar a pequena e média empresa. Não dá pra ficar só na retórica!
    Reinaldo, alguma coisa tem que ser feita pras empresas poderem se manter ou crescer, fazer face a esse monte de empecilhos, tributos, burocracia, barreiras.
    O Brasil tem que andar pra frente no setor industrial também!
    Não queremos capitalismo meia boca Reinaldo, queremos capitalismo sustentável. Com o social resguardado, amparado, tudo bem.
    Não queremos no brasil, em vez do capitalismo, capitalismo de mentira ou OLIGOPÓLIOS, CARTÉIS. Isso é horrível.
    Empresas grandes parecem chegar num estágio em que não se importam com a livre concorrência, já não serve mais a seus interesses.
    Nada disso, o Brasil tem que resguardar a sadia concorrência.
    O Brasil tem que continuar evoluindo industrialmente e não encolher e depender mais e mais do exterior.
    Um abraço.

  • Paulo Secco

    -

    3/2/2011 às 4:47 pm

    Creio que este numero apresentado esta mascarando a verdade a respeito do crescimento de nosso pais. Isto pq. em 2009 estavamos em crise e qualquer comparativo neste sentido, é duvidoso.

  • indignado

    -

    3/2/2011 às 4:40 pm

    Pronto é exatamente o que eu penso, só não estava conseguindo sintetizar dessa maneira, essa é a real situação tanto camuflada e escondida pelo babalorixa e seus compinchas.

  • Vera L.

    -

    3/2/2011 às 4:39 pm

    Reinaldo,
    Foram esses comentártios que os convidados do “Conta Corrente” da Globo News fizeram. Já no JN TUDO AZUL, “nunca antes neste país”. É assim que eles vão ficando bem na fita e João Santana deita e rola em épocas de campanha.

  • Ex-petista

    -

    3/2/2011 às 4:39 pm

    Hoje, parece que tudo o que se vende no Brasil é fabricado na China. Tudo baratinho… e vagabundo. Chave de fenda chinesa, por exemplo, só aperta dois ou três parafusos e não serve mais.

  • ricardo

    -

    3/2/2011 às 4:37 pm

    quando o real cair “na real” do que realmente vale, bye, bye momento magico lulístico…eles estão fazendo de tudo para manter o real aonde esta, ate mesmo sacrificando o parque industrial nacional, só para manter a farsa populista de nova “grande potencia”…inflação demora um tempo ate o povo se dar conta e atinge as pessoas de maneira “diagonal”…desvalorização da moeda não…pega em cheio todo mundo do dia para a noite…

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados