Blogs e Colunistas

28/10/2011

às 0:10

Bando de marginais, eventualmente estudantes da USP, desafia a lei, fere policiais, ataca cinegrafista e ainda pede a renúncia de reitor. É a minoria bandida de sempre tentando impor sua vontade a 80 mil estudantes

Abaixo, escrevi um primeiro post sobre um tumulto na USP protagonizado por maconheiros. Leiam relato da VEJA Online. Na madrugada, ocupo-me de novo desses meliantes morais, que usam o dinheiro do povo, que sustenta a faculdade que fazem, para financiar o narcotráfico que vitima… o povo!!! Ah, sim: quem quiser defender o consumo de maconha pode procurar blogs que abriguem essa opinião, eventualmente o site do STF. Na minha página, defensor de crime não fala, ou, por justiça, eu teria de dar a oportunidade também a ladrões, homicidas, pedófilos, sonegadores, a escória toda. Entenderam? É uma questão de lógica.

*
A prisão de três estudantes que fumavam maconha dentro do campus da Universidade de São Paulo (USP) no início da noite desta quinta-feira provocou uma confusão entre alunos do curso de História e policiais militares. Dois PMs foram feridos na cabeça por pedradas jogadas pelos estudantes. Quatro viaturas da corporação foram destruídas pelos manifestantes. O cinegrafista da TV Bandeirantes, Milton Lara Carvalho, foi agredido e ficou ferido no rosto. Ele teve a moto derrubada e câmera danificada. “Estava filmando quando um dos estudantes me deu um tapa na cara”, contou Carvalho, que vai registrar boletim de ocorrência da agressão.

A polícia teve de usar gás lacrimogênio e spray de pimenta para dispensar os baderneiros, que queriam forçar a liberação dos estudantes da Geografia presos. Apesar da resistência, os três foram levados para o 91º DP, na Vila Leopoldina, mas tiveram de ir até lá no carro da diretora da Faculdade de História, Sandra Nitrine, que tentou o tempo todo evitar o tumulto. “A polícia só disparou gás depois que os estudantes jogaram um cavalete no carro da PM”, afirmou o tenente José Ricardo Caresi. “Os alunos detidos toparam sair do campus com a PM, mas os colegas não deixaram.”

Os três estudantes devem ser liberados nesta madrugada, depois de assinarem um termo circunstanciado. Eles foram autuados por porte de droga. A professora Sandra Nitrine, diretora da Faculdade de História tentou conter o tumulto. Agora, ela está na delegacia acompanhando os alunos presos.

De acordo com o relato de estudantes, por volta das 18h30, dois policiais militares abordaram três estudantes que fumavam dentro de um carro na entrada da Faculdade de História. Ao verem a droga, os policiais resolveram conduzir os alunos para a delegacia. Nesse momento, outros estudantes começaram um tumulto para impedir que os detidos entrassem na viatura. Foi aí que começou a pancadaria.

“O pessoal foi para cima da PM”, disse um aluno da História. Victor Ferreira, também estudante da faculdade, lamentou: “Os PM estavam quase cedendo e liberando os colegas quando chegou o reforço.” Após a saída dos policiais com os três presos, cerca de 300 estudantes organizaram um protesto em que pediam a renúncia do reitor Grandino Rodas, a retirada da PM do campus e a dissolução do Diretório Central dos Estudantes, que, para eles, foi conivente com a polícia. Entre os manifestantes, muitos fumavam maconha. “Eles fumam na cara dura”, constatou um dos seguranças da universidade.

A polícia militar passou a patrulhar o campus da USP em setembro, depois de um aluno da FEA ter sido morto no estacionamento da faculdade. A presença da PM no local foi aprovada pelo Conselho Gestor da universidade em maio.

Por Reinaldo Azevedo

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

Envie um comentário

O seu endereço de email não será publicado.

92 Comentários

  • Alex

    -

    11/11/2011 às 10:58 pm

    sou completamente contra a atitude desses estudantes, se o lugar es[a perigoso, então tem que ter policia sim!!! agora o foda é queimar o resto dos maconheiros por causa de uma minoria retardada que não sabe fazer as coisas direitas =/

  • Lu

    -

    9/11/2011 às 8:18 am

    DE INTELECTUAL O BRASIL ESTÁ CHEIO!

  • Mary Alexa

    -

    8/11/2011 às 5:27 pm

    Estou de fora do país acompanhando… e minha esperança é que opiniões como a tua Reinaldo possam ganhar coro e força! Quando até o ministro da Educação abona esses marginais… o que será de nosso Brasil?

  • Thereza Sobral

    -

    8/11/2011 às 10:17 am

    Me revoltei assistindo a reportagem sobre invasão da USP pelos estudantes. Aqueles são estudantes? Pra mim pareceram MARGINAIS!
    Gentem kd os pais dessas criaturas???? Eles não querem policiamento no local!!! Eles querem fumar, cheirar livremente. Deixa uai!!! Destacar homens da polícia é desperdiçar tempo e dinheiro!!!

  • Rafael

    -

    30/10/2011 às 3:00 pm

    Um bando de almofadinhas que estudam com dinheiro publico, e usam as mesadinhas do papai para comprarem DROGA! Sim Maconha eh DROGA! ILEGAL! Aquele evento deveria ter sido tratad na delegacia cm mais rigr, deve ter rolado uma graninha dos papais…. Somente Porte de droga???? Se fosse em bairro pobre, teria desacato, resistencia, formacaod e quadrilha, etc.., etc…. Tem que colocar esses malandros pra trabalhar!

  • robson

    -

    29/10/2011 às 9:38 pm

    vão estuda rebanho de maconheiros!!! quando são vítimas de crimes a quem recorrem? então deixem de discurso retórico e lutem por uma melhoria da Instituição policial e não o fim da mesma.

  • Maria José

    -

    29/10/2011 às 6:41 pm

    As autoridades deste estado não devem permitir que esses infratores façam o que querem em uma universidade que é sustentada com o dinheiro público. Estes pseudos estudantes estão manchando a reputação de uma universidade que tem referência no país por sua qualidade do ensino. A lei tem que ser cumprida! Essa gente pensa que são o quê? Velhos tempos em que tínhamos jovens que lutavam por um país melhor, ao contrário destes que estão levantando a bandeira para violência. Digo mais estes infratores devem ser penalizados, punidos… que seja julgado pelo juro popular! Afinal somos nós que mantemos aquela universidade

  • Maria José

    -

    29/10/2011 às 6:31 pm

    A população não deve que esses infratores façam o que querem em umaa universidade que é sustentada com o dinheiro público. Estes pseudos estudantes estão manchando manchabdo a reputação de uma universidades que tem referência no país por sua qualidade do ensino.A lei tem que ser cumprida!Essa gente pensa o quê? Sou da área de Ciências Humanas e estou envergonhada pela atitude desses “estudantes”, velhos tempos em que tínhamos jovens que lutavam por um país melhor, ao contrário destes que estão levantando a bandeira para violência. Digo mais estes infratores devem ser penalizados,punidos…
    Digo mais, este caso deve ser julgado com a participação da população. Afinal somos nós que mantemos aquela universidade.

  • lili

    -

    29/10/2011 às 1:45 pm

    USP é uma marca e nada mais. Esta sucateada a muito tempo e seus estudantes, a maioria, realmente não tem respeito por pessoas que não estudaram ou não estudaram lá.
    Por esta razão sempre agem equivocadamente.Ficam sentados no discurso babaca de que são reprimidos. Não tem nem se quer educação! Não podemos nos esquecer do assassinato ocorrido em 1999, onde alunos desta mesma universidade mataram um calouro afogado. Não aconteceu NADA com estes bandidos; inclusive esles se formaram e exercem suas profissões… nem jubilados foram!! É uma pena que o imposto que eu pago pra esta M… de país seja mal empregado. Aluninhos da USP vcs precisam ser adestrados… seus pais são uns M… que não lhes deram educação básica para conviver em sociedade!

  • Daniel

    -

    29/10/2011 às 1:30 pm

    Reinaldo, gostaria de dar os parabéns por dizer, sem ressalvas, a opinião de muita gente que está acompanhando essa notícia. Gostaria apenas de pedir que você instruísse os comentaristas a não manchar a reputação dos professores… a classe não tem nada a ver com isso… existem professores bons e ruins, assim como PMs, políticos e até mesmo padres bons e ruins. Esses alunos maconheiros não vão conseguir nada na vida por mérito próprio, vão acabar num emprego medíocre que os pais deles mesmos irão conseguir com favores, não é fácil passar em concurso público pra ser professor, e quem consegue passar (e não é colocado lá dentro por parente) certamente não é vagabundo e muito menos delinquente.

  • João

    -

    29/10/2011 às 11:25 am

    O certo e prender não só 3, mas sim todo esse bando de arruaceiros, marginais e ainda se acham com razão.
    Se querem que a policia vá embora é porque só querem fazer o que não é certo.

  • João

    -

    29/10/2011 às 11:22 am

    Bando de marginais, querem que a policia saia para poderem vender e usar drogas a vontade. Filhinhos de papai deem lugar a quem realmente precisa para usar drogas não precisam estar na faculdade, vai trabalhar bando de vagabundos.

  • Cristian

    -

    29/10/2011 às 12:30 am

    A pergunta que eu faço é a seguinte: Cadê a maioria dos alunos então? Vão deixar uma “minoria” tomar conta? Porque a maioria, então, não se manifesta contra essa baderna? Enquanto isso não acontece eu tenho vergonha de ser brasileiro! Tenho vergonha daqueles que se dizem estudantes e não passam de um bando de baderneiros. E tenho muitas dúvidas se são uma minoria mesmo!

  • Cil

    -

    28/10/2011 às 9:18 pm

    Dou meus parabéns a PM! São ações como essas dentro dos campus que vão livrar outros estudantes de um mal maior. E se um maluco desse sai chapado de carro e mata alguém?? Esses vândalos que se auto-intitulam estudantes, e um dia não tão distante já fui uma e sei como funciona “o esquema”, não querem nada com nada. Gostam da desordem e promovem o crime a céu aberto.

  • E. Velloso

    -

    28/10/2011 às 6:43 pm

    Reinaldo, você acertou o fígado do energúmeno!!!!!

  • ilmarnasc

    -

    28/10/2011 às 5:07 pm

    Esses safados marginais não respeitam leis e nem a polícia.Gostam de baderna.Estão nas Universidades tomando o lugar do estudante sério que quer estudar,acham que são donos das universidades.Os vagabundos feriram o Cinegrafista da TV Bandeirante com um soco no rosto,feriram policiais com pedradas na cabeça,fizeram o diabo!Agora,se a policia ferir um vagabundo,safado desses os direitos humanos logo aparecem para defender.A polícia tem que agir sim!E tem que combater o uso de drogas,sim!A faculdade é lugar de estudar e não fumar maconha.Que vá fumar maconha no inferno!Reinaldo.A Universidade Federal de Vitória acontece a mesma coisa,fumam maconha,fazem festas finais de semana com muitas bebidas e drogas.Dentro da UFES acontece de tudo!Já aconteceu até um assalto!Um senhor,foi fazer um depósito,em um banco, dentro da faculdade percebeu,que iria ser assaltado e reagiu,os bandidos atiraram no carro da vítima,que por sorte,não foi atingido.Cambada de maconheiros safados!

  • Alba

    -

    28/10/2011 às 4:50 pm

    Ola, desculpem a falta de acentos e cedilha, mas meu teclado e americano a inda nao foi devidamente configurado. Tambem gostaria de me reportar ao Joao. ~Que direito tem o estado de proibir um indivíduo adulto de consumir o que quiser e bem entender por sua própria conta e risco?” Juro que estou quebrando a cabeca para entender a sua “logica’. Pensei que tivessemos leis a respeito, nao e bem uma intervencao do estado. Ou voce acha que certas leis devem ser mais respeitadas que as outras? Nao estamos na Holanda, nao ha gedogen por aqui!! Crime e crime e ponto final, ate que haja outra LEI em contrario!

  • Rodrigão

    -

    28/10/2011 às 2:35 pm

    São as futuras autoridades e governantes desta nação.Lamento pelos meus netos que terão tais elementos a governá-los.Tá tudo dominado!

  • Renata

    -

    28/10/2011 às 2:20 pm

    Lembrei de quando os praieiros do RJ que fumavam maconha promoviam apitaços pra avisar da chegada da polícia. Na ocasião, o secretário de segurança, acho que era o Hélio Luz, disse à TV: depois eles mesmos vêm reclamar da violência urbana!

  • Octávio

    -

    28/10/2011 às 2:03 pm

    Mais uma para o currículo das “Ciências Retóricas”! Vê se você encontra estudante de Medicina e Odontologia, Engenharia ou Física nessas badernas. Depois de “dipromados” estes “geógrafos” vão correndo procurar empreguinho público de professor onde se pode instigar os alunos a derrubar o capitalismo que paga seus salários e depois vagabundear à vontade! Com muita Cannabis Sativa na parada!

  • Carlos Campos

    -

    28/10/2011 às 2:01 pm

    Reinaldo, ou alguém, por favor me esclareça algo: sou absolutamente leigo neste assunto do ponto de vista legal e, faça-se uma ressalva, acho deplorável a postura destes maconheiros inúteis que, em vez de estudar, fazem da universidade uma grande boca de fumo; mas a prisão não é ocasionada apenas quando o sujeito porta uma certa quantidade mínima da droga? Não é lei (ou praxe, não sei) que aquele que seja pego consumindo, não seja levado à delegacia, preso etc.? Pergunto porque, realmente, desconheço a lei neste sentido.

  • Ribeiro

    -

    28/10/2011 às 1:53 pm

    Olá a todos, mas gostaria de falar ao João, que postou às 11:08. Este individuo que você esta falando é aquele que esta “estudando” em uma instituição paga com meu dinheiro de impostos?? Borracha neste vagabundo!!, ele deveria estar dentro da sala de aula, ou então fazendo oque quiser lá na cadeia.depois vem estes universitários inocentes marchando pela paz, mas eles mesmo mantem os traficantes.

  • Juliana

    -

    28/10/2011 às 1:42 pm

    Estudante que é estudante não protesta pq maconheiros foram presos dentro do campus, não agridem a policia e a imprensa, não danifica patrimonios e não esconde o rosto… isso é marginal querendo tomar conta onde a policia conseguiu dar um pouco de paz, infelizmente muitos que não estão nem ai com nada apoia o vandalismo e a bandidagem em um local construido para ensinar as pessoas a serem alguem na vida…

  • Fabiana

    -

    28/10/2011 às 12:10 pm

    Esse Rodas deve ser muito bom, pros esquerdistas não gostarem dele.

  • Daniel

    -

    28/10/2011 às 12:09 pm

    Essa minoria maconheira e vagabunda acaba, infelizmente, caracterizando a FFLCH, e por isso merece uma resposta da maioria dos estudantes, para que não se deixem representar por esses estudantes profissionais sustentados pelo dinheiro público e movidos por interesses particulares e escusos.

  • João

    -

    28/10/2011 às 11:08 am

    O estado ou a maioria também não têm direito de impor sua vontade a nenhum indivíduo. Que direito tem o estado de proibir um indivíduo adulto de consumir o que quiser e bem entender por sua própria conta e risco? Nenhum. Defender essa “proibição” – que na verdade, só favorece os bandidos que ganham exclusividade no comércio – é igual ao que seria defender a Lei Seca nos Estados Unidos dos anos 30; vai a favor do estado-babá e contra a liberdade (e responsabilidade) individual.

  • FABRICIO

    -

    28/10/2011 às 10:14 am

    SENTA A BORRACHAAAAA

  • Maria Helena

    -

    28/10/2011 às 9:46 am

    Responsabilizo também FHC por essa senvergonhice. Ele é um homem importante dentro do país e não podia sair dando declarações de apoio ao uso da maconha na imprensa. Foi irresponsável e tem a obrigação de se retratar.

  • Hugo Stiglitz

    -

    28/10/2011 às 9:20 am

    Alunos baderneiros da USP: respeitem o dinheiro suado do povo paulista que paga as suas “mensalidades” e vao estudar, seus vagabas sem vergonhas, sem vergonha de serem felizes com o dinheiro do contribuinte! Seus petistas malandros, ta’ na hora de contribuir com a sociedade e fazerem o seu papel: estudar. Universidade publica e’ para, no minimo, estudar. Quantos jovens, que nao tem oportunidade de cursarem a USP, fariam melhor do que estes que nao querem nada com a vida. Ta’ na hora da Faculdade de Historia mudar sua fama de antro de vagabas.
    Se fossem meus filhos, depois de uma boa conversa amigavel, entrariam no pau.

  • Mané

    -

    28/10/2011 às 8:55 am

    Deveriam ser todos expulsos e nunca mais pisarem em uma Universidade. Porque a maioria de 80.000 não se mobiliza para contrapor-se a esses bandidos esquerdistas disfarçados de estudantes que tanto os prejudicam?

  • Talitha

    -

    28/10/2011 às 8:48 am

    Resolvi comentar por conta da minha indignação com relação ao título dessa reportagem. Sou estudante da FFLCH/USP e não é isso que faz com que me enquadre nesse grupo minoritário que causa tumultos nas dependências da faculdade. O título dessa reportagem foi extremamente infeliz, já que, assim como 80% das pessoas que estudam naquela universidade, trabalho, não passo o dia fumando maconha e não agrido a polícia. Todos os islâmicos são terroristas? Todos os políticos são corruptos?
    Por conta de reportagens como essa, os leitores acreditam que o foco dos problemas caiam sobre TODOS os estudantes da USP, o que não é verdade.

  • claudete

    -

    28/10/2011 às 8:10 am

    Esse bando de filhinho de papai, marginais, maconheiros. Só querem fazer baderna, estudar que é bom, nada. Foram eles mesmos que pediram reforço policial, foram eles que em setembro foram pra midia dizer que na Usp não tinha segurança, lá estava tendo uma onda de assaltos e estupros. Agora vem pedir a retirada da PM? São esses idiotas que sustentam o trafico, que enrriquecem os traficantes. Quem é usuario deveria ser tratado da mesma forma que o proprio traficante, pois são eles que alimentam essa corja. A policia tem que agir com rigor sim, pois esses dementes não respeitam ninguem. Esse é o futuro do nosso país, um bando de drogados e maconheiros

  • Observer

    -

    28/10/2011 às 8:03 am

    Essa gente é tão arrogante que acha que o Brasil fica do lado de lá do muro.
    Onde está escrito que a área da USP está fora do alcance das leis e da constituição?
    Por que o patrimonio público (viaturas e equipamentos) foram danificados e ninguém foi responsabilizado?
    Para tudo há limites.

  • Francisco

    -

    28/10/2011 às 7:46 am

    Será que esse bando de marginais faz na USP a mesma coisa que esse blogueiro fez lá quando “frequentava” o curso de Letras?…o que seria frequentar? Não ter a capacidade de passar no vestibular daquela faculdade e ir lá passear, fazer um cursinho de idiomas, assistir uma palestra dos alunos do 2º ano? … o que seria essa frequência?

  • carlos alberto

    -

    28/10/2011 às 5:32 am

    Mas que palhaçada é essa de campus universitário ser uma “comunidade” aos moldes das do Rio? As favelas ou comunidades, território tomado pelo bandido, traficante mantém a polícia longe e a lei é a do bandido, dos fora da lei.
    .
    UPP já na USP.

  • Adulão

    -

    28/10/2011 às 4:47 am

    as universidades são ambientes para estudantes que querem estudar, o tráfico e o uso de drogas nas universidades têm de ser combatidos com veemência, sob pena do tráfico se instalar de forma escancarada, vindo depois as cracolândias universitárias. Todos os países desenvolvidos do mundo que liberaram as drogas se arrependeram, a experiência transformou jovens em zumbis carcomidos pelas drogas.
    Quando um filho ou parente de uma autoridade se transformar num zumbi drogado, então será tarde e ele já não poderá mais desfazer a loucura que cometeu.

  • marcel alves

    -

    28/10/2011 às 4:38 am

    Infelizmente a situação no Brasil está ficando insuportável, de um lado maconheiros, militância gay, esquerdopatas, a história sende reescrita aos moldes petistas e o futuro golpe de estado promovido por eles mesmo com a reforma política. Vamos entrar em um regime comunista que eles vão chamar de democraria, e isto é sério. Quando eu tiver a oportunidade vou embora deste país.

  • cristiano

    -

    28/10/2011 às 4:10 am

    foi uma aluno da FEA e não da POLI que foi assassinado…

  • Rubens Costa

    -

    28/10/2011 às 3:32 am

    Reinaldo, boa noite! E tudo muito simples. Maconha é droga. Pegou, cadeia. Defender traficante, agredindo a polícia é contra a lei. Pegou, cadeia.

  • Mario

    -

    28/10/2011 às 3:30 am

    Acho prudente levantar uma questão assinalada por FHC, questão essa que se encontra no cerne da fragmentada e desorientada oposição no país.

    É fato, no meu ponto de vista, que a grande massa inculta e estúpida foi adestrada pelo PT, adestrada com assistencialismo desmedido de modo que é impossível para a oposição, nos próximos anos pelo menos, conseguir tirar votos dali.

    Essa massa não vota no PT por ideologia, ela nem sabe o que significa ideologia, ela vota na figura mítica que o marketing criou, de forma magistral, em cima do Lula. O mito do inocente homem de bem, do povo, que bebe cerveja e idolatra futebol. Mirar nessa massa é desperdiçar munição.

    Os eleitores que realmente votam no pt por ideologia são em suma de dois tipos, os esquerdóides alienados pelos vampirescos comunistas de classe média confinados em sarcófagos universitários e os oportunistas que vem mamando nas tetas fartas do aparelhamento estatal com sua infinidade de cargos “de confiança”.

    É imperativo que o discurso da oposição mire nas classes produtivas, pequenos e médios empresários, autônomos, pecuaristas… enfim, que está na iniciativa privada, e que paga a conta do assistencialismo do PT.

    Munição não vai faltar, o boliche com pinos ministeriais está ai em evidência, toda a herança podre de lula está vindo a tona como um grande esgoto a céu aberto, mas como frisei antes, essas informações não tem penetração na massa, mas tem penetração nas classes produtivas.

    A oposição precisa mudar o foco e com urgência, as classes produtivas não irão às ruas vestidos como o vingador de Alan Moore, mas elas leem, consomem informação e as digerem, e estão com uma baita indigestão, mas alguém(não é você serra) precisa assumir o leme, e o trabalho de marketing tem que começar.
    Hoje não vejo melhor nome que Aécio Neves, e se o oportunismo der lugar à razão talvez venha algo de produtivo no PSD.

    Veremos em 2012 e 2014.
    Alea Jacta Est

  • Vinicius

    -

    28/10/2011 às 3:08 am

    danir: gostaria de lhe responder, mas estou sendo censurado. Acho que estou confundindo as coisas neh…

  • Vinicius

    -

    28/10/2011 às 3:05 am

    Sr. Azevedo, peço-lhe que ao menos demonstre que vem deletando meus comentários. Estou argumentando contra as pessoas que aqui me acusaram, mas parece em vão. Já que todos meus comentários são deletados.

  • Marcos F

    -

    28/10/2011 às 2:18 am

    “Entre elas”, o principal é derrubar o Reitor e a Diretoria do DCE. O resto é barulho programado.

  • André

    -

    28/10/2011 às 2:14 am

    Só espero que depois do provocado por esses moleques não haja pressão para mudança de atitude. Só falta a PM passar por maconheiros e ter que ignorar para não contrariar os ” meninos”. Meu Deus do céu, o que vai produzir essa gente mais tarde? E afinal, para quê estão ali? Que relação pode haver entre maconha e escola/estudo? Deveriam ser expulsos os que portavam a maconha e todos os que participaram da desordem, agressão , desacato. Esse tipo de noticia é desalentadora. Triste.

  • Diogo Duarte

    -

    28/10/2011 às 2:11 am

    Isso é a mais pura falta de vergonha na cara! Lamentável! Agredir policiais que estavam apenas fazendo seu serviço, e danificar viaturas -compradas e mantidas com dinheiro público- por causa de maconha?! Esses valentões não tem senso de ridículo? FUMAR MACONHA É CONDUTA ANTIJURÍDICA, E PRONTO. Isso significa que ninguém tem o direito de fumar maconha, sendo em casa, na USP, no modão de viola, na padaria, onde for! Quem é pego fumando maconha TEM de ser encarregado à delegacia para que se iniciem os procedimentos legais adequados, que no caso da maconha, são até inócuos, pois nem há pena prevista além da admoestação verbal em juízo. Desafiar a lei dessa maneira bárbara e animalesca é conduta primitiva da pior espécie, merecedora do mais severo repúdio!

  • thiago

    -

    28/10/2011 às 1:51 am

    Esses absurdos dentro da USP, na qual alunos, funcionários e docentes (isso mesmo, os professores doutores também) desobedecem as leis são bastante comuns. Sinto vergonha as vezes, porém (por mais que tivessem 400 alunos envolvidos, segundo estimativa) afirmo sem medo: eles não representam nem de longe o que pensam a maioria dos que la estudam e/ou trabalham.
    Porém, não podemos deixar de notar que (como sempre) o PT está no meio, bando de carniceiros. Como um deputado federal adivinhou o que estava acontecendo? Simples, com toda certeza, existiam pessoas ligadas (que ligaram) a ele no meio do tumulto.
    Outro ponto é que até hoje os ditos movimentos estudantis (leiam-se braços do PT) não se conformam com a escolha do Professor Dr. Rodas como reitor, o sonho dessa turma é que um dia os reitores da USP sejam iguais aos da UNB e por consequência que a universidade comece a servi a “causa”. Dentro da USP dizem que o reitor não é legitimo por ser nomeado pelo governador , mas podem ter certeza de que se o governador fosse do PT a conversa seria a oposta.
    PS: Estou cursando minha segunda graduação dentro da USP, estou dentro da mesma desde 2005, digamos que tenho uma certa noção de como são as coisas dentro da universidade.

  • Ernani Miguel

    -

    28/10/2011 às 1:42 am

    uns falam de imoralidade e ignorância enquanto outros continuam com o preconceito de ligar a maconha a esse ou aquele curso, e ainda defendem o abuso de poder.. quanta hipocrisia!

  • danir

    -

    28/10/2011 às 1:40 am

    O comentário do Vinicius mostra o carater que ele tem. Confunde opinião com censura, acredita que pode infringir lei porque provavelmente é um iluminado e não tem que dar satisfações à sociedade que sustenta sua escola pública. Lida com a policia como se fossem vilões, e não profissionais pagos para manter a lei e a ordem. Pura canalhice de quem não tem argumento. E ainda tem o displante de fazer a apologia velada ao consumo de drogas proibidas (no caso a maconha) e ignorar que ao consumí-la está sustentando pessoas que matam, roubam e destroem a vida de muita gente sem um mínimo de escrúpulos. Para mim, usuário de drogas proibidas, ainda mais quando se diz não viciado, mas apenas consumidor, é caso de polícia (se consome e não é viciado tem uma consciência mais clara do ilícito que está cometendo e das consequências de seus atos, sem o efeito da compulsão). Não tem o direito de negar espaço à policia e ao fazê-lo age como bandido e não como cidadão, merecendo por isto mesmo sentir o abraço da lei. Vale para filho, irmão, amigo, desconhecido, enfim qualquer pulha irresponsável que difunde as drogas é merecedor de cana. E a Usp é uma escola, não um clube de veraneio ou baile funk para reunir vagabundos e desclassificados vestidos com roupa de griffe.

  • daniel c.

    -

    28/10/2011 às 1:40 am

    Reinaldo, de fato era uma minoria. Estava lá quando a coisa começou. Entraram na nossa sala umas 3 vezes pedindo reforço contra os policiais. Ironicamente a aula era sobre Karl Popper, e a adesão dos estudantes foi mínima… Preferimos ver a aula até o final.

  • Maria Costa

    -

    28/10/2011 às 1:40 am

    Para esse Vinícius chorão: Quais são as difamações e meias verdades q vc afirma ter aqui? Prove-as.Sou ptista e quero provas concretas dos fatos.
    Quero prova ou pare de reclamar da vida.

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados