Blog Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo

Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

sobre

Reinaldo Azevedo, jornalista, escreve este blog desde 2006. É autor dos livros “Contra o Consenso” (Barracuda), “O País dos Petralhas I e II”, “Máximas de Um País Mínimo — os três pela Editora Record — e “Objeções de um Rottweiler Amoroso” (Três Estrelas).

“Esse Israel tem de desaparecer”. E ninguém soltou um pio de protesto!

Por: Reinaldo Azevedo

É curioso! Muitos analistas brasileiros atribuem aos palestinos a candura que eles próprios não se atribuem. Imaginem se um diplomata israelense de um recanto qualquer dissesse: “Essa Autoridade Nacional Palestina deve desaparecer…” Seria um escândalo. Na sexta, numa palestra a universitários, Ibrahim Alzeben, embaixador palestino no Brasil, afirmou com todas as letras: “Esse Israel deve desaparecer”.

Para que não pesasse nenhuma dúvida sobre o que ele estava querendo dizer, fez questão de deixar claro: “E não é o embaixador do Irã nem o presidente (Mahmoud) Ahmadinejad quem está falando”. Logo, ficou evidente que ele não estava querendo dizer que Israel tem de desaparecer da Cisjordânia. É desaparecer do mapa mesmo, conforme pregou Ahmadinejad. Mas, claro, muitos dirão: “Ah, ele não manda nada!” Pois é! Ele reflete um debate interno, quem sabe uma estratégia.

Ciente de que o Hamas, que também acha que Israel tem de desaparecer, não vai parar de jogar foguetes contra Israel, Alzeben afirmou: “Israel está preparando provocações para um novo conflito. Duvidem da origem dos próximos foguetes partindo da Palestina”. Afirmou ter informações da contra-inteligência segundo as quais Israel estaria infiltrando agentes em Gaza para disparar mísseis contra o próprio território, entenderam?

Estado judeu
Ao afirmar que “esse Israel tem de desaparecer”, Alzeben escancara a natureza da “luta”, que muitos especialistas, inclusive os nossos, se negam a admitir.

Quando a Autoridade Nacional Palestina se nega a reconhecer Israel como um “estado judeu”, quer deixar a volta dos ditos “refugiados” como uma causa a pautar as gerações futuras. Como não conseguem eliminar “esse Israel” pelas armas, sonham um dia eliminá-lo pela demografia.

Não vai acontecer. “Esse Israel” não vai desaparecer nem de um jeito nem de outro. O anti-semitismo pode estar seguro de que sua luta também não tem tempo para acabar… Arre!

Voltar para a home
TAGs:

Comentários

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA

*

  1. Casiane

    Tenho compaixão por essas pessoas que acham que Israel pode desaparecer, será que não sabem a história dessa nação que tantos já tentaram destruir e não conseguiram, é o mesmo que travar uma guerra com Deus. Leiam a Biblia e encontrarão as respostas.

  2. andreia

    o povo que fala bonito, uns falam melhore que outros , já sei que conhecem bem a historia.
    israel povo santo nação santa

    PODE MANDAR BOMBARDEIO E TUDO MAIS . DIZ: EIS QUE O POVO SE LEVANTA COMO LEOA E SE ERGUE COMO LEÃO; NÃO SE DEITA ATE QUE DEVORE A PRESA E BEBA O SANGUE DOS QUE FOREM MORTOS.
    COMO PODE AMALDIÇOAR A QUEM DEUS NÃO AMALDIÇOOU?COMO PODE DENUNCIAR A QUEM O SENHOR NÃO DENUNCIOU? NM23:8.24

  3. junqueira

    Este Alzeben é um idiota como todos os que pensam da mesma maneira. É só observar como fala asneiras, deve ser amigão do lula, hugo chaves etc, seres amorfos de uma geração bastarda.

  4. ABRAHÃO ISRAEL PITKOWSKI

    Qualquer um que desejar que Israel desapareça do cenário do Oriente Médio, como exemplo de um estado democrático de direito, está tentando dar um tiro no seu próprio pé, seria o mesmo que querer que o sol desapareça.Israel tem dado exemplo para o mundo civilizado, a democracia lá é real, palpável.

  5. Renato

    Estes são os “democratas” que os “pensadores’ do PT admiram!

  6. jandaia

    Espero que voce continue escrevendo e educando o povo brasileiro em um pouco de historia do oriente médio.

  7. […] portugais veja.abril  via erlderofziyon Copyright © Israël Flash – Reproduction autorisée sous réserve de mention […]

  8. […] a un article del periodista brasileny, Reinaldo Azevedo, publicat al seu blog personal el passat Dilluns dia 3 d’Octubre (traduït al castellà per gentilesa del bloc Safed Tzfat […]

  9. Alexandre

    E claro que ninguem soltou um pio! Essa “palestra” foi no dia do ano novo judaico!!! A organização sabia que todos os judeus estariam na sinagoga naquela data e horario!

  10. Sergio Srour

    Parabens pelo excelente artigo, enfim alguem disposto a falar a verdade, nao deixe de visitar o link http://www.memritv.com/ para saber mais sobre a “luta” do Islã no mundo.

    Forte abraço

  11. Deborah Srour

    Reinaldo, muito bom artigo. Escancara mesmo a natureza dos palestinos. Abbas em seu discurso na ONU também o deixou claro quando disse que os palestinos estao ocupados desde o dia da Nakba, da criação do estado de Israel. Em 1948 não haviam territórios ocupados (o que ocorreu em 1967). Assim, está claro que o objetivo deles nunca foi a criação de um estado palestino mas apenas e tão somente a destruição de Israel.

  12. Olá. Sou um dos co-autores da reportagem em questão, e comento aqui porque sou leitor do blog.

    1. Se 10 pessoas escrevessem uma reportagem sobre a palestra, seriam 10 reportagens diferentes.

    2. É evidente que tudo o que está na reportagem foi realmente dito pelo embaixador (ou pelo cônsul de Israel, também entrevistado).

    3. A reportagem não diz que Alzeben pediu a destruição de Israel. Está lá: “O embaixador palestino no Brasil, Ibrahim Alzeben, pregou (…) o fim da ocupação israelense”.

    4. Se existe um “trecho completo”, o trecho completo é esse mesmo: “Esse Israel tem que desaparecer, e não é o embaixador do Irã nem o presidente Ahmadinejad quem está aqui falando”. Não houve interrupção ou outra frase entre uma coisa e outra.

    5. O embaixador, plenamente ciente da presença de jornalistas e inclusive fazendo referências a isso durante a palestra, decidiu usar uma frase forte para condenar a ocupação da Cisjordânia. É notícia! Alguns podem pensar que “pegou mal”. Mas não é responsabilidade do repórter amaciar o que foi dito. Foi o que ele disse: “Esse Israel deve desaparecer”.

  13. Sérgio

    E mais um prêmio Nobel, de Química, para um Israelense, para a inveja dos anti-semitas enrustidos.

  14. PARTIDO - PÊQUÊPÊ

    ..
    TÊSSUTO DO EDGAR FEITOSA (POGREÇÇISTA) COMENTADO POR PARTIDO – PÊQUEPÊ (REACIONARIO)
    ..

    edgard feitosa – 04/10/2011 às 9:48
    .
    EF -Israel não quer e jamais vai permitir a criação do estado Palestino por uma simples razão:
    PPQP – PUXA ! UMA COISA SÓ RESUME TUDO, UMA SIMPLES RAZAO.. NOSSA, ISSO DEVE SER QUENTE…
    .
    EF – o EXPAN SIONISMO israelense não tem limites;
    PPQP – VERDADE, EDGARD … OUVI DIZER QUE JA CHEGARAM NA CHINA, DISFARÇADOS DE CHINESES…
    .
    EF – por outro lado sempre posar de vítima é a sua estratégia hipócrita;
    PPQP – É MESMO, NAO? E É OTIMA, POIS OS PALESTINOS SEMPRE A USAM. OS POGREÇISTA EM GERÁR A USAM BASTANTE…
    .
    EF – interessante que a volta dos palestinos NÂO PODE; mas o EXPAN SIONISMO das colônias nas terras palestinas ISSO PODE,
    PPQP – NAO É INTERESSANTE. É TRAGICO MESMO. E NAO É SIMPLES COMO VOCE PENSA…
    .
    EF – mesmo que tenham que destruir as casas dos palestinos;
    PPQP – NAO ME DIGA ? VOCE SE REFERE AQUELAS CASAS CUJOS PROPRIETARIOS MATARAM INOCENTES, INCLUINDO CRIANÇAS EM ISRAEL ???…
    .
    EF – o povo “ELEITO” por Deus;
    PPQP – OLHA A INVEJA…
    .
    EF – o povo que tem uma “MISSÃO” divina PODE TUDO,
    PPP – OLHA O COMPLEXO DE INFERIORIDADE…
    .
    EF – inclusive holocaustear o povo palestino;
    PPQP – “HOLOCAUSTEAR”…
    .
    EF -um povo que sofreu os horrores nazistas ao invés de aprender a tolerância,
    PPQP – SEI, PELO JEITO VOCE CONHECE BEM HISTORIA E O QUE SE PASSA POR LA… PORQUE SERA QUE ALGUNS PAISES QUE MANDAM DINHEIRO PARA OS TERRORISTAS PALESTINOS FAZEREM O TERRORISMO, ELES NAO MANDAM DINHEIRO PARA HOSPITAIS , ESCOLAS E COMIDA PARA OS CIDADAOS COMUNS PALESTINOS ? NAO É POR FALTA DE DINHEIRO ! E PORQUE SERA QUE QUEM AJUDA DE VERDADE OS PALESTINOS SAO OS AMERICANOS E OS ISRAELENSES ?…
    .
    EF – aplica os mesmos métodos de genocídio como os praticados nos campos de Sabra e
    Chatilla; sob a responsabilidade de Ariel Sharon.
    PPQP – PUXA ! OS PALESTINOS ESTAO SENDO EXTERMINADOS FRIAMENTE, SADICAMENTE E SISTEMATICAMENTE EM CAMARAS DE GAS E EXECUÇOES SUMARIAS ?
    !

  15. OLHANDO O MUNDO

    Luis Jorge e Guilherme Casarões

    Eram muito mais dieretos os dirigentes palestinos de outros tempos. Os atuais fazem joguinho de cena, dizem uma coisa para uma platéia e outra coisa para outras, usam expressões que podem ter mais de um significado, para provocarem os judeus e ao mesmo tempo os desacreditarem diante de dos anti-israelenses.

    Muito mais direta era a fala de gente como o então chefe do departamento militar da OLP Zuheir Muhsin, que disse em 1977 “não há diferença entre jordanianos, palestinos, sírios e libaneses. Todos são parte da mesma nação”, e disse também “ é só por razões políticas que cuidadosamente definimos a identidade palestina, porque é do interesse dos árabes encorajar uma entidade palestina separada por razões táticas. A criação de um estado palestino será um novo instrumento na nossa batalha continua contra Israel.”

    Alguém dirá que isso são coisas antigas. Mas discuros semelhates são ditos todos os dias em Gaza e na Margem Ocidental. A única diferença é que diziam abertamente coisas assim em inglês no passado, e agora, geralmente, só falam essas coisas em árabe (mas o pessoal do Hamas continua sendo sincero e soltam a língua em inglês também).

  16. Sérgio

    “Findou o martírio europeu que durou séculos nas mãos avaras dos judeus.”

    Ora, vai tomar cajú com sua judeofobia de pasquim.

    Foram os europeus sim que explorarm os judeus, que acreditaram ser cidadãos europeus e deram inestimáveis contribuição para a cultura Ocidental como filósofos, cientistas, matemáticos, escritores, músicos e empreendedores e no final foram praticamente exterminados.

    Agora a Europa quer se livrar de sua culpa pelo holocausto posando de moralista e apontando o dedo para Israel. Ora, que cuidem do seu quintal, que vai muito mal. A Europa sempre foi ciclotímica, produzindo sempre o melhor e o pior e com claras tendências suicidas. Veremos se ela conseguirá evitar o seu martírio nas mãos dos demopatas islâmicos. Quem (sobre)viver, verá.

  17. Sérgio

    O Brasil deve ser uma teocracia também. Afinal, os evangélicos podem parar o trânsito da cidade para fazer suas manifestações, prejudicando o resto da população. E temos todos esses feriados católicos (mas disso ninguém reclama, claro).

  18. OLHANDO O MUNDO

    Feitosa

    Que raio de expansionismo é esse que entregou Gaza a troco de nada. A margem ocidental é um território pequeno, o Sinai é muitas vezes maior. A margem ocidental tem apenas frutas e verduras, o Sinai tem petróleo e e gás. Os israelenses entregaram o Sinai em troca de uma assintaura num pedaço de papel, que os egípicios podem rasgar quando quiserem. Entregaram o Sinai e agora compram gás do Egito, e se os egípcios fecharem a torneira, os israelenses não podem fazer nada. Se os israelenses não entregassem o Sinai, não havia nada, legalmente que os egípcios pudessem fazer, pois perderam o Sinai numa guerra onde eles, os egípcios, eram os agressores. E nem podiam usar o truque da “terra palestina” porque o Sinai já era egípcio muito antes de 48.

    Só uma pessoa ignorante ou mal-intencionada pode falar de “expansionismo israelense”. Temo que as duas coisas se apliquem a você.

  19. OLHANDO O MUNDO

    Alexis

    Certamente a Inglaterra não é uma “teocracia”, não é mesmo? Agora me diga, há algum orgão religioso ao qual o parlamento israelense esteja formalmente (ou informalmente) submetido? Há partidos religiosos? Os há em inúmeros países, e existem por existem eleitores. Em Israel, como em inúmeros países, são minoritários e só servem de contrapeso nos embates entre os grandes. Isso não tem comparação nenhuma com o que acontece no Irã, por exemplo, onde um orgão religioso DESAUTORIZA o parlamento. No Irã é necessária a aprovação dos religiosos para que alguém possa ser candidato.

  20. Sérgio

    “O Irã não é uma democracia assim como Israel também não.”

    Eis aí o tipo de equivalência moral estúpida que grassa na mente dos moralizadores de Israel. É preciso ser muito apedeuta e/ou um anti-semita convicto para dizer uma M****
    dessas.

  21. "PATRULHA" do PARTIDO POGREÇISTA PORCARIA VIGARISTA

    !!
    AVISO:
    !
    MAIS UMA PESSOA FLAGRADA DIZENDO VERDADES !! JA AVISAMOS QUE NAO ADMITIMOS A VERDADE, OÇÊIS TEM BASTANTE EXEMPRO DE COMO SE DEVE MENTIR I ETISSÉTARA, ENTAO PAREM COM ESTA MANIA DE VERDADE, DEIXA NÓIS MENTIR EM PAIS.
    !
    AQUI VAI O TEXTO VERDADEIRO E DIRETO; COISA EZECRÁVER.
    !!
    !!
    Myrian Elizabeth Dauer – 04/10/2011 às 15:24
    Fatos que não são citados:
    1. Nenhum país árabe aceita os palestinos de bom grado. Se um cidadão sírio casar com uma palestina ela não terá a cidadania do marido e vice versa. Um palestino jamais poderá pedir a cidadania de nenhum país árabe e eles podem ser expulsos a qualquer tempo. É dificultado a eles o acesso à educação e a empregos em países árabes.
    2.Quando os judeus começaram a morar na palestina, compraram as terras aos árabes e palestinos que lá viviam. Compraram as terras para fazendas, kibutz, cidades e pagaram com dinheiro enviado por judeus do mundo todo, principalmente americanos.
    3.Moravam juntos, lado a lado, em cooperação judeus e palestinos e assim viveram até começar o terrorismo árabe que insuflava os palestinos contra os judeus, no princípio timidamente e aos poucos, com atos cada vez mais violentos. Realizaram progroms na própria palestina!!! Por fim espalharam o terror entre os palestinos que fugiram em massa quando da criação do estado judeu, disseminando que seriam massacrados pelos judeus.
    4.Judeus são palestinos originariamente e nada impediria sua boa convivência.
    5.Israel envia dinheiro, comida e ajuda aos palestinos semanalmente. Palestinas vão dar à luz em hospital israelense. Na última guerra um médico judeu morreu entre os pacientes palestinos que tratava.
    6.Hezbollah e Hammas são organizações financiadas com dinheiro árabe/mulçulmano com o único fim de impedir a paz naquela parte do mundo. No Alcorão está escrito que um muçulmano não poderá descansar enquanto houver judeus e infiéis na terra árabe.
    Então é preciso ser realista quando se fala a respeito de paz entre palestinos e israelenses. Não adianta ficar falando que os EUA protegem Israel sem falar na atitude árabe/muçulmana que insufla o ódio, a violência e a revolta. Não haverá paz nem estado palestino enquanto Irã e Síria por exemplo, não cessarem de pagar por mais guerra, sangue e ódio.
    Esses são os fatos. Quem não os conhece pode se informar pq é história. Quem os omite o faz por desonestidade.

  22. Fatos que não são citados:
    1. Nenhum país árabe aceita os palestinos de bom grado. Se um cidadão sírio casar com uma palestina ela não terá a cidadania do marido e vice versa. Um palestino jamais poderá pedir a cidadania de nenhum país árabe e eles podem ser expulsos a qualquer tempo. É dificultado a eles o acesso à educação e a empregos em países árabes.
    2.Quando os judeus começaram a morar na palestina, compraram as terras aos árabes e palestinos que lá viviam. Compraram as terras para fazendas, kibutz, cidades e pagaram com dinheiro enviado por judeus do mundo todo, principalmente americanos.
    3.Moravam juntos, lado a lado, em cooperação judeus e palestinos e assim viveram até começar o terrorismo árabe que insuflava os palestinos contra os judeus, no princípio timidamente e aos poucos, com atos cada vez mais violentos. Realizaram progroms na própria palestina!!! Por fim espalharam o terror entre os palestinos que fugiram em massa quando da criação do estado judeu, disseminando que seriam massacrados pelos judeus.
    4.Judeus são palestinos originariamente e nada impediria sua boa convivência.
    5.Israel envia dinheiro, comida e ajuda aos palestinos semanalmente. Palestinas vão dar à luz em hospital israelense. Na última guerra um médico judeu morreu entre os pacientes palestinos que tratava.
    6.Hezbollah e Hammas são organizações financiadas com dinheiro árabe/mulçulmano com o único fim de impedir a paz naquela parte do mundo. No Alcorão está escrito que um muçulmano não poderá descansar enquanto houver judeus e infiéis na terra árabe.
    Então é preciso ser realista quando se fala a respeito de paz entre palestinos e israelenses. Não adianta ficar falando que os EUA protegem Israel sem falar na atitude árabe/muçulmana que insufla o ódio, a violência e a revolta. Não haverá paz nem estado palestino enquanto Irã e Síria por exemplo, não cessarem de pagar por mais guerra, sangue e ódio.
    Esses são os fatos. Quem não os conhece pode se informar pq é história. Quem os omite o faz por desonestidade.

  23. Mako

    São declarações obtusas e descabidas de nexo como esta que contribuem para a tragédia palestina. Quando é que estes dois povos vão entender que seus destinos estão ligados para sempre e que o melhor é cooperar com a paz permanente?

  24. Pertison

    Tocar em Israel é como tocar na menina do olho de Deus, diz a Bíblia. Zacarias 2.8: “Porque assim diz o Senhor dos Exércitos: Depois da glória ele me enviou às nações que vos despojaram; porque aquele que tocar em vós toca na menina do seu olho”.

    Nenhuma nação conseguirá destruir Israel.

    Zacarias 12.8,9:
    Naquele dia o Senhor protegerá os habitantes de Jerusalém; e o mais fraco dentre eles naquele dia será como Davi, e a casa de Davi será como Deus, como o anjo do Senhor diante deles.
    9 E acontecerá naquele dia, que procurarei destruir todas as nações que vierem contra Jerusalém;

  25. Sérgio

    É isso aí, Lucena, bem resumido.

    A propósito, é curiosíssimo como sempre aparecem especialistas em direito internacional para ficarem apontando o dedo para Israel, igualzinho ao Erdogan, o
    turco hipócrita.

    Dá um tempo.

  26. Thiago V F Neto

    Então quer dizer que o blog divulga “notícias” sem qualquer embasamento e/ou checagem de fontes, veracidade, etc.? Alegar que “a frase está na imprensa” é tão leviano quanto desrespeitoso para com o leitor, que presume o real empenho do jornalista em passar a notícia VERDADEIRA, comprovada.

    Nos anos da Alemanha Nazista, também havia “frases na imprensa” dizendo que os judeus eram os cupins da sociedade, que destruiam a solidez da economia germânica e por aí vai – basta assistir Arquitetura da Destruição para tirar suas dúvidas.

    Não dou a mínima para seu trabalho e seus valores, mas sim, me preocupo com o grande número de leitores deste espaço por terem em sua frente informação desqualificada e erroneamente taxadas de “análises políticas”.

  27. Sérgio

    Senhor feitosa escreveu mal-feito. Expansionismo é o c*****.
    Israel *devolveu* o Sinai em troca da paz com o Egito, assinada aliás pelo Likud que vc demoniza. Israel poderia, como todo mundo, ficar com o território conquistado me uma guerra. É assim no mundo todo. E recentemente, em 2005, o demôninho preferido dos anti-semitas disfarçados (ie., covardes), o general Sharon, fez a retirada de Gaza incluindo desmantelamento de assentamentos. E, Sabra e Chatila foi um massacre perpetrado por CRISTÂOS.

    Portanto, vai plantar batatas, seu feitosa.

  28. Salama

    O mito da convivencia harmoniosa… Israel foi criado em 1948. MEUS ANTEPASSADOS foram expulsos primeiro de Alepo (Siria) e logo depois do Egito… na segunda metade do Sec. XIX… só por serem JUDEUS.

    Esse Edgar Feitosa deveria estudar HISTÓRIA (e nao se informar pelas cartilhas do politicamente correto) antes de falar as asneiras proferidas em seu comentário…

  29. SergioD

    Reinaldo, sou solidário com o sofrimento do povo palestino, mas com lideranças como essas a paz e pátria ficam cada vez mais distantes. Parece um roteiro armado, não?
    De um lado Hamas e Hezbollah, e a Autoridade Palestina. Do outro Benjamin Netanyahu. Quanto os primeiros provocam soltando foguetes, o outro manda bombardear Gaza ou o sul do Líbano. Quanto a AP vai a ONU solicitar a Aprovação do Estado Palestino, Netanyahu manda construir mais casas na Jerusalém Oriental. Quer dizer, não vejo pessoas, em ambos os lados, interessadas no rompimento do status quo beligerante. Fica muito difícil de se conseguir paz desse jeito. A atuação da AP é, digamos assim, mais Light. Mas aí aparece um embaixador como esse e fala uma barbaridade dessas…

  30. Anónimo

    Bravo Reinaldo, bravo!!!

  31. Lucas

    Pelo amor de Deus, parem com citações bíblicas e/ou argumentos religiosos para apoiar ou discordar de Israel. Não confundam a Israel bíblica com a Israel histórica, cuja independência foi declarada em 1948. O país Israel traça suas origens no sionismo, que foi acirrado diante dos massacres efetuados contra os judeus na Europa desde sempre, mas principalmente no séc. XX. Exaltem Israel por sua natureza liberal democrática na região, e tragam legitimidade por suas conquistas e pelo sofrimento do povo judeu, mas não usem a bíblia ou o “Senhor” para expressar o seu apoio, pois muitos do que o dizem são cristãos que andam interpretando literalmente a bíblia. Reinaldo, é interessante mesmo como o anti-sionismo foi encampado pelas esquerdas mundiais.

  32. Fernando

    Se a “coisa” está neste ponto: porque não os palestinos? O mundo, por acaso, sairia perdendo?

  33. Christiane Rebola

    Prefito me calar, caso contrário posso ser processada por incitar à violência !!!

    FORÇA ISRAEL !!!!!!!

  34. Para aqueles que desconhecem a verdadeira relação de boa vontade do Gov. de Israel para com os Palestinos, segue outro link (pdf). http://www.mfa.gov.il/NR/rdonlyres/7E5F65B8-5291-46BD-8140-B6A105332007/0/ImplementationProjectsGazaJuly.pdf

    Qual nação (que não deseja a paz) tem tão boa vontade em ajudar seus supostos inimigos?

    Qual nação árabe ofereceria sua mão, ajuda ou permissão para o progresso, educação, saúde, comércio e outros bens sólidos para qualquer judeu ou cidadão israelense?

  35. Claro que Alzeben também criticou os EUA, como todos líderes e governos árabes fazem, mas omitiu que os EUA são o maior doador em dinheiro para a Palestina, segue; “Ajuda externa dos EUA para os palestinos – Do ano fiscal de 2008 até o presente, assistência dos EUA, bilateral anual para a Cisjordânia e na Faixa de Gaza tem uma média de US $ 600 milhões, incluindo as médias anuais de mais de US $ 200 milhões em ajuda orçamental directa e mais de US $ 100 milhões em não-letais de segurança assistência para o PA na Cisjordânia. Além disso, os Estados Unidos é o maior doador individual de estado para o Alívio da ONU e Agência para os Refugiados da Palestina no Próximo Oriente (UNRWA.
    http://www.fas.org/sgp/crs/mideast/RS22967.pdf

  36. olavo

    Myrian, lembre-se do que a molusca disse que a crise foi causada por gente de olhos azuis e de cabelos louros. Quando esse racista será julgado ?

  37. Para não desconstruir a causa árabe contra Israel, o embaixador Alzeben também negou algumas informações fundamentais aos estudantes em sua palestra: Em 2010, os estados árabes cortaram a ajuda financeira à Autoridade Palestina. Segundo o Ministério das Finanças na Palestina, o PA recebeu 583.500 mil dolares no apoio orçamental até Agosto de 2010, dos quais apenas 22 por cento vieram de países árabes. O restante foi de doadores internacionais, incluindo a União Europeia e os Estados Unidos e Israel. Salah Rafat, membro do Comitê Executivo da OLP, instou os países árabes para honrar seus compromissos financeiros “

  38. edgard feitosa

    Israel não quer e jamais vai permitir a criação do estado Palestino por uma simples razão: o EXPAN SIONISMO israelense não tem limites; por outro lado sempre posar de vítima é a sua estratégia hipócrita; interessante que a volta dos palestinos NÂO PODE; mas o EXPAN SIONISMO das colônias nas terras palestinas ISSO PODE, mesmo que tenham que destruir as casas dos palestinos; o povo “ELEITO” por Deus; o povo que tem uma “MISSÃO” divina PODE TUDO, inclusive holocaustear o povo palestino;um povo que sofreu os horrores nazistas ao invés de aprender a tolerância, aplica os mesmos métodos de genocídio como os praticados nos campos de Sabra e Chatilla; sob a responsabilidade de Ariel Sharon.

  39. Vejam o quanto Israel é “mau” para os palestinos neste link (sobre tais fatos o Sr. Embaixador Alzeben ficou calado); Humanitarian & civilian activities towards the Gaza Strip – monthly report for August 2011 http://www.mfa.gov.il/MFA/HumanitarianAid/Palestinians/Humanitarian_civilian_activities_Gaza_Strip_monthly_report_August_2011.htm

  40. Cezar

    Um embaixador de uma nação é a própria nação em outra terra! Assim, esse indivíduo fala por seu governo,sim.
    É um tremendo sofisma dizer que eles querem terra em troca de paz. O que eles querem é o fim de Israel, nada menos do que isto!
    Sabemos, pela profecia bíblica, da qual muitos debocham, que o pior para israel ainda está para vir, muito pior do que o homocausto da Segunda Guerra. Mas, além de outras, o Reinaldo disse uma grande verdade: Israel vai sobreviver a tudo, mesmo ao “tempo de angústia para Jacó, quando Jerusalém estará cercada de nações”. O tempo disto se aproxima, pois os Estados Unidos, o grande protetor de Israel, começam sua curva de descenso, a queda do grande império, e Israel sabe que o seu tempo de solidão está chegando.
    É impressionante o ódio a Israel por uns e o desprezo por outros. Não se acha explicação para isso fora da profecia bíblica. Só lamento que, depois de Oswaldo Aranha, o nosso Brasil tome uma atitude tão irrefletida contra Israel.

  41. Só um embaixador cretino como esse tal de Alzeben tem a coragem de mentir descaradamente ao afirmar aos jovens brasileiros que “Israel está preparando provocações para um novo conflito. Duvidem da origem dos próximos foguetes partindo da Palestina. Afirmou ter informações da contra-inteligência segundo as quais Israel estaria infiltrando agentes em Gaza para disparar mísseis contra o próprio território.” – Esse senhor é deplorável.

  42. Roberto

    “Feliz és tu,Israel, povo salvo pelo Senhor, malditos serão os que te amaldiçoarem

  43. […] – O “capitalismo de Gaspari” ou o “contubérnio incestuoso da burocracia”?; – “Esse Israel tem de desaparecer”. E ninguém soltou um pio de protesto!; – Os avós da […]

  44. Lucerna Juris

    Rei,

    Esse assunto já deu o que tinha que dar. Está mais do que na cara que todo esse tró-lõ-lõ dos dirigentes palestinos não passa de pretexto. O que eles querem, mesmo, é destruir o Estado de Israel. Como não podem declarar abertamente que sua intenção é destruir o judaísmo, a maneira “politicamente correta” que encontram é a de pregar a destruição de Israel, como se uma coisa fosse sideralmente distinta da outra. Na sua cola seguem os “esquerdistas” de carteirinha, amiguinhos dos neo-nazistas e de outros tantos idiotas que andam por aí. Esses “esquerdistas” agem, mais ou menos, como os lulo-pestistas, verdadeiros fascistas enfurnados, que vivem elogiando a liberdade de Imprensa, mas que, em verdade, estão loucos é para acabar com ela, para tanto inventando mil e uma formas cínicas e indiretas de tentar atingir seu objetivo. O problema dos árabes que habitam a região da Palestina — mera região geográfica, assim denominada pelos romanos que destruiram a Judeia, não Povo palestino, não Nação palestina, nâo Estado palestino, que estes nunca existiram — nunca vai ser solucionado, enquanto tiverem os dirigentes que têm, a partir do democrata Arafat. Do mesmo modo, o problema do antissemitismo não vai ser solucionado. E sabe por quê ? Simplesmente porque a frustração, a inveja, o ressentimento, a ignorância, a estupidez, a idiotice, o sentimento de manada, a sacanagem, a pilantragem, a falta de educação, a falta de ética, tudo isso faz parte da natureza humana e continuará a dela fazer parte parte para todo o sempre, enquanto o homem for homem, de modo que, enquanto o homem for homem (e a mulher for mulher, para não parecer “politicamente incorreto”…), haverá antissetimismo, agora travestido de “anti-sionismo”, este como modo “politicamente correto” de poder expressar todas as “virtudes” acima, imaginando-se que se está a acobertá-las com um “manto político” . Mas é ótimo que os antissemitas (menos inteligentes, menos sofisticados, mais estúpidos do que aqueles que se proclamam “anti-sionistas) se expressem abertamente, como também que se expressem abertamente esses anti-sionistas (que, mais sofisticados, imaginam esconder seu antissemitismo sob a capa da política), porque, assim, se torna muito mais fácil identificar os invejosos,os frustrados, os boçais, os idiotas, os cretinos, os cínicos, os que estão sempre à busca de bodes expiatórios para suas maldades ou para sua impotência, sua incapacidade, sua, sua, sua, etc, etc, etc.

  45. Alexis de Tocqueville

    A circunstância de a Igreja Anglicana ser nominalmente dirigida pelo ocupante do trono britânico não faz dela uma religião oficial nem torna o Reino Unido um Estado confessional. Não há hipótese de um Estado teocrático garantir a liberdade religiosa, pois simplesmente perderia sua razão de ser se assim procedesse.

  46. Alexis de Tocqueville

    Reinaldo,
    À luz dos princípios que norteiam o Direito Internacional Público, a moldura institucional do Estado de Israel é um tema de interesse exclusivo de seu povo na medida em que eles buscam resguardar a soberania dos Estados Nacionais desde a celebração, nos idos de 1648, dos Tratados de Westfália – que puseram termo à sangrenta Guerra dos Trinta Anos ao chancelar a independência dos numerosos Estados de que se compunha a Europa Central. Partindo-se da premissa de que o reconhecimento diplomático de um Estado tem por finalidade precípua assegurar sua soberania, seria absurdo que um Estado manifestasse oficialmente seu assentimento ao sistema político de outro, que, cumpre ressaltar, pode muito bem sofrer alterações ao longo do tempo. Os palestinos que foram despojados arbitrariamente de suas terras durante a guerra travada entre o recém-criado Estado de Israel e uma coalizão de nações árabes são considerados refugiados pelo simples fato de terem sido forçados a abandonar o território no qual viveram por várias gerações. Os líderes políticos palestinos, pertençam eles ao governo da Autoridade Nacional Palestina ou ao Hamas, certamente jamais irão reconhecer Israel como Estado judeu, pois se assim o fizessem estariam não só legitimando a expulsão de seus antepassados como também desistindo de antemão de qualquer reinvindicação que buscasse assegurar a estes e a seus descendentes, senão o direito de retorno, ao menos alguma forma de reparação pelos prejuízos que sofreram.

  47. Luis Jorge

    Reinaldo e a frase em que o embaixador se refere ao presidente do Irã, você está a usando para responder posts aqui, é muito simples de ser quebrada coo argumento… Ele quis dizer que “Este Israel” ou seja o país Israel que faz assentamentos em regiões indevidas, entre outros erros, deve acabar, e não´é o presidente do Irã que disse isso, porque o assassino maluco que acha que fala com o décimo segundo imã, acaha que QUALQUER ISRAEL, tem que acabar, ous eja, não pode existir NENHUM país de Israel. Já o embaixador claramente se refere ao fato delenão ser o presidente do Irã, e por isso mesmo não desejar o fim do país de Israel, e sim apenas desejar o fim do país de Israel que invade territórios alheios e faz assentamentos no mesmo, e que não deseja, JAMAIS a criação de um Estado Palestino ao seu lado, ao menos na opinião dos governantes que hoje estão no poder em Israel! P.S: Terrorista palestinos e árabes existem aos milhares infelizmente, mas quem matou Rabin, é bom lembrar, foi um fanático judeu! Fanáticos existem em todos os lados, principalmente quando não vemos, ou fingimos não ver, os erros de um lado e vemos só do outro ( que por mais que erre muito, não erra sozinho).

  48. Caro Reinaldo,

    A frase está num artigo do Estadão (porque a matéria da Veja a respeito desta mesma palestra sequer menciona tal ponto), cujo autor conhecemos. O próprio autor (embora não publicamente) admitiu ter chamado a atenção para a frase mais marcante da fala do embaixador, contando com a “boa fé” do leitor que inferisse, *do restante da matéria*, que o embaixador estava se referindo a uma circunstância específica, do “Israel ocupante”.

    O problema é que não parece ter havido esforço – nem de quem escreveu a matéria, muito menos da leitura que foi apresentada aqui – de situar a discussão no seu devido contexto.

    Quando ele falou de Ahmadinejad, a comparação foi utilizada para mostrar que, ao contrário das estripolias ditas pelo presidente do Irã, havia um clamor claro (e moderado) contra a presença física de Israel na Cisjordânia. Fez o paralelo para dar ênfase, nada mais. Não louvou, de maneira alguma, ditos ou atos de tal ou qual.

    Agora, convenhamos: rebater argumentos dizendo que a frase “está na imprensa” é subestimar a inteligência dos seus leitores e enfraquecer seu próprio raciocínio, que – mesmo discordando de muito do que você diz – costuma ser impecável.

  49. Ricardo

    Aproveitando a deixa do Rodolfo e a sua lenda de “judeus e árabes vivendo harmoniosamente”, lembro que dia 2 de outubro o massacre de 21 judeus (sendo a maioria mulheres e crianças) em Tiberias completou 73 anos. Pra quem sabe fazer contas eu lembro que Israel só foi criado em 48…

  50. Ricardo

    Eu entendo a revolta de alguns dos comentaristas. É óbvio que um representante palestino – ainda mais um membro do “moderado” Fatah! – nunca seria capaz de negar o direito de existência de Israel. É culpa da imprensa, claro!
    Abbas Zaki, embaixador palestino no Líbano, disse coisas parecidas numa entrevista pra al-Jazira (até ela os ‘sionistas’ já controlam…), mas fica claro pra qualquer um que distorceram as palavras dele também. Ou então doparam ele e usaram de controle da mente pra obriga-lo a fazer as afirmaçõs contidas no video abaixo.
    http://www.memritv.org/clip/en/3130.htm