Blogs e Colunistas

08/03/2012

às 6:51

A única perseguição religiosa que há no Brasil é aos crucifixos. Ou: O argumento tolo de que ou todas as religiões são representadas ou nenhuma. E digo por que é tolo

Direitos e valores coletivos, à diferença do que pensam os que se auto-intitulam “progressistas”, estão correndo riscos. As minorias organizadas estão, aos poucos, minando valores universais para impor a sua pauta. Vale para a turma da bicicleta ou para aqueles que se querem representantes do “laicismo” e defendem que se cassem e se cacem os crucifixos dos tribunais. Nesse caso, com o devido respeito também a alguns leitores por quem tenho estima, o mais tolo dos argumentos é o que sustenta que “ou se contemplam todas as religiões ou não se privilegia nenhuma”. Então vamos pensar.

Fundamento
O crucifixo não está nos tribunais porque os juízes vão julgar segundo os dogmas de uma religião, mas porque aquele signo concentra valores, ATENÇÃO!, da nação brasileira, de sua história e de sua formação. Eliminá-los corresponde a uma tentativa de reescrever essa história. Quando alguém diz que, então, elementos de outras religiões deveriam estar presentes, passa a operar com outro critério, que é o da REPRESENTAÇÃO. Ora, caso se vá levar adiante esse critério, é preciso ser sério: mais de 90% dos brasileiros são cristãos. Logo, a exposição desses elementos teria de ser feita segundo uma hierarquia, certo? Mas esperem.

Os ateus continuariam excluídos, uma vez que, para eles, aqueles elementos todos são inúteis e não espelham o seu pensamento. Ao se eliminar o crucifixo, o que se tem por óbvio? Já que é impossível expressar todas as convicções, então que não se expresse nenhuma! Logo, os que abraçaram o critério da representação acabam se dando por satisfeitos que prevaleça a convicção da minoria: a parede nua! Em nome da justiça, folgam, então, com a injustiça. É bonito isso?

Não! O meu critério, já disse, não é esse. Aqueles crucifixos, para começo de conversa, não estavam lá — e não se espalham Brasil afora — por força de uma lei, mas de uma herança cultural. É UMA EXPRESSÃO DA NAÇÃO, NÃO DO ESTADO. SIM, O ESTADO É LAICO, A NAÇÃO É RELIGIOSA. A religião da maioria, é bom destacar, vive em harmonia com todas as outras crenças. A ÚNICA PERSEGUIÇÃO QUE HÁ NO BRASIL É AOS CRUCIFIXOS. Eliminar esses signos corresponde a tentar levar confusão onde ela não está instalada.

Ademais, há uma covardia essencial nisso tudo, de que tratarei em outro post — nele, farei um desafio ao presidente da OAB do Rio. Se ele tiver uma boa resposta, publicarei de bom grado. Mas sigo. Ora, caso se leve, então, a sério a representação, o que estariam querendo dizer seus defensores? Que as demais religiões tiveram na formação da nação brasileira e sua mentalidade a mesma importância do cristianismo? Bem, acho que ninguém correria o ridículo de afirmá-lo.

A verdade, lamento, é que os novos perseguidores de crucifixo, em nome da igualdade, estão é sendo notavelmente intolerantes. Na Internet, com raras exceções, os que defendem a proposta com unhas, dentes e poucos argumentos afirmam as maiores bobagens sobre a Igreja Católica, a Santa Inquisição, as Cruzadas… No fim das contas, tudo restolho de anos de marxismo chulé nas escolas, nos cursinhos, nas faculdades, em que rematados ignorantes deixam de lado os fatos para fazer proselitismo de suas convicções.

Um bobalhão mandou um comentário pra cá: “Não venha me dizer agora que a Inquisição não matou ninguém…” Claro que não vou dizer! Ele é que não se conforma com o fato de que a Revolução Francesa tenha matado em quatro anos mais do que o Santo Ofício em quatro séculos. Ademais, o que isso tudo tem a ver com o caso? Devo considerar agora que todas as idéias republicanas são essencialmente más porque Robespierre cortava cabeças?

Se o debate devesse se concentrar nos valores essenciais do cristianismo e nos valores essenciais do laicismo, tentando saber, vá lá, quem matou mais, a conta seria amplamente favorável aos cristãos. MAS O DEBATE NÃO É ESSE!!! Eu me oponho à caça aos crucifixos porque vejo nisso a intolerância de uma minoria e a tentiva de apagar a história. A ação foi de uma tal Liga Brasileira de Lésbicas. Suas representantes deveriam se envergonhar. O cristianismo foi a primeira grande corrente religiosa e de pensamento a dignificar as mulheres e a lutar de maneira organizada para protegê-las de práticas homicidas.

Não! Não é o laicismo do estado que está na base dessa escolha. É a intolerância.

Por Reinaldo Azevedo

Deixe o seu comentário

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

» Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

124 Comentários

  1. Fabiana Palácios

    -

    31/03/2012 às 21:14

    Caro Reinaldo, boa noite!
    Como “principiante” blogueira, quero aproveitar o espaço para parabenizá-lo por suas postagens. O senhor é um semeador do bem, pode acreditar.
    Quanto à essa questão dos crucifixos, eu realmente não entendo porque tanta irritação. Mesmo que eu não fosse cristã (e graças a Deus, sou), penso que um crucifixo não me incomodaria em absolutamente nada! é um absurdo. Essas pessoas que se sentem tão incomodadas, certamente não tem o que fazer, e poderiam usar o tempo ocioso, deveriam seguir o meu exemplo e criar um blog que pudesse ajudar as pessoas, como eu tenho feito com o meu. Através de meu testemunho da cura da síndrome do pânico, tenho levado esperança e fé às pessoas (tanto do Brasil como de outros países, em que já recebi mensagens) que hoje passam pelo que eu passei.
    Chamo sim esse povo de bando de desocupados, que deveriam fazer um trabalho social em vez de se importarem tanto com um crucifixo na parede. É triste isso…
    Abraços Ricardo!
    http://nuncadeixedeacreditar.blogspot.com

  2. Eduardo Caldas

    -

    29/03/2012 às 21:07

    Hermes resumiu a discussão:

    Mancha: Militância anti-religiosa é uma forma de IMPOR o ateísmo e não a laicidade do Estado.

    Gaviões: Crucifixo cristão é uma forma de IMPOR o cristianismo e não a laicidade do Estado.

    Escolha a sua torcida e que vença o mais forte.

  3. Caio

    -

    13/03/2012 às 15:24

    Acho que as instituições e práticas evoluem; existem dezenas de itens que ajudaram a formar a cultura brasileira e hoje não mais em voga. |Creio que a manutenção dos crucifixos em qualquer repartição pública remete sim à suposta necessidade de um poder divino protegendo o que ali se faz e os que ali circulam; o que é incompatível com o estado laico.

  4. João Ricardo

    -

    11/03/2012 às 10:02

    …e a tentiva de apagar a história? Que história? É para o passado que o mundo caminha? O senhor escreveu um blog falando que o mito Lula precisa morrer para o Brasil contemporaneo nascer, e agora vem com esse papo furado de símbolo, história. A história tem o seu valor… e se hoje a religião já não tem mais a força que tem é porque suas teorias falharam, e sucessivamente irão falhar ainda mais. As pessoas procuram uma forma de viver, e se decepcionam com a religião, ficam malucas sem saber para onde ir e tudo a sua volta tenta dizer que ela precisa de uma formula para viver. Basta parar e refletir, utilizar algo de mais precioso da qual somos dotados, nossa mente e ai sim seguir adiante, sem simbolos, é por isso meu caro Reinaldo Azevedo, os crucifixos (simbolos) precisam morrer para o brasil contemporaneo nascer.

  5. Daniel

    -

    11/03/2012 às 1:28

    Caro, Reinaldo.
    Sou ateu e concordo plenamente com seu post acima.

    Parabéns por mais um post que demonstra o tipo de civilidade e visão coletiva que esse país deveria incentivar.

    Infelizmente,vemos justamente o contrário: o país ficando cada vez mais burro e intolerante.

    Grande abraço.

  6. Rubens Mesquita

    -

    10/03/2012 às 21:39

    A Manuela Davila acha que todos os cristãos são a favor de imagens. Ou seja, cristianismo pra ela é só o dela.

  7. Manuela Davila

    -

    10/03/2012 às 1:24

    Vivii na India por varios anos. Pais de diversidade e intolerância religiosas. Em conversas com indianos ateus, hindus e muçulmanos, sempre reiterei o orgulho de pertencer a um povo tolerante, onde adeptos de diferentes religiões viviam em harmonia, nAo se agrediam em nome desta ou daquela crença. No dia-a-dia num pais culturalmente diverso, onde hindus representam
    a maioria da população, senti, como nunca antes, o quanto a cultural molda nossas vidas,nossos
    valores. Certa vez, mesmo nao sendo uma crista fervorosa, surpreendi-me chorando ante a um
    crucifico feito de troncos de arvores, numa pequena igreja do século XVIII. A razão das
    lagrimas? Identificação cultural. Depois de tanto ir a templos hindus, budistas e muculmanos,
    estava eu la, em contato com algo familiar, que me remetia a minha terra Natal. Cultura e o que
    nos distingue de outros povos, que nos une e nos faz certos de que temos um lugar no mundo
    para onde podemos voltar, um lugar onde todos com artilham a mesma história. História da qual cristianismo e crucifixos fazem parte, muito antes de a Constituição prever, em seu preambulo, que somos um pais laico.
    O cristianismo, mais do que a religião da maioria dos brasileiros, faz parte desta história comum.

  8. Rubens Mesquita

    -

    09/03/2012 às 19:44

    E continua o ad populum e ad antiquitatem em alguns comentários… ~:/

  9. Carlos fc

    -

    09/03/2012 às 16:27

    Entendi.”Meu filho morreu,o filho da outra continua vivo…Salomão, pode partir a criança ao meio”.

  10. affonso h.g. sampaio

    -

    09/03/2012 às 15:44

    Ainda uma vez mais um comentario sobre os simbolos religiosos.Ao eleger como criterio da escolha dos simbolos o da representaçao, ou representatividade, a mim me parece ser um argumento nao tolo,mas manco talvez sim. Por que digo isto? Por um criterio referente a quantidade; quantidade de pessoas, o que no meu entender e exclusivista e excludente. Manco porque ve um so lado da questao.Governos totalitarios fizeram e fazem isto.Melhor seria o criterio albergado em nossa Carta Magna, qual seja o da igualdade de direitos.Fraternalmente abraços

  11. affonso h.g. sampaio

    -

    09/03/2012 às 14:12

    Reinaldo:que coisa terrivel os abortistas e aborteiros; querem agora tambem o infanticidio.Otimo programa para ditadores seria aquele que dispusesse que a melhor de se acabar com a fome seria matar os famintos.So os famintos nao abortistas e que deveriam ser mortos.Soluçao final moderna e,sobretudo,econômica aos cofres publicos.Reinaldo desculpe-me pelas palavras e/ou frases repetitivas, sem fluidez.Preocupo-me sim pela correçao e elegancia da escrita.Sou ,contudo, novato no campo digital, estou apanhando muito. Espero,um dia,fazermos juntos uma tertulia literaria. AbraçosPS nao seria melhor aqui dizer”nois vai fazer? Regras que estariam vigentes , canones ortograficos oficiais dos mequistas de plantao?

  12. TucaSampa

    -

    09/03/2012 às 11:46

    Caro Reinaldo,

    Primeiramente, eu gostaria de dizer que gostaria de ter escrito este comentário anteriormente, contudo, estive envolvido em um árduo estudo para uma prova do meu mestrado. Eu sou ciclista urbano em São Paulo há mais de 6 anos. Conheço bem os percalços deste trânsito louco e sei que não há inocentes. Contudo, apesar de não ter participado do protesto, preciso discordar de você no que se refere à manifestação dos ciclistas na Paulista ocorrida nesta semana. Este foi o terceiro caso de morte de ciclista por ônibus na região desde 2009. Qual seria a sua opinião caso houvesse um protesto pedindo uma passarela em uma via onde 3 pessoas tivessem morrido atropeladas nos últimos 3 anos? Iria chamá-los de terroristas? Sei que os ciclistas não costumam respeitar as leis de trânsito, mas nenhum destes acidentes aconteceu por causa da imprudência de suas vítimas. Como você adora escrever, leis existem para serem cumpridas. Um carro, ônibus ou caminhão deve passar a 1,5 m de uma bicicleta. Você poderia dizer: “Ah, brasileiro não vai respeitar isso”. Se este for o caso, fico muito triste, pois só confirmará que nosso país não tem jeito mesmo. Para piorar a situação, preciso ler comentários como os da amiga da Mônica Waldvolgel sobre o fato de São Paulo não ser uma cidade feita para ciclistas. Paris, Londres, Barcelona, Lion, cidades com quase 2.000 anos de idade, foram planejadas pelos romanos para serem usadas por ciclistas do século XXI? Fala sério! Será que o pensamento desta digna senhora se estende aos pedestres? Seria nossa cidade feita apenas para quem tem carro e que o usa para ir de casa para o clube, do clube para o trabalho, do trabalho para o shopping e do shopping para casa? E sabe o que mais me espanta? Como é possível que um pensamento tão tacanho como este encontre eco? Por fim, só tenho uma coisa a escrever: enquanto formos tão mesquinhos e focados nos nossos problemas, pouco conseguiremos mudar o mundo em que vivemos.

  13. Anónimo

    -

    09/03/2012 às 11:46

    Brilhante, Reinaldão.
    Como sempre.

  14. affonso h.g. sampaio

    -

    09/03/2012 às 11:28

    Sou espirita,e, como sou cristao,eis que aceitamos de Jesus a sua moral; combatem-nos – ah essa palavra!-catolicos e protestantes; dizem que, em absoluto nao o somos e citam-nos passagens biblicas do velho testamento(Deutoronomio,Levitico) e, fraudulentamente colocam palavras como espiritismo, mediuns.Neologismos criados por Kardec em 1857 la estao a atestarem a falta de respeito que deveriam para com aqueles que tem a “ousadia” de pensarem diferente deles.A meu isto está relacionado a uma arrogância humana de donos da verdade. Pergunto a eles :o que e ser CRISTAO?Religiao pra mim e Amor; Deus´é Amor;contrapomos ao lema “Fora da Igreja Nao ha Salvaçao”originado no papado Pio IX,1870,contrapomos “Fora da Caridade Nao Ha Salvaçao” .Caridade e Amor.Dois exemplos apontados por Jesus nos dizem tudo do que e ser religioso e cristao: o contido na parabola do Bom Samaritano e do centuriao; o primeiro se referia a homem nao religioso,odiado pelos judeus; o outro,um pagao a quem Jesus disse nao hver, em Israel, tao grande fe. dire mJesus tambem nos disse que seriamos julgados pelas nossas OBRAS!Sobre a Inquisiçao irrelevante se nos afigura, pouco importa-nos a discussao se foram milhares ou centenas de mortos; o fato e este:mataram! direta ou indiretamente mataram…E nao me venham dizer que, a titulo de justificativa a minimizar esse crime hediondo, que deveriamos compreender que estaria relacionado ao contexto da da epoca pois que isto e infirmado por(ditas a respeito pelo santo angelico doutor Tomas de Aquino:e melhor que se mate o corpo do que se perca a alma;isto e o que se chama coonestar a causa.Nao devemos nos esquecer das matanças dos cataros ,( albigenses, dos huguenotes, das Cruzadas tambem os Protestante tiveram a sua Inquisiçao.Historiadores ha apontamnos que a maioria das guerras humanas foram feitas em nome de religioes e,o que e pior em nome de Deus.Certo escritor espiritualista afirma que se o Cristo aparecesse para nos na Terra ele diria:”tenho uma declaraçao a vos fazer:eu nao sou CRISTAO!De fato:o que temos feito de errado em seu santo nome!Para encerrarmos nossa peroraçao devo dizer que nao sou intolerante tanto que me posiciono no sentido da aceitaçao da colocaçao de simbolos religiosos nos predios publicos;todos eles, de todas as religioes, sem discriminaçao

  15. Veronica Maria

    -

    09/03/2012 às 7:39

    Um sinal que nos chama à Verdade e à Justiça, é sempre rejeitado por quem não pratica

  16. Veronica Maria

    -

    09/03/2012 às 6:44

    O nome Terra da Santa Cruz foi o 1º dado a nossa nação,sendo um crucifixo cravado no nosso solo,e celebrada uma Missa para abençoar a nossa nação. Será que este fato protegeu nosso país de tantas catastrofes natutrais? Este fato essa minoria não poderá apagar da nossa história e nossa memória, por mais que príbam a exposição da Santa Cruz.

  17. Almirante Kirk

    -

    09/03/2012 às 2:10

    Caro “HÁ PERSEGUIÇÃO RELIGIOSA DESDE QUE CAIM MATOU ABEL!”
    -
    08/03/2012 às 21:24, penso da mesma forma!
    Infelizmente, você sabe, não é bem visto, o que dirá aceitável, um católico fazer uma análise crítica, seja à luz da Doutrina Católica e da Razão, entre outras, entre Catolicismo (Cristianismo)e outras religiões e seitas, as quais se apresentam como cristãs aos incautos e ignaros católicos, mandando às favas as BASES ou FUNDAMENTOS doutrinários!
    Sintomático a perda de fiéis da santa Igreja Católica: a Bíblia alerta, faz séculos, sobre a vinda de falsos profetas e falsos doutores, os quais levariam os católicos (leia-se cristãos) à APOSTASIA!
    Abraços!
    Salve Maria!

  18. Almirante Kirk

    -

    09/03/2012 às 1:57

    O caro “Edu,o indignado”
    -
    08/03/2012 às 7:51 afirmou, oportuna, pertinente e ajuizadamente, entre outros epítetos:
    “Brigar com o catolicismo e facil,pq este nao se defende”!

  19. Almirante Kirk

    -

    09/03/2012 às 1:38

    O caro “Madrugão”
    -
    08/03/2012 às 17:54 disse:

    ““Um bobalhão mandou um comentário pra cá: “Não venha me dizer agora que a Inquisição não matou ninguém…” Claro que não vou dizer!”
    Pois você deveria dizer, caro Rei!
    A instituição (Igreja Católica) nunca matou ninguém mesmo.
    Quem condenava à morte e executava a pena, no tempo da Inquisição, era o estado e não a Igreja.
    A Igreja apenas fazia o inquérito (inquisição) para descobrir se o fulano era herege contumaz e se tinha cometido crimes por conta da heresia. Apurada a heresia, a contumácia e prática de CRIMES GRAVES, a Igreja o relaxava ao braço secular, que aplicava a pena segundo as leis criminais da época. Portanto, a “instituição” que matava era o estado, não a Igreja. Simples, assim.”

    Parabéns pelo seu comentário!
    Abraços!

    PS: Aprovietando o ensejo, sugiro aos católicos e não-católico, um excelente site chamado CAI A FARSA, onde são refutadas várias mentiras engendradas contra a santa Igreja Católica!
    Kirk

  20. Mateus

    -

    08/03/2012 às 22:56

    Nunca vi tanta bobagem e desespero ao ver que a inteligência e a justiça estão vencendo, pelo menos no simbólico, séculos de horrores causados por “cristão”, que de Cristo só levam o nome. A retirada dos crucifixos de lugares que nunca deveriam ter ido, só significa um pouco mais de respeito a laicidade do direito, da lei, da justiça, dos não cristãos, dos familiares ou descedentes das vítimas do ódio que as religiões pregaram e pregam, pela pluralidade, pela inteligência; esta que será a guia para um novo mundo melhor do que este, destruído pelo fanatismo religioso e falta de amor e respeito ao próximo.

    REINALDO COMENTA
    Deixei seu comentário cheio de generalidades e imprecisões só para sugerir que você mude de nome. Ele traz uma pesada herança cristã.

  21. HÁ PERSEGUIÇÃO RELIGIOSA DESDE QUE CAIM MATOU ABEL!

    -

    08/03/2012 às 21:24

    CARO REINALDO,

    REITERO CADA UMA DAS PALAVRAS QUE ESCREVI ONTEM SOB O TÍTULO “NEOPAGANISMO, RELATIVISMO E DEMOCRATISMO” (EM COMENTÁRIO A OUTRO POST DE ONTEM RELATIVO AO MESMO ASSUNTO: “Num momento em que o cristianismo é a religião mais perseguida do mundo, TJ do RS decide cassar e caçar os crucifixos. Os cristãos podem se preparar: vem uma onda por aí! Com o crucifixo, TJ expulsa também um pouco da Justiça!”).

    NÃO É VERDADE QUE “A ÚNICA PERSEGUIÇÃO RELIGIOSA QUE HÁ NO BRASIL É AOS CRUCIFIXOS”. TODAS AS SOCIEDADES SECRETAS, QUE NÃO OUSAM REVELAR SEUS PROJETOS À LUZ DO DIA, TRABALHAM PARA DESTRUIR A IGREJA CATÓLICA O TEMPO TODO, EM TODA PARTE, COMEÇANDO PELAS CONSPIRAÇÕES TRAMADAS DENTRO DO VATICANO (BASTA LEMBRAR OS DOCUMENTOS RECENTES RELATIVOS AO PLANO PARA ASSASSINAR O PAPA BENTO XVI NOS PRÓXIMOS MESES – SOBRE ISSO, ATÉ O GILLES LAPOUGE ESCREVEU RECENTEMENTE NO ESTADÃO). NESSE SENTIDO, A DECISÃO DO TJ/RS APENAS EXPRESSA O EMPENHO DE ADEPTOS RADICAIS DO PROJETO DE “DESCATOLICIZAÇÃO” DO BRASIL E DO MUNDO. DE SUA PARTE, OS INIMIGOS MODERADOS (E MODERNISTAS) DA IGREJA NÃO OUSAM FAZER TAIS GROSSERIAS, MAS NEM POR ISSO SÃO MENOS PERIGOSOS.

    TAMBÉM ESTÁ ERRADO DIZER QUE “90% DOS BRASILEIROS SÃO CRISTÃOS”. “CRISTÃO”, POR DEFINIÇÃO É QUEM SEGUE OS ENSINAMENTOS REVELADOS POR NOSSO SENHOR JESUS CRISTO. ESSE PERCENTUAL ECUMÊNICO ESCONDE O DETALHE FUNDAMENTAL DE QUE OS SEGUIDORES DAS SEITAS FOMENTADAS PELAS TORPES IDÉIAS DE LUTERO, FIÉIS À SUA DOUTRINA, TÊM COMO POSTULADO A TRANSFERÊNCIA DA RELIGIÃO PARA O ÂMBITO PRIVADO E INDIVIDUAL, TENDO EM VISTA SEU FALSO CONCEITO DE FÉ ENTENDIDO COMO “SENTIMENTO RELIGIOSO” E NÃO – COMO PARA NÓS, CATÓLICOS – ADESÃO DA INTELIGÊNCIA ÀS VERDADES REVELADAS POR DEUS. ESSA PRIVATIZAÇÃO DO “SENTIMENTO RELIGIOSO” (!!!) OPÕE-SE À EXALTAÇÃO DOS SÍMBOLOS CATÓLICOS COMO FORMA DE RECONHECIMENTO DE VALORES ETERNOS E UNIVERSAIS QUE DEVEM NORTEAR A VIDA DE TODA SOCIEDADE.

    NESSE SENTIDO, A SECULARIZAÇÃO PROMOVIDA PELA DOUTRINA PROTESTANTE DA PREDESTINAÇÃO TEM COMO MARCO HISTÓRICO A “REFORMA” DE LUTERO DE 1517, QUE, A PROPÓSITO, NUNCA DEIXOU DE SER CONDENADA PELA IGREJA COMO HERESIA.

    ADEMAIS, O FIM DAS GUERRAS DE RELIGIÃO (ENTRE CATÓLICOS E PROTESTANTES), EM 1648, DEU IMPULSO AO PROCESSO DE LAICIZAÇÃO DA SOCIEDADE, COM BASE NA CONSAGRAÇÃO DO CONCEITO DE “RAZÃO DE ESTADO” – DO FAMIGERADO CARDEAL RICHELIEU – NOS ASSUNTOS INTERNOS E NO REALISMO ANÁRQUICO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS.

    FINALMENTE, COM A REVOLUÇÃO FRANCESA DE 1789 INGRESSAMOS NA FASE DE “NEOPAGANIZAÇÃO” DO OCIDENTE, SIMBOLIZADA PELO CULTO IRRACIONAL À “DEUSA RAZÃO”.

    DESSA FORMA, É INSOFISMÁVEL A CONCLUSÃO DE QUE AS LÉSBICAS QUE HOJE FOGEM DO CRUCIFIXO COMO O DIABO FOGE DA CRUZ TÊM O BENEPLÁCITO DE JUÍZES QUE REVERENCIAM LUTERO, RICHELIEU E ROBESPIERRE COMO GRANDES NOMES DA HISTÓRIA NO COMBATE À IGREJA CATÓLICA.

  22. Felippe

    -

    08/03/2012 às 20:36

    As causas e os defeitos. Esta crisinha quanto ao transporte de combustível em São Paulo tá explicada. Visitei o espaço virtual(graças a Deus apenas)da liga das asseclas de Safo. Notou a fotinha da primeira página, Reinaldo? Todas estavam lá, nas paragens austrais, portanto como os brutos sobre eixos se movimentariam?
    Silogismo barato puro, meu amigo.
    Abraços e acompanho sedento sempre seus comentários,

  23. affonso h.g. sampaio

    -

    08/03/2012 às 20:18

    Reinaldo estava escrevendo-lhe e nao terminei:era sobre seu artigo relacionado a retirada de crucifixo de bens de dominio publico, que, sou contra, Minha banda larga, infelizmente e estreitissima.DEu pane e peesima!

  24. Rubens Messquita

    -

    08/03/2012 às 20:17

    O argumento é só um ad populum e ad antiquitatem. Tipo: Tal religião tem a maioria dos fiéis e é a mais antiga do país, então seus símbolos devem ser preservados nas instituições públicas. Ele simplesmente despreza que quase todas as outras denominações cristãs brasileiras abominam imagens religiosas. Simplesmente está desprezando o secularismo e o laicismo.

  25. Caldas

    -

    08/03/2012 às 20:07

    O primeiro ato dos portugueses, ao descobriem o Brasil, foi erguer uma cruz e celebrar uma missa.Negar esse símbolo, como elemento fundacional do País, é negar a nossa história.

  26. Igor

    -

    08/03/2012 às 20:02

    Diga o que disser, mas ainda continua parecendo que estão tentando impor tal religião, com crucifixos em todos os lugares…

  27. Julian

    -

    08/03/2012 às 19:43

    Gosto de que esse assunto continue sendo discutido. Já que tenho opinião contrária, posso contribuir com alguns comentários. Sua afirmação de que “…aquele signo concentra valores, ATENÇÃO!, da nação brasileira, de sua história e de sua formação…” contém, para mim, um grande equívoco. Esses valores podem não ser os meus, já que não sou cristão! Por que tenho que aceitar um símbolo que representa esses valores num espaço que deveria ser isento, sem privilégios de credo? Acho que quem defende um privilégio como esse para uma religião só o faz porque a considera superior às demais, o que deveria ser um ponto de vista pessoal e de forma alguma imposto aos que pensam diferente!

  28. armando

    -

    08/03/2012 às 19:17

    interessante que meu comentário não foi aprovado pela moderação. e continha ideias a respeito da vida e do texto. bem… fazer o que? mais uma vez a censura mostra sua utilidade.

  29. Felipe

    -

    08/03/2012 às 18:04

    Uma das piores idéias (Pra n dizer ridícula) é dizer q n ter nada é favorável aos ateus, nada é nada e pronto, n é pq tira algo cristão q é a favor dos ateus, a favor dos ateus seria estar escrito “Deus é mito”, isso seria. Se for pro estado ser a favor da maioria, como seu argumento bem formulado diz(Pra n dizer porcaria), transforme logo o país em nazista, pelo menos seria mais honesto do que ficar usando esses tipos de argumentos pra tomar esses tipos de decisão.

  30. Madrugão

    -

    08/03/2012 às 17:54

    “Um bobalhão mandou um comentário pra cá: “Não venha me dizer agora que a Inquisição não matou ninguém…” Claro que não vou dizer!”
    Pois você deveria dizer, caro Rei!
    A instituição (Igreja Católica) nunca matou ninguém mesmo.
    Quem condenava à morte e executava a pena, no tempo da Inquisição, era o estado e não a Igreja.
    A Igreja apenas fazia o inquérito (inquisição) para descobrir se o fulano era herege contumaz e se tinha cometido crimes por conta da heresia. Apurada a heresia, a contumácia e prática de CRIMES GRAVES, a Igreja o relaxava ao braço secular, que aplicava a pena segundo as leis criminais da época. Portanto, a “instituição” que matava era o estado, não a Igreja. Simples, assim.

  31. Wanderley Filho

    -

    08/03/2012 às 17:31

    Nos processos civilizcionais, via de regra, valores religiosos são incorporados à cultura de um povo. Temos aí vários exemplos, como o islamismo, a budismo, o cristianismo e o judaísmo. Assim, no caso da civilização ocidental, O CRUXIFIXO É UM SÍMBOLO QUE ULTRAPASSOU O SENTIDO RESTRITO DE UMA LITURGIA, PARA REPRESENTAR, PAULATINAMENTE, UM CONJUNTO DE VALORES MAIS AMPLO, FUNDAMENTAIS AO ORDENAMENTO SOCIAL, COMO, POR EXEMPLO, OS PRINCÍPIOS DO RESPEITO AO PRÓXIMO E DO DIREITO INCONDICIONAL À VIDA. Negar isso é retroceder dois milênios.

  32. Anderson

    -

    08/03/2012 às 17:17

    Tio Rei, você é um genio com as palavras, quisera eu ter este dom, sorte ter seu blog para partilhar desta dadiva!

    Um grande abraço e que DEUS lhe abençoe.

  33. PARTIDO - PÊQUEPÊ

    -

    08/03/2012 às 17:06

    .
    CARISSIMO REINALDO,
    .
    FICO AQUI PENSANDO COM OS MEUS BOTOES….
    .
    AS LESBICAS JA CONQUISTARAM TODOS OS DIREITOS QUE PLEITEIAM ? ELAS NAO TEM MAIS O QUE FAZER ? AGORA RESOLVERAM SE INDISPOR COM A MAIORIA DA SOCIEDADE ? SE VOCE NAO GOSTAR, ELA TE ACUSA DE INTOLERANCIA POR ELA SER LESBICA E DESVIA O FOCO. SABE POR QUE? ISSO É COISA DE PETRALHA, É COISA ORQUESTRADA. AS LESBICAS ESTAO SENDO SO MASSA DE MANOBRA
    .
    SE O BRASIL VIRASSE UMA CUBA GIGANTE OU UMA MINI UNIAO SOVIETICA ; NAO VAI; ENTAO AS LESBICAS, GAYS, PADRES, PASTORES, COMUNISTAS INTELIGENTES, ETC SERIA FUZILAOS. TODOS SABEM QUE ESSA GENTE É USADA ATE TEREM CONTROLE TOTAL, DAI ELES DESCARTAM CERTAS CLASSES E PESSOAS COMO SE FOSSEM INSETOS. É HISTORIA ISSO.
    .
    POR QUE ESSA GENTE NAO IMPLICA COM A IGREJA UNIVERSÁR ???
    .

  34. Eduardo

    -

    08/03/2012 às 16:43

    Temos tantos problemas na justiça, pra esse togados ficarem se ocupando de crusifixos……..tenha paciencia.Vejo que eles não tem o que fazer………..

  35. André Luis

    -

    08/03/2012 às 16:29

    Concordo. A Religião Cristâ faz parte de nossa história.
    Este ato, de retirar crucifixos, é totalmente intolerante e preconceituoso com a história do Brasil.

  36. RONAN Di CARLO

    -

    08/03/2012 às 16:19

    A igreja deve no mínimo tentar se defender e se manifestar judicialmente das mazelas do demônio. A besta se infiltra em todos os seguimentos da sociedade, apressando o seu próprio fim. É a agonia da segunda morte que deve estar próxima. Sou católico, mas, confesso minhas fraquezas em relação aos meus deveres, para tanto. Contudo, ficar só olhando o inimigo nos acuar, não dá. Os políticos e magistrados no Brasil querem nos mostrar que vivemos numa sociedade “laica”, na tentativa burra se mostrarem justos. Entretanto, se esquecem que a grande maioria desta sociedade traz formação cristã dentro de si. Para o verdadeiro cristão, não há como ignorar a cruz de JESUS, tampouco da importância de Sua mãe Santíssima Maria de Nazaré, a escolhida e, por isso, bem aventurada, que O aceitou antes de todos, nessa terra. Com certeza, entre os mais de sete bilhões de pessoas nesse mundo, há os que não acreditam (têm fé) em Deus, o que respeito, assim como, há também os que O tem como inimigo. Esses são os anti-cristos que se travestem e se abrigam nas minorias de grupo. Isto, por conta de brechas na lei e de interpretações errôneas que são veementemente apoiadas por políticos e magistrados que não conseguem sequer enxergar a real finalidade da causa em questão e que vai muito além do entendimento de quaisquer vivente.
    Gostei muito do comentário citado em um artigo, por Beni Soares em março 8, 2012 às 10:03 am
    “Será que um dia vão determinar a DEMOLIÇÃO DO CRISTO REDENTOR?”
    Minha resposta é: Não duvide!
    Logo, minha pergunta é: Será que os inimigos da luz irão ao Sol na tentativa de apagá-lo, ou será mais fácil fazer uma lei, que proibam as pessoas de se exporem à sua luz e ao seu calor em detrimento dos que adoram as trevas?
    Basta de intolerância e perseguição.
    Abraços!

  37. Alexandre N.

    -

    08/03/2012 às 16:12

    Como o senhor bem disse, o símbolo da cruz (e mesmo o crucifixo)tem um valor histórico para o Brasil. Deixando de lado o significado do símbolo para o cristianismo, ainda temos um importante valor histórico para o Brasil, como sendo um símbolo da chegada dos portugueses ao nosso território. Foi fixada uma cruz nas areias de Porto Seguro para que fosse rezada a primeira missa por aqui, fato que ilustra a origem de nossa nação. Vale ressaltar que um símbolo pode assumir diferentes significados, como por exemplo a suástica que ficou caracterizada como um símbolo nazista, mas que possui diferentes significados para povos que usavam e usam esse símbolo que vão desde os maias e astecas até os praticantes do budismo e hinduísmo.

  38. MINO NETO

    -

    08/03/2012 às 15:58

    REINALDO, PARABÉNS! TEXTO ESPETACULAR! QUE DEUS CONTINUE ILUMINANDO ESSA SUA CABECINHA, MEU AMIGO.

  39. Claudius

    -

    08/03/2012 às 15:22

    O ser humano somente chega ao desconhecido a partir do conhecido. É mais fácil o triunfo na superação da dor quando se tem uma imagem real. Xenofonte já dizia quanto aos gregos esculpirem seus deuses como humanos: se os cavalos tivessem deuses eles os esculpiriam como cavalos.

  40. José Luiz

    -

    08/03/2012 às 15:15

    Apenas para constar: não foram ateus que pediram a retirada do crucifixo. Foi a Liga Brasileira de Lésbicas. Provavelmente, existem entre elas mulheres das mais diversas religiões. Ademais, os próprios desembargadores, suponho, devem ser, em sua maioria, cristãos. A ignorância não escolhe credo.

  41. Claudius

    -

    08/03/2012 às 15:08

    As religiões são divididas em dois grandes grupos: as imanentes e as transcedentais. Todo nosso Ordenamento Jurídico tem em suas normas preceitos de ambas. Isto que fazem com o crucifixo ( não canso de repetir, a cruz é parte da imaginário popular, há nela uma imagética aderida a vida da humanidade e, sob o ponto de vista de Jung, faz parte do Inconstiente coletivo) é uma atitude horrorosa. Não encontro nenhuma justificativa, mesmo que sicofanta. É uma torpoeza pura e simples. Um facínora tem motivação. Esta atitude não tem. E estão fazendo isto na Quaresma, momento em que não celebrações, somente aplicação dos sacramentos de urgência; extremaunção, por exemplo. São traiçoeiros. Sabem que a Igreja somente agirá na Pascoa.

  42. Anónimo

    -

    08/03/2012 às 14:46

    “O cristianismo foi a primeira grande corrente religiosa e de pensamento a dignificar as mulheres e a lutar de maneira organizada para protegê-las de práticas homicidas.”
    se a própria biblia é degradante com as mulheres, isso é a própria prova que a religião n segue nem suas escrituras básicas…
    Mas, no assunto, sou ateu, concordo em partes com a retirada de crucifixos. Em hospitais, em que as pessoas são suscetiveis a querer acreditar, e mentes fracas precisam se apoiar em algo, eu não me importo. Mas em escolas, as crianças, não importa sua crença que os pais lhe passam, ter que prestar reverência ou são descriminadas. Cada caso é um caso, não adianta generalizar, nem falar que não existe perseguição religiosa.
    Por que uma camiseta 100% Negro é ter orgulho, e 100% Branco é ser racista? Da mesma forma que em rede nacional um apresentador de influencia falar que todos os presidiários são ateus, mesmo que a população carcerária atéia não represente nem 3%…

  43. Rogério Fernandes

    -

    08/03/2012 às 14:40

    Na verdade existe uma página no Facebook ligada ao grupo ATEA, eles colocam links lá de pessoas que falam contra o ateísmo ou a favor da religião. Assim os membros atacam páginas da internet com comentários chulos e trolls. O link desse artigo tá lá agora.

  44. Alexandre Gonçalves

    -

    08/03/2012 às 14:32

    Vou contar uma bomba. Pelo que fiquei sabendo, as lésbicas vampiras, depois de eliminarem crucifixos, lutam por um banco de sangue no refeitório.

  45. ANTONINO SILVA

    -

    08/03/2012 às 14:27

    Caro Reinaldo
    Meu pai, o saudoso jornalista SILVA NETO, desde cedo me fez apreciar a rara qualidade dos seus colegas cultores da linguagem, no estilo, e agudeza, na análise dos fatos. Recordo que ele elogiava quase sempre o David Nasser. Hoje mantenho aquela tradição para apontar você, não apenas aos meus filhos, mas a todos os meus amigos, como exemplo de jornalista virtuoso. Suas considerações acerca da “caça aos crucifixos” são um belo exemplo para dissecar a hipocrisia dessas minorias e o silêncio ridículo de uma grande maioria.

  46. Max

    -

    08/03/2012 às 14:20

    Ricardo, já existe ação do MPF para retirar o Deus seja Louvado da cédula.. Cristo redentor não é órgão público e natal só celebra quem quiser.
    Deixe de ser ignorante, retirar simbolos religiosos( de qualquer religião) de órgãos públicos não é perseguir essa religião, e sim respeitar as demais religiões.
    Infelizmente os moderadores do post apagam minhas msgs, que, apesar de não ter ofensa alguma, ao contrário do texto do blog e de vários comentários aceitos, parece não ser agradável.

  47. André Flandres

    -

    08/03/2012 às 14:19

    Sou ateu e concordo com isso tudo que disseste, Reinaldo Azevedo. Reconheço as virtudes morais do cristianismo, inclusive para a cultura brasileira – embora pense que ela se ressinta deles nos últimos tempo… -, e não preciso, para tanto, acreditar em Jesus Cristo como o messias, até porque, repito, sou ateu.

    A simbologia do crucifixo diz muito sobre a humanidade em geral e é algo inteligível para pessoas de quaisquer credos ou falta deles. Ninguém precisa acreditar piamente numa imagem histórica para entender a lógica interna que, quando menos, a narrativa dela carrega consigo.

    E, a partir desse processo cognitivo – que de resto demanda recursos intelectivos os mais elementares -, qualquer um pode compreender a mensagem externa que essa narrativa e seus símbolos transmitem e que pode, então, ser aplicada em vários contextos, já aí de forma universal.

    Trata-se precisamente da mensagem ignorada por aqueles que, na exata medida em que a não compreendem, querem apagar uma de suas mais importantes fontes simbólicas.

  48. Marcelo Trincado

    -

    08/03/2012 às 14:03

    Acho interessante essa questão de caçar crucifixos. Por exemplo: Eu sou budista (ou simpatizante dessa filosofia), quer dizer que como não sou católico e o estado é laico eu não poderia usar expressões de espanto como “minha nossa senhora” ou “santo Deus”? Se eu ficar bravo não poderei mandar ninguém para “o inferno” ou desejar que “o diabo carregue”? Pois pelo argumento dessas pessoas o estado não é laico ele tem que ser um estado sem crença.

  49. Nacimento

    -

    08/03/2012 às 14:01

    O interesse desses desocupados não é a pura remoção dos simbolos de nossa história mas sim recriá-la, recontá-la pela narrativa do politicamente correto. Afinal o Brasil foi descoberto em 2003, antes era o verbo.

    Seu interesse maior é substituir o crucifixo por uma foto do demiurgo, do big brother.

    Ao entrarmos nas repartições públicas não veremos mais simbolos religiosos da nossa cultura, mas sim “santinhos”, fotos e esculturas de nossos novos deuses.

  50. Jonas

    -

    08/03/2012 às 13:58

    Se hoje o cristianismo é considerado a religião mais importante do Brasil, é porque os europeus abafaram à força a memória dos povos dominados. Mas ela permanece latente, inconsciente, marginalizada, sempre esperando a próxima erupção cultural. Por isso é absurdo o que escreveu o autor: “Ora, caso se leve, então, a sério a representação, o que estariam querendo dizer seus defensores? Que as demais religiões tiveram na formação da nação brasileira e sua mentalidade a mesma importância do cristianismo? Bem, acho que ninguém correria o ridículo de afirmá-lo.”

    O cristianismo tem se utilizado de vários artifícios pra se manter no poder, e um deles é a ubiquidade: cristianismo em toda parte. Estratégias contemporâneas de publicidade já eram praticados pela Igreja há séculos. O crucifixo é uma logomarca dessa religião que tem por tradição enfiar sua crença goela abaixo de povos alienados das próprias raízes históricas.

  51. Ricardo

    -

    08/03/2012 às 13:50

    Dica para os ateus:além da implosão do Cristo Redentor,extinção do Natal,está na hora de recolher o dinheiro nosso de cada dia,pois lá está;”DEUS SEJA LOUVADO”.
    O que estão esperando pra acionar judicialmente a Casa da Moeda.
    CAMBADA!

  52. Vera

    -

    08/03/2012 às 13:31

    Bom dia! FELIZ DIA DAS MULHERES Dna Reinalda e Reinaldinhas!

  53. Drakko

    -

    08/03/2012 às 13:28

    Não é só o laicismo do estado e a intolerância que estão na base dessa escolha! Antes fosse só isso! Essa cruzada (pois é) contra símbolos cristãos (em especial o crucifixo) faz parte da patologia que afeta esquerdistas de sovaco cabeludo e coitadistas profissionais mancomunados em ligas fajutas e ONGs estatizadas! Essa gente ínfima encontrou terreno propício para escancarar seus recalques atiçados pela demagogia e pelo cinismo do mais infame ocupante da cadeira presidencial de nossa história. O único legado do cachaceiro boquirroto, do demagogo recalcado terá sido dividir o país em castas e guetos, fomentando desde o princípio uma guerra secessionista onde a desconfiança e a intolerância tornaram-se regra.
    A doença do Brasil tem nome: LULA.

  54. Ney

    -

    08/03/2012 às 13:24

    O que nos deixa abismado é a quantidade enorme de demandas reprimidas preementes neste país e estes caras vem criar polêmicas com dicionário, crucifixo, etc.
    Os Dr.? deviam estar focados na melhoria do desempenho do judiciário, aí estariam criando uma polemica válida.

  55. Leonardo

    -

    08/03/2012 às 13:22

    Em Teresina (PI), uma bobagem dessas quase botou a baixo uma das imagens de Nossa Senhora por conta de um grupelho de advogados achar que dentro de um hospital de emergências não deveria ter a imagem santa para não equivocar os doentes que ali chegam que aceitem a religião assim que se sentirem suscetíveis pela enfermidade. É tão estúpido como se o cristianismo e as demais religiões estivessem em plena GUERRA POR FIÉIS!!!? Fé como uma revolução que se dá na descoberta intima de cada um agora parece uma peça de propaganda.

  56. Luiz Cristiano Monteiro

    -

    08/03/2012 às 13:15

    Você realmente me fez pensar. Eu argumentei lá atrás, como outros, sobre as demais religiões e inclusive sobre os ateus, no que você bem sintetizou como representatividade.

    E me levou a xeque: o cristianismo representa 90% dos brasileiros. Penso eu do meu lado: considerando que todas as religiões professam valores universalmente bem aceitos – na média, não podem elas ser hierarquizadas pelo número de seguidores, pois o resultado seria dizer que a representatividade só alcançará a maioria das pessoas, em detrimento de valores morais tão importantes quanto os cristão – só que seguidos por uma minoria.

    Logo, me parece injusto deixar as demais religiões de fora, inclusive as pessoas que em nada acreditam.

    Mas depois você, por dedução lógica, me apresenta outro desafio: Então o resultado é não apresentar simbolo nenhum, o que por fim das contas acaba premiando apenas os ateus, minoria das minorias.

    Tá certo, você me convenceu neste ponto. Isso não parece nada justo e daí aceito que o argumento foi tolo.

    Mas também não deixa de ser verdadeiro que a permanência apenas do crucifixo não é resposta ideal, pelo que acima já foi dito.

    Não nego a importância do cristianismo para formação de nossa nação e mesmo para a formação do nosso Estado – que embora Laico, sofre as influências dos homens cristãos. Quanto a esta afirmação, estamos juntos. A mesma coisa sobre a bobagem que é dizer que um juiz vai julgar sob preceitos cristãos uma causa. Ele vai julgar em primeiro lugar de acordo com sua consciência, independentemente de qualquer objeto numa sala.

    As outras bobagens, em especial dos radicais mal educados, trate-se pois como bobagem.

    Mas o fato de deixar o crucifixo lá me incomoda por algum motivo. Não que seja contra a mensagem de Cristo nem nada disso. Não acho que me incomoda por algum preconceito ou coisa que o valha. Está me incomodando na verdade o argumento, o debate, que para mim não está exaurido satisfatoriamente.

    Mas me parece, assim, em vista da pluralidade de religiões e em consideração aos Ateus, que dá-se maior importância aos valores cristãos que aos demais valores, o que não posso concordar do ponto de vista apenas do número de seguidores. O fato de ser mairoia não deveria conferir aos cristãos o privilégio de ter um crucifixo em todo o lugar.

    Em breve o mundo será muçulmano – dizem os jornais da europa, e então trocaremos o crucifixo por algum simbolo muçulmano? Ah, para esta reflexão hipotética, então voltaremos ao argumento da formação histórica. E, digamos, depois de cem anos de predominância muçulmana, esta troca de simbolos poderá ser permitida? A resposta fica difícil…

    Claro, são hipóteses um tanto quanto toscas, apenas para exercitar o pensamento e testarmos os limites dos argumentos postos.

    Certo é que já concordo que retirar o crucifixo não é uma solução ideal. Mas também não me convenci que deixar o crucifixo lá seja também perfeito. Não é.

  57. Rerisson

    -

    08/03/2012 às 13:15

    O mais engraçado de tudo isso é que a nossa bandeira exibe o lema de uma religião que é solenemente ignorada por 99% do povo brasileiro. “Ordem e Progresso” é o lema da Igreja Positivista (que tem como “filial” por aqui a Igreja Positivista do Brasil), uma religião feita por e para intelectuais com o objetivo de… substituir (= destruir) todas as outras.

    Mas como essa é a versão religiosa do (pseudo-)racionalismo, então os talibãs do laicismo não reclamam.

  58. Fábio Luciano Sorg

    -

    08/03/2012 às 13:07

    Sou ateu. Concordo com o argumento racional de que a laicidade do estado é refletida no fato de não haver uma lei que obrigue o uso de um simbolo religioso. Acho realmente uma grande tolice essa idéia de querer abolir esses simbolos. Somente tendo a não concordar com a exposição feita (em muitos dos comentários) de que graças as idéias do cristianismo temos uma moral mais elevada, como se este fosse o fator fundamental para a moralidade humana. O exemplo de ordem, resignação e respeito visto no povo japonês após o terremoto e tsunami ocorridos recentemente nos mostram que este argumento é simplista.

  59. Ricardo

    -

    08/03/2012 às 13:06

    Embora respeite a opinião no texto, é necessário considerarmos que uma democracia nao pode ser a ditadura de uma maioria ou minoria. Imaginemos a situação, temos no Brasil regiões com colonização de diferentes etnias, agora suponhamos que em determinada região, ou bairro de São Paulo, 80% da população que reside nessa área seja muçulmana por exemplo, e ao contrario de crucifixos, por cultura local o que você acharia se visualizasse que no tribunal, entidade de cunho publico e universal você visualizasse um crescente e um Alcorão na bancada do mesmo? Sendo cristão, e nao sejamos tolos, haveria uma aversão a tal situação. Nao tenho duvidas que facilmente seria retirado.
    Temos que parar de ser hipócritas, o Brasil esta passando por um processo de fundamentalizacao religiosa, embora de cunho evangélico, que ao mesmo tempo busca impor sua visão ao restante da sociedade, que já aceita uma visão crista menos autoritária em certo sentido.
    Se pegarmos outros países, a França aboliu todos símbolos religiosos de espaços públicos, e isso vai contra sua cultura crista? Laicismo é necessário

  60. Uirá de Silvio

    -

    08/03/2012 às 13:05

    Desculpe-me Reinaldo, mas estou em completo desacordo com o que você escreveu. Eu entendi o espirito do que você queria dizer, “o real problema do mundo não são os crucifixos nas repartições publicas”.
    Porém isso não torna verdade a sua idéia de que a UNICA perseguição religiosa no Brasil é aos crucifixos. Com todo o respeito, bullshit! Vemos dia apos dia exemplos de perseguições contra ateus, umbandistas, e também, em certos contextos, cristãos.
    Também gostaria de saber a fonte de tal argumento que a Revolução Francesa matou mais em quatro anos do que o Vaticano em quatro séculos.

    MODERADOR LEMBRA: as referÊncias bibliográficas estão no pé do texto http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/%E2%80%9Ce-os-milhoes-mortos-pela-santa-inquisicao%E2%80%9D-perguntam-e-eu-respondo/

  61. Hugo

    -

    08/03/2012 às 13:00

    Veja, a história do Brasil realmente é católica. Afinal, tratava-se de uma imposição legal. Olha só: não é mais.
    Diversos comportamentos já foram tidos como aceitáveis e hoje não são mais. Antigamente um marido poderia bater em sua mulher. Poderia até matá-la! Pessoas poderiam ser donas de outras pessoas.
    Um dia, pessoas disseram que práticas de ontem não deveriam perdurar.

    Já tivemos religião oficial. Não há mais.

    Temos símbolos dessa época – ainda – em algumas de nossas instituições.

    Não precisamos mais.

    A intolerância não está na exigência da retirada de símbolos ou dizeres, mas sim na insistência de que a permanência deles é adequada para toda a nação.

  62. Fernando Bassotelli

    -

    08/03/2012 às 12:59

    Este pessoal só lê (será que sim, ou somente gostam de queimar livros!!!) o que querem. Seria bom passearem pelo link da Gloria.TV (procurem no ‘tio’ google)e acessem o “O mito da inquisicao espanhola”, produzido pela BBC.

  63. Marcelo - Vítima da Bancoop

    -

    08/03/2012 às 12:59

    Tio Rei, excelente artigo!!! Digno de ser repassado pela rede. Permita-me apenas fazer um destaque na palavra “amplamente”, pois ficou faltando: “…Se o debate devesse se concentrar nos valores essenciais do cristianismo e nos valores essenciais do laicismo, tentando saber, vá lá, quem matou mais, a conta seria AMPLAMENTE favorável aos cristãos…”.
    Não tenho religião, mas sou a favor da VERDADE.
    Abraços, Tio.

  64. Paula

    -

    08/03/2012 às 12:51

    Aliás, morri de rir com sua afirmação de que o cristianismo foi a primeira a dignificar as mulheres. Maior bobagem não há. A Bíblia está cheia das maiores barbaridades machistas, e são os cristãos que até hoje querem limitar a mulher ao papel de esposa e de mãe, além de controlar seu corpo e reprodução. As demais religiões tiveram um papel na história e na cultura do Brasil sim. Mas a religião cristã realmente foi aquela que mais se sobressaiu, através da perseguição, opressão, catequização forçada, escravidão, burocracia e atraso. Não estamos negando o passado, mas o mundo tem que mudar. Mudar para melhor. Para um estado efetivamente laico! Isto se chama evolução.

  65. Paulo

    -

    08/03/2012 às 12:50

    Sabe rei sou filho de pastor presbiteriano afirmo tenho em meu coração Cristo como meu salvador. mas não posso me esquecer que tenho o meu nome e sou Carminati até o meu último átomo. Sei que na história de minha família durante a idade média, minha família matou em nome e na defesa da fé em Cristo os infiéis, e nem por isto me envergonho pela importância naquele momento deste fato histórico.

    Isto é a minha história que será contada aos meus descendente católicos ou não protestantes ou não, religião que o for ou não.

    Com isto o que quero dizer é que estes MacacoAmebas ditos “intelectuais” querem negar suas próprias histórias e se envergonhar com seu passado ao invés de apreender com este.

    E ai vai mais um lição de história que está você deve conhecer.

    - quem foram os que fundaram os EUA?
    - Qual a formação religiosa dos países do norte da Europa?
    - Quais são os países com os melhores índices de qualidade de vida?

    R: São os que abraçaram com todo o animo a fé em cristo.

    ou eu estou enganado?

    não importa católico / protestante / evangélico / neopentecostal ou pentecostal, todos estão sendo ameaçados.

    Já disse isto em outra post hoje no Brasil é crime:

    - ser branco;
    - ser cristão;
    - ser de direita;
    - ser classe média;
    -ter realmente estudado e não ficado fumando maconha na porta da faculdade e viajando, com o dinheiro do papai.

  66. Anônimo

    -

    08/03/2012 às 12:48

    Essas pessoas são literalmente os idiotas úteis a que Lênin se referia. Quando o comunismo estiver a pleno vapor, serão os primeiros a ser eliminados. Na Rússia a prática homossexual acada de ser proibida pelo governo. Em Cuba eles são há décadas perseguidos. Na China idem. Agora eles querem eliminar com os crucifixos. No futuro eles é que serão eliminados pelo governo!

  67. Andrew .L

    -

    08/03/2012 às 12:16

    Sou contra a caça aos crucifixos e sou ateu. Vejo isso como uma rebeldia indevida já que tal símbolo está impregnado em nossa história e na cultura de nosso povo, sendo parte constituinte da face do Brasil. Apesar de minha posição favorável a permanência de tal símbolo na sociedade brasileira, sou extremamente contra a presença da religião em instituições que deveriam ser laicas. Por exemplo, não se faz necessário derrubar o Cristo Redentor, basílicas ou igrejas, mas sim derrubar a religião que adentra os estabelecimentos públicos e instituições governamentais, assim como o posicionamento pró-religião de certos governantes. O Estado não deve se misturar com o “clero”.

  68. J.B.CRUZ

    -

    08/03/2012 às 12:03

    Se estamos em uma DEMOCRACIA (GOVERNO DO POVO PARA O POVO),que respeite a opinião da maioria, que é histórica..Afinal a primeira ordem religioosa que se aportou no BRASIL foi a COMPANHIA DE JESUS (CATóLICA) tendo á frente OS PADRES JOSÉ DE ANCHIETA e PADRE MANOEL DA NÓBREGA…Como disse o REI: O ESTADO É LAICO,MAS A NAÇÃO É RELIGIOSA…Todas as Religiões são bem-vindas!!

  69. pedrao

    -

    08/03/2012 às 11:59

    Elles estão cada vez mais petulantes! Dá para imaginar o que farão se ficarem muito tempo incrustados no poder!Os comunas vão tentar apagar os símbolos religiosos que marcaram a história da civilização ocidental e a do Brasil. Para isso elles devem convocar as sapatonas gaúchas, alguns padres “pogressistas”,”professores” de universidades federais e da usp bem como sindicalistas avermelhados.
    O calendário gregoriano será mudado para calendário corintiano;
    A cruz do descobrimento,na Bahia será substituida por uma estátua do Jaques Wagner;
    O Cristo Redentor,no Rio, será demolido e uma nova estátua, mais alta, de Marx, será construida;
    Estátuas dos doze apóstolos,onde estiverem ,serão substituidas pelas estátuas dos juízes do TJ-RS;
    As cidades com nomes de santos serão mudadas para nomes dos “eróis” revolucionários,como, Gramcisvile,Chicovile,Dirceusgrado,Lamarcovile,Stalingrado(vale plágio),Cabralvile,Chavesgrado,Evovile e outros.As cidades com nome de santas ,idem. Só São Paulo ,a jóia da corôa,será mudado para Lullavile-primeiro e único;
    E as imagens em lugares públicos e privados,de Jesus, deverão ser substituidas,através de medida não provisória ou de emenda à nova constituição que será imposta, pela foto do Che, em preto e branco.
    Na URSS,com todo o poder e prepotência, as mudanças aguentaram por setenta anos e foram procrastinadas.
    Aqui,no Brasil, será que elas aguentam as próximas eleições?

  70. Torreal

    -

    08/03/2012 às 11:57

    o argumento eh muito mais simples do que o texto indica.
    o Estado nao pode interferir na escolha pessoal do cidadao, indicando uma religiao.
    se somos um pais cristao, que os cristaos tenham total liberdade para defender suas crencas em local adequado.
    um tribunal, ou qualquer orgao publico, eh para todos, nao soh cristaos.
    e por fim, se faz parte de nossa cultura, isso eh um fator menor, jah que cultura eh algo que se constroi, algo que muda, se transforma.
    e que bom que conseguimos essas transformacoes.
    senao, culturalmente, ainda defenderiamos a escravidao, utilizando um exemplo bem raso.

  71. Leniéverson Azeredo

    -

    08/03/2012 às 11:38

    Reinaldo, surgiu uma luz no fim do túnel, vejam a notícia que acabo de ler.
    http://polibiobraga.blogspot.com/2012/03/dem-quer-anulacao-da-decisao-que-manda.html

  72. Ricardo

    -

    08/03/2012 às 11:32

    Imaginemos por um segundo o seguinte cenário: nunca houve crucifixo algum em nenhum tribunal ou qualquer outra repartição pública.
    Sentiríamos a sua falta?
    Mais tarde, em algum momento, alguém poderia vir com a seguinte ideia:
    - Por que não colocamos crucifixos em todas as repartições públicas? Afinal, eles “concentram valores da nação brasileira, de sua história e de sua formação”.
    Concordaríamos com essa sugestão?
    Nenhum argumento me convence de que eles devessem mesmo ter sido colocados lá, em primeiro lugar. Mas agora que foram colocados, pergunto:
    Removê-los ofende aos cristãos?
    Tolo é o argumento que, baseado numa suposta coerência na ação, recomenda a retirada da estátua do Cristo Redentor do Corcovado, pois, até onde me consta, o corcovado não é nenhuma repartição pública.
    E não me parece que a decisão do tribunal esteja sugerindo que se acabe com todos os símbolos cristãos, mas apenas que sejam removidos quaisquer símbolos religiosos das repartições públicas. Que fique claro este ponto: não se trata de perseguição aos cristãos, como querem alguns. Essa decisão não se dirige a símbolos religiosos cristãos especificamente, mas a qualquer símbolo religioso.
    Peças que, por seu valor histórico individual, se enquadrem na categoria de obras de arte podem ser removidas para locais mais apropriados à sua contemplação.
    Todavia, é óbvio que isto não se aplica aos bens religiosos imóveis, de distinto valor histórico, que se encontrem em locais onde o Estado exerce suas funções. A destruição ou remoção destes, sim, traria enormes prejuízos ao nosso patrimônio histórico e cultural.
    Vejam: as tradições africanas também representam muito da história e formação da nação brasileira e nem por isso os que criticam a decisão tomada no Rio Grande do Sul achariam aceitável que um magistrado, filho de umbanda, exibisse, em cima de sua mesa de trabalho, ao lado do indefectível martelinho e da representação da deusa Têmis, a estátua do Caboclo Pena Branca ou do Exu Zé Pilintra. No que estariam certíssimos em discordar. Locais onde se prestam serviços públicos não combinam com símbolos religiosos. Simples assim.
    Em tempo: sou teísta e cristão, e ainda assim defendo a total desvinculação entre o Estado e as religiões, todas elas.

  73. Josue Andrade Gomes

    -

    08/03/2012 às 11:27

    Engraçado que ninguém protesta propondo o fim dos feriados religiosos oficiais. Afinal se o estado é laico não faz sentido que os feriados religiosos sejam oficiais. Em tempo, sou ateu e sou CONTRA a retirada dos crucifixos.

  74. Orlando

    -

    08/03/2012 às 11:24

    O Brasil de hoje me lembra os filmes e depoimentos sobre a União Soviética dos anos 30 e 40.
    Aqueles homens e mulheres com suas estrelas vermelhas nos quepes ou uniformes;cegos para qualquer linha de pensamento que não a do partido.Incapazes de formular uma tese inteligente que sustentasse seus princípios, queriam calar a todos com ameaças de prisão, gritos ou armas.E havia a mesma cruzada contra o cristianismo e seus símbolos.
    De uma forma semelhante vemos o mesmo se repetir aqui no Brasil do século 21.
    Só que, agora, a história se repete como uma farsa burlesca.

  75. nana

    -

    08/03/2012 às 10:59

    A maior intolerante é a caprichosa igreja ou se joga no time dela ou a fofoca, uma covarde modalidade de inquisição criada pela por ela, faz o serviço de arruinar quem se coloca em seu caminho. A inquisição não matou mais no Brasil porque os portugueses eram muito menos sanguinários que os espanhóis, por exemplo. Os feriados religiosos são uma afronta.

  76. Adnor Pitanga

    -

    08/03/2012 às 10:51

    Caro Reinaldo, com tanta bobagem sendo dita ultimamente no Brasil, acho que seria legal que você retomasse o inesquecível FEBEAPÁ, do Stanislaw Ponte Preta (se eu errei o nome do autor, perdão). Para os que são muito jovens, FEBEAPÁ significava Festival de Besteira Que Assola o País. Essa caça aos crucifixos seria o primeiro da lista.
    Parabéns pela luta que você trava diariamente em favor do bom senso.

  77. Franz S. Borges

    -

    08/03/2012 às 10:50

    Se você, Reinaldo, defende a ditadura do catolicismo como único representante do povo brasileiro nos órgãos públicos; defenderá também a ditadura de um governo por ser maioria nas eleições – que tal o PT? cuja presidente(a) tem quase 80% de popularidade? E o crucifixo não é um bom símbolo, representa o sacrifício de um ser humano que nós não queremos repetir com ninguém. Ninguém deixa de cometer deslizes porque tem um símbolo religioso em sua parede, isso é notório.
    Por esses fatos abandonei qualquer denominação religiosa, fica essa briga de torcidas às vezes levando até a guerras. Nenhum radicalismo é bom, a história está cheia de fatos tristes em nome da religião, não vejo por que a maioria deve sufocar a minoria em termos de consciência. E assim o catolicismo vai perdendo adeptos cada vez mais.

  78. Ali

    -

    08/03/2012 às 10:46

    Se são lésbicas, como podem ser cristãs, se pregram exatamente o contrário? Acho que esses “machões” que querem impor sua vontade deveriam é ser enquadrados nas leis de intolerância ou se quiserem, podem mudar para o Oriente Médio, onde seriam “muito bem tratadas” e não teriam que tolerar esse “papo furado de cristão”… Vão lá, depois contem o que viram.

  79. Néder

    -

    08/03/2012 às 10:37

    Parábens por seu texto. Reflete a situação que vivemos em nosso país, com as ditas “minorias”, através de alguns desajuízados (desembargadores, advogados), que querem, à todo custo retirar até mesmo, se possível, a fé que cada cristão do Brasil tem. Tudo em nome do estado laíco. Hora eu sou leigo, tenho minha fé, faço parte do estado, como agora afirmam que o mesmo é laíco? Essas pessoas não fé no coração e nem no cérebro, o que eles tem são fezes no coração e no cérebro.
    Obrigado pela partilha de seus artigos.

  80. norma sylvia

    -

    08/03/2012 às 10:34

    Reynaldo pode ter certeza estão começando pelos crucifixos e símbolos católicos, mas o alvo é outro. Eles querem, na verdade, fazer uma nova constituíção, porque essa eles não querem obedecer porque o pessoal do PT e aliados sempre apregoaram que a constituição brasileira é “burguesa”. Depois que derrubarem os símbolos católicos sob o argumento de que o Estado é laico, eles quererão derrubar a Constituição de 88 sob o fundamento de que a expressão do preâmbulo “sob a proteção de Deus” não cabe, é inconstitucional por ser o Brasil um Estado laico. Isso é uma orquestração.

  81. Dario

    -

    08/03/2012 às 10:34

    Seu blog é um refúgio de lucidez nesse mundo insano.

  82. Jorge Silva

    -

    08/03/2012 às 10:30

    A proibição é intolerância sim! Não existe lei que OBRIGUE as repartições de colocarem um crucifixo na parede. Só por isso não vejo motivo para uma lei PROIBINDO tal coisa. Assim como eu coloco a foto dos meus filhos na minha mesa em que eu trabalho, não vejo problema em juízes e desembargadores católicos resolvam expressar sua fé. Ainda mais recorrendo a um símbolo tradicional que formou nossa nação. Qual seria o problema de colocarem um quadro com as caravelas do Descobrimento do Brasil? Sei que muita família brasileira mora no país há duas ou três gerações e muitos não são descendentes de portugueses, principalmente daqueles do século XVI (tenho um amigo que é neto de italianos por parte de pai e de mãe), mas isso seria motivo para retirar um quadro do descobrimento do país? Se o Brasil, inicialmente foi moldado pela doutrina católica dos jesuítas, qual o problema em ostentar este símbolo que remete à história do nosso País?

  83. haroldo

    -

    08/03/2012 às 10:30

    Prezado Reinaldo,
    Concordo com vc…….e olhe que isso é um fato raro….kkkkk. Perfeita sua análise!!!!!!

  84. Fabio

    -

    08/03/2012 às 10:28

    Se me permite, estou achando esse debate sensacional. Várias pessoas argumentando de ambos os lados, e com argumentos interessantes. A leitura dos seus textos e os comentários estão me fazendo refletir bastante. Sou Espírita (Kardecista), e um dos fundamentos básicos dessa Doutrina é o livre arbítrio. Portanto, prega o respeito a todas as religiões. Por mais que eu discorde em alguns pontos de você, como é o caso neste debate, em um eu nunca discordarei: democracia, igualdade. Parabéns por aceitar e publicar argumentos contrários. Isso é democracia pura. Sinto-me a vontade quando discordo, pois sei que serei respeitado em meus argumentos, por mais que você discorde deles.
    Reinaldo, uma dúvida: quando você se refere a Cristãos, você se refere a todas as religiões Cristãs ou especificamente ao Catolicismo? Na História do Brasil, e aqui está o ponto em que discordo de você, tenho a impressão de que o Catolicismo foi em um primeiro momento mais imposto do que seguido livremente. Lógico, desde muito tempo a imensa maioria das pessoas abraçam o Catolicismo por livre escolha. O que quero dizer é com relação à formação do Brasil enquanto Nação. Vide a atuação dos Jesuítas, a quem foi atribuída a tarefa de ensino da população pela metrópole. Vide o critério adotado por Portugal para permitir a entrada de colonos no Brasil: ser Católico. Assim, é natural que o Catolicismo tenha uma grande tradição e história em nosso país. O contato com outras religiões era dificultado. Com o tempo, com a liberdade de escolha, muitos abraçaram o Catolicismo. Mas quando houve o contato com outras religiões, o que era impossibilitado no início de nossa colonização, houve pessoas escolhendo outras religiões, por nelas encontrar respostas, conforto, orientação, enfim. O fato de o Brasil ser Católico deve-se a inúmeros fatores, mas sua origem está em sua colonização.
    E que país fantástico somos! Apesar das mazelas trazidas por uma minoria que o prejudica (não preciso dizer a quem me refiro), somos um povo de muitos predicados. Um deles é a preferência por ostentar um símbolo religioso, perene, indicador de busca do bem e de bondade, ao invés de ostentar um símbolo transitório e interesseiro político, como suásticas, foices e martelos, ou estrelas. Quem proibiu o crucifixo e outras manifestações creio que baseou-se no argumento de igualdade para todas as religiões. Mas, olha, não sendo Católico, não me ofendo com o crucifixo. O vejo, conforme disse, antes como um traço de formação de nossa sociedade do que de opção religiosa (espero ter sido claro neste ponto). Acho que deveria ser proibido proibir manifestações próprias de nossa cultura, sejam quais forem os matizes que ela apresente. E permita Deus que sempre este povo escolha louvar religiões à políticos!

  85. Sofia Maria

    -

    08/03/2012 às 10:24

    Gente,vou falar mais uma vez : não são os ateus e agnósticos que são favoráveis à retirada de crucifixos,são os IGNORANTES ,os MEDÍOCRES!!!

  86. Bruno Linhares

    -

    08/03/2012 às 10:22

    Confira a nota pastoral de um bispo do RS:

    DOM ANTONIO CARLOS ROSSI KELLER
    PELA GRAÇA DE DEUS E DA SANTA SÉ APOSTÓLICA
    BISPO DE FREDERICO WESTPHALEN (RS)
    Nota Pastoral
    a respeito da determinação do Tribunal de Justiça
    do Estado do Rio Grande do Sul,
    determinando a retirada dos símbolos religiosos dos locais públicos da Justiça.

    O Conselho da Magistratura do TJ – RS determinou, nesta última terça feira, dia 06 de março, a retirada de todos os símbolos religiosos presentes nos prédios da justiça gaúcha.

    O pedido para tal decisão tem a sua origem na Liga Brasileira de Lésbicas, através de uma solicitação protocolada em fevereiro de 2012. Tal decisão contraria o que a antiga administração do TJ – RS já tinha deliberado sobre esta questão, entendendo, na ocasião, não existir qualquer princípio preconceituoso na instalação de símbolos religiosos nas dependências dos prédios da justiça.

    Como Bispo Diocesano, quero, através desta Nota Pastoral, expressar minha surpresa e meu repúdio a tal decisão.

    É lamentável que o egrégio Tribunal de Justiça dobre-se diante da pressão de um grupo determinado, ideologizado e raivoso, contrariando a opinião da grande maioria da população do Estado do Rio Grande do Sul.

    A interpretação dada pelo excelentíssimo relator daquilo que é a laicidade do Estado revela distorção de visão.

    Como em outros países, orquestram-se movimentos pela expulsão do crucifixo das salas dos tribunais, das escolas e de outros lugares públicos, sob o pretexto de que o Estado deva respeitar as religiões que não adotam o mesmo símbolo, bem como aqueles que não adotam nenhuma forma de expressão religiosa.

    Países com elevada tradição jurídica já rechaçaram tais argumentos, demonstrando cabalmente que a exposição passiva, em público, de símbolos religiosos não pode ser entendida como um proselitismo estatal de favorecimento a algum culto, ou como uma afronta à liberdade dos que ou não professam a fé em Cristo ou não professam algum tipo de fé.

    No Brasil, o próprio Conselho Nacional de Justiça indeferiu tal pretensão, afirmando que a presença de um símbolo religioso, in casu o crucifixo em uma dependência de qualquer órgão do Judiciário, “não viola, não agride, não discrimina e nem sequer perturba ou tolhe os direitos e a ação de qualquer tipo de pessoa”, na expressão do então Conselheiro Oscar Argollo.

    “A liberdade religiosa consiste na liberdade para professar a fé em Deus. Por isso, não cabe argüir a liberdade religiosa para impedir a demonstração da fé de outrem em certos lugares, ainda que públicos. O Estado, que não professa o ateísmo, pode conviver com símbolos dos quais não somente correspondem a valores que informam sua existência cultural, como remetem a bens encarecidos por parcela expressiva da sua população – por isso, também, não é dado proibir a exibição de crucifixos ou de imagens sagradas em lugares públicos”. [1]

    Diante de tal decisão, como Bispo Diocesano, venho solicitar:

    1. AOS EXCELENTÍSSIMOS SENHORES MAGISTRADOS dos Fóruns das Comarcas presentes na área compreendida pela Circunscrição Eclesiástica da Diocese de Frederico Westphalen, RESPEITOSAMENTE, a entrega dos símbolos religiosos católicos (crucifixos, demais imagens sagradas, Bíblias, etc..), caso os mesmos pertençam ao Tribunal e não ao Poder Judiciário, para os respectivos párocos das Paróquias Sedes das mesmas Comarcas, para que os mesmos custodiem as referidas imagens e delas cuidem.

    2. AOS REVERENDÍSSIMOS SENHORES PÁROCOS das Paróquias nas quais existam Fóruns, que recebam os símbolos religiosos católicos das mãos dos Excelentíssimos senhores Magistrados, emitindo um recibo em três vias, detalhando o que foi entregue, sendo uma via para o Excelentíssimo senhor Magistrado, uma via para a Paróquia e uma via para a Cúria Diocesana.

    3. AOS SERVIDORES PÚBLICOS DA JUSTIÇA, que professam a fé católica, que mantenham os sinais religiosos católicos que costumam usar pessoalmente (terços, escapulários, medalhas, crucifixos, etc…) e que, no esmero do trabalho em favor da justiça, especialmente no serviço dos mais necessitados e carentes dela, demonstrem sua fé católica, mantendo Jesus Cristo, Nosso Senhor, sempre presente nestes ambientes públicos.

    Podem nos tirar os crucifixos e as imagens expostas em locais públicos. Mas jamais poderão tirar de nós a fé e a adesão aos princípios e valores do Evangelho.

    Dada e passada em nossa Sede Episcopal, aos sete dias do mês de março do ano do Senhor de dois mil e doze.

    + Antonio Carlos Rossi Keller

    Bispo de Frederico Westphalen (RS)

  87. Epamimondas

    -

    08/03/2012 às 10:21

    Então hoje os tribunais tem crucifixos porque nossa formação histórica tem contribuição cristã.

    Mas isto é mera questão geográfica. Portugual era cristão, fomos colonizados por eles, portanto… Precisamos dos crucifixos!

    Se o planeta tivesse outro desenho, e o Brasil fizesse frente continental com a China, estaríamos discutindo agora se tribunais deveriam ou não ter uma estátua de dragões…

    Os valores que dizem o crucifixo representar são valores comuns A TODOS agrupamentos humanos. Isto é inerente a socialização e a civilização, não ao credo praticado. Ou islâmicos não amam o próximo? Judeus não perdõam?

  88. Renato

    -

    08/03/2012 às 10:13

    90% dos brasileiros são cristãos, mas isso não significa que eles vejam no crucifixo um elemento de representação. Os evangélicos, por exemplo, não veneram imagens.

  89. Paulo

    -

    08/03/2012 às 10:11

    Reinaldo, sou budista e não consigo entender como o crucifixo, o presépio, a estátua de buda ou qualquer outro símbolo religioso colocados em qualquer lugar podem causar embaraço ou ofender alguém

  90. Ze Gomes

    -

    08/03/2012 às 10:08

    Reinaldo, lembrando aqui uma passagem em Lucas:
    “Então, os apóstolos chegaram para Jesus e disseram:
    - Vimos um homem, um principe que vendeu tudo que tinha e vive por aí, fazendo todas as coisas que fazemos, porém ele não anda conosco. Que devemos fazer? Devemos repreendê-lo e proibi-lo?
    E disse Jesus:
    - Não! Deixai-o, pois quem não é contra nós, é por nós.

    (eu não sei quem era este homem, este principe que largou tudo para outra vida de solidariedade e busca. Mas sei, que embora não haja a menor relação histórica, a descrição do homem caberia perfeitamente em Sidarta- Buda, que possui ensinamentos e filosofias muito similares as do cristianismo, pois é possível encontrar provèrbios iguais aos de Buda na Bíblia, em Provérbios e em Eclesiastes, daí se dizer “quem não é contra nós, é por nós” )

  91. Brasileiro sofredor

    -

    08/03/2012 às 10:05

    “Ele é que não se conforma com o fato de que a Revolução Francesa tenha matado em quatro anos mais do que o Santo Ofício em quatro séculos”. Não precisaria nem comparar com a Revolução Francesa. No glorioso estado “laico” brasileiro, defendido (defendido mesmo?) pela OAB, num único ano (50 mil homicídios), mata mais pessoas do que a Inquisição Católica em 4 séculos!

  92. Wilker Delgado

    -

    08/03/2012 às 10:00

    Stalin é com N. Daqui a pouco eu pego a doença do Vladimir Safatle e escrevo ‘ad hominen’

  93. Wilker Delgado

    -

    08/03/2012 às 9:53

    Reinaldo, com certeza você recebe inúmeros comentários de ateus fundamentalistas com uma listinha de versículos e passagens do velho testamento tratando de guerras, pestes e infanticídios. Essas “mentes iluminadas” acreditam que a melhor maneira de mostrar que estão corretos é fazendo proselitismo do ateísmo, a nova religião dos filhos do Richard Dawkins. Esquecem, por ignorância ou cara-de-pau mesmo, que onde o estado se tornou ateu não faltou carnificina e sangue jorrando pra todo lado. Poderíamos começar com o açougueiro chamado Josef Stalim.

  94. Edenilson Francisco

    -

    08/03/2012 às 9:50

    Errata;

    Onde se lê; Já nos púlpitos das igrejas reais, virtuais e televisivas o porrete, talvez feito com a madeira que poderia servir de fato para indicar os valores supracitados, é usado sem compaixão.

    Leia-se; Já nos púlpitos das igrejas reais, virtuais e televisivas o porrete, talvez feito com a madeira que poderia servir de fato para indicar os valores citados, é usado sem compaixão.

    Grato!

  95. anônima-RJ

    -

    08/03/2012 às 9:50

    Parabéns, Reinaldo, mais uma vez. Sou judia e sou contra a retirada destas obras de arte. Em tempo, não sou a favor de que a minha religião seja representada ou qualquer outra.
    Um absurdo!!!

  96. José Luiz

    -

    08/03/2012 às 9:45

    Será que na tal Liga Brasileira de Lésbicas não há mulheres cristãs, para contestar tal absurdo? Desse modo fica até parecendo que toda lésbica é ateia.

  97. neusely

    -

    08/03/2012 às 9:44

    Falta de ter o que fazer, não tem capacidade para nada ,então fica mexendo com religião, ,desocupados hipócritas ,garanto que todos fez seu casamento na igreja, e o cristo estava la,com tanta miseria estes loucos vai mexer no que esta no lugar certo

  98. Edenilson Francisco

    -

    08/03/2012 às 9:42

    Olá Reinaldo!
    “A religião da maioria, é bom destacar, vive em harmonia com todas as outras crenças.”

    Não, não vive, sendo umbandista posso lhe contradizer pois a realidade do dia a dia sentida na pele, nas palavras e nos atos me faz sentir na pele que tal harmonia se encontra, na maioria das vezes, no papel bíblia.

    Já nos púlpitos das igrejas reais, virtuais e televisivas o porrete, talvez feito com a madeira que poderia servir de fato para indicar os valores supracitados, é usado sem compaixão.

    Umbandistas e candomblecitas tem sua fé, tradições, liturgias e costumes vilipendiados pelos cristãos, os mesmos que você observou, profitentes de uma corrente religiosa que tem valores éticos tais como justiça, caridade, igualdade.

    “A ÚNICA PERSEGUIÇÃO QUE HÁ NO BRASIL É AOS CRUCIFIXOS.”

    Não, de novo, não. Você desconhece a realidade que vivenciam muitos adeptos da Umbanda e do Candomblé, seus filhos são humilhados em escolas públicas por professores e funcionários cristãos, expulsos e ameaçados de morte nos morros por conluios entre traficantes e pastores cristãos, tem seus pedidos de regularização de templos dificultados até não mais poder por funcionários cristãos nos órgãos públicos e após a vitória da regularização, conviver com falsas denúncias de perturbação, com visitas de fiscais, cristãos, que extrapolam suas funções.

    Ah mas para isso existe a lei, dirá você, sim existe a lei, a lei que também é exercida por muitos funcionários cristãos, e pelos quais rezamos muito para que enxerguem os valores éticos que o Cristianismo observa e não o que suas denominações religiosas doutrinam como correto. Quer um exemplo? Uma mãe perdeu a guarda de seu filho no RJ por ser adepta do Candomblé, apenas por isso. É um absurdo? É, mas aconteceu num tribunal brasileiro onde as tradições de igualdade, justiça e caridade cristãs norteiam ou deveriam, já que ali se faz presente a tradição dos valores universais, as decisões.

    O que dizer do aviltamento dos padres da Renovação Carismática nos seus sermões citando entidades espirituais do universo umbandista, tais como Caboclo, Preto Velho e Exu, demonizando-os, tal como fez a igreja cristã no período da colonização brasileira, inclusos indígenas, africanos, muçulmanos, judeus e mesmo após?

    Temos marcada em nossa história a perseguição religiosa ao terreiros feito pela Santa Igreja, e antes a qualquer tipo de manifestação religiosa que não fosse a tradicional e correta denominação cristã, onde pais de santos eram presos, objetos de culto destruídos, e não somente terreiros de Umbanda e Candomblé, mas Casas Espíritas.

    Não Reinaldo, não posso concordar que a única perseguição que ocorre sejam ao crucifixos, a realidade me diz outra coisa. Os valores essenciais do cristianismo e os valores essenciais do laicismo deveriam de fato estar no centro das discussões, mas aqui em baixo, a conversa é bem outra.

    Abraços Fraternos!

  99. Pedro

    -

    08/03/2012 às 9:23

    Caro Reinaldo

    moro na França e aqui todo símbolo religioso é proibido em repartições públicas, dentre outras restrições. Basicamente, essa regra fere os muçulmanos, que possuem símbolos mais chamativos.

    Permita-me lembrar o seguinte caso. No ano passado, uma funcionária pública muçulmana foi proibida de usar o véu.

    Detalhe: a “funcionária pública” era uma ALUNA DE DOUTORADO. Formalmente, todo bolsista de doutorado na França é funcionário público, pois assinamos um contrato de trabalho com o governo para receber a bolsa. A doutoranda em questão passava o dia inteiro dentro de um laboratório, sem qualquer contato com o público, evidentemente.

    É esse tipo de coisa que estamos vendo: o laicismo é uma simples desculpa para a intolerância. Na França, intolerância da maioria contra os muçulmanos; no Brasil, das minorias organizadas contra nossa história, cultura e tradição.

    Em tempo: sou agnóstico, mas o que vai acima não é uma questão religiosa.

  100. nivia

    -

    08/03/2012 às 9:20

    obrigada Reinaldo pelo excelente texto! leitura obrigatória para cristãos e anticristãos!

  101. Silva

    -

    08/03/2012 às 9:18

    Há um adolescente que está vibrando e reunindo 365 religiões inclusive a greco-romana, da tal deusa da Justiça de espada, balança e olhos vendados, porque assim será decretado feriado nestes dias todos e ele não irá à escola. Parece um raciocínio bem infantil mas não tanto quanto esse de banir crucifixos.

  102. Manoel

    -

    08/03/2012 às 9:05

    Mais uma vez, excelente, caro Reinaldo. Faço minhas suas palavras.
    Parabéns pela sua coragem!!!

  103. OSWALDO RIBEIRO

    -

    08/03/2012 às 9:02

    TUDO O QUE ESTA ACONTECENDO NESTE PAIS E OBRA DE DESOCUPADOS E CORRUPTOS. TOMEM COMO EXEMPLO OS ESTADOS UNIDOS, QUE APESAR DE TODOS OS PROBLEMAS, E A NAÇAO MAIS DEMOCRATICA DO MUNDO. LA NINGUEM SE METERIA A BESTA DE MUDAR UMA COISA HISTORICA E QUE NAO OFENDE, MAGOA OU ATRAPALHA O ANDAMENTO DE QUALQUER REPARTICAO PUBLICA. SAO ESSES MESMOS DESOCUPADOS QUE AO MENOR PROBLEMA, RECORREM A IGREJA, AOS PADRES, A ORAÇAO E , PIOR DE TUDO, SE CASAM NA IGREJA CATOLICA, COM TODA A POMPA, SOB O SIMBOLO DO CRISTO A QUEM TANTOS ABOMINAM. DEIXEM DE SER HIPOCRITAS E PAREM DE FALAR ” MINHA NOSSA SENHORA” AO MENOR PROBLEMA. O ESTADO E LAICO MAS O POVO NAO.

  104. Anónimo

    -

    08/03/2012 às 8:49

    É isso aí. Valeu. Parabéns.

  105. ELOUQUISA

    -

    08/03/2012 às 8:49

    Luz e trevas não podem andar juntas!Estou sendo radical?Não,é assim que a Bíblia nos ensina!E o que o “regime” quer é banir totalmente os valores morais,os valores da religião e os valores da família(homem,mulher e filhos)!

  106. ESTADO DE DIREITO, JÁ!

    -

    08/03/2012 às 8:45

    OS VAMPIROS DESTE PAÍS ESTÃO AGINDO…..
    -
    -

  107. Filipe Augusto

    -

    08/03/2012 às 8:42

    “Eliminar esses signos corresponde a tentar levar confusão onde ela não está instalada.”

    Mas, não será isso justamente o que se pretende???

    abraço

  108. marceloh.

    -

    08/03/2012 às 8:42

    E verdade seja dita, Reinaldo, mesmo que o debate fosse sobre o tema mórbido de qual visão de mundo matou mais pessoas, ele já começaria falacioso se se imputasse qualquer ato que em último caso transgredisse os mandamentos bíblicos (como o amor ao próximo). Traduzindo: ninguém é cristão só por dizer sê-lo (a Bíblia abundantemente afirma uma relação necessária entre a fé em Deus e à obediência aos seus mandamentos), e, portanto, criticar o cristianismo pela má conduta de supostos seguidores é falácia. Já criticar o genocídio no contexto de uma cosmovisão ateísta NUNCA será válido, pois debaixo do ateísmo/naturalismo, ONDE IMPERA O RELATIVISMO MORAL, não há base objetiva, não há qualquer imperativo ético para sequer falarmos de dignidade humana. Antes, debaixo deste quadro, a regra que deve valer é a luta dos mais fortes contra os mais fracos. Debaixo do naturalismo, É TOTALMENTE ARBITRÁRIO aplicar as teorias da evolução a tudo menos as relações sociais. Até pode existir uma espécie de contrato social, até se podem inventar consensos de dignidade humana entre os diferentes povos, MAS PERMANECE O FATO que o fundamento disto é puramente ARBITRÁRIO E PRAGMÁTICO.
    Só o cristianismo dá base objetiva para a dignidade humana.

  109. Maria Helena

    -

    08/03/2012 às 8:29

    Das duas, uma: ou essa turma de rebeldes por falta de opção não tem o que fazer, ou não respeita limites pra montar um circo (Com a possibilidade de ser as duas coisas juntas). Por que elas se incomodam tanto com um simples crucifixo numa parede de repartição pública? Será que um olhar pra figura sofredora de um Cristo pode provocar-lhes tanto remorso ou algum constrangimento? Pra mim – e sou agnóstica! – o máximo de desconforto que um crucifixo pode causar é estar em desacordo com a decoração do ambiente. Gente fresca!

  110. morg

    -

    08/03/2012 às 8:19

    Moderador,
    1 – na 4a. linha do 4o. parágrafo: “…A NAÇÃO É RELIGIOSA.”
    2 – na 6a. linha do 6o. parágrafo: “…nos cursinhos,”
    morg

  111. Aparecida

    -

    08/03/2012 às 8:18

    Esses tolos que são minoria dentro da Nação Brasileira são respeitados democraticamente pela maioria de plasmou essa Nação Brasileira desde sempre. Mas não respeitam a maioria que tem sua vida e sua história ligada ao crucificado que morreu por todos, Filho de Deus Pai, que pregou a paz, o amor e o perdão que tanto incomoda os descendentes de seus algozes que o perseguem hoje.

  112. jorge

    -

    08/03/2012 às 8:11

    Nao gosto da revolução francesa.Nem da Igreja Romana…

  113. jgomes

    -

    08/03/2012 às 8:01

    Reinaldo,
    Que se tirem os crucifixos e em seus lugares coloquemos símbolos laicos. Vai ficar bonito ver aquele belo painel de mármore com uma suástica nazista, ou com a foice e o martelo, em vez do Cristo Redentor, um imenso livro vermelho do Mao. O que tem de vivente que-
    rendo aparecer hoje é uma grandeza,nem que seja com os mais ridículos motivos. Governo petralha é isto.

  114. Natal Santana

    -

    08/03/2012 às 8:01

    Queria ver essa Liga Brasileira de Lésbicas fazendo semelhante ato no Irã… na Coréia do Norte, em Cuba… ou nos países árabes. Iriam descobrir como, ao contrário do cristianismo, as outras religiões (ou falta delas) tratam as mulheres! Dizer bobagens aqui é fácil. Volto ao mesmo argumento: onde está a oposição crucifixo X liberdade sexual? As lésbicas têm o quê, contra esse símbolo? Em que, ele se opõe ao que praticam e divulgam?

  115. Angelo fossaluza

    -

    08/03/2012 às 7:56

    Se formos seguir a regra, porque nâo derrubar o Cristo Redentor e todos os outros Cristos em cidades brasileiras. Mas cade a coragem politica?

  116. Hélio Pimentel

    -

    08/03/2012 às 7:51

    Eu acho uma besteira retirar os crucifixos, mas seus argumentos mostram que o maior preconceito que existe é contra os ateus. Eu sou ateu e não tenho nada a ver com os assassinatos dos comunistas.

    E, da mesma forma que não precisamos manter símbolos da Grécia Antiga, do Império Romano ou do Império Português, não precisamos manter os símbolos da Igreja Católica.

  117. Edu,o indignado

    -

    08/03/2012 às 7:51

    Reinaldo,esta afirmaçao do estado estado laico ,para retirar crucifixos,e uma tremenda enganaçao.Todos sabemos que o Brasil nao e o Irã,e nenhum juiz julgaria de maneira menos isenta,pela presença deste simbolo religioso.Sera que o ministro do STF Luis Fuchs,de origem judaica como eu,se sente incomodado durante os julgamentos,pela presença da cruz de Cristo?A verdade e que algumas Ongs defensoras das minorias sexuais,querem vingar-se da Igreja Catolica,por esta nao aceitar o casamento religioso homossexual.Brigar com o catolicismo e facil,pq este nao se defende,o Islã tambem nao aceita esta uniao homo,mas ai o buraco e mais em baixo,acaba em apedrejamento e fogueira.O diretor da BBC,acaba de declarar,que existe um filtro na Tv,em relaçao ao que pode ser mostrado ao publico,quando se trata de alguma reportagem,documentario que envolva Maomé,por medo do que possa acontecer a seguir.

  118. Sandra

    -

    08/03/2012 às 7:41

    Senhores protestantes e de religiôes não cristãs: os senhores não perceberam que serão os próximos?
    Já viram como a China trata o Tibet? A tchurma não quer a concorrência do divino. Caem os católicos, depois os evangélicos e depois os demais. Depois vão chorar como um tal senador.

  119. Hermes

    -

    08/03/2012 às 7:35

    Militância anti-religiosa é uma forma de IMPOR o ateísmo e não a laicidade do Estado.

  120. Olegário

    -

    08/03/2012 às 7:23

    Lembremos-nos da Maria Magdalena, uma das principais seguidoras de Jesus, tirada por ele da condição mais reles na escala social da época. As lésbicas, mesmo com direito a outra preferência, continuam sendo mulheres, e deveriam, no mínimo, reconhecer a importância históriaca do cristianismo para a valorização da mulher.

  121. Elcio

    -

    08/03/2012 às 7:15

    Desculpe, Reinaldo, mas acho que seus argumentos forçam um pouco a barra. N mundo de hoje o símbolo religioso pendurado atrás de um juiz não influi em nada e apenas representa, sim, os ansios religiosos de parcela da população, e não de toda. A justiaã é de todos. Ou colocamos ali também uma Iemanjá e outros, ou nada. De preferência nada. E esclareço que sou agnóstico.

  122. elianemoura

    -

    08/03/2012 às 7:10

    Não tenho religião, não acredito em Deus, mas um crucifixo NÃO ME OFENDE, JAMAIS!!!
    Como tb não me sinto ofendida se alguém diz que vai rezar por mim, pq ela quer dividir comigo uma coisa que lhe é cara, e isso é carinho.
    Pode contar comigo nessa briga; se alguém se sente ofendido por um crucifixo que vá lamber sabão!

 

Serviços

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados