Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

França: tiroteio fecha a avenida Champs Elysées, em Paris

Ataque ocorre às vésperas da eleição presidencial; um policial e um atirador morreram

Na VEJA.com. Comento mais tarde:

A avenida Champs Elysées, em Paris, foi fechada pelas autoridades locais após tiros serem disparados na área. Segundo o sindicato de policiais Unité SGP Police, um policial morreu e outros dois ficaram gravemente feridos. A polícia francesa confirmou que o atirador foi morto no incidente.

O porta-voz do Ministério do Interior, Pierre Henry Brandet, disse que o homem saiu de um veículo e começou a atirar deliberadamente contra os policiais que estavam no local.

De acordo com as emissoras locais, o incidente aconteceu por volta das 21h30 do horário local (16h30 em Brasília). A Prefeitura de Paris pediu que os cidadãos evitem a região por questões de segurança.

A Champs Elysées é uma das avenidas mais luxuosas e turísticas e fica localizada no coração da capital da França. Imagens do local mostram dezenas de viaturas policiais e veículos oficiais na avenida que costuma ficar tomada por pedestres. Helicópteros também sobrevoam a região.

Alerta pré-eleição
A França está em estado de emergência permanente desde os atentados de 2015, mas a eleição presidencial deste domingo, 23, aumentou a sensação de insegurança. Na terça-feira, a polícia prendeu dois homens, suspeitos de preparar um ataque “iminente”, em Marselha, no sul do país.

Clément Baur, de 22 anos, e Mahiedine Merabet, de 29 anos, são cidadãos franceses e, de acordo com o procurador-geral de Paris, François Molins, se preparavam para realizar uma “ação violenta em território francês, sem que possamos determinar com precisão o dia e os objetivos”.

Os dois homens eram vigiados pela Polícia por radicalização e já haviam sido presos por outros delitos sem relação com o terrorismo, de acordo com uma fonte próxima às investigações.

No apartamento onde estavam estabelecidos em Marselha, a polícia apreendeu três quilos de explosivo, uma granada artesanal, várias armas de fogo, incluindo uma metralhadora, munição e uma bandeira do grupo Estado Islâmico(EI). Molins revelou que Mahiedine Merabet tentava entrar em contato com o EI para transmitir um “vídeo jurando lealdade ao grupo”.

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s