Blogs e Colunistas

16/01/2011

às 5:53

Beneficiário do Bolsa Família fica pouco no emprego e demora a achar nova vaga

Por Marta Salomon, no Estadão:
Os beneficiários do Bolsa Família passam menos tempo no emprego e, quando o perdem, demoram mais para encontrar nova vaga com carteira assinada. É o que mostra pesquisa encomendada pelo Ministério do Desenvolvimento Social, numa indicação de que será longo e complicado o caminho para que os beneficiários da transferência de renda do governo abram mão dos pagamentos mensais do Bolsa Família e encontrem a chamada “porta de saída” do programa.

As primeiras sondagens sobre a relação do público do Bolsa Família com o mercado de trabalho feitas após sete anos de vida do programa mostram que a maioria dos empregos não tem registro em carteira. Entre os beneficiários ocupados, 75,2% não têm cobertura da Previdência Social, calcula o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Na população economicamente ativa do País, o porcentual é de 49,8%.

“A inserção dos beneficiários do Bolsa Família no mercado formal, quando existe, é bastante precária. Menos de um ano depois da contratação, metade dos beneficiários é desligada, 30% perderão seus empregos em menos de seis meses. Fora do mercado de trabalho, menos de 25% são recontratados nos quatro anos seguintes”, resume estudo de Alexandre Leichsenring, doutor em estatística e consultor do Ministério do Desenvolvimento Social.

Leichsering pesquisou o comportamento dos beneficiários do Bolsa Família durante quatro anos, de 2003 a 2007, nos registros de emprego do Ministério do Trabalho. A pesquisa identificou entre os beneficiários taxas de admissão menores no mercado formal de trabalho, combinadas com taxas mais elevadas de desligamento do emprego.

A comparação teve como base as demais pessoas com renda até meio salário mínimo inscritas no Cadastro Único do governo: ou seja, pessoas pobres, mas não tão pobres quanto os beneficiários do programa. Durante o período pesquisado, cresceu a participação dos pobres no mercado de trabalho nos dois grupos analisados, anota o estatístico. A passagem pelo emprego é mais rápida entre os beneficiários com menos tempo de estudo e nas Regiões Sudeste, Norte e Centro-Oeste, afirma o estudo Precariedade Laboral e o Programa Bolsa Família. Aqui

Por Reinaldo Azevedo

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

63 Comentários

  1. dalila

    -

    07/01/2014 às 12:30

    so poraue um pessoa tem carteira adinada perde o beneficio eles tinham era que achar e bom que ia diminuir a pobreza

  2. elivania

    -

    20/08/2013 às 22:02

    quem tem o carteira asinada perde o bolsa familia?

  3. Daniele da Silva

    -

    09/08/2012 às 12:51

    E ainda falam que tem gente que não quer trabalhar.
    Como a Rede globo que disse que quem recebe bolsa família tende a não querer trabalho formal.
    Estudo,presto concursos,por várias vezes passo fome e sede procurando emprego na rua,por vezes pedindo dinheiro emprestado para o trasporte,cópias de documentos e até foto originam exigem.
    Por vezes não contratam,apenas ficam com as cópias e fotos minhas.Será que estão querendo o quê?
    POR DUAS VEZES EU TRABALHANDO USARAM MEU NOME PARA FALCATRUAS.
    Ando ano inteiro,comprando jornais,gastando com lan houses para preencher formulários de trabalho,fazendo entrevistas e o único que permitem é de atendente 1 semana no carnaval para ganhar 30,00 dia.
    E ainda exigem aparência!Quanta hipocresia!
    Não é permitido nem o de comer,que dirá vestir,muito menos ainda as maquiagens que nos obrigam a encher no rosto jovem e discriminado.
    Sempre uma barreira como me obrigar a abrir conta salário.Mandando-me até em 5 bancos uma empresa.
    Ou, como, quando me mandam até de uma agencia a outra para a mesma vaga e nada de mandar a empresa me mandando a uma terceira agencia.
    Ou, como, quando me mandam a duas agencias para a mesma vaga.E ainda dizem que terei de pagar o transporte,lanche durante 1 semana de treinamento.Que treinamento se tenho o curso que já foi pago?
    Ou ainda certas promessas de emprego como certo RH.
    Não foi isso que me prometeram na escola quando diziam: – Estude para vc ser alguém!
    Se eu estudei para ser uma das melhores sempre,por que só me é dado promessas?
    Quem vive de promessa é santo.Eu tenho que comer,vestir,comprar medicação e investir nos meus estudos e no meu filho.
    É PRECISO ACABAR COM OS ABUSOS DE PODER QUE ESTÃO LEVANDO A POPULAÇÃO A AGONIZAR,JÁ QUE UNS DESISTIRAM DE LUTAR CONTRA AS MENTIRAS DO MUNDO E ESTÃO A MENDIGAR NAS RUAS,OUTROS SE ENTREGARAM ÀS DROGAS,OUTROS A PROSTITUIÇÃO E OS QUE LUTAM HUMILHADOS ESTÃO.

  4. CRISTIANE

    -

    08/05/2012 às 22:16

    BOM ACHO ERRADO POIS CONHEÇO GENTE QUE MENTIU PRA CONSEGUIR BOLSA FAMILIA E CONSEGUIU, COMO UMA CONHECIDA REGILA , E TEM UMA OUTRA AMIGA E ATE EU MSMA QUANDO PRECISEI NÇAO LIBERARAM ACHO ISSO ERRADO DEVERIAM AVALIAR MELHOR IR A CASA DA PESSOA E ATE PERGUNTAR SOBRE A PESSOA PARA VIZINHOS, CONHEÇO GENTE KE PRECISA E NAO CONSEGUE O BENEFICIO KE DIZEM KE É .

  5. Fura Brocas

    -

    04/04/2012 às 6:30

    tenho um funcionário discutio com ofura brocas para que pudece ser mandado embora da empresa só para receber o seguro desemprego , oque faço , manda embora ou não?

  6. elymar

    -

    29/03/2012 às 23:39

    Oi, Tive uma empregada domestica que disse e assinou um documento por escrito confirmando que recebia bolsa familia e trabalhou na minha casa por 90 dias e exigiu que a carteira nao fosse assinada. Na realidade era mentira e depois ela entrou na justiça do trabalho exigindo que o INSS fosse pago e carteira assinada diante do juiz num enorme constragimento para mim.Ja sou o segundo patrao a cair nesse golpe dela, se fazendo de pobre e dizendo que precisa de dinheiro para cuidar de 03 filhos pequenos, e depois pede de 3 mil a 2 mil reais na justiça do trabalho. Cuidado com esse tipo de golpe. Nao aceitem que o trabalhador nao assine a carteira por estar recebendo bolsa familia e ser uma pessoa pobre, pois na verdade sao pobres, nao de dinheiro, mas da presença de deus em sua vida.

  7. Perla de Moura Lemes

    -

    01/03/2012 às 8:56

    Porque a SABESP não faz parte do programa do bosa familia dando desconto na tarifa igual a CPFL, ou existe eta lei e não sabemos.

  8. sara alves

    -

    01/02/2012 às 20:33

    eu recebo bolsa familia ha mais de tres anos so agora aromei um trabalho de carteira asinada estou naduvida sim asino ou nao uque eu faso

  9. ivana

    -

    13/12/2011 às 10:58

    quem tem o carteira asinada perde o bolsa familia?

  10. vanessa

    -

    28/09/2011 às 10:03

    gostaria de saber quem é anparado pelo niss perde o anparo social se trabalhar com a carteira assinada?

  11. Dara Souza Bragança

    -

    27/02/2011 às 12:29

    gostaria de saber quem é anparado pelo niss perde o anparo social se trabalhar com a carteira assinada?

  12. Dara Souza Bragança

    -

    27/02/2011 às 12:27

    quem tem o carteira asinada perde o bolsa familia?

  13. Gilberto

    -

    17/01/2011 às 13:49

    Por um lado bolsa-família, pelo outro incentivos nunca antes concedidos ao sistema financeiro. Qualquer loja no comércio já está fazendo empréstimo pessoal. Será que só eu acho isto muito estranho?

  14. Aldo

    -

    17/01/2011 às 12:40

    “Porta de saida” kkkkkkkkkkkkk-Porta de saida é quando a agua bate na bunda e logo o individuo aprende a nadar,isso ta faltando no Brasil.Enquanto isso,a nação que trabalha paga.

  15. um dos 44%

    -

    17/01/2011 às 12:02

    Bons tempos em que essa bolsa família era bolsa escola onde só teria direito se os filhos tivessem estudando com boas notas…
    Depois que nosso ilustríssimo Ex-presidente desfigurou o objetivo do programa que era promover a educação e transformou em uma fonte de votos que hoje promove a vagabundagem, isso reflete na grande falta de mão-de-obra especializada no nosso país.

    E nossa queria presidenta eleita, o que vai fazer expandir e aumentar o valor do benefício.

    É lamentável.

  16. INHAME INHAME

    -

    17/01/2011 às 10:59

    Nem as corporações industriais/comerciais são boazinhas e filantrópicas nem os que precisam da infima ajuda chamada Bolsa Familia são vagabundos.
    O que falta em nosso país é gerenciamento… de tudo.
    Público e privado.
    Em todas as áreas.
    Competência.
    Mérito.
    Coisas esquecidas.

  17. Fabio

    -

    17/01/2011 às 10:10

    É isso aí, galera, nós, pessoas “comuns” e as empresas, temos que trabalhar duro para sustentar tudo isso com nossos impostos que são drenados para esses programas e um governo péssimo gerente do nosso dinheiro. São além de inúteis, muito prejudiciais. E enquanto isso, vão faltando boas estradas, educação, saneamento, energia, segurança,…vergonha na cara….

  18. GUARARAPES

    -

    17/01/2011 às 9:52

    Fui contratar uma senhora para fazer faxina em casa.Pedi sua carteira profissional para registrá-la…Ela disse que não queria ser registrada, caso contrário, perderia o Bolsa-Família…Conclusão…perdeu o emprego….O Molusco criou um bando de milhões de vagabundos…

  19. Marilda Correia

    -

    17/01/2011 às 9:49

    Hoje o Brasil arca com uma tropa de ociosidade paga com os cofres públicos. Uma turba de aproveitadores que pesam os pró e contras e não se anima a mudar para crescer, afinal viver a vida na moleza é mais gostoso e, isso, na conta de muitos que labutam o dia todo, todos os dias. Quebrar esse viés só cortando os aproveitadores.

  20. Ezequiel Amós

    -

    17/01/2011 às 9:32

    A Bolsa Família(BF)deveria ser considerada um meio, paliativo e com data de validade, para se chegar a um objetivo maior, o fim da pobreza.Era um programa que deveria existir enquanto se melhorava educação, saúde e saneamento.O problema é que os petistas consideram essa bolsa como um fim (ganho de votos).O mesmo raciocício se aplica as UPAs e UPPs. Deveriam ser paliativos e não solução final. E tenho uma pergunta que sempre faço a petralhada mas eles sempre fogem (me chamando de viúva de FHC,reacionário, de estar contra o país, ou seja, tudo que a cartilha deles manda). Eis a pergunta: Se o governo Lula melhorou tanto a vida das pessoas, por que o número de beneficiários do BF só aumenta? Não deveria ser o oposto? O cara sair da miséria e portanto do programa?
    A questão é que os petistas sempre criticavam os governos anteriores por inveja e não porque estavam preocupados com a população. Isso se torna evidente quando eles tentam justificar a corrupção deles com slogans como :”Ah, mas não fomos nós que inventamos a corrupção”, ou “Ah, mas a vida da população melhorou”, entre outros.
    Para eles,melhora de vida e inclusão social se mede pelo que se compra e não por educação,trabalho árduo e poupança. Por isso eles iludem a população, que compra um celular “de câmera” em 30 parcelas com cartão do BF e acha que isso é melhorar de vida. Embora morem sem saneamento e não tenham educação de qualidade.

  21. gildemaro

    -

    17/01/2011 às 9:11

    Caro Reinaldo, mais uma vez colocando o óbvio em evidencia… Mas já que se trata da tal bolsa família, gostaria muito de ter lido um comentário seu sobre o pequeno “lapso” da CEF, que por “fatalidade” desembolsou alguns milhõezinhos mais em benefícios justamente na época das eleições…

  22. mineirinha: Deus não é brasileiro

    -

    17/01/2011 às 1:41

    Pois é, o incentivo que o senhor Lula levou à vadiagem corrompeu a vontade humana e incentivou à tibiez malsã. Mas o Lula NÀO SABIA disto não é mesmo?
    Oh,céus!, o que fizemos para merecer nosso passado recente de desmandos político-administrativos?

  23. Theo

    -

    17/01/2011 às 0:06

    Dias atrás fui contratar um auxiliar. Primeiro ele fez as contas de quanto ganhava com “as bolsas”. Depois de saber quanto iria ganhar, desistiu. Compensava ficar em casa. Esse é o espetáculo que grande líder nos deixou.

  24. No Rastro Petralha

    -

    16/01/2011 às 23:47

    E quem está interessado em assinar carteira de trabalho nestepaíz? Trabalho? Para que vestir macacão se tem “bolsa família”, “bolsa casa”, “bolsa prisão”, “bolsa disso”, “bolsa daquilo”, “cota para esses”, “cota para aqueles”, tudo de graça? Na Coréia do Sul, país que era paupérrimo e que se transformou numa sociedade desenvolvida através da educação, o ensino é particular. Até a bala dos condenados à pena de morte por fuzilamento naquela nação não é de graça: é paga pela família do sentenciado. Não tem mais jeito. O “estepaizense” se acostumou com tudo de graça. Estepaíz virou uma maravilha para a nova classe, a classe “V” de vagabundos! O trabalho agora é tomar cachacinha na birosca da esquina. Vai lá, “seu Manoel”! Bota uma branquinha pra mim! Hoje não tem pendura! Antes das eleições os “ômi” me pagaram dois meses de bolsa-família em dobro!

  25. LUCIA

    -

    16/01/2011 às 22:25

    Reinaldo, ontem uma pessoa conhecida minha contou-me que seu esposo pediu baixa na carteira onde constava o salário de 700,00, sendo que ele ganha mais do que isso, e desistiu da carteira para ter direito ao Bolsa familia. A esposa dele anda como madame, cheida de badulaques, são pobres, mas vivem como ricos fossem, então voces vejam quem recebe bolsa familia neste país.

  26. FM

    -

    16/01/2011 às 22:20

    Não existe mágica, o que melhora a condição social do indivíduo é bom estudo e trabalho. Qualquer coisa fora disso é puro embuste. Lembro que quando o bolsa escola foi criado era tão sómente para obrigar a criança, o jovem estudar. O trabalho seria resultante disso. O engodo começou quando tornaram o benefício eleitoreiro e continuam quando querem fazer crer a esses beneficiários que os estão elevando socialmente.

  27. JOSÉ DE CPS.

    -

    16/01/2011 às 21:43

    ESTE BENEFÍCIO DO BOLSA FAMÍLIA, É UM INCENTIVO A VAGABUNDAGEM, O NEGUINHO FICA SÓ NA MOITA, PONDO FILHO NO MUNDO E ENCHENDO OS CORNOS DE CACHAÇA. O GOVERNO OU MELHOR O PT GARANTE, PRA QUE TRABALHAR!!!!!!

  28. Aparecido f.

    -

    16/01/2011 às 21:41

    O sujeito tem o pai, a mãe e os avos aposentados, ganha bolsa familia federal, programa de renda estadual e municipal…trabalhar só se for muito burro… É só ir nos botecos dias de semana que tem cinquenta deles tomando cerveja e cachaça…Perto de minha casa tem um boteco e tem cinquenta deles em pleno dia de semana bebendo o dia inteiro… todos inscritos nos programas sociais e dizem ….eu votei na muié do omi… Eu só pergunto uma coisa : o Brasil hoje em dia tem 50 % da população dependendo de pagamento do governo para sobreviver…entre os aposentados, dependentes de programas sociais… todos recebem esses beneficios e fazem alguns bicos para complementarem a renda… E se algum dia, acontecer uma catástrofe, uma guerra, alguma coisa em que o governo não tem mais dinheiro para distribuir para essa gente…morrem todos de fome, pois não tem mais habilidade para prover o próprio sustento…. e vivem da dependencia da sociedade que levanta cedo e trabalha….

  29. alberto santo andre

    -

    16/01/2011 às 21:39

    havia me esquecido, que na decada de cincoenta e sessenta ,tambem houve a ajuda americana intitulada alianca para o progresso,que visou principalmente o nordeste brasileiro.

  30. alberto santo andre

    -

    16/01/2011 às 21:35

    na realidade o brasil e principalmente o nordeste sempre viveram de bolsa alguma coisa , no inicio da decada de sessenta foi o salario familia que equivalia a dez por cento do salario minimo ,entao existiam pessoas que tinham um numero enorme de filhos ,na decada de setenta a aposentadoria rural,alias na decada de cinquenta e sesenta ,segundo um professor meu ha epoca ,tendo feito um estudo de sociologia e geografia ,no nordeste ,materia que ele dava aulas ,voltou de la dizendo que o povo do nordeste so queria trabalhar na sudene e na rffsa,que aquela epoca era o cabide de empregos no nordeste ,principalmente ;no governo sarnei foram as frentes de trabalho ,no governo fhc ,o vale gas e o bolsa escola ,no governo lula ,o fome zero que depois virou o bolsa familia,que ao contrario do bolsa escola; nao exige que as criancas estudem ,entao como desde a epoca do imperio, de bolsas miserias em bolsas miserias, eles vao servindo de curral eleitoral,para aqueles que sao demagogos[infelismente para quem conhece sabe que e verdade ,visto que em camacari a ford tem a sua planta mais moderna e asim mesmo nao consegue produzir o que produz em sao bernardo com uma planta adequada e nao projetada] ,uma planta da valisere foi transferida de maua para pernambuco e passado pouco mais de cinco anos retornou a maua, a philips tambem ja teve plantas em pernambuco ,quando estive trabalhando na paraiba a universidade federal nao conseguia completar as vagas .
    e de desmandos em desmandos vamos capengando enquanto o mundo corre.

  31. SERGIO OLIVEIRA

    -

    16/01/2011 às 21:12

    Diante disto, de repente, algum iluminado do Governo proporá a criação da “Aposentadoria do Bolsa Família”.

  32. Ivaldo Oliveira

    -

    16/01/2011 às 19:54

    A INTENÇÃO PETISTA ESTÁ DANDO CERTO : OS BENEFICIÁRIOS DO BOLSA FAMILIA NÃO ABREM MÃO DO BENEFICIO ! PORTANTO NÃO CRIAM VÍNCULO NENHUM COM O EMPREGO QUE CONSEGUEM , DEIXANDO-O RAPIDAMENTE ! ASSIM, TORNAM-SE ELEITORES CATIVOS DO PETISMO !

  33. Mauro Pereira

    -

    16/01/2011 às 19:36

    Em 2005, Dom Aldo Pagotto, Bispo da Paraíba,se não me engano, já alertava para esse problema, fazendo críticas contundente ao BF. “O BF condena as pessoas ao ócio”, afirmou, na época. Lógico que a “cumpanherada” exigiu a cabeça dele junto à CNBB.
    Outra coisa que me intriga bastante é o desemprego anunciado pelo governo. Segundo o IBGE esse número é de 8%. Considerando-se que só pode ser beneficiário do BF quem está desempregado (sem carteira assinada), como é que ficam as 12 milhões e meio de famílias que recebem o benefício? eles não entram na estatística do governo?

  34. Raskol

    -

    16/01/2011 às 19:12

    Essa FRAUDE, denominada Bolsa Família, serve apenas aos políticos que se fartam dos votos destes que compram o dinheiro público.
    Se as pessoas que têm Bolsa Família se desligam mais do emprego formal, ponto e vírgula. Muitos, sabedores que podem receber uma merreca de FGTS e PIS pedem ao patrão para serem demitidos. Na verdade, trata-se de uma forma de ganhar 2 vezes, uma esperteza, para não dizer uma malandragem. Porque pobres também fazem malandragem! É que no país do pobrismo, as espertezas e malandragens dos pobres é vista de forma positiva. Quer dizer, eles, de certa forma, tornaram-se inimputáveis. Não que isso lhes faça bem, ao contrário, ao mantê-los nas BOLSAS DE MENDICÂNCIA OFICIAIS, estes se tornam reféns dos políticos cafagestes, o que é 99% dos políticos!
    Essa prática da malandragem dos pobres é a mesma daqueles que recebem uma moradia subsidiada do poder público – Cohabs, Cdhu.. – e, no dia seguinte, “vendem” esse imóvel no contrato de gaveta. É uma esperteza, certo?! Pegam aquele dinheirinho merreca e voltam para as áreas de risco, as pirambeiras, as várzeas dos rios, as áreas de preservação, seja da natureza, seja do patrimônio arquitetônico e histórico onde voltam a ser um problema do Estado, embora tenha sido resolvido.
    Então, mesmo com a queda na fecundidade das mulheres, mesmo com o fim da migração para as áreas mais desenvolvidas e, até mesmo, com uma migração de retorno para o norte-nordeste, ainda assim, o estoque de habitação não se reduz um milímetro. E por que? Simples, o imóvel torna-se apeans valor de troca, onde um negociante malandreia do Estado-pai e depois volta para a fila dos pedintes. A demanda jamais acabará, caso o poder público continue se esquecendo que não governa só para o mercado de eleitores à venda, prostituídos por muito pouco, nenhuma pedra falsa nemkum sonho de valsa…
    Tivesse o poder público a responsabilidade de que governa para todos saberia que nem os pobres são inimputáveis, mesmo aqueles que são conduzidos por marginais da politicalha como os paulo teixeira, os reis da tatolândia e outros vagabundos que acham que árwa de risco pode sim ser ocupada, até mesmo o Jardim Romano, o Parque Pantanal que tem esse sugestivo nome.
    A inimputabilidade conferida aos pobres diante das ilegalidades que cometem torna-os reféns dos piores políticos que o Brasil já criou, as serpentes ptralheiras, aliadas dos piores coronéis d´antanho.
    No caso das demissões, por solicitação do empregado para resgatar o FGTS e PIS, uma solução seria dar um tempo maior para o resgate. Assim, talvez estes se acostumassem com o serviço e se tornassem homens melhores, pelo menos pobres, porém não miseráveis mentais a serviço dos corruPTos.

  35. michela rejane

    -

    16/01/2011 às 18:57

    O governo do PT criou uma classe social nova: os bolsa-assalariados.
    Enquanto estes tiverem do governo a facilidade de se manter sem precisar trabalhar (como a maioria dos brasileiros fazem e pagam por eles),se manteram longe do mercado de trabalho.
    É o assistencialismo demagogo mostrando suas consequencias nefastas. Agora é sentar e chorar…

  36. mariva

    -

    16/01/2011 às 18:50

    O Lula deixou uma ferida aberta na sociedade dificil de cicratizar e nao sera essa ogra que vai dar jeito porque e cria desse malandro demagogo. Infelizmente o Brasil esta de mal a pior. O bolsa-esmola e uma maneira de criar vagabundos cabestrados. Lula ainda vai se arepender do mal que fez e a ogra tambem de nao tomar providencias para mudar essa condicao. E nao ha ninguem do PT que queira fazer isso. Pobre Brasil.

  37. tomas

    -

    16/01/2011 às 17:20

    Senhores, a massa vive uma mentira, e essa mentira é chamada de bolsa vagabundagem. Funciona assim, se recebem esmola vagabundagem, tudo vai bem. Se não recebem, tudo vai mal. Esses vagabundos votam em petralhas por causa da nova classe social v. Classe da vagabundagem.

  38. tomas

    -

    16/01/2011 às 17:17

    Senhores, bolsa esmola vagabundagem. Eis a verdade desse governo de bandidagem e vagabundagem.

  39. CW

    -

    16/01/2011 às 16:32

    Charles de Gaule 2 x Brasil 0

  40. Claudio Amaral

    -

    16/01/2011 às 15:51

    A realidade, é que os ptralhas nunca foram adéptos a trabalhar. Portanto, é natural que eles tenham criados uma sub-raça de vagabundos. Ora, quem vai querer deixar de receber o seu, em casa e sem fazer nada, a não ser menino, para aumentar a sua bolsa, para ir trabalhar? O Lula prestou um grande deserviço a nação, dando o peixe, ao invés de ensinar a pescar. Vai chegar um dia, em que o Brasil, terá que importar mão de obra, visto, que mais da metade dos brasileiros, estarão recebendo o seu bolsa voto. Aí a outra metade que trabalha, para sustentar aos vagabundos que o Lula criou, verá que não vale apena trabalhar para sustentar aos outros. Aí, aonde iremos parar? Só Deus sabe!

  41. fernando-pb

    -

    16/01/2011 às 14:53

    PT tem que ser ‘extirpado’ o mais rapido possivel… Eta raça que so o MAU trouxe ao Brasil e aos bons valores.

  42. bardoosni

    -

    16/01/2011 às 13:42

    nossaaaaaaaaa!!!!!!!!!!!! reinaldo, agora que o governo descobriu?

  43. Zezé

    -

    16/01/2011 às 13:10

    No dia em que o valor do voto tiver relação com o grau de instrução, a Banânia será o país mais instruído do mundo:
    analfabeto = 1 voto
    ensino médio = 2 votos
    profissionalizante = 3 votos…

  44. Nina

    -

    16/01/2011 às 11:58

    Nova classe social criada no Brasil : Classe V = vagabundos!

  45. ISIDORIO

    -

    16/01/2011 às 11:37

    Caro Rei vc precisa deixar o conforto do seu gabinete em SP e vir aqui no NORDESTE conversar com alguém, que NÃO faz parte do bolsa família e que viveu nas décadas de sessenta,setenta ,oitenta quando NÃO havia este programa. eu convivi nos anos sessenta no interior do CEARÁ e vi como era fácil encontrar trabalhadores pra capinar ,brocar ,etc e hoje é grande a dificuldade pra achar alguém que queira fazer estes serviços, pois quem não é beneficiário do bolsa família vive as custas do pai ,avô que já é aposentado do FUNRRURAL.

  46. MCE-RJ

    -

    16/01/2011 às 11:30

    Taí o grande legado dos 8 anos de um péssimo governo!

  47. Sergio

    -

    16/01/2011 às 11:21

    CAro Reinaldo. O “modus operandi”deste pessoal é trabalhar ( melhor seria dizer estar contratado) durante seis meses, fazer um “acordo” ou “aprontar”para ser demitido e assim receber o seguro desemprego ( que na grande maioria das ocasiões é um auxilio para o vadio). Quando termina o seguro ele vai procurar outro emprego e assim gira o ano deste sujeito, que também recebe o pagamento mensal do voto dado a “cumpenherada”. Que tal se o governo tomasse pelo menos duas atitudes ( regulamentadas é claro). 1) A multa paga sobre o FGTS o sujeito só receberia após 1 ano da rescisão do contrato. 2) O sujeito recebendo seguro desemprego deveria prestar serviços às prefeituras de seus municipios ( cada um na sua qualificação: limpeza urbana, auxilio administrativo, creches, outros serviços sociais). Afinal de contas se recebe o mesmo valor trabalhando ou no seguro desemprego tenho dúvida sobre quantos concordariam em suspender o seguro desemprego para assinar carteira em outro trabalho regular. PAra finalizar meu controle remoto está agradecido, depois de passar oito anos mudando de canal enquanto o apedeuta falava o besteirol, agora ele está com pouca atividade ( espero que continue assim).

  48. anonimo

    -

    16/01/2011 às 11:18

    Vera -16/01/2011 às 8:57

    Vera, sua amiga terá problemas lá na frente se continuar com a empregada sem registro em carteira – a empregada entrará na Justiça do Trabalho e sua amiga terá que se endividar para pagar os direitos trabalhistas!
    Esse é exatamente o impasse que esse governo criou!

  49. anonimo

    -

    16/01/2011 às 11:13

    O lobby dos proprietários de Faculdades, Universidades foi um dos grandes incentivadores do analfabetismo funcional.
    Conseguiram desqualificar o ensino médio de formação de professores, o Magistério ou Escola Normal.
    Quanto mais jovem o professor mais fácil retransmitir o beabá. Ensinar aritmética e as primeiras letras não requer ensino superior de Pedagogia.

  50. anonimo

    -

    16/01/2011 às 11:05

    “empreendedorismo”

  51. anonimo

    -

    16/01/2011 às 11:03

    Conversa de um taxista nordestino:
    - meu irmão exporta frangos, mas não consegue trabalhadores.
    - quem tem a carteira de trabalho assinada perde o bolsa-família e eles não querem perder essa bolsa.
    - meu irmão está comprando equipamentos que substituem essa mão-de-obra.
    Enquanto aquela Cuba pseudo-comunista começa a retomar, após 50 anos, o empreendorismo, demitindo os ‘pendurados no governo, aqui faz-se o contrário.
    A preguiça e o populismo trazem a fome, o desabastecimento.

  52. Gonçalves

    -

    16/01/2011 às 10:59

    Penso que não é só os beneficiários do Bolsa Família que tendem permanecer menos tempo no emprego. Prá eles interessa ficar o tempo necessário para receber o complemento salarial através do Seguro Desemprego, o saque do FGTS e continuar trabalhando no mesmo lugar sem vínculo.

  53. Quaker

    -

    16/01/2011 às 10:56

    Bolsa família é só um exame de admissão na escola facista onde o dinheiro dos outros é para o socialismo.
    Está fantando uma cadeira elétrica? Uma guilhotina ou uma forca?

  54. indignado

    -

    16/01/2011 às 10:47

    É verdade, aqui no Nordeste não se acha mais mão de obra para muitas atividades, e quando se acha as pessoas não duram mais de um mês no trabalho.Outra coisa que esse estuda não fala e que eu acompanho é que o consumo de drogas mais baratas como a maconha e o crack aumentou muito por causa dos usuário que recebem o Bolsa família, existe uma relação muito íntima entre o programa e as drogas, eu poderia até arriscar um palpite, que o Bolsa é a porta de entrada do pobre para as drogas pois os mesmos com esse pouco dinheiro no bolso preferem comprar drogas do que estudar, como uma coisa leva a outra os usuários do Bolsa que entraramm no mundo das drogas fatalmente passam a fazer parte das estatísticas do crime, pois como o dinheiro dêles é pouco e o vício tende a aumenta, vão precisar de renda extra para comprar mais drogas e essa vem dos assaltos e roubos.

  55. Matilde Martins Pinheiro

    -

    16/01/2011 às 10:27

    Investir nos professores de Ensino proficionalizante,é fundamental.Não basta saber fazer,é necessário também saber ensinar.Não só no ensino Técnico,como nas escolas sucateadas do ensino fundamental e médio.A reciclagem de professores se torna urgente principalmente nas duas áreas:Pedagogia e Organização e Método.Há professores com o dom natural para ensinar,mas,que precisa de Técnica para aperfeiçoar e consequentemente,os resultados serão mais efetivos.Temos que começar a reforma do ensino por programas de capacitação dos professores na sua base ou seja,no Ensino Fundamental e Médio.Senão vamos continuar com alunos nas Universidade que não aprenderam escrever corretamente o português

  56. ney

    -

    16/01/2011 às 9:30

    O constatado demonstra que juntamente com o bolsa família, vai ter de ser incrementado a capacitação, para o mercado de trabalho, do beneficiário. O momento é oportuno, pois só na construção civil atualmente existe um déficit de 70% de mão de obra, mas com a agilidade governamental dificilmente algo neste sentido vai prosperar.

  57. Vera

    -

    16/01/2011 às 8:57

    Reinaldo, a empregada doméstica de uma amiga se recusa terminantemente a que a mesma assine sua carteira profissional para não perder os benefícios que recebe do governo. Mesmo perdendo a cobertura da previdência social.

  58. gaúcha indignada

    -

    16/01/2011 às 8:04

    O partido da taxa de sucesso não tem interesse em diminuir o número de brasileiros que recebem bolsa família, afinal cada um – vale um voto. Esta dependência do governo precisa continuar. Em vez de aplicar: “Não dá o peixe, ensina a pescar”, para que o cidadão possa crescer através de seu trabalho, com dignidade, “elles” não tem qualquer interresse. Mas também, sem educação, sem saúde, sem segurança, sem saneamento básico, sem estradas, etc… o que esperar deste DESGOVERNO.

  59. Josué Soares

    -

    16/01/2011 às 7:44

    Prezado Reinaldo,
    Todo programa paternalista tem algum bom resultado inicial e um péssimo resultado a longo prazo. O bolsa vagabundagem não poderia ser diferente.
    Boa parte de nossa população não tem visão de futuro – inclusive governantes – e acha que um presentinho aqui, outro ali vai resolver seus problemas. Você não imagina a dificuldade em se encontrar trabalhador braçal para obras, chacreiros, etc em todo o interior. Eles alegam que não precisam trabalhar para comer…
    Acho que qualquer benefício deveria ter prazo de validade, fim programado, etc, para forçar a vagabundagem a se mexer. Do jeito que está, iremos sempre pagar para boa parte da população ficar assistindo TV.
    Assim penso. Josué

  60. tere moreira

    -

    16/01/2011 às 6:49

    Rei, eles não aceitam trabalhar de carteira assinada. Estava contratando um caseiro para o sítio e quando pedi os documentos ele disse que só trabalharia se fosse sem assinar a carteira, porque perderia o auxilio do bolsa família. Mesmo tendo salario mínimo estatual (R$ 581,88), e sem pagar casa, luz, água, contribuição para o INSS(recolho e não desconto os 8% do salário) e horário de 44 horas semanais, ele não aceitou. Na minha região está dificil contratar dentro da lei qualquer empregado.

  61. luis eugenio

    -

    16/01/2011 às 6:32

    A traanferencia de renda é essencial para equilibrar as diferenças sociais,mas o simples fato de dar dinheiro,nunca equilibrará esta desigualdade,pois sem qualificação profissional ou capacitação, continuará o elemento que recebe a “doação”, chucro e sem competência para trabalhar ou quando achar uma vaga, preenche-la e ficar na mesma durante um longo tempo. Este “programa é mais um engodo deste “nosso” desgoverno. Que não quer o POVO trabalhando e qualificado,mas sim como dependente de uma migalha ou de uma esmola,que oportunidade perdida, quantos “desgovernos” mais serão necessarios para que alguma atitude correta seja tomada? Oxalá vivamos o suficiente para ainda acreditarmos em algo ou alguém.

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados