Blogs e Colunistas

28/07/2011

às 6:55

Contem isto para a turma da marcha: crack ajuda a elevar estatísticas de homicídios no país

Por Thiago Herdy, no Globo:
O consumo do crack já provoca uma epidemia de homicídios no país, que vitima principalmente jovens de 15 a 24 anos e é um dos principais fatores do aumento da violência, especialmente no Nordeste. Luiz Flávio Sapori, professor da PUC Minas e um dos principais estudiosos do tema no Brasil, em dois anos de análise conseguiu constatar claramente este fenômeno nos dados de violência em Belo Horizonte, capital mineira.

- A fatia mais considerável da violência nas principais cidades brasileiras está relacionada à introdução do crack. Em especial no Nordeste, onde estão as capitais que tiveram o maior aumento de homicídios – afirma o pesquisador, que classifica o crack como a droga mais danosa da sociedade atual e critica a falta de medidas concretas de atenção ao problema por parte do governo federal.

Ao lançar no ano passado o Plano de Ações Sociais Integradas de Enfrentamento ao Crack, o governador Eduardo Campos afirmou que 80% dos homicídios no estado tinham vinculação com o tráfico de drogas e que a grande maioria estava ligada ao crack.

Em Minas, Sapori conseguiu estabelecer esta relação entre o crack e o aumento da violência a partir de uma amostragem aleatória de inquéritos da Polícia Civil. Nos anos anteriores à inserção da droga na capital mineira, no meio da década de 90, o comércio de drogas era responsável por 8% dos crime contra a vida. A partir de 1997, este percentual cresceu consideravelmente, alcançando 19% dos crimes até 2004, e 33% em 2006. “O Brasil simplesmente não tem uma política de atendimento ao usuário do crack. O SUS não está preparado tecnicamente para atender à especificidade do dependente de uma droga diferente de todas as outras existentes por aqui”, diz o especialista.

Especialista defende internação forçada
Entre as medidas urgentes que ele defende estão a produção de conhecimento sobre o assunto e a quebra de tabus, entre eles a resistência à internação forçada – o que começou a ocorrer no Rio -, fundamental em vários casos, na opinião dele:”As pessoas têm de saber que é uma droga muito sedutora e prazerosa, mas capaz de criar uma dependência química sem relação com outras drogas. O usuário não pode cair na visão ingênua de que vai conseguir fazer uso controlado do crack, pois a chance disso acontecer é quase nula.”

Neste mês o tema se transformou em pauta principal do Instituto Minas pela Paz, organização da sociedade civil mantida por empresas ligadas à Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg). A ONG buscou o apoio do Conselho Estadual de Políticas Sobre Drogas (Conead-MG) e do Tribunal de Justiça para uma campanha para conscientizar sobre o drama. A mobilização levou um grupo de agências de publicidade a produzir todo o material voluntariamente. Aqui

Por Reinaldo Azevedo

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

Envie um comentário

O seu endereço de email não será publicado.

36 Comentários

  • Mariana Figueiredo

    -

    19/9/2011 às 3:39 pm

    Boa tarde! Há mais ou menos uma semana publiquei um comentário nesta coluna que ainda não foi aceito! Gostaria de saber o motivo, pois o que escrevi não contradizia as regras do site, apenas discordava do pensamento do colunista. A não publicação do meu escrito tolhe a liberdade de expressão do pensamento individual e remonta aos tempos mais sórdidos da ditadura militar! Aguardo aprovação do que escrevi!
    Obrigada!

  • Rodney

    -

    29/7/2011 às 5:22 pm

    Pessoal, a marcha é para se abrirem as portas da discussão sobre o assunto. Nem é pela liberação, pelo menos por enquanto. O que se pretende, ao meu ver, é discutir o modelo de tratamento feito hoje com relação a Cannabis, vulgarmente chamada de Maconha. A marcha não tem nada a ver com o Crack que é uma droga muito mais forte. Tenho certeza de que não foi visto ninguém na marcha com um cartaz pedindo a liberação do Crack. Estou enganado?

  • Katia

    -

    29/7/2011 às 10:19 am

    “O avanço do crack deve continuar sem o menor recuo enquanto a maconha for proibida. Os traficantes a usam como isca. Seria melhor separar este mercado em particular (o maior em se tratando de drogas) das drogas pesadas.”

    E com uma hipotética (pois completamente absurda) legalização da maconha os traficantes vão passar a concentrar seus esforços em vender o quê, ichperto? Flores? Cada “teorizinha” vagabunda esses idiotas que falam em legalização na maior facilidade, como se estivessem discutindo a venda de suco de groselha, inventam…

  • Ricardo Wildberger Lisboa

    -

    29/7/2011 às 12:04 am

    Calcula-=-se em 1 bilhão de reais os recursos que serão destinados ao combate do uso e danos causados pelo uso do crack. Ora, o uso disseminado que temos de crack é um efeito! As causas são outras.

    Imagine esse bilhão de reais investidos no policiamento de nossa fronteiras. Dá pra fazer muita coisa! Acontece que isso não engorda nenhuma ONG.

    Por outro lado, nenhum combate efetivo ao crack será possível enquanto permanecer a leniência em relação às FARC, e a governos delinquentes de países que abastecem o país de drogas.

    Nenhum combate efetivo ao crack será possível, enquanto delinquentes como Evo Morales e Hugo Chaves forem aliados do governo brasileiro.

    Nenhum combate efetivo às drogas será efetivo, enquanto não se meter na cabeça que droga não é um problema social. Problema social é uma epidemia de gripe espanhola ou similar, as conseqüências de uma inundação, cheia de rio, furacão, explosão de reator, tsunami, etc. Drogas são um problema de má escolha individual. Tratá-las como problema social é tirar a responsabilidade das costas de quem a tem e usar os impostos de quem tem compromissos com a ordem para atender as conseqüências da má escolha de quem não tem compromisso com coisa alguma ou, no máximo com a pequenez medíocre de seus prazeres mesquinhos.

    O problema das drogas não será resolvido enquanto não se eleger as prioridades corretas. O que não impedirá de se gastar rios de dinheiro sob o pretexto de se estar combatendo seus efeitos, através da engorda de quem vive justamente da existência dos problema.

    Porque as ONGs não clamam por um melhor policiamento de nossas fronteiras? Justamente porque isso desviaria para as forças armadas os recursos que lhes são sempre, generosamente, destinados.

    Porque as ONGs não clamam pelo rompimento com países fornecedores de droga? Porque comungam das mesmas inclinações equivocadas de esquerda, porque são irmãos na “revolução”.

    Pois é: jogaremos mais um bilhão no lixo! Mais um!

  • Luiz Eduardo Mendes

    -

    28/7/2011 às 8:53 pm

    Para quem ainda não sabe: a Anvisa publicou em 30/06 RDC nº 29/2011 em que Dispõe sobre os requisitos de segurança sanitária para o funcionamento de instituições que prestem serviços de atenção a pessoas com transtornos decorrentes do uso, abuso ou dependência de substâncias psicoativas. Entre outras exigências estão:
    1. Art. 15. Todas as portas dos ambientes de uso dos residentes devem ser instaladas com travamento simples, sem o uso de trancas ou chaves.
    2. Art. 19. No processo de admissão do residente, as instituições devem garantir: III – a permanência voluntária;

    Ou seja, aqueles que defendem somente a internação voluntária já venceram a primeira batalha.

  • di Carvalho - Minas/ Sul

    -

    28/7/2011 às 7:50 pm

    AH, REINALDO,
    VOCÊ NÃO ACHA QUE O COMBATE AS DROGAS AQUI NO BRASIL É REGADA DE MUITO BLÁ, BLÁ, BLÁ, TERNO E GRAVATAS, SAIAS E BRINCOS?
    A CLASSE MAIS AFETADA, QUE É A POBRE, NÃO PODE ESPERAR.
    VOMOS TIRAR A B… DA CADEIRA E IR À LUTA. NÃO PRECISA DIVULGAR AS AÇÕES, MAS TRABALHE QUE ELAS VÃO APARECER.
    OBRIGADO, REI, PELA OPORTUNIDADE!

  • Fernando

    -

    28/7/2011 às 5:20 pm

    A grande maioria dos homicidios é devida ao tráfico de drogas e não aos consumidores. Mas o tráfico existe porque há consumidores e porque permite lucros astronômicos (não há tráfico de chuchu). O valor do lucro é proporcional a repressão. O interesse em criar novos consumidores é assim proporcional ao lucro e a rigidez da repressão.
    É um circulo vicioso que somente pode ser quebrado com corajosas medidas novas. As atuais são comprovadamente inócuas e contraproducentes, no mundo inteiro.

  • Artur

    -

    28/7/2011 às 4:30 pm

    Só não vê quem não quer , aqui na região norte do Paraná a maioria das cidades do interior que eram tranquilas ,estão as voltas com a violencia dos adolescentes que usam drogas , são assaltos, mortes ,o número de adolescentes que estão morrendo por causa do envolvimento com drogas é assustador, usam maconha e outras drogas nas esquinas na maior naturalidade, a força policial nas cidades pequenas é fraca, e eles estão dominando.Há cidadãos que tiveram que mudar , porque foram ameaçados de morte por moleques de 14 anos que já chefiam bocas.

  • José do Norte

    -

    28/7/2011 às 3:45 pm

    é impressionante como toda defesa de drogados surge do centro irradiador de drogas do país? rio…

  • Nilton Santos

    -

    28/7/2011 às 2:17 pm

    Evo Morales elegeu-se presidente da Bolívia com forte apoio de Lula, de Hugo Chavez e de outros “bolivarianos”. Dentre as promessas de Evo estavam a nacionalização dos recursos petrolíferos e o combate às políticas de redução do cultivo da coca. Para erradicar as plantações ilegais houve pressão dos Estados Unidos que, para compensar, incentivaram alternativas econômicas, a exemplo da exploração do gás natural. A Petrobras muito ajudou e, para isso, investiu alguns bilhões de dólares na construção do gasoduto Brasil-Bolívia e na perfuração de poços que levaram à descoberta de grandes campos de gás na Bolívia. Em recompensa, Evo cumpriu as suas promessas e a Petrobras entregou de mão beijada os seus ativos na Bolívia. E o Brasil passou a importar o excesso da produção de drogas bolivianas, o que explica em grande parte a explosão de violência “nunca antes vista na história deste país”. Mais um efeito da “mão grande” de Lula e do irresponsável modo petista de governar…

  • BRASILEIRO DE LUTO

    -

    28/7/2011 às 2:11 pm

    “ Para atender demanda, Gabrielli admite importação de gasolina
    Gabrielli já havia citado o aumento da demanda como justificativa para um possível aumento no preço da gasolina
    28 de julho de 2011 | 11h 56”

    Será que ele pensa que somos idiotas???? O consumo de gasolina subiu porque o do álcool, ou melhor ETANOL, subiiiiiiiuuuuuu desavergonhadamente.

    “ RS: índias a partir de 14 anos receberão salário-maternidade
    28 de julho de 2011 • 12h29
    O Instituto Nacional da Seguridade Social (INSS) terá que admitir o ingresso na Previdência Social e, por isso, aceitar os requerimentos de salário-maternidade de indígenas Kaingang da Terra Indígena Inhacorá, em São Valério do Sul, no Rio Grande do Sul, com idades entre os 14 e os 16 anos. A decisão, proferida na quarta-feira pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), acolhe ação do Ministério Público Federal (MPF) em Santo Ângelo, no interior do Estado. A lei estabelece que o benefício de salário-maternidade somente é concedido para gestantes a partir dos 16 anos de idade, idade mínima para o ingresso na Previdência Social como segurado. A legislação busca coibir o trabalho infantil. Entretanto, o TRF levou em conta a cultura da comunidade para proferir a sentença – as indígenas da etnia Kaingang começam a trabalhar no meio rural, se casam e geram filhos de forma bastante precoce.
    O autor da ação, procurador da República Felipe Müller, argumentou que “para a etnia Kaingang, o trabalho e a procriação em idade inferior a 16 anos é algo plenamente normal, e tais características culturais devem ser respeitadas e adaptadas ao sistema previdenciário estabelecido para o ‘homem branco’”, disse, acrescentando que a limitação etária “deve ser adequada à realidade indígena”.
    O entendimento foi corroborado pelo TRF4, segundo o qual deve ser reconhecida “a condição de segurado especial aos que exercem atividades rurícolas a partir dos 14 anos de idade, notadamente no caso de indígenas, que, por suas características culturais e sociais, iniciam o trabalho na agricultura precocemente e têm filho ainda no início da adolescência”. Conforme a decisão, o INSS deve implementar a medida o mais breve possível. “

  • BRASILEIRO DE LUTO

    -

    28/7/2011 às 2:10 pm

    Não demora e teremos isto aqui. Já tivemos uma assaltante que processou o dono de uma padaria que ele tentou assaltar… levou uma surra.
    -
    -

    “ Homem pede direito de mendigar para comprar maconha
    Nova York (EUA) – O americano Joshua Long, de 30 anos, resolveu ir à Justiça pedir por seus direitos – de mendigar para comprar maconha – após ter sido preso seis vezes, atacado com spray de pimenta e resistir à prisão. “
    =============================
    “ Contra “A Fazenda”, Globo põe todo elenco de “O Astro” para fazer sexo
    28/07/2011 – 08h01
    RICARDO FELTRIN
    COLUNISTA E EDITOR DO F5
    Contra o inimigo, as mesmas armas. Se a Record sobe o ibope por meio de bundas e peitos em “A Fazenda 4″, a Globo tem feito o mesmo em sua versão 2 de “O Astro”, exibida de terça a sexta às 23h. A novela da Globo não pode ser chamada de remake, tal o número de alterações no roteiro original, de Janete Clair. Uma das principais mudanças é justamente a quantidade de cenas de sexo (veja reproduções abaixo).”
    ————————————————————————-

    A fatal de vergonha continua… o que tem por trás disso tudo?????
    Queimaram o Morumbi, deram grava pública para estádio, a FIFA, agora dá uma dessas, o que mais virá?????

    “ 28/07/2011-10h33
    Fifa amplia prazo e vai esperar por Itaquerão até fevereiro de 2014
    PUBLICIDADE
    RODRIGO MATTOS
    ENVIADO ESPECIAL AO RIO
    SÉRGIO RANGEL
    DO RIO”
    ——————————————-

  • ricardo

    -

    28/7/2011 às 2:09 pm

    junto com a internação forçada deveriam adotar também o teste de bafômetro obrigatório…eh patético ver um sujeito caindo de tanto beber ter o direito de recusar a fazer o teste…eh um escarnio com a autoridade policial… não sei de onde tiraram essa “modernidade”, francamente…

  • Arthur

    -

    28/7/2011 às 1:51 pm

    (Teclado americano sem acentos)

    @Joao: O consumo de crack so aumenta em Sao Paulo e no Rio? Tirou isso de onde? Se houver alguma base de dados a respeito, por favor me ilumine. Ate onde sei, so e’ possivel tirar conclusoes serias entre antes e depois da introducao do crack, que e’ o que esta descrito na reportagem. E sequer da para saber se houve controle de outros efeitos no estudo ou se e’ apenas uma estatistica descritiva.

  • Contra a Marcha

    -

    28/7/2011 às 1:43 pm

    O crack é fator prepondenrante para aumento de homicídio, roubos e furtos.
    Acaso os dois butijões de gas furtados de minha casa foram para que? Para cozinhar é que não foi. Claro que o destino é a droga. A coisa mais natural hoje são os pequenos furtos para fazer dinheiro e comprar droga.
    Virou uma rotina e está incorporada no cotidiano das pessoas em todas as cidades. Não há punições pois são delitos, na maioria das vezes, cometidos por menores.
    E assim vai, como uma rosca sem fim.

  • André Ramos

    -

    28/7/2011 às 1:21 pm

    Que se punam os homicídios, não o uso do crack.
    “Vícios não são crimes” (Lysander Spooner)

  • Maurício (MG)

    -

    28/7/2011 às 12:13 pm

    Reinaldo

    O vício do crack já é uma epidemia. Os delitos de todos os tipos, em especial furto, roubo e homicídios, por questões óbvias, têm aumentado assustadoramente em Minas Gerais. Famílias estão sendo dilaceradas aos montes. Infelizmente, o governo federal nada faz e o estado faz pouco, não obstante continue a investir forte na Polícia Militar, que enche as Delegacias e Fóruns de presos e casos que não são processados com a rapidez necessária por falta de condições técnicas e materiais da Polícia Civil e do Judiciário, que, aliás, não tem varas criminais, ou de tóxicos, suficientes para processar a tempo todos os feitos iniciados pelo Ministério Público. Para piorar, há o problema do menor infrator envolvido com drogas e com o tráfico, assim como uma legislação menorista que parece dar suporte ao tráfico no país. Por outro lado, praticamente não há atenção especializada na área de saúde para os usuários de crack. Também não há vigilância nas fronteiras, o que seria importantíssimo, como todos sabemos. Se temos uma boa Lei de Tóxicos, o que se vê nos últimos tempos são os tribunais dilacerando-a, com interpretações equivocadas, que acabam por mitigar o rigor pretendido pelo legislador e querido pela sociedade. Neste caso, os grandes escritórios de lobistas têm feito a diferença e o Brasil é hoje um país com uma legislação penal e de execução penal débil, sem condições de afastar a certeza da impunidade da cabeça dos traficantes, em especial dos grandes. Infelizmente, a situação ainda vai piorar muito. O rápido aumento no número de assassinatos nas cidades médias e grandes é apenas a ponta do iceberg.

  • João

    -

    28/7/2011 às 12:09 pm

    Em São Paulo, o consumo de crack só aumenta e o índice de homicídios cai quase ininterruptamente há mais de dez anos

    No Rio,o consumo de crack deu um salto nos últimos cinco anos, mas, justamente agora o estado teve seus menores índices de homicídios em 20 anos.

    Lembro à turma que deseja ver o estado, e não o indíviduo, o responsável por seus atos.

  • -

    28/7/2011 às 12:08 pm

    Releiam um post do Reinaldo Azevedo, como sempre, fantástico: http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/lula-e-as-drogas-o-dia-em-que-ele-pos-no-pescoco-um-colar-que-mata-milhares-de-brasileiros/

  • -

    28/7/2011 às 12:06 pm

    Se esse lulla for candidato a presidente em 2014 que seja essa a foto a ser exibida reiteradamente por uma oposição de verdade ( http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/files/2011/01/lula-com-o-color-de-folhas-de-coca.jpg ) e não aquela foto terna exibida na campanha de punhos de renda de seda de josé serra.

  • Elah

    -

    28/7/2011 às 12:01 pm

    Que cobrem as promessas de campanha da presidANTA!

  • -

    28/7/2011 às 11:55 am

    O aumento do consumo do crack está diretamente ligado à Lei 11.343/06, sancionada por lulla, que não pune o usuário (não confunda usuário com dependente, o dependente já não era punido na lei anterior, e, sim, tratado) e, na prática, reduziu a pena do traficante para míseros 10 meses de cadeia. Claro, quando o usuário não tem medo de comprar drogas, porque não será punido, aumenta, e muito, o mercado para o traficante, que, aliás, não tem medo de vendê-la, porque, se tiver o azar máximo de ser preso, tem a sorte grande de viver no país que possuiu a lei mais branda da galáxia, e receberá uma pena ridícula. Antes que me esqueça, o crack é produzido com cocaína de péssima qualidade, aquela que vem da Bolívia, onde o BNDES financiou a “transcocaleira”, e é trocada por carros roubados no Brasil, lá legalizadas por moralles, o amigão de lulla. Já a coca aspirada e exportada vem da Colômbia e do Peru, onde há oligopólio das FARC e do Sendero Luminoso, protegidos do bufão de caracas, aquele que cultiva excesso de democracia, conforme seu amigo lulla (http://veja.abril.com.br/blog/ricardo-setti/tag/instituto-internacional-de-estudos-estrategicos/). Por fim, a droga que sai do Brasil para a Europa é um dos pilares de sustentação econômica da alcaeda (http://blogs.estadao.com.br/jt-radar/drogas-que-saem-do-pais-ajudam-al-qaeda/), organização terrorista muito simpática dos ridículos tiranos da américa latina.

  • BRASILEIRO DE LUTO

    -

    28/7/2011 às 11:48 am

    Reinaldo, li, por estes dias que uma especialsita, para mim “especialista” culpou a foram como a policia vem aplicando a lei que LIBEROU AS DROGAS (só prender quem é traficante) a superlotação dos presidios. Segundo ela, as autoriddes passaram a cosniderar traficante muitos e muitos usuários, daí, as cadeias estrem cheias…..
    -
    -
    -Essa lei, como muitas outras, em nada beneficiam os usuários, pois não obriga ao tratamento compulsório, nãom obriga o estado a fronecer esse tratamento, APENAS, os libera de ficar na cadeia, MAS os condena a uma vida sem vida, com fim triste como se vê todos os dias.
    -
    -
    SUGESTÕES:
    1) O governod a presidenta suspende a progpaganda oficial (correrá orisco de ser “caçada”, e cassada… a mídia vai cair de pau, poir perder 3 BI), aquela que só enaltece o governannte, vide governo do Brasil Maravilah do Lula.
    -
    2) Com essa verba, o governo fedral manteria clinicas especializadas.
    -
    3) Seria a primeira, mas vá la´- O Congresso alteraria essa “lei” introduzindo as modificações que beneficiassem os usuários, visando o tratamento compulsório. Na recaída, uma penazinha… pois se deixar livre, eles voltam ao v´cio, pois NÃO é fáil ressitir, segundo se lê e ouve, e o testemunho do Casa Grande deixou isso bem claro.
    -
    -
    MAS, ISSSO (essa altração na lei e a suspensão da propaganda), NÃO VEREI, quem sabe meus bisnetos…

  • Augusto

    -

    28/7/2011 às 11:18 am

    O ideal seria que o Estado não tomasse para si a tarefa de ser o “papai” dos viciados mas ter um programa de frente de trabalho para reinseri-los na economia produtiva. De resto, quanto ao tratamento, este cabe ser custeado pelas famílias ou pelos próprios viciados por meio do trabalho. Unindo uma coisa a outra, eles poderiam trabalhar e custear o próprio tratamento, desde, é claro, que quisessem assim fazê-lo. O Estado pode viabilizar isso e não tomar para si mais gastos “a fundo perdido”.

  • El Cabong

    -

    28/7/2011 às 11:17 am

    Muito bom post, Rei.

    Aos libertários:
    Quando falo em externalidades, é isso. O crack é uma droga barata e super-viciante.
    Uma possível liberação, com um monte de viciados nessas substâncias, geraria um aumento da violência ( e não uma redução). Qualquer redução causada por um suposto fim do tráfico seria ultrapassada pelo aumento da violência provocado por termos mais viciados.
    Um viciado no Crack vai vender tudo o que tem, e, quando acabar, vai roubar para satisfazer seu vício. Logo, não é uma coisa que simplesmente seja uma escolha pessoal sem efeito para terceiros.

  • fernandes

    -

    28/7/2011 às 11:14 am

    Geralmente que usa crack, é porque ja enjoou a maconha,e infelizmente os defensores da palha, só ver seu lado positivo. E não percebem o lambirito que o usuário de drogas metido.

  • elias jorge

    -

    28/7/2011 às 10:53 am

    Aí pessoal da marcha da maconha, uma segestãozinha a vcs. Vcs devem rejuvenescer a sua musa inspiradora.
    Troquem a Vera Fischer pela Amy Winehouse nas fotografias e cartazes das suas passeatas cretinas.
    Serão milhões de novos entusiastas da vossa causa.

  • ricardo salazar

    -

    28/7/2011 às 10:41 am

    eu não sei quanto a internação,mas fale isso pra turma da bebida e do cigarro!

  • Marcelo Meireles

    -

    28/7/2011 às 10:11 am

    E como voce deve ter notado; FHC,Clinton,Carter, Dráuzio Varela, Paulo Teixeira, continuam calados por esses dias.
    -
    Imagina você que Paulo Coelho, que viu seu parceiro musical definhar até a morte, por conta das drogas, não teve nada a dizer em relação à morte da Amy Winehouse ?
    -
    O Fantástico todo fazendo sua homenagem à cantora inglesa, e Dráuzio Varela, que participa do programa, não diz um “a” sobre o assunto. “Ah, mas a participação dele é gravada”. Tá.
    -
    Se Amy Winehouse tivesse sido cruelmente assassinada numa favela brasileira qualquer, aí sim. Apareceriam todos esses aí, tecendo seus sábios comentários.
    -
    E sobre o assassino norueguês, que disse ter usado drogas pra “ficar forte”, não dirãonada também ?
    -
    Pois é. Diante da comoção pela morte de uma artista de visibilidade, e de um extremista assassino drogado, fica difícil aparecer defendendo Legalização das Drogas.
    -
    Eles vão esperar a comoção passar, dar um tempo, e esperar até a próxima rebelião num presídio, ou um crime absurdo numa favela carioca. Aí eles surgirão.
    -
    E veja , que interessante :
    Marido sem mulher, é viúvo.
    Filho sem mãe é órfão.
    -
    E pai sem filho é o que ?
    -
    Não tem nome. Não há classificação pra isso. É totalmente fora da lógica natural da vida, um pai sepultar seu filho.
    -
    Pois é. E Drogas, são especialistas em fazer os pais sepultarem seus filhos.
    -
    E pra finalizar uma pergunta :
    -
    No mundo, historicamente a Direita sempre é contra Legalização das Drogas, mas a favor do porte de armas.
    E a Esquerda sempre é a favor da Legalização das drogas, mas contra o porte de armas.
    Por que existe essa inversão ?

  • Freitas/Raimundo

    -

    28/7/2011 às 9:16 am

    Se a moda pegar mais um pouco, vão “fumar a Seleção Brasileira”

  • Ismael

    -

    28/7/2011 às 9:13 am

    As fotos de viciados, antes e alguns poucos anos depois, postadas no blog do Ricardo Setti são absolutamente chocantes. Elas falam por si.

  • Tito Livio Bereta Bereta

    -

    28/7/2011 às 9:08 am

    Toda vez que me deparo com notícias sobre drogas, a imagem do lula e o colar de folhas de coca pendurado no pescoço me vem a mente. A ele foi impossível disfarçar a cara de babaca. Perdoem-me o termo, mas não há outro que exemplifique. Bestão, posando de humanista ao aceitar e defender a tese de outro espertalhão, o presidente da Bolívia. É lamentável que a imprensa não tenha distribuído milhões de fotos iguais aquela, cobrindo todo o território nacional antes da eleição da Dilma. Claro que há interesses enormes ocultosd soba foto. O poder do tráfico está ali, escancarado! É o que se dizia antigamente: pego com a mão na massa! Não digo que ele seja traficante, claro. Mas deu moral a esses bandidos que infestam o mundo! Só mesmo Veja, dentro dos meus parcos conhecimentos, cobriu o ocorrido. Talvez outros ramais da imprensa tenham noticiado, mas não vi. A foto deveria voltar sempre que notícias sobre drogas viessem a baila; quando debates sobre drogas apresentados na TV viessem a público; nas escolas, nas igrejas, nos metrôs, nos terminais rodoviários, em suma, em todos os lugares para que mais e mais pessoas soubessem e saibam que um dos grandes colaboradores – não o único – e causadores da desgraça do exército de miseráveis vencidos pelo consumo de crack se chama LUIZ INACIO LULA DA SILVA. Aparentemente radicalizo. Mas qualquer apologia da droga deve necessáriamente ser ligada aquela foto. Não há como fugir dessa realidade. Vigiar fronteiras é conversa para bovino dormir… A fanfarra abre caminho e o país financia a rodovia de escoamento. Ah, mas é uma questão cultural. Bolivianos sempre mascaram coca. Cocalero não é usuário de crack, e todos sabemos. Tomara que alguém acorde para isso, republicando a foto do babaca mor da república, revivendo sua atuação e colaboração constante, que tanta desgraça tem causado ao país. Como se não bastassem outras desgraças, como o abrigo do maior número de corruptos dos quais já se teve notícia, instalados a sombra dos palácios administrativos, nas esplanadas dos ministérios, nas sombras da noite e em plena luz do dia. Perderam a vergonha! É bíblico: quando os dirigentes da nação praticam a iniquidade, os súditos se sentem desobrigados de agir corretamente. Ou, o exemplo vem de cima. Como nos deixamos guiar pela lei do menor esforço, o resultado aí está. A bíblia, como agente histórico, nos mostra o comportamento humano desde as mais antigas eras. Mormente o seu lado mau. E esse pessoal é mau, como são maus os seus intentos. Pelo poder, evisceram a própria mãe. A turma do quero-o-meu não veio para brincar. O emblema do lula, garoto-propaganda do evo, precisa voltar as ruas. Já!

  • Mari Labbate

    -

    28/7/2011 às 9:07 am

    Reinaldo, os que defendem a liberação das drogas não sabem o que dizem… Acrescento que deverão tratar-se, como educadora que sou. Convido-os a lecionarem, na periferia de São Paulo! Também defendo a internação compulsória, pois os drogados perdem a consciência de si mesmos e dos outros. As drogas são o CÂNCER DA HUMANIDADE!

  • Marcelo

    -

    28/7/2011 às 8:54 am

    O avanço do crack deve continuar sem o menor recuo enquanto a maconha for proibida. Os traficantes a usam como isca. Seria melhor separar este mercado em particular (o maior em se tratando de drogas) das drogas pesadas.

  • cuidado com a patrulha

    -

    28/7/2011 às 7:57 am

    Caro Reinaldo,
    Andei entrando em sites barra-pesada e concordo plenamente
    com este estudo, crimes de toda sorte; tem crescido muito
    o número de mulheres assassinadas por causa do vício no
    crack, elas também estão dominando o tráfico e portanto,
    são vítimas e algozes de crimes horrorosos na região Nor-
    te/Nordeste, principalmente na Bahia.Pelo que eu ví, acre-
    dito que se tornou um epidemia.
    Os sites são barra-pesada demais, porém, não tem truque;
    é a fotografia da realidade brasileira.

  • Eduardo

    -

    28/7/2011 às 7:43 am

    Crack não tem nada a ver com maconha. Dizer que a maconha leva ao crack é o mesmo que dizer que fumar Hollywood leva ao uso de LSD.

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados